Chihuahua (cão)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Chihuahua
Nome original Chihuahueño
País de origem  México
Características
Peso 1 - 3 kg
Altura 15 - 23 cm
Pelo de variantes dura e longa
Cor todas as cores
Tamanho da ninhada 2 -4 filhotes
Expectativa de vida 12 - 18 anos
Classificação e padrões
Federação Cinológica Internacional
Grupo 9
Seção 9 - Cães de companhia - chihuahua
Estalão #218 - 24 de março de 2004

Chihuahua[Nota] (em espanhol: Chihuahueño, palavra de etimologia obscura, provavelmente de língua náuatle), é, de acordo com a Federação Cinológica Internacional, a raça de padrão 218, inserida no grupo 9, pertencente a seção 6. É ainda uma das menores raças de cães do mundo, empatada em medidas com a pequeno cão russo.[1] Seu nome vem da região de Chihuahua no México e é descrito como extremamente delicado, afetuoso e possessivo. Assim como todo cão de luxo, como são chamados estes animais de companhia, o chihuahua não é propriamente um cão de caça, embora seja bem visto como um canino de guarda doméstico eficiente. Devido a seu tamanho e sua facilidade de adaptação, é bem tido como animal de estimação por donos inexperientes e práticos.

Sua origem não é totalmente conhecida e ainda que se saiba de sua raiz mexicana, foi cogitada a possibilidade de ter ancestrais no Antigo Egito ou na ilha de Cuba. Seu reconhecimento mundial deu-se no final do século XIX, mais precisamente em 1890, ano em que as importações da raça começaram a alcançar o mundo. No século seguinte, para popularizar ainda mais o cão, houve a aparição do chihuahua ao lado de artistas como a atriz mexicana Lupe Vélez, o diretor Victor Fleming e uma participação no longa-metragem de Cecil B. de Mille, em 1931. Todavia, o que de fato colaborou para a disseminação desta raça no mundo foi principalmente seu aspeto exótico e seu tamanho diminuto. O chihuahua é ainda uma das raças mais antigas a serem registradas no American Kennel Club. Seu tamanho reduzido limita suas atividades e gera graves problemas ósseos. Por ser um animal bastante dependente, conquistou o apelido de "cão de colo."

Culturalmente, filmes como Perdido pra cachorro e Legalmente loira tiveram a participação desta raça. Entre os chihuahuas mais famosos da sociedade humana estão: Boo Boo, o registrado menor cão do mundo; Tinkerbell, a cadela escritora de Paris Hilton; e Momo, primeira cachorra desta raça a tornar-se policial no Japão.

Origem e evolução[editar | editar código-fonte]

Um techichi, animal um dia considerado praticamente sagrado, é tido como o ancestral selvagem do chihuahua.

Sobre a origem deste canino não existe apenas uma teoria mas várias, que variam desde a China ao Império asteca, o que gera inúmeras questões.[1] Por alguns, são considerados serem descendentes de uma raça semelhante e antiga, um pouco maior e associada com a realeza da civilização asteca conhecida como techichi. Em decorrência disso, pode-se dizer que esta é a raça mais antiga da América do Norte, com origens mexicanas, já que o seu nome é o do estado mexicano de Chihuahua. Já para outros parece que, apesar deste animal estar ligado a nação latino-americana, tenha sido introduzido no país pelos chineses.[2]

Apesar das teorias, o que é realmente considerada é sua ligação com o techichi. Por terem sido encontradas imagens gravadas em pedras sobre esses animais, foi possível visualizar semelhanças entre elas. Alguns chegaram a afirmar que o techichi fora um animal selvagem capturado e domesticado pela civilização tolteca. A despeito disso, para aquela civilização, e apesar de não servir como cão de trabalho devido a seu tamanho, os techichis eram animais quase sagrados, com os quais as pessoas poderiam ter uma relação de amizade mesmo após a morte, e que estes os acompanhariam no além-vida. Isso significava que, quando o dono morresse, o cão deveria ser enterrado junto, fato este comprovado em tumbas encontradas na região, com homem e cão um ao lado do outro. Enquanto raça legalmente mexicana, as evidências que isso afirmam são comprovadas pelo fato de a maioria dos registros dessa antiga raça tenham sido encontrados próximos da Cidade do México. Por essas razões, especula-se que ele tenha sido criado, a partir do cruzamento do techichi, com um pequeno cão pelado que foi trazido da Ásia para o Alasca, supostamente responsável pela baixa estatura do canino. No que diz respeito a especulações, existem ainda as teorias de que o cão tenha vindo de uma ilha cubana ou do Egito, devido a ossadas encontradas serem bastante assemelhadas ao chihuahua. Todavia, estes indícios remontam a 1000 a.C e nada se sabe a respeito da semelhança das raças.[3]

O chihuahua, acredita-se, possui forte parentesco com o techichi, do qual só não herdou o tamanho.

Antes de chegar aos Estados Unidos e após as invasões espanholas, que exterminaram a civilização tolteca, o chihuahua foi deixado a outros nativos, o que gerou o risco de extinção pelo desconhecimento do tratamento destes caninos. Contudo, a sua reprodução deu-se de forma satisfatória até à sua descoberta pelos norte-americanos, que nomearam a raça como Arizona e Texas, e ajudaram nos cruzamentos daqueles pequenos animais.[4]

O que há de certo é que várias histórias foram formuladas a respeito do passado deste cão, e em todos esses registros, de onde possivelmente ele pode ter se originado, sempre há a descrição de um canino semelhante ao moderno chihuahua. Porém, o passo seguinte foi reconhecer o animal mundialmente como raça, algo até então só ocorrido nos Estados Unidos.[2] No século XIX, a raça foi transportada para outros locais. Na América, participava de competições de raça e teve seu primeiro exemplar registrado em 1914. [5] A partir deste momento, o "refinamento" da raça tornou-se constante e com isso reduziu-se o seu tamanho, tornando o animal mais fino e criou-se a variação de subpelo. Como ajuda na divulgação deste novo cão, Lupe Velez, famosa atriz mexicana, e Xavier Cugat, apareceram a seu lado. Durante a Segunda Guerra Mundial, no entanto, o chihuahua foi quase extinto. A despeito disso, sua criação posterior voltou ao normal e a raça recuperou-se numericamente, conquistando pouco a pouco espaço como raça de companhia em lares pelo mundo.[6]

Sua popularidade foi atingida devido a sua excentricidade, aparições em filmes e televisão, fragilidade e tamanho, características importantes que ajudaram o chihuahua a conquistar o apelido de "cão de colo", que despertam o instinto maternal e a necessidade do ser humano em acolher e cuidar.[6] [1]

Etimologia e significado[editar | editar código-fonte]

O nome chihuahua vem do original chihuahueño, que possui, na língua espanhola, cinco diferentes significados. Por definição, este nome pode significar "lugar das fábricas", apesar de não ter sido encontrada no dialeto local antes da fundação da cidade; "junto das águas", que remeteria ao encontro de dois rios, o Sacramento e o Chuviscar, ainda que a palavra resultante seja apenas assemelhada (Ocuabahuiqui); "lugar da pedra furada", que remeteria ao conselho da vila, embora seja impossível chegar a este significado cruzando as palavras em tarahumara, dialeto local; costalera o saquería, que designava uma bolsa de couro, embora fosse mais provável designar um local no qual era possível encontrar um dado mineral; e o mais aceito como significado, que seria "lugar seco e arenoso", palavra de origem nahua, descoberta e descrita por Félix Ramos y Duarte.[7] . Outras versões apontam para a língua náuatle: "lugar onde os rios se encontram"[8] ou "lugar seco e arenoso", esta como significado mais provável e consensual, de uma junção de "xi" e "cuahua" para formar primordialmente "cuahuacqui", palavra usada para designar seca ou qualquer coisa seca ou ainda, areia.[9] [7]

Características[editar | editar código-fonte]

Bem como os demais cães, os chihuahuas possuem características físicas bastante similares aos de seu antepassado, o lobo. Apesar do tamanho, é ainda bastante similar a um dobermann e a um aidi, que podem pesar até quarenta vezes mais.

Proximidade com o lobo[editar | editar código-fonte]

A proximidade do chihuahua com seu antepassado pode ser traçada de maneira aproximada se forem considerados os achados mais antigos relacionados a raça em si. Proveninente de uma região na qual a influência ancestral não foi primeira, não é possível revelar a ligação direta, embora seja reconhecido que um pequinês é mais próximo do lobo que um golden retriever.[10] É admitido ainda que o chihuahua possa ter sido um descendente de um cão selvagem e de um outro domesticado, levado pelo homem ao continente americano, saído da Ásia.[11]

"Nascida" no século XVIII, quando os norte-americanos ajudaram a desenvolver o chihuahua como se apresenta hoje, pode-se afirmar que este pequeno cão é uma raça moderna, produzida através de cruzamentos artificiais na busca por características específicas, neste caso, um exótico canino de colo, que "pede" pela atenção e cuidados humanos, ao passo que outros cães pequenos foram produzidos para atender as necessidades da caça, como os terriers.[12] Em teste realizado para descobrir o grau de parentesco entre cães e o lobo, o chihuahua não participou. Contudo, por razões específicas, muitos de seus traços instintivos foram perdidos para que pudesse fazer parte de famílias como um eterno bebê.[10]

Anatomia geral e estrutura externa[editar | editar código-fonte]

A pelagem longa do chihuahua é mais raramente encontrada que a variação de pelo curto.

Como cão, o chihuahua é um animal quadrúpede e digitígrado, o que lhe assegura agilidade e precisão de movimentos para locomoção. É ainda um mamífero doméstico popular e pode chegar a viver em média doze anos, podendo a passar dos dezoito.[13] Com base na classificação geral dos cães, estes pequenos animais estão incluídos na subcategoria pequena, para cães com menos de 10 kg e na subcategoria longilíneos, para caninos que apresentam seu comprimento superior a sua largura e espessura, ou seja, mais longos que robustos.[14]

Com os demais cães o chihuahua divide características anatômicas idênticas, como as patas, a mandíbula, o stop e a cauda, seja ela cortada ou não. Sua estatura está compreendida entre os 15 e os 23 cm e é proporcional a seu peso, que varia de 1 a 3 kg, tendo os exemplares menores uma melhor apreciação. Tem um crânio em forma de maçã, com o focinho curto e pontudo e olhos redondos, desproporcionais a sua cabeça. É um animal de orelhas grandes bem separadas entre si. Seu corpo é compacto, porém mais comprido que alto. Sua cauda é curvada sobre o dorso ou de lado e sua pelagem tem as cores fulvo-claro, areia, marrom, prateado e azul-aço, seja unicolor ou malhada. Este cão possui ainda duas variações, sendo encontrado com as pelagens curta e alongada e ondulada, sendo esta segunda, mais rara.[15]

Sua pele é lisa e elástica, seu comprimento é quase do mesmo tamanho que a altura da cernelha, de tronco quase quadrado, especialmente nos machos. Entretanto, nas fêmeas o tronco é um pouco maior, o que ajuda em sua função reprodutiva. Sua dentição em geral é vista em forma de tesoura, embora seja comum encontrar mordeduras em torquês, ou até mesmo com um leve prognatismo. Todas as cores são admissíveis, inclusive todas as combinações de cores e quanto mais exótico, mais desejável se torna este canino. Todavia, a cor mais comum é a rubi escuro.[16]

Estrutura interna[editar | editar código-fonte]

A principal diferença entre o chihuahua e as demais raças, exceto o pequeno cão russo, reside no tamanho e na fragilidade de sua estrutura miniatura.

Internamente a diferença entre o chihuahua e as mais variadas raças caninas reside principalmente no tamanho. Sendo um dos menores cães do mundo, este animal, entretanto, divide as mesmas características inclusive com seu ancestral, o lobo. Exceto por sua aparente pequenez, suas estruturas óssea e muscular são idênticas, ou seja, são internamente uma constante no mundo canino. As raças, grandes e pequenas são bem desenvolvidas, o que gera iguais habilidades, embora diferentes limitações. Seus tendões são muito similares aos do lobo, bem como sua arcada dentária, desenvolvida para segurar, rasgar, cortar, morder e triturar, apesar de sua força não poder ser comparada a de um pastor-alemão. Além disso, seu sistema nervoso é idêntico ao dos demais cães, e seu cérebro, apesar de ser um dos menores no mundo canino, não sofre com o estresse da vida selvagem ou do trabalho. Sua produção glandular é igual a dos demais exemplares caninos, bem como seus coxins em suas patas, adaptados para suportarem os pesos de cada raça. Bem como nos demais mamíferos, sua pele é o maior dos órgãos e compõe a maior parte de seu sistema imunológico.[17]

Ainda que os tamanhos se apresentem diferentes, as funcionalidades internas, como a dos pulmões e do coração, são as mesmas para todos os cães, inclusive no que respeita a doenças e debilidades que podem afetar estes órgãos. Seu sangue, por exemplo, distribui nutrientes e oxigênio por todo o corpo, enquanto as costelas protegem seus órgãos vitais. Seu sistema digestivo varia em especificações, como sensibilidades a determinados alimentos, mas não em função. Nos chihuahuas e nos cães em geral o estômago é desproporcional (apresenta-se maior) e os intestinos menores, já que este sistema desenvolveu-se ancestralmente para devorar as presas no ato das caçadas. Seu sistema reprodutivo, no entanto, possui algumas particularidades: cães maiores reproduzem-se em maior número por vez, já que há espaço no útero das fêmeas.[18]

Em geral, exceto por diferenciações na aparência, nos tamanhos - algumas geradas pelas seleções artificiais - e nas exigências físicas sob cada específica raça, estes caninos apresentam a mesma estrutura interna e externa de um malamute-do-alasca, que pesa em média setenta vezes mais.[19]

Os sentidos[editar | editar código-fonte]

Os chihuahuas, apesar de pesarem um máximo de 3 kg, são membros da família dos canídeos e possuem características semelhantes às raposas e coiotes, dividindo o físico e os sentidos com a família de predadores dos lobos. Estes pequenos caninos possuem sentidos apurados que não se perderam após os cruzamentos seletivos. Seus sentidos sensoriais - olfato, visão, audição, paladar e tato - são cinco:[20] [21] [22]

O olfato é um dos principais sentidos do chihuahua. Sua sensibilidade é graças as ramificações dos nervos olfativos na cavidade nasal, que chegam a ser 32 vezes maior que a de um ser humano, embora seja considerada bastante inferior que a de um beagle, descrito como um dos melhores farejadores entre os cães.[23] Todavia, os chihuahuas dividem em algo em comum com todas as raças caninas: o sistema de identificação individual, que funciona como uma impressão digital, já que cada animal possui um grande número de fendas nasais permanentes capazes de capturarem cada cheiro individualmente. Sua audição é outro sentido bem desenvolvido, capaz de ouvir sons de alta frequência e baixo volume. Suas orelhas grandes e eretas, são direcionáveis, o que facilita a localização do som. Sua sensibilidade auditiva o permite ainda discernir palavras. No chihuahua, a audição é dita o sentido mais apurado, o que o torna um excelente cão de alerta doméstico.[24]

Sua visão é outro sentido apurado, se comparada ao ser humano, além de possuir boa visão noturna. Seu campo de visão é tão grande quanto a um pug, que possui olhos bem periféricos. Este sentido é descrito como bicromático - já que os cães distinguem apenas as cores amarela e azul - somado ao branco e preto.[25] Ainda que consigam captar movimentos com maior facilidade que o homem, não possuem uma desenvolvida capacidade de foco. É ainda através da visão que muitos cães demonstram traços comportamentais e, no chihuahua, seus grandes olhos representam para o ser humano a necessidade de cuidado e afeto. Como para os demais caninos, o tato é classificado como pouco desenvolvido, sendo contudo, fundamental para a relação afetiva. Já o paladar, outro sentido pouco desenvolvido, justifica a capacidade canina de consumir diariamente sempre o mesmo alimento.

Reprodução e filhotes[editar | editar código-fonte]

Os cuidados com o chihuahua iniciam-se em seu nascimento, já que, se comparado a outras raças, seu físico é delicado.

O sistema reprodutor canino é semelhante ao do ser humano, excluídas as particularidades. Para a chihuahua, bem como para as demais cadelas, a gestação é de sessenta dias. Por ser um animal pequeno é comum para estas fêmeas darem a luz a um número reduzido de filhotes, entre dois e três, mais raramente, quatro, embora haja relatos de chihuahuas que tenham tido seis filhotes. A fêmea ainda requer cuidados alimentares, de nutrientes ricos em vitaminas, proteínas e cálcio.[26] [27]

Por ser chamado cão de colo e por isso tem seus exemplares menores mais valorizados,[28] a reprodução do chihuahua é, em geral, assistida, devido ainda ao fato de ser uma raça criada para manipulação do pedigree. Seus cruzamentos são controlados e por vezes usa-se de inseminação artificial. Nos chamados cruzamentos naturais, o processo é iniciado na fase do cio da fêmea, que dura em média de quinze a vinte dias, cujo ápice da fertilidade é atingido entre os 8º e 11º dias. Como nas demais raças, as chihuahua nascem com um número definido de óvulos, ao passo que os machos permanecem férteis até a idade sênior.[29]

Apesar de sua constituição miniatura, os filhotes destes caninos são descritos como ativos e brincalhões. Todavia, os cuidados especiais com seu tamanho iniciam-se desde o nascimento para que não sejam vítimas de quedas, que podem comprometer sua ossatura ainda em formação. Entre as peculiaridades destes filhotes, estão o fato de poderem ser criados por qualquer outra raça, já que são adaptáveis, ainda que os cuidados sejam exigidos, em vista da diferença de tamanho e peso entre o filhote do chihuahua e qualquer outro canino; e o inconveniente de não poderem ser banhados até os cinco meses de vida.[30]

Em cães de companhia, a esterilização e a castração variam de acordo com criador e dono, dependendo dos objetivos. Em geral, estes processos são considerados por alguns donos devido aos benefícios vistos por eles. Por exemplo, de acordo com estudos, os machos castrados tendem a ser mais passivos e não necessitam marcar os territórios, pois não precisam demonstrar dominância; já as fêmeas parecem viver dezoito meses a mais que as não-castradas.[31] Contudo, os procedimentos em si consistem na remoção dos órgãos reprodutores. Enquanto retira-se o útero e os ovários das fêmeas, retira-se os testículos dos machos.[32] [18]

Envelhecimento, comunicação e locomoção[editar | editar código-fonte]

Sua frágil constituição, com o chegar da velhice, torna-se ainda mais delicada e requer uma maior atenção da parte de seus donos. Entre as principais enfermidades que podem acometer estes idosos cães está o nervosismo.

O chihuahua, considerado o menor cão do mundo, vive uma média variável entre quinze e dezoito anos, o que, se comparado a cães maiores, é longa. Todavia, o processo de envelhecimento canino é ainda estudado e uma nova teoria foi elaborada para tentar explicar as variações na expectativa de vida entre as raças. Como cão de porte pequeno e miniatura de colo, o resultado obtido para o chihuahua foi a soma dos cinco primeiros anos caninos para um ano humano. A partir daí são contados quatro anos de um cão pequeno para um vivido pelo homem, ao passo que em cães maiores, de maturidade mais lenta, a tendência é de envelhecimento mais rápido.[33] Isto é devido às diferentes fases de crescimento do cão: enquanto um chihuahua atinge seu peso máximo em geral antes mesmo dos quatro meses de idade, um mastiff necessita de, no mínimo, dezoito meses para chegar aos 60 kg, e suas exigências alimentares para o crescimento saudável são descritas como enormes.[34] Com base nessas afirmações, pode-se dizer que o chihuahua nascido no mesmo dia e ano que um homem, tenha, cinco anos humanos mais tarde, o equivalente a 21 anos.

Os chihuahuas seniores tendem a sofrer com doenças, dores e alterações comportamentais. Por essa razão, é importante dar atenção às mudanças da idade para suprir as novas necessidades. Entre os principais males que podem acometer estes idosos caninos estão o nervosismo e os problemas ósseos, além de doenças e problemas comuns as demais raças, como o mal de Alzheimer e a depressão, a perda de tonicidade cardíaca e da flexibilidade articular. Ainda especificamente nos chihuahuas, é também necessário que se atente à alimentação com maior cuidado, bem como às mudanças de temperatura, pois este cão, sempre delicado, o é ainda mais na velhice.[35] [36] Além disso, a visão e a audição prejudicadas, a quietude e o descoloração da pelagem são fatores do envelhecimento descritos como normais, que afetam todas as raças.[35]

O cão africano basenji comunica primordialmente através de uivos,[37] ao passo que os chihuahuas, enquanto cães de temperamento excitado, ativo e atento, preferem os latidos como meio principal de comunicação com o ser humano e com outros caninos, em particular com outros chihuahuas.[38] [39] Estes pequenos ainda usam da linguagem corporal para demonstrarem medo, ansiedade, interesse, alegria e outras emoções, e para se socializarem e descobrirem seu lugar no convívio com os outros, já que são animais gregários.[40] [41] Por preferirem os latidos, seja para atrair atenção ou para alertar, o chihuahua pode passar por medidas corretivas, vistas pelo ser humano como soluções. Entre as medidas mais comumente aplicadas estão o uso de coleiras anti-latidos e os jatos de citronela no focinho.[42]

Tal como ocorre com os demais caninos, sua locomoção dá-se graças a seus sistemas ósseo, articular e muscular. Os chihuahuas são quadrúpedes e usam de suas duas alturas para andar: escapular e pélvica. Seu sistema neuro-muscular exerce as funções de contração e relaxamento, graças a ligação ao sistema nervoso e as articulações, proporcionando então a possibilidade da locomoção.[43] Em suas patas, os coxins são a única parte da pele com glândulas sudoríparas, que ajuda a mantê-las flexíveis para tornar o andar mais preciso, devido a sua capacidade de aderência e adaptação. Os coxins são também pouco sensíveis, o que facilita quando em situações rigorosas.[44] A locomoção do canino recebe um nome diferenciado, chamado andadura, que constitui o ritmo e o modo de andar do animal. Nos chihuahuas, que possuem suas patas viradas para frente, a andadura comum é a fluente, de movimentos vivos.[45]

O padrão da raça pela FCI[editar | editar código-fonte]

De acordo com o padrão extraído FCI, o chihuahua deve enquadrar-se dentro das seguintes exigências para pertencer ao seguinte grupo:[46]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Alimentação e higiene[editar | editar código-fonte]

A obesidade em um chihuahua não é algo tão incomum: caso não se exercite e seja mal alimentado, os cães de colo tendem a engordar.

Os chihuahuas são onívoros e deve-se tomar cuidado para fornecer a eles alimentação adequada e equilibrada. Ao mesmo tempo, deve-se ter cuidado para não alimentar demais esta raça pequena. Como mamífero onívoro, o chihuahua é capaz de comer o mesmo que come um ser humano, embora seja largamente pedido que não os alimente com doces e chocolates, já que estes podem ser tóxicos, causando-lhes diabetes, obesidade e até mesmo levando-os ao óbito.[47]

Os chihuahuas com excesso de peso tendem a ter problemas com os ligamentos, colapso da traqueia, bronquite crônica e esperança de vida encurtada. Alguns potenciais compradores buscam animais extremamente pequenos. Estes podem estar doentes ou desnutridos, ou ainda, se forem saudáveis, podem ter vida curta e problemas de saúde devido ao extremo nanismo. Para que se tenha um exemplar saudável, é importante alimentá-lo apenas com sua ração (específica para seu tamanho e necessidades) ou simplesmente suas latas para raças pequenas. Outro conselho fortemente dado é que se mantenha a saúde de seus dentes, já que os chihuahuas podem viver até dezoito anos e tratamento dentário em caninos não é algo simples.[48]

Apesar de haver afirmações de que o chihuahua só deve tomar banhos após a última dose de vacina, podem ser ministrados desde filhote, em casa, com água morna e em local sem correntes de vento e frio, já que este animal é bastante sensível a mudanças de temperatura, em particular a variedade de pelagem curta. Por ser um canino frágil, ainda apresenta o inconveniente de ser preferível que não tome banho junto a outros cães, para prevenir doenças ou até mesmo evitar o instinto caçador de um cachorro, já que, por ser diminuto, o chihuahua representa por vezes uma presa. Sua pelagem curta não requer muitos cuidados, embora a longa necessite de escovação e tosa.[49] [38] [50] [1]

Doenças[editar | editar código-fonte]

Um chihuahua saudável necessita de exercícios, boa alimentação e cuidados higiênicos.

Frutos de cruzamentos artificiais na busca por menores e mais puros exemplares, os chihuahuas desenvolveram problemas característicos, embora nem sempre específicos para a raça. A hipoglicemia, por exemplo, ocorre em decorrência da má alimentação, excesso de atividades e estresse e geralmente manifesta-se por meio de fraqueza, cansaço e dormência; A hidrocefalia é hereditária e pode ser diagnosticada através da moleira do filhote, conseguindo então ser tratada, embora não curada; A luxação da patela é o deslocamento do joelho, também doença hereditária incurável ainda que tratável; O colapso da traqueia ocorre quando esta torna-se enfraquecida e tratável com medicamentos ou cirurgia; Já o espirro reverso pode ser causado quando o cão é mal conduzido pela coleira ou pelo animal beber água rapidamente, e apresenta-se como condição momentânea, embora não tenha cura.[13]

Como acontece com outras raças, os chihuahuas podem sofrer permanentemente com determinadas lesões, como aquela que ocorre nos nervos periféricos, que não se regeneram. Caso essas fibras se lesionem, resultarão em inatividade permanente de seu músculo.[51] Estes pequenos também podem desenvolver doenças transmissíveis aos seres humanos, como dermatofitoses, intoxicações por salmonella, leptospirose e raiva.[52] Todavia, essas enfermidades são controladas por meio de vacinação, tratamentos e tratos higiênicos. Doenças descritas como graves ou gravíssimas, como a cinomose e a parvovirose, caso não sejam diagnosticadas no princípio, dificilmente são curadas, e por isso a vacinação torna-se algo importante na vida deste canino doméstico.[53] Pragas como pulgas e carrapatos podem também gerar doenças. Depressão e estresse são fatores psicológicos que afetam esta raça.[54]

Comportamento e relacionamento com o homem[editar | editar código-fonte]

O chihuahua, enquanto parte da cultura humana, passou por cruzamentos para diminuir seu tamanho e para tornar-se um "eterno bebê", o que gerou alguns pontos negativos em sua personalidade. Apesar disso, é visto como o cão de colo número 1 no mundo, graças a seu 1 kg e sua aparência exótica.

De acordo com estudos sobre a inteligência canina e, principalmente, em lista elaborada pelo pesquisador e neuropsicólogo Stanley Coren, na qual divide a inteligência destes animais em três - adaptativa (capacidade de resolver problemas), instintiva (comportamento ditado geneticamente) e de obediência (capacidade de obedecer a comandos) - o chihuahua, apesar de ser considerado um cão doméstico bastante esperto, aparece no ranking na 67.ª colocação, dentro do grupo de cães de inteligência em trabalho e obediência razoáveis, o qual é composto, em maioria, por raças de pequeno porte.[55]

Estes cãezinhos são conhecidos por sua personalidade e lealdade, embora se mostrem intolerantes com crianças, até mesmo por seu diminuto porte físico. No entanto, são reconhecidamente ágeis e inteligentes dentro de seus lares, embora sejam relutantes a comandos básicos. Seu tamanho o torna um cão adaptável a diversos ambientes, incluídos apartamentos, mansões e fazendas. Como ponto negativo, os chihuahuas apresentam-se propensos a instabilidade nervosa, o que os torna excessivamente medrosos, ciumentos ou agressivos. Tal propensão requer que este animal seja bem treinado desde cedo, a fim de adaptá-lo corretamente. Em geral, é descrito como um cão afetuoso, divertido, amoroso e bom companheiro.[30]

Sua relação com o homem nasceu quando os norte-americanos os descobriram no México e iniciaram cruzamentos seletivos a fim de diminuir ainda mais os excêntricos cãezinhos e chegar ao padrão atual. Os chihuahuas são classificados por seus donos como cães de colo, daqueles que não precisam de muito exercício, ainda que pequenos passeios pela rua sejam recomendados. Chamado também de excelente cão de alerta, é necessário evitar que ele tenha o hábito de latir demasiadamente, o que pode gerar problemas no relacionamento homem e cão. Como outro fator negativo envolvendo a raça e o ser humano, está o fato do homem cruzar levianamente estes pequenos na busca pelo lucro, o que gera animais psicologicamente instáveis e uma visão de histéricos sobre os chihuahuas.[56] Além desses, outros problemas advindos desta má qualificação humana no manusear o pedigree são a agressividade com crianças e a difícil domesticação, características não comuns em exemplares considerados puros. Para alguns, o chihuahua é ainda visto como muito delicado e uma presa relativamente fácil para animais maiores, incluídas aves como as corujas.[57] Por essas razões, o adestramento de obediência é pauta constante em livros sobre estes caninos, que podem facilmente ser envenenados de forma letal após ingerirem pequenas quantidades de plantas ou comida.[58]

Os chihuahuas na cultura humana[editar | editar código-fonte]

Ter sua imagem superexposta como cão-acessório causou o abandono em massa de chihuahuas nos Estados Unidos em 2011.

Presentes na sociedade humana desde a época dos toltecas, embora de forma diferente de como se apresentam hoje, os chihuahuas, além de despertarem a curiosidade do homem, despertaram também a preocupação. Para se ter um como "bebê de companhia" é preciso tomar uma série de cuidados e diversos livros têm sido lançados com capítulos inteiros explicando a necessidade de se atentar a esta miniatura canina. Por ser um animal de natureza curiosa, os conselhos vão desde os cuidados com a água em banheiros e cozinhas, até aos tratos com objetos pessoais, como brincos e maquiagem, que devem ser guardados em gavetas.[59]

Durante as tentativas de popularizar a raça, esteve a adoção dela como "garota-propaganda" de uma rede de fast-food mexicana chamada Taco Bell.[56] Ser uma das preferidas entre as celebridades, como a socialite norte-americana Paris Hilton e outros famosos, também ajudou e ainda colabora na popularização do diminuto cão.[4] Entretanto, em 2011, os Estados Unidos tiveram um recorde de cães miniaturas abandonados, algo talvez causado pela superexposição do cãozinho na mídia, que levou a população norte-americana a usar os chihuahuas como acessórios da moda para depois os deixar em abrigos devido aos cuidados que os pequenos cães exigem. Essa situação foi cuidada pela intervenção de uma organização local que resgatou dezenas de cães para serem adotados, sendo esta apenas a primeira operação.[60]

A presença do chihuahua em filmes e na televisão teve início em 1991. O desenho Ren & Stimpy teve a primeira aparição de chihuahuas em meios de comunicação enquanto protagonista: nesta série, Ren Hoek é um cão neurótico que frequentemente sente necessidade de se livrar do seu amigo, o gato Stimpy. O desenho teve seis temporadas e foi lançado em 11 de agosto de 1991, terminando em 14 de novembro de 1996. Ren & Stimpy ainda foi destaque por causar polêmica entre pais e psicólogos, já que Stimpy, apesar de sempre bem educado e simpático, sofria com as loucuras do chihuahua. Cinco anos mais tarde foi lançado o filme Marte Ataca!, no qual marcianos invadiam a Terra. O chihuahua que aparece na película é chamado Poppy, e em experiência alienígena o animal trocava sua cabeça pela da jornalista Nathalie Lake, personagem interpretada por Sarah Jessica Parker.[61] O cachorro também apareceu em mais três filmes de repercussão: Perdido pra cachorro, Legalmente loira e Legalmente loira 2. No primeiro filme, a protagonista Chloe é uma rica chihuahua, que se perde no México, recebendo então a ajuda de três outros cães, um rato e duas pessoas na tentativa de voltar para casa e resgatar o amor de sua vida, Papi.[62] Já nos outros dois filmes, Brusier é o cão de colo de Elle Woods, a loira que tenta provar ser inteligente, interpretada pela norte-americana Reese Whiterspoon. Como destaque desta série, está o fato do cãozinho ser gay.[63] A paródia da série Twilight de 2010, chamada Vampires Suck, traz um lobisomem que, quando nervoso, se transforma num chihuahua.[64] No filme Transformers e em sua sequência Transformers: Revenge of the Fallen um dos robôs assume a forma de um chihuahua, por decisão do diretor Michael Bay, pois assim seria mais engraçado.[65]

Entre os chihuahuas mais famosos na sociedade humana estão Boo Boo, registrado no Livro dos Recordes do ano de 2011 como o menor cão do mundo: se comparado a objetos, este chihuahua é do tamanho de uma lata de Coca-Cola;[66] Tinkerbell, a cachorrinha de Paris Hilton, que "escreveu" o livro Tinkerbell Hilton Diaries e atuou ao lado de sua dona no programa The Simple Life;[67] Geraldo, que figurou no filme Batman Returns;[68] e Momo, a primeira chihuahua policial japonesa, que ajuda em missões de resgate na prefeitura de Nara após desastres como terremotos, já que é capaz de entrar em lugares muito pequenos.[69]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d Fogle, Bruce (2009) págs. 56 e 57
  2. a b Chihuahua, considerado um dos menores cães do mundo. Petfriends. Página visitada em 27 de abril de 2011.
  3. Wilcox, Charlotte. The chihuahua. págs 11 à 16. Ed. Capstone, 2005. ISBN 0736801588
  4. a b Chihuahua. Eukanuba. Página visitada em 27 de abril de 2011.
  5. Yorkshire Terrier. Portal São Francisco. Página visitada em 27 de abril de 2011.
  6. a b Tauzs, Bruno. Larousse dos cães. Chihuahua. Ed. Larousse, Brasil, 2007. ISBN: 8576350904
  7. a b Definición de Chihuahua (em espanhol). Chihuahua.gob. Página visitada em 27 de abril de 2011.
  8. VV.AA.. Chihuahua (dog). Página visitada em 25-12-2011.
  9. http://es-chihuahua.blogspot.com. Eimología de la Palabra Chihuahua. Página visitada em 25-12-2011.
  10. a b Fogle (2009), págs 22 e 23
  11. Gewirtz, Elaine Waldorf. Chihuahua: Your Happy Healthy Pet. Capítulo 1, Ed. Howell Book House, Estados Unidos, 2006. ISBN 139780470037942
  12. Fogle (2009), pág 55
  13. a b Chihuahuas. Matriart LG. Página visitada em 27 de abril de 2011.
  14. Kainer, Robert A. & McCracken, Thomas. Dog Anatomy: A Coloring Atlas. Capítulo 1. Ed. Teton New Media, Estados Unidos, 2002. ISBN 1893441172
  15. Chihuahua. Guia de raças. Página visitada em 27 de abril de 2011.
  16. Chihuahua. Saúde Animal. Página visitada em 27 de abril de 2011.
  17. Fogle (2009), págs 30 e 31
  18. a b Fogle (2009), págs 32 e 33
  19. Fogle (2009), pág 200
  20. Teixeira, Eduardo de Souza. Princípios básicos para a criação de cães. Págs 13 - 15. Ed. Nobel, Brasil, 2000. ISBN 8521311338
  21. Os cinco sentidos sensoriais dos cães em analogia aos sentidos humanos. Canil Boiadeiro. Página visitada em 22 de junho de 2010.
  22. Alderton (2002), pág 18
  23. Farejadores, bagunceiros e agitados. Beagle - guia da raça. Página visitada em 25 de abril de 2011.
  24. Chihuahua. Canil Hairy Wolf. Página visitada em 25 de abril de 2011.
  25. Rossi, Alexandre. Como enxergam os cães. Cão cidadão. Página visitada em 22 de junho de 2010.
  26. Reprodução. Matrart Lg. Página visitada em 2 de maio de 2011.
  27. O'Neil, Jacqueline. Chihuahuas for Dummies. págs 82 e 83. Ed. Wiley, Estados Unidos, 2008. ISBN: 9780470229675
  28. Walker, Joan Hustace. The everything chihuahua: a complete guide to raising, trainig and caring for your chihuahua. pág 11. Ed. F+W Media, Estados Unidos, 2007. ISBN:1593375271
  29. Harris, Myra Savant. Advanced Canine Reproduction and Puppy Care. págs 16-30. Ed. Dogwise, Estados Unidos, 2011. ISBN: 9781929242757
  30. a b Chihuahua. Dog Times. Página visitada em 1 de maio de 2011.
  31. Fogle (2009), pág 275
  32. Esterilizações: vantagens e mitos. ABRA. Página visitada em 22 de junho de 2010.
  33. A idade do cão. ACB. Página visitada em 22 de junho de 2010.
  34. Fogle (2009), pág 276
  35. a b Rossi, Alexandre. Cuidados que seu cão merece na velhice. Cão cidadão. Página visitada em 22 de junho de 2010.
  36. Caring For Your Chihuahua As He Ages (em inglês). The chihuahua guide. Página visitada em 1 de maio de 2011.
  37. Fogle (2009), pág 98
  38. a b O chihuahua. Black apple chihuahuas. Página visitada em 1 de maio de 2011.
  39. About the chihuahua (em inglês). The chihuahua guide. Página visitada em 1 de maio de 2011.
  40. Comunicação canina. Cão esperto. Página visitada em 26 de junho de 2010.
  41. Alderton (2002), pág 19
  42. Latidos. Canil Chameguinho. Página visitada em 26 de junho de 2010.
  43. Cães e o exercício. Black Lab.. Página visitada em 26 de junho de 2010.
  44. Motta, Regina Rheingantz. Bom pra cachorro!. págs 105 a 109. Ed. Gente, Brasil 2009. ISBN: 9788573126754
  45. Dicionário Cinófilo. Bulldogue.com. Página visitada em 25 de abril de 2011.
  46. CHIHUAHUA. CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Página visitada em 25 de abril de 2011.
  47. INTOXICAÇÃO POR CHOCOLATE EM CÃES. Saúde Animal. Página visitada em 23 de junho de 2010.
  48. Gewirtz, Elaine Waldorf. Chihuahua: Your Happy Healthy Pet. Capítulo 6, Ed. Howell Book House, Estados Unidos, 2006. ISBN 139780470037942
  49. Tomando de suas chihuahuas minusculas do Teacup. Saber 2.0. Página visitada em 1 de maio de 2011.
  50. Chihuahua. Portal São Francisco. Página visitada em 1 de maio de 2011.
  51. Fogle (2009), págs 32 e 33
  52. MacPherson (2000), cap. 3
  53. Fortney, William. Tratamento médico para cães. How Stuff Works?. Página visitada em 23 de junho de 2010.
  54. Cães que rosnam e mordem muito só estão deprimidos. R7. Página visitada em 20 de julho de 2010.
  55. A inteligência dos cães: Top de raças e comparação com outras espécies. Viva pets. Página visitada em 20 de julho de 2010.
  56. a b História da raça. Mug Mig. Página visitada em 27 de abril de 2011.
  57. Chihuahua sobrevive a ataque de coruja. Pet Mag. Página visitada em 1 de maio de 2011.
  58. Walker, Joan Hustace. The everything chihuahua: a complete guide to raising, trainig and caring for your chihuahua. págs 180-193. Ed. F+W Media, Estados Unidos, 2007. ISBN:1593375271
  59. Gewirtz, Elaine Waldorf. Chihuahua: Your Happy Healthy Pet. Capítulo 5, Ed. Howell Book House, Estados Unidos, 2006. ISBN 139780470037942
  60. Bustamante, Paula. Popularizados por Paris Hilton, cães têm de ser salvos do abandono. Folha Online. Página visitada em 30 de abril de 2011.
  61. Cães famosos. UOL. Página visitada em 27 de abril de 2011.
  62. Perdido pra Cachorro (Beverly Hills Chihuahua / South of the Border). Interfilmes. Página visitada em 30 de abril de 2011.
  63. Legalmente Loira 2. Adoro cinema. Página visitada em 30 de abril de 2011.
  64. Nathália Nhan (12/07/2010). Paródia de Crepúsculo. Yes! Teen. Página visitada em maio de 2011.
  65. Darren Jamieson (25/junho/2009). The dogs of Transformers Revenge of the Fallen. Página visitada em maio de 2011.
  66. At four-inches, boo boo the chihuahua is the world’s smallest dog (em inglês). Famous Chihuahua. Página visitada em 30 de abril de 2011.
  67. A happy ending for Tinkerbell (em inglês). USA Today. Página visitada em 1 de maio de 2011.
  68. Famous Chihuahuas. How Many Do You Recognize? (em inglês). Patz Dogs. Página visitada em 1 de maio de 2011.
  69. Chihuahua 'Momo' é o mais novo cão policial do Japão. Estadão. Página visitada em 1 de maio de 2011.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Chihuahua (cão)
Wikipedia lexikon2.jpg   Nota linguística: Na busca pela padronização de uma nomenclatura^ e para adequar a grafia da Wikipédia às normas do português , os nomes das raças - alguns mantidos no original (Fogle (2009)) - estão grafados em iniciais minúsculas, como também visto em dicionário de Cinologia. Todavia, as entidades cinófilas - CBKC do Brasil, CPC de Portugal e FCI - possuem o padrão adotado em maiúsculas, assim como a Enciclopédia Conhecer (vol. II, p. 414).
Este é um artigo destacado. Clique aqui para mais informações