Campo Novo do Parecis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Campo Novo do Parecis
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Campo Novo do Parecis
[[2]]
Brasão de armas de Campo Novo do Parecis
[de armas]
Hino
Apelido(s) "Celeiro Nacional da Produção"
Gentílico campo-novense [1]
Localização
Localização de Campo Novo do Parecis em Mato Grosso
Localização de Campo Novo do Parecis em Mato Grosso
Campo Novo do Parecis está localizado em: Brasil
Campo Novo do Parecis
Localização de Campo Novo do Parecis no Brasil
Mapa de Campo Novo do Parecis
Coordenadas 13° 40' 30" S 57° 53' 31" O
País Brasil
Unidade federativa Mato Grosso
Municípios limítrofes Brasnorte, Nova Maringá, Tangará da Serra, Nova Marilândia, Diamantino e Sapezal
Distância até a capital 385 km
História
Fundação 4 de julho de 1988 (31 anos)
Administração
Distritos
Prefeito(a) Rafael Machado (PSL, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [2] 9 448,384 km²
População total (Censo IBGE/2010[3]) 27 577 hab.
 • Posição MT 22º
Densidade 2,92 hab./km²
Clima Equatorial e Tropical Quente e Úmido
Altitude 572 m
Fuso horário Hora do Amazonas (UTC−4)
Indicadores
IDH (PNUD/2010 [4]) 0,734 alto
PIB (IBGE/2008[5]) R$ 1 380 144,307 mil
PIB per capita (IBGE/2008[5]) R$ 59 412,15
www.camponovodoparecis.mt.gov.br (Prefeitura)

Campo Novo do Parecis é um município do estado de Mato Grosso, na Região Centro-Oeste do Brasil. Localiza-se a uma latitude 13º40'31" sul e a uma longitude 57º53'31" oeste, estando a uma altitude de 572 metros. Sua população estimada em 2018 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística é de 34.558 habitantes. Maior produtor nacional de girassol e pipoca, possui cerca de 42% do território destinado às safras de grãos. [6] Possui uma área de 9 448,384 quilômetros quadrados.

A história do município de Campo Novo do Parecis, a princípio, se confunde com a história dos índios Paresi, seus primeiros habitantes conhecidos. As primeiras referências a este povo são do último quartel do século XVII, quando o bandeirante Antônio Pires de Campos, adentrando a região através do rio Sepotuba, atingiu um extenso chapadão, o qual denominou "Reino dos Parecis".

Durante o período de exploração das minas de Cuiabá e Diamantino (século XVIII), as aldeias Paresi constituíram-se em pontos de provisão de mão de obra escrava, uma vez que eram considerados pacíficos e de "fácil trato".

Durante o ciclo da borracha no estado de Mato Grosso (início do século XX), uma das regiões mais ricas em seringais eram os "sertões dos Parecis". Os índios continuaram a ser explorados por seringueiros, que os aproveitaram como guias e, mais tarde, como mão de obra.

Em 1907, o então coronel Cândido Mariano da Silva Rondon passou pela região durante os trabalhos de instalação de linhas telegráficas a oeste de Cuiabá e, em busca do rio Juruena, atingiu o Rio Verde e seguiu para o norte em busca do Salto Utiariti. Rondon, vendo que os índios Paresi estavam sendo explorados na extração da seringa, convenceu-os a se instalarem próximo da linha telegráfica, treinou alguns deles na manutenção da rede e iniciou a construção de uma escola.

Em 1943, era criado, através da Lei Nº 545, de 26 de outubro, o distrito de Utiariti, pertencente ao município de Diamantino. A partir de 1946, Utiariti tornou-se um centro educacional dos grupos indígenas, sob a égide da Missão Anchieta. Na missão, os povos indígenas eram proibidos de falar sua língua e os casamentos entre as diferentes populações eram incentivados, como forma de forçar o abandono das línguas e culturas indígenas e a adoção da língua portuguesa e da cultura não índia.

Uma nova estrada, seguindo o itinerário da antiga linha telegráfica de Rondon, foi construída na década de 1960 e pavimentada na década de 1980, incentivando o desenvolvimento econômico da região.

Durante a década de 1970, houve a abertura de fazendas e a instalação de famílias de migrantes vindos, principalmente, dos estados da Região Sul e Nordeste. Diversas famílias assentaram-se à beira da estrada entre Diamantino e Utiariti. Com o fim da missão indígena, o local prosperou e tornou-se sede do distrito. A Lei Nº 5 315, de 4 de julho de 1988, de autoria do deputado estadual Jaime Muraro, criou o município de Campo Novo do Parecis, desmembrado do município de Diamantino.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

  • Rio Sucuruína;
  • Rio do Sangue;
  • Rio Membeca;
  • Rio Verde;
  • Rio Sacre
  • Rio Cravari;
  • Rio Papagaio.

Áreas indígenas[editar | editar código-fonte]

Área total: 2 826 quilômetros quadrados

Aldeias
  • Bacaval;
  • Seringal;
  • Bacaiuval;
  • Sacre II;
  • Quatro Cachoeiras.¹

¹Foi descoberta mais uma cachoeira nas proximidades da Aldeia Três Cachoeiras e, desde então, a Aldeia Três Cachoeiras passou a ser conhecida como Aldeia Quatro Cachoeiras.

Economia[editar | editar código-fonte]

O município possui economia predominantemente agrícola, com destaque para a produção de soja, milho, girassol, algodão, sorgo, e amendoim. O comércio e prestação de serviços também apresentam crescimento expressivo no município. A agroindústria encontra-se em desenvolvimento.

Educação[editar | editar código-fonte]

Pública[editar | editar código-fonte]

A educação concedida pela prefeitura de Campo Novo do Parecis corresponde a um dos mais altos níveis do Estado. Campo Novo do Parecis possui um campus do Instituto Federal de Mato Grosso.

Dentre as escolas públicas, Campo Novo possui várias:

  • EM Nossa Senhora Aparecida
  • EM 4 de Julho
  • EM Professor Antônio Pereira
  • EM Jardim das Palmeiras
  • EM Amélia Lena Fedrizzi
  • EMEI Reino Encantado
  • EMEI Karine Maforte
  • EMEI Hestha Beatha
  • EMEI Jordana
  • EMEI Armando Jacinto Brolio

Particular[editar | editar código-fonte]

A educação particular em Campo Novo do Parecis caracteriza-se por altos investimentos, contribuindo para sua aceitação e utilização pública. Há, também, opções de escolas de ensino de língua estrangeira.

Transporte[editar | editar código-fonte]

Aéreo
  • Aeroporto Municipal Homologado
Rodoviário
  • MT 358: Tangará da Serra - Itamarati Norte (Pavimentada)
  • MT 170: Itamarati Norte - Campo Novo do Parecis (Pavimentada)
  • MT 235: Nova Mutum - Campo Novo do Parecis (Pavimentada)
  • BR 364: Diamantino - Itamarati Norte - Campo Novo do Parecis (Asfalto)
  • Nova Fronteira: Campo Novo do Parecis - Sapezal (Pavimentada)
  • Via Campo Novo do Parecis: Campo Novo - Sapezal (Pavimentada)

Referências

  1. [[1]]
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 28 de agosto de 2018 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. Maior produtor de pipoca e girassol, Campo Novo do Parecis faz 25 anos

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Mato Grosso é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

|}

Ver Também[editar | editar código-fonte]