Taharka

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Agosto de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Taharka realiza oferendas de vinho ao deus Hemen

Taharka foi um faraó da XXV dinastia egípcia que reinou entre 690 a.C. e 664 a.C.. De origem núbia ou cuchita, sucedeu ao seu irmão Chabataka. É mencionado em Isaías como Tiraca, rei da Etiópia.[1] [2]

Ele foi o terceiro faraó etíope, e sua mãe era negra.[1]

Coroado em Mênfis, cidade que também funcionaria como a sua sede de governo, o seu reinado é o mais esplêndido de todos os reinados cuchitas no Egipto. Após um período de secas, no ano 6 do seu reinado o Egipto conheceu uma cheia que gerou grandes colheitas agrícolas, muito celebrada na época em inscrições realizadas em Coptos, Tânis e Kaua. Nestas inscrições pode ler-se como o evento das cheias foi interpretado como uma intervenção divina de Amon-Ré, que o teria escolhido como rei.

Apoiou rebeliões na região da Palestina com o objectivo de debilitar o poder dos Assírios, que tinham penetrado na região. Ele se aliou a Luli, rei de Tiro, e a Ezequias, rei de Judá.[1] Em 673 a.C. Taharka e os seus aliados alcançam ali uma vitória, que se traduz na expulsão dos Assírios. Em 671 a.C.,[carece de fontes?], o rei assírio Assaradão invade o Egipto dividindo-o entre cerca de vinte príncipes, o chefe dos quais era o meio-líbio Necho de Sais.[1] Alguns príncipes do Baixo Egipto aproveitam o acontecimento para se revoltar, outros continuaram a apoiar Taharka, que conseguiria reconquistar brevemente o Baixo Egipto em 669. Assaradão enviou uma força para lutar contra Taharka, mas morreu no caminho.[1] Alguns anos mais tarde, ele foi derrotado, em Mênfis, por Assurbanípal.[1] Necho de Sais, que havia conspirado com Taharka, foi perdoado, e se tornou o governador do Egito, reduzido a uma província assíria.[1] Taharka parte então para Napata, onde morre em 663 a.C.. Seu sucessor na Etiópia foi Tanutamon, que pretendeu recuperar o Egito.[1]

Ordenou um vasto programa de construções na Núbia, em Napata, Guebel Barkal, Meroé, Semna, entre outros locais. No templo de Amon em Karnak destaca-se uma alta colunata mandada por si edificar. Perto do templo de Amon, Taharka patrocinou a construção de várias capelas para Osíris, dedicadas ao deus pelo rei e pela adoradora divina de Amon, Chepenuepet II.

Foi sepultado num túmulo que apresenta uma forma piramidal, situado em Nuri, a norte de Napata, onde foram encontradas mais de 10 000 estatuetas funerárias.

Titulatura[editar | editar código-fonte]

Nome de Nesut-bity
Hieroglifo
G39 N5
 
<
N17
O4
E23
N29
>
Transliteração Tȝhrqȝ
Transliteração (ASCII) tAhrkA
Transcrição Taharka
Tradução Taharka
Nome de Sa-Rá
Hieroglifo
nswt&bity
<
N5 F35 X1
U15
Aa1 G43
>
Transliteração Ḫw-Nfr-tm Rˁ
Transliteração (ASCII) khw-nfr-tm ra
Transcrição Khwnefertemrá (ou Nefertemkhwrá)
Tradução "Nefertum, o protetor de Rá."

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MYSLIWIEC, Karol - The Twilight of Ancient Egypt. Cornell University Press, 2000. ISBN 0801486300


Precedido por
Shabataka
Faraó
XXV dinastia
Sucedido por
Tanutamon

Referências

  1. a b c d e f g h Donald Alexander Mackenzie, Egyptian Myth and Legend, Chapter XXVIII, Egypt and the Hebrew Monarch [em linha]
  2. Isaías 37:9
Ícone de esboço Este artigo sobre um Faraó é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.