Subprefeitura de Pinheiros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Subprefeitura de Pinheiros
Administração
Subprefeito Richard Haddad Junior[1]
desde 19 de março de 2021
Características geográficas
Área 31,7 km²
População 257 772 habitantes
IBGE/censo 2010
IDH 0,942 - muito elevado ()[2]
Subprefeituras limítrofes Butantã, Lapa, , Vila Mariana, Santo Amaro e Campo Limpo.
Mapa do município de São Paulo
Localização

A Subprefeitura de Pinheiros é uma das 32 subprefeituras do município de São Paulo. De acordo com a lei municipal n° 11.220/92 é composta por quatro distritos: Pinheiros; Alto de Pinheiros; Itaim Bibi e Jardim Paulista, que somados representam uma área de 32,11 km², e habitada por mais de 257 mil pessoas.[3] Se encontra na porção central do município de São Paulo entre as Subprefeituras da Sé, Vila Mariana, Santo Amaro e Lapa.

Sua área é limitada pelo Rio Pinheiros, Av. Queirós Filho, R. Cerro Corá, R. Heitor Penteado, Av. Dr. Arnaldo, Av. Paulista, Av. Brig. Luís Antônio, Av. Stº Amaro, Av. Roque Petroni Júnior, até chegar novamente ao Rio Pinheiros.[4]

Histórico[editar | editar código-fonte]

A atual Subprefeitura de Pinheiros foi criada em 1965 pelo prefeito José Vicente de Faria Lima como uma Administração Regional. Ela é uma das 7 (sete) primeiras Administrações Regionais (ARs) implantadas na época de sua criação: Sé, Vila Mariana, Pinheiros, Lapa, Santana, Penha e Mooca. Além dessas sete ARs, havia ainda a Subprefeitura de Santo Amaro, criada com a incorporação em 1936 de Santo Amaro ao município de São Paulo.[5]

Em 1986, durante a gestão do prefeito Jânio Quadros, a então Administração Regional de Pinheiros é aglutinada com as administrações regionais da Sé e da Lapa para formar a Subprefeitura da Sé, conforme previsão da lei municipal nº 10.089/1986.[6]

Subprefeitos[editar | editar código-fonte]

  • Márcio Dias Pinto: 1966[7]
  • Paulo Alves Mota: 1970[8]
  • Rubens Macedo: 1978[9]
  • Cid Barbosa Lima Júnior: 1989?-1990[10][11]
  • Roland Shalders: 1993[12]
  • Eduardo Basilio: 1997
  • Mário Bertolucci Neto: ?[13]
  • Oswaldo Shigueyuki Kawanami: Dez/1998[14]
  • Cyrius Lotti: Dez/1998 - ?[14]
  • Maurício Marcos Monteiro: Fev/1999 - Jun/2000[15]
  • Marcos Roberto dos Santos: Jun/2000 - Dez/2000[16]
  • Beatriz Pardi: Jan/2001 - 2004[17]
  • Antonio Marsiglia Neto: 2005[18] - Abr/2006[19]
  • Dorivaldo Andrade Ribeiro: Abr/2006[19] - Mai/2006
  • Nilton Elias Nachle: Mai/2006[20] - Jan/2009
  • Nevoral Alves Bucheroni: Jan/2009 - Out/2009
  • Rubens Paixão: 2009 - 2012
  • Angelo Salvador Filardo Junior: 2013 - Mar/2015[21]
  • Harmi Tahiya: Mar/2015[21] - Dez/2016[22]
  • Paulo Mathias: Jan/2017 - 2018[23]
  • Juliana Natrielli Medeiros Ribeiro dos Santos: 2018
  • João Vestim Grande: 2019 - 2020
  • Paulo Mathias: 2020
  • Acácio Miranda da Silva Filho: 2020 - 2021
  • Richard Haddad Junior: Mar/2021 - Atualidade

Subprefeitura de Pinheiros[editar | editar código-fonte]

Pinheiros[editar | editar código-fonte]

Área: 8,00 km²

População: 65 364 hab (2010)

Densidade Demográfica (Hab/km²): 8 171[24]

Principais Bairros:Jardim das Bandeiras, Jardim Europa, Jardim Paulistano, Jardins, Pinheiros, Sumarezinho, Vila Madalena.[25]

O bairro de Pinheiros teve origem em uma aldeia indígena situada à margem direita do Rio Pinheiros. O bairro foi fundado em 1560 e até meados 1850 continuou como um aldeamento indígena. A partir desse momento foi acolhendo diferentes povoados, todos dedicados à agricultura.

No começo do século XX o prolongamento da linha de bondes até o largo de Pinheiros, feito a partir da então Avenida Municipal, possibilitou um maior desenvolvimento da região. Em 1907, foi inaugurado o atual Mercado Municipal de Pinheiros, centro de recepção e venda de produtos agrícolas, consagrando a região como um centro de comércio atacadista.

Na década de 1930, em função da crescente industrialização do município de São Paulo e a nova importância econômica que o município estava a adquirir, a parte mais central de Pinheiros tornou-se mais urbana, beneficiada pelos primeiros serviços públicos, além dos bondes. Esse processo se iniciou em 1915, quando o primeiro serviço de iluminação pública foi instalado, uma parte do bairro começou a ter água encanada e algumas ruas começaram a ser pavimentadas com paralelepípedos. Na década de 40, Pinheiros estava densamente edificada, e em 1943, com a canalização do Rio Pinheiros, permitiu que novas áreas fossem acrescentadas.[3]

Alto de Pinheiros[editar | editar código-fonte]

Área: 7,70 km²

População:43.117 hab (2010)

Densidade Demográfica (Hab/km²): 5 600[24]

Principais Bairros: Alto de Pinheiros, Boaçava, Jardim Califórnia, Jardim Lígia, Vila Beatriz, Vila Madalena, Vila Ida.[26]

A partir do momento em que a  Lei do Marquês de Pombal de 1770 expulsou os Jesuítas da região, as terras foram leiloadas e deram origens a novas chácaras e sítios. Estas, foram adquiridas pela Companhia City, em 1913, empresa de planejamento e loteamento de bairros.

Alto de Pinheiros surgiu como um bairro planejado, com seu loteamento iniciado em 1925 e baseado nos princípios de bairros ingleses, com um sistema viário amplo e muitas áreas livres.[3]

Itaim Bibi[editar | editar código-fonte]

Área: 9,90 km²

População: 92 570 hab (2010)

Densidade Demográfica (Hab/km²): 9 351[24]

Principais Bairros: Brooklin, Brooklin Novo, Chácara Itaim, Cidade Monções, Itaim, Itaim Bibi, Jardim das Acácias, Vila Cordeiro, Vila Funchal, Vila Olímpia.[27]

No final do séc XIX, a região era uma fazenda de 120 alqueires do general José Vieira Couto de Magalhães. Em 1907, foi comprada por seu irmão. E em 1916, devido a morte do recente comprador, a propriedade foi dividida entre seus herdeiros, com isso apareceram os primeiros loteamentos, esses que foram vendidos a imigrantes europeus de outros bairros que buscavam terrenos mais baratos. E na década de 20 e 30, um bairro de tipo popular iniciou sua formação, o Itaim Bibi, entre a Vila Nova Conceição e o Jardim Europa, foi rapidamente ocupado por uma população modesta ou de classe média.

Para diferenciar o novo bairro do antigo Itaim Paulista, os moradores passaram a se referir à área como os “terrenos do Bibi”, apelido do antigo proprietário, e assim surge o nome da promissora região.[3]

Jardim Paulista[editar | editar código-fonte]

Área: 6,10 km²

População: 88 692 hab (2010)

Densidade Demográfica (Hab/km²): 14 540[24]

O Jardim Paulista, faz parte do conjunto de "bairros jardim" loteados pela Companhia City, tal como os bairros: Cidade Jardim, Jardim Europa e Jardim Paulistano. Todos exclusivamente residenciais e de classe alta. [3]

Referências

  1. «Prefeituras Regionais - Portal da Prefeitura do Município de São Paulo». Consultado em 3 de julho de 2022 
  2. http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/livros/livros/170828_livro_territorios_numeros_insumos_politicas_publicas_2_cap06.pdf
  3. a b c d e «Histórico - Portal da Prefeitura do Município de São Paulo». www.prefeitura.sp.gov.br. Consultado em 30 de abril de 2017 
  4. «Sistema de Unidades de Informações Territorializadas - Região Metropolitana de São Paulo». Emplasa - Empresa de Planejamento Metropolitano S.A. Consultado em 1 de maio de 2014 
  5. PLANOS E PROJETOS AUSENTES: DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA REQUALIFICAÇÃO DAS ÁREAS CENTRAIS DE SÃO PAULO
  6. A região em meio à descentralização administrativa. O caso das subprefeituras durante o governo de Toledo Piza no município de São. Paulo
  7. SISTEMÁTICA INTEGRADA PARA CONTROLE DE INUNDAÇÕES EM SUBBACIAS HIDROGRÁFICAS URBANAS ESTUDO DE CASO: A Bacia do Córrego Pirajuçara, sob o enfoque da integração de obras com ações de educação e percepção ambiental
  8. Mais luz para a Vila Sonia
  9. O lugar do movimento de moradia na mudança da política pública paulistana para as favelas (1979-1989)
  10. Erundina quer instalar creche no McDonald's
  11. Guia do acervo
  12. Trabalhadores do "lixo": a organização das cooperativas de catadores de materiais recicláveis em São Paulo 2000/2005
  13. Bertolucci confirma existência de esquema em regional
  14. a b Regional de Pinheiros deixa cargo
  15. Incêndio destrói documentos na AR de Pinheiros
  16. Regis faz mudança "cosmética" e pouco efetiva nas regionais
  17. Diário Oficial da Cidade de São Paulo, de 2 de agosto de 2002
  18. Presidente da VOS (Vila Olímpia Solidária) agradeceu ações da subprefeitura de Pinheiros
  19. a b Dorivaldo Andrade Ribeiro, novo subprefeito de Pinheiros, fala à comunidade
  20. Diário Oficial da Cidade de São Paulo, de 17 de maio de 2006
  21. a b Subprefeito cai após carnaval da Vila Madalena
  22. PORTARIA 478, DE 30/12/2016 - PREF.G - EXONERAÇÃO - SUBPREFEITO(A)
  23. Azevedo, Gerson. «Paulo Mathias assume a prefeitura regional de Pinheiros | Tudoeste». tudoeste.com.br. Consultado em 30 de abril de 2017 
  24. a b c d «Portal da Prefeitura do Município de São Paulo». www.prefeitura.sp.gov.br. Consultado em 1 de maio de 2017 
  25. «Bairros Pinheiros | São Paulo Bairros». www.spbairros.com.br. Consultado em 1 de maio de 2017 
  26. «Bairros Alto De Pinheiros | São Paulo Bairros». www.spbairros.com.br. Consultado em 1 de maio de 2017 
  27. «Bairros Itaim Bibi | São Paulo Bairros». www.spbairros.com.br. Consultado em 1 de maio de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de São Paulo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.