Voo Pacific Southwest Airlines 182

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Voo PSA 182
Acidente aéreo
Ilustração do momento da colisão entre o avião e o monomotor
Sumário
Data 25 de setembro de 1978 (39 anos)
Causa Falha da tripulação e do controle de tráfego aéreo
Local Estados UnidosSan Diego, Califórnia
Coordenadas 32° 44′ N 117° 07′ W
Mortos 144 (7 em terra)
Feridos 9 (em terra)
Primeira aeronave
Origem Aeroporto Internacional de Sacramento, Califórnia
Destino Aeroporto Internacional de San Diego, Califórnia
Passageiros 128
Tripulantes 7
Sobreviventes 0 (nenhum)
Segunda aeronave
Modelo Cessna 172
Operador Estados Unidos Gibbs Flight Center[1]
Prefixo N7711G
Origem Montgomery Field, San Diego, Califórnia
Passageiros 2
Tripulantes 2
Sobreviventes 0 (nenhum)

Em 25 de setembro de 1978, o voo Pacific Southwest Airlines 182 operado por um Boeing 727-214 fazia a rota doméstica de Sacramento a San Diego com uma escala na cidade de Los Angeles, Califórnia. O aeroporto de San Diego era o mais movimentado de pista única nos Estados Unidos. Durante o procedimento de aterrissagem o jato jumbo colidiu no ar com um monomotor Cessna 172[2] que fazia um voo privado para escola de pilotagem.[3]

Acidente[editar | editar código-fonte]

Durante aproximação para aterrizagem no aeroporto de San Diego, o Boeing 727 da PSA recebe um aviso, da torre de controle, de que estava em trânsito com um monomotor Cessna 172. Os pilotos do jato da PSA reportaram à torre de comando que haviam avistado o monomotor, ausentando qualquer preocupação.[4]

A torre de controle recebeu um alerta do recém inaugurado sistema de radar de que a colisão era iminente. Pouca atenção foi dada, pois, havia muitos alarmes falsos. Um aviso foi dado a aeronave da PSA, responsável por manter distancia na aproximação. O aviso não foi dado a tripulação do Cessna. Um fato chama atenção dos investigadores de acidente do voo. Há evidencias de uma terceira aeronave próxima ao local na hora do acidente.

Cerca de 16 testemunhas do acidente afirmam ter visto um monomotor Nos anos 70, pequenas aeronaves não possuíam transponder e não eram detectadas pelo controle de trafego aéreo. Conversas na caixa preta apontam que nos últimos diágolos com a torre, o PSA afirma ter visto o Cessna, na posição de 1 hora, mas, a aeronave estava às 11 horas. Em seguida, afirma ter passado pela aeronave, o que sugere a presença de uma terceira e pequena aeronave.

O erro fatal aconteceu por causa da estática do rádio, que confundiu o operador. A confusão entre estar "passando", e ter "passado", foi decisiva, uma vez que, o controlador de voo sabia que as aeronaves seguiam o mesmo sentindo e o radar mostrava o PSA atrás do Cessna. O controlador responde "OK", pois, pensava que o piloto possuía contato visual e estava fazendo a ultrapassagem naquele momento.

Quando o jato inicia a descida para o pouso, colide com o monomotor que estava logo abaixo. A colisão fatal resultou em acidente catastrófico para pessoas em terra. Todos os passageiros do Boeing 727 da PSA e do Cessna 172 morreram. A queda dos aviões atingiu um bairro em San Diego, onde 22 casas foram afetadas. No total, morreram 144 pessoas, sendo o pior acidente aéreo da Califórnia.[4][5]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um acidente aéreo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.