Geraldo Cleofas Dias Alves

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Geraldo Assoviador
Informações pessoais
Nome completo Geraldo Cleofas Dias Alves
Data de nasc. 16 de abril de 1954
Local de nasc. Barão de Cocais-MG, Brasil
Nacionalidade brasileira
Falecido em 26 de agosto de 1976 (22 anos)
Local da morte Rio de Janeiro-RJ
Apelido Geraldo Assoviador
Informações profissionais
Período em atividade 19731976 (4 anos)
Clube atual Falecido
Posição Meio-campista
Clubes de juventude
Flamengo
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1973–1976 Flamengo 00168 00000(13)
Seleção nacional
1975-1976 Brasil Brasil 00007 000000(0)

Geraldo Cleofas Dias Alves (Barão de Cocais, 16 de abril de 1954 - Rio de Janeiro, 26 de agosto de 1976[1]), mais conhecido por Geraldo Assoviador, foi um futebolista brasileiro que jogava no meio-campo.[2]

Uma das maiores revelações do futebol brasileiro nos anos 70, Geraldo era conhecido pelo seu excepcional controle de bola, visão de jogo e o futebol alegre. Por jogar cantarolando, ganhou o apelido de "assoviador".[3] Para o historiador Luiz Antonio Simas, a maneira de ser de Geraldo era uma marca de sua brasilidade. “Esse hábito de jogar assoviando deu a Geraldo a fama de irresponsável, irreverente, descompromissado, chupa-sangue e outras baboseiras do gênero. Queriam que o neguinho Geraldo, mineiro de Barão de Cocais, se comportasse como um respeitável centro-médio europeu, de cenho franzido e olhar de touro brabo, uma espécie de candidato a meia direita da seleção da Escócia. Mas Geraldo era brasileiro”.[4]

Sua morte prematura causou comoção no País. Principalmente entre os companheiros de profissão. Por conta disso, dias após sua morte, Geraldo foi homenageado com a disputa entre Flamengo e Seleção Brasileira de uma Taça que levou seu nome, com o objetivo de arrecadar dinheiro para sua família.[5]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Barão de Cocais-MG, Geraldo era um dos cinco rapazes, de um total de nove filhos, de uma família que pôs em campo cinco jogadores de futebol, dos quais três se destacaram. Lincoln, o mais velho, jogou no América e no Atlético mineiros, enquanto Washington atuou no rubro-negro como zagueiro central, mas só ele se tornou um astro maior.[6]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Contemporâneo de Zico, Geraldo começou sua carreira nas divisões de base do Flamengo no final dos anos sessenta, e morava nas dependências do clube, no “Morro da Viúva”.

Um dia, o treinador Mário Jorge Lobo Zagallo descobriu seu futebol em um dos treinos do juvenil. No dia seguinte, Zagallo trouxe o garoto “assoviador” para treinar no elenco principal.

Com o clube, foi Campeão da Taça Guanabara de 1973 e campeão carioca de 1974.

Segundo o Almanaque do Flamengo, de Clóvis Martins e Roberto Assaf, Geraldo disputou fez 168 jogos com a camisa rubro-negra (94 vitórias, 40 empates, 34 derrotas) e marcou 13 gols.[2]

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Geraldo estrou na seleção brasileira na Copa América de 1975.

Ao todo, fez sete jogos pela Seleção Brasileira.

Falecimento[editar | editar código-fonte]

Com acompanhamento médico regular, como é comum aos atletas profissionais, descobriu-se que Geraldo tinha inflamações crônicas na garganta e o departamento médico do clube recomendou a retirada das amígdalas.[6]

Sua operação foi agendada para o dia 25 de agosto de 1976. Porém, por questões burocráticas, Geraldo só foi internado no dia seguinte, desfalcando a equipe que jogara no dia anterior em Fortaleza contra o Ceará.

Geraldo deu entrada no Hospital Rio-Cor, em Ipanema, para retirar as amigdalas quando o relógio marcava 7 horas da manhã do dia 26. Pouco tempo depois, o médico otorrinolaringologista Wilson Junqueira iniciou os procedimentos e aplicou o anestésico local.

Vinte minutos após o início da cirurgia, Geraldo se sentiu mal e seu coração parou. A equipe médica tentou reanimá-lo com injeções e choques elétricos.

As 10h30m Geraldo sofreu uma segunda parada cardíaca e faleceu vitimado por um choque anafilático causado pela anestesia.

No dia de seu enterro, em Barão dos Cocais, a prefeitura decretou feriado e uma multidão de cerca de três mil pessoas acompanhou o sepultamento do seu filho mais ilustre. As bandeiras nacional e do município tremularam com uma faixa preta em sinal de luto.[6]

A morte de Geraldo foi cercada de polêmicas. Sua mãe, Nilza Alves, recusou-se a aceitar como causa da morte uma parada cardíaca. O chefe da equipe médica que operou o jogador, Wilson Junqueira, disse na ocasião que a extração das amígdalas transcorrera sem problemas, mas que os distúrbios circulatórios começaram 20 minutos após a cirurgia, sem um motivo específico. Acrescentou que antecedentes de saúde poderiam ter provocado a morte.[6]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Flamengo[editar | editar código-fonte]

Ano Jogos Gols Marcados Média Cartão Amarelo Cartão Vermelho
1973 17 0 - - -
1974 59 4 - - -
1975 64 6 - - -
1976 29 3 - - -
Total 169 13 - - -

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

# Data Partida Local Torneio Ref.
01 30/09/1975 Brasil Brasil 1 x 3 Flag of Peru.svg Peru Estádio do Mineirão, Belo Horizonte Copa América de 1975 [7]
02 04/10/1975 Flag of Peru.svg Peru 0 x 2 Brasil Brasil Estádio Alejandro Villanueva, Lima Copa América de 1975 [7]
03 21/02/1976 Brasil Brasil 1 x 0 Seleção Brasiliense Centro Desportivo Presidente Emilio Garrastazu Médici, Brasília Amistoso [8]
04 27/02/1976 Flag of Argentina.svg Argentina 1 x 2 Brasil Brasil Estádio Monumental de Nuñez, Buenos Aires Copa Roca de 1976 [7]
05 19/05/1976 Brasil Brasil 2 x 0 Flag of Argentina.svg Argentina Estádio do Maracanã, Rio de Janeiro Copa Roca de 1976 [7]
06 02/06/1976 Brasil Brasil 4 x 3 Unam Pumas-MEX Candlestick Park, San Francisco Amistoso [8]
07 09/06/1976 Brasil Brasil 3 x 1 Flag of Paraguay.svg Paraguai Estádio do Maracanã, Rio de Janeiro Taça Oswaldo Cruz [7]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Se(c)ções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios (desde outubro de 2010).
  • O apelido de Geraldo Assoviador foi dado em virtude da excêntrica mania que o jogador tinha de assoviar dentro de campo enquanto realizava jogadas inusitadas.
  • O atleta, em seu auge, foi por diversas vezes comparado por cronistas esportivos da época com o rei do futebol: Pelé.
  • A amizade de Geraldo com Zico era tão forte que, além de freqüentar constantemente a casa da família Antunes, em Quintino, ele era considerado um filho postiço de Seu Antunes e Dona Matilde. “É meu filho marronzinho”, costumava dizer o patriarca da família.
  • Não era para Geraldo ter feito a cirurgia no dia 26 de agosto. Na verdade, o jogador, que tinha muito medo de ser operado, deveria ter retirado as amídalas no mesmo dia em que Zico corrigiu um desvio de septo. Mas Geraldo não apareceu no dia e apenas Zico fez a cirurgia na data prevista.
  • Zico participou de dois amistosos em memória a Geraldo. O primeiro, chamado Taça Geraldo Cleofas Dias Alves, aconteceu no dia 6 de outubro (Flamengo 2 x 0 Seleção Brasileira), e serviu para arrecadar fundos para a família do jogador, que vivia em Barão de Cocais. A segunda, em 1995, foi entre os másteres do Flamengo e de Minas Gerais, em Barão de Cocais (o Flamengo perdeu por 2 x 1 e Zico fez o gol), para possibilitar a construção do mausoléu para Geraldo.
  • Geraldo é tio do zagueiro Bruno Alves, do Zenit e da Seleção Portuguesa de Futebol.[9]
  • Geraldo compareceu ao hospital no dia marcado, 25 de agosto de 1976, mas não operou porque o presidente do Flamengo na época, Hélio Mauricio, não deixou comunicação oficial à respeito da operação. Hélio também era médico do hospital em que Geraldo iria realizar a operação.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Flamengo[editar | editar código-fonte]

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «JB online». Consultado em 17 de maio de 2010. Arquivado do original em 19 de julho de 2010 
  2. a b terceirotempo.bol.uol.com.br/ Que Fim Levou? Geraldo Assoviador
  3. goal.com/ Há 40 anos o futebol brasileiro perdia uma de suas maiores promessas
  4. almanaquebrasil.com.br/ Geraldo: o assoviador rubro-negro teve vida breve
  5. acervo.oglobo.globo.com/ Flamengo derrotou seleção brasileira com Rivelino e Pelé no Maracanã, em 1976
  6. a b c d acervo.oglobo.globo.com/ Geraldo, amigo de Zico da ‘geração de ouro’ do Fla, morreu no auge em cirurgia
  7. a b c d e 11v11.com/
  8. a b rsssfbrasil.com/
  9. O Globo Online