Adderall

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre sobre uma associação medicamentosa de sais de anfentamina. Para informações gerais, veja anfetamina.
Anfetamina/dextroanfetamina
em forma de sais (1:1)[nota 1]
Alerta sobre risco à saúde
Racemic amphetamine 2.svg
D-Amphetamine-3D-balls.png
Outros nomes Adderall, Adderall XR, Mydayis
Identificadores
Número CAS 300-62-9
PubChem 3007
DrugBank DB00182
ChemSpider 13852819
ChEBI 2679
Código ATC N06BA02
Farmacologia
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

Adderall[1] e Mydayis[3] são nomes comerciais[nota 2] de uma associação medicamentosa composta por quatro sais de anfetamina. Essa associação é formada por partes iguais de anfetamina e dextroanfetamina em suas formas racêmicas.[1] O medicamento final é composto por 75% de dextroanfetamina e por 25% de levanfetamina, que são dois enantiômeros da anfetamina. Esses enantiômeros agem como estimulantes, mas possuem um mecanismo de ação único, o que confere ao Adderall um perfil farmacológico distinto de outros medicamentos estimulantes, como os que são compostos apenas por anfetamina ou por dextroanfetamina em suas misturas racêmicas, que são comercializados, respectivamente, sob os nomes comerciais de Evekeo e Dexedrina/Zenzedi.[5] Adderall é utilizado no tratamento do transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e da narcolepsia. Ele também é utilizado como intensificador do desempenho atlético, intensificador cognitivo e inibidor de apetite. Adderall é um estimulante do sistema nervoso central (SNC) que pertence à classe das feniletilaminas.[3]

Geralmente, o Adderall é eficaz e bem tolerado no tratamento dos sintomas do TDAH e narcolepsia. Em doses terapêuticas, o Adderall induz efeitos emocionais e cognitivos, como euforia, alterações na libido, aumento no estado de vigília e aprimoramento do controle cognitivo.[6] Nessas doses, também induz efeitos físicos, como aceleração do tempo de reação, resistência à fadiga e aumento da força muscular. Por outro lado, doses elevadas de Adderall podem prejudicar o controle cognitivo, causar rápida degradação muscular ou induzir sintomas de psicose (por exemplo, delírios e paranoia).[7] Os efeitos colaterais do Adderall variam bastante entre os indivíduos, mas os mais comuns são insônia, boca seca e perda de apetite. O risco de desenvolvimento de toxicodependência é insignificante quando o Adderall é usado conforme prescrito e em doses terapêuticas, como as que são utilizadas para tratar TDAH.[8][9] No entanto, quando o Adderall é usado diariamente em doses elevadas, há um risco significativo de desenvolvimento de toxicodependência que se deve, particularmente, aos estímulos reforçadores e ao desenvolvimento de tolerância medicamentosa.[10][11] Ainda, o uso recreativo de anfetamina envolve, geralmente, dosagens significativamente maiores do que as doses terapêuticas, o que também aumenta a incidência de efeitos colaterais graves.[12][13][14][15]

Os dois enantiômeros de anfetamina que compõem o Adderall, levanfetamina e dextroanfetamina, aliviam os sintomas do TDAH e da narcolepsia porque aumentam a atividade dos neurotransmissores noradrenalina e dopamina no cérebro. Em parte, esse efeito é resultado das interações dos princípios ativos com o receptor 1 associado a aminas traço (TAAR1) e com o transportador vesicular de monoamina 2 (VMAT2) nos neurônios.[16][17][18][19] Em comparação com a levoanfetamina, a dextroanfetamina é um estimulante mais potente, mas a levoanfetamina possui efeitos cardiovasculares e periféricos ligeiramente mais fortes e uma meia-vida de eliminação mais longa, permanecendo no corpo por mais tempo do que a dextroanfetamina.[20] A anfetamina, princípio ativo do Adderall, compartilha muitas propriedades químicas e farmacológicas com as aminas traço, particularmente com a fenetilamina e com a N-Metilfenetilamina (NMPEA), um isômero posicional da anfetamina.[10][20][21][22] Em 2017, Adderall foi a 27ª medicação mais prescrita nos Estados Unidos, contabilizando mais de 24 milhões de prescrições médicas.[23][24]

Usos[editar | editar código-fonte]

Médico[editar | editar código-fonte]

Adderall é utilizado no tratamento do transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e da narcolepsia (um tipo de distúrbio do sono).[12][2] Em algumas espécies de animais, a administração de anfetaminas a longo prazo, especialmente em doses elevadas, pode causar transtornos neurológicos e anormalidades no sistema dopaminérgico do cérebro,[25][26] mas em humanos com TDAH, as anfetaminas farmacêuticas, quando utilizadas em dosagens terapêuticas e sob orientação médica, parecem melhorar o desenvolvimento cerebral e o desenvolvimento dos nervos.[27][28] Revisões de estudos de imagem por ressonância magnética sugerem que o tratamento a longo prazo com anfetaminas pode diminuir anormalidades na estrutura e função cerebral de indivíduos com TDAH, além de ampliar a função de algumas regiões do cérebro, como as do núcleo caudado direito e do gânglio basal.[27][28]

Revisões de ensaios clínicos sobre estimulantes estabeleceram a segurança e eficácia do uso contínuo de anfetaminas a longo prazo no tratamento do TDAH.[29][30] Ensaios clínicos controlados e randomizados de terapia contínua, com duração de dois anos, avaliaram que o uso terapêutico de estimulantes em indivíduos com TDAH demonstraram eficácia e segurança.[29] Duas revisões indicaram que a terapia com estimulantes contínua e de longo prazo, em indivíduos com TDAH, é eficaz na redução de seus principais sintomas (ou seja, hiperatividade, desatenção e impulsividade), consequentemente aumentando a qualidade de vida e produzindo melhorias em um grande número de funções desempenhadas pelo paciente, como em atividades escolares e acadêmicas, comportamento antissocial, condução de veículos, redução do consumo de drogas ilegais, tratamento de obesidade, melhoria na autoestima e outras funções sociais.[29][30] Uma revisão destacou um ensaio controlado e randomizado de nove meses sobre o tratamento com estimulantes em crianças com TDAH , que observou um aumento contínuo da atenção e diminuição do comportamento divergente e/ou hiperativo.[31] Outra revisão indicou que, com base nos ensaios clínicos de acompanhamento mais longos realizados até o momento, a terapia com estimulantes que se inicia ainda durante a infância é continuamente eficaz no controle dos sintomas do TDAH e na redução do risco de desenvolvimento de drogadicção quando adulto.[32]

Os modelos clínicos atuais sobre o TDAH sugerem que a patologia está associada a deficiências funcionais que afetam alguns dos sistemas de neurotransmissores do cérebro.[10] Por sua vez, essas deficiências funcionais estão ligadas tanto à neurotransmissão dopaminérgica debilitada na via mesolímbica, como também à neurotransmissão de noradrenalina nas projeções noradrenérgicas do cerúleo para o córtex pré-frontal.[10] Substâncias psicoestimulantes, como metilfenidato e anfetamina, são eficazes no tratamento do TDAH porque aumentam a atividade dos neurotransmissores nessas regiões do cérebro.[10][14][33] Melhorias nos sintomas do TDAH foram observadas em aproximadamente 80% dos pacientes tratados com estimulantes.[34] De modo geral, crianças com TDAH que são tratadas com medicamentos estimulantes são menos distraídas e impulsivas, apresentam melhores relacionamentos com colegas e familiares, possuem melhor desempenho na escola e uma maior capacidade de concentração.[35][36] Revisões sistemáticas, realizadas pela Colaboração Cochrane,[nota 3] sobre o tratamento com anfetaminas em crianças, adolescentes e adultos com TDAH concluíram que estudos de curto prazo demonstram que psicoestimulantes diminuem a gravidade dos sintomas, mas possuem taxas de descontinuação mais altas do que em tratamentos com medicamentos não estimulantes, devido aos efeitos colaterais.[38][39] Uma revisão da Cochrane sobre o tratamento de TDAH em crianças com transtornos de tiques, como a síndrome de Tourette, indicou que psicoestimulantes não costumam piorar os tiques, mas altas doses de dextroanfetamina podem exacerbar os tiques em alguns indivíduos.[40]

Formas disponíveis[editar | editar código-fonte]

Adderall está disponível em formas farmacêuticas de comprimidos de liberação imediata (IR), e em duas formulações diferentes de liberação estendida (XR).[12] Normalmente, as formulações de liberação estendida são tomadas durante a manhã.[41] Uma formulação de liberação estendida mais curta está disponível sob a marca Adderall XR, com efeito de aproximadamente 12 horas, e que foi projetada para fornecer um efeito terapêutico e concentrações plasmáticas semelhantes a tomar duas doses do medicamento, na forma de liberação imediata, com um intervalo de 4 horas entre as administrações.[42] Uma formulação de liberação estendida mais longa, com efeito que se estende por aproximadamente 16 horas, também está disponível.[42]

Potencializador de desempenho[editar | editar código-fonte]

Desempenho cognitivo[editar | editar código-fonte]

Uma revisão sistemática e uma metanálise de ensaios clínicos de alta qualidade descobriram que, quando utilizada em doses baixas e terapêuticas, a anfetamina produz melhorias modestas, mas clinicamente relevantes, no controle cognitivo de adultos saudáveis, o que inclui memória de trabalho, memória episódica e em alguns aspectos da atenção.[43][44] Os efeitos de aumento da cognição ocasionados pela anfetamina são parcialmente mediados pela ativação indireta do receptor de dopamina D1 e do receptor adrenérgico α2 no córtex pré-frontal.[14][43] Uma revisão sistemática, publicada em 2014, descobriu que baixas doses de anfetamina também melhoram a consolidação da memória que, por sua vez, aumenta a capacidade da memória em recordar informações.[45] Doses terapêuticas de anfetamina também aumentam a eficiência da rede cortical, efeito que media o aprimoramento da memória de trabalho dos indivíduos.[14][46] A anfetamina, bem como outros estimulantes usados no tratamento do TDAH, também aumentam o estado de vigília e a saliência de incentivo (ou seja, motivação e desejo) para a realização de tarefas, aperfeiçoando o comportamento direcionado a atingir metas.[14][47][48] Estimulantes, como a anfetamina, podem melhorar o desempenho em tarefas difíceis e repetitivas, e são usados por alguns estudantes para fins acadêmicos.[14][49][50] Nos Estados Unidos, com base em estudos autorreportados de usos ilícitos de estimulantes, estima-se que entre 5% a 35% dos estudantes universitários utilizam estimulantes obtidos sem prescrição médica.[51][52][53] Altas doses de anfetamina, sobretudo as que estão acima do índice terapêutico, podem interferir negativamente na memória de trabalho e em outros aspectos do controle cognitivo.[14][48]

Desempenho físico[editar | editar código-fonte]

Devido aos efeitos estimulantes, a anfetamina é usada por alguns atletas que buscam, por exemplo, obter aumento da resistência física ou do alerta mental.[13][20] Entretanto, o uso não medicinal de anfetamina é proibido em eventos esportivos que, geralmente, são regulamentados por agências antidoping nacionais e internacionais.[54][55] Em pessoas saudáveis e em doses terapêuticas, evidências demonstram que a anfetamina aumenta a força muscular, aceleração, desempenho anaeróbico e atrasa o início da fadiga, ao mesmo tempo em que melhora o tempo de reação.[13][56][57] Os efeitos de intensificação do desempenho físico são resultado, principalmente, da ação da anfetamina na inibição de receptação e liberação de dopamina no sistema nervoso central.[56][57][58] A anfetamina e outras drogas dopaminérgicas também aumentam a produção de energia na classificação da percepção subjetiva do esforço, permitindo, através de alterações na termorregulação, um aumento no limite da temperatura corporal.[57][59] Em doses terapêuticas, os efeitos adversos da anfetamina não impedem o desempenho atlético,[13][56] entretanto, em doses elevadas, a anfetamina pode induzir efeitos que prejudicam o desempenho de modo substancial, como a síndrome de destruição do músculo esquelético e hipertemia.[13][56]

Nos Estados Unidos, o Adderall foi banido da National Football League (NFL), Major League Baseball (MLB), National Basketball Association (NBA) e National Collegiate Athletics Association (NCAA).[60] Em ligas como a NFL, mesmo quando o atleta obtém uma prescrição médica de anfetamina, um processo adicional rigoroso é necessário para obter uma isenção que permite o uso.[60]

Recreativo[editar | editar código-fonte]

Adderall tem alto potencial de abuso quando usado como uma droga recreativa.[61] Os comprimidos podem ser esmagados e cheirados, ou dissolvidos em água e injetados.[62] A injeção na corrente sanguínea é particularmente perigosa porque componentes insolúveis, que estão na composição dos comprimidos, podem bloquear vasos sanguíneos, formando coágulos.[63] Muitos estudantes relatam utilizar Adderall com o objetivo de aprimorar o desempenho cognitivo em atividades acadêmicas. Alguns dos fatores de risco para o uso indevido de estimulantes incluem: possuir características de comportamento divergente (ou seja, exibir comportamento delinquente ou desviante), baixa autoestima, desempenho acadêmico ruim, e a presença de doenças psiquiátricas não diagnosticadas.[63]

Contraindicações[editar | editar código-fonte]

Aderall é contraindicado em pessoas com histórico de abuso de drogas, doença cardiovascular, agitação ou ansiedade severa.[12][64][65] Também é contraindicado em pessoas com arteriosclerose avançada (endurecimento das artérias), glaucoma (aumento da pressão ocular), hipertireoidismo (produção excessiva de hormônio tireoidiano) ou hipertensão moderada a grave.[12][64][65] Pessoas que tiveram reações alérgicas a outros estimulantes ou que estão tomando inibidores da monoamina oxidase (IMAO), uma classe de antidepressivoss, não devem ser tratadas com anfetaminas,[12][64][65] embora o uso concomitante e seguro de anfetaminas e inibidores da monoamina oxidase tenha sido reportado.[66][67] Além disso, em pessoas com anorexia nervosa, transtorno bipolar, depressão, hipertensão, problemas hepáticos ou renais, mania, psicose, fenômeno de Raynaud, convulsões, problemas de tiroide, tiques ou síndrome de Tourette, os sintomas devem ser cautelosamente monitorados durante o tratamento com anfetaminas.[64][65] Evidências de estudos com humanos indicam que o uso terapêutico de anfetaminas não causa anormalidades no desenvolvimento do feto ou recém-nascidos (ou seja, não possui efeitos teratogênicos), porém o abuso de anfetaminas apresenta riscos para o feto.[65] Também foi demonstrado que a anfetamina passa para o leite materno, portanto, é aconselhável que a amamentação não ocorra durante o uso de anfetaminas.[12][65] Devido ao potencial de deficiências reversíveis no crescimento, recomenda-se a monitoração da altura e peso de crianças e adolescentes prescritos com um medicamento anfetamínico.[12]

Efeitos colaterais[editar | editar código-fonte]

Os efeitos colaterais do Adderall são muitos e variados, e a quantidade consumida da substância costuma ser o principal fator para determinar a gravidade dos efeitos colaterais.[68] Atualmente, o Adderall é aprovado para uso terapêutico de longo prazo pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USFDA).[68] Geralmente, o uso recreativo de Adderall envolve doses muito maiores do que aquelas utilizadas terapeuticamente e, portanto, é significativamente mais perigoso e mais capaz de gerar efeitos colaterais mais graves.[69]

Físicos[editar | editar código-fonte]

No sistema cardiovascular, os efeitos colaterais podem incluir hipertensão ou hipotensão arterial resultantes de uma síncope vasovagal.[12] Também pode ocorrer síndrome de Raynaud (redução do fluxo sanguíneo para as mãos e pés) e taquicardia (aumento da frequência cardíaca).[12][20][70] Em homens, efeitos colaterais na esfera sexual podem incluir disfunção erétil, ereções prolongadas ou ereções frequentes.[12] Os efeitos colaterais gastrointestinais mais comuns são dor abdominal, constipação, diarreia e náusea.[71][12][72] Outros efeitos colaterais físicos incluem perda de apetite, visão turva, boca seca, bruxismo, sangramento nasal, sudorese, rinite medicamentosa, redução do limiar de convulsão, tiques e perda de peso.[12][20][71][73] Em doses farmacêuticas típicas, a incidência de efeitos físicos colaterais graves é rara.[20]

A anfetamina estimula o centro respiratório, produzindo respirações mais rápidas e profundas.[20] Em uma pessoa saudável tratada com doses terapêuticas, esse efeito geralmente não é perceptível, mas pode se tornar evidente quando a respiração já está, de algum modo, comprometida.[20] A anfetamina também induz contração no músculo detrusor da bexiga urinária, que é o músculo que controla a micção, o que pode causar dificuldades para urinar. Esse efeito colateral pode ser útil no tratamento da incontinência urinária e da perda do controle da bexiga.[20] Os efeitos da anfetamina no trato gastrointestinal são imprevisíveis.[20] Caso a atividade intestinal for alta, a anfetamina pode reduzir a motilidade gastrointestinal.[20] Por outro lado, a anfetamina também pode aumentar a motilidade quando o músculo liso do trato gastrointestinal está relaxado.[20] A anfetamina também tem um efeito analgésico leve, e pode aumentar a ação dos medicamentos opioides.[20][71]

Estudos encomendados pelo USFDA, publicados em 2011, indicam que em crianças, adolescentes e adultos, não há associação entre o uso terapêutico de anfetaminas e uma maior incidência de efeitos colaterais cardiovasculares graves, como morte súbita, ataque cardíaco e derrame.[74][75][76] No entanto, os medicamentos anfetamínicos são contraindicados em indivíduos portadores de doenças cardiovasculares.[12][76]

Psicológicos[editar | editar código-fonte]

Em doses terapêuticas, os efeitos colaterais psicológicos mais comuns da anfetamina incluem maior vigilância, apreensão, concentração mental, autoconfiança e sociabilidade, alterações de humor (humor exacerbado seguido de humor levemente deprimido), insônia e diminuição da sensação de fadiga.[12][20] Efeitos colaterais menos comuns incluem ansiedade, alterações na libido, senso irrealista de superioridade, irritabilidade, comportamentos repetitivos ou obsessivos e inquietação.[6][12][20][77] Esses efeitos colaterais são influenciados pela personalidade e estado mental de cada indivíduo.[20] Casos de psicose anfetamínica (por exemplo, delírio e paranoia) pode ocorrer em indivíduos que fazem uso de doses elevadas.[7][12][78] Embora seja mais rara, a psicose anfetamínica também pode ocorrer em indivíduos tratados com doses terapêuticas a longo prazo.[11][78] De acordo com o USFDA, "não há evidência sistemática" de que os estimulantes provoquem comportamento agressivo ou hostil.[12]

A anfetamina, em doses terapêuticas, demonstrou produzir uma preferência condicionada por lugar (PCL),[38][79] ou seja, os indivíduos adquirem preferências em passar o tempo em locais onde consumiram anfetaminas anteriormente.[79][80]

Overdose[editar | editar código-fonte]

Uma overdose de anfetaminas pode desencadear diversos sintomas, mas quando tratada de modo adequado raramente é fatal.[81][71] A gravidade dos sintomas de overdose aumenta de acordo com a dose ingerida, enquanto diminui de acordo com a tolerância medicamentosa do indivíduo a anfetaminas.[82] Estudos mostram que pessoas com tolerância alta podem chegar a ingerir até 5 gramas de anfetamina em um dia, o que é cerca de 100 vezes mais que a dose terapêutica diária recomendada.[82] Os sintomas de uma overdose moderada e potencialmente fatal envolvem convulsões e coma.[83]

Sintomas de overdose por sistema
Sistema Overdose leve a moderada[12][20][65] Overdose severa[84][12][20][85][86]
Cardiovascular
Sistema

nervoso central

Locomotor
Respiratório
Urinário
Outros

Interações[editar | editar código-fonte]

História, sociedade e cultura[editar | editar código-fonte]

História[editar | editar código-fonte]

A empresa farmacêutica Rexar reformulou seu medicamento para perda de peso que se mostrou ineficaz, o Obetrol, após sua retirada obrigatória do mercado em 1973, devido à Emenda Kefauver Harris, que complementou a Lei Federal de Alimentos, Medicamentos e Cosméticos (Lei FD&C). A nova formulação substituiu dois componentes de metanfetamina por componentes de dextroamfetamina e anfetamina em igual proporção, e manteve o nome comercial Obetrol. Apesar de não ter sido aprovado pela Food and Drug Admnistration (FDA), o Obetrol chegou ao mercado e foi comercializado e vendido pela Rexar por vários anos.[94] Em 1994, a Richwood Pharmaceuticals adquiriu a Rexar e começou a promover o Obetrol como um tratamento para TDAH (e, posteriormente, também para narcolepsia), que passou a ser comercializado sob o novo nome comercial, Adderall.[95]

A FDA questionou a empresa por inúmeras violações relacionadas ao Obetrol, que foram descobertas durante inspeções de rotina após a venda da Rexar, e emitiu uma carta formal de advertência à Richwood Pharmaceuticals devido a violações das "novas disposições sobre medicamentos e da Lei FD&C". Após discussões prolongadas com a Richwood Pharmaceuticals, a FDA aprovou formalmente as primeiras revisões de rotulagem/sNDA do Obetrol em 1996, incluindo sua mudança de nome para Adderall e uma restauração de seu status como um produto medicamentoso aprovado. Em 1997, a Richwood Pharmaceuticals foi adquirida pela Shire Pharmaceuticals em uma transação de US$ 186 milhões, e a Shire introduziu o Adderall ao mercado, inicialmente apenas em forma de comprimido de liberação imediata.[95][96]

Em dezembro de 2013, dez empresas diferentes produziam medicamentos genéricos do Adderall em forma de liberação imediata, e as empresas Teva Pharmaceutical Industries, Actavis, e Barr Pharmaceuticals produziam genéricos do Adderall em comprimidos de liberação prolongada.[97]

Formulação comercial[editar | editar código-fonte]

A fórmula química do Adderall é uma mistura de quatro sais de anfetamina. Mais especificamente, o Adderal é composto por partes iguais (considerando a massa molar) de aspartato de anfetamina monoidratado, sulfato de anfetamina, sulfato de dextroamfetamina e sacarato de dextroanfetamina. Essa mistura de princípios ativos tem efeitos no sistema nervoso central ligeiramente mais potentes do que a anfetamina em sua forma racêmica, devido à maior proporção de dextroamfetamina presente na formulação do Adderall.[16]

Leis de proibição de drogas[editar | editar código-fonte]

  • No Canadá, as anfetaminas são controladas pela Lei de Drogas e Substâncias Controladas, e só podem ser obtidas por prescrição médica.[98]
  • No Japão, é proibido o uso, produção e importação de qualquer medicamento que contenha anfetamina.[99]
  • Na Coreia do Sul, anfetaminas são proibidas.[100]
  • Em Taiwan, anfetaminas, incluindo Adderall, são drogas cuja posse prevê um mínimo de cinco anos de prisão. Legalmente, penas o metilfenidato pode ser prescrito para o tratamento do TDAH.[101]
  • Na Tailândia, as anfetaminas são classificadas como Narcóticos Tipo 1.[102]
  • No Reino Unido, as anfetaminas são classificadas como drogas de classe B. A pena máxima para posse não autorizada é de cinco anos de prisão e multa iimitada. A pena máxima para o fornecimento ilegal é de 14 anos de prisão e multa ilimitada[103]
  • Nos Estados Unidos, a anfetamina é um medicamento controlado que só pode ser obtido por prescrição médica. [104]
  • A nível internacional, a anfetamina está na Tabela II da Convenção sobre Substâncias Psicotrópicas da Organização das Nações Unidas.[105][106]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Sais de anfetamina em sua forma racêmica e de dextroanfetamina são misturados em uma proporção de (1: 1) para produzir essa associação medicamentosa. Como o racemato de anfetamina é composto por partes iguais de dextroanfetamina e levoanfetamina, esta droga também pode ser descrita como uma mistura dos enantiômeros D- e L- da anfetamina em uma proporção, respectivamente, de 75% e 25% (3:1), apesar de nenhum dos componentes da associação ser composto por sais de levoanfetamina.[1][2]
  2. O termo "Adderall" é usado ao longo deste artigo principalmente porque a composição do medicamento, que contém quatro sais, torna seu nome não comercial (sulfato de dextroanfetamina 25%, sacarato de dextroanfetamina 25%, sulfato de anfetamina 25% e aspartato de anfetamina 25%) excessivamente longo.[4] Mydayis também é um nome comercial, porém mais recente e que não é muito usado para se referir à mistura.[3]
  3. Os estudos da Colaboração Cochrane são revisões sistemáticas metanalíticas de ensaios clínicos randomizados de alta qualidade.[37]
  4. O transportador de dopamina contém um local de ligação extracelular de alta afinidade com o zinco que, após ser ativado pelo zinco, inibe a recaptação de dopamina e, ao mesmo tempo, amplifica o fluxo adicional de dopamina induzido por anfetamina in vitro.[91][92][93] O transportador de serotonina e o transportador de noradrenalina não contêm locais de ligação de zinco.[93]

Referências

  1. a b c Joyce, B. Matthew; Glaser, Paul E. A.; Gerhardt, Greg A. (1 de abril de 2007). «Adderall® produces increased striatal dopamine release and a prolonged time course compared to amphetamine isomers». Psychopharmacology (em inglês) (3): 669–677. ISSN 1432-2072. doi:10.1007/s00213-006-0550-9. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  2. a b Heal, David J; Smith, Sharon L; Gosden, Jane; Nutt, David J (junho de 2013). «Amphetamine, past and present – a pharmacological and clinical perspective». Journal of Psychopharmacology (Oxford, England) (6): 479–496. ISSN 0269-8811. PMC 3666194Acessível livremente. PMID 23539642. doi:10.1177/0269881113482532. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  3. a b c Sagonowsky, Eric. «Shire launches new ADHD drug Mydayis as it weighs a neuroscience exit». FiercePharma (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2020 
  4. «National Drug Code Directory». United States Food and Drug Administration. 16 de dezembro de 2013. Consultado em 5 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2013 
  5. «Evekeo CII (amphetamine sulfate) HCP | Pharmacology». www.evekeo.com. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  6. a b Montgomery, Keith A. (junho de 2008). «Sexual Desire Disorders». Psychiatry (Edgmont) (6): 50–55. ISSN 1550-5952. PMC 2695750Acessível livremente. PMID 19727285. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  7. a b Shoptaw, Steven J; Kao, Uyen; Ling, Walter (21 de janeiro de 2009). «Treatment for amphetamine psychosis». Cochrane Database of Systematic Reviews. ISSN 1465-1858. PMC 7004251Acessível livremente. PMID 19160215. doi:10.1002/14651858.cd003026.pub3. Consultado em 6 de outubro de 2020. Uma minoria de indivíduos que usam anfetaminas desenvolve psicose, exigindo atendimento em departamentos de emergência ou hospitais psiquiátricos. Nesses casos, os sintomas de psicose anfetamínica comumente incluem delírios paranoicos e persecutórios, bem como alucinações auditivas e visuais na presença de agitação extrema. No entanto, o mais comum (cerca de 18%) é que usuários frequentes de anfetaminas relatem sintomas psicóticos que são subclínicos e que não requerem intervenção de alta intensidade [...] Cerca de 5 a 15% dos usuários que desenvolvem psicose por anfetamina não conseguem se recuperar completamente (Hofmann 1983) [...] Os resultados de um estudo indicam que o uso de medicamentos antipsicóticos resolve efetivamente os sintomas da psicose aguda induzida por anfetamina. 
  8. Kollins, Scott H. (1 de maio de 2008). «A qualitative review of issues arising in the use of psycho-stimulant medications in patients with ADHD and co-morbid substance use disorders». Current Medical Research and Opinion (5): 1345–1357. ISSN 0300-7995. PMID 18384709. doi:10.1185/030079908X280707. Consultado em 6 de outubro de 2020. Em pacientes com TDAH, quando as formulações orais de psicoestimulantes são usadas nas doses e frequências recomendadas, é improvável que produzam efeitos consistentes compo o tencial de abuso. 
  9. «Monoamine transporters and psychostimulant addiction». Biochemical Pharmacology (em inglês) (1): 196–217. 1 de janeiro de 2008. ISSN 0006-2952. doi:10.1016/j.bcp.2007.08.003. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  10. a b c d e Malenka RC, Nestler EJ, Hyman SE (2009). «Chapter 6: Widely Projecting Systems: Monoamines, Acetylcholine, and Orexin» [Capítulo 6: Sistemas de ampla projeção: Monoaminas, Acetilcolina e Orexina]. Molecular Neuropharmacology: A Foundation for Clinical Neuroscience [Neurofarmacologia molecular: fundamentos de neurosciência clínica] 2ª ed. ed. New York, USA: McGraw-Hill Medical. pp. 154–157. ISBN 9780071481274. Doses terapêuticas (relativamente baixas) de psicoestimulantes, como metilfenidato e anfetamina, melhoram o desempenho em tarefas de memória de trabalho tanto em indivíduos normais quanto naqueles com TDAH [...] os estimulantes atuam não apenas na função da memória de trabalho, mas também nos níveis gerais de excitação e, dentro do núcleo accumbens, melhoram a execução das tarefas. Assim, os estimulantes melhoram o desempenho em tarefas difíceis, porém tediosas [...] por meio da estimulação indireta dos receptores de dopamina e noradrenalina. [...] Além desses efeitos, a dopamina (atuando através dos receptores D1) e a noradrenalina (atuando em vários receptores) podem, em níveis ideais, melhorar a memória de trabalho e outros aspectos da atenção. 
  11. a b Donald E. Greydanus (novembro de 2013). «Stimulant Misuse: Strategies to Manage a Growing Problem» (PDF). American College Health Association (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 3 de novembro de 2013 
  12. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t «Adderall- dextroamphetamine saccharate, amphetamine aspartate, dextroamphetamine sulfate, and amphetamine sulfate tablet». DailyMed. Teva Pharmaceuticals USA, Inc. 8 de novembro de 2019. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  13. a b c d e Liddle, David G.; Connor, Douglas J. (1 de junho de 2013). «Nutritional Supplements and Ergogenic Aids». Primary Care: Clinics in Office Practice. Sports Medicine (em inglês) (2): 487–505. ISSN 0095-4543. doi:10.1016/j.pop.2013.02.009. Consultado em 6 de outubro de 2020. As anfetaminas e a cafeína são estimulantes que aumentam o estado de alerta, melhoram o foco, diminuem o tempo de reação e a fadiga, permitindo um aumento da intensidade e duração do treinamento físico. Efeitos fisiológicos e de desempenho: 1) As anfetaminas aumentam a liberação de dopamina e noradrenalina e inibem sua recaptação, levando à estimulação do sistema nervoso central (SNC); 2) As anfetaminas parecem melhorar o desempenho atlético em certas condições anaeróbicas; 3) Melhor tempo de reação ; 4) Aumento da força muscular e retardo da fadiga muscular; 5) Maior aceleração; 6) Maior alerta e atenção à tarefa 
  14. a b c d e f g Malenka RC, Nestler EJ, Hyman SE (2015). «Chapter 16: Reinforcement and Addictive Disorders». Molecular Neuropharmacology: A Foundation for Clinical Neuroscience [Neurofarmacologia molecular: fundamentos de neurosciência clínica] 3ª ed. ed. New York, USA: McGraw-Hill Medical. pp. 154–157. ISBN 9780071827706. Esses agentes também têm utilizações terapêuticas importantes; a cocaína, por exemplo, é usada como anestésico tópico (Capítulo 2), e as anfetaminas e o metilfenidato são usados em doses baixas para tratar o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade e em doses mais altas para tratar a narcolepsia (Capítulo 12). Apesar de seus usos clínicos, essas drogas são fortemente reforçadoras, e seu uso a longo prazo em altas doses está associado a um potencial vício, especialmente quando são administradas rapidamente ou quando são administradas em doses de alta potência. 
  15. Stolerman IP (2010). Encyclopedia of Psychopharmacology. Londres: Springer. p. 78. ISBN 9783540686989 
  16. a b Miller, Gregory M. (janeiro de 2011). «The Emerging Role of Trace Amine Associated Receptor 1 in the Functional Regulation of Monoamine Transporters and Dopaminergic Activity». Journal of neurochemistry (2): 164–176. ISSN 0022-3042. PMC 3005101Acessível livremente. PMID 21073468. doi:10.1111/j.1471-4159.2010.07109.x. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  17. Eiden, Lee E.; Weihe, Eberhard (2011). «VMAT2: a dynamic regulator of brain monoaminergic neuronal function interacting with drugs of abuse». Annals of the New York Academy of Sciences (em inglês) (1): 86–98. ISSN 1749-6632. PMC 4183197Acessível livremente. PMID 21272013. doi:10.1111/j.1749-6632.2010.05906.x. Consultado em 6 de outubro de 2020. VMAT2 é o transportador vesicular do SNC não apenas para as aminas biogênicas (AB) dopamina (DA), noradrenalina (NE), adrenalina (EPI), serotonina (5-HT) e histamina (HIS), mas provavelmente também para os traços de aminas TYR, PEA e tironamina (THYR). 
  18. Broadley KJ (1 de março de 2010). «The vascular effects of trace amines and amphetamines». Pharmacology & Therapeutics (em inglês) (3): 363–375. ISSN 0163-7258. doi:10.1016/j.pharmthera.2009.11.005. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  19. Lewin, Anita H.; Miller, Gregory M.; Gilmour, Brian (1 de dezembro de 2011). «Trace amine-associated receptor 1 is a stereoselective binding site for compounds in the amphetamine class». Bioorganic & Medicinal Chemistry (em inglês) (23): 7044–7048. ISSN 0968-0896. PMC 3236098Acessível livremente. PMID 22037049. doi:10.1016/j.bmc.2011.10.007. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  20. a b c d e f g h i j k l m n o p q r Goodman, Louis S.; Brunton, Laurence L.; Chabner, Bruce.; Knollmann, Björn C. (2010). «Miscellaneous Sympathomimetic Agonists (Westfall DP, Westfall TC)». Goodman & Gilman's pharmacological basis of therapeutics. 12ª ed. New York: McGraw-Hill. ISBN 9780071624428. OCLC 498979404 
  21. Anthony, E. (2013). Explorations in child psychiatry. New York: Plenum Press. pp. 93–94. OCLC 643611126 
  22. Arnold, L. E. (26 de julho de 2016). «Methyiphenidate vs. amphetamine: Comparative review:». Journal of Attention Disorders (em inglês). doi:10.1177/108705470000300403. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  23. «The Top 300 of 2020». clincalc.com. ClinCalc DrugStats Database. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  24. «Drug Usage Statistics, United States, 2007 – 2017: Dextroamphetamine; Dextroamphetamine Saccharate; Amphetamine; Amphetamine Aspartate». clincalc.com. ClinCalc DrugStats Database. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  25. Carvalho, Márcia; Carmo, Helena; Costa, Vera Marisa; Capela, João Paulo; Pontes, Helena; Remião, Fernando; Carvalho, Félix; Bastos, Maria de Lourdes (1 de agosto de 2012). «Toxicity of amphetamines: an update». Archives of Toxicology (em inglês) (8): 1167–1231. ISSN 1432-0738. doi:10.1007/s00204-012-0815-5. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  26. Berman, Steven; O'Neill, Joseph; Fears, Scott; Bartzokis, George; London, Edythe D. (2008). «Abuse of Amphetamines and Structural Abnormalities in the Brain». Annals of the New York Academy of Sciences (em inglês) (1): 195–220. ISSN 1749-6632. PMC 2769923Acessível livremente. PMID 18991959. doi:10.1196/annals.1441.031. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  27. a b Spencer, Thomas J.; Brown, Ariel; Seidman, Larry J.; Valera, Eve M.; Makris, Nikos; Lomedico, Alexandra; Faraone, Stephen V.; Biederman, Joseph (setembro de 2013). «Effect of Psychostimulants on Brain Structure and Function in ADHD: A Qualitative Literature Review of MRI-Based Neuroimaging Studies». The Journal of clinical psychiatry (9): 902–917. ISSN 0160-6689. PMC 3801446Acessível livremente. PMID 24107764. doi:10.4088/JCP.12r08287. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  28. a b Frodl, T.; Skokauskas, N. (2012). «Meta-analysis of structural MRI studies in children and adults with attention deficit hyperactivity disorder indicates treatment effects». Acta Psychiatrica Scandinavica (em inglês) (2): 114–126. ISSN 1600-0447. doi:10.1111/j.1600-0447.2011.01786.x. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  29. a b c Huang, Yu-Shu; Tsai, Ming-Horng (1 de julho de 2011). «Long-Term Outcomes with Medications for Attention-Deficit Hyperactivity Disorder». CNS Drugs (em inglês) (7): 539–554. ISSN 1179-1934. doi:10.2165/11589380-000000000-00000. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  30. a b Arnold, L. Eugene; Hodgkins, Paul; Caci, Hervé; Kahle, Jennifer; Young, Susan (25 de fevereiro de 2015). «Effect of Treatment Modality on Long-Term Outcomes in Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder: A Systematic Review». PLoS ONE (2). ISSN 1932-6203. PMC 4340791Acessível livremente. PMID 25714373. doi:10.1371/journal.pone.0116407. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  31. Millichap, J. Gordon (10 de dezembro de 2009). Attention Deficit Hyperactivity Disorder Handbook: A Physician's Guide to ADHD (em inglês). [S.l.]: Springer New York 
  32. Millichap, J. Gordon (10 de dezembro de 2009). Attention Deficit Hyperactivity Disorder Handbook: A Physician's Guide to ADHD (em inglês). [S.l.]: Springer New York 
  33. Bidwell, L. Cinnamon; McClernon, F. Joseph; Kollins, Scott H. (1 de agosto de 2011). «Cognitive enhancers for the treatment of ADHD». Pharmacology Biochemistry and Behavior (em inglês) (2): 262–274. ISSN 0091-3057. PMC 3353150Acessível livremente. PMID 21596055. doi:10.1016/j.pbb.2011.05.002. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  34. Parker, Jack; Wales, Gill; Chalhoub, Nevyne; Harpin, Val (17 de setembro de 2013). «The long-term outcomes of interventions for the management of attention-deficit hyperactivity disorder in children and adolescents: a systematic review of randomized controlled trials» (em inglês). Psychology Research and Behavior Management. PMC 3785407Acessível livremente. PMID 24082796. doi:10.2147/prbm.s49114. Consultado em 6 de outubro de 2020. Apenas um artigo, que examinou resultados por mais de 36 meses, atendeu aos critérios de revisão. [...] Há evidências de alto nível sugerindo que o tratamento farmacológico pode ter um grande efeito benéfico sobre os principais sintomas do TDAH (hiperatividade, desatenção e impulsividade) em aproximadamente 80% dos casos, em comparação com placebo, em curto prazo. 
  35. Millichap, J. Gordon. (2010). «Chapter 9: Medications for ADHD». Attention deficit hyperactivity disorder handbook : a physician's guide to ADHD (em inglês) 2nd ed ed. New York: Springer. pp. 111–113. OCLC 663097994 
  36. «ADHD Medications & Side Effects». WebMD (em inglês). http://www.webmd.com/add-adhd/childhood-adhd/stimulants-for-attention-deficit-hyperactivity-disorder. Novembro de 2013. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  37. Scholten, R. J. P. M.; Clarke, M.; Hetherington, J. (agosto de 2005). «The Cochrane Collaboration». European Journal of Clinical Nutrition (em inglês) (1): S147–S149. ISSN 1476-5640. doi:10.1038/sj.ejcn.1602188. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  38. a b Castells, Xavier; Blanco-Silvente, Lídia; Cunill, Ruth (9 de agosto de 2018). «Amphetamines for attention deficit hyperactivity disorder (ADHD) in adults». Cochrane Database of Systematic Reviews. ISSN 1465-1858. PMC 6513464Acessível livremente. PMID 30091808. doi:10.1002/14651858.cd007813.pub3. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  39. Punja, Salima; Shamseer, Larissa; Hartling, Lisa; Urichuk, Liana; Vandermeer, Ben; Nikles, Jane; Vohra, Sunita (4 de fevereiro de 2016). «Amphetamines for attention deficit hyperactivity disorder (ADHD) in children and adolescents». Cochrane Database of Systematic Reviews. ISSN 1465-1858. doi:10.1002/14651858.cd009996.pub2. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  40. Osland, Sydney T; Steeves, Thomas DL; Pringsheim, Tamara (26 de junho de 2018). «Pharmacological treatment for attention deficit hyperactivity disorder (ADHD) in children with comorbid tic disorders». Cochrane Database of Systematic Reviews. ISSN 1465-1858. PMC 6513283Acessível livremente. PMID 29944175. doi:10.1002/14651858.cd007990.pub3. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  41. «Amphetamine/dextroamphetamine (By mouth)». www.baptistjax.com. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  42. a b «Generic Adderall Availability». Drugs.com (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2020 
  43. a b Spencer, Robert C.; Devilbiss, David M.; Berridge, Craig W. (junho de 2015). «The Cognition-Enhancing Effects of Psychostimulants Involve Direct Action in the Prefrontal Cortex». Biological Psychiatry (11): 940–950. ISSN 0006-3223. PMC 4377121Acessível livremente. PMID 25499957. doi:10.1016/j.biopsych.2014.09.013. Consultado em 6 de outubro de 2020. As ações cognitivas benéficas dos psicoestimulantes estão associadas apenas a baixas doses. Apesar de quase 80 anos de uso clínico, a neurobiologia das ações cognitivas de psicoestimulantes só foi sistematicamente investigada recentemente. Os resultados desta pesquisa demonstram, inequivocamente, que os efeitos de aumento da cognição dos psicoestimulantes envolvem a elevação preferencial das catecolaminas no córtex pré-frontal e a ativação dos receptores adrenérgicos α2 e de dopamina D1. [...] Essa evidência indica que, em doses baixas e clinicamente relevantes, os psicoestimulantes são desprovidos das ações comportamentais e neuroquímicas que definem esta classe de drogas e, em vez disso, agem amplamente como intensificadores cognitivos [...] Particularmente, em animais e humanos, doses mais baixas melhoram ao máximo o desempenho em testes de memória de trabalho e inibição de resposta. 
  44. Ilieva, Irena P.; Hook, Cayce J.; Farah, Martha J. (15 de janeiro de 2015). «Prescription Stimulants' Effects on Healthy Inhibitory Control, Working Memory, and Episodic Memory: A Meta-analysis». Journal of Cognitive Neuroscience (6): 1069–1089. ISSN 0898-929X. doi:10.1162/jocn_a_00776. Consultado em 6 de outubro de 2020. Especificamente, em um conjunto de experimentos que selecionou projetos de alta qualidade, encontramos um aprimoramento significativo de várias habilidades cognitivas. [...] Os resultados desta meta-análise confirmam a realidade dos efeitos de aprimoramento cognitivo para adultos normais e saudáveis, ao mesmo tempo que indicam que esses efeitos são modestos em tamanho. 
  45. Bagot, Kara Simone; Kaminer, Yifrah (abril de 2014). «Efficacy of stimulants for cognitive enhancement in non-attention deficit hyperactivity disorder youth: a systematic review». Addiction (Abingdon, England) (4): 547–557. ISSN 1360-0443. PMC 4471173Acessível livremente. PMID 24749160. doi:10.1111/add.12460. Consultado em 6 de outubro de 2020. Demonstrou-se que a anfetamina melhora a consolidação da memória (0,02 ≥ P ≤ 0,05), levando a uma melhor recordação. 
  46. Devous, M. D.; Trivedi, M. H.; Rush, A. J. (abril de 2001). «Regional cerebral blood flow response to oral amphetamine challenge in healthy volunteers». Journal of Nuclear Medicine: Official Publication, Society of Nuclear Medicine (4): 535–542. ISSN 0161-5505. PMID 11337538. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  47. Nestler, Eric J.; Malenka, Robert C. (2009). Molecular neuropharmacology : a foundation for clinical neuroscience 2nd ed ed. New York: McGraw-Hill Medical. p. 266. OCLC 273018757. A dopamina atua no núcleo accumbens, aumentando o significado motivacional dos estímulos associados à recompensa. 
  48. a b Wood, Suzanne; Sage, Jennifer R.; Shuman, Tristan; Anagnostaras, Stephan G. (janeiro de 2014). «Psychostimulants and Cognition: A Continuum of Behavioral and Cognitive Activation». Pharmacological Reviews (1): 193–221. ISSN 0031-6997. PMC 3880463Acessível livremente. PMID 24344115. doi:10.1124/pr.112.007054. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  49. Weyandt, Lisa L.; Oster, Danielle R.; Marraccini, Marisa E.; Gudmundsdottir, Bergljot Gyda; Munro, Bailey A.; Zavras, Brynheld Martinez; Kuhar, Ben (9 de setembro de 2014). «Pharmacological interventions for adolescents and adults with ADHD: stimulant and nonstimulant medications and misuse of prescription stimulants». Psychology Research and Behavior Management (em English). Consultado em 6 de outubro de 2020 
  50. Twohey M (26 de março de 2006). «Pills become an addictive study aid» (em inglês). JS Online. Consultado em 6 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2007 
  51. Teter, Christian J.; McCabe, Sean Esteban; LaGrange, Kristy; Cranford, James A.; Boyd, Carol J. (outubro de 2006). «Illicit Use of Specific Prescription Stimulants Among College Students: Prevalence, Motives, and Routes of Administration». Pharmacotherapy (10): 1501–1510. ISSN 0277-0008. PMC 1794223Acessível livremente. PMID 16999660. doi:10.1592/phco.26.10.1501. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  52. Weyandt, Lisa L; Oster, Danielle R; Marraccini, Marisa E; Gudmundsdottir, Bergljot Gyda; Munro, Bailey A; Zavras, Brynheld Martinez; Kuhar, Ben (9 de setembro de 2014). «Pharmacological interventions for adolescents and adults with ADHD: stimulant and nonstimulant medications and misuse of prescription stimulants». Psychology Research and Behavior Management: 223–249. ISSN 1179-1578. PMC 4164338Acessível livremente. PMID 25228824. doi:10.2147/PRBM.S47013. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  53. Clemow, David B.; Walker, Daniel J. (1 de setembro de 2014). «The Potential for Misuse and Abuse of Medications in ADHD: A Review». Postgraduate Medicine (5): 64–81. ISSN 0032-5481. PMID 25295651. doi:10.3810/pgm.2014.09.2801. Consultado em 6 de outubro de 2020. No geral, os dados sugerem que o uso indevido e o desvio de medicamentos destinados ao tratamento do TDAH são problemas de saúde comuns para medicamentos estimulantes, com prevalência estimada em cerca de 5% a 10% dos estudantes do ensino médio e de 5% a 35% dos universitários, dependendo do estudo. 
  54. Docherty, J R (junho de 2008). «Pharmacology of stimulants prohibited by the World Anti-Doping Agency (WADA)». British Journal of Pharmacology (3): 606–622. ISSN 0007-1188. PMC 2439527Acessível livremente. PMID 18500382. doi:10.1038/bjp.2008.124. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  55. Bracken NM (janeiro de 2012). «National Study of Substance Use Trends Among NCAA College Student-Athletes» (PDF). National Collegiate Athletic Association (NCAA Publications). Consultado em 8 de dezembro de 2013 
  56. a b c d Parr, Jesse W. (julho de 2011). «Attention-Deficit Hyperactivity Disorder and the Athlete: New Advances and Understanding». Clinics in Sports Medicine (3): 591–610. ISSN 0278-5919. doi:10.1016/j.csm.2011.03.007. Consultado em 6 de outubro de 2020. Em 1980, Chandler e Blair mostraram aumentos significativos na força de extensão do joelho, aceleração, capacidade anaeróbica, frequência cardíaca pré-exercício e máxima e tempo de exaustão durante o teste de consumo máximo de oxigênio (VO2 máximo) após a administração de 15mg de dextroanfetamina comparada a placebo. 
  57. a b c Roelands, Bart; de Koning, Jos; Foster, Carl; Hettinga, Floor; Meeusen, Romain (1 de maio de 2013). «Neurophysiological Determinants of Theoretical Concepts and Mechanisms Involved in Pacing». Sports Medicine (em inglês) (5): 301–311. ISSN 1179-2035. doi:10.1007/s40279-013-0030-4. Consultado em 6 de outubro de 2020. Em altas temperaturas ambientes, as substâncias dopaminérgicas claramente melhoram o desempenho. A distribuição da produção de energia revela que, após a inibição da recaptação da dopamina, os indivíduos são capazes de manter uma produção de energia mais alta em comparação com o placebo. 
  58. Parker, Krystal L.; Lamichhane, Dronacharya; Caetano, Marcelo S.; Narayanan, Nandakumar S. (2013). «Executive dysfunction in Parkinson's disease and timing deficits». Frontiers in Integrative Neuroscience (em English). ISSN 1662-5145. PMC 3813949Acessível livremente. PMID 24198770. doi:10.3389/fnint.2013.00075. Consultado em 6 de outubro de 2020. As manipulações da sinalização dopaminérgica influenciam profundamente o tempo de intervalo, levando à hipótese de que a dopamina influencia a atividade do marcapasso interno, ou "relógio". Por exemplo, a anfetamina, que aumenta as concentrações de dopamina na fenda sináptica, aumenta o início da resposta durante o tempo de intervalo, enquanto os antagonistas dos receptores de dopamina do tipo D2 normalmente reduzem esse tempo. 
  59. Rattray, Ben; Argus, Christos; Martin, Kristy; Northey, Joseph; Driller, Matthew (17 de março de 2015). «Is it time to turn our attention toward central mechanisms for post-exertional recovery strategies and performance?». Frontiers in Physiology. ISSN 1664-042X. PMC 4362407Acessível livremente. PMID 25852568. doi:10.3389/fphys.2015.00079. Consultado em 6 de outubro de 2020. Drogas estimulantes dopaminérgicas são conhecidas por melhorar aspectos do desempenho no exercício (Roelands et al., 2008) 
  60. a b Sports, David Leon Moore and Jim Corbett, USA TODAY. «Do pro sports leagues have an Adderall problem?». USA TODAY (em inglês). Consultado em 6 de outubro de 2020 
  61. Abuse, National Institute on Drug (20 de agosto de 2020). «Commonly Used Drugs Charts». National Institute on Drug Abuse (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2020 
  62. Abelman, Dor David (6 de outubro de 2017). «Mitigating risks of students use of study drugs through understanding motivations for use and applying harm reduction theory: a literature review». Harm Reduction Journal. ISSN 1477-7517. PMC 5639593Acessível livremente. PMID 28985738. doi:10.1186/s12954-017-0194-6. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  63. a b Abelman, Dor David (6 de outubro de 2017). «Mitigating risks of students use of study drugs through understanding motivations for use and applying harm reduction theory: a literature review». Harm Reduction Journal. ISSN 1477-7517. PMC 5639593Acessível livremente. PMID 28985738. doi:10.1186/s12954-017-0194-6. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  64. a b c d «DailyMed - EVEKEO- amphetamine sulfate tablet». dailymed.nlm.nih.gov. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  65. a b c d e f g «Amphetamine (PIM 934)». www.inchem.org. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  66. Feinberg, S. Shalom (1 de novembro de 2004). «Combining Stimulants With Monoamine Oxidase Inhibitors: A Review of Uses and One Possible Additional Indication». The Journal of Clinical Psychiatry (em English) (11): 1520–1524. ISSN 0160-6689. doi:10.4088/jcp.v65n1113. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  67. Stewart, Jonathan W.; Deliyannides, Deborah A.; McGrath, Patrick J. (1 de outubro de 2014). «How treatable is refractory depression?». Journal of Affective Disorders (em inglês): 148–152. ISSN 0165-0327. doi:10.1016/j.jad.2014.05.047. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  68. a b «DailyMed - ADDERALL XR- dextroamphetamine sulfate, dextroamphetamine saccharate, amphetamine sulfate and amphetamine aspartate capsule, extended release». dailymed.nlm.nih.gov. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  69. Brunton, Laurence; Chabner, Bruce; Knollman, Bjorn (20 de dezembro de 2010). Goodman and Gilman's The Pharmacological Basis of Therapeutics, Twelfth Edition (em inglês). [S.l.]: McGraw Hill Professional 
  70. Vitiello, Benedetto (1 de abril de 2008). «Understanding the Risk of Using Medications for Attention Deficit Hyperactivity Disorder with Respect to Physical Growth and Cardiovascular Function». Child and Adolescent Psychiatric Clinics of North America. Attention Deficit Hyperactivity Disorder (em inglês) (2): 459–474. ISSN 1056-4993. PMC 2408826Acessível livremente. PMID 18295156. doi:10.1016/j.chc.2007.11.010. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  71. a b c d Stahl, Stephen M. (2017). Prescriber's Guide: Stahl's Essential Psychopharmacology (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 45–51 
  72. «DailyMed - DYANAVEL XR- amphetamine suspension, extended release». dailymed.nlm.nih.gov. 6 de dezembro de 2019. Consultado em 6 de outubro de 2020. DYANAVEL XR contém d-anfetamina e l-anfetamina em uma proporção de 3,2 para 1 ... As reações adversas mais comuns (≥2% no grupo DYANAVEL XR e maiores do que no grupo placebo) relatadas no estudo controlado de Fase 3, conduzido em 108 pacientes com TDAH (de 6 a 12 anos), foram: epistaxe, rinite alérgica e dor abdominal. 
  73. Ramey, J. T.; Bailen, E.; Lockey, R. F. (2006). «Rhinitis medicamentosa». Journal of Investigational Allergology & Clinical Immunology (3): 148–155. ISSN 1018-9068. PMID 16784007. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  74. Research, Center for Drug Evaluation and (26 de junho de 2019). «FDA Drug Safety Communication: Safety Review Update of Medications used to treat Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder (ADHD) in children and young adults». FDA (em inglês). Consultado em 7 de outubro de 2020 
  75. Cooper, William O.; Habel, Laurel A.; Sox, Colin M.; Chan, K. Arnold; Arbogast, Patrick G.; Cheetham, T. Craig; Murray, Katherine T.; Quinn, Virginia P.; Stein, C. Michael (17 de novembro de 2011). «ADHD Drugs and Serious Cardiovascular Events in Children and Young Adults». New England Journal of Medicine (20): 1896–1904. ISSN 0028-4793. PMC 4943074Acessível livremente. PMID 22043968. doi:10.1056/NEJMoa1110212. Consultado em 7 de outubro de 2020 
  76. a b Habel, Laurel A.; Cooper, William O.; Sox, Colin M.; Chan, K. Arnold; Fireman, Bruce H.; Arbogast, Patrick G.; Cheetham, T. Craig; Quinn, Virginia P.; Dublin, Sascha (28 de dezembro de 2011). «ADHD Medications and Risk of Serious Cardiovascular Events In Young and Middle-Aged Adults». Jama (24): 2673–2683. ISSN 0098-7484. PMC 3350308Acessível livremente. PMID 22161946. doi:10.1001/jama.2011.1830. Consultado em 7 de outubro de 2020 
  77. O'Connor PG. «Amphetamines - Special Subjects». Merck Manuals Professional Edition (em inglês). Consultado em 7 de outubro de 2020 
  78. a b Bramness, Jørgen G.; Gundersen, Øystein Hoel; Guterstam, Joar; Rognli, Eline Borger; Konstenius, Maija; Løberg, Else-Marie; Medhus, Sigrid; Tanum, Lars; Franck, Johan (5 de dezembro de 2012). «Amphetamine-induced psychosis - a separate diagnostic entity or primary psychosis triggered in the vulnerable?». BMC Psychiatry (1). 221 páginas. ISSN 1471-244X. PMC 3554477Acessível livremente. PMID 23216941. doi:10.1186/1471-244X-12-221. Consultado em 7 de outubro de 2020. Nesses estudos, a anfetamina foi administrada em doses aumentadas progressivamentes até que a psicose fosse precipitada, o que aconteceu muitas vezes após a admnistração de 100–300 mg de anfetamina [...] Em segundo lugar, a psicose foi vista como um efeito colateral, embora raro, em crianças com TDAH tratadas com medicamentos anfetamínicos 
  79. a b Childs, Emma; de Wit, Harriet (maio de 2009). «Amphetamine-Induced Place Preference in Humans». Biological Psychiatry (10): 900–904. ISSN 0006-3223. PMC 2693956Acessível livremente. PMID 19111278. doi:10.1016/j.biopsych.2008.11.016. Consultado em 7 de outubro de 2020. Este estudo demonstra que os humanos, como os não humanos, preferem um local associado à administração de anfetaminas. Tais descobertas apoiam a ideia de que as respostas subjetivas a uma droga contribuem para sua capacidade de estabelecer uma preferência condicionada de lugar 
  80. Nestler, Eric J. (Eric Jonathan), 1954-; Malenka, Robert C. (2009). «Malenka RC, Nestler EJ, Hyman SE (2009). "Chapter 15: Reinforcement and Addictive Disorders".». Molecular neuropharmacology : a foundation for clinical neuroscience 2nd ed ed. New York: McGraw-Hill Medical. OCLC 273018757 
  81. Spiller, Henry A.; Hays, Hannah L.; Aleguas, Alfred (1 de julho de 2013). «Overdose of Drugs for Attention-Deficit Hyperactivity Disorder: Clinical Presentation, Mechanisms of Toxicity, and Management». CNS Drugs (em inglês) (7): 531–543. ISSN 1179-1934. doi:10.1007/s40263-013-0084-8. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  82. a b «Amphetamine (PIM 934)». www.inchem.org. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  83. «Global, regional, and national age–sex specific all-cause and cause-specific mortality for 240 causes of death, 1990–2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013». The Lancet (9963): 117–171. Janeiro de 2015. ISSN 0140-6736. PMC 4340604Acessível livremente. PMID 25530442. doi:10.1016/s0140-6736(14)61682-2. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  84. Greene, Shaun L.; Kerr, Fergus; Braitberg, George (2008). «Review article: Amphetamines and related drugs of abuse». Emergency Medicine Australasia (em inglês) (5): 391–402. ISSN 1742-6723. doi:10.1111/j.1742-6723.2008.01114.x. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  85. Spiller, Henry A.; Hays, Hannah L.; Aleguas, Alfred (julho de 2013). «Overdose of drugs for attention-deficit hyperactivity disorder: clinical presentation, mechanisms of toxicity, and management». CNS drugs (7): 531–543. ISSN 1179-1934. PMID 23757186. doi:10.1007/s40263-013-0084-8. Consultado em 6 de outubro de 2020. Anfetamina, dextroanfetamina e metilfenidato atuam como substratos para o transportador celular de monoamina, especialmente o transportador de dopamina (DAT) e menos para o transportador de noradrenalina (NET) e serotonina (SERT). O mecanismo de toxicidade está principalmente relacionado ao excesso extracelular de dopamina, noradrenalina e serotonina. 
  86. Olson, Kent R. (Kent Russell); Anderson, Ilene B.; California Poison Control System. (2012). Poisoning & drug overdose 6th ed ed. New York: McGraw Hill Medical. OCLC 758383152 
  87. a b c d e «Adderall XR Prescribing Information» (PDF). United States Food and Drug Administration. Dezembro de 2013. pp. 8–10. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  88. Krueger, Sharon K.; Williams, David E. (1 de junho de 2005). «Mammalian flavin-containing monooxygenases: structure/function, genetic polymorphisms and role in drug metabolism». Pharmacology & Therapeutics (em inglês) (3): 357–387. ISSN 0163-7258. PMC 1828602Acessível livremente. PMID 15922018. doi:10.1016/j.pharmthera.2005.01.001. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  89. a b c «Mydayis Prescribing Information» (PDF). United States Food and Drug Administration. julho de 2017. pp. 1–21. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  90. Scassellati, Catia; Bonvicini, Cristian; Faraone, Stephen V.; Gennarelli, Massimo (outubro de 2012). «Biomarkers and Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder: A Systematic Review and Meta-Analyses». Journal of the American Academy of Child & Adolescent Psychiatry (10): 1003–1019.e20. ISSN 0890-8567. doi:10.1016/j.jaac.2012.08.015. Consultado em 6 de outubro de 2020. Embora não tenhamos encontrado um número suficiente de estudos qualificados para uma metanálise da feniletilamina (PEA) e do TDAH, três estudos confirmaram que os níveis urinários de PEA foram significativamente menores em pacientes com TDAH [...] A administração de D-anfetamina e metilfenidato aumentou a excreção urinária de PEA, sugerindo que os tratamentos de TDAH normalizam os níveis de feniletilamina. [...] Da mesma forma, os níveis de aminas traços de PEA na urina podem ser um biomarcador importante para o diagnóstico do TDAH [...] Com relação à suplementação de zinco, um ensaio controlado com placebo relatou que doses de até 30 mg/dia de zinco eram seguras por, pelo menos, 8 semanas, mas o efeito clínico foi ambíguo, exceto pela redução de 37% na dose efetiva de anfetamina quando coadministrada com zinco. 
  91. Krause, Johanna (1 de abril de 2008). «SPECT and PET of the dopamine transporter in attention-deficit/hyperactivity disorder». Expert Review of Neurotherapeutics (4): 611–625. ISSN 1473-7175. doi:10.1586/14737175.8.4.611. Consultado em 6 de outubro de 2020. O zinco se liga a sítios extracelulares de dopamina pré-sinápticos (DAT), servindo como um inibidor do DAT. Nesse contexto, estudos duplo-cegos controlados em crianças são de particular interesse, pois mostraram efeitos positivos [da suplementação] com zinco nos sintomas do TDAH. Por enquanto, deve-se afirmar que [a suplementação] com zinco não está integrada a nenhum modelo de tratamento do TDAH. 
  92. Sulzer, David (24 de fevereiro de 2011). «How Addictive Drugs Disrupt Presynaptic Dopamine Neurotransmission». Neuron (em English) (4): 628–649. ISSN 0896-6273. PMC 3065181Acessível livremente. PMID 21338876. doi:10.1016/j.neuron.2011.02.010. Consultado em 6 de outubro de 2020. Estudos não confirmaram a relação direta prevista entre a absorção e a liberação, mas descobriram que alguns compostos, incluindo anfetaminas, eram melhores liberadores do que substratos para a absorção. Além disso, o zinco estimula o fluxo intracelular de 3H-dopamina, apesar de sua concomitante inibição de captação (Scholze et al., 2002) 
  93. a b Scholze, Petra; Nørregaard, Lene; Singer, Ernst A.; Freissmuth, Michael; Gether, Ulrik; Sitte, Harald H. (14 de junho de 2002). «The Role of Zinc Ions in Reverse Transport Mediated by Monoamine Transporters». Journal of Biological Chemistry (em inglês) (24): 21505–21513. ISSN 0021-9258. PMID 11940571. doi:10.1074/jbc.M112265200. Consultado em 6 de outubro de 2020. O transportador de dopamina (DAT) contém um local de ligação endógeno de Zn2+ (íon zinco), que possui alta afinidade com três resíduos de coordenação em sua face extracelular (His193, His375 e Glu396). [...] Embora o Zn2+ tenha inibido a captação, ele também facilitou a liberação de [3H]MPP+ induzida por anfetamina, MPP+, ou despolarização induzida por K+, mas não obteve o mesmo efeito na serotonina e no transportador de noradrenalina (NET). [...] Surpreendentemente, esse fluxo adicional provocado pelos efeitos de anfetamina aumentou consideravelmente, em vez de ser inibido, por meio da adição de 10μM de Zn2+ ao tampão de superfusão. Ressaltamos que o Zn2+, per se, não afetou os níveis de expressão basal [...] Em muitas regiões do cérebro, o Zn2+ é armazenado em vesículas sinápticas e liberado em conjunto com o glutamato; sob condições basais, os níveis extracelulares de Zn2+ são baixos (∼10 nM). Após a estimulação neuronal, no entanto, o Zn2+ é liberado junto aos neurotransmissores e, consequentemente, a concentração livre de Zn2+ pode atingir, transitoriamente, valores que variam entre 10–20 μM a 300 μM. As concentrações de Zn2+ mostradas neste estudo, necessárias para a estimulação da liberação de dopamina (bem como para a inibição da captação), cobriram essa faixa, que é fisiologicamente relevante, com a estimulação máxima ocorrendo em 3-30μM. Portanto, a ação do Zn2+ sobre o DAT parece não refletir apenas uma peculiaridade bioquímica, mas se tratar de uma interação fisiologicamente relevante. [...] Assim, quando o Zn2+ é liiberado em conjunto ao glutamato, o fluxo adicional de dopamina pode se elevar significativamente. 
  94. Schwarz, Alan (14 de dezembro de 2013). «The Selling of Attention Deficit Disorder». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  95. a b Schwarz, Alan (14 de dezembro de 2013). «The Selling of Attention Deficit Disorder». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  96. «Teva Pharmaceuticals USA, Inc. Company Information». Drugs.com (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2020 
  97. «National Drug Code Directory». web.archive.org. 16 de dezembro de 2013. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  98. Branch, Legislative Services (19 de setembro de 2019). «Consolidated federal laws of canada, Controlled Drugs and Substances Act». laws-lois.justice.gc.ca. Consultado em 8 de outubro de 2020 
  99. «Importing or Bringing Medication into Japan for Personal Use». www.mhlw.go.jp. Consultado em 8 de outubro de 2020 
  100. «Moving to Korea brings medical, social changes». koreatimes (em inglês). 25 de maio de 2012. Consultado em 8 de outubro de 2020 
  101. «Caught in the dragnet - Taipei Times». www.taipeitimes.com. 11 de agosto de 2002. Consultado em 8 de outubro de 2020 
  102. «Thailand Law» (PDF). Government of Thailand. 22 de maio de 2012. Consultado em 8 de outubro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 8 de março de 2014 
  103. «Controlled drugs: personal licences». GOV.UK (em inglês). Consultado em 8 de outubro de 2020 
  104. «Amphetamines». www.dea.gov. Consultado em 8 de outubro de 2020 
  105. United Nations Office on Drugs and Crime. (2007). Preventing amphetamine-type stimulant use among young people : a policy and programming guide. New York: United Nations. OCLC 179923568 
  106. «Convention on Psychotropic Substances 1971». United Nations : Office on Drugs and Crime (em inglês). Consultado em 8 de outubro de 2020