Eleição da sede das Copas do Mundo FIFA de 2018 e 2022

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Os países da UEFA, da CONCACAF, da AFC e da OFC podem apresentar as suas candidaturas. A CAF está autorizada a candidatar-se apenas para a edição de 2022 e a CONMEBOL desautorizada para as duas edições.

A eleição da sede das Copas, ou Campeonatos, do Mundo FIFA de 2018 e 2022 foi um processo de escolha da Federação Internacional de Futebol (FIFA) dos países organizadores que culminou com a escolha da Rússia para a edição de 2018 e do Qatar para a edição de 2022[1] [2] [3] . As candidaturas foram apresentadas e analisadas em dezembro de 2010, após o Mundial na África do Sul. Os países interessados tiveram como prazo final de entrega das propostas em maio de 2009.

Pela primeira vez, deixou de vigorar o sistema de rotação entre continentes. Apesar de haver poucos países capazes de sediar o torneio, o evento regressará ao hemisfério norte, depois das edições de 2010, na África do Sul e de 2014 no Brasil. Uma oferta da confederação de futebol da Oceania, que nunca hospedou a Copa do Mundo, foi também uma possibilidade remota.[4]

Os países que anunciaram o seu interesse incluem Portugal e Espanha (binacional),[5] Austrália,[6] Inglaterra, México,[7] e os Países Baixos, Bélgica e Luxemburgo (candidatura trinacional). O México, porém, retirou sua candidatura em 28 de setembro de 2009 alegando problemas com a situação financeira do país, incapaz de investir na organização de um evento de tal magnitude.[8]

Líderes políticos da Austrália anunciaram que apoiariam uma proposta para o país abrigar a Copa do Mundo de 2018. A possibilidade de o país se candidatar a sediar o torneio foi discutida em um encontro anual entre o governo federal e os chefes dos oito estados e territórios do país, informa a Agência Reuters. "Todos os governos concordaram entusiasmadamente que, se a entidade nacional, a Federação Australiana de Futebol, montar uma candidatura para a Copa do Mundo de 2018, todos os governos irão apoiá-la", afirmou o primeiro-ministro John Howard a repórteres em Canberra.[9]

Em 23 de dezembro de 2008, a Real Federação Espanhola de Futebol anunciou oficialmente a candidatura da Espanha em conjunto com Portugal como sedes do evento em 2018.[10] [11] Portugal confirmou a candidatura em conjunto com a Espanha a 19 de Janeiro de 2009.[12] Porém, surgiram críticas relacionadas com a possível eleição de Portugal como país anfitrião do Campeonato com a Espanha em matérias económicas em que sublinham a fragilidade económica em que Portugal está a atravessar e os custos elevadíssimos que poderá acarretar uma organização de tal tamanho. Por outro lado, Ângelo Brou, secretário-geral da Federação Portuguesa de Futebol, afirmou que Portugal tem capacidades de organizar sozinho o Campeonato Mundial de 2018 dados os estádios já construídos para o Campeonato Europeu de Futebol de 2004.[13]

No dia 2 de dezembro de 2010, o Comitê Executivo da Fifa escolheu a Rússia como sede da Copa do Mundo de 2018 e o Catar como sede da Copa de 2022.

Calendário[editar | editar código-fonte]

Este é o calendário para a seleção da sede das Copas do Mundo de 2018 e 2022:[14] [15]

Data Notas
15 de janeiro de 2009 Anúncios formais
2 de fevereiro de 2009 Data final para registos de candidaturas
16 de março de 2009 Data final para conclusão dos planos de candidaturas
14 de maio de 2010 Data final para apresentação detalhada das candidaturas
19 de julho de 2010 Início das inspeções individuais de quatro dias em cada candidatos
17 de setembro de 2010 Término das inspeções individuais[16]
2 de dezembro de 2010 Apresentação das sedes escolhidas para 2018 e 2022

Política de rotação continental[editar | editar código-fonte]

Após a eleição da sede de 2006, a FIFA decidiu uma nova política para determinar os anfitriões das futuras edições. As seis confederações continentais se revezariam para albergar os campeonatos, para uma edição específica, dentro de suas associações nacionais. Este sistema foi iniciado com a seleção de (África do Sul) 2010 e (Brasil) 2014, apenas aberta membros da confederação africana (CAF) e sul-americana (CONMEBOL), respectivamente.

Em setembro de 2007, o sistema de rotação foi objeto de estudo quando foi proposto que apenas as duas últimas confederações acolhedoras da Copa do Mundo ficassem não elegíveis.[17] Esta proposta foi aprovada em 29 de outubro de 2007 em Zurique pelo Comitê Executivo da FIFA. Em virtude desta política, as candidaturas para 2018 podiam somente partir da Concacaf, CAF (Ásia), UEFA, ou CFO, já que África e América do Sul não eram elegíveis.[18]

Cquote1.svg A Copa do Mundo é uma matéria muito séria. Haverá bons concorrentes para 2018. O sistema da rotação continuará somente até 2014. A rotação era uma decisão política para assegurar que a Copa do Mundo fosse até à África, se não aquele continente nunca iria tê-la. Cquote2.svg
Joseph Blatter em entrevista ao Sun-Herald[carece de fontes?]

Candidaturas registradas[editar | editar código-fonte]

Onze candidaturas foram apresentas ao presidente da FIFA Joseph Blatter, contudo duas foram canceladas (Indonésia e México). Das outras nove, as quatro da UEFA (Inglaterra, Rússia, Espanha-Portugal e Bélgica-Países Baixos) são para 2018 e as quatro da Confederação Asiática (Austrália, Japão, Catar e Coreia do Sul) e a da Concacaf (Estados Unidos) são para 2022.

Candidatos
para
2018
 Bélgica e  Países Baixos
Map of 2018 FIFA World Cup bids.svg
 Inglaterra
 Rússia
 Portugal e  Espanha
Candidatos
para
2022
 Austrália
 Estados Unidos
 Japão
 Catar
 Coreia do Sul
 Cancelados 
Indonésia
 México
  Candidatos para 2018
  Candidatos para 2022
  Cancelado
  Ineligíveis para 2018
  Ineligíveis para ambos

Austrália[editar | editar código-fonte]

Em Setembro de 2007, a Federação Australiana de Futebol confirmou que o país iria candidatar-se para a realização do Mundial de 2018 [19] . Previamente, em Maio de 2006, o ministro dos desportos do estado de Vitória, Justin Madden, afirmou a vontade do seu estado receber num dos seus estádios a competição mundial. Frank Lowy, presidente da Federação Australiana de Futebol, afirmou que existem 16 estádios para a candidatura.[20] O antigo primeiro-ministro australiano, Kevin Rudd anunciou na altura o apoio do governo federal para organizar a competição, caso o país seja escolhido.[21] e em Dezembro de 2008 a ministra federal do desporto Kate Ellis anunciou que o governo investeria 45,6 milhões de dólares americanos para ajudar no processo de construção das infra-estruturas.

Durante a 58.ª conferência da FIFA em Sydney, o presidente Sepp Blatter sugeriu que a Austrália organizaria o Mundial apenas em 2022 e não em 2018,[22] mas o presidente da Federação reafirmou o compromisso de organizar em 2018.[23] No entanto, o país desistiu definitavamente de concorrer para 2018 após rumores de que naquele ano o mundial voltaria para a Europa.[24] [25]

Bélgica e Países Baixos[editar | editar código-fonte]

Alain Courtois, um membro do parlamento belga, anunciou em Outubro de 2006 que seria feita uma candidatura em nome dos três países do Benelux: Bélgica, os Países Baixos, e o Luxemburgo.[26]

Em Março de 2009, a Bélgica e os Países Baixos registaram a itenção de organizar um dos Mundiais de 2018 e 2022.[27] Uma delegação liderada pelas Associações Belga e Neerlandesa encontrou-se com o presidente da FIFA Sepp Blatter a 14 de Novembro de 2007, para anunciar oficialmente a intenção dos dois países para receber um dos mundiais( que são uma se ca)propostos.[28] Em 19 de Maio de 2008, a delegação encontrou-se com o presidente da UEFA Michel Platini, de onde Platini afirmou a sua satisfação se o Mundial voltaria para a Europa.[29]

Um dos factores negativos desta candidatura é a falta de um estádio com capacidade mínima de 80 mil especatdores.[30] No entanto, a cidade de Roterdão deu autorização para a construção de um novo estádio, pronto a ser utilizado em 2018. Em Setembro de 2009, as cidades-sede foram apresentadas. Do lado belga, sete cidades receberiam os jogos: Antuérpia, Bruges, Bruxelas, Charleroi, Genk, Ghent e Liège. Do lado neerlandês, seriam cinco as cidades: Amsterdão, Eindhoven, Enschede, Heerenveen e Roterdão. Eindhoven iria funcionar como cidade-capital do mundial.[31]

Na história dos eventos desportivos, ficou registada a organização do Campeonato Europeu de 2000 por ambos os países.

Catar[editar | editar código-fonte]

O Catar, país situado no Médio Oriente, decidiu apresentar a sua candidatura apenas para o ano de 2022. Com apenas 1,6 milhões de habitantes, o país pretende ser o primeiro da Liga Árabe a receber tal competição, tentando aproximar os mundos ocidentais e orientais.[30] [32]

Uma das preocupações desta candidatura são as temperaturas muito elevadas que se registam naquele país. Os Campeonatos Mundiais sempre se realizaram nos intervalos das ligas europeias, Junho e Julho. Naquele período de tempo, as temperaturas no Catar ultrapassam facilmente os 40 °C, nunca baixando para menos de 30 °C.[33] [34] O Sheikh Mohammed bin Hamad bin Khalifa al-Thani, o presidente responsável pela candidatura de 2022 afirmou que está em curso a introdução de uma tecnologia dentro dos estádios de modo a conseguir baixar as temperaturas em cerca de 20 °C."[35] O presidente da FIFA admitiu apoiar a ideia de um país daquela região em receber um Campeonato do Mundo de Futebol. Afirma que o Médio Oriente merece receber tal competição, pois em 22 países daquela região, nenhum teve a real oportunidade de receber um torneio dessa envergadura, senão o Catar. Blatter ainda afrima que ficou surpreendido com a evolução desta candidatura e reteirou que o país já mostrou ser capaz de organizar tal competição, aquando dos Jogos Asiáticos de 2006.[36]

Esta candidatura foi escolhida e o Catar será assim o anfitrião da edição de 2022.

Coreia do Sul[editar | editar código-fonte]

A Coreia do Sul decidiu concorrer para este processo sem o Japão, ao contrário do sucedido no Campeonato do Mundo de Futebol de 2002. O país apenas submeteu a sua candidatura para o ano de 2022, tentando tornar-se no primeiro país asiático a receber duas vezes o campeonato. Um dos factores contra esta candidatura é a linha do tempo, pois a Coreia do Sul já organizou recentemente um Mundial. Han Seung-Joo, antigo ministro dos Assuntos Externos, foi referenciado como presidente responsável do processo em Agosto de 2009.[37]

Apesar do país não possuir um estádio com capacidade para 80 mil pessoas, tem possbilidade de aumentar várias arenas disponíveis. Três dos estádios são olímpicos com capacidade para mais de 60 mil pessoas e foram empregues no Mundial de 2002.[30] Em Março de 2010 foram seleccionadas as doze cidades candidatas a receber o campeonato, em caso de selecção: Busan, Cheonan, Daegu, Daejeon, Goyang, Gwangju, Incheon (dois estádios), Jeonju, Jeju, Seul (dois estádios), Suwon e Ulsan.[38]

Espanha e Portugal[editar | editar código-fonte]

A candidatura luso-espanola para o Campeonato Mundial de Futebol de 2018 é a proposta de candidatura de Portugal e Espanha cujo objectivo é sediar o Campeonato Mundial de Futebol de 2018. A ideia surgiu do presidente da Federação Portuguesa de Futebol mas o primeiro passo oficial veio da Real Federação Espanhola de Futebol que a 23 de Dezembro, formalizou junto do governo espanhol o interesse em orgazinar a competição em conjunto com Portugal.[39] Portugal confirmou a sua candidatura a 19 de Janeiro de 2009.[40]

A possível candidatura para o Campeonato do Mundo de Futebol de 2018 recebeu críticas negativas e posições contra nomeadamente do Presidente da República de Portugal, Cavaco Silva. O presidente afirmou que Portugal tem outras prioridades sobretudo devido à fragilidade económica que Portugal atravessa devido aos efeitos da Crise financeira económica de 2008.[41]

Analistas desportivos afirmam que se trata de uma candidatura bastante desequilibrada dados que apenas três estádios viriam receber o mundial em apenas duas cidades portuguesas: Lisboa e Porto, havendo quem afirma que Portugal devia desistir desta candidatura para se concentrar numa possível organização dos Jogos Olímpicos de 2020 em Lisboa.[carece de fontes?]

O processo[editar | editar código-fonte]

Na realidade, a ideia partiu do presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Gilberto Madaíl que propôs um participação no processo de candidatura entre Portugal e Espanha.[42] [43] Essa vontade foi confirmado pelo presidente da FIFA, Sepp Blatter a 18 de Fevereiro de 2008. O presidente da Real Federação Espanhola de Futebol, Angel Maria Villar que, a 16 de Julho de 2008, afirmou que era vontade da Federação Espanhola participar no processo de candidatura e que os contactos com Portugal já tinham sido estabelecidos.[44] Após a sua reeleição, a 23 de Novembro de 2008, Vilar afirmou que um dos seus objectivos primordiais seria trazer o Mundial de Futebol para a Espanha embora ainda não tivesse declarado a sua vontade de organizar o evento em conjunto com Portugal.[45]

Uma das vantagens dos dois países é o facto de oito dos estádios cinco estrelas da FIFA estarem localizados em ambos os países, tratando-se de um dos primeiros factores essenciais para o sucesso da candidatura. Outra vantagem é a relação com a América Latina e com as suas línguas faladas. A América Latina, através da CONACAF, é representada por três membros dos vinte e quatro do Conselho Executivo da FIFA.[46] Em comum, os dois países já organizaram competições de grande envergadura: O Campeonato do Mundo de Futebol de 1982 pela Espanha e o muito aplaudido Campeonato Europeu de Futebol de 2004 por Portugal.

A Espanha planeia modificar os seus doze maiores estádios de futebol. O jogo de abertura poderá ser recebido por Lisboa e o jogo da final deverá ser atribuído a Madrid.[47] As cidades-anfitriãs portuguesas poderão ser Lisboa, Porto, Faro e Braga, embora fosse necessário aumentar a capacidade destes dois últimos estádios em cerca de 10.000 espectadores. As cidades espanholas seriam Madrid, Barcelona, Valência, Sevilla, Corunha e Málaga ou Zaragoza ou Bilbao ou Valladolid.

Villar afirmou ser essencialíssimo apresentar um candidatura forte e coesa. Mas também admitiu que sozinha, a Espanha não poderia organizar tal evento e necessitaria de outro país para acolher o Mundial que, neste caso, é Portugal [48]

A 23 de Dezembro de 2008, a Real Federação de Futebol apresentou oficialmente a vontade de organizar com Portugal o Mundial de 2018. A Federação Portuguesa respondeu e oficializou a sua postura a 19 de Janeiro de 2009.

Reacções[editar | editar código-fonte]

Ainda antes de Portugal e Espanha terem declarado oficialmente a candidatura a 19 de Janeiro de 2009, a primeira figura do Estado português e antigo primeiro-ministro, Cavaco Silva, manifestou-se claramente contra tal possibilidade[49] . Afirma o Presidente da República que, "existem outras prioridades" e que é "necessário verificar se Portugal tem todas as condições necessárias para a realização de um Campeaonato Mundial ainda que este seja realizado em counjunto com Espanha." [50] Já o Governo Português afirmou que apoirá um projecto de candidatura para a realizção do Mundial de 2018. Laurentino Dias, o secretário para o Desporto afirmou que uma candidatura conjunta de Portugal e Espanha será (…) de manifesto interesse desportivo e económico para Portugal pois permitirá afirmar o país num evento de grandeza mundial com reflexos positivos no âmbito desportivo, turístico e económico. [51]

O Sector Turístico do Algarve afirmou com bom grado a possibilidade da região acolher um futuro jogo.[52]

O antigo seleccionador da equipa principal portuguesa de futebol, Carlos Queiroz achou "fantástica" a possibilidade de Portugal poder acolher, em conjunto com Espanha, o Mundial de Futebol em 2018.[53]

Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Os estádios de futebol americano podem ser facilmente convertidos.

A Federação de Futebol dos Estados Unidos anunciou em Fevereiro de 2007 a intenção de lançar uma candidatura para o Mundial de 2018 anunciando também a organização de um comité de candidatura.[54] Apesar da cultura futebolística não estar bem vincada nos EUA como no resto do planeta (o desporto mais praticado e mais divulgado naquele país é o futebol americano), os Estados Unidos já organizaram o Campeonato do Mundo de Futebol de 1994, quase todas as edições do Campeonato de Ouro da CONCACAF e as edições de 1999 e de 2003 do Campeonato do Mundo de Futebol Feminino.

O vice-presidente da FIFA anunciou que quer trazer de volta à CONCACAF. A 28 de Janeiro de 2009, a Federação de Futebol dos Estados Unidos anunciou oficialmente a sua candidatura para a organização do evento internacional.[55]

Os estádios de futebol americano norte-americano podem ser facilmente convertidos para os formatos exigidos pelo futebol associação.

Inglaterra[editar | editar código-fonte]

A Inglaterra, dada a cultura futebolística estar bem vincada e ter uma economia forte, é uma das potenciais candidatas para receber um Mundial. Em 31 de Outubro de 2007, a Associação Inglesa de Futebol anunciou oficialmente a sua itenção de organizar um Mundial, preferencialmente o de 2018. [56] [57] Em 24 de Abril de 2008 a Inglaterra finalizou um documento de 63 páginas com a proposta para sediar a Copa do Mundo de 2018, focando no desenvolvimento do futebol mundialmente.[58] Em 27 de Janeiro de 2009, a Inglaterra apresentou oficialmente a sua candidatura junto da FIFA.[59] Richard Caborn é o presidente-responsável da candidatura para o ano de 2018 depois de deixar o cargo de Ministro dos Desportos.[60] Em 24 de Outubro de 2008, a Associação de Futebol nomeou o grupo executivo da candidatura, com David Triesman como presidente.[61] No entanto, Triesman demitiu em 16 de Maio de 2010 depois de ver publicados os seus comentários em que referia que a Espanha viria a desistir do concurso se a Rússia subornaria os árbitros durante o Mundial de 2010, e foi substituído por Geoff Thompson.[62]

O governo britânico anunciou o seu apoio em Novembro de 2005. Porém, antes da intenção oficial de ajuda, o governo britânico anunciara que viria a analisar o caso.[63] Nesse mesmo mês, a Associação de Futebol afirmou que irá receber apoio do governo sem no entanto receber quaisquer detalhes.[64]

A FIFA mostrou interesse nesta candidatura uninacional onde os pontos fortes desta candidatura são a economia saudável do país, bem como as infra-estruturas que serão disponibilizadas após os Jogos Olímpicos de 2012.[65] Na História desportiva do país, estão registadas o Campeonato Mundial de 1966 e o Euro 96.[30]

Japão[editar | editar código-fonte]

Semelhantemente à Coreia do Sul, o Japão candidata-se sozinho para a organização do Campeonato do Mundo de Futebol em 2022, ao contrário do sucedido em 2002. Aplica-se o mesmo aspecto negativo em relação à Coreia do Sul em que ambos os países já receberam recentemente um campeoanto do Mundo.[66] Apesar do Japão também não possuir um estádio com capacidade para 80 mil pessoas, está planeado um estádio para 100 mil pessoas caso seja seleccionado, recuperando assim o projecto de construção de um estádio olímpico que foi entretanto cancelado após o país perder a organização dos Jogos Olímpicos de 2016 para o Brasil. Já o vice-presidente da Federação Nipónica de Futebol tinha admitido que caso o Japão não viria a receber os Jogo Olímpicos de 2016, muito dificilmente viria a receber um campeonato em 2018 ou 2022.[67] Com o crescer dos rumores que o Mundial irá regressar para a Europa em 2018, o país desistiu para aquele ano, concentrando-se para o ano de 2022.[68]

Rússia[editar | editar código-fonte]

A Rússia anunciou o seu interesse em organizar um Mundial no início do ano de 2009 e conseguiu submeter o seu pedido a tempo. [69] Vladimir Putin afirmou oficialmente o interesse e nomeou um antigo ministro do Desporto para liderar a comissão. De acordo com o governo federal da Rússia, o país está disponível a gastar mais de 10 bilhões de dólares americanos para ajudar a organizar o campeonato.[70] [71]

Catorze cidades estão incluidas na candidatura e estão divididas em quatro clusters: a parte norte cetralizada em São Petersburgo, a parte central centralizada em Moscovo, a parte sul centralizada em Sóchi e a parte do rio Volga. Apenas uma cidade estará na Rússia asiática: Ecaterimburgo. As outras cidades serão, Kaliningrado, Rostov, Iaroslavl, Nijni Novgorod, Cazã, Saransk, Samara,Sóchi e Volgogrado.[72] O país não possui um estádio com mínimo capacidade para 80.000 pessoas, mas o Estádio Lujniki (antigo Estádio Lênin) em Moscovo, considerado um estádio de elite pela UEFA, tem uma capacidade para 78 mil pessoas e pode ser facilmente ampliado para atingir tal número, de acordo com o prefeito da cidade. Um aspecto positivo desta candidatura são as infraestruturas que estarão disponíveis após os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014 e a Universíada de Verão de 2013.[73]

Esta candidatura foi assim escolhida e a Rússia será o país anfitrião em 2018.

Candidaturas canceladas[editar | editar código-fonte]

Indonésia[editar | editar código-fonte]

Em Janeiro de 2009, a Federação de Futebol da Indonésia confirmou a intenção de se candidatar para organizar o campeonato do Mundo de 2022 com o suporte do governo. [74] [75] [76] A campanha da organização incluía mil milhão de dólares americanos para construir infra-estruturas, para além dos estádios de modo a cumprir os requisitos da FIFA. Tais fundos teriam como origem, o poder local.[77] Durante a apresentação da campanha, o presidente da federação indonésia de futebol acreditava na aprovação do projecto, embora as condições em que se encontram as fracas infra-estruturas do país. O presidente propôs um mundial de 2022 mais amigo do ambiente de modo a poder responder às exigências ambientais mundiais.

Em Março de 2009, a FIFA decidiu cancelar a participação da Indonésia pois o governo afirmou que não teria condições para apoiar as construções exigidas pela Federação e teria que se virar para a ajuda da população local. [78]

México[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2009, a Federação Mexicana de Futebol pediu à FIFA para sediar a Copa de 2018 ou de 2022, com base na sua experiência em organizar as Copas do Mundo de 1970 e 1986, além de ter um grande amor ao futebol. No entanto, em 28 de setembro daquele ano, Decio de María, secretário técnico da Federação, indeferiu o direito de sediar a Copa do Mundo de 2018 e 2022 devido à falta de fundos suficientes no país para suportar os custos do evento.

Referências

  1. Rússia bate candidatura Ibérica, RTP
  2. Rússia, em 2018, e Qatar, em 2022, são escolhidos para sediar a Copa
  3. Qatar ganha votação e será sede da Copa de 2022; Rússia fica com Mundial de 2018 (em português) Folha Online. Visitado em 2 de dezembro de 2010.
  4. Blatter: "Copa de 2018 voltará ao hemisfério norte" Gazeta Esportiva (30/05/2008)
  5. Espanha e Portugal unem forças para o Mundial 2018 Diário Marca (em castelhano) (17.02.2008)
  6. Socceroos' stars coming home for two matches The Sydney Morning Herald (21.09.2006)
  7. México sí buscará el Mundial, pero en el 2018 El Universal (17.02.2005)
  8. México desiste de receber Copas de 2018 e 2022 Gazetaesportiva.net (28.09.2009)
  9. Governments behind 2018 World Cup bid ABC Sport (14.07.2006)
  10. Reuters Yahoo
  11. [1]
  12. Portugal confirma candidatura com Espanha
  13. Portugal tem capacidades de organizar sozinho o Campeonato Mundial de Futebol de 2018
  14. Bidding process for the 2018 FIFA World Cup 2018 and the 2022 FIFA World Cup (em inglês) FIFA.com (15 de janeiro de 2009). Visitado em 18 de novembro de 2010.
  15. Bidders for the 2018 & 2022 FIFA World Cup™ finals (em inglês) FIFA.com. Visitado em 18 de novembro de 2010.
  16. FIFA receives bidding documents for 2018 and 2022 FIFA World Cups (em inglês) FIFA.com (14 de maio de 2010). Visitado em 18 de novembro de 2010.
  17. Predefinição:Citar publicación
  18. Predefinição:Citar publicação
  19. Socceroos' stars coming home for two matches - The Sydney Morning Herald
  20. Lowy's vision for soccer - The Daily Telegraph
  21. http://www.smh.com.au/news/football/pm-makes-the-perfect-pitch-for-world-cup/2008/02/23/1203467452577.html - Sydnay Morning Herald
  22. "Joint decision on 2018 and 2022 FIFA World Cups", FIFA, 30 Maio 2008. Página visitada em 30 Maio 2008.
  23. "FFA to press on with 2018 Cup bid: Lowy", [[ABC News (Australia)|]], 21 Junho 2008. Página visitada em 12 Julho 2007.
  24. "World Cup 2010: Australia pull out of World Cup 2018 bidding", The Daily Telegraph, 10 June 2010. Página visitada em 10 June 2010.
  25. "World Cup 2018 should be in Europe, says Asian Football Confederation", The Guardian, 10 June 2010. Página visitada em 10 June 2010.
  26. "Benelux trio to apply to host 2018 World Cup", ESPN, 16 October 2006. Página visitada em 18 October 2006.
  27. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas twelve
  28. Associations of Belgium and the Netherlands officially announce interest in submitting joint bid (14 November 2007). Visitado em 14 November 2007.
  29. Ons dossier maakte indruk bij Platini (em dutch) sporza.be (19 March 2008). Visitado em 23 March 2008.
  30. a b c d Vesty, Marc. "The race to host World Cup 2018 and 2022", BBC Sport, 17 March 2009.
  31. "België krijgt zeven speelsteden op het WK 2018", Sporza.be, 9 November 2009. Página visitada em 9 November 2009. (em Dutch)
  32. "Qatar 2022 announces Bid Committee leadership", Dubai Chronicle, 25 March 2009.
  33. Heathcote, Neil. "Qatar pitches cool World Cup bid", BBC World News, May 4, 2010. Página visitada em May 7, 2010.
  34. Monthly Averages for Doha, Qatar weather.com The Weather Channel. Visitado em October 26, 2009.
  35. Tripathi, Raajiv. "Qatar will be great host for WC 2022", Qatar Tribune, 25 March 2009.
  36. "Blatter reaches out to Arabia", Al Jazeera, 2010-04-25. Página visitada em 2010-05-01.
  37. "Han Sung-Joo Appointed as the Chairman of the Bidding Committee", Korea Football Association, 20 August 2009. Página visitada em 11 October 2009.
  38. World Football Insider (2010-03-04). Korea 2022 Reveals Host Cities. Press release. Página visitada em 2010-03-08.
  39. Espanha formaliza candidatura conjunta com Portugal
  40. Corrida ibérica ao Mundial com 'adversários' Inglaterra, Benelux e Ásia
  41. Cavaco Silva contra candidatura de Portugal para a FIFA 2018
  42. A Candidatura Ibérica como ameaça à da Inglesa, ESPN online
  43. Portugal e Espanha irão lançar uma candidatura rival à da Inglaterra - The Daily Telegraph
  44. Vilar confirma vontade de organizar o Fifa 2018 - El País
  45. A Espanha entra duro no processo
  46. Portugal e Espanha de olho na FIFA 2018
  47. Candidatura ibérica ao Mundial 2018 prevê abertura em Lisboa e final em Madrid - Jornal Público
  48. A Espanha deseja Portugal para organizar o Mundial de 2018
  49. Os dez candidatos
  50. Cavaco Silva Reage à possibilidade
  51. http://ww1.rtp.pt/desporto/?t=Governo--formalizou-o-apoio-a-candidatura-luso-espanhola.rtp&article=175765&visual=5&tm=3&Top=17&rss=0
  52. Sector turístico vê com bons olhos Mundial’2018 no Algarve
  53. Carlos Queiroz
  54. EUA planeiam participar no corrida para o Mundial de 2018
  55. Mais Futebol, IOL
  56. "England to bid for 2018 World Cup", BBC Sport, 31 October 2007.
  57. "FA confirms 2018 World Cup Bid", The Times, 31 October 2007. Página visitada em 31 October 2007.
  58. "England plans its 2018 World Cup bid", Yahoo!, 24 April 2008. Página visitada em 29 April 2008.
  59. "England submit 2018 World Cup bid", BBC Sport, 27 January 2009. Página visitada em 28 January 2009.
  60. "Caborn to spearhead World Cup bid", BBC Sport, 28 June 2007. Página visitada em 28 October 2007.
  61. "Board confirmed for 2018", The Football Association, 24 October 2008. Página visitada em 24 October 2008.
  62. Pearce, Edward. "Geoff Thompson Replaces Lord Triesman As England 2018 Bid Chief", Goal.com, 16 May 2010. Página visitada em 28 June 2010.
  63. Government launches work on 2018 bid HM Treasury (press release) (18 November 2005). Visitado em 29 October 2007.
  64. World Cup bid latest Football Association (15 November 2005). Visitado em 27 October 2007.
  65. "FIFA gives England hope", BBC News Online, 23 May 2004. Página visitada em 29 October 2007.
  66. "The race to host World Cup 2018 and 2022", BBC Sport, 17 March 2009.
  67. Himmer, Alastair. "Japan World Cup bid rests on 2016 Olympic vote", Reuters, 22 January 2009.
  68. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Japan_2018_withdrawal
  69. "Russia enters race to host 2018", BBC Sport, 20 January 2009. Página visitada em 15 October 2009.
  70. "Putin orders sports minister to prepare bid for 2018 World Cup", RIA Novosti, 5 May 2009.
  71. Bid committee Russia 2018-2022 Bid (October 2009). Visitado em 15 October 2009.
  72. Host cities Russia 2018-2022 Bid (October 2009). Visitado em 15 October 2009.
  73. Russia ready to spend $10 bln on World Cup 2018 preparations (April 2009). Visitado em 30 December 2009.
  74. "Exclusive: Indonesia - Hosting World Cup Is Not Impossible", Goal.com, 30 January 2009. Página visitada em 5 February 2009.
  75. "Full Support from government for WC bid", detik.com, 29 January 2009. Página visitada em 5 February 2009.
  76. Hotland, Tony. "Indonesia upbeat to host `green' World Cup", The Jakarta Post, 11 February 2009. Página visitada em 11 February 2009.
  77. "10 billion rupiahs for stadia constructions", vivanews.com, 9 February 2009. Página visitada em 6 September 2009.
  78. "Indonesia's bid to host the 2022 World Cup bid ends", BBC Sport, March 19, 2010. Página visitada em March 19, 2010.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]