Taharka

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Agosto de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Taharka realiza oferendas de vinho ao deus Hemen

Taharka foi um faraó da XXV dinastia que reinou entre 690 e 664 a.C.. De origem núbia ou cuchita, sucedeu ao seu irmão Chabataka. Mencionado em Isaías como Tiraca, rei da Etiópia.1 2

Ele foi o terceiro faraó etíope, e sua mãe era negra.1

Coroado em Mênfis, cidade que também funcionaria como a sua sede de governo, o seu reinado é o mais esplêndido de todos os reinados cuchitas no Egipto. Após um período de secas, no ano 6 do seu reinado o Egipto conheceu uma cheia que gerou grandes colheitas agrícolas, muito celebrada na época em inscrições realizadas em Coptos, Tânis e Kaua. Nestas inscrições pode ler-se como o evento das cheias foi interpretado como uma intervenção divina de Amon-Ré, que o teria escolhido como rei.

Apoiou rebeliões na região da Palestina com o objectivo de debilitar o poder dos Assírios, que tinham penetrado na região. Ele se aliou a Luli, rei de Tiro, e a Ezequias, rei de Judá.1 Em 673 a.C. Taharka e os seus aliados alcançam ali uma vitória, que se traduz na expulsão dos Assírios. Em 671 a.C.,[carece de fontes?], o rei assírio Assaradão invade o Egipto dividindo-o entre cerca de vinte príncipes, o chefe dos quais era o meio-líbio Necho de Sais.1 Alguns príncipes do Baixo Egipto aproveitam o acontecimento para se revoltar, outros continuaram a apoiar Taharka, que conseguiria reconquistar brevemente o Baixo Egipto em 669. Assaradão enviou uma força para lutar contra Taharka, mas morreu no caminho.1 Alguns anos mais tarde, ele foi derrotado, em Mênfis, por Assurbanípal.1 Necho de Sais, que havia conspirado com Taharka, foi perdoado, e se tornou o governador do Egito, reduzido a uma província assíria.1 Taharka parte então para Napata, onde morre em 663 a.C.. Seu sucessor na Etiópia foi Tanutamon, que pretendeu recuperar o Egito.1

Ordenou um vasto programa de construções na Núbia, em Napata, Guebel Barkal, Meroé, Semna, entre outros locais. No templo de Amon em Karnak destaca-se uma alta colunata mandada por si edificar. Perto do templo de Amon, Taharka patrocinou a construção de várias capelas para Osíris, dedicadas ao deus pelo rei e pela adoradora divina de Amon, Chepenuepet II.

Foi sepultado num túmulo que apresenta uma forma piramidal, situado em Nuri, a norte de Napata, onde foram encontradas mais de 10 000 estatuetas funerárias.

Titulatura[editar | editar código-fonte]

Nome de Nesut-bity
Hieroglifo
G39 N5
 
<
N17
O4
E23
N29
>
Transliteração Tȝhrqȝ
Transliteração (ASCII) tAhrkA
Transcrição Taharka
Tradução Taharka
Nome de Sa-Rá
Hieroglifo
nswt&bity
<
N5 F35 X1
U15
Aa1 G43
>
Transliteração Ḫw-Nfr-tm Rˁ
Transliteração (ASCII) khw-nfr-tm ra
Transcrição Khwnefertemrá (ou Nefertemkhwrá)
Tradução "Nefertum, o protetor de Rá."

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MYSLIWIEC, Karol - The Twilight of Ancient Egypt. Cornell University Press, 2000. ISBN 0801486300


Precedido por
Shabataka
Faraó
XXV dinastia
Sucedido por
Tanutamon

Referências

  1. a b c d e f g h Donald Alexander Mackenzie, Egyptian Myth and Legend, Chapter XXVIII, Egypt and the Hebrew Monarch [em linha]
  2. Isaías 37:9
Ícone de esboço Este artigo sobre um Faraó é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.