Produto interno bruto do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O produto interno bruto do Brasil é um indicador do tamanho da economia brasileira. Esse indicador econômico corresponde à soma, em valores monetários, de todos os bens e serviços finais produzidos internamente em determinada época mais os impostos sobre os produtos e menos os subsídios não incluídos no valor dos produtos usando a metodologia de cálculo do órgão governamental Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)[1]. Não deve-se confundi-lo com o acúmulo de riquezas totais, mas sim o fluxo de novos bens e serviços[2]. Sua composição básica constitui: consumo das famílias + consumo do governo + investimentos + exportações - importações.

Ao dividir o produto interno bruto (PIB) de um ano pelo ano anterior, não necessariamente resulta em valor de crescimento. Isto se deve à diferença entre o PIB nominal e o PIB real, no qual este último desconta a inflação. O tamanho do crescimento é medido pelo PIB real. Em vários anos, verificou-se um baixo crescimento do mesmo, enquanto o PIB nominal cresceu muito mais.

No continente americano, até o ano de 2018, o valor do PIB brasileiro em dólares estadunidenses só não é maior que o dos Estados Unidos.[3][necessário esclarecer] Em 2011, chegou a ser a sexta maior economia do mundo.[4][5] Entretanto, em 2012, a economia voltou à sétima posição na classificação mundial, o que foi atribuído, pelo menos em parte, à desvalorização da moeda brasileira, o real.[6][7] Durante a década de 2010, o PIB do país se manteve dentre os dez maiores dentre os países do mundo, com algumas variações na posição. Em 2017, o IBGE determinou que o PIB real brasileiro cresceu 1,06% em relação a 2016, totalizando 6,55 trilhões de reais nominais (cerca de 2,05 trilhões de dólares estadunidenses, sempre considerando-se valores correntes)[8]. Esse crescimento se verificou após duas quedas consecutivas, ambas superiores a 3%, em 2015 e 2016.[9] Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), o Brasil foi a oitava maior economia do mundo em 2017.[10][11] Em 2016, o PIB totalizou 6,26 trilhões de reais (ou 1,79 trilhão de dólares estadunidenses), de acordo com dados do Banco Mundial.[12] Houve queda de 3,30% em relação a 2015. Em 2015, o PIB totalizou 5,95 trilhões de reais (ou 1,80 trilhão de dólares estadunidenses), segundo o Banco Mundial;[12] ou 1,77 trilhão de dólares estadunidenses, segundo o FMI. Houve queda de 3,55% em relação a 2014.[13] Naquele ano, o país foi classificado pelo FMI como a nona maior economia do mundo, em números brutos (comparação país a país, sem considerar quantidade de habitantes).[14] Anteriormente, o país estivera na sétima posição, segundo o Banco Mundial, com PIB de 2,09 trilhões de dólares estadunidenses em 2010.[15]

Ao mesmo tempo em que o PIB do Brasil tem colocado o país entre as dez maiores economias do mundo, quando se consideram os valores do PIB per capita (PIB dividido pela população), tendo em vista valores nominais, a situação do país é muito diferente. Em 2013, o Brasil ficou na 62ª posição mundial, cujo valor foi de 11.310 de dólares estadunidenses por habitante, segundo o World Economic Outlook Database do FMI.[16] De acordo com previsão do banco Goldman Sachs,[quando?] o Brasil atingirá em 2050 um PIB de 11,3 trilhões de dólares estadunidenses e um PIB per capita de 49.759 de dólares estadunidenses, tornando-se a quarta maior economia do planeta.[17]

Em dezembro de 2017, de acordo com o IBGE, o setor de serviços respondeu pela maior parte do PIB, com 73,2%,[18] seguido pelo setor industrial, com 21,2%, enquanto a agricultura representou 5,7%.[19]

Em novembro de 2018, de acordo com o Banco Central do Brasil, a dívida pública bruta geral brasileira correspondeu a 85,9% do PIB.

Evolução histórica, em reais[editar | editar código-fonte]

Os gráficos e as tabelas a seguir mostram a evolução do produto interno bruto real e nominal brasileiro em preços correntes e constantes de 2010, além da comparação per capita, em reais, entre 1961 e 2018. Percebe-se que houve aumentos significativos do PIB nos primeiros anos da ditadura militar brasileira, seguido de crescimento menor e inclusive recessão devido, entre outros fatores, à crise do petróleo, que contribuiu também para o fim da ditadura[20][necessário esclarecer]. Nos últimos anos mostrados pelo segundo gráfico, percebe-se dois anos consecutivos de recessão, que foi consequência da crise econômica no Brasil desde 2014.

Alguns dados utilizados para elaboração dos gráficos e das tabelas são do Banco Mundial, exceto os períodos futuros, que seriam estimativas de mercado e estimativas do FMI, incluindo o World Economic Outlook Database realizado em abril de 2019, além de projeções do IBGE.

Produto interno bruto real brasileiro entre 1961 e 2018.
Variação do produto interno bruto real brasileiro entre 1961 e 2018.


Ano PIB real (R$ constantes, 2010)[21] Variação anual do PIB real constante[22][23] PIB nominal (R$ correntes)[24] Part. de serviços sobre o PIB[25] Part. da indústria sobre o PIB[26] Part. da agricultura sobre o PIB[27] Governo[28]
2024 4.543.501.136.900,00 2,2% (est. abr 2019) . . . . .
2023 4.445.695.828.700,00 2,2% (est. abr 2019) . . . .
2022 4.349.995.918.500,00 2,2% (est. abr 2019) . . . . Governo Bolsonaro
2021 4.256.356.084.600,00 2,2% (est. abr 2019) . . . .
2020 4.164.731.981.100,00 2,5% (est. abr 2019) . . . .
tri. 2019 4.097.689.954.000,00 0,85% (est. 1 jul 2019)[29] . . . .
tri. 2019 . . . . . .
tri. 2019 4.073.148.045.400,00 0,86%[30][31] . . . .
tri. 2019 4.056.920.363.900,00 0,45%[32] . . . .
2018 4.063.153.152.300,00 1,12% 6.827.586.000.000,00 62,63% 18,44% 4,36% Governo Temer / Governo Dilma
2017 4.018.246.070.800,00 1,06% 6.553.843.000.000,00 63,08% 18,35% 4,63%
2016 3.975.947.505.600,00 -3,30% 6.267.205.000.000,00 63,20% 18,35% 4,89%
2015 4.111.863.267.300,00 -3,55% 5.995.787.000.000,00 62,31% 19,36% 4,32%
2014 4.263.019.865.100,00 0,50% 5.778.954.000.000,00 61,25% 20,47% 4,33%
2013 4.241.643.857.400,00 3,00% 5.331.618.000.000,00 59,68% 21,22% 4,51%
2012 4.117.908.023.600,00 1,92% 4.814.760.000.000,00 58,73% 22,13% 4,17%
2011 4.040.287.000.000,00 3,97% 4.376.382.000.000,00 57,57% 23,10% 4,34%
2010 3.885.847.000.000,00 7,53% 3.885.847.000.000,00 57,61% 23,27% 4,12% Governo Lula
2009 3.613.782.536.800,00 -0,13% 3.333.039.355.300,00 59,14% 21,88% 4,48%
2008 3.618.344.848.800,00 5,09% 3.109.803.089.100,00 56,80% 23,08% 4,57%
2007 3.442.954.040.800,00 6,07% 2.720.262.937.800,00 57,73% 23,12% 4,42%
2006 3.245.930.273.200,00 3,96% 2.409.449.922.000,00 57,14% 23,54% 4,37%
2005 3.122.227.953.800,00 3,20% 2.170.584.503.500,00 56,08% 24,17% 4,65%
2004 3.025.352.201.600,00 5,76% 1.957.751.213.000,00 54,92% 24,31% 5,66%
2003 2.860.583.597.900,00 1,14% 1.717.950.396.400,00 56,36% 23,08% 6,17%
2002 2.828.317.333.600,00 3,05% 1.488.787.255.200,00 57,35% 22,49% 5,47% Governo FHC
2001 2.744.514.626.300,00 1,39% 1.315.755.467.800,00 57,71% 22,64% 4,80%
2000 2.706.891.636.800,00 4,11% 1.199.092.070.900,00 58,25% 23,01% 4,75%
1999 2.593.107.395.300,00 0,47% 1.087.710.456.100,00 60,20% 21,75% 4,65%
1998 2.581.029.787.300,00 0,34% 1.002.351.019.200,00 61,12% 22,12% 4,75%
1997 2.572.332.784.100,00 3,40% 952.089.196.100,00 60,61% 22,59% 4,68%
1996 2.487.873.316.700,00 2,21% 854.763.607.800,00  60,32% 22,34% 4,77%
1995 2.434.138.837.100,00 4,42% 705.991.552.900,00 58,12% 23,38% 5,01%
1994 2.331.177.011.100,00 5,33% 356.801.000.000,00  43,46% 34,67% 8,54% Governo Itamar / Governo Collor
1993 2.213.117.133.400,00 4,67% 14.097.114.200,00  44,13% 36,13% 6,56%
1992 2.114.473.377.100,00 -0,47% 640.958.800,00  47,06% 33,99% 6,78%
1991 2.124.392.446.100,00 1,51% 60.286.000,00  48,85% 31,51% 6,79%
1990 2.092.751.359.000,00 -3,10% 11.548.794,55  45,15% 32,83% 6,87%
1989 2.159.754.635.400,00 3,28% 425.595,31  48,37% 42,28% 8,44% Governo Sarney
1988 2.091.175.398.500,00 -0,10% 31.477,70  41,79% 39,45% 9,14%
1987 2.093.324.671.900,00 3,60% 4.195,11  39,70% 41,29% 9,01%
1986 2.020.590.886.900,00 7,99% 1.331,57  38,88% 40,19% 9,93%
1985 1.871.120.277.400,00 7,95% 502,74  39,27% 41,24% 10,50%
1984 1.733.387.688.100,00 5,27% 140,40  39,04% 41,68% 10,45% Governo Figueiredo
1983 1.646.624.676.700,00 -3,41% 42,64  40,52% 39,48% 9,83%
1982 1.704.753.241.500,00 0,58% 18,38  40,86% 40,99% 8,06%
1981 1.694.918.552.000,00 -4,39% 8,92  40,88% 39,25% 9,64%
1980 1.772.804.171.700,00 9,11% 4,50  40,80% 39,59% 9,95%
1979 1.624.771.855.300,00 6,77% 2,20  43,45% 36,52% 9,90%
1978 1.521.802.370.400,00 3,23% 1,32  42,71% 35,52% 10,28% Governo Geisel
1977 1.474.161.744.300,00 4,61% 0,91  41,13% 34,05% 12,93%
1976 1.409.247.330.000,00 9,79% 0,59  41,65% 34,98% 11,45%
1975 1.283.579.620.400,00 5,21% 0,37  42,14% 35,47% 10,68%
1974 1.220.027.463.800,00 9,04% 0,26  40,86% 34,82% 11,23%
1973 1.118.858.896.300,00 13,98% 0,18  40,82% 33,42% 11,45% Governo Médici
1972 981.638.655.500,00 12,05% 0,13  41,37% 32,74% 11,07%
1971 876.050.072.600,00 11,30% 0,09  41,91% 32,72% 11,01%
1970 787.141.730.600,00 8,77% 0,07  41,47% 32,18% 10,37%
1969 723.675.747.600,00 9,74% 0,06  41,42% 31,31% 11,08%
1968 659.470.811.100,00 11,43% 0,04  41,66% 30,69% 11,83% Governo Costa e Silva
1967 591.839.625.800,00 4,92% 0,03  43,96% 29,15% 13,01%
1966 564.112.021.200,00 4,15% 0,02 41,73% 29,80% 13,31% Governo Castello
1965 541.632.328.400,00 3,05% 0,01 42,52% 29,93% 16,67%
1964 525.583.694.000,00 3,49% 0,01 43,76% 32,02% 15,84%
1963 507.881.080.900,00 0,88% 0,005 40,17% 34,77% 15,13% Governo Goulart / Governo Jânio
1962 503.477.302.900,00 5,22% 0,003 44,16% 29,84% 15,53%
1961 478.517.543.500,00 10,28% 0,001 33,98% 36,60% 17,09%
Produto interno bruto real per capita brasileiro entre 1961 e 2018.
Variação do produto interno bruto real per capita brasileiro entre 1961 e 2018.
Ano PIB real per capita (R$/hab. constantes, 2010)[33] Variação anual do PIB real per capita constante[34][35] PIB nominal per capita (R$/hab. correntes)[36] Governo[28]
2024 20.871,96 1,54% (proj. 1 jul 2024) . .
2023 20.554,41 1,51% (proj. 1 jul 2023) .
2022 20.248,69 1,48% (proj. 1 jul 2022) . Governo Bolsonaro
2021 19.953,14 1,45% (proj. 1 jul 2021) .
2020 19.667,63 0,86% (proj. 1 jul 2020) .
tri. 2019 19.499,15 0,52% (proj. 1 jul 2019) .
tri. 2019 . . .
tri. 2019 19.462,36 0,04% (proj. 1 jan 2019) .
tri. 2019 19.421,40 -0,37% (proj. 1 out 2018) .
2018 19.397,37 0,33% 32.594,68 Governo Temer / Governo Dilma
2017 19.333,94 0,25% 31.534,05
2016 19.285,45 -4,10% 30.399.26
2015 20.109,69 -4,35% 29.323,30
2014 21.024,57 -0,35% 28.500,92
2013 21.098,94 2,11% 26.520,72
2012 20.663,17 1,01% 24.159,89
2011 20.455,64 3,03% 22.157,26
2010 19.854,76 6,52% 19.854,75 Governo Lula
2009 18.638,70 -1,08% 17.190,67
2008 18.842,57 4,05% 16.194,33
2007 18.108,38 4,97% 14.307,35
2006 17.250,23 2,83% 12.804,82
2005 16.774,71 2,03% 11.661,84
2004 16.441,55 4,50% 10.639,58
2003 15.733,98 -0,12% 9.449,19
2002 15.753,35 1,71% 8.292,35 Governo FHC
2001 15.488,58 0,01% 7.425,42
2000 15.486,51 2,91% 6.860,17
1999 15.048,33 -1,01% 6.312,20
1998 15.201,73 -1,18% 5.903,64
1997 15.383,93 1,79% 5.694,01
1996 15.113,31 0,60% 5.192,51
1995 15.023,70 2,75% 4.357,44
1994 14.621,70 3,63% 2.237,94 Governo Itamar / Governo Collor
1993 14.109,85 2,94% 89,88
1992 13.707,26 -2,15% 4,15
1991 14.008,71 -0,26% 0,40
1990 14.045,01 -4,84% 0,08
1989 14.759,65 1,37% 0,003 Governo Sarney
1988 14.559,71 -2,01% .
1987 14.857,70 1,55% .
1986 14.630,42 5,77% .
1985 13.832,07 5,64% .
1984 13.093,68 2,93% . Governo Figueiredo
1983 12.720,28 -5,61% .
1982 13.476,49 -1,75% .
1981 13.716,23 -6,62% .
1980 14.688,42 6,57% .
1979 13.783,46 4,27% .
1978 13.219,14 0,81% . Governo Geisel
1977 13.112,36 2,15% .
1976 12.835,74 7,22% .
1975 11.971,88 2,75% .
1974 11.651,91 6,50% .
1973 10.941,37 11,30% . Governo Médici
1972 9.830,21 9,39% .
1971 8.986,70 8,59% .
1970 8.275,84 6,06% .
1969 7.802,72 6,94% .
1968 7.296,07 8,53% . Governo Costa e Silva
1967 6.722,71 2,13% .
1966 6.582,67 1,33% . Governo Castello
1965 6.496,45 0,20% .
1964 6.483,52 0,56% .
1963 6.447,43 -2,02% . Governo Goulart / Governo Jânio
1962 6.580,17 2,19% .
1961 6.439,36 7,11% .

Evolução da dívida pública bruta geral[editar | editar código-fonte]

O gráfico e a tabela a seguir mostram a evolução da dívida pública bruta geral em relação ao produto interno bruto nominal brasileiro, em reais, entre 2001 e novembro de 2018, segundo o Banco Central do Brasil, exceto os períodos futuros, que seriam estimativas do World Economic Outlook Database do FMI realizado em abril de 2019.

Dívida pública bruta geral brasileira entre 2001 e 2018.
Ano Dívida pública bruta geral (R$)[37] Dívida pública bruta geral[37][38] Governo[28]
2024 . 97,6% .
2023 . 96,5%
2022 . 95,6% Governo Bolsonaro
2021 . 94,1%
2020 . 92,4%
2019 . 90,4%
2018 (nov) 5.869.782.000.000,00 85,9% Governo Temer / Governo Dilma
2017 5.449.151.000.000,00 83,1%
2016 4.853.850.000.000,00 77,4%
2015 4.300.759.000.000,00 71,7%
2014 3.560.826.000.000,00 61,6%
2013 3.171.361.000.000,00 59,6%
2012 2.966.578.000.000,00 61,6%
2011 2.653.563.000.000,00 60,6%
2010 2.426.059.000.000,00 62,4% Governo Lula
2009 2.156.529.000.000,00 64,7%
2008 1.910.043.000.000,00 61,4%
2007 1.714.436.000.000,00 63,0%
2006 1.556.476.000.000,00 64,6%
2005 1.453.608.000.000,00 67,0%
2004 1.331.761.000.000,00 68,0%
2003 1.228.569.000.000,00 71,5%
2002 1.132.894.000.000,00 76,1% Governo FHC
2001 885.907.000.000,00 67,3%

Evolução histórica, em dólares estadunidenses[editar | editar código-fonte]

Os gráficos e as tabelas a seguir mostram a evolução do produto interno bruto nominal brasileiro em preços correntes e constantes de 2010, além da comparação per capita, em dólares estadunidenses, entre 1961 e 2018.

Alguns dados utilizados para elaboração da tabela são do Banco Mundial e FMI, exceto os períodos futuros, que seriam estimativas do World Economic Outlook Database do FMI realizado em abril de 2019.

Produto interno bruto nominal brasileiro entre 1961 e 2018.
Produto interno bruto nominal brasileiro entre 1961 e 2018.


Ano PIB nominal (US$ constantes, 2010)[39] Variação anual do PIB nominal constante PIB nominal (US$ correntes)[40][41] Posição na economia mundial[42][43] Governo[44]
2024 2.582.708.000.000,00 2,2% (est. abr 2019) 2.468.216.000.000,00 Estável 08ª .
2023 2.527.112.000.000,00 2,2% (est. abr 2019) 2.359.526.000.000,00 Estável 08ª
2022 2.472.712.000.000,00 2,2% (est. abr 2019) 2.255.582.000.000,00 Estável 08ª Governo Bolsonaro
2021 2.419.483.000.000,00 2,2% (est. abr 2019) 2.156.496.000.000,00 Aumento 08ª +1
2020 2.367.401.000.000,00 2,5% (est. abr 2019) 2.062.504.000.000,00 Estável 09ª
tri. 2019 2.329.291.000.000,00 0,85% (est. 1 jul 2019)[45] 1.960.190.000.000,00 Estável 09ª
tri. 2019 . . . .
tri. 2019 2.315.341.089.900,00 0,86%[30][31] . .
tri. 2019 2.306.116.623.400,00 0,45%[32] . .
2018 2.309.660.000.000,00 1,12% 1.868.626.087.900,00 Baixa 09ª -1 Governo Temer / Governo Dilma
2017 2.284.130.000.000,00 1,06% 2.053.594.973.900,00 Aumento 08ª +1
2016 2.260.090.000.000,00 -3,30% 1.796.275.437.000,00 Estável 09ª
2015 2.337.350.000.000,00 -3,55% 1.802.214.373.700,00 Baixa 09ª -2
2014 2.423.270.000.000,00 0,50% 2.455.994.050.100,00 Estável 07ª
2013 2.411.120.000.000,00 3,00% 2.472.806.456.100,00 Estável 07ª
2012 2.340.780.000.000,00 1,92% 2.465.188.674.400,00 Baixa 07ª -1
2011 2.296.660.000.000,00 3,97% 2.616.201.578.100,00 Aumento 06ª +1
2010 2.208.870.000.000,00 7,53% 2.208.871.646.200,00 Aumento 07ª +1 Governo Lula
2009 2.054.220.000.000,00 -0,13% 1.667.019.783.500,00 Aumento 08ª +1
2008 2.056.810.000.000,00 5,09% 1.695.824.563.900,00 Aumento 09ª +1
2007 1.957.110.000.000,00 6,07% 1.397.084.349.900,00 Estável 10ª
2006 1.845.120.000.000,00 3,96% 1.107.640.289.600,00 Aumento 10ª +1
2005 1.774.800.000.000,00 3,20% 891.630.177.200,00 Aumento 11ª +2
2004 1.719.730.000.000,00 5,76% 669.316.654.000,00 Aumento 13ª +1
2003 1.626.070.000.000,00 1,14% 558.319.920.800,00 Baixa 14ª -1
2002 1.607.730.000.000,00 3,05% 507.962.487.700,00 Baixa 13ª -2 Governo FHC
2001 1.560.090.000.000,00 1,39% 559.372.276.000,00 Baixa 11ª -1
2000 1.538.710.000.000,00 4,11% 655.420.645.400,00 Estável 10ª
1999 1.474.030.000.000,00 0,47% 599.388.579.900,00 Baixa 10ª -2
1998 1.467.160.000.000,00 0,34% 863.723.411.600,00 Estável 08ª
1997 1.462.220.000.000,00 3,40% 883.199.625.300,00 Estável 08ª
1996 1.414.210.000.000,00 2,21% 850.426.432.900,00 Baixa 08ª -1
1995 1.383.660.000.000,00 4,42% 769.305.386.100,00 Aumento 07ª +2
1994 1.325.130.000.000,00 5,33% 558.111.997.400,00 Aumento 09ª +2 Governo Itamar / Governo Collor
1993 1.258.020.000.000,00 4,67% 437.798.577.600,00 Estável 11ª
1992 1.201.950.000.000,00 -0,47% 400.599.250.000,00 Baixa 11ª -2
1991 1.207.590.000.000,00 1,51% 602.860.000.000,00 Aumento 09ª +1
1990 1.189.600.000.000,00 -3,10% 461.951.782.000,00 Baixa 10ª -1
1989 1.227.690.000.000,00 3,28% 425.595.310.000,00 Aumento 09ª +1 Governo Sarney
1988 1.188.710.000.000,00 -0,10% 330.397.381.900,00 Estável 10ª
1987 1.189.930.000.000,00 3,60% 294.084.112.300,00 Baixa 10ª -1
1986 1.148.590.000.000,00 7,99% 268.137.224.700,00 Aumento 09ª +1
1985 1.063.620.000.000,00 7,95% 222.942.790.400,00 Aumento 10ª +4
1984 985.327.000.000,00 5,27% 209.023.912.600,00 Estável 14ª Governo Figueiredo
1983 936.008.000.000,00 -3,41% 203.304.515.490,00 Baixa 14ª -1
1982 969.050.000.000,00 0,58% 281.682.304.100,00 Aumento 13ª +2
1981 963.460.000.000,00 -4,39% 263.561.088.900,00 Aumento 15ª +1
1980 1.007.730.000.000,00 9,11% 235.024.598.900,00 Baixa 16ª -6
1979 923.586.000.000,00 6,77% 224.969.488.800,00 Baixa 10ª -1
1978 865.054.000.000,00 3,23% 200.800.891.800,00 Estável 09ª Governo Geisel
1977 837.973.000.000,00 4,61% 176.171.284.300,00 Estável 09ª
1976 801.073.000.000,00 9,79% 152.678.020.400,00 Aumento 09ª +2
1975 729.638.000.000,00 5,21% 123.709.376.500,00 Aumento 11ª +1
1974 693.513.000.000,00 9,04% 105.136.007.500,00 Estável 12ª
1973 636.004.000.000,00 13,98% 79.279.057.700,00 Aumento 12ª +2 Governo Médici
1972 558.003.000.000,00 12,05% 58.539.008.700,00 Aumento 14ª +1
1971 497.982.000.000,00 11,30% 49.204.456.700,00 Estável 15ª
1970 447.443.000.000,00 8,77% 42.327.600.000,00 Baixa 15ª -5
1969 411.366.000.000,00 9,74% 37.458.898.200,00 Estável 10ª
1968 374.870.000.000,00 11,43% 33.875.881.800,00 Aumento 10ª +1 Governo Costa e Silva
1967 336.425.000.000,00 4,92% 30.591.834.000,00 Aumento 11ª +1
1966 320.664.000.000,00 4,15% 27.062.716.500,00 Aumento 12ª +2 Governo Castello
1965 307.886.000.000,00 3,05% 21.790.035.100,00 Baixa 14ª -2
1964 298.763.000.000,00 3,49% 21.211.892.260,00 Baixa 12ª -3
1963 288.700.000.000,00 0,88% 23.021.477.200,00 Aumento 09ª +2 Governo Goulart / Governo Jânio
1962 286.197.000.000,00 5,22% 19.926.293.800,00 Estável 11ª
1961 272.009.000.000,00 10,28% 15.236.854.800,00 Baixa 11ª -1
Produto interno bruto nominal per capita brasileiro entre 1961 e 2018.
Produto interno bruto nominal per capita brasileiro entre 1961 e 2018.
Ano PIB nominal per capita (US$/hab. constantes, 2010) Variação anual do PIB nominal per capita constante PIB nominal per capita (US$/hab. correntes)[46][47] Posição na economia per capita mundial[48][49] Governo[44]
2024 11.864,46 1,54% (proj. 1 jul 2024) 11.411,20 Baixa 79ª -2 .
2023 11.683,95 1,51% (proj. 1 jul 2023) 10.969,00 Baixa 77ª -1
2022 11.510,17 1,48% (proj. 1 jul 2022) 10.546,90 Estável 76ª Governo Bolsonaro
2021 19.342,17 1,45% (proj. 1 jul 2021) 10.145,30 Baixa 76ª -2
2020 11.179,87 0,86% (proj. 1 jul 2020) 9.765,50 Baixa 74ª -5
tri. 2019 11.084,10 0,52% (proj. 1 jul 2019) 9.343,60 Aumento 69ª +8
tri. 2019 . . . .
tri. 2019 11.063,19 0,04% (proj. 1 jan 2019) . .
tri. 2019 11.039,90 -0,37% (proj. 1 out 2018) . .
2018 11.026,24 0,33% 8.920,76 Baixa 77ª -7 Governo Temer / Governo Dilma
2017 10.990,19 0,25% 9.880,95 Aumento 70ª +2
2016 10.962,63 -4,10% 8.712,89 Aumento 72ª +2
2015 11.431,15 -4,35% 8.814,00 Baixa 74ª -10
2014 11.951,21 -0,35% 12.112,59 Estável 64ª
2013 11.993,48 2,11% 12.300,32 Baixa 64ª -3
2012 11.745,78 1,01% 12.370,02 Baixa 61ª -2
2011 11.627,81 3,03% 13.245,62 Estável 59ª
2010 11.286,24 6,52% 11.286,24 Aumento 59ª +3 Governo Lula
2009 10.594,99 -1,08% 8.597,92 Aumento 62ª +6
2008 10.710,87 4,05% 8.831,02 Baixa 68ª -1
2007 10.293,53 4,97% 7.348,03 Aumento 67ª +1
2006 9.805,73 2,83% 5.886,46 Aumento 68ª +8
2005 9.535,42 2,03% 4.790,44 Aumento 76ª +4
2004 9.346,04 4,50% 3.637,46 Aumento 80ª +1
2003 8.943,83 -0,12% 3.070,91 Baixa 81ª -1
2002 8.954,84 1,71% 2.829,28 Baixa 80ª -5 Governo FHC
2001 8.804,33 0,01% 3.156,80 Baixa 75ª -5
2000 8.803,15 2,91% 3.749,75 Estável 70ª
1999 8.554,07 -1,01% 3.478,37 Baixa 70ª -18
1998 8.641,28 -1,18% 5.087,15 Baixa 52ª -2
1997 8.744,85 1,79% 5.282,01 Aumento 50ª +0
1996 8.591,02 0,60% 5.166,16 Estável 52ª
1995 8.540,08 2,75% 4.748,22 Aumento 52ª +4
1994 8.311,56 3,63% 3.500,61 Aumento 56ª +6 Governo Itamar / Governo Collor
1993 8.020,61 2,94% 2.791,21 Aumento 62ª +4
1992 7.791,76 -2,15% 2.596,92 Baixa 66ª -8
1991 7.963,11 -0,26% 3.975,39 Baixa 58ª -5
1990 7.983,75 -4,84% 3.100,28 Baixa 53ª -4
1989 8.389,98 1,37% 2.908,50 Aumento 49ª +11 Governo Sarney
1988 8.276,33 -2,01% 2.300,38 Aumento 60ª +2
1987 8.445,71 1,55% 2.087,31 Baixa 62ª -2
1986 8.316,52 5,77% 1.941,49 Aumento 60ª +3
1985 7.862,70 5,64% 1.648,08 Aumento 63ª +14
1984 7.442,97 2,93% 1.578,93 Aumento 77ª +3 Governo Figueiredo
1983 7.230,72 -5,61% 1.570,54 Baixa 80ª -9
1982 7.660,58 -1,75% 2.226,77 Aumento 71ª +2
1981 7.796,85 -6,62% 2.132,88 Aumento 73ª +5
1980 8.349,49 6,57% 1.947,28 Baixa 78ª -18
1979 7.835,07 4,27% 1.908,49 Baixa 60ª -5
1978 7.514,29 0,81% 1.744,26 Estável 55ª Governo Geisel
1977 7.453,59 2,15% 1.567,01 Aumento 55ª +2
1976 7.296,35 7,22% 1.390,62 Aumento 57ª +3
1975 6.805,30 2,75% 1.153,83 Aumento 60ª +1
1974 6.623,42 6,50% 1.004,10 Aumento 61ª +2
1973 6.219,51 11,30% 775,27 Baixa 63ª -1 Governo Médici
1972 5.587,89 9,39% 586,21 Baixa 62ª -2
1971 5.108,40 8,59% 504,75 Aumento 60ª +2
1970 4.704,32 6,06% 445,02 Baixa 62ª -6
1969 4.435,38 6,94% 403,88 Estável 56ª
1968 4.147,38 8,53% 374,79 Aumento 56ª +1 Governo Costa e Silva
1967 3.821,46 2,13% 347,49 Aumento 57ª +2
1966 3.741,86 1,33% 315,80 Baixa 59ª -9 Governo Castello
1965 3.692,85 0,20% 261,35 Aumento 50ª +1
1964 3.685,49 0,56% 261,67 Estável 49ª
1963 3.664,98 -2,02% 292,25 Estável 49ª Governo Goulart / Governo Jânio
1962 3.740,43 2,19% 260,43 Baixa 49ª -4
1961 3.660,39 7,11% 205,04 Aumento 45ª +18

Distribuição geográfica e comparação[editar | editar código-fonte]

Taxas de crescimento[editar | editar código-fonte]

PIB per capita[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Datos gratuitos, estadística, análise, visualização & partilha - knoema.com». Knoema. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  2. «Produto Interno Bruto - PIB | IBGE». www.ibge.gov.br. Consultado em 6 de setembro de 2019 
  3. «GDP (current US$) | Data». data.worldbank.org. Consultado em 20 de julho de 2019 
  4. «The World Factbook — Central Intelligence Agency». www.cia.gov 
  5. Brasil ultrapassa Reino Unido e se torna 6ª economia do mundo. Crise bancária de 2008 e a consequente recessão foram as principais causas da queda britânica. Istoé, 26 de dezembro de 2011.
  6. Brasil perde posto de sexta maior economia. Desvalorização do real em relação ao dólar fez o País voltar para sétima posição no ranking, atrás do Reino Unido. Jornal do Do 17 de dezembro de 2012
  7. Desvalorização do real pode derrubar Brasil em ranking de economias. Por Marcos Troyjo. BBC, 28 de maio 2012.
  8. International Moneary Fund. Report for Selected Countries and Subjects. Brazil. Gross domestic product, current prices. U.S. dollars. Billions
  9. PIB avança 1,0% em 2017 e fecha ano em R$ 6,6 trilhões. IBGE Agência de Notícias, 1º de março de 2018.
  10. Na corrida mundial, Índia ultrapassa França e Brasil passa à frente de Itália. Expresso, 20 de abril de 2018.
  11. O que é o PIB - IBGE
  12. a b The World Bank. GDP (current US$). Brazil.
  13. International Monetary Fund. World Economic Outlook Database, April 2016Report for Selected Countries and Subjects (1980-2015). Country: Brazil. Subject Descriptor: Gross domestic product, current prices. Units: U.S. dollars. Scale:Billions
  14. Brasil cai para a nona economia do mundo. Diário do Comércio, 4 de março de 2016.
  15. Gross domestic product 2010 (millions of US dollars) Ranking. World Development Indicators database, World Bank, 1º de julho de 2011.
  16. International Monetary Fund. World Economic Outlook Database. April 2014. Acesso em 15 de maio de 2018.
  17. Goldman Sachs, Global Economics Paper No: 153 Arquivado em 31 de março de 2010, no Wayback Machine., visitado em 31 de agosto de 2009
  18. «Agropecuária puxa o PIB de 2017. IBGE: Crescimento acumulado do setor foi de 14,5%» 
  19. «PIB brasileiro cresce 1% em 2017 após dois anos de queda, mostra IBGE». Valor Econômico 
  20. «Crise do petróleo». Consultado em 17 de Junho de 2017 
  21. «GDP (constant LCU) | Data». data.worldbank.org. Consultado em 13 de setembro de 2019 
  22. «GDP growth (annual %) | Data». data.worldbank.org. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  23. «https://www.imf.org/external/datamapper/NGDP_RPCH@WEO/OEMDC/ADVEC/WEOWORLD». www.imf.org. Consultado em 21 de julho de 2019  Ligação externa em |titulo= (ajuda)
  24. «GDP (current LCU) | Data». data.worldbank.org. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  25. «Services, value added (% of GDP) | Data». data.worldbank.org. Consultado em 25 de julho de 2019 
  26. «Industry (including construction), value added (% of GDP) | Data». data.worldbank.org. Consultado em 25 de julho de 2019 
  27. «Agriculture, forestry, and fishing, value added (% of GDP) | Data». data.worldbank.org. Consultado em 25 de julho de 2019 
  28. a b c «Lista de presidentes do Brasil». Wikipédia, a enciclopédia livre. 7 de julho de 2019 
  29. «Mercado mantém previsão de queda no crescimento do PIB de 2019». G1. Consultado em 9 de julho de 2019 
  30. a b «GDP and spending - Quarterly GDP - OECD Data». theOECD (em inglês). Consultado em 22 de agosto de 2019 
  31. a b «2º tri surpreende e deixa PIB de 2019 mais perto de 1%, dizem economistas». G1. Consultado em 31 de agosto de 2019 
  32. a b Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome :6
  33. «GDP per capita (constant LCU) | Data». data.worldbank.org. Consultado em 13 de setembro de 2019 
  34. «GDP per capita growth (annual %) | Data». data.worldbank.org. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  35. «IBGE | Projeção da população». www.ibge.gov.br. Consultado em 21 de julho de 2019 
  36. «GDP per capita (current LCU) | Data». data.worldbank.org. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  37. a b «Banco Central do Brasil». www.bcb.gov.br. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  38. «https://www.imf.org/external/datamapper/GGXWDG_NGDP@WEO/OEMDC/ADVEC/WEOWORLD/BRA». www.imf.org. Consultado em 13 de setembro de 2019  Ligação externa em |titulo= (ajuda)
  39. «GDP (constant 2010 US$) | Data». data.worldbank.org. Consultado em 12 de setembro de 2019 
  40. «GDP (current US$) | Data». data.worldbank.org. Consultado em 21 de julho de 2019 
  41. «https://www.imf.org/external/datamapper/NGDP_RPCH@WEO/OEMDC/ADVEC/WEOWORLD». www.imf.org. Consultado em 21 de julho de 2019  Ligação externa em |titulo= (ajuda)
  42. «List of countries by past and projected GDP (nominal)». Wikipedia (em inglês). 7 de julho de 2019 
  43. «Ranking of the World's Richest Countries by GDP (2014) - Classora Knowledge Base». en.classora.com. Consultado em 21 de julho de 2019 
  44. a b «Lista de presidentes do Brasil». Wikipédia, a enciclopédia livre. 7 de julho de 2019 
  45. «Mercado mantém previsão de queda no crescimento do PIB de 2019». G1. Consultado em 9 de julho de 2019 
  46. «GDP per capita (current US$) | Data». data.worldbank.org. Consultado em 21 de julho de 2019 
  47. «https://www.imf.org/external/datamapper/NGDPDPC@WEO/OEMDC/ADVEC/WEOWORLD». www.imf.org. Consultado em 21 de julho de 2019  Ligação externa em |titulo= (ajuda)
  48. «List of countries by past and projected GDP (nominal) per capita». Wikipedia (em inglês). 13 de julho de 2019 
  49. «Ranking of Countries with Highest Per Capita Income (2014) - Classora Knowledge Base». en.classora.com. Consultado em 21 de julho de 2019