Aricanduva (distrito de São Paulo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo bairro de mesmo nome, veja Aricanduva (bairro de São Paulo).
Aricanduva
Aricanduva.JPG
Área 6,6 km²
População 89.622 (53°) hab. (2010)
Densidade 13.579 hab/ha
Renda média R$ 1.828,40
IDH 0,830 - elevado (59°)
Subprefeitura Aricanduva
Região Administrativa Leste
Área Geográfica 4 Leste
Distritos de São Paulo Bandeira da cidade de São Paulo.svg

Aricanduva (em tupi-guarani: "lugar onde há muitas palmeiras da espécie airi") é um distrito da Zona Leste do município de São Paulo e pertence à subprefeitura homônima, que aglomera também os distritos de Vila Formosa e Carrão.

Possui uma população de 89.622 habitantes[1] (2010) e 6,6 km² de área. Abriga o Centro Comercial Leste Aricanduva, o maior da América Latina e a avenida de mesmo nome, que cumpre um importante papel na mobilidade da Zona Leste de São Paulo.

História[editar | editar código-fonte]

No século XVII, o riacho Aricanduva já era mencionado, assim como um arrabalde da cidade de São Paulo de nome igual. A origem do Aricanduva data de aproximadamente os anos de 1902 e 1905, mas foi desenvolvido por imigrantes portugueses a partir da década de 1940.

Toda a área era uma grande fazenda de Luis Americano, dono de muitas terras, e do Parque do Carmo. Ele repassou parte das terras para o então Governador do Estado, Ademar de Barros, que as retalhou em lotes e chácaras e criou uma empresa de loteamentos chamada Aricanduva.[2]

A abertura do trecho leste da Radial Leste aproximou o bairro do centro da cidade e, em 1976, a construção da Avenida Aricanduva sobre o leito do córrego homônimo impulsionou o contínuo desenvolvimento do distrito.

Atualidade[editar | editar código-fonte]

O Aricanduva é conhecido pelo rio e pela avenida de mesmo nome. Antes das intervenções da Subprefeitura Aricanduva nos córregos e nas ruas para a prevenção de inundações, a região, principalmente as áreas lindeiras ao rio, era bastante afetada pelas chuvas de verão, causando desvalorização imobiliária. O perfil do casario é misto, ou seja, apresenta residências para as classes baixa, principalmente na divisa com a Subprefeitura de Sapopemba e distritos de Cidade Líder e São Matheus; enquanto o perfil médio e médio-alto se concentra nos bairros de Jardim Aricanduva, Vila Antonieta, Jardim Vila Formosa e Vila Carrão, já próximos aos distritos de Vila Formosa e Vila Carrão.

É um bairro que está em processo de verticalização, a qual se intensificou a partir de 2011. De acordo com os atuais mapas da Prefeitura de São Paulo, situa-se no Aricanduva o Centro Educacional Unificado Formosa (CEU Formosa), localizado próximo à divisa com o distrito de Vila Formosa.

Com as recentes expansões do Centro Comercial Leste Aricanduva, que o tornou o maior centro comercial da América Latina em área construída, e com os novos lançamentos imobiliários, as residências da região se valorizaram e o metro quadrado, em 2018, alcançou um valor médio de R$ 6.980,00[3], enquanto a renda média per capita do distrito - em 2017 - era de R$ 3.828,40[4], de acordo com o Mapa da Desigualdade divulgado pela Rede Nossa São Paulo.

Ainda, a região está se diversificando em estabelecimentos de lazer. Desde o início da verticalização em 2011, o número de academias, padarias, bares com música ao vivo e outros comércios aumentou.

Centro Comercial Leste Aricanduva[editar | editar código-fonte]

A abertura do trecho Radial Leste e a construção da Avenida Aricanduva trouxeram perspectivas de progresso e impulsionaram o desenvolvimento do bairro, que conta com uma infraestrutura completa de comércio na região.

O Shopping Aricanduva é o maior shopping center do Brasil e da América Latina, sendo o nono maior do mundo em área bruta, possuindo 579 lojas e 420 mil metros quadrados de área. Está localizado no distrito da Cidade Líder e seu nome se deve a avenida na qual se encontra.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Bacia Hidrográfica[editar | editar código-fonte]

O distrito está localizado sobre a sub-bacia do Rio Aricanduva, que aflui do Rio Tietê e possui cerca de 100,4 km² de área de drenagem.[5] Durante a colonização, o córrego serviu como ligação entre a Vila de São Paulo com o Vale do Paraíba ao Porto de Santos e também com o Rio de Janeiro.

Distritos limítrofes[editar | editar código-fonte]

Bairros[editar | editar código-fonte]

  • Aricanduva
  • Jardim Antonieta
  • Jardim Aricanduva
  • Jardim Caguassu
  • Jardim Catarina
  • Jardim Cotching
  • Jardim Galli
  • Jardim Guannam
  • Jardim Haia do Carrão
  • Jardim Iva
  • Jardim Machado
  • Jardim Nova Carrão
  • Jardim Piquerobi
  • Jardim Record
  • Jardim das Rosas
  • Jardim Santo Eduardo
  • Jardim Tango
  • Jardim Vila Formosa
  • Parque Maria Luiza
  • Parque Santo Antônio
  • Vila Alzira
  • Vila Antonieta
  • Vila Embira
  • Vila Falconi
  • Vila Nova Iorque
  • Vila Nice
  • Vila Rica
  • Vila Sara

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

O distrito terá uma estação de metrô com a expansão da Linha 2-Verde[6], e possui o Terminal Vila Carrão. Além disso, a SPTrans disponibiliza diversas linhas de ônibus, em sua maioria da Região 4, que conectam o distrito a pontos de interesse, como as estações da Linha 2-Verde e Linha 3-Vermelha, ao Parque Dom Pedro, à Praça da Sé e outros terminais de ônibus da região.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Dados demográficos dos distritos pertencentes às Subprefeituras | Secretaria Municipal de Prefeituras Subprefeituras | Prefeitura da Cidade de São Paulo». www.prefeitura.sp.gov.br. Consultado em 19 de março de 2019 
  2. «História de Aricanduva na Zona Leste». www.guialeste.com.br. Consultado em 19 de março de 2019 
  3. «Preço do metro quadrado em São Paulo». Terra. Consultado em 19 de março de 2019 
  4. «Média de salário em SP vai de R$ 1,2 mil em Marsilac a R$ 10 mil no Campo Belo». G1. Consultado em 19 de março de 2019 
  5. Prefeitura Municipal de São Paulo, Prefeitura de São Paulo. «Bacia Hidrográfica do Rio Aricanduva» (PDF). PMSP. Consultado em 19 de março de 2019 
  6. «Governo de SP autoriza início das obras de ampliação da Linha 2-Verde até Penha:Com mais 8,3 km de extensão e 8 novas estações, linha vai cruzar a zona leste, beneficiando mais de 300 mil pessoas por dia». Portal do Governo do Estado de São Paulo. 17 de janeiro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]