Mário Sottomayor Cardia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mário Sottomayor Cardia
Mário Sottomayor Cardia
Ministro(a) de Portugal Portugal
Período I Governo Constitucional
  • Ministro da Educação e Investigação Científica

II Governo Constitucional

  • Ministro da Educação e Cultura
Dados pessoais
Nascimento 19 de maio de 1941
Matosinhos
Morte 17 de novembro de 2006 (65 anos)
Lisboa
Partido Partido Socialista e Partido Comunista Português
Profissão Jornalista e Professor universitário

Mário Augusto Sottomayor Leal Cardia GCL (Matosinhos, 19 de Maio de 1941Lisboa, 17 de Novembro de 2006) foi um jornalista, professor universitário e político português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

De uma família da alta burguesia nortenha, foi expulso do liceu aos 14 anos, por apoiar a independência da Índia Portuguesa. Terminados os estudos liceais no Porto, apoiou nesta cidade a campanha presidencial de Humberto Delgado, em 1958. Rumou a Lisboa para cursar Direito, mas rapidamente se mudou para Filosofia. Licenciado na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, destacou-se como dirigente estudantil, experiência determinante para ingressar nas fileiras do Partido Comunista Português, em 1961. Foi redator e chefe de redacção da revista Seara Nova, entre 1963 e 1968. Candidato à Assembleia Nacional, pela CDE, em 1965 e 1969, foi preso e espancado pela PIDE, em outubro de 1970, experiência que abordou em O Dilema da Política Portuguesa (1971)[1].

Afastado do PCP em 1971, participa na fundação do Partido Socialista, em 1973[2]. Após o 25 de Abril, é escolhido para porta-voz do PS e diretor do Portugal Socialista, o jornal oficial do partido. Foi eleito deputado à Assembleia Constituinte, em 1975, e deputado à Assembleia da República, de 1976 a 1991. Foi membro dos I e II Governos Constitucionais, como Ministro da Educação e Investigação Científica e Ministro da Educação e Cultura, respetivamente. Nessa qualidade foi autor de um modelo de gestão do ensino superior e outro do ensino básico e secundário, tendo planeado o sistema de concurso nacional no acesso ao ensino superior, bem como a divisão do ensino superior em universitário e ensino superior de curta duração, depois designado politécnico. De resto, a sua ação como Ministro foi reconhecida no saneamento da influência ideológica comunista no ensino e na consumação da introdução das ciências sociais no ensino superior português. Foi ainda um dos principais impulsionadores da criação da Universidade Nova de Lisboa[3].

Em 1978, deixando o governo e a direcção do PS, inicia o último ciclo da sua vida política. Voltou à Assembleia da República, em 1983. Propõe a retirada do cunho marxista do programa do PS, como defendera em Socialismo Sem Dogma (1982), com prefácio de Mário Soares. Enquanto deputado, alimenta tensões com a bancada parlamentar socialista, dirigida por Vítor Constâncio, atingindo a rotura com Jorge Sampaio. Mas só em 1997 abandonaria o partido, sem contemplações com o estilo de António Guterres. Em 1996 chegara a anunciar a sua candidatura às eleições para Presidente da República, da qual acabaria por desistir. Este percurso de marginalização política foi alimentado por uma crescente autonomização do seu pensamento. Entretanto passara de convidado a efectivo no Departamento de Filosofia da Universidade Nova de Lisboa, onde leccionava desde 1979 e se doutorou em 1992, com a dissertação intitulada Da estrutura da moralidade.

A 10 de Junho de 1991 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade.[4] O seu nome foi atribuído à Biblioteca Central da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas.

Funções governamentais exercidas[editar | editar código-fonte]

Referências

Precedido por
-
Ministro da Educação e Investigação Científica
I e II Governo Constitucional
Sucedido por
Carlos Lloyd Braga
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.