Baixa de Quintas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Baixa de Quintas (Salvador))
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A entrada do bairro Baixa de Quintas, marcada com o Monumento de Salvador.
Bandeira da Bahia.svgA Wikipédia possui o

Quintas, também chamada de Baixa de Quintas, é um bairro da capital do estado brasileiro da Bahia.[1]

Histórico[editar | editar código-fonte]

No lugar, afastado do núcleo onde desenvolvia-se a cidade do Salvador, então o centro principal do Brasil Colônia, construíram os jesuítas, no século XVI uma quinta - ou seja um local para descanso, imponente construção ainda existente e onde funciona o Arquivo Público da Bahia.

Esta Quinta secular deu nome ao bairro, hoje com estrutura residencial e comercial ativa. É ali que está localizado um dos mais antigos cemitérios da capital baiana: o Cemitério da Quinta dos Lázaros, como é conhecido - junto ao Cemitério da Ordem Terceira de São Francisco e ao Cemitério Israelita.

Complexo de cemitérios da Baixa de Quintas[editar | editar código-fonte]

Construído a partir da década de 1850, após a epidemia de cólera morbus que assolou a cidade de Salvador, o cemitério da Quinta dos Lázaros divide o terreno com outras quatro necrópoles: dos Humildes de São Francisco, da Ordem Terceira de São Francisco e Ordem Terceira do Carmo. O cemitério israelita fora construído apenas no século XX. Situados no alto de uma encosta, esses cemitérios, segundo Clarival do Prado Valladares, foram projetos conforme “os conceitos sanitaristas e urbanísticos da época”[2]. E, como aponta João José Reis, foram pensados para atender à demanda das irmandades e confrarias da cidade, devido a primazia da Santa Casa de Misericórdia da Bahia[3] e seu cemitério do Campo Santo.

Ainda de acordo com Valladares, é característico desse conjunto de cemitérios a presença de “bromélias, crótons, filodendros e ervas [...] representativos da simbologia religiosa africana”, pois nessas necrópoles diversos líderes do candomblé foram sepultados ao longo do século passado[4].

Segundo Flávio Souza Batista, o complexo cemiterial foi construído, respectivamente, a partir de 1856 (Quinta dos Lázaros e Ordem Terceira de São Francisco), seguidos do cemitério dos Humildes de São Francisco, em 1857 e pelo da Ordem Terceira do Carmo, em 1877 que, contudo, só ficaria definitivamente concluído em 1919 com o término das obras do pátio da capela[5].

Localização e principais vias[editar | editar código-fonte]

Localizado entre o Dois Leões, Macaúbas (ao sul), Barbalho (a oeste), Cidade Nova (a leste) e Caixa D'Água (a norte), sua principal via de acesso dá-se justamente na confluência da avenida Barros Reis com a rua Cônego Pereira.

As principais vias que cortam o bairro são a Estrada da Rainha, a rua Quinta dos Lázaros e rua General Argolo.

Principal atividade econômica[editar | editar código-fonte]

A principal atividade desenvolvida na Baixa de Quintas, é o comércio de peças e acessórios para veículos nacionais ou importados.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Bairro
  2. VALLADARES, Clarival do Prado (1967). Riscadores de milagres: um estudo sobre arte genuína. [S.l.]: Secretaria de Educação e Cultura do Estado da Bahia. pp. 115–116 
  3. REIS, João José (1991). A morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras. 338 páginas  line feed character character in |título= at position 74 (ajuda)
  4. VALLADARES. [S.l.: s.n.] pp. p. 116 
  5. BATISTA, Flávio Souza (2014). RISCOS AMBIENTAIS DO COMPLEXO DE CEMITÉRIOS QUINTA DOS LÁZAROS. Salvador: [s.n.] pp. p. 40–55  line feed character character in |título= at position 55 (ajuda)