José Luis Chilavert

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Luis Chilavert
Chilavert sanlorenzo.jpg
Informações pessoais
Nome completo José Luis Félix Chilavert González
Data de nasc. 27 de julho de 1965 (49 anos)
Local de nasc. Luque, Paraguai
Altura 1,90 m
Canhoto
Informações profissionais
Posição Goleiro
Clubes de juventude
19801982 Paraguai Sportivo Luqueño
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
19821984
1984
19841988
19881991
19912000
20002002
20022003
2004
Paraguai Sportivo Luqueño
Paraguai Guaraní
Argentina San Lorenzo
Espanha Real Zaragoza
Argentina Vélez Sarsfield
França Strasbourg
Uruguai Peñarol
Argentina Vélez Sarsfield
0070 0000(4)
0019 0000(1)
0122 0000(0)
0090 0000(1)
0341 000(48)
0055 0000(1)
0015 0000(4)
0006 0000(0)
Seleção nacional
19892003 Flag of Paraguay.svg Paraguai 0074 0000(8)

José Luis Félix Chilavert González, mais conhecido como Chilavert (Luque, 27 de julho de 1965), é um ex-futebolista paraguaio que atuava como goleiro.

Chilavert marcou época por suas espetaculares defesas, a segurança que transmitia no gol e sua liderança sobre os companheiros, mas principalmente por sua habilidade nas cobranças de falta e pênalti, popularizando esta técnica entre os goleiros.[1] Despediu-se dos gramados como o maior artilheiro entre os goleiros, sendo posteriormente superado pelo brasileiro Rogério Ceni.

Temperamental, também ficou famoso pelo lado fanfarrão e pelas confusões que arrumava com torcedores e jogadores adversários e também jornalistas,[1] o que por vezes ofuscava seu talento, imenso.[1] Compensava com grande senso de colocação os poucos saltos que dava na hora de interceptar as bolas adversárias.[2] Já declarou que pretende um dia tornar-se presidente do Paraguai.[1]

Carreira em clubes[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Chilavert nasceu em uma família de jogadores: seu pai também jogou futebol [1] e um irmão mais velho, Rolando, inclusive integrou a Seleção Paraguaia da Copa do Mundo de 1986.[3] Mas, bem antes de iniciar a carreira, o futuro goleiro já precisava trabalhar: quando criança, em sua pequena Luque natal, para juntar algum dinheiro, ordenhava as três vacas magras da família para vender o leite.[1] Foi no time da cidade, o Sportivo Luqueño, que ele iniciou em 1982 a carreira.

Ele começou a se notabilizar em 1984, ao ganhar seu primeiro título, já no Guaraní, quando faturou o campeonato paraguaio.[1] Chegou a despertar a atração do Atlético de Madrid, que desistiu do negócio por considerar alta demais as exigências do time paraguaio. As notícias sobre a técnica de Chilavert chegaram também ao vice-presidente de um dos grandes clube da vizinha Argentina, o San Lorenzo, que o adquiriu por empréstimo de um ano.[4] Ali, na equipe de Boedo, já demonstrava marcas que o caracterizariam: brigas com árbitros e goleiros adversários, cobranças de falta (não chegou a marcar),[5] e até com torcedores do próprio time. Apesar da falta de títulos mais expressivos - as conquistas limitaram-se a duas liguillas pre-Libertadores, em 1986 e 1988 [6] [7] -, chegou a ser considerado por muitos à altura de 2008, quando o clube completou seu centenário, o melhor goleiro das últimas duas décadas do clube, idolatria já manifestada ao fim de seu primeiro ano lá: era o momento em que o San Lorenzo precisava pagar ao Guaraní os 120 mil dólares requisitados pela compra definitiva de Chila, mas o caixa da instituição não possuía saldo viável para o negócio. O dinheiro veio da própria torcida cuerva, que tomou a iniciativa de juntar pequenas quantias durante os jogos; logo, o montante exigido foi alcançado.[4]

Em 1988, o River Plate propôs trocas com o CASLA: o paraguaio e o colega Darío Siviski iriam a Núñez, enquanto Sergio Goycochea e Néstor Gorosito viriam dos millonarios. Porém, uma misteriosa lesão de Goycochea frustrou a negociação em relação aos goleiros, o que amargou Chilavert, que criou um mau ambiente em seu clube.[4] Naquele mesmo ano, deixou o San Lorenzo para enfim ser negociado com o futebol europeu, transferindo-se para o Real Zaragoza. Na Espanha, polemizaria pela primeira vez com suas tentativas de gol. Ele, que já tinha feito seu primeiro gol (pelo Paraguai em 1989), marcou um contra a Real Sociedad, mas o adversário, em seguida, revidou com outro gol, tão logo a bola foi reposta no meio-de-campo.[5] Chilavert acabaria não sendo permitido mais a bater pênaltis no Zaragoza.[5]

Seu forte temperamento também não seria apreciado,[1] e ele deixou o clube no ano seguinte pela porta dos fundos: retornou à Argentina, mas agora para a modesta equipe do Vélez Sarsfield. Mas seria no clube de Liniers que iniciaria a época mais consagrada da carreira.

No Vélez, a consagração[editar | editar código-fonte]

O reforço voltou à Argentina bem diferente de como havia deixado: seu físico, atlético no San Lorenzo, já mostrava uma barriga protuberante.[4] O que não o impediu de ser um dos principais componentes das já boas campanhas dos fortineros no campeonato argentino, terminando em terceiro no Clausura e em segundo no Apertura daquele 1992.[5] Para finalmente chegar aos títulos, o clube contratou como treinador um antigo ídolo, seu ex-jogador Carlos Bianchi.[5] No campeonato seguinte, o Clausura de 1993, o Vélez foi campeão. Foi apenas o segundo título nacional do clube - o primeiro fora ainda na década de 1960, quando Bianchi era o goleador do time.[5] Foi nesse Clausura que Chilavert marcou seu primeiro gol de falta.[5]

A conquista classificou o Vélez para a sua segunda Taça Libertadores da América, a de 1994. Após passar por um duro grupo que reunia Boca Juniors, Palmeiras e Cruzeiro,[5] o clube foi avançando no mata-mata até chegar na decisão. E o adversário tinha todo o favoritismo: era o recém-bicampeão seguido São Paulo, que jogaria a segunda partida da final em casa. Cada finalista venceu uma partida por 1 x 0 e o título se decidiu nos pênaltis. Chilavert, que já havia sido herói nas semifinais, também vencidas nos pênaltis (contra o Atlético Junior de Carlos Valderrama),[5] foi outra vez decisivo, defendendo a cobrança de Palhinha.

No Mundial Interclubes, foi a vez de outro favorito cair, o Milan, na conquista mais importante do clube. Chilavert acabaria eleito o melhor goleiro do mundo em 1995. Ironicamente, não ganhou taças naquele ano com o Vélez, o que seria compensado em cheio no ano seguinte: tanto o Clausura quanto o Apertura 1996 foram para o Estádio José Amalfitani, assim como a Supercopa Libertadores. O goleiro artilheiro, por sua vez, seria eleito o melhor jogador do campeonato argentino e o melhor da América do Sul naquele ano.

Em 1997, quando foi considerado outra vez o melhor goleiro do mundo, levantou a Recopa Sul-Americana. Em 1998, ganhou novo Clausura, e seria outra vez eleito o melhor do planeta em sua posição.

Aposentadoria[editar | editar código-fonte]

Em 2000, deixou o seu Vélez, como um dos principais personagens da era de ouro da equipe. Chegou como reforço de emergência do Strasbourg, da França, ameaçado de rebaixamento. Chila não conseguiu evitar que a equipe ficasse em último na Ligue 1 e consumasse o descenso, mas na mesma temporada conquistou com o novo clube a Copa da França, nos pênaltis. Em sua segunda temporada no futebol francês, ajudou a equipe a subir de volta à elite, encerrando sua boa passagem, embora já demonstrasse sinais de decadência - principalmente quanto ao seu físico, que mesmo no auge estava longe de ser o de um atleta.[1]

Chilavert voltou à América do Sul, desta vez para defender as redes do Peñarol. Ficou um ano nos carboneros, ganhando o campeonato uruguaio de 2003 - a equipe aurinegra, a mais vitoriosa do país, só voltaria em 2010 a ser novamente campeã nacional.[8] Beirando os quarenta anos, acertou um retorno ao seu querido Vélez Sarsfield. Todavia, amargou a reserva de Gastón Sessa, aposentando-se em 2004 no Fortín após apenas seis partidas oficiais em sua volta.

Seleção[editar | editar código-fonte]

Chilavert fez sua primeira partida pelo Paraguai em 1989, já como jogador do Real Zaragoza. E naquele ano, pela seleção, ele marcaria seu primeiro gol: foi de pênalti, no último minuto de jogo contra a Colômbia, em partida válida pelas eliminatórias para a Copa do Mundo de 1990. A única vaga do grupo ficaria com os próprios colombianos; o Paraguai precisava vencer o já desclassificado Equador em Quito para terminar em primeiro no grupo que formava com os dois países, mas acabou derrotado e ficando um ponto atrás da Colômbia.

Quatro anos depois, novamente uma vaga para o mundial foi perdida por um ponto. O Paraguai chegou à última rodada precisando vencer o desclassificado Peru em Lima e torcer por derrota da Argentina em Buenos Aires, contra a Colômbia. O resultado mais improvável ocorreu: os argentinos foram humilhados por um histórico 0 x 5. Mas terminaram com um ponto a mais após os paraguaios não saírem de um empate contra os peruanos.

A oportunidade de ir para uma Copa finalmente viria na edição seguinte, com relativa tranquilidade, com o Paraguai classificando-se em segundo lugar nas eliminatórias. Foi nelas que Chilavert marcou o que é seu gol mais famoso pela seleção, em um empate de 1 x 1 contra a Argentina no Monumental de Núñez.[1] E Chilavert seria um dos maiores destaques da digna campanha paraguaia na França: levando em consideração defesas, pênaltis defendidos, cruzamentos cortados e gols tomados, ele foi o goleiro mais eficiente da Copa.[9]

Demonstrando agilidade mesmo acima do peso e realizando defesas difíceis,[9] ele ainda tentou, contra Espanha e Bulgária, marcar gols de falta, mas não conseguiu.[9] Os sul-americanos caíram nas oitavas-de-final, contra os anfitriões franceses, de forma dramática: no final da prorrogação, levaram um gol de ouro de Laurent Blanc, que deu automaticamente a vitória aos europeus pela morte súbita. A bela performance de Chila no mundial seria sua maior credencial para ser eleito naquele ano o melhor goleiro do mundo, reconhecimento que ganhava pela terceira vez, igualando ao recorde de Walter Zenga (posteriormente, ambos seriam superados por Gianluigi Buffon.

Com a mesma base de sucesso de 1998 - ele, Francisco Arce, Celso Ayala, Carlos Gamarra, José Cardozo, o Paraguai classificou-se pela segunda vez seguida - algo inédito - para uma Copa. Se Chilavert encantara na França, o mesmo não se deu na Ásia. Na Copa do Mundo de 2002, foi uma das maiores decepções do torneio. Após não jogar a primeira partida, contra a África do Sul - cumpria suspensão por ter cuspido em Roberto Carlos nas eliminatórias [5] -, voltou para o restante da campanha.

O Paraguai conseguiu classificar-se novamente às oitavas, mas sem muita ajuda de sua maior estrela; Chilavert, visivelmente gordo,[10] fez duas partidas desastrosas na primeira fase: contra a Espanha, saiu muito mal ao tentar interceptar cruzamento que resultaria no segundo gol adversário, que ali virava o placar;[10] e, contra a Eslovênia, no único gol esloveno, o goleiro praticamente empurrou a bola na rede por baixo de seus pés, quando procurava cortar desprentensioso cruzamento de Milenko Ačimovič.[10]

Nas oitavas, novamente o sonho acabou perto do final da partida, embora ainda no tempo normal. O adversário era a Alemanha, que venceu com um gol de Oliver Neuville aos 43 minutos do segundo tempo. Chilavert jogou pela última vez pelo Paraguai no ano seguinte, manifestando vontade de um dia treinar a seleção.[10]

Gols[editar | editar código-fonte]

  • Total de gols marcados: 62
  • Gols de pênalti: 45
  • Gols de falta: 15
  • Bola rolando: 2

Lista de gols[editar | editar código-fonte]

Data Competição Local   Placar Adversário Tipo
1 27 de Agosto de 1989 Eliminatórias da Copa do Mundo Asunción, Paraguai Paraguai Paraguai 2 – 1 Colômbia Colômbia Pênalti (1)
2 28 de Janeiro de 1990 Campeonato Espanhol Zaragoza, Espanha Espanha Real Zaragoza 2 – 1 Espanha Real Sociedad Pênalti (1)
3 15 de Junho de 1993 Campeonato Argentino La Plata, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 1 – 1 Argentina Estudiantes Pênalti (1)
4 15 de Agosto de 1993 Eliminatórias da Copa do Mundo Asunción, Paraguai Paraguai Paraguai 2 – 1 Peru Peru Pênalti (1)
5 2 de Outubro de 1994 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 1 – 0 Argentina Deportivo Español Falta (1)
6 22 de Março de 1996 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 3 – 2 Argentina River Plate Falta (1)
7 26 de Maio de 1996 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 5 – 1 Argentina Lanús Pênalti (1)
8/9 16 de Junho de 1996 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 5 – 1 Argentina Boca Juniors Pênalti (1), Falta (1)
10 1º de Setembro de 1996 Eliminatórias da Copa do Mundo Buenos Aires, Argentina Paraguai Paraguai 1 – 1 Argentina Argentina Pênalti (1)
11 22 de Setembro de 1996 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 2 – 0 Argentina Unión de Santa Fe Pênalti (1)
12 28 de Setembro de 1996 Campeonato Argentino Banfield, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 3 – 1 Argentina Banfield Pênalti (1)
13 16 de Outubro de 1996 Supercopa Libertadores Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 3 – 0 Paraguai Olimpia Falta (1)
14 30 de Outubro de 1996 Supercopa Libertadores Uberlândia, Brasil Argentina Vélez Sarsfield 2 – 1 Brasil Santos Pênalti (1)
15 20 de Novembro de 1996 Supercopa Libertadores Belo Horizonte, Brasil Argentina Vélez Sarsfield 1 – 0 Brasil Cruzeiro Pênalti (1)
16 23 de Fevereiro de 1997 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 1 – 1 Argentina Newell's Old Boys Pênalti (1)
17 5 de Março de 1997 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 1 – 0 Argentina Independiente Pênalti (1)
18 18 de Março de 1997 Copa Libertadores Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 3 – 0 Equador El Nacional Pênalti (1)
19 13 de Abril de 1997 Recopa Sul-Americana Kobe, Japão Argentina Vélez Sarsfield 1 – 1 (p. 4-2) Argentina River Plate Pênalti (1)
20 20 de Abril de 1997 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 2 – 1 Argentina Boca Juniors Pênalti (1)
21 29 de Maio de 1997 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 2 – 1 Argentina Deportivo Español Falta (1)
22 17 de Junho de 1997 Copa América Cochabamba, Bolívia Paraguai Paraguai 1 – 1 Argentina Argentina Pênalti (1)
23 24 de Agosto de 1997 Campeonato Argentino Avellaneda, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 1 – 1 Argentina Racing Club Pênalti (1)
24 19 de Setembro de 1997 Campeonato Argentino Vicente López, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 1 – 0 Argentina Platense Pênalti (1)
25 23 de Setembro de 1997 Supercopa Libertadores Florianópolis, Brasil Argentina Vélez Sarsfield 1 – 0 Brasil Flamengo Pênalti (1)
26 28 de Setembro de 1997 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 5 – 0 Argentina Newell's Old Boys Pênalti (1)
27 23 de Outubro de 1997 Supercopa Libertadores Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 3 – 3 Brasil São Paulo Pênalti (1)
28 2 de Novembro de 1997 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 2 – 1 Argentina Gimnasia y Esgrima de Jujuy Pênalti (1)
29 23 de Novembro de 1997 Campeonato Argentino Lanús, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 3 – 4 Argentina Lanús Pênalti (1)
30 30 de Novembro de 1997 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 5 – 1 Argentina Rosario Central Pênalti (1)
31 28 de Fevereiro de 1998 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 3 – 2 Argentina Boca Juniors Pênalti (1)
32 14 de Abril de 1998 Campeonato Argentino Jujuy, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 2 – 0 Argentina Gimnasia y Esgrima de Jujuy Falta (1)
33 19 de Abril de 1998 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 6 – 1 Argentina Colón de Santa Fe Bola rolando (1)
34 2 de Maio de 1998 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 2 – 2 Argentina Lanús Pênalti (1)
35 28 de Agosto de 1998 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 3 – 0 Argentina Talleres de Córdoba Pênalti (1)
36 3 de Setembro de 1998 Copa Mercosul Asunción, Paraguai Argentina Vélez Sarsfield 2 – 2 Paraguai Cerro Porteño Pênalti (1)
37/38 27 de Setembro de 1998 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 2 – 2 Argentina Unión de Santa Fe Pênalti (1), Bola rolando (1)
39 4 de Abril de 1999 Campeonato Argentino Avellaneda, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 2 – 0 Argentina Independiente Pênalti (1)
40 21 de Abril de 1999 Copa Libertadores Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 4 – 0 Peru Universitario de Deportes Falta (1)
41 12 de Setembro de 1999 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 2 – 0 Argentina Argentinos Juniors Falta (1)
42 31 de Outubro de 1999 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 1 – 1 Argentina Gimnasia y Esgrima La Plata Pênalti (1)
43 19 de Novembro de 1999 Campeonato Argentino San Martín, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 2 – 2 Argentina Chacarita Juniors Falta (1)
44/45/46 28 de Novembro de 1999 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 6 – 1 Argentina Ferro Carril Pênalti (3)
47 26 de Fevereiro de 2000 Campeonato Argentino Córdoba, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 3 – 1 Argentina Belgrano Falta (1)
48 24 de Junho de 2000 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 1 – 0 Argentina Ferro Carril Pênalti (1)
49 1º de Agosto de 2000 Copa Mercosul Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 1 – 2 Argentina River Plate Pênalti (1)
50 25 de Agosto de 2000 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 1 – 1 Argentina Cólon Pênalti (1)
51 29 de Agosto de 2000 Copa Mercosul Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 3 – 1 Chile Universidad de Chile Pênalti (1)
52 20 de Setembro de 2000 Copa Mercosul Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 1 – 1 Argentina River Plate Falta (1)
53 24 de Setembro de 2000 Campeonato Argentino Buenos Aires, Argentina Argentina Vélez Sarsfield 3 – 1 Argentina Los Andes Pênalti (1)
54 7 de Outubro de 2000 Eliminatórias da Copa do Mundo Bogotá, Colômbia Paraguai Paraguai 2 – 0 Colômbia Colômbia Falta (1)
55 15 de Novembro de 2000 Eliminatórias da Copa do Mundo Asunción, Paraguai Paraguai Paraguai 5 – 1 Peru Peru Pênalti (1)
56 20 de Abril de 2001 Copa da França Strasbourg, França França RC de Strasbourg 4 – 1 França Nantes Pênalti (1)
57 5 de Setembro de 2001 Eliminatórias da Copa do Mundo Asunción, Paraguai Paraguai Paraguai 5 – 1 Bolívia Bolívia Falta (1)
58 7 de Outubro de 2001 Eliminatórias da Copa do Mundo Asunción, Paraguai Paraguai Paraguai 2 – 2 Argentina Argentina Pênalti (1)
59 29 de Setembro de 2003 Campeonato Uruguaio Montevidéu, Uruguai Uruguai Peñarol 2 – 0 Uruguai Villa Española Pênalti (1)
60 11 de Outubro de 2003 Campeonato Uruguaio Montevidéu, Uruguai Uruguai Peñarol 3 – 1 Uruguai Central Español Pênalti (1)
61 1º de Novembro de 2003 Campeonato Uruguaio Montevidéu, Uruguai Uruguai Peñarol 1 – 1 Uruguai Fénix Falta (1)
62 23 de Novembro de 2003 Campeonato Uruguaio Montevidéu, Uruguai Uruguai Peñarol 5 – 2 Uruguai Deportivo Colonia Falta (1)

Títulos[editar | editar código-fonte]

Flag of Paraguay.svg Guaraní

Argentina Vélez Sarsfield

França Racing de Strasbourg

Flag of Uruguay.svg Peñarol

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j Maluco beleza (novembro de 1999). Placar - Especial Os Craques do Século. Editora Abril, p. 109
  2. "RIBEIRO, Flávia (julho de 2008). O pavio é curto....Placar nº 1320. Editora Abril, p. 41
  3. ARRUDA, Marcelo Leme de (25/03/2011). World Cup Trivia - Fathers, Sons and Brothers, Uncles and Nephews. RSSSF. Página visitada em 25/08/2011.
  4. a b c d FUENTES, Fernando (2007). José Luis Chilavert. San Lorenzo: el diccionario azulgrana. 1 ed. Buenos Aires, p. 48
  5. a b c d e f g h i j SANTOS, Luís Felipe dos (01/10/2010). O buldogue, o coringa, o mito. Impedimento. Página visitada em 11/03/2011.
  6. BARJA, Alberto (04/07/2011). Liguilla Prelibertadores de 1986.. Museo de San Lorenzo. Página visitada em 25/08/2011.
  7. BARJA, Alberto (04/07/2011). Liguilla Prelibertadores de 1988.. Museo de San Lorenzo. Página visitada em 25/08/2011.
  8. STOKKERMANS, Karel (16/06/2011). Uruguay - List of Champions. RSSSF. Página visitada em 25/08/2011.
  9. a b c As estrelas que brilharam (julho de 1998). Placar n° 1141. Editora Abril, pp. 58-60
  10. a b c d Beijo do gordo (julho de 2002). Placar nº 1231. Editora Abril, p. 73

Ligações externas[editar | editar código-fonte]