Apúlia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Região da Puglia)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Apúlia (desambiguação).
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página está em processo de expansão ou reestruturação durante um curto período.
Isso significa que o conteúdo está instável e pode conter erros que estão a ser corrigidos. Por isso, não convém editar desnecessariamente ou nomear para eliminação durante esse processo, para evitar conflito de edições; ao invés, exponha questionamentos na página de discussão. Caso a última edição tenha ocorrido há vários dias, retire esta marcação.
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo está a ser traduzido de «Puglia» na Wikipédia em italiano (desde junho de 2018). Ajude e colabore com a tradução.
Itália Apúlia

Puglia

 
—  Região  —
O Castel del Monte, em Andria, símbolo da Apúlia
O Castel del Monte, em Andria, símbolo da Apúlia
Bandeira de Apúlia
Bandeira
Brasão de armas de Apúlia
Brasão de armas
Mapa da Apúlia e das suas províncias
Mapa da Apúlia e das suas províncias
Localização em mapa dinâmico
Coordenadas 41° 5' N 16° 30' E
Fundação 1948
Capital Bari
Administração
 - Presidente da Junta Regional Michele Emiliano (PD, 2015)
Área [1]
 - Total 19 541 km²
Altitude [1] 184 m
Altitude mínima 0 m
População (nov. 2017) [2]
 - Total 4 049 743
    • Densidade 207,2 hab./km²
Gentílico:
Outros dados
Subdivisões Cidade metropolitana de Bari

Províncias:

Regiões limítrofes
Código ISO 3166-2 IT-75
Código ISTAT 16
PIB 62,0929 mil milhões *  [7]
per capita: 17 208 € [8] (2012)
Línguas
Padroeiros
Sítio www.regione.puglia.it

A Apúlia [3][4] (em italiano: Puglia, AFI[ˈpuʎʎa];[9] em latim: Apulia; em grego clássico: Ἀπουλία; transl.: Apoulía) é uma região da Itália meridional com 19 541 km² cuja capital é Bari. Em 2017 tinha 4 049 743 habitantes (densidade: 207,2 hab./km²).

É formada pelas províncias de Foggia, Barletta-Andria-Trani, Tarento, Brindisi e Lecce e pela cidade metropolitana de Bari (antiga província de Bari, dissolvida em 2015).

É a região mais oriental de Itália. A sua parte mais a sul, a península de Salento, constitui o chamado "salto da bota italiana". É limitada pela regiões italianas de Molise a noroeste, Campânia a oeste-sudoeste e Basilicata a sul. A leste é banhada pelo mar Jónico e estreito de Otranto, a sul pelo golfo de Tarento (parte do mar Jónico) e a norte pelo mar Adriático. Do outro lado do Adriático e mar Jónico situam-se a Croácia, Bósnia e Herzegovina, Albânia (o cabo de Otranto, o ponto mais oriental da Itália, situa-se a 72 km da costa albanesa), Montenegro e Grécia.

O gentílico em português dos naturais da Apúlia é [3][4] ou apuliano;[5][6] em italiano é pugliesi.

Toponímia[editar | editar código-fonte]

O nome histórico Apulia é latino e tem origem no grego clássico Ἰαπυγία (Iapygía), que por sua vez tem origem nos iapígios, o povo que em tempos pré-romanos habitou a parte centro-norte da região (os dáunios a norte, os peucécios no centro e os messápios a sul). O prefixo -iap (ou -jap) do termo iapudes (ou japudes) pode indicar que esses povos teriam vindo da outra costa do Adriático. De acordo com uma pseudo-etimologia generalizada, Apulia deriva de Apluvia, que signfica "terra sem chuvas".[10]

Durante o período romano a região pertenceu à província de Apúlia e Calábria (Regio II Apulia et Calabria), que não incluía a península do Salento, que só posteriormente passou a ser também considerada parte da Apúlia. O nome italiano Puglia no singular só se generalizou nas últimas décadas; antes da criação das atuais regiões administrativas, na década de 1940, era comum usar-se indiferenciadamente Puglia (no singular) como le Puglie ("as Apúlias", no plural). Por exemplo, desde a unificação de Itália, no século XIX, até 1931, o nome da capital apuliense era Bari delle Puglie.

História[editar | editar código-fonte]

A Apúlia é uma das regiões arqueologicamente mais ricas da Itália. O povoamento da região remonta a pelo menos 250 000 atrás, o que é atestado pelos restos fósseis do Homem de Altamura, um espécime arcaico de Homo neanderthalensis.[11] Há numerosos vestígios pré-históricos, que incluem menires e dólmens. Por volta do 1.º milénio a.C., os povos dáunios, peucécios e messápios, provavelmente originários da Ilíria estabeleceram-se na região.[12]

Mais tarde surgiram colónias gregas, as primeiras das quais fundadas por micénicos.[13] Durante o período da Magna Grécia, havia numerosas colónias gregas na região, especialmente na parte meridional, nomeadamente a cidade espartana de Taras (atual Tarento).

Durante a Segunda Guerra Samnita (326–304 a.C.), o exército romano sofreu uma pesada derrota na Batalha das Forcas Caudinas (321 a.C.), quando tentava socorrer Lucéria, que estava sitiada pelos samnitas. Roma percebeu rapidamente a importância estratégica da Apúlia, mas a ocupação da região, que só ocorrei no século III a.C., não foi fácil, devido sobretudo à resistência de Tarento e Brundísio (Brindisi). Em 216 a.C. o exército romano sofreu a pior derrota da sua história na batalha de Canas, travada perto da atual cidade de Barletta contra os cartagineses comandados por Aníbal.

«Conectitur secunda regio amplexa Hirpinos, Calabriam, Apuliam, Sallentinos ... Graeci Messapiam a duce appellavere et ante Peucetiam a Peucetio Oenotri fratre in Sallentino agro»

Tradução: "Faz fronteira com estes lugares a Lucânia a segunda região, que inclui os Hirpinos, a Calábria e os Salentos ... Os gregos chamaram-lhe Calábria Messápia, do nome do seu comandante e antes disso Peucécia, de Peucécio, o irmão de Enotro, que residia no território de Salento."

 

A província romana de Regio II Apulia et Calabria foi criada no século III a.C. e incluía Sâmnio e partes do que hoje Molise e Basilicata oriental.[14] A extensão da Via Ápia até Brundísio nesse mesmo século e, mais tarde, durante a era imperial, a construção da Via Traiana, fez prosperar cidades apulienses como Aecae (atual Troia), Herdonia (Ordona), Silvium (Gravina na Apúlia), Canúsio (Canosa di Puglia), Rubos (Ruvo di Puglia) e Botonto (Bitonto). A região era líder na produção de trigo e azeite, tornando-se a maior exportadora de azeite no Oriente.[15]

Após a queda do Império Romano do Ocidente, a Apúlia passou por um longo período de decadência e violência. Muitos povos, como os hérulos liderados por Odoacro, e os ostrogodos, ocuparam alternadamente a região, que acabaria por se tornar uma possessão do Império Bizantino durante a Guerra Gótica (535–554). Bari tornou-se então a capital dum território que se estendia até à atual Basilicata, que era governado pelo catapano da Itália, em cuja designação tem origem o topónimo histórico Capitanata, que designa a parte setentrional da atual Apúlia cujo núcleo é a atual província de Foggia. Na sequência da guerras bizantino-normandas, no século XI a região passou para as mãos dos normandos.

Em 1043 o normando Guilherme Altavila (Braço de Ferro) fundou o Condado da Apúlia, que abarcava a Apúlia central, Gargano, Capitanata, Campânia e Vulture (sub-região do noroeste de Basilicata). O condado deu lugar ao Ducado da Apúlia e Calábria quando o então conde Roberto Guiscardo foi elevado a duque pelo papa Nicolau II, em 1059. Além do território do condado de Guilherme Braço de Ferro, este ducado abrangia praticamente toda a Apúlia e a Calábria. Em 1088, Boemundo de Antioquia, filho de Guiscardo, fundou o Principado de Tarento (1088–1465), a atual Terra de Otranto e tinha capital em Tarento. Este principado durou até 1465.

O Ducado da Apúlia e Calábria foi dissolvido em 1130, quando o duque Rogério de Altavila fundou o Reino da Sicília, do qual fazia parte a Apúlia. No século XIII, o nome Apúlia foi usado por alguns autores para designar toda a parte sul da península Itálica.[16] A última monarca Altavila do Reino da Sicília foi Constança (r. 1194–1198), casada com o sacro-imperador romano-germânico Henrique VI, um suábio da Casa de Hohenstaufen. A partir daí, o trono siciliano passou a ser ocupado pelos Hohenstaufen.

Tanto com os normandos como com os suábios a Apúlia alcançou um grande progresso económico e civil, que teve o seu apogeu com Frederico II (r. 1198–1250), filho de Constança, ao qual se devem vários edifícios religiosos e seculares, entre eles vários castelo, dos quais o mais famoso e de maior valor artístico é o Castel del Monte,[17] em Andria, por vezes chamado a "Coroa da Apúlia".[18]

Após 1282 a Apúlia passou a fazer parte do Reino de Nápoles (por vezes conhecido como Reino da Sicília, devido a este também ter tido Nápoles na sua posse), uma situação que se manteve até à unificação italiana em 1861. O Reino de Nápoles foi independente sob o domínio da Casa capetiana de Anjou, entre 1282 e 1442, quando passou a fazer parte do Reino de Aragão até 1458. Foi novamente independente sob um ramo da Casa de Trastâmara até 1501. Como resultado da Guerra Franco-Espanhola de 1501–1504, Nápoles voltou a estar sob o domínio de Aragão e do Império Espanhol entre 1504 e 1714. O poder dos latifundiários locais começou nesta altura criar raízes.

Quando piratas da Barbária comandados por Dragut saquearam Vieste em 1554, foram mortas milhares de pessoas (mais de 5 000, segundo algumas fontes)[19] e outras tantas (mais de 7 000, segundo algumas fontes) foram capturadas e posteriormente vendidas como escravas.[20] A costa da Apúlia foi várias vezes ocupada pela República de Veneza[21] e pelo Império Otomano, nomeadamente em 1480–1481, quando Otranto foi tomada durante pouco mais de um ano.[22]

Depois de várias trocas de poderes, em 1734, na sequência da batalha de Bitonto, juntamente com o resto do Reino de Nápoles, a Apúlia passou do domínio dos Habsburgos para o domínio dos Bourbons. Entre 1806 e 1815, durante o período napoleónico, o reino teve monarcas franceses, o que trouxe modernização à Apúlia, com a abolição do feudalismo e reformas judiciais. Em 1815 os Bourbons retomaram o poder e pouco depois fundaram o Reino das Duas Sicílias, unificando definitivamente os reinos de Nápoles e da Sicília.

Em 1820 formaram-se na região vários movimentos liberais, com a difusão da Maçonaria e da Carbonária.[23] Em 1861, a Apúlia passou a fazer parte do então criado Reino de Itália, cuja capital era Turim. Nas palavras do historiador britânico David Gilmour, Turim era tão distante que Otranto estava mais próxima de 17 capitais estrangeiras do que estava da capital italiana.[24] A Apúlia foi então dividida administrativamente nas províncias de Foggia, Bari e Lecce. No século XX foram criadas as províncias de Brindisi e de Tarento. No período que se seguiu à unificação da Itália, surgiram várias quadrilhas de brigantes que ficaram famosos, entre os quais se destacaram Michele Caruso, Antonio Ângelo Del Sambro e Giuseppe Schiavone, este último tenente leal do capobrigante (chefe de bandidos) Lucan Carmine Crocco.

A gradual decadência do latifúndio foi acompanhada pela decadência das antigas masserie apulienses, herdades agrícolas de extensão média. Durante o fascismo, foram recuperadas grandes extensões de terras agrícolas e, após a reforma agrária do pós-guerra, a região registou um forte desenvolvimento agrícola. Nos anos 1970 e 1980, a economia passou a depender mais do setor terciário do que do setor primário, devido ao notável desenvolvimento do turismo.

Em 1946, durante os trabalhos da assembleia constituinte foi feita um proposta para tornar a Apúlia e Salento duas regiões distintas. Na sequência dum relatório do então deputado salentino Giuseppe Codacci Pisanelli, em 17 de dezembro de 1946, foi criada no papel a Região do Salento, mas quando o texto da ratificação das regiões foi votado, em 29 de novembro de 1947, tal região não era mencionada. O deputado socialista Vito Mario Stampacchia declarou na assembleia que a Região do Salento tinha sido sacrificada num acordo feito entre os democratas-cristãos e os comunistas para defender os fortes interesses económicos de Bari. O principal arquiteto desse acordo foi o salentino Aldo Moro. As funções da Região da Apúlia, embora já definidas, só foram implementadas em 1970.

Em 2004 foi criada uma nova província apuliense, Barletta-Andria-Trani, com dez comunas que pertenciam às províncias de Bari e de Foggia e com a capital partilhada entre as três cidades que lhe dão o nome. A província tornou-se completamente operacional com as eleições provinciais de 2009.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Ver também: "Subdivisões"

A costa marítima da Apúlia é mais extensa do que qualquer das outras regiões continentais italianas. Extende-se ao longo de 865 km, desde o promontório de Gargano, a norte, até á área árida do Salento.[25] Na região há dois parques nacionais: o da Alta Múrgia, com 680,8 km² e sede em Gravina in Puglia; e o do Gargano, com 1 211,2 km².[26]

A costa alterna entre trechos rochosos, com falésias, como em Gargano, e praias de areia, como no golfo de Tarento. Em 2010, o ministério da saúde italiano considerava que 98% da costa apuliense era adequada para banhos.[27] Fora das áreas dos parques nacionais, nas partes norte e ocidental, a maior parte da Apúlia é bastante plana, especialmente o Salento, apenas com algumas colinas baixas. Geograficamente, a Apúlia está dividida em oito sub-regiões: Gargano, Subapenino Dauno (montes da Daunia), Tavoliere delle Puglie (tradução aproximada: planalto ou meseta da Apúlia), Múrgia (ou Murge), Terra de Bari e Vale de Itria, Arco Jónico Tarentino e Serras Salentinas.

O Gargano e o Subapenino Dauno são as únicas áreas verdadeiramente montanhosas da Apúlia, com cumes cuja altitude ultrapassa os 1000–1100 metros. Com 4 810 km² de área,[28] a Tavoliere delle Puglie é a maior planície italiana a seguir à planície Padana.[29] A Múrgia é um planalto calcário situado a sul do Tavoliere que se estende até ao Salento.[30] A Terra de Bari, entre a Múrgia e o mar Adriático é plana, com terrenos ligeiramente ondulados em algumas partes. O vale de Itria, situado entre as províncias de Bari, Brindisi e Tarento, caracteriza-se por uma alternância entre vales e colinas ondulantes; o povoamento é muito disperso e é a área onde se encontram mais trulli, as construções tradicionais apulienses com telhados cónicos.[31] o Arco Iónico Tarantino estende-se ao longo de toda a costa da província de Tarento, desde a Múrgia, a norte, até ao Salento, a sul, abrangendo uma zona montanhosa e uma larga faixa costeira plana entrecortada por gravine (singular: gravina; o nome dado às caratecterísticos desfiladeiros com ravinas calcárias).[32][33]

A região inclui também os arquipélagos das Tremiti, situado no Adriático, a nordeste da costa do Gargano, e das Cheradi, perto de Tarento, além da pequena ilha de Santo André, ao largo de Gallipoli, no mar Jónico. Em termos geográficos, o pequeno arquipélago de Palagruža (em italiano: Pelagosa), situado a nordeste das Tremiti e pertencente à Croácia, também faz parte da Apúlia.

Orografia[editar | editar código-fonte]

A maior parte do território da Apúlia (53%) é plano; 45% é acidentado (com colinas) e apenas 2% é montanhoso, o que faz da região a menos montanhosa da Itália. As montanhas mais altas encontram-se no Subapenino Dauno, na parte noroeste, na fronteira com a Campânia, cujo cume mais alto é o monte Cornacchia (1 152 m), e no promontório do Gargano, na parte nordeste, cujo cume mais alto é o monte Calvo (1 055 m). Outras montanhas relativamente altas do Gargano são os montes Spigno, Vernone, Sacro e Caccia.

Os territórios de colinas encontram-se nas sub-regiões de Múrgia e de Salento. A sub-região de Múrgia é um extenso planalto cárstico de forma aproximadamente retangular que constitui grande parte das províncias de Bari e de Barletta-Andria-Trani. Estende-se para ocidente, até à província de Matera, em Basilicata. Para sul vai até às províncias de Tarento e de Brindisi. Está dividida na Alta Múrgia e na Baixa Múrgia. A primeira é a parte mais alta e rochosa, onde predominam os bosques mistos e a vegetação é muito pobre. Na Baixa Múrgia a terra é mais fértil e está em grande parte coberta por olivais. As Serras Salentinas são uma área montanhosa situada na metade meridional da |província de Lecce.

As áreas de planície são o Tavoliere delle Puglie, que ocupa praticamente metade da sub-região histórica da Capitanata, o Tavoliere salentino, um vasto conjunto de terras baixas no Salento, que abrangem grande parte da província de Brindisi (a piana brindisina), toda a parte norte da província de Lecce, a parte sul da província de Tarento e a faixa costeira da Terra de Bari, entre a Múrgia e o mar Adriático, que vai desde a foz do rio Ofanto (Barletta) até Fasano.

Geologia[editar | editar código-fonte]

Do ponto de vista geológico, praticamente 80% da Apúlia é composta por rochas calcárias e dolomíticas em todas as suas variedades.[34] No Jurássico Médio e Inferior aquilo que é hoje a Apúlia era constituído por ilhas e falésias submersas pelo oceano Tétis e pelos mares epicontinentais formados pela fragmentação de Pangeia. Os depósitos progressivos no leito marinho das conchas de microorganismos marinhos que se formaram subtraindo o carbonato de cálcio da água, formaram camadas de rochas sedimentares calcárias e dolomíticas, muitas delas com várias centenas de metros de espessura. Essas camadas podem ter sido formadas não só devido à duração do processo de sedimentação, que durou cerca de 125 milhões de anos, mas também devido à progressiva subsidência.[35]

No Cretáceo, uma boa parte da Apúlia estava acima do nível do mar, embora a região fosse um arquipélago. Nesse período começaram os primeiros fenómenos cársticos. No Paleoceno, uma série de intrusões subvulcânicas criou a Punta delle Pietre nere ("ponta das pedras negras"), perto de Marina di Lesina, as únicas rochas magmáticas que afloram na Apúlia.

Entre 12 e 2 milhões de anos atrás, os Apeninos tomaram a sua forma definitiva.[36] A Apúlia não esteve diretamente envolvida no processo de criação dessa cordilheira, sofrendo apenas os seus efeitos secundários. Na orogénese dos Apeninos, a Apúlia representa o antepaís, isto é, a massa continental que atua como um obstáculo ao impulso orogenético proveniente doutra massa. Neste período forma-s também a chamada fossa bradânica e o processo de sedimentação provoca a fromação de calcário macio, nomeadamente tufo. Há dez mil anos ficaram concluídos o Tavoliere com os lagos de Lesina e de Varano.[35]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

A natureza cárstica da maior parte do território de Apúlia e a escassez de chuva fazem com que a região tenha poucos cursos de água superficiais. À exceção dos rios Ofanto e e do Fortore, que têm apenas parte do seu curso na Apúlia, os rios apulienses têm cursos curtos e são de natureza torrencial, como é o caso do Candelaro, Cervaro e Carapelle.

Os lagos naturais da região são todos costeiros, separados o mar Adriático por faixas de areia estreitas. Os maiores são os de Lesina e de Varano, na costa norte do Gargano. Na comuna de Manfredónia existe a área protegida do lago Salso, uma zona húmida alimentada pela água doce do Cervaro. As salinas de Margherita di Savoia são o que resta do antigo lago de Salpi, atestado no período romano. Mais a sul, perto de Otranto, encontram-se os lagos Alimini.

A primeira albufeira artificial construída na Apúlia foi o lago Occhito, no rio Fortore, perto da fronteira com a região de Molise, com o objetivo de enfrentar as frequentes faltas de água da região. Perto de Brindisi encontra-se a barragem de Cillarese, construída em 1980, cuja albufeira é atualmente uma área protegida. Outra albufeira artificial, mais recente é o lago Locone, criado por uma barragem na ribeira Locone, afluente do Ofanto, situada na comuna de Minervino Murge, junto à fronteira com a regiao de Basilicata.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima da Apúlia é tipicamente mediterrânico.[37] No verão, a região é das regiões mais quentes e secas da Itália. As zonas litorais e planas têm verões quentes, ventosos e secos, enquanto que os invernos são geralmente amenos e chuvosos. A precipitação, concentrada no fim do outono e no inverno, é escassa. Todavia, no Subapennino Dauno, Gargano e Alta Múrgia os verões são frescos e durante o inverno não é raro cair neve e haver nevoeiros noturnos, por vezes persistente. A neve é mais frequente principalmente no planalto de Múrgia, quando a região é atingida por frente frias vindas de leste. Os valores médios da precipitação situam-se entre os 450 e os 650 mm por ano; um pouco mais no Gargano e Subapennino Dauno, onde a precipitação médial anual atinge os 800 mm.[38] No outono e no inverno é frequente haver névoas matinais e noturnas na Capitanata e na Múrgia.

Segundo os dados recolhidos pelas dez estações meteorológicas da Apúlia, em média as temperaturas mínimas em janeiro vão desde 1,3 °C em Monte Sant'Angelo a 7,5 °C em Santa Maria de Leuca, enquanto que as máximas variam entre 24 °C em Monte Sant'Angelo e 30,6 °C em Foggia. Nesta cidade e em Lecce não é raro a temperatura atingir 40 °C no verão. A amplitude térmica anual é muito elevada principalmente nas planícies do interior — no Tavoliere chega a variar entre 40 °C no verão e -2 °C no inverno.

As áreas costeiras, principalmente no Adriático e no sul do Salento são frequentemente expostas a ventos de diversas intensidades e direções, que afetam fortemente a temperatura do ar e outras condições climatéricas, por vezes num mesmo dia. O vento norte Bora do Adriático pode baixar as temperaturas e humidade, amenizando o calor estival, enquanto que o Siroco, vindo do Norte de África tem o efeito contrário, além de por vezes trazer poeira vermelha do Sara. Em alguns dias de primavera e outono pode fazer calor suficiente para tomar banho no mar em Gallipoli e Porto Cesareo, no extremo sul, na costa do mar Jónico, enquanto que ao mesmo tempo, ventos frios obrigam ao uso de agasalhos em Monopoli e Otranto, na costa adriática.

Dentre os fenómenos meteorológicos extremos mais recentes cabe mencionar a incomum onda de alta pressão africana de 2007, que provocou temperaturas bastante acimo de 40 °C, com picos de 48 °C em Bari e Foggia. Em dezembro do mesmo ano foram registada temperaturas particularmente baixas, com quedas de neve de cerca de 10 cm, inclusivamente na costa.[carece de fontes?] Em 1976, um tornado de intensidade F3, com ventos de aproximadamente 260 km/h, fustigou Sava, causando chuva muito intensa que juntamente com os ventos causaram enormes estragos.[39][40]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Com 4 049 743 de habitantes em 2017,[2] a Apúlia é a oitava região da Itália em população.[41] Em 2017, a densidade populacional da região (densidade: 207,2 hab./km²) era ligeiramente superior à média nacional (201,1 hab./km²).[2]

Em 2001, a população da Apúlia era das mais jovens entre as regiões italianas. Os habitantes com menos de 25 anos representavam 31,2% da população, quando a média nacional era 25,8%. Os habitantes com mais de 65 anos representavam 15,4& da população, quando a média nacional era 18,2%.[42]

A emigração das áreas mais deprimidas da Apúlia para o norte de Itália e outros países europeus foi muito intenso entre 1956 e 1971. Depois disso o fluxo diminuiu, à medida que as condições económicas foram melhorando, a ponto do saldo migratório ser nulo entre 1982 e 1985. A partir de 1986 e pelo menos até 2000, a estagnação na oferta de emprego levou a uma nova inversão, não tanto devido à saída de residentes, mas sobretudo devido à diminuição da imigração.[42]

Comunas da Apúlia com mais de 40 000 habitantes em 2015
# Comuna Província N.º hab. [43] Área
(km²)
Dens.
(hab./km²)
01 Bari Cidade metropolitana de Bari 325 183 117 2 779,34
02 Tarento Tarento 200 385 250 801,54
03 Foggia Foggia 151 975 509 298,58
04 Andria Barletta-Andria-Trani 100 440 403 249,23
05 Lecce Lecce 94 927 241 393,89
06 Barletta Barletta-Andria-Trani 94 732 149 635,79
07 Brindisi Brindisi 88 302 332 265,97
08 Altamura Cidade metropolitana de Bari 70 406 431 163,35
09 Molfetta Cidade metropolitana de Bari 59 874 58 1 032,31
10 Cerignola Foggia 58 439 594 98,38
11 Manfredónia Foggia 57 335 352 162,88
12 Trani Barletta-Andria-Trani 56 217 103 545,8
13 Bitonto Cidade metropolitana de Bari 55 553 174 319,27
14 Bisceglie Barletta-Andria-Trani 55 422 68 815,03
15 San Severo Foggia 53 957 336 160,59
16 Monopoli Cidade metropolitana de Bari 49 133 158 310,97
17 Martina Franca Tarento 49 222 299 164,62
18 Corato Cidade metropolitana de Bari 48 298 167 289,21
19 Gravina in Puglia Cidade metropolitana de Bari 43 860 396 110,76
Evolução da população da Apúlia
Ano Pop. ±%
1861 1 335 000 —    
1871 1 440 000 +7.9%
1881 1 609 000 +11.7%
1901 1 987 000 +23.5%
1911 2 195 000 +10.5%
1921 2 365 000 +7.7%
1931 2 508 000 +6.0%
1936 2 642 000 +5.3%
1951 3 220 000 +21.9%
1961 3 421 000 +6.2%
1971 3 583 000 +4.7%
1981 3 872 000 +8.1%
1991 4 032 000 +4.1%
2001 4 021 000 −0.3%
2011 4 091 000 +1.7%
2017 4 049 743 −1.0%
Fonte: ISTAT, 2001
Residentes estrangeiros na Apúlia em 1 de janeiro de 2017 [44]
# País de origem N.º de
residentes
%
1 Roménia 34 800 27,19%
2 Albânia 22 639 17,69%
3 Marrocos 9 488 7,41%
4 China 5 570 4,35%
5 Índia 3 736 2,92%
6 Geórgia 3 714 2,9%
  Outros 48 038 37,53%
Total: 127 985 100%

Línguas e dialetos[editar | editar código-fonte]

Na Apúlia são faladas várias línguas e dialetos, os quais são classificados em dois grupos fundamentais, claramente distinguíveis sobretudo do ponto de vista fonético:[45]

  • Na parte centro-norte são usados os dialetos apulienses propriamente ditos — o barese (de Bari), o lucerino, o foggiano e o gargano — que pertencentem à família de dialetos do sul da Itália, juntamente com os da Campânia, da Lucânia, dos Abruzos e de Molise.
  • No Salento fala-se o dialeto salentino, que juntamente com siciliano e os dialetos calabreses constitui a família dos dialetos italianos meridionais extremos. O salentino tem os seguintes sub-dialetos: leccese, brindisino, magliese-otrantino, leucadeo e gallipolino.

O dialeto tarentino e os doutras cidades ao longo do eixo TarentoOstuni podem ser classificados como dialetos de transição apulo-salentinos (entre os dois grupos acima referidos).

A região tem ainda a peculariedade de ter algumas ilhas linguísticas onde se falam idiomas que não são românicos:

Política[editar | editar código-fonte]

A região administrativa da Apúlia foi criada após a unificação de Itália, juntando três circunscrições do Reino das Duas Sicílias, predecessor do então criado Reino de Itália:

  • A Capitanata, correspondente ao território a norte do rio Ofanto e que teve como capital San Severo entre o século XIV e 1579, depois Lucera, até 1806 e finalmente Foggia.
  • A Terra de Bari, que se estendia a sul do Ofanto e inclui a maior parte do planalto de Murge e a planície costeira. Teve como capital Trani a partir de 1856 e Bari desde 1806.
  • A Terra de Otranto, que compreendia o Arco Jónico Tarentino e o Salento e teve como primeira capital Otranto e Lecce a partir do século XII.

Durante os trabalhos da Assembleia Constituinte da República Italiana, em 1946/1947, chegou a estar previsto criar duas regiões distintas — a Apúlia e o Salento — o que não chegou a concretizar-se (ver secção "História").

Em junho de 2018, o presidente da Junta Regional da Apúlia era Michele Emiliano, do Partido Democrático, no cargo desde 1 de junho de 2015. Anteriormente, a Apúlia era sempre dominada por centristas ou de coligações de direita. Em janeiro de 2015 foi criada a cidade metropolitana de Bari, que substituiu a província de Bari.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Juridicamente, a região atual foi criada em 1 de janeiro de 1948 pela constituição italiana, mas as suas funções só foram implementadas pela lei n.º 281 de 1970.

Província Nº de
comunas
N.º de
habitantes
Área
(km²)
Densidade
(hab./km²)
Fotografia
Cidade Metropolitana
de Bari
41 1 261 243 3 825,0 329,74 Basílica de São Nicolau em Bari
Barletta-Andria-Trani 10 392 969 1 542,95 254,69 Porto de Trani
Brindisi 20 397 524 1 861,12 213,59 Vista parcial de Ostuni e da sua catedral
Foggia 61 629 484 7 007,54 89,83 Foggia
Lecce 97 802 807 2 799,07 286,81 Anfiteatro romano de Lecce
Tarento 29 584 517 2 467,35 236,9 Castelo Aragonês de Tarento
Apúlia 258 4 068 544 19 540,9 208,21 Trulli em Alberobello

Brasão[editar | editar código-fonte]

Segundo o website oficial da Região da Apúlia, o brasão da região consiste num Escudo encimado por uma coroa "fredericana" (dedicada a Frederico II da Suábia, sacro-imperador romano-germânico). Por cima do escudo há seis círculos que representam as seis províncias da Apúlia. O corpo central é composto por um octógono com uma oliveira no centro, símbolo de paz e fraternidade. O octógono representa o Castel del Monte, um castelo medieval que é um dos locais turístico-culturais mais sugestivos da região.[50]

A presença da oliveira no brasão é uma referência ao azeite de alta qualidade produzido na Apúlia, um dos recursos mais importantes da agricultura da região e um elemento constante na sua paisagem. Por outro lado, é um símbolo da unidade da região.[carece de fontes?]

Cooperação com os países balcânicos[editar | editar código-fonte]

Desde pelo menos a década de 2000 que a Apúlia estabeleceu numerosas e importantes relações com os países dos Bálcãs.[51][52] A Albânia é parceira comercial da Apúlia há muitos anos[53] e há numerosas iniciativas conjuntas com esse e outros países balcânicos, nomeadamente por ocasião da realização anual da Fiera del Levante (Feira do Levante) em Bari.[54] Têm sido desenvolvidos diversos programas de cooperação não só económica mas também cultural.[55] Alguns desses programas são financiados pelo programa Interreg da União Europeia (UE),[56] um dos mecanismos da política de coesão, que foi criado para intensificar a cooperação transfronteiriça entre regiões situadas nas fronteiras e externas da UE.[57]

Outros programas importantes estão ligados ao corredor pan-europeu VIII, o eixo europeu de transportes que ligará a Apúlia à Albânia e ao mar Negro através dos portos de Bari e de Brindisi.[58]

Transportes[editar | editar código-fonte]

As infraestruturas de transportes são melhores na zona norte da Apúlia do que na zona sul (províncias de Lecce, Brindisi e Tarento) e em áreas do interior das províncias de Foggia e de Bari). A rede rodoviária cobre toda a região de forma eficaz, mas o mesmo não acontece com rede ferroviária, que deixa bastante a desejar, principalmente no sul.[59]

Autoestradas[editar | editar código-fonte]

Autoestradas da Apúlia
  • Autoestrada A14 (parte da estrada europeia E55) — Também chamada Autostrada Adriática, é o segundo eixo meridiano da península italiana. Liga Bolonha a Tarento, ao longo de 743,4 km. É uma das chamadas "rota de férias". No território apuliense, o percurso da A14 é geralmente plano, caraterizado por extensas retas e duas vias em cada sentido além da faixa de emergência. O troço entre Bari e Canosa di Puglia abriu em 1969, enquanto que o troço a norte de Canosa e a extensão a Tarento foram inauguradas em 1973 e 1975, respetivamente.
  • Autoestrada A16 (estrada europeia E842) — Também chamada Autoestrada dos Dois Mares, por ligar as costas do mar Tirreno, a oeste, ao mar Adriático, a leste, vai de Nápoles até Canosa di Puglia, onde liga com a A14, ao longo de 172 km. Devido às caraterísticas do terreno, a secção de Apúlia da A16 é frequentemente sujeita a ventos fortes que impedem o trânsito de veículos pesados. A designação atual data de 1973, quando foi aberto o troço da A14 entre Lanciano e Canosa. Até então, todo o percurso entre Nápoles e Bari eram designado A17, um nome que foi abandonado alegadamente por superstição.[necessário esclarecer][carece de fontes?]

Rede ferroviária[editar | editar código-fonte]

Linhas estatais[editar | editar código-fonte]

As linhas ferroviárias da Apúlia exploradas diretamente pela companhia estatal Ferrovie dello Stato são as seguintes:

  • Ferrovia Adriatica — Vai de Ancona até Otranto, passando por Foggia, Bari e Lecce, ao longo de 591 km. Entre Foggia e Bari suporta comboios de alta velocidade com velocidades até 250 km/h e entre Bari e Lecce é de via dupla.
  • Ferrovia Bari-Taranto — A finalização duplicação da linha, com 104 km, iniciada em 1994 e praticamente concluída na maior parte do percurso, estava prevista para 2018.
  • Ferrovia Taranto-Brindisi — 70 km, de via única, eletrificada.
  • Ferrovia Barletta-Spinazzola — 66 km de via única não eletrificada.
  • As linhas de Foggia-Manfredónia e Rocchetta Sant'Antonio-Gioia del Colle estavam desativadas em 2018.

As ligações com a Campânia e a Basilicata são asseguradas pela Ferrovia Napoli-Foggia e pela Ferrovia Foggia-Potenza. A duplicação da linha da primeira, com 194 km e que faz parte do prolongamento do corredor pan-europeu VIII da RTE-T, decorre desde a década de 1990. Está planeado que integre a futura linha de alta velocidade Bari-Foggia-Caserta. A linha Foggia-Potenza, com 119 km, é de via única e não está eletrificada. O serviço na Ferrovia Avelino-Rocchetta Sant'Antonio foi encerrado em 2010 e desde então a linha, com 119 km, só é usada ocasionalmente como ferrovia turística.

As ligações à Calábria e ao sul da Basilicata são asseguradas pela Ferrovia Jonica, que vai de Tarento até Régio da Calábria, ao longo de 472 km. É de via única na sua maior parte e parcialmente eletrificada, entre Tarento e Sibari (na comuna de Cassano all'Ionio da Calábria), e um troço suburbano de Régio da Calábria.

Linhas concessionadas[editar | editar código-fonte]

Na Apúlia, as redes ferroviárias exploradas por empresas privadas, algumas sejam detidas a 100% pel Estado, são mais extensas do que as redes estatais. Há muitos anos, em alguns casos por mais de um século, que quatro empresas operam na região:

  • Ferrovie del Nord Barese — antigamente chamada Bari Nord, atualmente é a designação dum conjunto de infraestruturas e serviços geridos pela empresa Ferrotramviaria, a qual também tem serviços de autocarros suburbanos. A rede, existe desde 1883 e a sua maior parte consiste na Ferrovia Bari-Barletta, a qual tem 70 km de extensão, é eletrificada e tem via dupla em 33 km entre Bari e Ruvo di Puglia. Atualmente tem quatro linhas:
    • FR 1 — de comboios regionais que circulam na Ferrovia Bari-Barletta, via Palese-Macchie, um bairro suburbano de Bari.
    • FR 2 — de comboios regionais que circulam na Ferrovia Bari-Barletta e servem o aeroporto de Bari.
    • FM 1 — de comboios metropolitanos que percorrem a Ferrovia Bari-San Paolo, entre Bari e Modugno; tem 9 km de via dupla eletrificada.
    • FM 2 — de comboios metropolitanos que fazem o percurso Bari-aeroporto-Bitonto.
  • Ferrovie del Sud Est — Serve a generalidade das comunas do interior da província de Brindisi e os das províncias de Tarento e de Lecce. A sua rede estende-se desde Bari até Gagliano del Capo, na extremidade sul do "taco da bota italiana". No Salento, a rede também é conhecida como "Littorina", o nome das primeiras automotoras a diesel surgidas nos anos 1930 que ainda hoje circulam, apesar da sua provecta idade. A empresa também gere vários serviços de autocarros, nomeadamente entre Bari e Tarento e entre Bari e Brindisi. Originalmente uma empresa de capitais privados, em 1985 a rede passou a ser duma empresa de natureza privada detida a 100% pelo Estado. Em 2018 o único sócio da empresa era a Ferrovie dello Stato. Linhas da Ferrovie del Sud Est:
    • Ferrovia Bari-Martina Franca-Taranto — 113 km, eletrificada, via única, exceto no troço suburbano de Bari, no qual tem via dupla.
    • Ferrovia Ferrovia Bari-Casamassima-Putignano — 43 km, eletrificada, com via única.
    • Ferrovia Martina Franca-Lecce — 103 km, não eletrificada, com via única.
    • Ferrovia Novoli-Gagliano del Capo — 75 km, não eletrificada.
    • Ferrovia Gallipoli-Casarano — 22 km, não eletrificada, com via única.
    • Ferrovia Lecce-Otranto — 47 km, não eletrificada, com via única.
    • Ferrovia Zollino-Gallipoli — 34 km, não eletrificada, com via única.
    • Ferrovia Maglie-Gagliano del Capo — 37 km, não eletrificada, com via única.
  • Ferrovie del Gargano — É uma empresa privada criada em 1962, que além de serviços ferroviários também presta serviços de autocarros, tanto regionais como nacionais. É a empresa de transportes mais importante da Capinata. Tem duas linhas ferroviárias, que asseguram a ligação à rede ferroviária nacional:
  • Ferrovie Appulo Lucane — empresa de natureza privada mas detida a 100% pelo Estado italiano, também opera serviços de autocarros entre a Apúlia e a Basilicata. Tem as seguintes linhas:
    • Ferrovia Bari-Altamura-Matera — 72 km de via estreita não eletrificada. A linha prolonga-se por mais 70 km, até Montalbano Jonico, mas o troço entre Matera e Montalbano Jonico foi encerrado em 1986.
    • Ferrovia Altamura-Avigliano-Potenza — 108 km de via estreita não eletrificada. A ligação a Avigliano é feita por um ramal com 8 km.
    • Ferrovia Bari-Bitritto — Linha eletrificada em construção, com 12 km de extensão, destinada a servir a periferia meridional de Bari e ligar esta cidade a Bitritto. A sua conclusão estava prevista para 2018.

Portos[editar | editar código-fonte]

  • O porto de Bari é mercantil, comercial e turístico (tem um terminal de cruzeiros). As principais ligações são com a Albânia (Durrës), Montenegro (Bar) e Grécia (Corfu, Igumenitsa e Patras). Dispõe de excelentes equipamentos para múltiplas funções operacionais e conexões com todos os modos de transporte.
  • O porto de Brindisi é mercantil, comercial, turístico e militar. As principais ligações são com a Albânia (Vlorë), Grécia (Corfu, Igumenitsa, Cefalónia, Paxos, Zaquintos e Patras) e Turquia (Çeşme).
  • O porto de Tarento é principalmente militar, mercantil e industrial. É um dos portos mais importantes da Itália e do Mediterrâneo e é o segundo maior porto italiano de mercadorias. Tem conexões com outros portos italianos e estrangeiros do Mediterrâneo, Médio Oriente e China.
  • Manfredónia tem 3 portos: um de pesca, um industrial e um turístico (a marina del Gargano).
  • Em Polignano a Mare há um porto de recreio inaugurado em 2015.
  • Em Mola di Bari há um porto de pesca e uma marina, esta última uma das maiores do Adriático.
  • Em Rodi Garganico há uma marina e serviços diários de hidrofólio para as ilhas Tremiti e semanalmente para a Dalmácia.
  • O porto de Barletta é predominantemente mercantil.
  • O Porto de Trani é usado principalmente para o turismo e pesca. Ocasionalmente tem ligações para a costa croata.
  • O porto de Bisceglie é de pesca e de turismo.
  • O porto de Molfetta é principalmente de pesca.
  • O porto de Monopoli é de turismo e comercial.
  • O porto de Otranto é mercantil e turístico. Tem ligações para a Albânia (Vlorë) e Grécia (Corfu e Igumenitsa).
  • O porto de Gallipoli é mercantil e turístico.

Aeroportos[editar | editar código-fonte]

Os principais aeroportos da Apúlia são os de Bari e de Brindisi. Os quatro aeroportos da região com serviços comerciais públicos de passageiros são administrados pela sociedade anónima Aeroporti di Puglia.

  • Aeroporto de Bari-Palese (IATA: BRI, ICAO: LIBD) 41° 8' N 16° 46' E — Também chamado Aeroporto de Palese Macchie, situa-se a norte de Bari. O terminal de passageiros, inaugurado em 2005, tem capacidade para 3 600 000 passageiros por ano e 1 400 passageiros por hora. Desde 2012 que é servido por uma linha ferroviária metropolitana. Em 2017 teve um movimento de 4 686 018 passageiros (+8,4% do que em 2016, +37.9% do que em 2010 e +274% do que em 2000).[60]
  • Aeroporto de Brindisi-Casale (IATA: BDS, ICAO: LIBR) 40° 39' 29" N 17° 56' 48" E — Também chamado Aeroporto do Salento e Aeroporto Papola Casale, situa-se a norte de Brindisi. Em 2017 teve um movimento de 2 321 147 passageiros[60] (-0,4% do que em 2016, +44.5% do que em 2010 e +278% do que em 2000).[60] O aeroporto também é usado para fins militares e nele funciona uma base de resposta logística e de emergência humanitária da ONU.
  • Aeroporto de Foggia (IATA: FOG, ICAO: LIBF) 41° 26' N 15° 32' E — Também chamado Aeroporto Gino Lisa, é pequeno aeroporto utilizado para voos domésticos e para ligações às ilhas Tremiti e às estâncias turísticas do Gargano, muitas delas de helicóptero. Em 2017 teve um movimento de 540 000 passageiros[60] (+48,4% do que em 2016, +661% do que em 2010 e 1682% do que em 2000).[60] Os planos existentes em 2011 para encerrá-lo devido à sua baixa rentabilidade derivada do pouco movimento acabaram por não se concretizar.[61]
  • Aeroporto de Tarento-Grottaglie (IATA: TAR, ICAO: LIBG) 40° 31' N 17° 24' E — Também chamado Aeroporto Marcello Arlotta, situa-se na comuna de Grottaglie, 22 km por estrada a nordeste de Tarento. Até 2016 não tinha serviço de passageiros, sendo usado quase exclusivamente pela empresa aeroespacial Alenia Aeronautica.[62] Em 2017 teve um movimento de 164 000 passageiros.[60] O aeroporto também tem uso militar — nele funciona uma base da Aviação Naval da Marinha Italiana e um secção de operações aéreas da Guarda de Finanças.
  • Aeroporto de Lecce-San Cataldo (ICAO: LINL) 40° 21' 35" N 18° 17' 50" E — É um aeroporto civil onde funciona uma escola de pilotagem e tem serviços de resgate por helicóptero, detecção de incêndios, reconhecimento aéreo, táxi aéreo e voos particulares. Situa-se entre San Cataldo e Lecce, 9 km a leste desta última cidade.

Na Apúlia existem também as seguintes bases aéreas:

Educação[editar | editar código-fonte]

Em 2014, estavam inscritos nos estabelecimentos de ensino da Apúlia 759 592 alunos,[63] o que representava 18,6% da população.[64] No mesmo ano, os estudantes do ensino superior representavam 2,5% da população e havia na região 58 343 professores dos ensinos infantil, básico e secundário contratados por escolas públicas.[63]

Número de alunos e estabelecimentos de ensino em 2014 [63]
Ramo de
ensino
Alunos Estabelecimentos Professores
no setor público
Setor público Set. privado Total Set. público Set. privado Total
infantil 96 008 20 050 116 058 1 053 485 1 538 8 129
primário 192 203 6 459 198 662 732 55 787 16 455
secundário 1.º grau 129 928 747 130 675 418 13 431 12 915
secundário 2.º grau 210 482 3 063 213 545 449 51 500 20 844
superior 99 198 1 364 100 562        

Universidades[editar | editar código-fonte]

  • Universidade de Bari Aldo Moro — Fundada em 1925, no ano letivo 2015/2016 tinha 45 962 alunos inscritos[65] em 15 faculdades e 150 cursos. Tem campi em Bari, Brindisi e Tarento.[66] Deve o seu nome ao estadista apuliense Aldo Moro, que lá foi docente durante mais de 30 anos.
  • Universidade do Salento — Fundada em 1955 como Universidade de Lecce, tem o nome atual desde 2007.[67] No ano letivo 2015/2016 tinha 17 202 alunos inscritos[65] em nove faculdades. A sede é em Lecce, mas também tem campi em Brindisi, Mesagne e Monteroni di Lecce.
  • Politécnico de Bari — É uma universidade técnica fundada em 1990, a partir das faculdades de engenharia e de arquitetura da Universidade de Bari. Em 1991 foi fundada a faculdade de engenharia de Tarento.[68] No ano letivo 2015/2016 tinha 9 752 alunos inscritos[65]
  • Universidade de Foggia — Foi fundada em 1990, como dependência da Universidade de Bari e tornou-se autónoma em 1999.[69] No ano letivo 2015/2016 tinha 9 255 alunos inscritos[65] em cinco faculdades, que têm instalações em várias comunas da província de Foggia.
  • Libera Università Mediterranea — Também chamada Universidade LUM Jean Monnet, é uma universidade privada fundada em 1995. Tem duas faculdades (economia e direito) em Casamassima,[70] 20 km a sul de Bari. No ano letivo 2015/2016 tinha 1 244 alunos inscritos[65]
  • Libera Università Maria Santissima Assunta — Conhecida como Universidade LUMSA ou simplesmente LUMSA, é uma universidade privada católica com sede em Roma que desde 1997 tem um polo em Tarento, onde são ministrados cursos de serviço social.[71]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Museus[editar | editar código-fonte]

Museu Arqueológico Nacional Jatta (em Ruvo di Puglia)

Instalado no Palácio Jatta de Ruvo di Puglia, é o único exemplo na Itália duma coleção particular do século XIX que permaneceu inalterada desde a concepção museográfica original. As peças conservadas no museu são da coleção reunida pelo juiz e arqueólogo Giovanni Jatta (1767–1844) e pelo seu irmão Giulio na primeira metade do século XIX, a qual foi enriquecida pelo sobrinho homónimo e adquirida pelo Estado italiano em 1991.[72][73] Praticamente todo o acervo é constituído por cerâmica, sobretudo vasos, da Magna Grécia, recolhido sobretudo na região de Ruvo, mas também nas de Canosa e de Tarento, havendo também peças que foram recolhidas na Grécia.[73]

Museu Arqueológico Nacional de Tarento (MArTA)

Considerado um dos mais importantes museus arqueológicos da Itália, foi fundado em 1887, por iniciativa do arqueólogo salentino Luigi Volta, que reuniu a primeira coleção e cujo objetivo era criar um museu da Magna Grécia. Está instalado desde a sua fundação no antigo Convento de São Pascoal Bailão (San Pasquale Baylon) dos frades alcantarinos, construído na segunda metade do século XVIII, o qual foi modificado várias vezes desde 1901. Durante o último restauro, que decorreu entre 200 e 2007, o museu funcionou no Palácio Pantaleo.[74]

O museu mostra sobretudo peças arqueológicas que documentam a história da região de Tarento (parte da Magna Grécia) e também de outras regiões da Apúlia, desde o Paleolítico até ao final da Antiguidade e início da Idade Média, passando pelos primeiros vestígios de povoamento no 5.º milénio a.C. pelos primeiros contactos dos iapígios com o mundo egeu na Idade do Bronze, as diversas fases de colonização espartana na costa do golfo de Tarento e o período romano. O museu ilustra os modos de vida, religião, rituais fúnebres e economia das cidades gregas da antiga Apúlia, bem como as suas relações com a cultura helénica e nativa, fazendo o mesmo para as cidades romanas. Uma parte importante das coleções é dedicada ao processamento de metais preciosos, nomeadamente ouro, uma das atividades mais desenvolvidas na Magna Grécia entre os séculos IV e I a.C. Uma dos conjuntos mais notáveis do museu são os chamados "Ouros de Tarento", uma coleção de peças de joalharia em ouro.[74]

Museu de Arqueologia Urbana Giuseppe Fiorelli (em Lucera)

Instalado no Palácio De Nicastri,[75] foi fundado em 1905 e é é considerado o primeiro museu "cívico" (municipal) a norte de Bari. O acervo arqueológico inclui artefatos preciosos que vão desde a Pré-história à Idade Média, passando pela época romana (com destaque para o mosaico da Piazza Nocelli). Tem também em exposição peças de mobiliário da família De Nicastri e uma galeria de quadros do pintor lucerino Giuseppe Ar (1898–1956).

Museu Arqueológico Provincial Francesco Ribezzo (MAPRI; em Brindisi)

Fundado em 1884, tem o nome do arqueólogo e glotólogo local Francesco Ribezzo (1875–1952) e situa-se na Piazza Duomo de Brindisi. As seções pré-históricas incluem achados de toda a província, nomeadamente inscrições em latim, hebraico e grego, moedas das eras clássica, medieval e moderna, estátuas romanas encontradas no centro histórico de Brindisi, vasos apulienses e áticos e messápios (trozzelle). Há também duas esculturas em bronze de Punta del Serrone, com estátuas restauradas do cônsul romano Lúcio Emílio Paulo Macedónico e cidadãos romanos trajando togas, bustos, figuras femininas e outras peças de bronze encontradas nas escavações submarinas realizadas em 1992.[76][77][78]

Museu Arqueológico Provincial Sigismondo Castromediano (em Lecce)

Foi fundado em 1868 pelo duque de Cavallino Sigismondo Castromediano, um arqueólogo, literato e patriota italiano, é o museu mais antigo da Apúlia. Inicialmente instalado num antigo convento dos celestinos, foi adquirido pela administração provincial em 1967 e em 1979 foi transladado para o edifício do antigo Colégio Argento, fundado pelos jesuítas em 1888. O museu tem cinco secções: a didática, que mostras todos os locais de relevância histórico-artística; o antiquário, com vasos áticos com figuras negras e vermelhas e vasos itálicos dos séculos VI e V a.C., além de outros achados arqueológicos, como estátuas de bronze, moedas e lápides com inscrições messápias; a topográfica, com mapas antigos do Salento; a pinacoteca, com pinturas dos séculos XIV a XVIII das escolas veneziana e napolitana, além de algumas esculturas românicas e renascentistas; a Sala mostre ("sala de exposições"), com obras de artistas dos séculos XIX e XX. No mesmo edifício funciona a biblioteca provincial e uma ampla sala de estudo.[79][80][81][82]

Museu Cívico de Canosa di Puglia

Fundado e 1934, até 2005 esteve instalado no Palácio Casieri do século XVIII. Atualmente ocupa o Palácio Iliceto, do mesmo século. Tem uma coleção de cerca de 2 000 achados arqueológicos recolhidas em escavações levadas a cabo em Canosa di Puglia e em túmulos dos séculos V a III a.C. Entre eles há inscrições, esculturas, baixos-relevos, mármores, moedas, joias, vasos e outras peças de cerâmica que remontam a um período de cerca de 1 500 anos (do século VI a.C. ao século X d.C.), além de algumas peças pré-históricas. Entre outras, há peças dáunias, romanas, paleocristãs e bizantinas.[83][84][85] No passado o museu teve algumas peças de elevadíssimo valor, como as joias de ouro da Tomba degli Ori. Grande parte dessas peças estão atualmente no Museu Arqueológico Nacional de Tarento e espalhadas pelos maiores museus italianos e europeus, nomeadamente o Museu do Louvre.[carece de fontes?]

Museu Diocesano de Trani

É propriedade da Arquidiocese de Trani-Barletta-Bisceglie. Foi fundado em 1975 por iniciativa do arcebispo Giuseppe Carata para acomodar adequadamente as lápides, esculturas e outras peças de pedra que resultaram de demolições realizadas na catedral e noutras igrejas da cidade de Trani. Ao longo dos anos o seu acervo foi sendo enriquecido com outras obras e achados de elevado valor artístico e histórico. O museu tem diversas secções espalhadas pelo Palácio Addazi e pelo Palácio Lodispoto. A sede é neste último, onde se destacam um coleção de lápides dos séculos VI a XVIII, o Tesouro do Capítulo, que inclui objetos litútgicos, uma exposição das obras de construção dos arcebispos locais entre o século XIV e a atualidade e uma secção arqueológica que inclui achados do 6.º milénio a.C. No Palácio Addazi está instalada a galeria de arte, onde estão expostas pinturas da Catedral de Trani.[86][87]

Museu Diocesano de Tarento (Mudi)

Inaugurado em 2011 pelo arcebispo Benigno Luigi Papa, está instalado no antigo seminário arquidiocesano de Tarento, um edifício da cidade velha do século XVI. Tem em exposição mais de 300 obras do património da que abrangem um período que vai do século VII ao século XX, incluindo mobiliário religioso, relíquias, pinturas e esculturas de grande valor cultural, provenientes sobretudo de igrejas que já não estão abertas ao culto. Destacam-se o "Tesouro de São Cataldo", que inclui a cruz de ouro encontrada no peito do santo durante as obras na catedral do século XI, relicários antigos com a língua de São Cataldo e o sangue de São Vito. Na coleção de pintura, destacam-se o O Sonho de São José de Corrado Giaquinto, um Ecce Homo de Paolo de Matteis e várias pinturas religiosas contemporâneas doadas pelo arcebispo Benigno Papa.[88] Uma das peças únicas do museu é um topázio brasileiro do rei Fernando II das Duas Sicílias,[88] com um figura de Jesus esculpida, apontado como a maior joia do mundo.[89]

Museu Diocesano de Lucera

Inaugurado em 1999, está instalado no Palácio Episcopal de Lucera. Além da coleção de pinturas dos bispos de Lucera-Troia, tem em exposição diversas peças de diferentes épocas, grande parte delas provenientes de igrejas de Lucero que foram desativadas. Destacam-se um cibório em jade vermelho do século XIII, um díptico da escola sulmonesa em folhas de prata dourada do século XIV, um casaco de linho com bordados, a estola e o chapéu do beato Agostinho Kažotić (século XIV), a capa de lã do santo franciscano Francisco António Fasani (séculos XVII-XVIII), um armário-capela com um altar de madeira dourada (século XVIII ou XIX) e diversos relicários.[90][91][92]

Museu Cívico Emanuele Barba (em Gallipoli)

Fundado em 1823 pelo cónego Carmine Fontò, que a ele doou os seus livros. A esta doação juntaram-se outras de conventos dominicanos e franciscanos. Mais tarde, o museu foi confiado a Emanuele Barba, um professor, médico, filósofo e literato de Gallipoli, que criou um "gabinete zoológico". Atualmente é propriedade municipal e exibe coleções de armas, numismática vestuário, fósseis, peças de anatomia patológica, achados arqueológicos (nomeadamente sarcófagos e vasos de cerâmica messápios com inscrições), retratos de figuras ilustres de Gallipoli. Entre as obras de maior valor artístico estão as da chamada "Coleção Coppola", constituída por 17 telas dos séculos XVII e XVIII, algumas delas da autoria do pintor local Giovanni Andrea Coppola.[93][94][95]

Museu Diocesano Aurelio Marena (em Bitonto)

Também conhecido por Museu Monsenhor Aurelio Marena e Museu Pinacoteca Monsenhor Aurelio Marena, abriu em 1969. É o museu da Arquidiocese de Bari-Bitonto, que reúne o património artístico da Concatedral de Bitonto. Tem duas grandes secções: uma pinacoteca e um lapidário românico. A primeira funciona no edifício do seminário, construído na primeira metade do século XVIII, e a segunda no piso térreo do palácio episcopal. Na coleção de pintura destaca-se uma Virgem com o Menino de Antoon van Dyck, uma Adoração dos Pastores de Marco de Pino de 1576, uma Ressurreição de Lázaro de Francesco de Mura da década de 1730 e um fragmento de um ícone de madeira com a Virgem Hodegétria (Nossa Senhora do Caminho), uma obra bizantina do século XII. Há também uma secção dedicada à escola de pintura bitontina do século XVII. O resto da exposição inclui frescos, esculturas, mobiliário religioso, tecidos de culto, vasos de Sèvres e elementos decorativos retirados da catedral, nomeadamente da iconóstase e do cibório, do período entre o século XII e o século XX.[96][97][98]

Pinacoteca Corrado Giaquinto (em Bari)

Também conhecida por Pinacoteca Provincial de Bari e Pinacoteca Metropolitana de Bari, foi fundada em 1928 e esteve inicialmente instalada no palácio do governo local, tendo sido transferida em 1936 para o Palácio da Província, na orla marítima monumental de Bari. A exposição. Tem coleções de pintura apuliense e das escola napolitana do final da Idade Média, da escola veneziana dos séculos XV e XVI, de Corrado Giaquinto (1703–1765), pintura napolitana e italiana meridional do século XIX, além de artistas mais recentes e contemporâneos. Na secção de pintura veneziana destcacam-se obras de Bartolomeo Vivarini (1430–1491), Giovanni Bellini (1433–1516), Paris Bordon (1500–1571), Tintoretto (1519–1594) e Jacopo Palma, o Jovem (1548–1628). Outros pintores famosos com obras no museu são, por exemplo, Luca Giordano (1634–1705), Francesco De Mura (1696–1782), Giuseppe De Nittis (1846–1884), Giovanni Boldini (1842–1931), Giorgio de Chirico (1888–1978) e Giorgio Morandi (1890–1964). Há também peças de maiólica medieval apuliense, presépios napolitanos e vestuário antigo.[99][100]

Pinacoteca Giuseppe De Nittis (em Barletta)

Museu de arte que alberga a maior coleção do famoso pintor impressionista local Giuseppe De Nittis (1846–1884), constituída por 146 quadros e 65 desenhos, que foi doada à cidade em 1914 pela sua viúva. Inicialmente instalado num antigo convento dominicano, esteve depois no Castelo de Barletta e finalmente foi instalado no Palácio da Marra, um edifício barroco do século XVI, onde funciona desde 2007.[101][102][103]

Galeria Nacional da Apúlia Girolamo e Rosaria Devanna (em Bitonto)

É a primeira galeria nacional da Apúlia e uma das mais prestigiadas da região. Foi inaugurada em 2009 e funciona no Palácio Sylos-Calò, um edifício notável edifício renascentista da primeira metade do século XVI. A coleção foi reunida pelos irmãos Girolamo e Rosaria De Vanna, que doaram ao Estado grande parte do seu espólio artístico em 2004. É composta por 229 pinturas e 108 desenhos de importantes artistas, na sua maior parte italianos, datados entre o século XVI e o início do século XX.[104]

Tesouro da Basílica do Santo Sepulcro (em Barletta)

Situado na Basílica do Santo Sepulcro, uma das igrejas mais importantes de Barletta, originalmente construída provavelmente no século XI, este museu tem expostas várias peças de ouro religiosas, algumas provenientes da Palestina, que remontam às primeiras décadas do século XIII. Entre elas, destaca-se um cruz patriarcal dupla que contém um pedaço da Vera Cruz e que segundo a tradição terá sido levada para Barletta em 1291 pelo patriarca de Jerusalém após a tomada de Acre pelos muçulmanos.[105]

Museu Cívico de Paleontologia e do Homem (MUPAU; em Lizzano)

Inaugurado em 2002, este museu municipal está instalado no Palácio Maiorano, um edifício senhorial de meados do século XIX. Tem uma importante coleção de fósseis que remonta a 600 milhões de anos, encontrados da região e um pouco por todo o mundo. Além da secção de paleontologia, tem uma ampla secção de arqueologia, com peças que vão desde o Neolítico até à Idade Média, passando pela Idade do Bronze e pelos períodos da Magna Grécia e romano. Estão também expostas ferramentas tradicionais de trabalho e de uso doméstico. Outras secções são dedicadas a culturas de África e da Oceania e a arte contemporânea.[106][107]

Teatro[editar | editar código-fonte]

A par duma tradição vernacular bastante sólida, enraizada sobretudo em Bari e na sua província, nos últimos anos surgiram numerosas formações experimentais, com novas ideias a circularem e novos novos intérpretes, que atraem o interesse das companhias teatrais nacionais e que é apreciado fora da região. Isso apesar da Apúlia ser uma das pocuas regiões italiana que não tem teatro stabile, isto é grandes companhias teatrais permanentemente subsidiadas pelo Estado, o que dificulta o crescimento do setor. A única instituição pública apuliense dedicada especificamente à gestão, coordenação e financiamento de atividades teatrais[carece de fontes?] é o Teatro Pubblico Pugliese, ativo desde os anos 2000 e responsável pela maior parte do financiamento ao setor.[108] Um dos seus projetos mais interessantes é, por exemplo, o Teatri Abitati, graças ao qual 12 companhias conseguiram obter espaços antes não usados e abandonados para serem usados na sua atividade.[109][110]

A Apúlia tem alguns espaços cénicos de primeira linha, cujo potencial nem sempre é plenamente explorado. O Teatro Petruzzelli de Bari é o quarto maior teatro da Itália[111][112] e por vezes é apontado como o maior teatro privado da Europa; foi inaugurado em 1903 e reaberto em 2009 após ter sido restaurado na sequência dum incêndio em 1991.[112] O Teatro Piccinni de Bari foi inaugurado em 1854[113][114] e encerrado temporariamente em 2009 para ser restaurado, estando prevista a sua reabertura para 2019.[115] O Teatro Team é outro teatro de Bari, que foi fundado no final da década de 1990.[116] O Teatro Margherita de Bari foi inaugurado em 1914 e encerrou em 1980; tem a particularidade de ser construído sobre palafitas, o que alegadamente faz dele o único teatro do mundo construído sobre o mar; em 2009 começou a ser restaurado, inicialmente com o objetivo de voltar a ser usado como teatro,[117][118] mas depois decidiu-se torná-lo um museu de arte contemporâneo, cuja abertura está prevista para 2019.[119] O Teatro Umberto Giordano de Foggia foi inaugurado em 1828[120] e restaurado em 2014.[121] Em Bitonto existe o Teatro Traetta, inaugurado em 1938 e reaberto em 2005 após ter estado fechado durante quase cinquenta anos.[122][123] O Teatro Curci, em Barletta, foi inaugurado em 1872.[124] O Teatro Verdi de San Severo foi inaugurado em 1937 e substituiu um dos teatros mais antigos do sul de Itália, o Teatro Real Borbone, aberto em 1919 e encerrado em 1927.[125] O Teatro Politeama Greco, em Lecce, foi o segundo grande teatro do sul de Itália a seguir ao célebre Teatro San Carlo de Nápoles; foi aberto com uma representação da ópera Aida.[126]

Literatura[editar | editar código-fonte]

A proximidade física entre a Apúlia e a Grécia ajudou a que na região tivessem vivido autores importante durante o período greco-romano e tivesse sido terra de passagem de numerosos estudiosos romanos que completavam ou complementavam os seus estudos na Grécia.

O tarentino do século III a.C. Lívio Andrónico é considerado o fundador da poesia épica romana, que traduziu a Odisseia para latim e introduziu em Roma vários outros géneros literários gregos. Também escreveu uma peça de teatro que é considerada a primeira obra literária escrita em latim (antes dele as obras em latim eram orais) e foi estreada em Roma em 240 a.C. Outro artista apuliense do mesmo século, Quinto Énio foi um poeta e dramaturgo que também é considerado um dos pais da literatura romana. Nasceu em Rudiae, uma cidade originalmente messápia situado muito perto do que é hoje Lecce. Escreveu peças um poema épico central na cultura latina (os Anais e outras obras de diversos géneros. Marco Pacúvio (220–130 a.C.) foi outro importante dramaturgo e poeta. Nascido provavelmente em Brindisi, numa área cultural greco-osca era sobrinho de Quinto Énio e mudou-se para Roma, onde se tornou pintor e poeta.

Entretanto, durante a Idade Média, a localização da região acabou por ser um entrave ao desenvolvimento cultural, devido ao feudalismo, que colocava o poder em soberanos e capitais distantes. Nesse período, a cultura apuliense foi geralmente um reflexo da cultura napolitana de maior sucesso. A capital do sul, a cidade de Nápoles, tinha a única universidade do sul da Itália e frequentá-la era uma obrigação para os intelectuais da Apúlia. Houve inúmeros casos de intelectuais que partiram para lugares culturalmente mais dinâmicos e que não voltaram à sua terra natal, contribuindo para a cultura de cidades como Roma, Veneza e Turim.

A inexistência duma corte, ao contrário do que aconteceu noutras partes da Itália, tolheu a vida cultural da Apúlia. Exceções notáveis foram a corte normanda de Frederico II da Suábia na primeira metade do século XIII, as cortes dos Orsini del Balzo no alto Salento, a de Isabel de Aragão (1470–1524) e a de Bona Sforza em Bari (1494–1557), a dos Acquaviva em Conversano e Nardò nos séculos XVI e XVI. Estes centros, juntamente com os centros eclesiásticos e mercantis, desenvolveram importantes formas culturais e de inovação que também impulsionaram a literatura.[carece de fontes?]

Durante o século XVIII os intelectuais apulienses, ao contrário do que aconteceu com os de Nápoles e Milão, inicialmente não aderiram aos princípios iluministas.[carece de fontes?] Um impulso nesse sentido foi entretanto dado por Ferrante de Gemmis, um nobre literato e filósofo (1732–1803), que recolheu os ensinamentos de Antonio Genovesi e fundou a Academia Iluminista em Terlizzi, a sua terra natal, c. 1760.[127] Quando a burguesia tomou consciência de si mesma, no século XIX, desenvolveu-se uma cultura científica, jurídica, económica e administrativa ativas. Ao mesmo tempo, em consequência da anexação do do Reino das Duas Sicílias ao Reino de Itália (1861), cresce espalha-se o fenómeno do brigantaggio,[nt 1][128] que deu origem ao principal tema da chamada literatura meridionalista. Esta tendência cultural conta com revistas como a Rassegna Pugliese de Valdemaro Vecchi, que seria o ponto de partida para o desenvolvimento da importante editora Laterza.

O século XX foi marcado por profudas reflexões meridionalistas e por sentimentos antifascistas. Um dos exemplos disso é Tommaso Fiore, um meridionalista convicto e socialista, que sempre lutou pela autonomia, pelo federalismo meridionalista, pelas condições de vida das populações, em particular das dos camponeses, e que foi o guia dum grupo de jovens intelectuais.[129]

Um dos grandes expoentes da cultura apuliense do século XX foi Carmelo Bene, ator, dramaturgo e cineasta.[130] Mais recentemente, o ex-juiz e ex-senador Gianrico Carofiglio tem tido muito sucesso com os seus romances que têm Bari como cenário. Como juiz, Carofiglio noatbilizou-se em processos anti-Máfia.[131]

Música[editar | editar código-fonte]

Como na maior parte da Itália meridional, a tradição musical da Apúlia está intimamente às danças tradicionais. Em toda a região, eram comuns no passado as danças folclóricas, geralmente conhecidas como tarantelas, com melodias musicais de ritmo veloz. A escola musical de Carpino, uma pequena cidade no Gargano, continua muito ativa na preservação da tarantela apuliense. A música, provavelmente com influências árabe e eslava, é acompanhada por guitarras francesas e battente, castanholas, tambor e voz.

Uma dança popular de particular interesse antropológico é a pizzica (ou taranto), presente sobretudo no Salento e em Tarento, que é dançada em pares de indivíduos não necessariamente de sexo diferente. Outrora era dançada não apenas em ocasiões festivas, mas também durante os rituais de cura da tarantate (tarantismo), um fenómeno histérico convulsivo que era atribuído à picada de tarântula. Os estudos realizados pelo etnólogo Ernesto de Martino e reunidos na sua obra fundamental La terra del rimorso, de 1959, incidiram sobre o fenómeno do tarantismo e mostraram as suas ligações à histeria, epilepsia e depressão. Embora o tarantismo possa ser considerado extinto, a música que o acompanhava nos últimos anos tem sido objeto duma redescoberta que ultrapassou as fronteiras regionais e que culmina anualmente no concorrido festival Notte della Taranta ("Noites da Taranta"), que se realiza todos os anos na Grécia Salentina.[132]

Um grande músico apuliense muito célebre foi Matteo Salvatore (1925–2005), um compositor e cantor de folk e música tradicional que foi um grande intérprete de canções tradicionais do Gargano.[133][134] Outro músico notório na área do folk é Eugenio Bennato, um cantautor que apesar de ser natural de Nápoles, é um dos principais impulsionadores Taranta Power,[135] um movimento que tem como objetivo promover e divulgar o taranto e a música tradicional apuliense, o que tem vindo a ser feito através de espetáculos, publicações, apoio a grupos, à organização de eventos e à criação de escolas e oficinas.[136] Outro cantautor e compositor com fama mundial com ligações à Apúlia foi Lucio Dalla, que viveu alguns anos e passou muito tempo, desde a juventude, principalmente em Manfredónia e nas ilhas Tremiti (1943–2012).[137][138]

Gastronomia[editar | editar código-fonte]

A cozinha apuliense é muito variada, tanto nas receitas como nos numerosos ingredientes, que variam conforme as estações do ano. São usados muitas hortaliças e legumes, como a cima di rapa (Brassica rapa sylvestris) (uma variedade de nabo), couve, cardo, alcachofra, chicória, pimento, beringela, feijão, lentilha, chícharo, fava (a de Carpino é famosa), cebola (a de Acquaviva delle Fonti é famosa), além de todos os frutos do mar, especialmente os do mar Adriático e do golfo de Tarento. Estes últimos têm uma características particulares, resultantes da água do mar Piccolo e das nascentes de água doce (chamadas localmente citri) que para ele afluem e suavizam a salinidade sem afetar o sabor do peixe.

Apesar de existirem alguns pratos comuns a toda a região, as receitas variam de província para província e por vezes de cidade para cidade. Por exemplo, é comum haver diferenças nas receitas típicas das províncias costeiras de Bari, Brindisi e Tarento, para as das províncias de Foggia, mais montanhosa, ou de Lecce, mais interior. Os pratos mais comuns variam ao longo do ano. Nas estações mais amenas, ou seja, na primavera e no verão, é dada preferência aos legumes e ao peixe, enquanto que no outono e inverno predominam as leguminosas, as massas preparadas em casa e temperadas com vários molhos (sughi; singular: sugo), servida sozinha ou acompanhada com vegetais ou peixe.

Possivelmente o prato típico mais conhecido é o "orecchiette al ragù di carne" (massa em forma de orelhinhas com guisado com carne), mas também são bastante conhecidos o "orecchiette con le cime di rapa" (massa com nabo), "cicoria con la purea di fave" (chicória com puré de favas) e outras mais ligados ao mar, como "cavatelli con le cozze" (cavatelli com mexilhões)[nt 2] "risotto ai frutti di mare" (arroz com frutos do mar), "polpo alla griglia" (polvo na grelha), "riso al forno alla barese" (arroz no forno à moda de Bari), também chamado "riso, patate e cozze" (arroz, batatas e mexilhões). Entre os pratos típicos do Salento há os "municeddhi" (caracóis), os "involtini" (rolos de miúdos de borrego), que têm várias designações e também estão presentes na província de Foggia onde são chamados torcinelli), os "ciceri e tria" e "pezzetti di cavallo" (carne de cavalo com molho).

No que diz respeito às carnes, as do vale de Itria são particularmente afamadas, sobretudo as de Cisternino, Crispiano e Martina Franca, onde existe a única norcineria (local destinado unicamente ao abate e ao processamente de porcos) da Apúlia, onde se produz o típico capocollo. Além deste enchido, cabe também mencionar a zampina de Sammichele di Bari, e o prosciutto di Faeto, um presunto da comuna de Faeto, nos montes Daunos.

Entre os produtos com denominação de origem protegida da Apúlia encontram-se os seguintes:

Há também numerosos vinhos apulienses com denominações de origem protegida (DOC, DOCG e IGT).

Tradições e folclore[editar | editar código-fonte]

Feira de São Jorge (Fiera di San Giorgio) em Gravina

Realizada na quarta semana de abril, é a feira regional mais antiga da Itália, atestada num documento de 1294 emitido pelo rei Carlos II de Nápoles onde ordena a sua restauração. Dedicada sobretudo à agricultura, artesanato, gastronomia e vinho, uma das atrações é a encenação das primeiras edições da feira na Idade Média.[139]

La Sagra de la Pittula em Surano

A pittula é um doce típico natalício, com semelhanças com as filhoses portuguesas, feito com massa de sêmola levedada que é frita em azeite extravirgem. Geralmente têm uma forma arredondada e levam couve-flor, pimento, nabo, bacalhau, azeitonas pretas com anchovas e tomate, atum, etc. As tradicionais não têm recheio e são polvilhados com mel e anesini açucarado. É um símbolo auspicioso de sorte e do nascimento. Em Surano realiza-se uma festa (sagra) da pitulla em 23 de dezembro, onde também se pode apreciar outra especialidade local, os pucce (singular: puccia), uma espécie de pão. Outra atração da festa é a focareddha, uma fogueira de Natal com cinco metros de altura que segundo a tradição se destina a aquecer o Menino Jesus.[140]

La Focara em Novoli

Festa comemorativa do padroeiro local, Santo António Abade (Antão do Deserto), que se tem o ponto alto nos dias 16 e 17 de janeiro, embora se prolongue de 7 a 18 desse mê. A grande atração é uma gigantesca fogueira composta por milhares de feixes de ramos de videira, que são empilhados para formar um enorme cilindro, que é iluminado por uma profusão de fogos de artifício na noite de 16 para 17. Nos chamados Dias do Fogo há numerosos espetáculos de pirotecnia e de concursos. No aspeto mais genuinamente religioso, outro evento importante é uma procissão e a benção de animais — segundo a tradição, Santo Antão, o "Santo do Fogo", foi guardador de porcos e protege os animais domésticos. A festa realiza-se pelo menos desde 1664, ano em que foi oficializada pelo bispo Luigi Pappacoda.[141][142]

Tavole di San Giuseppe (18 e 19 de março) em Cocumola (Minervino di Lecce), San Marzano di San Giuseppe, Uggiano la Chiesa, Giurdignano e Lizzano

É uma tradição antiga em que são preparadas grandes mesas com pratos típicos em honra de São José. Durante a visita à taula podem saborear-se o "lu cranu stumpatu" e a "massa culli ciciri" ou os "vermiceddhri", ou seja, trigo e massa com grão-de-bico.[143][144][145]

Semana Santa de Tarento (março ou abril)

Durante a Semana Santa são realizados vários rituais, nomeadamente grande procissões de dia e de noite com encapuçados, nomeadamente a da Madonna Addolorata (Nossa Senhora das Dores) e dos "Mistérios". As celebrações, por alguns apontadas como entre as mais antigas da Itália, remontam pelo menos a 1703, quando um nobre local, Don Diego Calò, encomendou em Nápoles imagens da Addolorata e de Jesus Morto que ainda hoje são usadas nas procissões. As celebrações são organizadas pelas mais de 20 confrarias de Tarento, algumas delas fundadas no século XVI.[146][147][148][149]

Semana Santa de Molfetta

As comemorações da Quaresma em Molfetta começam com a procissão da Cruz na Quarta-feira de Cinzas, o dia seguinte ao Carnaval. Os outros pontos altos são a procissão da Virgem Addolorata na tarde de Sexta-feira da Paixão. Na noite de sexta-feira para sábado, às 03:00 da manhã, sai da Igreja de Santo Estêvão a procissão do Cinco Mistérios. No Sábado de Aleluia sai da Igreja do Purgatório a procissão da Pietá.[150][151]

Semana Santa de Francavilla Fontana

Os ritos da Semana Santa desta cidade da província de Brindisi estão entre os mais famosos da Puglia. Durante toda a noite de Quinta-feira Santa e até ao anoitecer de Sexta-feira Santa, fiéis comuns e os Pappamusci andam em peregrinação de igreja em igreja, onde páram em oração diante dos sepulcros onde jaz o Cristo Morto. Os Pappamusci são membros duma confraria local e trajam uma túnica branca com um cordão atado na cintura, símbolo de sacrifício, e um escapulário castanho ao peito, sinal de pertença à confraria e privilégio dos seus membros. Outra peculiaridade local são os Crociferi, penitentes com uma túnica e encapuçados que carregam descalços uma pesada cruz de madeira aos ombros. Na procissão dos Mistérios, realizada na sexta-feira à noite, para a qual as confrarias levam esculturas em papel machê representando os últimos momentos da vida de Jesus. Como noutras celebrações da Semana Santa da Apúlia, as semelhanças com as que se praticam na Espanha explicam-se pelo facto da sua origem remontar ao período em que o sul da Itália era governado por monarcas espanhóis.[152][153][154]

Processione delle Fracchie em San Marco in Lamis (noite de Sexta-feira Santa)

A procissão noturna de Sexta-feira Santa nesta cidade do interior do Gargano é muito singular. Na procissão seguem carroças com grandes tochas acesas (as fracchie), que segundo a tradição iluminam Nossa Senhora das Dores na sua busca por Jesus morto. As tochas são feitas com feixes de troncos de árvore, de forma cónica e abertas longitudinalmente, que se tornam autênticas fogueiras ambulantes. A tradição remonta ao século XVI ou XVII.[155][156][157]

Monumentos e atrações turísticas[editar | editar código-fonte]

Locais de interesse naturalístico[editar | editar código-fonte]

Na Apúlia há 2 parques nacionais, 3 áreas marinhas protegidas, 11 parques regionais. 17 reservas naturais estatais e 7 reservas naturais regionais. Além disso, no âmbito do projeto Rede Natura 2000 foram propostos 75 sítios de importância comunitária e 16 zonas de proteção especial.[26] O Parque Nacional do Gargano foi criado em 1991 e tem 1 211,2 km². O Parque Nacional da Alta Múrgia foi criado em 2006, tem 680,8 km² e a sua sede é em Gravina in Puglia. As áreas marinhas protegidas são a de Torre Guaceto (comuna de Carovigno, província de Brindisi), as ilhas Tremiti (a norte do cabo Gargano) e a de Porto Cesareo (província de Lecce).[26]

Apesar da presença de diferentes biótopos, tais como zonas húmidas (principalmente no lado do Adriático), cavernas (como por exemplo as grutas de Castellana), desfiladeiros, bosques, etc., as áreas protegidas não excedem 7% da área total da região. A área arborizada ocupa 7,5% do território, a percentagem mais baixa da Itália.[158]

Locais de interesse arqueológico[editar | editar código-fonte]

Apesar da grande dispersão e destruição sofrida pelo património arqueológico, que afeta sobretudo o Salento,[159] na Apúlia existem numerosos sítios arqueológicos e paleontológicos, alguns com importância internacional, como por exemplo a pedreira em Altamura descoberta em 1999 que tem cerca de 30 000 pegadas de dinossauro, datadas de há 70 a 80 milhões de anos.[160][161] Foi também em Altamura que foi encontrado o chamado Homem de Altamura, um espécime arcaico de Homo neanderthalensis.[162] Outros sítios arqueológicos espalhados por toda a região atestam a presença humana desde a Idade da Pedra. Entre os maiores estão as antigas cidades de Egnácia e Canas, mas há também outros povoados, várias necrópoles, dólmenes, menires, estradas romanas (como a Via Ápia e a Via Trajana), etc.

Arquitetura religiosa[editar | editar código-fonte]

Oromânico apuliense, que atingiu o seu máximo esplendor entre o século XI e a primeira metade do século XIII,[163] foi o antecedente mais imediato da arte que se desenvolveu na corte de Frederico II da Suábia no século XIII, a qual, através da movimento de artistas como Nicola Pisano de Apulia, levou à renovação artística que depois se difundiu para a Toscana e daí para toda a Itália. As igrejas da Apúlia apresentam influências lombardas, pisanas, borgonhesas e orientais, reelaboradas segundo um esquema peculiar.[carece de fontes?]

Entre os primeiros e mais representativos edifícios românicos está a Basílica de São Nicolau de Bari, iniciada em 1087 e concluída no final do século XII.[164] Outros exemplos característicos do românico apuliense são as catedrais de Trani, Troia, Ruvo di Puglia, Altamura, Bitonto e a Basílica de Siponto em Manfredónia. Outro edifício de notável importância histórica é a igreja matriz de Santa Maria da Porta em Palo del Colle, construída no século XII e remodelada de acordo com os cânones renascentistas em 1500, que tem uma torre sineira com cerca de 50 metros de altura.

Além dos monumentos românicos, há também notáveis edifícios góticos a catedral angevina de Assunção de Maria, o Santuário de São Francisco António Fasani em Lucera, a Basílica de São Francisco de Assis em Bitonto, a Basílica de Santa Catarina de Alexandria em Galatina e a Basílica do Santo Sepulcro em Barletta.

Entre o final do século XVI, na época da Contrarreforma, e a primeira metade do século XVIII difundiu-se o barroco leccese. Esta corrente artística espalhou-se por todo o Salento, favorecida não só pelo contexto histórico, mas também pela qualidade da pedra local utilizada, a pietra leccese, um calcário macio e compacto com tons quentes e dourados, adequado para ser trabalhado com cinzel.[165] O barroco de Lecce caracteriza-se pelas suas decorações muito exuberantes nos revestimentos dos edifícios. Inicialmente, este estilo só era usado em edifícios religiosos e nobres, como por exemplo a Basílica da Santa Cruz em Lecce, o Palácio dos Celestinos, também em Lecce, e a Basílica concatedral de Santa Ágata em Gallipoli. Mais tarde, as exuberâncias barrocas, os motivos florais, as figuras, os animais mitológicos, frisos e brasões também passaram a ser usados na arquitetura particular. A arquitetura barroca é luxuriante em Lecce e em todos as comunas da sua província, sobretudo na Grécia Salentina e nos grandes centros do Salento, como Gallipoli, Maglie, Nardò, Galatina e Martina Franca.

A arquitetura barroca tardia da Capitanata é bastante diferente do barroco de Lecce, estando mais ligada à cultura do século XVIII, fluindo para o rococó, com fortes influências napolitanas, sobretudo nos edifícios religiosos de San Severo, Foggia e Lucera. Em San Severo, os elementos napolitanos fundem-se com elementos lombardos (importados pelo arquiteto lombardo Ambrosio Piazza), dando origem a uma leveza vaporosa e festiva de linhas e ornamentos, o que é particularmente evidente na Igreja de São Lourenço dos Beneditinos, na qual também se encontram as últimas obras de mármore do escultor napolitano Giuseppe Sanmartino (1720–1793).

Na Apúlia há também pelo menos um exemplo notável de arquitetura religiosa contemporânea: o Santuário de São Pio de Pietrelcina em San Giovanni Rotondo, projetado por Renzo Piano e finalizada em 2004.[166]

Arquitetura militar[editar | editar código-fonte]

Na Apúlia há exemplos de vários tipos de arquitetura militar, como torres costeiras anti-sarracenos, búnqueres da Segunda Guerra Mundial, castelos e cidades fortificadas (como Acaya, na comuna de Vernole).[carece de fontes?] Durante a Baixa Idade Média foram construídos vários castelos na Apúlia, especialmente durante o reinado de Frederico II da Suábia, na primeira metade do século XIII, que criou uma rede de castelos reais,[167] dos quais o mais conhecido e original é o Castel del Monte, classificado como Património Mundial desde 1996.[168]

O Castel del Monte caracteriza-se pela sua planta octogonal incomum. Mais do que uma fortaleza propriamente dita, é um palácio rural, rico em simbolismo, que está na origem de muitas especulações algo mirabolantes.[169] Outras construções militares construídas ou ampliadas durante o reinado de Frederico II são, por exemplo, os castelos de Lucera, Bari, Trani, Barletta, Tarento, Oria, Brindisi, Lecce, Otranto, Gallipoli e Manfredónia.

Arquitetura civil[editar | editar código-fonte]

Há um tipo de construção civil que é um dos símbolo da Apúlia: os trulli (singular: trullo), casas de habitação de "pedra seca" (sem uso de qualquer tipo de argamassa) com telhados cónicos cobertos de "chiancarelle" (lajes de calcário). A cúpula cónica é formada por pedras em círculos concêntricos, cujo diâmetro diminui de baixo para cima; o cone é fechado por uma pedra de forma esférica, decorada com um pináculo. A área com maior concentração de trulli é o Vale de Itria, nomeadamente Alberobello, em cujo centro só há casas desse tipo,[170] Ceglie Messapica, Cisternino, Locorotondo e Martina Franca.[171] Documentos históricos atestam a existência dos trulli como o único tipo de unidade habitacional na área desde o século XVI.[170] Os trulli de Alberobello foram declarados Património Mundial em 1996 devido a representarem uma técnica de construção ancestral que permaneceu intacta e perfeitamente funcional.[172]

Noutras partes da região — e em particular no Salento — existem outras construções em "pedra seca", chamadas pajare (singular: pajara), que ao contrário dos trulli, têm a forma de um cone truncado, não têm janelas e não são rebocadas (a pedra das paredes e telhado não têm qualquer revestimento). É possível que este tipo de construções remonte à Idade do Bronze.[173]

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Grande parte do texto foi inicialmente baseado na tradução dos artigos «Puglia» na Wikipédia em italiano (acessado nesta versão) e «Apulia» na Wikipédia em inglês (acessado nesta versão).
  1. Brigantaggio pode traduzir-se como banditismo, mas no contexto do sul da Itália, está associado não só a quadrilhas de de salteadores, mas também a grupos de assaltantes que eram simultaneamente ladrões e resistentes políticos (uma espécie de guerrilheiros), surgidos após a reunificação italiana, na qual o Mezzogiorno saiu prejudicado relativamente às regiões mais ricas do resto do país.
  2. Cavatelli é um tipo de massa feita com sêmola de trigo duro e água, de aspeto semelhante aos gnocchi com origem em Molise, em cujo dialeto local é chamado cavetiell (ou cuzzutill em Montenero di Bisaccia). Na generalidade da Apúlia é mais conhecido por capunti; em Caggiano crusìcchi, em Gesualdo (Campânia) cecaruccoli.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b «Região de Apúlia». db-city.com. Consultado em 4 de junho de 2018. 
  2. a b c «Popolazione residente al 1° Gennaio 2017». Statistiche demografiche. demo.istat.it (em italiano). Istituto Nazionale di Statistica (ISTAT). Consultado em 14 de junho de 2018. 
  3. a b c «apuliense». Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. Infopédia 
  4. a b c «apuliense». Dicionário Caldas Aulete da Língua Portuguesa. aulete.uol.com.br 
  5. a b «apuliano». Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. Infopédia 
  6. a b «apuliano». Dicionário Caldas Aulete da Língua Portuguesa. aulete.uol.com.br 
  7. «Prodotto interno lordo lato produzione» (em italiano). Istituto Nazionale di Statistica. dati.istat.it. Novembro de 2013. Consultado em 4 de junho de 2018. 
  8. «Valori pro capite» (em italiano). Istituto Nazionale di Statistica. dati.istat.it. Novembro de 2013. Consultado em 4 de junho de 2018. 
  9. Canepari, Luciano (2009). «Dizionario di pronuncia italiana» (em italiano). www.dipionline.it. ISBN 978-88-08-10511-0. Consultado em 4 de junho de 2018. 
  10. «Regione Puglia» (em italiano). www.laterradipuglia.it. Consultado em 5 de junho de 2018. 
  11. Lari et al 2015
  12. Plínio, o Velho,. Naturalis Historia. Livro III
  13. Fisher 1998.
  14. Estrabão, Geografia, Livro VI, Capítulo 3, 1 [fr] [en] [en]
  15. Montesanti 2007
  16. Marcato et al 1990
  17. «Puglia Guide» (em inglês). www.roughguides.com. Consultado em 5 de junho de 2018. 
  18. Götze 1998, p. 89.
  19. «History» (em inglês). www.vieste.net. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  20. Syed, Akhtar & Usmani 2011.
  21. Dursteler 2013, p. 142–143.
  22. «The Turks in Terra d'Otranto» (em inglês). Museo Diffuso di Borgo Terra. www.museomuro.it. Consultado em 5 de junho de 2018. 
  23. Failli, Daniele. «Dallo scisma interno della Massoneria: la Carboneria» (em italiano). www.triplov.com. Consultado em 7 de junho de 2018. 
  24. Gilmour 2011, pp. 24–25.
  25. «Introducing Puglia». Lonely Planet 
  26. a b c «Parchi, Riserve ed altre Aree Naturali Protette in Puglia» (em italiano). Federparchi - Federazione Italiana Parchi e Riserve Naturali. www.parks.it. Consultado em 23 de junho de 2018. 
  27. Falasca, Simona (25 de junho de 2010). «Acque di balneazione 2010: ecco il rapporto del ministero della salute che presenta il nuovo portale. Caserta fanalino di coda» (em italiano). Consultado em 4 de junho de 2018. 
  28. Puglia, Guida d'Italia, p. 11
  29. «Il Tavoliere delle Puglie visto da vicino» (em italiano). www.laterradipuglia.it. Consultado em 4 de junho de 2018. 
  30. Buchot, Emmanuel (2008). «Il territorio della Puglia in Italia» (em italiano). www.voyagesphotosmanu.com. Consultado em 4 de junho de 2018.  Baseado na Microsoft Encarta.
  31. Aprile, Giuseppe. «La Murgia dei trulli: analisi e prospettive della economia agro-silvo-pastorale» (PDF) (em italiano). Universidade de Bari / www.tno.it. Consultado em 4 de junho de 2018. 
  32. «Schede degli ambiti paesaggistici: Arco Jonico Tarantino» (PDF) (em italiano). Portale dedicato al Piano Paesaggistico Regionale (PPTR) e all'Osservatorio regionale della Biodiversità. paesaggio.regione.puglia.it. Consultado em 4 de junho de 2018. 
  33. «Il Parco Terra delle Gravine» (em italiano). GRAVin Società Cooperativa. www.gravinweb.it. Consultado em 4 de junho de 2018. 
  34. «Tutela e valorizzazione delle lame» (PDF) (em italiano). www.ba2015.org. Arquivado do original (PDF) em 7 de janeiro de 2012 
  35. a b Degiovanni, Alfredo. «Geologia: Puglia, le Bahamas dei dinosauri». www.itineraweb.com. Arquivado do original em 5 de janeiro de 2009 
  36. de Lorenzo 1896.
  37. Macchia et al 2000
  38. «Pluviometria del Salento» (em italiano). www.supermeteo.com. Consultado em 5 de junho de 2018. 
  39. Nava, Stefano. «I cicloni mediterranei un fenomeno raro e poco conosciuto» (em italiano). www.fenomenitemporaleschi.it. Consultado em 5 de junho de 2018. 
  40. Giovannoni, Mauro. «Il tornado di Sava del 19 agosto 1976» (em italiano). www.tornadoit.org. Consultado em 5 de junho de 2018. 
  41. «Regioni Italia per Popolazione» (em italiano). www.comuni-italiani.it. Consultado em 7 de junho de 2018. 
  42. a b «Portrait of the Regions - Italy - Puglia - Population» (em inglês). circa.europa.eu. Março de 2004. Arquivado do original em 21 de julho de 2011 
  43. «Popolazione residente al 1° Gennaio 2015». Statistiche demografiche. demo.istat.it (em italiano). ISTAT. Consultado em 14 de junho de 2018. 
  44. «Immigrants.Stat». ISTAT. stra-dati.istat.it. Consultado em 14 de junho de 2018. 
  45. Bertoni 1916, p. 152.
  46. Lewis, M. Paul; Simons, Gary F.; Fennig (ed.s), Charles D. (2016). «Greek». www.ethnologue.com (em inglês). Ethnologue: Languages of the World, 21.ª ed. Dallas. Consultado em 8 de junho de 2018. 
  47. Lewis, M. Paul; Simons, Gary F.; Fennig (ed.s), Charles D. (2016). «Albanian, Arbëreshë». www.ethnologue.com (em inglês). Ethnologue: Languages of the World, 21.ª ed. Dallas. Consultado em 8 de junho de 2018. 
  48. a b Nagy 2011.
  49. Lewis, M. Paul; Simons, Gary F.; Fennig (ed.s), Charles D. (2016). «Arpitan». www.ethnologue.com (em inglês). Ethnologue: Languages of the World, 21.ª ed. Dallas. Consultado em 8 de junho de 2018. 
  50. «Marchio della Regione. Lo stemma della Regione Puglia» (em italiano). Website oficial da Região da Apúlia. www.regione.puglia.it. 2018. Consultado em 9 de junho de 2018. 
  51. «Costituita in Puglia una commissione per la cooperazione» (em italiano). Osservatorio Balcani e Caucaso - Transeuropa. www.balcanicaucaso.org. 13 de setembro de 2006. Consultado em 9 de junho de 2018. 
  52. «Puglia: Conclusa la tre giorni del progetto AdriEurOP» (em italiano). Osservatorio Balcani e Caucaso - Transeuropa. www.balcanicaucaso.org. 22 de novembro de 2007. Consultado em 9 de junho de 2018. 
  53. «Puglia e Albania, cammino comune» (em italiano). Osservatorio Balcani e Caucaso - Transeuropa. www.balcanicaucaso.org. 8 de setembro de 2011. Consultado em 9 de junho de 2018. 
  54. «Puglia e Romania: una rete agrolimentare» (em italiano). Osservatorio Balcani e Caucaso - Transeuropa. www.balcanicaucaso.org. 16 de setembro de 2009. Consultado em 9 de junho de 2018. 
  55. «Puglia: delegazione in Bulgaria» (em italiano). Osservatorio Balcani e Caucaso - Transeuropa. www.balcanicaucaso.org. 29 de maio de 2007. Consultado em 9 de junho de 2018. 
  56. «Programma Grecia-Italia: richiesta nulla osta controllori di primo livello» (em italiano). Regione Puglia - Coordinamento delle Politiche Internazionali. www.europuglia.it. Consultado em 9 de junho de 2018. 
  57. «Interreg Europe. Territorial co-operation». Comissão Europeia. ec.europa.eu. Consultado em 9 de junho de 2018. 
  58. «Il Corridoio 8 collegherà il Mar Nero e l'area balcanica con le regioni adriatico-joniche» (em italiano). www.balcanionline.it. Consultado em 9 de junho de 2018. 
  59. «Portrait of the Regions - Italy - Puglia - Economy» (em inglês). circa.europa.eu. Março de 2004. Arquivado do original em 21 de agosto de 2009 
  60. a b c d e f «Statistiche» (em italiano). Associazione Italiana Gestori Aeroporti. assaeroporti.com. Consultado em 14 de junho de 2018. 
  61. Ettore, Livini (8 de novembro de 2011). «Aeroporti, troppi sprechi Via gli scali bonsai» (em italiano). La Repubblica. www.repubblica.it. Consultado em 14 de junho de 2018. 
  62. «Aeroporto, scontro sull'Arlotta» (em italiano). Corriere del Giorno di Puglia e Lucania. www.corrieredelgiorno.com. 31 de março de 2014. Consultado em 14 de junho de 2018.. Arquivado do original em 22 de março de 2014 
  63. a b c «Istruzione e formazione» (em italiano). ISTAT. dati.istat.it. Consultado em 14 de junho de 2018. 
  64. «Popolazione residente al 1° Gennaio 2015». Statistiche demografiche. demo.istat.it (em italiano). ISTAT. Consultado em 14 de junho de 2018. 
  65. a b c d e «Anagrafe Nazionale Studenti» (em italiano). Ministero dell'Istruzione dell'Università e della Ricerca. anagrafe.miur.it. Consultado em 14 de junho de 2018. 
  66. «Sedi e strutture» (em italiano). Sítio web oficial da Universidade de Bari. Consultado em 14 de junho de 2018. 
  67. «La storia» (em italiano). Sítio web oficial da Universidade do Salento. Consultado em 14 de junho de 2018. 
  68. «Storia» (em italiano). Sítio web oficial do Politécnico de Bari. www.poliba.it. Consultado em 14 de junho de 2018. 
  69. «La storia» (em italiano). Sítio web oficial da Universidade de Foggia. Consultado em 14 de junho de 2018. 
  70. «Storia e valori» (em italiano). Sítio web oficial da Universidade LUM Jean Monnet. Consultado em 14 de junho de 2018. 
  71. «Dove siamo» (em italiano). Sítio web oficial da Universidade LUMSA. Consultado em 14 de junho de 2018. 
  72. di Palo 1987.
  73. a b «Il Museo Nazionale» (em italiano). Sítio web oficial do Palácio Jatta. Consultado em 14 de junho de 2018. 
  74. a b «Storia del MARTA» (em italiano). Sítio web oficial do Museu de Tarento. www.museotaranto.beniculturali.it. Consultado em 14 de junho de 2018. 
  75. «Museo Civico "G. Fiorelli"» (em italiano). Website da comuna de Lucera. www.comune.lucera.fg.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  76. «Museo archeologico provinciale Francesco Ribezzo di Brindisi» (em italiano e inglês). Ministero dei beni e delle attività culturali e del turismo. www.beniculturali.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  77. «Museo Archeologico Provinciale "F.Ribezzo" - Brindisi» (em italiano). Website oficial da província de Brindisi. www.provincia.brindisi.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  78. «MAPRI - Provincial Archaeological Museum Francesco Ribezzo» (em inglês, italiano, espanhol, alemão, francês, e russo). Portale ufficiale del Turismo in Puglia. viaggiareinpuglia.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  79. «Museo Sigismondo Castromediano» (em italiano e inglês). Ministero dei beni e delle attività culturali e del turismo. www.beniculturali.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  80. «Museo Provinciale "S. Castromediano"» (em italiano). Infolecce - Servizi Turistici nel Salento. www.infolecce.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  81. «Provincial Museum "Sigismondo Castromediano"» (em inglês, italiano, espanhol, alemão, francês, e russo). www.viaggiareinpuglia.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  82. «Museo provinciale "Sigismondo Castromediano" (Lecce)» (em italiano). PugliaMusei.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  83. «Museo civico archeologico c/o Palazzo Iliceto. Canosa di Puglia» (em italiano, inglês, e francês). Puglia Imperiale Turismo. www.pugliaimperiale.com. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  84. «Museo civico Palazzo Iliceto» (em inglês, italiano, espanhol, alemão, francês, e russo). www.viaggiareinpuglia.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  85. «Palazzo Iliceto» (em italiano). Fondazione Archeologica Canosina. www.canusium.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  86. «Polo museale di Trani» (em italiano). Fondazione "Scripturae Evolutio Cum Arte". www.fondazioneseca.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  87. «Museo diocesano dell'arcidiocesi di Trani-Barletta-Bisceglie. Sede centrale di Trani» (em italiano e inglês). Ministero dei beni e delle attività culturali e del turismo. www.beniculturali.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  88. a b «Mudi - Museo Diocesano di Taranto» (em inglês, italiano, espanhol, alemão, francês, e russo). www.viaggiareinpuglia.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  89. D'Ambra, Angelo (12 de março de 2016). «Il topazio di Ferdinando II a Taranto» (em italiano). www.HistoriaRegni.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  90. Di Giovine, Vincenzo (2004). «Museo diocesano» (em italiano). Club Unesco "Federico II" di Lucera. www.clubunescolucera.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  91. «Museo Diocesano di Lucera» (em italiano). Museo Italia. www.museionline.info. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  92. «Il Museo Diocesano di Lucera» (em italiano). www.CorrereNelVerde.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  93. Natali 2006, pp. 86–87.
  94. «Museo Civico "Emanuele Barba"» (em italiano). Ministero dei beni e delle attività culturali e del turismo. Cultura Italia. www.culturaitalia.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  95. «Museo Civico "Emanuele Barba"» (em italiano). viaggiart.com. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  96. «Museo Diocesano. Sezione Bitonto» (em italiano). Website da Arquidiocese de Bari-Bitonto. www.arcidiocesibaribitonto.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  97. «Museo Diocesano "Monsignor Aurelio Marena"» (em italiano). Iconografia e Venerazione dei santi Cosma e Damiano. ilculto.santimedici.net. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  98. «Museo Diocesano di Bitonto (o Museo Pinacoteca Mons. Aurelio Marena)» (em italiano). viaggiart.com. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  99. «La storia» (em italiano). Website da Pinacoteca de Bari Corrado Giaquinto. www.pinacotecabari.i. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  100. «Pinacoteca Provinciale di Bari: cosa vedere, come arrivare e quanto costa» (em italiano). www.puglia-turismo.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  101. «Nasce la pinacoteca "De Nittis" a Palazzo della Marra, Barletta» (em italiano). www.lagazzettadelmezzogiorno.it. 31 de março de 2007. Consultado em 17 de junho de 2018. 
  102. «Pinacoteca "Giuseppe De Nittis" Barletta» (em italiano). Puglia Imperiale Turismo. www.pugliaimperiale.com. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  103. «Pinacoteca De Nittis» (em italiano). Museo Italia. www.museionline.info. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  104. «Website oficial da Galeria Nacional da Apúlia» (em italiano). www.gallerianazionalepuglia.beniculturali.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  105. «Le Oreficerie smaltate della Basilica del Santo Sepolcro di Barletta» (em italiano). Centro Regional de Serviço Educativos Culturais da Região da Apúlia. www.crsec.it. Consultado em 16 de junho de 2018.. Arquivado do original em 28 de setembro de 2007 
  106. «Il Museo» (em italiano). Website oficial do Museu Cívico de Paleontologia e do Homem. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  107. Schinaia, Matteo (30 de março de 2017). «Riapre il Museo civico di Lizzano» (em italiano). www.tarantoeventi.it. Consultado em 16 de junho de 2018. 
  108. «Il Teatro Pubblico Pugliese» (em italiano). www.TeatroPubblicoPugliese.it. Consultado em 19 de junho de 2018. 
  109. «Teatri Abitati, ecco le nuove residenze pugliesi» (em italiano). www.TeatroPubblicoPugliese.it. Consultado em 19 de junho de 2018. 
  110. Ventricelli, Giorgio (6 de julho de 2015). «Teatri Abitati, un'eccellenza made in Puglia» (em italiano). www.teatro.it. Consultado em 19 de junho de 2018. 
  111. «Il Teatro» (em italiano). www.FondazionePetruzzelli.com. Consultado em 19 de junho de 2018. 
  112. a b «Teatro Petruzzelli - Bari» (em italiano). www.CamerataMusicaleBarese.it. Consultado em 19 de junho de 2018. 
  113. «Teatro Piccinni - Bari» (em italiano). www.CamerataMusicaleBarese.it. Consultado em 19 de junho de 2018. 
  114. «Teatro Piccinni» (em italiano). www.viaggiareinpuglia.it. Consultado em 19 de junho de 2018. 
  115. «Teatro Piccinni, entro maggio 2019 riaprirà l'antico teatro di Bari» (em italiano). www.puglia.com. 16 de março de 2018. Consultado em 19 de junho de 2018. 
  116. «Storia» (em italiano). www.TeatroTeam.it. Consultado em 19 de junho de 2018. 
  117. Pepe, Nicola (22 de dezembro de 2008). «Documento/La Gazzetta nel teatro Margherita di Bari» (em italiano). www.lagazzettadelmezzogiorno.it. Consultado em 19 de junho de 2018. 
  118. «Teatro Margherita» (em italiano). www.viaggiareinpuglia.it. Consultado em 19 de junho de 2018. 
  119. «Restyling Teatro Margherita Bari. Primo lotto sarà concluso entro luglio, ma già a maggio aperto» (em italiano). www.ansa.it. 3 de abril de 2018. Consultado em 19 de junho de 2018. 
  120. «La storia del Teatro Umberto Giordano» (em italiano). www.teatrogiordano.it. Consultado em 19 de junho de 2018. 
  121. Pacella, Sara (25 de novembro de 2014). «Teatro Giordano: rilasciata la certificazione di agibilità ed esauriti tutti i 745 abbonamenti» (em italiano). www.teleradioerre.it. Consultado em 19 de junho de 2018. 
  122. «Teatro Traetta» (em italiano). www.viaggiareinpuglia.it. Consultado em 20 de junho de 2018. 
  123. «Teatro Traetta» (em italiano). Istituto per le Tecnologie della Costruzione. www.itc.cnr.it. Consultado em 20 de junho de 2018. 
  124. «Teatro Comunale Giuseppe Curci. Storia» (em italiano). www.teatrocurci.it. Consultado em 20 de junho de 2018. 
  125. «Teatro Comunale G. Verdi» (em italiano). www.teatrocomunalesansevero.it. Consultado em 20 de junho de 2018. 
  126. «Storia» (em italiano). Teatro Politeama Greco. www.politeamagreco.it. Consultado em 20 de junho de 2018. 
  127. Genovesi, Antonio (1804), «A Ferrante de Gemmis Maddalena. — A Terlizzi», Scrittori classici italiani di economia politica (em italiano), 17, Stamperia e fonderia di G. G. Destefanis, p. 511, consultado em 21 de junho de 2018. 
  128. «brigantaggio» (em italiano). www.treccani.it. Consultado em 21 de junho de 2018. 
  129. Leuzzi, Vito Antonio (1997), Fiore, Tommaso (em italiano), consultado em 21 de junho de 2018.  in Dizionario biografico degli italiani, vol. 48
  130. Giacchè, Piergiorgio (2012), Bene, Carmelo (em italiano), consultado em 21 de junho de 2018.  in Dizionario biografico degli italiani
  131. «Carofiglio, Gianrico» (em italiano). www.treccani.it. Consultado em 21 de junho de 2018. 
  132. «Notte della taranta», Lessico del XXI Secolo (em italiano), www.treccani.it, 2013, consultado em 21 de junho de 2018. 
  133. «Matteo Salvatore» (em italiano). digilander.libero.it. 27 de agosto de 2005. Consultado em 21 de junho de 2018. 
  134. «Raccolta Matteo Salvatore» (em italiano). Archivio Sonoro della Puglia. www.archiviosonoro.org. Consultado em 21 de junho de 2018. 
  135. «Eugenio Bennato and Taranta Power 2005» (em inglês). www.mwldan.co.uk. Consultado em 21 de junho de 2018. 
  136. «About us» (em inglês). www.TarantaPower.it. Consultado em 21 de junho de 2018. 
  137. «La Puglia piange Lucio Dalla Vendola: «Un amico della regione»» (em italiano). corrieredelmezzogiorno.corriere.it. 1 de março de 2012. Consultado em 21 de junho de 2018. 
  138. Dondi, Gilberto (10 de março de 2012). «Dalla, voci sulla paternità "Voglio qui Lucio"» (em italiano). www.ilrestodelcarlino.it. Consultado em 21 de junho de 2018. 
  139. «San Giorgio al via la fiera più antica d'Italia» (em italiano). www.lagazzettadelmezzogiorno.it. 18 de abril de 2016. Consultado em 21 de junho de 2018. 
  140. «Sagra della Pittula e Focareddha» (em italiano). www.visitsalento.com. Consultado em 21 de junho de 2018. 
  141. «La storia della focara. La festa del fuoco a Novoli» (em italiano). www.comune.novoli.le.it. Consultado em 22 de junho de 2018. 
  142. «Luci, forme e colori: si rinnova il rito della grande Focara di Novoli» (em italiano). www.lecceprima.it. 17 de janeiro de 2018. Consultado em 22 de junho de 2018. 
  143. «Festa di San Giuseppe» (em italiano). Pro Loco Marciana. Promozione turistica & culturale San Marzano di San Giuseppe. www.prolocomarciana.it. Consultado em 22 de junho de 2018. 
  144. «LE Tavole di San Giuseppe» (em italiano). www.comune.giurdignano.le.it. Consultado em 22 de junho de 2018. 
  145. «Tavole di San Giuseppe, tradizione salentina» (em italiano). www.salento.info. Consultado em 22 de junho de 2018. 
  146. «Settimana Santa di Taranto» (PDF) (em italiano). www.tenutazicari.it. Consultado em 22 de junho de 2018. 
  147. «La Settimana Santa 2018 a Taranto: riti e manifestazioni» (em italiano). www.paesionline.it. Consultado em 22 de junho de 2018. 
  148. Lenti, Caterina (27 de março de 2018). «Settimana Santa di Taranto: origini storiche e svolgimento» (em italiano). www.meteoweb.eu. Consultado em 22 de junho de 2018. 
  149. «I Riti della Settimana Santa a Taranto sono tra i più antichi d'Italia» (em italiano). www.madeintaranto.org. 13 de março de 2018. Consultado em 22 de junho de 2018. 
  150. «Molfetta» (em italiano). www.settimanasantainpuglia.it. Consultado em 22 de junho de 2018. 
  151. «Settimana Santa 2018 - Molfetta» (em italiano). www.viaggiareinpuglia.it. Consultado em 22 de junho de 2018. 
  152. Lonoce, Mariella (31 de março de 2010). «Francavilla Fontana e i riti della Settimana Santa» (em italiano). www.brundisium.net. Consultado em 22 de junho de 2018. 
  153. «Francavilla Fontana» (em italiano). www.settimanasantainpuglia.it. Consultado em 22 de junho de 2018. 
  154. Gallo, Giovanna (14 de abril de 2014). «I Riti della Settimana Santa a Francavilla Fontana» (em italiano). www.ilsudchenontiaspetti.it. Consultado em 22 de junho de 2018. 
  155. «San Marco in Lamis» (em italiano). www.settimanasantainpuglia.it. Consultado em 22 de junho de 2018. 
  156. «Le fracchie» (em italiano). www.lefracchie.eu. Consultado em 22 de junho de 2018. 
  157. «La processione delle fracchie: Pasqua infuocata a San Marco in Lamis» (em italiano). www.sanmarcoinlamis.eu. 26 de março de 2018. Consultado em 22 de junho de 2018. 
  158. «Regione Puglia. Atlante dei Parchi e delle aree protette in Italia» (em italiano). Agraria.org - Istruzione Agraria online. Consultado em 23 de junho de 2018. 
  159. Triggiani, Manlio (31 de janeiro de 2006), «Ricerca del CNR con universita. Rilevazione sui beni archeologici del territorio: un disastro. Rischio furti e edilizia. Puglia archeologica: ricca e sconosciuta» [Estudo do CNR com universidade. Inquérito sobre o património arqueológico do território: um desastre. Risco de roubo e construção. Apúlia arqueológica: rica e desconhecida], La Gazzetta del Mezzogiorno (em italiano), arquivado do original em 19 de março de 2015 
  160. «Altamura (Puglia)» (em inglês). Società Paleontologica Italiana. paleoitalia.org. Consultado em 23 de junho de 2018. 
  161. Ricci, Piero (20 de outubro de 2011). «Altamura, parte l'esproprio della cava dei dinosauri» (em italiano). bari.repubblica.it. Consultado em 23 de junho de 2018. 
  162. Lari et al 2015
  163. D'Elia 1987.
  164. Mola, Stefania. «Chiese medievali di Puglia» (em italiano). www.mondimedievali.net. Consultado em 24 de junho de 2018. 
  165. Carotenuto, Maria (28 de novembro de 2007). «Lecce e il barocco» (em italiano). www.baroque.it. Consultado em 24 de junho de 2018. 
  166. Dragone, Roberta (16 de junho de 2004). «Completata la Chiesa di Padre Pio progettata da Renzo Piano» (em italiano). www.edilportale.com. Consultado em 24 de junho de 2018. 
  167. «La rete castellare sveva» (em italiano). www.casteldelmonte.beniculturali.it. Consultado em 24 de junho de 2018. 
  168. Castel del Monte. UNESCO World Heritage Centre - World Heritage List (whc.unesco.org). Em inglês ; em francês ; em espanhol. Páginas visitadas em 24 de junho de 2018.
  169. Luigi, Bressan (2002). «Castel del Monte» (em italiano). Consultado em 24 de junho de 2018. 
  170. a b De Felice, Luca. «I Trulli di Alberobello» (em italiano). www.comunealberobello.gov.it. Consultado em 24 de junho de 2018. 
  171. «La Murgia dei trulli: Analisi e prospettive della economia agro-silvo-pastorale» (PDF) (em italiano). www.tno.it. Consultado em 24 de junho de 2018. 
  172. Os trulli de Alberobello. UNESCO World Heritage Centre - World Heritage List (whc.unesco.org). Em inglês ; em francês ; em espanhol. Páginas visitadas em 24 de junho de 2018.
  173. «Le Pajare, i muretti a secco, i trulli, le liàme» (em italiano). www.turismo-capoleuca.com. Arquivado do original em 28 de agosto de 2011 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bertoni, Giulio (1916), Italia dialettale (em italiano), Milão: Hoepli 
  • Fisher, Elizabeth A. (1998), The Mycenaeans and Apulia. An Examination of Aegean Bronze Age Contacts with Apulia in Eastern Magna Grecia (em inglês), Astrom 
  • Lari, Martina; et al. (maio de 2015), «The Neanderthal in the karst: First dating, morphometric, and paleogenetic data on the fossil skeleton from Altamura (Italy)», Elsevier, Journal of Human Evolution, ISSN 0047-2484 (em inglês), 82: 88-94, doi:10.1016/j.jhevol.2015.02.007 
  • de Lorenzo, G. (1896), Studi di geologia nell'Appennino meridionale, Atti d. R. Accad. d. Sci, Fis. e Mat. (em italiano), Nápoles 
  • Marcato, Carla; et al. (1990), Dizionario di Toponomastica (em italiano), Turim: Utet 
  • di Palo, F. (1987), Dalla Ruvo antica al Museo archeologico Jatta (em italiano), Fasano 
  • Dizionario biografico degli italiani (em italiano), Roma: Istituto dell'Enciclopedia Italiana 


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage