A Rush of Blood to the Head

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Rush of Blood to the Head
Álbum de estúdio de Coldplay
Lançamento 26 de agosto de 2002
Gravação Outubro de 2001–Maio de 2002
Gênero(s) Rock alternativo
Duração 54:12
Gravadora(s) Capitol, Parlophone
Produção Coldplay, Ken Nelson
Cronologia de Coldplay
Último
Último
Parachutes
(2000)
X&Y
(2005)
Próximo
Próximo
Singles de A Rush of Blood to the Head
  1. "In My Place"
    Lançamento: 5 de agosto de 2002
  2. "The Scientist"
    Lançamento: 4 de novembro de 2002
  3. "Clocks"
    Lançamento: 24 de março de 2003
  4. "God Put a Smile upon Your Face"
    Lançamento: 14 de julho de 2003


A Rush of Blood to the Head é o segundo álbum de estúdio da banda inglesa de rock Coldplay. Lançado em 26 de agosto de 2002 pela gravadora Parlophone no Reino Unido, o álbum foi produzido pela banda e pelo produtor musical britânico Ken Nelson. O álbum é o primeiro da banda que Chris Allison, produtor do The Blue Room (1999), não foi creditado ou envolvido dentro do mesmo.

A gravação começou depois que a banda se tornou popular na Europa e no exterior, depois do lançamento de seu álbum de estreia, Parachutes, e, em particular, um de seus singles "Yellow".[1] Uma das influências para as composições se deve aos ataques de 11 de setembro de 2001 no Estados Unidos, que ocorreram uma semana antes de começarem a gravar.[2] As canções do álbum tem um maior uso de piano e de guitarra do que seu antecessor.

O álbum foi lançado em agosto de 2002, dois meses após a sua data de lançamento prevista.[3] Foi lançado em 27 de agosto nos Estados Unidos, pela gravadora Capitol Records. Em 2008, a Capitol lançou uma versão remasterizada do álbum em um disco de vinil de 180 gramas, como parte das séries "From the Capitol Vaults".

O álbum estreou com um enorme sucesso comercial, um padrão contínuo, que começou em Parachutes, que fez do Coldplay ser uma das bandas com maiores vendas no mundo. Atingiu, o topo das paradas no Reino Unido e, posteriormente, se posicionou na posição número sete nos 20 álbuns mais vendidos do país no século XXI. A British Phonographic Industry desde então, certificou o álbum como oito vezes disco de Platina por suas vendas acumuladas de mais de 2,6 milhões de unidades na Grã-Bretanha e 15 milhões em todo o mundo. O álbum gerou os singles "In My Place", "The Scientist", "Clocks" e "God Put a Smile upon Your Face".

A Rush of Blood to the Head foi muito elogiado pelos críticos. Venceu o Grammy de 2003 como Melhor Álbum de Música Alternativa pela segunda vez consecutiva, e no Grammy de 2004 na categoria Gravação do Ano pela canção "Clocks". Em 2003, conseguiu atingir a posição de número 473 pela revista Rolling Stone nos 500 Maiores Álbuns de Todos os Tempos.

Gravação[editar | editar código-fonte]

Os ataques de 11 de setembro ocorreram antes do Coldplay gravar A Rush of Blood to the Head.

A banda começou a gravar o álbum em Londres, uma semana após os Ataques de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos, durante o qual suas "canções tristes ... tiverem maior repercussão".[2] [4] Uma vez que a banda nunca tinha ficado em Londres antes, eles tinham dificuldade em se focalizar. Eles decidiram voltar para Liverpool, onde gravaram algumas das canções de Parachutes. Uma vez lá, o vocalista Chris Martin disse que ficou obcecado com a gravação. "In My Place" foi a primeira canção gravada para o álbum. A banda lançou-a como primeiro single do álbum, porque foi a faixa que o fizeream se inspirar a gravar um segundo álbum, após um "período estranho de não saber realmente o que estavam fazendo" três meses após o sucesso de Parachutes. Segundo Martin "uma coisa que nos mantém firmes: a gravação de 'In My Place'. Em seguida, outras canções começaram a aparecer."[4] A banda escreveu mais de 20 canções para o álbum. Alguns de seus novos trabalhos, incluindo "In My Place" e "Animals", foi tocada ao vivo, enquanto a banda ainda estava em turnê de divulgação de Parachutes.[2] [5] O título do álbum foi revelada através de um post no site oficial da banda.[6]

Durante as sessões iniciais da gravação, em Liverpool, o vocalista Chris Martin e o guitarrista Jonny Buckland trabalharam sozinhos, e apenas nos fins de semana. Toda segunda-feira apresentavam as idéias que tinham desenvolvido para as canções, para os outros companheiros da banda.[4] Com A Rush of Blood... quase concluída, Martin entrou no estúdio, quase anoitecendo e escreveu um riff de piano, no qual disse que o riff "só saiu". A banda reconheceu que esta primeira versão do piano se tornaria mais tarde "Clocks" e foi um dia especial, pois foi a primeira vez que Martin a tocou. Concluíram que era cedo para incluir a canção no álbum, eles gravaram uma versão demo, incluindo-o em um CD marcado como "Songs for #3", e com faixas inacabadas que pretendiam trabalhar em seu terceiro álbum.[3] [7]

Em junho de 2002, a banda completou A Rush of Blood to the Head, mas acharam que lançá-lo naquela época seria "burrice" e chegaram em um acordo com a gravadora para adiar o lançamento do álbum, até que eles ficassem completamente satisfeitos.[3] [7] Posteriormente, muitas canções foram descartadas, porque acharam que o estilo era parecido com o de Parachutes. Martin alegou que estava desinteressado: "Teria alegado que estávamos felizes com o que tinhamos feito, e nós não estávamos. Para nós, isso era imporante, assim melhoraríamos a nossa capacidade como músicos." Tais ambições colocaram a banda sob tensão: "nas sessões de treinos, por vezes, terminva abruptamente com um ou mais membros do Coldplay ameaçando sair."[8]

Após serem a atração principal do Glastonbury Festival de 2002, Coldplay voltou ao estúdio e trabalhou em algumas faixas do "Songs for #3" que haviam produzido anteriormente. Phil Harvey, o empresário da banda, ouviu "Clocks" e queria refazê-la imediatamente: "Não, vocês devem fazer essa música agora porque você está indo [na letra] com urgência, e você está falando sobre como manter essa canção por trás. Não faz sentido não terminá-la."[3] [7]

Estilo[editar | editar código-fonte]

Musical[editar | editar código-fonte]

A canção é construída em torno de um som de guitarra acústica e eléctrica.

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

O álbum inclui baladas e canções acústicas com uso intensivo de violão e piano. O épico rock U2 foi a inspiração para a faixa de abertura do álbum "Politik", o piano condutor "Clocks", e as guitarras barulhentas de "A Whisper", que eram vistos como uma extensão da gama musical da banda.[9] Martin afirmou que a faixa-título do álbum é uma homenagem ao cantor e compositor Americano Johnny Cash, a quem considerava o "maior homem que tocava guitarra".[10]

Lirical[editar | editar código-fonte]

A gravação do álbum foi logo após os ataques de 11 de setembro de 2001 e a banda deu uma nova perspectiva: "As novas músicas são um reflexo de novas atitudes. [Dizem ouvintes] não ter medo. Qualquer um pode conseguir o que quer."[2] A maioria das letras são cerca de urgência. Martin comentou que as canções anteriores foram mais relaxadas, uma vez que estavam em um estado confortável da mente: "Talvez haja uma urgência pouco mais sobre algumas destas canções. E isso nasceu de todos os lugares que estivemos e de coisas que nós experimentamos." Martin explicou, em relação ao tema de urgência, que o título do álbum significa "fazer algo por impulso".[8] Diversas canções do álbum são sobre relacionamentos. Estas faixas são baseadas na realidade, mas de acordo com Martin, algumas foram escritas com um toque ficcional: "As canções são como conto de fadas: eles têm um começo e um fim e você pode fazer tudo funcionar perfeitamente. A vida real não funciona assim."[4]

Capa[editar | editar código-fonte]

A arte da capa de A Rush of Blood to the Head foi concebida pelo fotógrafo Sølve Sundsbø. Sundsbø havia sido contratado pela revista de moda Dazed & Confused na década de 1990 para produzir algo com uma "sensação tecnológica, com todos os fundos brancos". Como artista, ele tentou fazer "coisas que não tenham sido feitas antes, o que era praticamente impossível"; ele sugeriu tirar fotos usando uma tridimensão de máquina de digitalização.[11]

O modelo da foto usava uma maquiagem toda branca, a produção teve "bons resultados"; para a imagem, a modelo usava uma capa de sarja com cor. O computador não pôde ler as cores então foi substituído por pontos, e a cabeça da imagem foi cortada porque a máquina só digitalizava 30 centímetros.[12] O editor da revista gostou da imagem e, finalmente, apresentou em uma de suas publicações.[11] Martin viu a imagem na revista e pediu permissão para Sundsbø para usar a imagem como como a capa de A Rush of Blood to the Head. Para as capas dos singles Martin disse a Sundsbø que ele mesmo poderia fazê-las; que sugeriu varredura da cabeça de cada membro da banda.[11]

O encarte contém apenas duas fotos; Uma com o Coldplay em uma localidade que possivelmente é uma floresta, e outra é a banda em um estúdio. Ambas foram tiradas por uma câmera.[12]

A capa do álbum ficou entre os dez escolhidos pela Royal Mail para a lista "Clássicas Capas de Álbum", selos emitidos em janeiro de 2010.[13] [14]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Opinião da crítica[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
PopMatters (favorável)[15]
New York Magazine (infavorável)[16]
Pitchfork Media (5.1/10)[17]
Yahoo! Music (favorável)[18]
NME (9/10)[19]
Allmusic 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[20]
Entertainment Weekly (A)[21]
The Guardian 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[22]
Village Voice (favorável)[23]
Rolling Stone 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg[24]

A Rush of Blood... recebeu inúmeros elogios da crítica. Muitos sentiram que era melhor do que o álbum anterior do Coldplay, Parachutes.[25] Alexis Petridis, do jornal The Guardian escreveu que a banda "estava garantida de novo em todo lugar ... a timidez de Parachutes estava longe de ser encontrada". Ele conclui, "Isso soa como um álbum pronto para enfrentar o mundo, e vencer."[22]

Kelefa Sanneh da The New York Times elogiou o álbum, comentando que é "um dos melhores álbuns do ano" e descrevendo-o como "mais escasso, estranho, e até mesmo mais cativante do que seu antecessor".[26] A revista Rolling Stone, Rob Sheffield, que foi menos feliz com Parachutes, disse que "A Rush of Blood to the Head é mais solto, nervoso, e completamente surpreendente", acrescentando, "quanto Parachutes foi o diário de um garoto tenso desajeitado, A Rush of Blood soa mais como uma banda com a confiança para testar seus próprios limites."[27] MacKenzie Wilson do Allmusic ecoou os comentários acima, dizendo que é um "álbum forte". Wilson, que elogiou Martin por seu falsete "agudo" e seu refinado "entrega do assopro" e Buckland por ter "rebitado o trabalho da guitarra", e obsevou que "independentemente de a banda ainda estar em seus vinte anos, eles fizeram um registro surpreendente".[20] Emma Pearse do jornal Americano The Village Voice tem as mesmas opniões, afirmando que é "um pouco mais ousado, transado e, mais conversional" comparado ao Parachutes.[23]

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

A Rush of Blood to the Head estreou na posição de número um na UK Albums Chart, vendendo 273.924 cópias.[28] A British Phonographic Industry, desde então, certificou o álbum oito vezes disco de Platina por suas vendas acumuladas de mais de 2,6 milhões de cópias.[29] Com o lançamento posterior de "Clocks" e "The Scientist", o álbum passou mais de um ano na parada. A Rush of Blood to the Head foi colocado na posição de número sete na lista dos 20 álbuns mais vendidos do Reino Unido no século XXI, publicado pelo jornal britânico Music Week.[28]

O álbum estreou na posição de número cinco nos Estados Unidos, com 144.000 cópias vendidas inicialmente, mais forte do que seu antecessor, Parachutes, que estreou 189ª posição em dezembro de 2000.[30] Desde então, foi certificado quatro vezes disco de Platina pela Recording Industry Association of America vendando mais de 4.650.000 cópias.[31] Foi certificado cinco vezes disco de Platina pela Australian Recording Industry Association, tendo acumulado mais de 350.000 cópias vendidas,[32] e quatro vezes disco de Platina pela Music Canada com vendas de mais de 400.000.[33]

Prêmios e condecorações[editar | editar código-fonte]

A Rush of Blood to the Head, ganhou para a banda vários prêmios de música, tanto a imprensa nacional e internacional. Em 2002, levou o prêmio de Melhor Álbum no Q Awards.[34] No mesmo ano, a banda ganhou dois Grammy Awards: Melhor Álbum de Música Alternativa e Melhor Performance de Rock por um Duo ou Grupo com Vocais para a canção "In My Place".[35] Em 2003 A Rush of Blood... ganhou o prêmio de Melhor Álbum Britânico no BRIT Awards, e no ano seguinte a banda ganhou seu primeiro Grammy Awards por Gravação do Ano com a canção "Clocks".[35] [36]

Foi eleito o melhor álbum de 2002 pelos críticos da revista Billboard.[37] No ano seguinte, foi classificado na posição de número 473 pela revista Rolling Stone na lista dos 500 maiores álbuns de todos os tempos.[38] Em 2007, a The National Association of Recording Merchandisers e o Rock and Roll Hall of Fame divulgaram uma lista do que eles chamam de "Os 200 Álbuns Definitivos de Todos os Tempos"; A Rush of Blood to the Head aparece na 65ª posição na lista.[39] O álbum foi indicado na categoria Melhor Álbum Britânico dos Últimos 30 Anos no BRIT Awards de 2010.[40]

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

Todas as canções foram escritas por Guy Berryman, Jonny Buckland, Will Champion e Chris Martin.

N.º Título Duração
1. "Politik"   5:18
2. "In My Place"   3:48
3. "God Put a Smile upon Your Face"   4:57
4. "The Scientist"   5:09
5. "Clocks"   5:07
6. "Daylight"   5:27
7. "Green Eyes"   3:43
8. "Warning Sign"   5:31
9. "A Whisper"   3:58
10. "A Rush of Blood to the Head"   5:51
11. "Amsterdam"   5:19
Duração total:
54:08

Créditos[editar | editar código-fonte]

Desempenho, vendas e certificações[editar | editar código-fonte]

Parada Melhor
posição
Certificação Vendas/transferências
 Alemanha (Media Control Charts)[41] 1 Triple Gold.png 3× Ouro 450.000[42]
 Argentina (CAPIF) 1 Triple Platinum.png 3× Platina 120.000[43]
 Austrália (ARIA)[44] 1 Septuple Platinum.png 7× Platina 350.000[45]
 Áustria (Ö3 Austria Top 40)[44] 10 Platinum.png Platina 40.000[46]
 Bélgica (Ultratop Flandres)[44] 3 Double Platinum.png 2× Platina 100.000[47]
 Bélgica (Ultratop Valónia)[44] 2
 Brasil (ABPD)[48] 1 Gold.png Ouro 50.000[49]
 Canadá (Music Canada)[50] 1 Quadruple Platinum.png 4× Platina 400.000[51]
 Dinamarca (Hitlisten)[44] 1 Platinum.png Platina 50.000[52]
Flag of Spain.svg Espanha (PROMUSICAE)[44] 4 Gold.png Ouro 50.000[53]
 Estados Unidos (Billboard 200)[50] 5 Quadruple Platinum.png 4× Platina 4.000.000[54]
União Europeia Europa Top 100 Albums[50] 36 Quintuple Platinum.png 5× Platina 5.000.000[55]
 Finlândia (Mitä hittiä)[44] 4 Gold.png Ouro 20.000[56]
 França (SNEP)[44] 4 Double Gold.png 2× Ouro 200.000[57]
 Países Baixos (MegaCharts)[44] 3 Platinum.png Platina 80.000[58]
 Itália (FIMI)[44] 1 Platinum.png Platina 120.000[59]
 México (AMPROFON)[60] 6 Platinum.png Platina 150.000[61]
 Reino Unido (The Official UK Charts Company)[62] 1 Ninefold Platinum.png 9× Platina 2.700.000[63]
 República Checa (IFPI)[64] 16
 Suécia (Sverigetopplistan[44] 5 Gold.png Ouro 30.000[65]
Suíça (Schweizer Hitparade)[44] 1 Gold.png Ouro 20.000[66]

Referências

  1. Parachutes: Coldplay Billboard Nielsen Business Media, Inc. Visitado em 14-09-2008. [ligação inativa]
  2. a b c d Moss, Corey, Cornell, Jeff. "Coldplay Ready Second Album As 'Trouble' Heats Up", MTV, 2001-12-18. Página visitada em 2008-09-03.
  3. a b c d Webb, Robert (25-07-2009). Story of the Song: 'Clocks', Coldplay (2002) Independent.co.uk. Visitado em 16-09-2008.
  4. a b c d Cumberbatch, Franklin (13-08-2002). Coldplay: Going Out of My Head VH1 MTV Networks. Visitado em 14-09-2008.
  5. Nelson, Chris. "Coldplay Warm Up On U.S. Tour Opener", MTV, 12-02-2001. Página visitada em 14-09-2008.
  6. Luerssen, John D.. "Coldplay Sets Album Title, June Gigs", Billboard, Nielsen Business Media, Inc, 25-04-2002. Página visitada em 14-09-2008.
  7. a b c Wiederhorn, Jon. "Road To The Grammys: The Making Of Coldplay's 'Clocks'", MTV, 02-02-2004. Página visitada em 16-09-2008.
  8. a b Wiederhorn, Jon. "Coldplay Bleed For Beauty On A Rush Of Blood To The Head", MTV, 27-08-2002. Página visitada em 16-09-2008.
  9. "Coldplay - A Rush Of Blood To The Head", BBC Music, British Broadcasting Corporation, 26-08-2006. Página visitada em 02-10-2008.
  10. Orshoski, Wes. "Cash 'Comes Around' On New 'American' Album", Billboard, Nielsen Business Media, Inc, 16-08-2002. Página visitada em 15-09-2008.
  11. a b c Benedictus, Leo (14-02-2008). Sølve Sundsbø's best shot The Guardian. Visitado em 10-09-2008.
  12. a b (2002) Artwork for A Rush of Blood to the Head by Coldplay. Capitol (CDP 7243 5 40504 2 8).
  13. Classic Album Covers: Issue Date – 7 January 2010 Royal Mail. Visitado em 08-01-2010.
  14. Coldplay album gets stamp of approval from Royal Mail The Guardian (08-01-2010). Visitado em 08-01-2010.
  15. Begrand, Adrien (6 de setembro de 2002). Coldplay: A Rush of Blood to the Head - PopMatters Music Review PopMatters. Visitado em 9 de setembro de 2009.
  16. Brown, Ethan (16 de setembro de 2002). In Brief: Coldplay and Queens of the Stone Age New York Magazine. Visitado em 9 de setembro de 2009.
  17. Tangari, Joe (8 de setembro de 2002). Pitchfork Media Review Pitchfork Media. Visitado em 9 de setembro de 2009.
  18. Morris, Chris (27 de agosto de 2002). Yahoo! Music Review Yahoo! Music. Visitado em 9 de setembro de 2009.
  19. - Coldplay: A Rush of Blood to the Head NME (22 de agosto de 2002).
  20. a b Wilson, MacKenzie. A Rush of Blood to the Head: Coldplay Allmusic Macrovision Company. Visitado em 16-09-2008.
  21. Browne, David (2 de setembro de 2002). Entertainment Weekly Review Entertainment Weekly. Visitado em 8 de setembro de 2009.
  22. a b Petridis, Alexis (16-08-2002). Coldplay: A Rush of Blood to the Head The Guardian. Visitado em 16-09-2008.
  23. a b Pearse, Emma (17-09-2002). New Shapes and Colors The Village Voice. Visitado em 16-09-2008.
  24. Sheffield, Rob (26 de agosto de 2002). Coldplay: A Rush Of Blood to the Head: Music Reviews: Rolling Stone Rolling Stone. Visitado em 8 de setembro de 2009.
  25. A Rush Of Blood To The Head Reviews Metacritic. Visitado em 16-08-2010.
  26. Sanneh, Kelefa (14-08-2002). POP REVIEW; Vertigo From the Falsetto and 'Parachutes' The New York Times. Visitado em 15-09-2008.
  27. Sheffield, Rob (26-08-2002). Coldplay: A Rush Of Blood To The Head Rolling Stone. Visitado em 16-09-2008.
  28. a b Jones, Alan. "The 20 biggest selling albums of the 21st Century", Music Week, 12-03-2008. Página visitada em 15-09-2008.
  29. Certified awards British Phonographic Industry. Visitado em 16-09-2008.
  30. Todd, Martens, Ellis, Michael. "Dixie Chicks Make Their 'Home' On Top", Billboard, Nielsen Business Media, Inc, 05-09-2002. Página visitada em 16-09-2008.
  31. Chart Watch Extra: The Top 20 New Acts Of The 2000s Chart Watch. Visitado em 22-07-2009.
  32. ARIA Charts - Accreditations - 2004 Albums Australian Recording Industry Association. Visitado em 15-09-2008.
  33. Gold & Platinum Certification Canadian Recording Industry Association (November 2003). Visitado em 15-09-2008.
  34. "Q Awards 2002: Winners", British Broadcasting Corporation, 14-10-2002. Página visitada em 16-09-2008.
  35. a b Grammy Awards Winners The Recording Academy. Visitado em 16-09-2008.
  36. "Brit Awards 2003: Winners", British Broadcasting Corporation, 21-02-2003. Página visitada em 15-09-2008.
  37. "Coldplay's 'Blood' Is Billboard's Critics' Choice", Billboard, Nielsen Business Media, Inc, 20-12-2002. Página visitada em 16-09-2008.
  38. The RS 500 Greatest Albums of All Time Rolling Stone 5 pp. (18-11-2003). Visitado em 15-09-2008.
  39. Definitive 200 The Rock and Roll Hall of Fame and Museum. Visitado em 15-09-2008.
  40. url=http://www.brits.co.uk/brits-2010
  41. German Albums Chart
  42. IFPI Germany
  43. CAPIF
  44. a b c d e f g h i j k l Hung Medien summary
  45. ARIA
  46. IFPI Austria
  47. IFPI Belgium
  48. Balanço Semestral das Vendas Mundiais (em português) Associação Brasileira dos Produtores de Discos (Dezembro de 2005). Visitado em 04-08-2009.
  49. Certificados (em português) Associação Brasileira dos Produtores de Discos (Novembro de 2005). Visitado em 03-07-2009.
  50. a b c Billboard positions
  51. CRIA
  52. IFPI Denmark
  53. PROMUSICAE
  54. RIAA
  55. IFPI
  56. IFPI Finland
  57. SNEP
  58. NVPI
  59. FIMI
  60. Deleita Coldplay a México (in Spanish)
  61. AMPROFON Mexico
  62. UK Albums Chart
  63. BPI
  64. Czech Albums Chart
  65. IFPI Sweden
  66. IFPI Switzerland

Notas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Imagine por Eva Cassidy
Elephant por The White Stripes
Álbum número um no Reino Unido
(The Official UK Charts Company)

7 de setembro de 2002 – 20 de setembro de 2002
26 de abril de 2006 – 2 de maio de 2003
Sucedido por
Feels So Good por Atomic Kitten
American Life por Madonna
Precedido por
Escape por Enrique Iglesias
Álbum número um na Austrália (ARIA)
2 de setembro de 2002 – 8 de setembro de 2002
Sucedido por
ELV1S: 30#1 Hits por Elvis Presley

Ligações externas[editar | editar código-fonte]