Apiacás (Mato Grosso)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Apiacás, veja Apiacás (desambiguação).
Apiacás
  Município do Brasil  
Hino
Gentílico apiacaense
Localização
Localização de Apiacás em Mato Grosso
Localização de Apiacás em Mato Grosso
Apiacás está localizado em: Brasil
Apiacás
Localização de Apiacás no Brasil
Mapa de Apiacás
Coordenadas 9° 32' 38" S 57° 26' 56" O
País Brasil
Unidade federativa Mato Grosso
Municípios limítrofes Paranaíta MT, Nova Monte Verde MT, Cotriguaçu MT, Jacareacanga PA, Apuí AM
Distância até a capital 953 km
História
Fundação 06 de julho de 1988
Aniversário 6 de julho 1988
Administração
Prefeito(a) Adalto José Zago (PSDB, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [1] 20 364,204 km²
População total (estimativa IBGE/2018[2]) 9 979 hab.
 • Posição MT: 75º
Densidade 0,49 hab./km²
Clima Tempestuoso
Altitude 220 m
Fuso horário Hora do Amazonas (UTC−4)
Indicadores
IDH (PNUD/2000 [3]) 0,713 alto
PIB (IBGE/2008[4]) R$ 83 723,564 mil
PIB per capita (IBGE/2008[4]) R$ 10 175,45

Apiacás é um município brasileiro no extremo norte do estado de Mato Grosso. Localiza-se a uma latitude 09º32'37" sul e a uma longitude 57º26'57" oeste, estando a uma altitude de 220 metros. A população municipal foi estimada em 9 979 habitantes, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2018. Possui uma área de 20 364,204 km².[1]

A denominação Apiacás, no plural, é de origem geográfica, em referência ao Rio Apiacás e a Serra dos Apiacás. Por convenção de antropólogos,[necessário esclarecer] ao se grafar nome de tribo ou nação indígena, nunca se usa o termo no plural, e sim no singular.

A denominação dada ao núcleo de origem do atual município de Apiacás, além da serra e do rio, também homenageia o povo indígena Apiaká, de fala do tronco linguístico tupi, atualmente estabelecido na Área Indígena Apiaká-Kayabi, aldeia Mairobi, no município de Juara. O povo apiaká aprecia a pintura corporal, notadamente a facial. O território do povo indígena apiaká limitava-se com os povos munduruku, kayaby e rikbatsa. Por ser uma região extremamente bela, de recursos naturais infinitos, era muito disputada por estes povos.

Foi fundado em 3 de julho de 1988 tendo como primeiro prefeito o pecuarista Augusto dos Santos Neto "Seu Dú" (PTB). O vice-prefeito era o comerciante Bruce Antonio Vincenzi e o Presidente da Câmara Municipal era Mauricio Cesar Bento. O prefeito seguinte foi Carlinhos Rabecini (PFL, 1993-1996), seguido por Vaner Mechi (PMDB, 1997-2000). Logo após foi Silda Kochemborger (PSDB, 2001-2004, 2005-2008), em seguida Sebastião Trindade "Tião Fera" (DEM, 2009-2013), o atual prefeito é o comerciante, pecuarista e empresário Adalto José Zago (PMDB, 2013-2016). O vice é o comerciante João Bosco e o presidente da Câmara Municipal é Nenê Protético.

O município foi colonizado através da Indeco/SA na pessoa de Ariosto da Riva. Porém, com a descoberta do ouro em meados de 1985, o então distrito de Alta Floresta começou a chamar a atenção, chegando a ter mais de 40 mil garimpeiros. O distrito chegou ao seu auge em 1988, quando tinha uma população de 60 mil pessoas entre garimpeiros, comerciantes, pecuaristas e todo tipo de profissão. Em 1990, com a criação do Plano Collor, o ouro não era tão rentável e então começou a perder valor e a consequente crise no município perdurou por cerca de nove anos, quando o então prefeito Vaner Mechi (PMDB) deu incentivos a madeireiros e dividiu as terras onde hoje se conhece por comunidade arumã (zona rural) e ali reassentou diversas famílias e então, a partir de 2001/2002, o município voltou a crescer novamente. E desde então a pecuária, agricultura familiar e extração madeireira são as principais atividades econômicas do município e há cerca de quatro anos o garimpo de ouro e o artesanato começaram a surgir como importante fonte de renda.

Referências

  1. a b IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. «Estimativa populacional 2018» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 29 de agosto de 2018 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Mato Grosso é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.