Pepino, o Breve

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pepino
Rei dos Francos
Reinado 752 a 768
Predecessor Childerico III
Sucessor Carlos Magno e Carlomano I
Esposa Berta de Laon
Descendência
Carlos Magno
Carlomano I
Gisela
Pepino
Berta
Rotaida
Adelaide
Pai Carlos Martel
Mãe Rotrude de Trèves
Nascimento 715
Morte 768 (54 anos)
Enterro Basílica de Saint-Denis

Pepino III, também conhecido como Pepino, o Breve ou Pepino, o Moço (Jupille-sur-Meuse, ca. 714Saint-Denis, 24 de Setembro de 768) foi o rei dos francos de 751 a 768, mais conhecido por ter sido o pai de Carlos Magno e filho de Carlos Martel.[1]

Nasceu ca. 714 em Jupille, próximo a Liège, no que hoje é a Bélgica, onde a dinastia carolíngia se originou. Aquele território era então parte do reino da Austrásia. O seu pai foi Carlos Martel, prefeito do palácio e duque dos francos, e a sua mãe foi Rotrude de Trèves.[1]

Ele é prefeito do palácio de 741-751 e depois rei dos francos de 751-768. Este é o primeiro monarca da dinastia carolíngia.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ele é o filho mais novo de Carlos Martel e Rotruda.[1]

O seu apelido, apareceu tarde na historiografia, e é devido ao seu pequeno tamanho, "breve" significa "Curto" na época.[2]

Prefeito do Palácio com Carlomano[editar | editar código-fonte]

A distribuição dos bens de Carlos Martel[editar | editar código-fonte]

Neste período de declínio da dinastia merovíngia, os reis legítimos não têm mais autoridade: os verdadeiros líderes do Estado são os prefeitos do palácio, especialmente quando se trata de homens enérgicos, como Charles Martel.[1]

Dinastia carolíngia
Pipinida
Arnulfida
Carolíngia
Após o Tratado de Verdun (843)

Com a morte de Carlos Martel, em 741, o poder foi transmitido aos seus dois filhos legítimos. O mais velho Carlomano, tornou-se prefeito do palácio da Austrásia e obtém a Alemania e a Turíngia,  Pepino, tornou-se prefeito do palácio da Nêustria e mantém a Provença e a Borgonha.O poder poderia também ter sido destinado ao filho ilegítimo de Martel, Grifo, mas ele foi aprisionado num monastério por seus dois meio-irmãos. Em 742, os dois irmãos redifinem na Antiga Poitiers as suas parte e desafiam os limites tradicionais dos reinos francos. [3]

Pepino e Carlomano lutam antes de tudo para trazer estabilidade às margens do reino. Eles enfrentam tendências de autonomia, se não mesmo a independência dos Aquitanos aliados aos Vascões, bávaros e alamanos. O duque de Baviera, Odilão, havia se casado com sua irmã Hiltruda, apesar da sua oposição e era aliado do duque de Aquitânia Hunaldo I. Odilão, apesar da ajuda dos saxões, foi derrotado no Lech em 743. Carlomano rouba-lhe o Nordgau, mas não o priva do seu ducado. O irlandês Virgílio, nomeado bispo de Salzburgo, é responsável por monitorizar os bávaros. Por sua parte, Hunaldo I, derrotado em 742 e 745, deve abandonar o seu ducado da Aquitânia e da Vasconia e retira-se na Ilha de Ré. Ele foi substituído pelo seu filho Waifré, que ainda dará um tempo duro a Pepino. A leste, a aristocracia dos Alamanos foi massacrada em Cannstatt no Neckar em 746. O seu ducado é desmembrado e seu território confiado a dois condes francos, Warin e Rutardo.[1]

Apoio à reforma da Igreja[editar | editar código-fonte]

Começam então a reforma da Igreja, com a ajuda do bispo Bonifácio de Mayence[4] ; este último estimava com efeito que o clero se tinha tornado incapaz e dissoluto:

"Aconteceu de eu encontrar entre as pessoas que eles chamam diáconos indivíduos imersos em libertinagem, adultério e todos os tipos de lixo, desde a adolescência, e que atingiu o diaconato, e que, uma vez diáconos, têm quatro, cinco ou mais concubinas em suas camas à noite [...][5] "

Os concílios, assembleias do clero em que as decisões tomadas eram de ordem disciplinar ou teológica, não foram atingidas por um longo tempo. Por outro lado, a Igreja franca afirma ter sido roubada por Carlos Martel.[1]

Os concílios são organizados nos primeiros anos:

  • a primeira, a pedido de Carlomano, em abril de 743, chamada de Concílio germânico, tem lugar na Austrásia num lugar não determinado[6] ;
  • a segunda por Pepino, em março de 744 em Soissons[7] na Nêustria, onde são definidas as decisões tomadas no Conselho de Austrasia.

Esta reforma cria uma nova hierarquia dentro do clero franco, à cabeça dos quais encontramos Bonifácio (680-754), o evangelizador da Germânia, como líder dos vários bispos distribuídos em diferentes cidades do reino. OS Sacerdotes indignos foram depostos. Pepino decidiu restituir a terra tomada por seu pai de forma precária, a pedido do rei segundo a  precaria verbo regis.[8]

Além disso, Pepino apoia as tentativas de São Bonifácio para evangelizar os alemães do outro lado do Reno, principalmente na esperança de que a conversão dos francos reino vizinhos turbulentos permita pacificar as fronteiras e preparar uma futura anexação . Como parte deste apoio, a Sé de Mainz é erguida na metrópole da nova Igreja alemã, que está bem ligado desde o nascimento à igreja franca. [9]

A crise de 743[editar | editar código-fonte]

Em 743, Pepino e Carlomano libertam o merovíngio Childerico III do mosteiro onde ele tinha sido preso por Carlos Martel, e permitem-lhe ocupar o trono que seu pai havia deposto. O seu retorno é motivado pela coligação Grifo, o duque Odilo da Baviera, o duque da Aquitânia Hunaldo I e da Alemania, Teodebaldo[1]. O último reagiu mal à eliminação política de Grifo (meio-irmão de Pepino e Carlomano) e questiona a legitimidade dos Pipinidios. Depois de várias campanhas militares e a restauração de Childerico III, Pepino e Carlomano encontram uma maneira de acalmá-los por um tempo.[1]

Em 744, Pepino esposa Berta de Laon, filha de Cariberto, conde de Laon. Ela dá-lhe vários herdeiros, um dos quais é futuro imperador Carlos Magno.[1]

O despejo do último merovíngio[editar | editar código-fonte]

Carlomano, que por todas as evidências foi um homem profundamente religioso, retirou-se para um monastério em 747. Isto deixou a Frância nas mãos de Pepino como prefeito do palácio único e dux et princeps Francorum, título criado por seu avô e homônimo Pepino de Herstal.

Com a reorganização da Frância feita por Carlos Martel, o dux et princeps Francorum era o comandante dos exércitos do reino, além das suas responsabilidades administrativas como prefeito do palácio, e especificamente comandante da guarda permanente que Martel começou a manter por todo o ano desde Toulouse em 721.

Assumindo o poder, Pepino e Carlomano, que não haviam sido testados em batalha na defesa de seus domínios como seu pai, instalaram o merovíngio Childerico III como rei, embora Martel tivesse deixado o trono vago desde a morte de Teodorico IV. Childerico tinha o título de rei, mas era na realidade um fantoche. Com o passar do tempo, e com seu irmão saindo de cena, Pepino se incomodou com a presença de qualquer poder real que não fosse o seu, ganhando renome por ser duro e extremamente rígido.

Na época da retirada de Carlomano, Grifo escapou da prisão e fugiu, buscando o apoio do duque Odilo da Bavária, que era cunhado de Pepino, casado com sua irmã Chiltrude. Odilo foi forçado por Pepino a reconhecer a soberania franca, mas morreu em seguida (18 de Janeiro de 748). Pepino então invadiu a Baviera e instalou Tassilo

Visto que Pepino tinha o controle sobre a nobreza e na verdade detinha o poder do rei, ele decidiu que era o momento de fazer o que seu pai nunca se incomodou em fazer: tornar a autoridade carolíngia real tanto de fato como de direito. Pepino perguntou ao papa Zacarias quem deveria ser o governante real: aquele que possuísse o título de rei, ou a pessoa que tomasse as decisões como rei. Posto que o papa dependia dos exércitos francos para sua independência, e havia dependido deles para se proteger dos lombardos desde os dias de Carlos Martel, e Pepino, assim como seu pai, controlava esses exércitos, a resposta do papa estava determinada antecipadamente.

O papa concordou que o poder de facto era mais importante que o poder de jure. Assim, Pepino, tendo obtido o apoio do papado, rechaçou qualquer oposição à sua casa. Ele foi eleito rei dos francos por uma assembleia de líderes francos (deve ser observado que ele tinha a maior parte do seu exército nas mãos, no evento em que a nobreza tendia a não aceitar a bula papal) e foi coroado em Soissons, talvez por Bonifácio, arcebispo de Mainz[desambiguação necessária], que, junto com sua sobrinha, Santa Leuba, era um dos conselheiros da corte. Enquanto isso, Grifo continuou sua rebelião, mas foi finalmente morto na batalha de Saint-Jean-de-Maurienne em 753.

Childerico III foi deposto, seus cabelos foram cortados e ele foi confinado em um monastério. Ele foi o último rei merovíngio.

Rei dos Francos[editar | editar código-fonte]

A Coroação de 751[editar | editar código-fonte]

Mas se Pepino ganha o título de rei dos francos pelo seu poder, ele não tem a legitimidade e esta ruptura da dinastia merovíngia chama outro para substituir a sucessão natural de pai para filho. Esta continuidade é assegurada pela coroação real, a continuidade da unção simboliza o batismo de Clovis I, primeiro rei do franco merovíngio, e a aliança especial entre a Igreja e o rei dos francos. Lá, em novembro de 751, em Soissons, após a eleição de Pepino pelos Francos reunidos, os bispos da Gália consagram-no em nome da Santa Igreja Católica, dando-lhe a santa unção, marcam a sus fronte com o santo óleo, o Crisma, para lhe transmitir o Espírito Santo - como já se fazia numa cerimónia entre os reis visigodos de Toledo ou como a unção dos reis de Israel na Biblia. a ele," de acordo com o dogma católico, em nome da Igreja, e sob a orientação do Papa. Mas a legitimidade de um custo político, o de lealdade à Igreja, ea quem o dirige, o Papa Zacarias, que em Roma, dá o seu parecer favorável à mudança de dinastia.

O apoio ao papado e a luta contra os Lombardos[editar | editar código-fonte]

As consequências das querelas dasimagens que continua com o imperador oriental Constantino V, empurram o papado para se aliar com o rei dos francos. O novo Papa Estêvão II - sucessor de Zacarias que morreu em 752 - vem em pessoa pedir ajuda militar a Pepino contra os lombardos e o seu rei Astolfo que ameaçam Roma. Em 753 Pepino envia Crodegango de Metz para dirigir no reino dos Francos o Papa Estevão II. O Papa Estevão resolve atravessar os Alpes para pedir socorro ao rei dos francos (esta é a primeira vez que um papa realiza tal viagem), porque ele não tem outra escolha. O protetor habitual da Igreja, o imperador bizantino, que reinou em Constantinopla no Império Romano do Oriente, está em má forma, e afirma não ser capaz de resgatar o papa. O papa fica tão satisfeito com os serviços Crodegango que lhe concede o pálio e o título de arcebispo.[1]

A 6 de janeiro de 754, no Palácio de Ponthion, no sul de Champagne, o rei Pepino vem ao encontro do Papa Estevão II e com respeito, toma as rédeas de seu cavalo, reproduzindo o gesto amável de fidelidade do Imperador Constantino, o Grande ao Papa Silvestre I. Após este ato político inteligente, Estevão II oferece a Pepino uma aliança confirmada por uma segunda coroação, feita por ele mesmo, a graça divina sobre o rei dos francos e sobre seu filho. O acordo final faz-se a 14 de abril, o dia da Pascoa[10] em Quierzy nas margens do Rio Oise, entre Chauny e Noyon. O Papa oferece apoio espiritual a Pepino, e este compromete-se a oferecer à Santa Sé, uma grande área para o abrigo de um ataque.

Um tratado foi assinado, criando os Estados Pontifícios. Ele inclui uma doação ao papa e uma contrapartida. A doação, conhecida como doação Quierzy atribuindo ao Papa o Exarcado de Ravenna, a Córsega, a Sardenha e a Sicília. Mas o Exarcado de Ravenna pertencia ao Império Romano do Oriente antes da invasão dos lombardos, e a reconquista por Pepino, o Breve. Não será reconhecido pelo imperador do Oriente, e vai criar um conflito com Constantinopla. Em troca, o Papa reconhece a dinastia carolíngia e aprova o encerramento num convento, imposto ao último rei merovíngio Childerico III. Esta doação foi confirmada em 774, em Roma, por Carlos Magno, filho de Pepino.[1]

A Coroação de 754 e a criação dos Estados Pontifícios[editar | editar código-fonte]

Ele aumentou o seu poder depois que o papa Estêvão III viajou até Paris para ungir Pepino numa cerimônia na Basílica de Saint-Denis, concedendo-lhe o título adicional de patricius Romanorum (patrício dos romanos). Como a expectativa de vida era curta naqueles dias, e Pepino desejava a continuidade da família, o papa também ungiu os seus filhos, Carlos (depois conhecido como Carlos Magno) e Carlomano. A sua mãe, Berta de Laon, recebeu a bênção do pontífice. O Papa, por este ato, faz uma ligação forte, mas contínua entre a unção dos reis do Antigo Testamento, e os reis da nova dinastia. A coroação marca oficialmente o fim da dinastia merovíngia, e o advento da dinastia carolíngia no poder.

A confirmação da soberania de Pepino sobre os francos e conferindo-lhe ele mesmo a unção, o Papa também se distancia do imperador, que reina em Bizâncio. A Santa Sé tem a sua segurança nas mãos dos Francos. Este é o início de uma longa colaboração, muitas vezes tempestuosa, com os carolíngios e os seus herdeiros distantes do Sacro Império Romano Germânico. Outra consequência desta coroação é que a legitimidade do rei franco passa a ser divina agora, já não depende exclusivamente dos senhores francos, os eleitores do seu rei. Pepino considera-se doravante rei pela vontade de Deus e o princípio deste reinado de direito divino vai durar em França continuamente por 1.100 anos.[1]

A primeira grande ação de Pepino foi entrar em guerra contra o rei lombardo Astulfo, que tinha uma política de expansão para o interior do ducatus Romanum, como uma recompensa parcial pela ajuda papal na sua obtenção da coroa. Vitorioso, ele forçou os rei lombardo a devolver as propriedades tomadas da Igreja e confirmou as possessões papais de Ravena e Pentápolis, a chamada Doação de Pepino, segundo a qual os Estados Pontifícios foram fundados. Em 759, ele expulsou os últimos sarracenos da Gália, com a captura de Narbona e então consolidou mais ainda seu poder com a reintegração da Aquitânia ao reino. Com a conquista de Narbona, e com a formal anexação da Aquitânia (cujo estatuto dependia sempre da força de seus suseranos), ele completou o trabalho de seu pai exceto por uma última tarefa: a submissão completa dos saxões. Ele estava se preparando para a guerra contra eles quando sua saúde começou a decair, e assim, essa tarefa final foi deixada para seu filho, o grande Carlos Magno.

Legado[editar | editar código-fonte]

Pepino morreu em Saint Denis em 768 e foi sepultado na basílica local com sua esposa Berta. Opiniões históricas parecem frequentemente considerá-lo menos importante que seu pai e seu filho, dois grandes homens, apesar de ter sido um grande homem por seus próprios méritos. Ele continuou o trabalho de formação da cavalaria pesada que seu pai havia começado. Ele manteve o exército permanente que seu pai achava necessário para proteger o reino e que formou o , a principal arma de seus exércitos nos tempos de guerra. Ele não apenas manteve a política de seu pai de contenção dos mouros, como os expulsou para além dos Pirenéus com a conquista de Narbona. Ele deu continuidade à expansão iniciada por seu pai da igreja franca (missionários trabalharam na Alemanha e na Escandinávia) assim como à infra-estrutura (feudalismo) que se tornaria a espinha dorsal da Europa medieval. Seu governo, mesmo não sendo tão grandioso quanto os de seu pai e seu filho, foi historicamente importante e muito benéfico para os francos como um povo. Pode-se obviamente argumentar que a ascensão de Pepino à coroa, assim como seu título de patrício de Roma, foram precursores da coroação imperial de seu filho que é habitualmente vista como sendo a fundação do Sacro Império Romano-Germânico. Ele certamente fez dos carolíngios de jure o que seu pai havia feito de facto - a dinastia governante dos francos e o poder principal da Europa. Mesmo não sendo conhecido como um grande general, ele jamais foi derrotado em batalha.

Pais[editar | editar código-fonte]

Carlos Martel (◊ c. 688 † 741)

Rotrude de Trèves (◊ c. 695 † 724)

Casamentos e filhos[11] [editar | editar código-fonte]

  • com Berta de Laon (◊ c. 720 † 783), cujo pai, Cariberto, era filho de Norberto da Aquitânia e Bertha da Nêustria ou de Prüm, filha de Teodorico III; seu bisavô era Hugoberto.
  1. Carlos Magno (◊ 747 † 814),  rei dos Francos (768), rei dos Lombardos (774), imperador do Ocidente (800).
  2. Carlomano I (◊ c. 751 † 771)
  3. Gisela (◊ 757 † 811)
  4. ♂ Pepino (◊ 756 † 762)
  5. Berta
  6. Rotaida
  7. Isbergues
  8. Adelaide

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l https://fr.wikipedia.org/wiki/P%C3%A9pin_le_Bref#La_crise_de_743
  2. Pépin dit « le Bref » : considérations sur son surnom et sa légende [archive]
  3. Georges Bordonove Charlemagne, empereur et roi [archive], 1989), p. 26.
  4. Anne-Orange Poilpré Maiestas Domini [archive], 2005, p. 170
  5. G. Bührer-Thierry, L'Europe carolingienne (714-888), 1999, p. 19
  6. Stéphane Lebecq, professeur d'histoire médiévale à l'université de Lille-III, cf. Les Origines franques Ve-IXe siècle [archive], 1990,p. 211
  7. Revue de l'Université d'Ottawa [archive], 1955, p. 199
  8. Article « précaire » dans C. Gauvard, A. de Libera, M. Zink (dir.), Dictionnaire du Moyen Âge, p.1136
  9. H. Pirenne, Histoire de l'Europe. Des invasions au xvie siècle, Paris-Bruxelles, 1939, p. 43
  10. Michel Grenon Conflits sud-italiens et royaume normand (1016-1198) [archive], Éditions L'Harmattan, 2008, p. 85
  11. Christian Settipani, , éd. Patrick van Kerrebrouck,‎ 1993 (ISBN 2-9501509-3-4),p. 185-7.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Carlomano
Prefeito do palácio da Austrásia
741 - 751
Sucedido por
Título deixa de existir
Precedido por
Carlos Martel
Prefeito do palácio da Nêustria
747 - 751
Sucedido por
Título deixa de existir
Precedido por
Childerico III
Rei dos francos
751 - 768
Sucedido por
Carlos Magno e Carlomano I