Diatomácea

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2011).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.


Como ler uma caixa taxonómicaDiatomácea
Diatomáceas marinhas

Diatomáceas marinhas
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Chromalveolata
Divisão: Bacillariophyta
Classes

As diatomáceas são um importante grupo de protistas pertencentes à divisão Bacillariophyta, de acordo com o sistema de Round et al. (1990). São organismos unicelulares, e possuem como característica uma carapaça ou parede silicosa chamada frústula, localizada externamente à membrana plasmática. Ocorrem na água doce e nos mares, podendo ser planctônicas ou bentônicas. Existem algumas espécies que formam cadeias ou colônias simples que poderão levar um observador incauto a considerá-las como pluricelulares.

Caracterização biológica[editar | editar código-fonte]

O grupo apresenta enorme biodiversidade de espécies actuais e formas conhecidas, do registo fóssil. As suas paredes celulares de sílica apresentam uma diversidade de formas intrincadas e ornamentadas que as tornam num dos seres vivos microscópicos que mais atenção despertam. Existem em mais de 200 géneros, não extintos, estimando-se que atualmente existam mais de 100 000 espécies diferentes de diatomáceas (Round & Crawford, 1990). Constituem um grupo biológico bastante comum por todo o planeta, podendo encontrar-se nos oceanos, em água doce, no solo e em superfícies húmidas. Muitas são pelágicas, vivendo livremente na água oceânica, enquanto que outras são bentônicas, ocupando a superfície de interface entre o substrato sedimentar e a água no fundo oceânico. Sobrevivem também em locais com umidade atmosférica elevada. São especialmente importantes nos oceanos, onde se estima que contribuam para mais de 45% da produção primária oceânica (Mann, 1999).

Mais diatomáceas desenhadas por Haeckel.

Pertencem a um grande grupo de algas designadas como heterocontófitas, que inclui espécies autotróficas (como as laminárias) e heterotróficas (como os fungos aquáticos ou oomicetos). As diatomáceas podem, elas mesmas, serem autótrofas, heterótrofas e mixotróficas. Os autótrofos possuem clorofila a e c e têm como material de reserva amido e gotas de lipídio, que auxiliam na flutuação. Os seus cloroplastos são, de fato, típicos dos heterocontófitos, com quatro membranas e contendo pigmentos como a fucoxantina. São simbiotas e de extrema importância nos recifes de corais. Algumas espécies podem apresentar bioluminescência e produzir toxinas. Podem reproduzir-se sexuada ou assexuadamente. Os seus espécimes carecem, usualmente, de flagelos, ainda que estes estejam presentes nos gâmetas, apresentando a estrutura típica dos heterocontófitos, excepto pela ausência dos pêlos (mastigonemas) presentes nos outros grupos.

Classificação biológica[editar | editar código-fonte]

Baseando-se em características estruturais e ultraestruturais, tanto quanto na fisiologia desses organismos (i.e., mecanismos de reprodução assexuada e sexuada), Round et al. (1990) desenvolveram um sistema de classificação o qual se encontra descrito logo abaixo. Entretanto, desde então alguns gêneros foram criados e/ou ressuscitados. Alguns desses gêneros encontram-se posicionados na classificação abaixo, o que pode diferir do sistema, ipsis literis, de Round e colaboradores.

Divisão BACILLARIOPHYTA

Classe COSCINODISCOPHYCEAE

Subclasse THALASSIOSIROPHYCIDAE

Ordem THALASSIOSIRALES Glezer & Makarova 1986.

Família Thalassiosiraceae Lebour 1930

Thalassiosira, Planktoniella, Porosira, Minidiscus, Bacteriosira.

Família Skeletonemataceae Lebour 1930,

Sketletonema, Detonula

Família Stephanodiscaceae Glezer & Makarova 1986

Dyscostella, Cyclotella, Cyclostephanos, Stephanodiscus, Mesodictyon, Pleurocyclos, Stephanocostis.

Radiolaria (Challenger) Plate 099.jpg

Família Lauderiaceae ( Schütt) Lemmermann 1899,

Lauderia

Subclasse COSCINODISCOPHYCIDAE

Ordem CHRYSANTHEMODISCALES Round, 1990.

Família Chrysanthemodiscaceae Round 1978

Chrysanthemodiscus

Ordem MELOSIRALES Crawford, 1990.

Família Melosiraceae Kützing 1844,

Melosira, Druridgea

Família Stephanopyxidaceae Nikolaev

Stephanopyxis

Família Endictyaceae Crawford, 1990.

Endictya

Família Hyalodiscaceae Crawford, 1990.

Hyalodiscus, Podosira

Ordem PARALIALES Crawford, 1990.

Família Paraliaceae Crawford 1988

Paralia, Ellerbeckia

Ordem AULACOSEIRALES Crawford, 1990.

Família Aulacoseiraceae Crawford, 1990.

Aulacoseira, Strangulonena

Ordem ORTHOSEIRALES Crawford, 1990.

Família Orthoseiraceae Crawford, 1990.

Orthoseira

Ordem COSCINODISCALES Round & Crawford, 1990.

Família Coscinodiscaceae Kützing 1844

Coscinodiscus, Palmeria, Stellarima, Brughtwellia, Craspedodiscus

Família Rocellaceae Round & Crawford, 1990.

Rocella

Família Aulacodiscaceae (Schütt) Lemmermann 1903

Aulacodiscus

Família Gossleriellaceae Round, 1990.

Gossleriella

Família Hemidiscaceae Hendey 1937 emend Simonsen 1975

Hemidiscus, Actinocyclus, Azpeitia, Roperia

Família Heliopeltaceae H. L. Smith 1872

Actinoptychus, Glorioptyschus, Lepidodiscus

Ordem ETHMODISCALES Round, 1990.

Família Ethmodiscaceae Round 1990.

Ethmodiscus

Ordem STICTOCYCLALES Round, 1990.

Família Stictocyclaceae Round 1978

Stictocyclus

Ordem ASTEROLAMPRALES Round & Crawford, 1990.

Família Asterolampraceae H L. Smith 1872

Asterolampra, Asteromphalus

Ordem ARACHNOIDISCALES Round, 1990.

Família Arachnoidiscaceae Round, 1990.

Arachnoidiscus

Ordem STICTODISCALES Round & Crawford, 1990.

Família Stictodiscaceae (Schütt) Lemmermann 1899

Stictodiscus

Subclasse BIDDULPHIOPHYCIDAE

Ordem TRICERATIALES Round & Crawford, 1990.

Família Triceratiaceae (Schütt) Lemmermann 1899

Triceratium, Odontella, Lampriscus, Sheshukovia, Pseudoauliscus, Eupodiscus, Pleurosira, Amphitetras, Cerataulus, Auliscus

Família Plagiogrammaceae De Toni 1890

Pladiogramma, Glyphodesmis, Dimeregramma, Dimerogrammopsis

Ordem BIDDULPHIALES Krieger 1954.

Família Biddulphiaceae Kützing 1844

Biddulphia, Biddulphiopsis, Hydrosera, Isthmia, Trigonium, Terpsinoë, Pseudotriceratium

Ordem HEMIAULALES Round & Crawford, 1990.

Família Hemiaulaceae Heiberg 1863

Hemiaulus, Eucampia, Climacodium, Cerataulina, Trinacria, Abas, Briggera, Pseudorutilaria, Keratophora, Kittonia, Strelnikovia, Riedelia, Baxteriopsis, Sphyntolethus, Ailuretta

Família Bellerocheaceae Crawford, 1990.

Bellerochea, Subsilicea

Família Streptothecaceae Crawford, 1990.

Streptotheca, Neostreptheca

Ordem ANUALES Round & Crawford, 1990.

Família Anaulaceae (Schütt) Lemmermann 1899

Anaulus, Eunotogramma, Porpeia

Subclasse LITHODESMIOPHYCIDAE

Ordem LITHODESMIALES Round & Crawford, 1990.

Família Lithodesmiaceae Round, 1990.

Lithodesmium, Lethodesmioides, Ditylum

Subclasse CORETHROPHYCIDAE

Ordem CORETHRALES Round & Crawford, 1990.

Família Corethraceae Lebour 1930

Corethron

Subclasse CYMATOSIROPHYCIDAE

Ordem CYMATOSIRALES Round & Crawford, 1990.

Família Cymatosiraceae Hasle, von Stosch & Syvertsen 1983

Cymatosira, Campylosira, Plagiogrammopsis, Brockmanniela, Minutocellus, Leyanella, Arcocellulus,Papiliocellulus, Extubocellulus

Família Rutilariaceae De Toni 1894

Rutilaria, Syndetocystis

Subclasse RHIZOSOLENIOPHYCIDAE

Ordem RHIZOSOLENIALES Silva 1962.

Família Rhizosoleniaceae De Toni 1890

Rhizosolenia, Proboscia, Pseudosolenia, Urosolenia, Guinardia, Dactiliosolen

Família Pyxillaceae (Schütt) Simonsen 1972

Pyxilla, Gladius, Gyrodiscus, Mastogonia, Pyrgupyxis

Subclasse CHAETOCEROTOPHYCIDAE

Ordem CHAETOCEROTALES Round & Crawford, 1990.

Família Chaetocerotaceae Ralfs in Pritchard 1861

Chaetoceros, Gonioceros, Bacteriastrum

Família Acanthocerataceae Crawford, 1990.

Acanthoceros

Família Atteyaceae Round & Crawford, 1990.

Attheya

Ordem LEPTOCYLINDRALES Round & Crawford, 1990.

Família Lepocylindraceae Lebour 1930

Leptocylindrus

Classe FRAGILARIOPHYCEAE

Subclasse FRAGILARIOPHYCIDAE

Ordem FRAGILARIALES Silva 1962 .

Família Fragilariaceae Greville 1833

Fragilaria, Centronella, Asterionella, Staurosirella, Staurosirella, Staurosira, Pseudostaurosira, Punctastriata, Fragilariaforma, Martyana, Diatoma, Synedra, Ctenophora, Neosynedra, Tabularia, Catacombas, Hyalosynedra, Opephora, Trachysphenia, Thalassioneis, Falcula, Pteroncola, Asterionellopsis, Bleakeleya, Podocystis, Meridion

Ordem TABELLARIALES Round, 1990.

Família Tabellariaceae Kützing 1844

Tabellaria, Tetracyclus, Oxyoneis

Ordem LICMOPHORALES Round, 1990.

Família Licmophoraceae Kützing 1844

Licmorpha, Licmosphenia

Ordem RHAPHONEIDALES Round, 1990.

Família Rhaphoneidaceae Forti 1912

Rhaphoneis, Diplomenora, Delphineis, Neodelphineis, Perissonoë, Sceptroneis

Família Psammodiscaceae Round & Mann, 1990.

Psammodiscus

Ordem ARDISSONIALES Round, 1990.

Família Ardissoneaceae Round, 1990.

Ardissonea

Ordem TOXARIALES Round, 1990.

Família Toxariaceae Round, 1990.

Toxarium

Ordem THALASSIONEMATALES Round, 1990.

Família Thalassionemataceae Round, 1990.

Thalassionema, Thalassiothrix, Trichotoxon

Ordem RABDONEMATALES Round & Crawford, 1990.

Família Rhabdonemataceae Round, 1990.

Rhabdonema

Ordem STRIATELLALES Round, 1990.

Família Striatellaceae Kützing 1844

Striatella, Microtabella, Grammatophora

Ordem CYCLOPHORALES Round & Crawford, 1990.

Família Cyclophoraceae Round & Crawford, 1990.

Cyclophora

Família Entopylaceae Grunow 1862

Entopyla, Genphyria

Ordem CLIMACOSPHENIALES Round, 1990.

Família Climacospheniaceae Round, 1990.

Climacosphenia, Synedrosphenia

Ordem PROTORAPHIDALES Round, 1990.

Família Protoraphidaceae Simonsen 1970

Protoraphis, Pseudohimantidium

Classe BACILLARIOPHYCEAE

Subclasse EUNOTIOPHYCIDAE

Ordem EUNOTIALES.

Família Eunotiaceae Kützing 1844

Euniotia, Actinella, Semiorbis, Desmogonium

Família Periniaceae (Karsten) Topachevs’kyj & Oksiuk 1960

Peronia

Subclasse BACILLARIOPHYCIDAE

Ordem LYRELLALES D.G.Mann, 1990

Família Lyrellaceae D. G. Mann, 1990.

Lyrella, Petroneis

Ordem MASTOGLOIALES D.G.Mann, 1990

Família Mastogloiaceae Mereschkowsky 1903

Aneumastus, Mastogloia

Ordem DICTIONEIDALES D.G.Mann, 1990

Família Dictyoneidaceae D. G. Mann, 1990.

Dictyoneis

Ordem CYMBELLALES D.G.Mann, 1990

Família Rhoicospheniaceae Chen & Zhu 1983

Rhoicosphenia, Campilopyxis, Cuneolus, Gomphoseptatum, Gomphonemopsis

Família Anomoeoneidaceae D. G. Mann, 1990.

Anomoeoneis, Staurophora

Família Cymbellaceae Greville 1833

Placoneis, Cymbella, Brebissonia, Encyonema, Gomphocymbella, Encyonopsis, Pseudoencyonema, Navicymbulla, Afrocymbella, Gomphocymbellopsis, Delicata, Cymbellopsis, Cymbopleura

Família Gomphonemataceae Kützing 1844

Gomphonema, Didymosphenia, Gomphoneis, Reimeria, Gomphopleura

Ordem ACHNANTHALES Silva 1962.

Família Achnanthaceae Kützing 1844

Achnanthes

Família Cocconeidaceae Kützing 1844

Cocconeis, Campyloneis, Anorthoneis, Bennetella, Epipellis

Família Achnanthidiaceae D. G. Mann, 1990.

Achnanthidium, Eucocconeis, Planothidium

Ordem NAVICULALES Bessey 1907

Sub-ordem Neiidineae D. G. Mann, 1990.

Família Berkeleyaceae D. G. Mann. 1990.

Parlibellus, Berkeleya, Climaconeis, Stenoneis

Família Cavinulaceae D. G. Mann. 1990.

Cavinula

Família Cosmioneidaceae D. G. Mann. 1990.

Cosmioneis

Família Scholioneidaceae D. G. Mann. 1990.

Scolioneis

Família Diadesmidaceae D. G. Mann, 1990.

Diadesmis, Luticola

Família Amphipleuraceae Grunow 1862

Frickea, Amphipleura, Frustulia, Cistula

Família Brachysiraceae D. G. Mann, 1990.

Brachysira

Família Neidiaceae Mereschkowsky 1903

Neidium

Família Scoliotropidaceae Mereschkowsky 1903

Scoliopleura, Scoliotropis, Biremis, Progonoia, Diadema

Sub-ordem Sellphorineae D. G. Mann, 1990.

Família Sellaphoraceae Mereschkowsky 1902

Sellaphora, Fallacia, Rossia, Caponea

Família Pinnulariaceae D. G. Mann, 1990.

Pinnularia, Diatomella, Oestrupia, Dimidiata

Sub-ordem Phaeodactilineae J. Lewin 1958

Família Phaeodactylaceae Silva 1962

Phaeodactylum

Sub-ordem Diploneidineae D. G. Mann, 1990.

Família Diploneidaceae D. G. Mann, 1990.

Diploneis, Raphidodiscus

Sub-ordem Naviculineae Hendey 1937

Família Naviculaceae Kützing 1844

Navicula, Trachyneis, Pseudogomphonema, Seminavis, Rhoikoneis, Haslea, Cymatoneis

Família Pleurosigmataceae Mereschkowsky 1903

Pleurosigma, Toxonidea, Donkinia, Gyrosigma, Rhoicosigma

Família Plagiotropidaceae D. G. Mann, 1990.

Plagiotropis, Stauropsis, Pachyneis

Família Stauroneidaceae D. G. Mann, 1990.

Stauroneis, Craticula

Família Proschkiniaceae D. G. Mann, 1990.

Proschkinia

Ordem THALASSIOPHYSALES D.G.Mann, 1990

Família Catenulaceae Mereschkowsky 1902

Catenula, Amphora, Undatella

Família Thalassiophysaceae D. G. Mann, 1990.

Thalassiophysa

Ordem BACCILARIALES Hendey 1937.

Família Bacillariaceae Ehremberg 1831

Bacillaria, Hantzschia, Psammodictyon, Tryblionella, Cymbellonitzschia, Gomphonitzschia, Gomphotheca, Nitzschia, Denticula, Denticulopsis, Fragilariopsis, , Cylindrotheca, Simonsenia, Cymatonitzschia, Perrya

Ordem RHOPALODIALES D.G.Mann, 1990

Família Rhopalodiaceae (Karsten) Topachevs’kyj & Oksiyuk 1960

Epithemia, Rhopalodia, Protokeelia

Ordem SURIRELLALES D.G.Mann, 1990

Família Entomoneidaceae Reimer in Patrick & Reimer 1975

Entomoneis

Família Auriculaceae Hendey 1964

Auricula

Família Surirellaceae Kützing 1844

Hydrosilicon, Petrodictyon, Plagiodiscus, Stenopterobia, Surirella, Campylodiscus, Cymatopleura

História geológica[editar | editar código-fonte]

As diatomáceas surgiram provavelmente no início do Triássico, como resposta à libertação de diversos nichos ecológicos após a Extinção Permo-Triássica. Os primeiros fósseis de diatomáceas, que correspondem às primeiras formas silicificadas, surgem no Jurássico e diversificaram-se bastante a partir de então. No Cretácico a flora de diatomáceas é muito abundante e há exemplos de formações rochosas - os diatomitos - constituídas quase inteiramente de carapaças de diatomáceas.

Também conhecidas por algas douradas, porque possuem uma carapaça rígida de tom dourado, as diatomáceas são muito comuns em oceanos e mares. Algumas regiões do Nordeste brasileiro possuem depósitos naturais de suas carapaças, chamados de diatomitos, material utilizado, por exemplo, na fabricação de produtos para polimento, cosméticos e tijolos. São unicelulares.