Loud

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Loud (álbum))
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Loud
Álbum de estúdio de Rihanna
Lançamento 12 de novembro de 2010
Gravação Fevereiro — agosto de 2010
Gênero(s) Dance-pop  · R&B  · reggae  · hip hop  · dancehall
Duração 44:39
Formato(s) CD  · DVD  · streaming  · download digital
Gravadora(s) Def Jam  · SRP
Produção Rihanna (exec.)  · Antonio "LA" Reid (exec.)  · Carl Sturken (co-exec.)  · Evan Rogers (co-exec.)  · Alex da Kid  · C. "Tricky" Stewart  · Ester Dean  · Kuk Harrell  · Makeba Riddick  · Mel & Mus  · Polow da Don  · The Runners  · Sandy Vee  · Sham  · Soundz  · Stargate  · Veronika Bozeman
Cronologia de Rihanna
Rated R: Remixed
(2010)
Talk That Talk
(2011)
Singles de Loud
  1. "Only Girl (In the World)"
    Lançamento: 10 de setembro de 2010
  2. "What's My Name?"
    Lançamento: 26 de outubro de 2010
  3. "S&M"
    Lançamento: 23 de janeiro de 2011
  4. "Man Down"
    Lançamento: 3 de maio de 2011
  5. "California King Bed"
    Lançamento: 13 de maio de 2011
  6. "Cheers (Drink to That)"
    Lançamento: 2 de agosto de 2011

Loud (em português: Alto) é o quinto álbum de estúdio da cantora barbadiana Rihanna. Foi lançado em 12 de novembro de 2010 pelas gravadoras Def Jam e SRP Records. O álbum foi gravado entre fevereiro a agosto de 2010, durante os intervalos da turnê Last Girl on Earth Tour e as filmagens de seu primeiro longa-metragem, Battleship (2012). Rihanna continuou a trabalhar com seu produtor de longa data L.A. Reid na produção executiva de Loud e juntos desenvolveram material com vários outros produtores musicais, incluindo Stargate, Sandy Vee, The Runners, Tricky Stewart e Alex da Kid. A obra apresenta a participação de vários artistas como convidados especiais, incluindo os rappers Drake, Nicki Minaj e Eminem, cujo o último está na sequência de "Love the Way You Lie", intitulado "Love the Way You Lie (Part II)". A cantora americana Britney Spears também foi destaque no remix de "S&M", quando foi oficialmente lançado como single, embora ela não apareça em nenhuma das versões do álbum.

O álbum difere do projeto de estúdio anterior de Rihanna, tanto em termos de sonoridade quanto de conceito, em Rated R, lançado em 2009, a musicista inseriu temas sombrios e raivosos na obra e apresentou canções fortemente influenciadas por hip-hop e rock, entretanto em Loud, o ouvinte é apresentado a uma sonoridade bastante diversificada de gênero musicais, variando do R&B e dance-pop a música eletrônica, e marca o retorno da artista ao dancehall; um gênero de destaque em seus dois primeiros álbuns de estúdio, Music of the Sun (2005) e A Girl like Me (2006). Além disso, a obra incorpora elementos do rock em "California King Bed" e reggae em "Man Down". Além do conteúdo lírico, que aborda temas como relacionamentos amorosos, traição, práticas sexuais entre outros.

Loud foi recebido com opiniões favoráveis pela crítica especializada em música contemporânea, que elogiaram seu conteúdo otimista e as performances vocais da cantora, enquanto outros afirmaram que, embora as músicas fossem sólidas, elas não soavam coesas umas com as outras. O projeto foi um sucesso comercial; estreando no número três entre os 200 álbuns mais vendidos dos Estados Unidos, com vendas superiores a duzentas mil unidades, tornando-se a maior venda na semana de estreia de sua carreira até a época. O produto alcançou o número um nas paradas do Canadá, Reino Unido e Suíça. De acordo com a International Federation of the Phonographic Industry (IFPI), Loud foi o oitavo álbum mais comercializado em todo mundo no ano de 2011. Desde o seu lançamento, o trabalho já vendeu mais de 8 milhões de exempláres globalmente.

Seis singles foram produzidos a partir do álbum, incluindo os sucessos internacionais "Only Girl (In the World)", "What's My Name?" e "S&M". Todos os três lançamentos alcançaram o número um na parada de singles americana. "S&M" foi a décima música número um de Rihanna no páis, tornando-a quarta artista solo que mais vezes liderarou a tabela, feito que a igualou à Janet Jackson naquele momento. "Only Girl (In the World)" ganhou um prêmio Grammy de Melhor Gravação de Dance em fevereiro de 2011; Além disso, o álbum foi indicado a mais três categorias da mesma premiação, incluindo o de Álbum do Ano. Em apoio ao projeto, Rihanna embarcou em sua terceira turnê mundial, a Loud Tour, que percorreu diversos países da Europa e Américas durante o segundo semestre de 2011.

Antecedentes e lançamento[editar | editar código-fonte]

O vice-presidente da gravadora Def Jam, Bu Thiam, comparou Loud com o álbum Thriller de Michael Jackson (foto).

Após ser vítima de violência doméstica por parte de seu ex-namorado, o cantor Chris Brown,[1] Rihanna lançou seu quarto álbum de estúdio, Rated R (2009).[2] O disco veio repleto de temas sombrios e raivosos em seu conteúdo lírico, possivelmente influenciados pelo conflito vivido pela intérprete.[2] Rated R foi um sucesso comercial e extraiu cinco singles, sendo um deles "Rude Boy" que liderou as paradas dos Estados Unidos.[3] Quase meio ano após seu lançamento, foi revelado que Rihanna estava planejando lançar seu quinto álbum de estúdio.[4] A cantora disse que seu novo material seria mais enérgico e diferente do seu lançamento anterior.[4] Erik Hermansen, da equipe de produção musical Stargate, falou sobre como o conceito do novo trabalho, alegando que Rihanna foi até eles antes de começar a gravar "Only Girl (In the World)" e disse: "Sinto-me muito bem comigo mesma agora. Quero me divertir novamente, quero fazer músicas felizes e agitadas".[5] Sean Garrett comparou o som do novo projeto com os do sucessos anteriores da cantora, como "Umbrella" e "Rude Boy".[6] Em entrevista à MTV, o vice-presidente da gravadora Def Jam comparou o novo trabalho de Rihanna com o álbum Thriller de Michael Jackson, dizendo:

Rihanna está vindo incrivelmente. Estou tentando pressioná-la a fazer de cada música um sucesso desde a primeira a última faixa. Estou falando de um álbum sem preenchimentos. Nossa intenção com este álbum é igualá-lo a Thriller de Michael Jackson.[6]

Intitulado Loud, o quinto álbum de estúdio de Rihanna, foi lançado em 12 de novembro de 2010, em quatro edições separadas: uma edição padrão; uma de luxo embalada em formato digipak e exclusiva para os territórios americano e australiano — que apresenta um documentário de 30 minutos — intitulado Making of Loud DVD (dirigido por Brian e Brad Palmer); uma Edição de Alta Costura que contém a edição de luxo do álbum, uma caixa com uma capa clara e um livro de fotos em tamanho real.[7] Também foi produzida uma edição de Ultra Costura, contendo uma cópia da Edição de Luxo de Loud assinada por Rihanna.[8] A edição japonesa do álbum foi lançada com dois remixes adicionais de "Only Girl (In the World)".[9] A versão em piano de "Love the Way You Lie (Part II)" esteve disponível apenas na edição do álbum disponobilizada no iTunes americano. No entanto, a versão que apresenta Eminem também está disponível na edição de luxo dos Estados Unidos.[10] Uma versão explícita de Loud também foi lançada e apresenta um rótulo Parental Advisory devido ao conteúdo lírico de algumas canções.[11] A Capa da edição padrão do disco apresenta um close do rosto de Rihanna e o topo de um dos ombros dela. A cantora aparece com os olhos fechados e a boca ligeiramente aberta. Seus lábios e cabelos aparecem pintados de vermelho. Em seu pescoço contém uma tatuagem escrita "Rebelle Fleur". Esta foi a primeira capa de um álbum de Rihanna a não apresentar seu nome escrito, contendo apenas o título do disco estampado na parte superior.[12] A foto de capa da edição de luxo de Loud apresenta a artista com os cabelos soltos e avermelhados, cobrindo seu olho esquerdo, sua boca aparece fechada e sua tatuagem permanece amostra. Ela traja uma tiara florida em cima da cabeça e é captada ao lado de uma cortina branca.[13]

Gravação e produção[editar | editar código-fonte]

L.A. Reid assina a produção executiva de Loud ao lado da intérprete.

As sessões de gravação de Loud começaram em fevereiro de 2010 e continuaram por um período de seis meses, durante os intervalos da turnê The Last Girl On Earth, bem como durante as filmagens do filme Battleship, e concluídas em agosto do mesmo ano.[14][15] Para conceber as faixas do projeto, A Def Jam recrutou um grupo de compositores e produtores de discos para desenvolver músicas para Rihanna num prazo de duas semanas: eles escreveram aproximadamente 200 canções, das quais onze integram a versão oficial da obra.[16] A Def Jam alugou dez estúdios de gravação em Los Angeles para criar o maior número possível de músicas.[17] Ray Daniels, gerente da dupla musical Rock City, esteve presente durante as sessões e afirmou que o aluguel teve um custo diário de 25 mil dólares.[18] Daniels revelou que durante um momento do processo de criação das faixas, os compositores tinham letras mas não tinham músicas e quando os produtores tinham músicas, não tinham as letras.[18]

Loud foi gravado em vários estúdios de gravação em todo o mundo, incluindo os The Village e Westlake Recording em Los Angeles, Platinum Sound Recording e Roc the Mic ambos em Nova Iorque e The Bunker em Paris.[19] Os compositores e produtores Taio Cruz,[20] Alex da Kid,[21]Sean Garrett,[22]Ne-Yo,[23] Rico Love, Timbaland,[24] Shontelle,[25] David Guetta,[26] e Drake[27] contribuíram para a obra. Em setembro de 2010, durante uma conversa em seu site de fãs, Rihannadaily.com, a cantora falou sobre como o projeto foi realizado:

"Eu terminei de gravar o álbum inteiro. Fiz questão de não decepcioná-los com a minha música. Vocês sempre me apoiam, então agora vocês terão algumas músicas muito boas que justificam isso. Eu não queria voltar e refazer o que foi feito em Good Girl Gone Bad. Eu queria dar o próximo passo na evolução da minha carreira, e é perfeito para nós".[15]

Além de confirmar a conclusão da obra durante o bate-papo eletrônico, Rihanna anunciou que o álbum se chamaria Loud,[n 1] dizendo: "Todo mundo fica agitado, fica louco, fica empolgado, porque estou animada. Apenas serei eu mesma, porque é isso que vocês mais amam, e é isso que me faz sentir melhor. O simples fato de ser normal e normal para mim é agitado, divertido, paquerador e enérgico".[15] Enquanto a cantora estava no set de filmagens do Battleship, ela explicou em uma entrevista ao portal Entertainment Tonight, sobre o nome, dizendo: "Loud, sem dúvida reflete a atitude dele, é muito ousado, paquerador e atrai a atenção, é por isso que eu gostei. Leva vocês a uma jornada muito interessante. Essa é a cor do álbum".[28]

Música e letras[editar | editar código-fonte]

Estilos musicais e conceito[editar | editar código-fonte]

Em termos de estílo musical, Loud é considerado um afastamento notável do trabalho anterior de Rihanna, tanto em termos de sonoridade quanto de conceito. Em Rated R, lançado em 2009, a musicista inseriu temas sombrios e raivosos na obra e apresentou canções fortemente influenciadas por hip-hop e rock.[29] Loud, entretanto, incorpora ritmos de andamento acelerado e gêneros muicais derivados da música pop, variando de dance pop a funsões de electro e R&B e marca o retorno de Rihanna às suas raízes no dancehall,[30] que foi apresentado em seus materiais anteriores como Music of the Sun (2005) e A Girl Like Me (2006).[31] Em uma entrevista à MTV sobre Loud, Rihanna disse: "Eu queria que as músicas tivessem a vibração do Caribe, que só eu poderia fazer e não um disco de pop que Kesha, Lady Gaga ou Katy Perry fariam".[32] Durante a promoção do disco, a cantora disse que grande parte das músicas nasceram da frustração, explicando: "Quando você vai a um clube e tem que ouvir música ruim, não tem outra escolha a não ser se jogar no álcool, porque quer se divertir. Eu odeio ter que ficar pulando de faixa. Eu queria fazer um álbum, no qual você pudesse apenas curtir".[33]

Composição e conteúdo lírico[editar | editar código-fonte]

"Only Girl (In the World)" apresenta o uso de um "contrabaixo pesado" com o refrão da música incorporando uma "batida estridente de danceterias", que também foi descrita como uma "versão mais forte e mais sexy de de seu single de 2007, "Don't Stop the Music".[34][35]

As letras de "S&M" foram apontadas por alguns críticos especializados como semelehantes as inclusas no R-rated, apesar de alguns críticos considerarem a canção uma das melhores músicas de dance-pop presentes em Loud, pois equilibravam de forma eficiente os "lados lúdicos e sinistros da intérprete".[36]

Problemas para escutar estes arquivos? Veja a ajuda.

A canção que abre o álbum, "S&M", é uma faixa do gênero eurodance, produzida pela equipe de produção norueguesa Stargate em parceria com o músico Sandy Vee.[37] Contém, em sua composição musical, amostras da canção "Master and Servant" gravada pela banda britânica Depeche Mode.[38] Líricamente a faixa trata de assuntos como o sexo, sadomasoquismo, bondage e fetiches BDSM, além de retratar fantasias sexuais e a excitação do parceiro.[38] Durante o refrão, Rihanna interpreta "friamente" os versos, "Porque eu posso ser má, mas eu sou muito boa nisso / Sexo no ar, eu não me importo, eu amo o cheiro".[n 2][39] Em uma análise sobre a música, publicada pelo Allmusic, Andy Kellman enalteceu "S&M" como uma das melhores canções de estílo dance-pop contidas em Loud, de modo que faz um balanço eficiente, mas percebeu que não era tão bom quanto "Rude Boy", single de seu álbum anterior.[30] No entanto, James Skinner, em sua análise da faixa para a BBC Music, criticou o uso de temas sadomasoquistas em suas letras, que segundo ele não eram sinônimos de flerte.[40] A segunda faixa de sequência da obra, "What's My Name?", também foi produzida pela equipe Stargate e contém versos de rap executados por Drake.[41] Musicalmente, funde elementos proeminentes do electro ao R&B.[42] A faixa marca o retorno de elementos de ritmos do Caribe as obras da musicista, algo anteriormente explorado por ela em seus primeiros lançamentos.[43] A letra incorpora temas como o "romance" e o "sexo".[41] Os críticos de música enalteceram a natureza romântica presente na canção, bem como seus tons sexuais.[44]

"Cheers (Drink To That)" foi produzida pela dupla de produção, The Runners.[45] A faixa, de tempo moderado, deriva-se do pop rock e incluí demonstrações da canção "I'm With You" gravada por Avril Lavigne, para seu disco de 2002, Let Go.[46] "Cheers (Drink to That)" foi considerada, liricamente, uma canção festiva com múltiplas referências a bebidas alcólicas, como o uísque Jameson Irish Whiskey.[45] Mark Savage, da BBC Music, descreveu-a como "um pedaço de guitarra groove para a uma noite na cidade, que Rihanna dedica a todos os semi-alcoólicos no mundo".[45] A quinta música, "Only Girl (In The World)", é a terceira faixa presente no disco cujo a produção é assinada por Stargate.[34] Musicalmente, integra o dance-pop à elementos de eurodance.[34][47][35] Em termos líricos, aborda o ponto de vista de uma mulher que exige que o seu amante lhe dê toda a atenção que ela deseja, como se fosse a única mulher existente no mundo, exemplificando com versos como "Quero que você faça me sentir como se eu fosse a única garota do mundo / Como se eu fosse a única que você sempre amará / Como se eu fosse a única que conhece o seu coração".[n 3][34] Brad Wete, crítico da revista Entertainment Weekly, escreveu que a intérpte canta com uma voz sedutora e remete a uma versão mais forte e sexy de seu single de 2007, "Don't Stop the Music".[35]

A próxima faixa do disco, "California King Bed", é o destaque do álbum, junto com a música seguinte, "Man Down", quando se trata de seus gêneros. "California King Bed" é uma balada altamente influênciada por rock,[48][49] enquanto "Man Down" flerta com reggae.[50] Em uma análise publicada no Pitchfork Media, Ryan Dombell comentou que "California King Bed", é um tipo de balada semelhante a "I Don't Want to Miss a Thing" do Aerosmith, feita para trilhas sonoras.[51] Sua letra fala sobre um relacionamento à beira do colapso.[52] Em "Man Down", Rihanna explora seu sotaque caribenho em um electro-reggae, com letras que retratam uma mulher contando para sua mãe que atirou em um homem na Estação Central.[29][53] "California King Bed" foi produzido por The Runners, enquanto "Man Down" foi produzido pela produtora Shama Joseph em parceria com Kuk Harrell.[54] "Raining Men", a oitava canção de Loud, contém versos de rap executados por Nicki Minaj. Musicalmente, é uma canção de tempo moderado que incorpora elementos de estilo hip-hop, sob a produção assinada por Mel & Mus.[55] De acordo com Jon Pareles do The New York Times, liricamente a música concentra-se em Rihanna e Minaj "cantando sobre uma infinita oferta de homens disponíveis" em letras como "Meninas, não se preocupem porque têm muito mais deles / Eles estão caindo como chuva, então não vamos ficar sem".[n 4][53] A nona faixa do Loud, "Complicated", foi produzida por Tricky Stewart e Ester Dean.[56] A canção foi descrita como um "dance-pop limpo e afiado, apoiado por uma densa batida de hip-hop" e apresenta uso de sintetizadores e "explosões crepitantes" de percussão e bateria.[53][37] A intérprete canta sobre as complicações de um relacionamento,[56] e também como o protagonista pode sofrer mudanças de humor, em que seus sentimentos frequentemente mudam em relação ao amante.[53] A penúltima música do disco, "Skin", é uma canção de tempo moderado que deriva-se do R&B[57] e que incorpora elementos de soft rock, dance-pop e dubstep.[51] "Skin" possui baixo, sintetizadores e uma guitarra elétrica em sua instrumentalidade.[58][59] Thomas Conner, do Chicago Sun-Times, notou que nas letras da canção a cantora "brinca com o seu homem" e "o deixa excitado", dando como exemplo o fragmento da melodia "você já esperou tempo demais", antes de instruir "Não se segure, você sabe que eu gosto com força".[60] A última música do álbum é a sequência do sucesso mundial, "Love the Way You Lie", de Eminem e Rihanna. "Love the Way You Lie (Part II)", foi produzido por Alex da Kid e apresenta Rihanna como principal vocalista. A faixa visualiza aspectos de um relacionamento da perspectiva feminina, em oposição ao original, que apresentava Eminem como vocalista principal e abordava a perspectiva masculina.[61]

Crítica profissional[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Pontuações agregadas
Fonte Avaliação
Metacritic 67/100[62]
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic 3 de 5 estrelas.[30]
The A.V. Club B–[63]
Entertainment Weekly A–[64]
The Independent 3 de 5 estrelas.[65]
Los Angeles Times 3 de 4 estrelas.[66]
NME 7/10[58]
Pitchfork 7.6/10[51]
Rolling Stone 3 de 5 estrelas.[67]
Slant Magazine 3 de 5 estrelas.[29]
Spin 8/10[52]

Em geral, Loud foi recebeido com opiniões positivas por críticos especializados em música contemporânea. O Metacritic — um site musical que atribui classificações normalizadas de cem a opiniões críticas — deu ao álbum uma pontuação média de 67, o que indica "em geral, opiniões favoráveis​​" com base em 22 avaliações, no qual dez foram mistas e doze foram positivas.[68] Revisando o trabalho para o jornal The New York Times, Jon Pareles, percebeu um "cálculo hermético e legal" na obra, escrevendo que ele foi "trabalhado com os aparelhos pop tão bem quanto qualquer outro álbum deste ano, mantendo a essência de Rihanna".[53] Leah Greenblatt da revista eletrônica Entertainment Weekly, comentou que Loud mostra a cantora "invicta em suas piores circunstâncias — e encontra redenção exatamente no tipo de nirvana pop que a tornou famosa".[64] Em sua revisão para o jornal The Boston Globe, James Reed chamou a obra de "um retorno descarado as pistas de dança: de onde Rihanna pertence" e afirmou: "Como se estivesse se libertando das profundezas, ela é uma força nessas 11 canções".[69] Stacey Anderson, em sua análise para a revista Spin, elogiou a "plena e saudável reivindicação de sua sexualidade" feita pela cantora em Loud e escreveu que o álbum "oferece um éthos feminino confiante e em pé de igualdade com os melhores lançamentos de Shakira ou Beyoncé".[52]

Genevieve Koski, do The A.V. Club, elogiou Rihanna por elevar o som genérico do álbum, escrevendo que ela "soa revigorada, oferecendo performances vocais carismáticas no material que nem sempre está a altura".[63] Emily Mackay, para a revista NME, sentiu que as "experiências da cantora a fizeram soar mais orgânica, com um tom melhor" do que o apresentado em Rated R.[58] Análisando o material para o Chicago Sun-Times, o jornalista Thomas Conner, escreveu que "a atmosfera comemorativa das novas e atrevidas geleias de Rihanna é temperada com alguns dos sabores mais sombrios de Rated R".[60] Ryan Dombal, em sua coluna na publicação online estadunidense Pitchfork Media, elogiou a obra por conter um "pop efervescente" e elogiou a cantora por "sua atitude laissez-faire em relação à produção dos sucessos contidos em Loud, que pode resultar em movimentos muito seguros ou semi-experimentos que são surpreendentemente ótimos".[51] Ed Power, do portal musical Hot Press, elogiou as músicas do trabalho por serem "descaradamente livres de subtexto" e considerou os ganchos das canções "muito além de viciantes".[70]

Em uma crítica destoante das feitas acima, Andy Kellman, do banco de dados Allmusic, achou o material do álbum "impetuoso" e "desigual", e o chamou de "mais uma variedade sem foco de músicas ruins ou sólidas do que um conjunto coeso".[30] Andy Gill, para o jornal britânico The Independent, considerou que "as faixas mais interessantes são aquelas com exigências menos obscenas à sua vulnerabilidade".[65] Sal Cinquemani, da revista Slant, elogiou que "o sabor sutil das Índias Ocidentais com o qual Rihanna e a sua gravadora imprimiram inteligentemente" na maior parte do projeto, embora ele tenha notado algumas falhas em sua produção e tenha escrito que a cantora "sempre teve problemas para se encaixar" em um só gênero ... e para melhor ou pior, Rihanna continua a estilizar-se em Loud".[29] Para a publicação britânica The Observer, Hugh Montgomery, comentou que o trabalho "sonoramente, é bastante normal ... mas sua flutuabilidade estridente é difícil de resistir".[71]

Em 2011, "Only Girl (in the World)" ganhou um prêmio Grammy de Melhor Gravação de Dance e Loud foi indicado a três categorias na cerimônia realizada no ano seguinte, incluindo Álbum do Ano, Melhor Álbum Vocal Pop e Melhor Performance de Rap por "What's My Name?".[72]

Singles e vídeos musicais[editar | editar código-fonte]

O rapper canadense Drake fez participação nos vocais e no vídeo musical de "What's My Name?".

"Only Girl (In the World)" foi lançado como o primeiro single do Loud em 10 de setembro de 2010.[73] A faixa alcançou a primeira posição no ranking da revista Billboard das 100 canções mais executadas no território americano — tal feito também se repetiu na Austrália, Áustria, Canadá, Bélgica (Valônia), Eslováquia, Irlanda, Israel, Itália, Nova Zelândia, Noruega e Reino Unido — tornando-se um de seus singles mais bem sucedidos mundialmente até hoje.[74][3] "Only Girl" se tornou a quarta música de trabalho de Rihanna no ano de 2010 a alcançar a primeira posição nos Estados Unidos, tornando-se a primeira mulher e a primeira artista em geral — desde Usher em 2004 — a colocar mais de três singles na posição máxima da parada americana em um único ano.[75] O vídeo musical da canção foi dirigido por Anthony Mandler, sendo liberado em 13 de outubro de 2010.[76] A maioria das cenas contidas no videoclipe apresentam a cantora pulando e dançando entre balões coloridos, sentada em um balanço pendurado no céu, deitada em um jardim de flores e dançando na frente de uma árvore coberta de luzes tremeluzentes.[77][78] Tanner Stransky, editora da revista Entertainment Weekly, comentou positivamente o tema simplista do vídeo e notou que faz parecer "como se Rihanna estivesse falando diretamente com você, o espectador, e ela é a sua única em meio a paisagens deslumbrantes e bonitas de engolir. É um efeito que faz você se concentrar diretamente em [Rihanna], que está vestida com roupas glamourosas".[79] Joyce Lee do canal de televisão CBS escreveu que a artista "oficialmente superou os seus dias irritadiços de Rated R e assumiu uma aparência mais feminina e otimista em seu novo vídeo musical".[80]

Em 26 de outubro do mesmo ano, "What's My Name?", a segunda música de trabalho do projeto, é liberada.[41] Apresentando a participação do artista canadense Drake.[41] A música alcançou o número um na Billboard Hot 100, dando a Rihanna o seu oitavo pódio na parada.[3][81] Enquanto "Only Girl (In the World)" tornou-se seu nono número um em solo americano, alcançando o topo das paradas duas semanas depois de "What's My Name?",[75][3] portanto, tornou-se a primeira vez na história que o primeiro single de um álbum alcançou o número um após o segundo.[75] Ele também alcançou a liderança no Reino Unido e tornou-se sua quinta música de trabalho número um no páis e a primeira de Drake.[82] Como resultado, Rihanna se tornou a primeira artista feminina — na história das paradas britânicas — a emplacar singles na liderança em cinco anos consecutivos.[83] Ela é apenas a segundo artista a realizar esse feito, atrás de Elvis Presley, que alcançou o número um entre 1959 e 1963.[83] Um vídeo musical para a faixa foi gravado, sendo dirigido por Philip Andelman e liberado em 12 de novembro de 2010 através do canal Vevo no YouTube.[84] Rihanna e Drake aparecem no vídeo, em cenas românticas gravadas em um apartamento e um supermecado, além de apresentar a cantora andando pelas ruas do bairro Lower East Side da cidade de Nova Iorque.[85] James Montgomery do canal televisivo MTV comentou que a filmagem oferecia um conteúdo "exuberante", afirmando que "era como o passeio pela fantasia, um pouco mágico, pelas ruas da Big Apple, o que é conveniente, já que a música é muito bonita e sobre esse sentimento de estar tão apaixonado que nos deixa com vontade de gritar até em uma esquina de rua".[86]

"S&M" se tornou o décimo single número um de Rihanna nos Estados Unidos e a igualou com Janet Jackson (foto), em quarto lugar, entre as artistas feminas que mais lideraram a parada.

O terceiro single internacional do Loud, "S&M", foi lançado em 23 de janeiro de 2011.[87] Para promover a canção em casas noturnas, uma série de remixes notáveis foram produzidos por diversos disco-jóqueis (DJ), incluindo um com a participação da cantora americana Britney Spears, que foi lançado digitalmente em 11 de abril do mesmo ano.[88] Comercialmente, alcançou as dez primeiras posições em vinte e quatro países — incluindo o número um na Austrália, Canadá e nos Estados Unidos — o número dois na Nova Zelândia e o número três no Reino Unido.[3][89][90] Após conquistar a liderança, Rihanna assumiu a quarta posição — empatada com Janet Jackson — entre as solistas que mais vezes lideraram a Billboard Hot 100; com apenas quatro anos, onze meses e duas semanas entre seu primeiro e décimo número um na parada, a cantora alcançou o marco mais rapidamente do que qualquer outro artista solo.[91] Filmado em Los Angeles em 15 de janeiro, o vídeo musical da faixa foi co-dirigido pela própria intérprete em parceria com a diretora Melina Matsoukas.[92] No videoclipe a cantora é visionada dando sua opinião sobre a mídia e punindo aqueles que a descreveram incorretamente e mostrando pessoalmente sua dor, enquanto retratava cenas de sadomasoquismo.[93] Foi proibido em vários países — em muito dos quais sua exibição só foi liberada em período noturno — devido ao seu conteúdo explícito.[94] O vídeo também foi banido no YouTube por conter cenas inapropriadas para usuários menores de 18 anos de idade; a filmagem ainda permanece disponível na plataforma apenas para usuários registrados com idade superior à estabelecida.[95] O video musical da canção também enfrentou outra controvérsia quando sua intérprete foi acusada de plágio, resultando em uma ação judicial contra a mesma.[96]

Rihanna estreou "Man Down" em 3 de maio, como o quarto single do álbum.[97] Antes de seu lançamento oficial, a faixa já havia estreado na parada de singles de R&B/Hip-Hop no número oitenta e quatro na semana de 9 de abril e posteriormente alcançou o número dez.[98] Obtendo a posição cinquenta e nove na Billboard Hot 100.[3] A música também alcançou o número um na França por cinco semanas consecutivas.[99] Um vídeo musical filmado na Jamaica em abril — com direção de Anthony Mandler — foi liberado 31 de maio.[100] A filmagem apresenta a protagonista interpretada por Rihanna atirando e matando um homem enquanto ele caminha por uma estação ferroviária movimentada, como vingança, após ter sido violentada por ele algum tempo antes.[101] O Parents Television Council (PTC), uma organização sem fins lucrativos que defende o entretenimento responsável, criticou Rihanna pelo "homicídio calculado e frio" demonstrado no vídeo. O conselho discordou da atitude da artista em castigar um agressor sexual tirando-lhe a vida, com a justificativa que "envia uma mensagem muito forte e subjacente. Se Chris Brown disparasse numa mulher no seu novo vídeo, e se o BET o transmitisse, o mundo parava, mas como é a Rihanna ninguém diz nada".[102] A própria estação televisiva também foi criticada por transmitir o vídeo em horário nobre.[102]

A cantora canadense Avril Lavigne está entre os artistas que aparecem no video musical de "Cheers (Drink to That)". A faixa apresenta amostras da canção de Lavigne, "I'm With You".

No início de março, através do Twitter, a cantora perguntou aos fãs qual música de Loud eles gostariam que fosse lançada como a próxima música de trabalho do projeto.[103] Os fãs foram convidados a escolher entre "Cheers (Drink To That)", "Man Down", "California King Bed" ou "Fading". A opção mais popular teria seu vídeo filmado no final de março de 2011.[103] No dia 12 do mesmo mês, foi confirmado que os fãs escolheram "California King Bed" como próximo single da obra.[104] No entanto, os lançamentos foram alterados e no dia 13 de maio, "California King Bed" tornou-se o quinto single do Loud, após o lançamento de "Man Down".[105][104] A canção se tornou a primeira balada romântica a ser trabalhada do álbum.[104] Comercialmente, "California King Bed" alcançou o número um na Polônia — quatro na Austrália e também na Nova Zelândia — além de ter liderado a parada britânica de singles e alcançado a posição quarenta e três em território americano.[3][106][107][108] Anthony Mandler dirigiu o vídeo musical da canção — que foi filmado inteiramente em um estúdio localizando em Hollywood, Los Angeles, Califórnia — em março de 2011.[109] A gravação se passa em uma sala ao ar livre na praia. Apresentando a intérprete e seu namorado deitados em lados opostos de uma cama.[109][110] Jessica Sinclair, do jornal Long Island Press, foi positiva em sua avaliação do vídeo, elogiando o lado sensual de Rihanna.[111] Um escritor do The Huffington Post concluiu: "No vídeo de seu novo videoclipe, 'California King Bed', a estrela pop de Barbados diminui a velocidade e mostra seu lado sensível, segurando anotações e sustentando sua alma por um relacionamento conturbado".[112]

Para encerrar a promoção do disco, "Cheers (Drink to That)" foi lançada como a última música de trabalho do Loud em 2 de agosto, alcançando o número sete na Billboard Hot 100 e a décima quinta posição no Reino Unido.[3][113] Evan Rogers, com o auxílio de Ciara Pardo, dirigiram o video musical da canção,[114] liberado oficialmente através do Vevo, em 26 de agosto.[115][116] No videoclipe, Rihanna é visionada se preparando para sua apresentações em seu camarim — e em seguida são apresentados fogos de artifícios sendo lançados no céu e imagens das ruas de Barbados. Quando a música começa a tocar, a cantora revela-se com várias indumentárias que a acompanham durante a sua turnê. Outras cenas incluem Rihanna segurando uma câmera na mão, filmando pessoas e acontecimentos nos bastidores, que são incluídos no videoclipe.[115] Avril Lavigne, Jay-Z, Kanye West e Cee Lo Green fizeram aparições especiais no vídeo.[115] Após seu lançamento, a gravação recebeu aclamação geral dos críticos. Iona Kirby do Daily Mail elogiou o estilo documentário da obra, o qual "dá aos fãs a oportunidade de ver a vida de Rihanna e ter o discernimento sobre o que ela gosta de fazer".[117] Os editores da revista americana Rap-Up elogiaram o vídeo, comentando que é uma "verdadeira explosão num copo!".[118]

Outras músicas notáveis[editar | editar código-fonte]

A colaboração com a rapper Nicki Minaj, "Raining Men", alcançou o número quarenta e oito na parada de singles de R&B/Hip-Hop.[98] Após o lançamento de Loud, "Love the Way You Lie (Parte II)", em parceria com o rapper americano Eminem, estreou e alcançou o número dezenove no Canadá.[89] A música é a sequência do sucesso mundial "Love the Way You Lie", e apresenta Rihanna como vocalista principal. A faixa foi apreciada por críticos de música, que enalteceram a voz da cantora.[119]

Promoção[editar | editar código-fonte]

Apresentações ao vivo[editar | editar código-fonte]

Rihanna começou a promover o Loud com apresentações ao vivo das músicas de trabalho do projeto em páises da Europa e América do Norte. O primeiro single do álbum, "Only Girl (In the World)", foi performado ao vivo no Saturday Night Live em 30 de outubro de 2010, na ocasião a cantora também divulgou o segundo lançamento de Loud, "What's My Name?".[120][121] No dia seguinte, Rihanna embarcou para o Reino Unido, lá ela cantou "Only Girl" na sétima temporada do show de talentos The X Factor.[122][123] A cantora também apresentou a música na franquia italiana do programa no dia 9 de novembro.[124] Dois dias antes dessa apresentação,[n 5] ela já havia cantado a faixa na Premiação Musical da MTV Europeia realizado em Madrid, capital da Espanha.[125] "Only Girl (In The World)" também foi performado no Le Grand Journal da França, no dia 10[126] e no dia seguinte, durante sua aparição no The Graham Norton Show do Reino Unido.[127] Antes do lançamento do álbum nos Estados Unidos, no dia 15, Rihanna voltou a interpretar a música no MTV The Seven, ao vivo da Times Square, localizado na cidade de Nova Iorque.[128] Apenas um dia depois, ela performou "What's My Name?", mas desta vez no The Late Show with David Letterman.[129] Em 17 de novembro, ela concedeu uma entrevista e apresentou a música como parte de sua performance no Good Morning America.[130] A cantora executou um medley de "Love the Way You Lie (Part II)" e "Only Girl (In The World)" durante a cerimônia de premiação da Música Americana realizado no dia 21 do mesmo mês, onde recebeu o prêmio de Artista Favorita de Soul/R&B.[131] Rihanna abriu o show cantando uma versão a cappella de "Love the Way You Lie (Part II)".[131] Quando o primeiro verso da música terminou, ela caiu intencionalmente de uma árvore, seu figurino incluía um terno composto por um sutiã preto e branco, com shorts; enquanto cantava "What's My Name?", a apresentação foi encerrada com a performance de "Only Girl".[131][132]

Em 2011, Rihanna performou a versão remix de "S&M" no Prêmio de Música da Billboard a apresentação contou a participação de Britney Spears (imagem).

Em 11 de dezembro daquele ano, Rihanna foi novamente convidada para a sétima temporada do The X Factor britânico, para cantar "Unfaithful" com a finalista da competição, Matt Cardle, depois disso ela apresentou-se sozinha cantando "What's My Name?".[133] A final do programa foi assistida por quinze milhões de espectadores, mas gerou reclamações, em milhares de pessoas, a respeito do figurino usado pela cantora e seus movimentos sexualmente sugestivos durante a apresentação.[134] Rihanna tocou pela primeira vez a música com Drake na cerimônia de premiação do Grammy realizado em 13 de fevereiro de 2011.[135] A cantora também fez uma performance no palco do Prêmio de confiança da indústria fonográfica britânica[n 6] ocorrido no dia 15 do mesmo mês, onde ela tocou "S&M", pela primeira vez, como parte de um medley das duas primeiras músicas de trabalho do Loud, "Only Girl "e "What's My Name?".[136][137] A cantora deveria apresentar a versão completa de "S&M" para promover seu lançamento como single — mas foi instruída a não se exceder em sua performance pelos diretores da premiação — realizando assim um único verso da canção.[138] Isso ocorreu porque a corporação do Prêmio estava tentando evitar queixas semelhantes as ocorridas no final da sétima temporada do The X Factor.[138] Rihanna foi convidada para cantar no Jogo das Estrelas da NBA realizado no dia 20, onde ela apresentou um medley de várias canções do seu catálogo, como "All of the Lights" que contou com a participação de Kanye West.[139]

Rihanna performou "California King Bed" pela primeira vez — acompanhada de Jennifer Sugarland — durante o Prêmio da Academia de Música Country, realizado em 3 de abril.[140] Ela também foi uma convidada especial na décima temporada do show de calouros American Idol, em 14 do mesmo mês, onde ele cantou a música pela segunda vez.[141] Rihanna promoveu a canção com poucas apresentações em cidades europeias como Milão, Paris e Hamburgo, como parte da campanha da empresa Nivea.[142] No dia 22, a cantora abriu o Prêmio de Música da Billboard, com o remix de "S&M" ao lado da cantora Britney Spears, na Arena MGM, em Las Vegas.[143] Ambas usavam correntes em uma mão e executavam movimentos de dança, além de uma briga de travesseiros entre as duas cantoras.[144] A performance atraiu reclamações por causa do seu conteúdo sexual,[145] que alimentou ainda mais a controvérsia quando ambas beijaram a bochecha uma da outra no final da performance, sendo interpretado pela imprensa como um beijo na boca.[146] Rihanna também foi a NBC se apresentar no Today Show, exibido em 27 de maio, onde cantou "S&M", "Only Girl (In The World)", "What's My Name?", "California King Bed", além de conceder uma entrevista a respeito do álbum.[147]

Turnê[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Loud Tour e Loud Tour Live at the O2
Rihanna performando "Only Girl (In the World)" na passagem da turnê por Oakland, Estados Unidos.

Para promover ainda mais o lançamento de Loud, Rihanna deu inicio a sua quarta turnê mundial, intitulada Loud Tour, em junho de 2011. O anuncio oficial da digressão ocorreu em 9 de fevereiro do mesmo ano[148] e incluia um total de noventa e nove apresentações, na qual trinta e duas seriam realizadas na América do Norte, uma na América Central, quatro na América do Sul e sessenta e quatro no continente europeu.[149][150][151] Esses números aumentram, devido à alta venda de ingressos no Reino Unido, algumas datas adicionais passaram a ser incluídas na turnê. Rihanna se apresentou dez vezes na Arena O2 de Londres.[152] Ao programa American Idol, a cantora foi entrevistada por Ryan Seacrest, onde comentou a respeito da cenografia do concerto, dizendo: "Nós projetamos o palco e temos uma seção que estamos construindo, onde os fãs poderam realmente se sentir pertecentes ao show e ao palco, estando mais próximos do que antes".[153] A etapa norte-americana da Loud Tour foi iniciada em 4 de junho de 2011 na cidade de Baltimore, nos Estados Unidos.[154] A princípio, J. Cole e Cee Lo Green estavam originalmente planejados para abrir todas as datas da digressão em território americano, no entanto, o último cancelou sua participação, citando conflitos de agenda.[155] Para substituí-los, B.o.B e DJ Dummy foram recrutados para atuar como artistas de abertura nessa etapa.[156] Os rappers Drake, Kanye West e Jay-Z foram convidados a se apresentarem ao lado da cantora em suas colaborações nas canções "What's My Name?", "Run This Town" e "Umbrella", respectivamente.[157][158][159] Em 8 de julho, durante a passagem da turnê por Dallas, Texas, um incêndio eclodiu após Rihanna concluí a performance de "California King Bed".[160] Por razões de segurança, o público foi evacuado do local e o show foi forçado a terminar.[160]

Os críticos aclamaram a Loud Tour por sua vivacidade e maior calibre de qualidade quando comparada às turnês anteriores da artista. O tablóide escocês, Daily Record, em sua análise do concerto, escreveu que "a cantora barbadense fez uma performance emocionante que não decpcionou".[161] Para o jornal Minneapolis Star Tribune, Jon Brean observou que Rihanna estava mais visual, vocal e dinâmica do que nunca.[162] Comercialmente, a digressão foi classificado na trigésima primeira colocação entre as "As 100 Maiores Excursões na América do Norte" pela revista Pollstar, devivo a arrecadação de 10 milhões de dolares nos primeiros dezoitos shows realizados.[163] Segundo a mesma publicação, a Loud Tour arrecadou um valor estimado em noventa milhões de dolares com 98 concertos e atraiu um público total superior a um milhão de expectadores,[164] tornando-a a sétima turnê musical com maior bilheteria de 2011.[164]

Alinhamento de faixas[editar | editar código-fonte]

LoudEdição padrão[165]
TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
1. "S&M"  
4:03
2. "What's My Name?" (com a participação de Drake)
  • Stargate
  • Harrell[a]
4:23
3. "Cheers (Drink to That)"  
4:21
4. "Fading"  
3:19
5. "Only Girl (In the World)"  
  • Stargate
  • Vee
  • Harrell[a]
3:55
6. "California King Bed"  
  • The Runners
  • Harrell[a]
4:11
7. "Man Down"  
  • Shama Joseph
  • Timothy Thomas
  • Theron Thomas
  • Shontelle Layne
  • Fenty
  • Sham
  • Harrell[a]
4:27
8. "Raining Men" (com a participação de Nicki Minaj)
  • Melvin Hough II
  • Rivelino Wouter
  • Timothy Thomas
  • Theron Thomas
  • Onika Maraj
  • Mel & Mus
  • Harrell[a]
3:44
9. "Complicated"  
  • Stewart
  • Dean
  • Harrell[a]
4:17
10. "Skin"  
  • Kenneth Coby
  • Ursula Yancy
  • Fenty
5:03
11. "Love the Way You Lie (Part II)" (com a participação de Eminem)
4:56
Duração total:
46:39

Notas

Créditos e pessoal[editar | editar código-fonte]

Os créditos seguintes foram adaptados do portal Allmusic.[171]

Músicos[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

  • Camilla Akrans – fotografia
  • Veronika Bozeman – produção vocal (faixas 1, 4)
  • Leesa D. Brunson – A&R
  • Noel Cadastre –assistente de engenharia vocal para Drake (faixa 2)
  • Bobby Campbell – assistente de engenharia vocal para Drake (faixas 1, 2, 7, 9-11), assistente de mixagem (faixa 3)
  • Ariel Chobaz – engenharia vocal (faixa 8)
  • Cary Clark – engenharia de som (faixa 7)
  • Corey Shoemaker – engenharia de som (faixa 4)
  • Carol Corless – produção de embalagem
  • Karin Darnell – maquiagem
  • Ester Dean – produção (faixa 9), vocais de apoio (faixas 1, 2, 4)
  • Mikkel S. Eriksen – produção e engenharia de som (faixas 1, 2, 5)
  • Jesus Garnica – assistente de mixagem (faixas 8-10)
  • Chris Gehringer – masterização
  • Brad Palmer – design, direção de vídeo
  • Brian Palmer – direção de vídeo, produção de vídeo
  • Josh Gudwin – engenharia vocal (faixas 1, 2, 4-11)
  • Mariel Haenn – cabeleireiro
  • Alex Haldi – direção de arte, design
  • Inaam Haq – assistente de engenharia vocal (faixas 3, 5)
  • Kuk Harrell – assistente de engenharia vocal (faixas 1, 2, 4-11)
  • Koby Hass – assistente de engenharia vocal (faixa 8)
  • Tor Erik Hermansen – produção (faixas 1, 2, 5)
  • Jaycen Joshua – mixagem (faixas 8-10)
  • Brandon Joner – assistente de engenharia vocal para Drake (faixa 2)
  • Terese Joseph – A&R
  • JP Robinson – direção de arte, design
  • Rob Katz – assistente de engenharia vocal (faixa 10)
  • Alex da Kid – produção e engenharia de som (faixa 11)
  • Karen Kwak – A&R
  • Damien Lewis – direção de arte, direção criativa, design (faixas 1, 2, 4-6)
  • Dane Liska – assistente de engenharia vocal (faixas 3, 5)
  • Erik Madrid – assistente de mixagem (faixas 7, 11)
  • Deborah Mannis-Gardner – clareamento de amostras
  • Scott Marcus – A&R
  • Manny Marroquin – mixagem (faixas 7, 11)
  • Dana Nielsen – engenharia de som (faixa 8)
  • Ben O'Neill – assistente de engenharia (faixa 3)
  • Ciarra Pardo – direção de arte, direção criativa, design
  • Christian Plata – assistente de mixagem (faixas 7, 11)
  • Polow da Don – produção (faixa 4)
  • Antonio "L.A." Reid – produção executiva
  • Antonio Resendiz – assistente de engenharia vocal (faixa 3)
  • Makeba Riddick – produção vocal (faixas 3, 10)
  • Evan Rogers – produção executiva
  • Chad "C Note" Roper – engenharia de som (faixa 10)
  • The Runners – produção (faixas 3, 6)
  • Brad Shea – assistente de engenharia vocal (faixas 3, 5)
  • Noah "40" Shebib – assistente de engenharia vocal para Drake (faixa 2)
  • Ursula Stephen – cabeleireira
  • Jay Stevenson – engenharia de som (faixa 4)
  • Christopher "Tricky" Stewart – produção (faixa 9)
  • Mike Strange – assistente de engenharia vocal para Emimem (faixa 11)
  • Carl Sturken – produção executiva
  • Phil Tan – mixagem (faixas 1, 2, 4-6)
  • Bu Thiam – A&R
  • Brian "B-Luv" Thomas – engenharia de som (faixa 9)
  • Marcos Tovar – engenharia vocal (todas as faixas), mixagem (faixa 3)
  • Sandy Vee – produção e mixagem (faixas 1, 5), engenharia (faixas 1, 4, 5)
  • Jeff "Supa Jeff" Villanueva – engenharia de som (faixas 3, 6)
  • Miles Walker – engenharia de som (faixas 1, 2, 5)
  • Kyle White – engenharia de som (faixa 6)
  • Andrew Wuepper – engenharia de som (faixa 9)
  • Robert Zangardi – cabeleireiro

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

Loud estreou no número três na Billboard 200 — principal parada de álbuns dos Estados Unidos — com vendas na primeira semana de duzentas e sete mil unidades em todo o território americano, dando a Rihanna as maiores vendas na semana de estreia naquele país até aquela época.[172] Também estreou na posição máxima da parada de álbuns de R&B/Hip-Hop da revista Billboard.[173] Na segunda semana, a obra caiu para o número seis na contagem dos 200 álbuns mais vendidos do páis e comercializou cento e quarenta e um mil exempláres.[174] Na sua décima terceira semana, o produto retornou ao seu pico de número três e vendeu sessenta e dois mil cópias.[175] Em 3 de julho de 2011, o produto integrou a décima primeira colocação na lista dos álbuns mais vendidos do ano de 2011 no páis, comercializando mais de quinhetas e noventa e oito mil cópias entre 1 de janeiro a 3 de julho de 2011.[176] Loud foi classificado como o nono mais vendido em um ranking feito pela Billboard que contabiliza os álbuns musicais mais vendidos daquele ano nos Estados Unidos.[177] Para condecorar as vendas do projeto, a Recording Industry Association of America (RIAA) o certificou com três platinas,[178] denotando que a comercialização do produto havia ultrapassado a marca de três milhões de unidades no páis, incluindo vendas puras de álbuns de um milhão e oitocentas mil cópias até junho de 2015.[179]

Loud também foi um sucesso comercial fora dos Estados Unidos.[180] No Canadá, estreou no número um na parada canadense de álbuns,[181] Vinte e sete mil exempláres do produto foram comercializados em sua primeira semana.[182] Ao todo, vendeu mais de oitenta mil unidades nessa nação, alcançando o status de platina na primeira semana de dezembro de 2010.[181] Até 8 de setembro de 2011, as vendas de Loud já haviam ultrapassado a marca de duzentas e quarenta mil cópias no Canadá.[183] Na América Latina o álbum também obteve algum prestígio comercial, alcançando a posição de número dezessete no México em 12 de novembro de 2011,[184] e foi certificado como platina no Brasil, pela certificadora oficial do páis, pelas vendas de quarenta mil réplicas da obra na região.[185]

Na Europa continental, Loud foi um grande sucesso. A International Federation of the Phonographic Industry (IFPI) atribuiu ao disco o certificado de platina quando o projeto excedeu vendas de três milhões de unidades no continente.[186] Em território francês, o álbum estreou no número três, com vendas de dezessete mil cópias na primeira semana.[187] Na Itália, o álbum alcançou o número onze.[188] sendo posteriormente certificado como platina pela Federazione Industria Musicale Italiana, após serem registradas a comercialização de sessenta mil réplicas da obra na região.[189] Na Irlanda alcançou a primeira colocação na tabela de álbuns compilada pela Irish Recorded Music Association, sendo emitida cinco certificações de platina pelas vendas de setenta mil cópias do trabalho em solo irlandês.[187] Loud também obteve a liderança na Noruega e na Suíça, onde tornou-se seu terceiro álbum número um consecutivo no país.[190] O produto ainda alcançou a segunda posição na Alemanha, Bélgica e Dinamarca.[191][192][193]

Em território britânico, Loud estreou no número dois, sendo comercializado mais de noventa mil vezes na semana de estreia.[194] O projeto em sua quinta semana, já somava mais de trezentos e sessenta e seis mil répicas vendidas no Reino Unido, fato que tornou Loud o primeiro álbum da carreira da cantora a se tornar legível a esse nível de certificação com apenas um mês de lançado.[195] Em sua sétima semana na parada, o projeto alcançou o número um, dando a Rihanna sua segunda liderança no país.[196] Após sete semanas de vendas, Loud se tornou o quarto álbum mais vendido de 2010 na região.[197] O trabalho vendeu um milhão e oitocentos mil exempláres em solo britânico até 4 de setembro de 2011.[198] Em 16 de dezembro do mesmo ano, Loud foi agraciado com seis certificações de platina pela British Phonographic Industry (BPI), por ter sido comercializado mais de um milhão de vezes no Reino Unido.[199] Foi o álbum de R&B mais vendido de 2011[200] e no ano seguinte, a obra tornou-se o quinto álbum digital mais vendido de todos os tempos no páis.[201] Até março de 2015, o projeto já havia alcançado a quinquagésima quinta posição entre os álbuns mais vendidos do milênio em solo britânico.[202]

Até novembro de 2011, Loud já havia sido comercializado mais de 8 milhões de vezes em todo o mundo.[203]

Tabelas semanais[editar | editar código-fonte]

Histórico de lançamento[editar | editar código-fonte]

Regoão Data Formato Edição Gravadora
Austrália[265] 12 de novembro de 2010 CD, CD+DVD Padrão, Edição de Luxo Universal Music
Alemanha[266]
Tailândia[267] Padrão CD
Europa[268]
França[269] 15 de novembro de 2010 CD, CD+DVD Padrão, de luxo
Nova Zelândia[270]
Portugal[271]
Filipinas[272] MCA Music Phils.
Reino Unido[273] CD Padrão Mercury Records
México[274] 16 de novembro de 2010 Universal Music
Estados Unidos[275] CD, CD+DVD, download digital Padrão, de luxo Def Jam Recordings
Estados Unidos[276] CD+DVD Edição de Luxo (Edição de alta costura)
Polônia[277] 19 de novembro de 2010 CD Padrão Universal Music
Brasil[278] 30 de novembro de 2010
Indonésia[279] 2 de dezembro de 2010
Japão[280][281] 19 de janeiro de 2011

Notas de rodapé

  1. Em língua portuguesa (tradução livre): "Alto"
  2. No original: "Cause I may be bad, but I'm perfectly good at it / Sex in the air, I don't care, I love the smell of it".
  3. No original: "Want you to make me feel like I'm the only girl in the world / Like I'm the only one that you'll ever love / Like I'm the only one who knows your heart".
  4. No original: "Ladies don't worry cause they got plenty more / They be falling like the rain so we ain't running out".
  5. 7 de novembro de 2010
  6. Tradução livre para "British Awards Record Industry Trusts Show."

Referências

  1. Kaufman, Gil. «Gossip Site Defends Posting Of Rihanna Photo» (em inglês). MTV News. Consultado em 15 de maio de 2020 
  2. a b Malkin, Marc (14 de setembro de 2009). «Rihanna: Angrier, Edgier and Ready to Roar?». E! Online (em inglês). E!. Consultado em 15 de maio de 2020 
  3. a b c d e f g h «Rihanna (Billboard 100)». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 4 de maio de 2020 
  4. a b MTV Reporter (10 de setembro de 2010). «Rihanna Reveals New LP Will Be Entitled 'Loud'». MTV (em inglês). MTV Networks. Consultado em 15 de maio de 2020 
  5. Fresh, Mikey (14 de fevereiro de 2011). «Grammy Recap: Stargate Talks Rihanna's 'Only Girl (In The World)' Winning 'Best Dance Recording'». Vibe (revista) (em inglês). InterMedia Partners. Consultado em 15 de maio de 2020 
  6. a b «Rihanna's Next Album To Rival 'Thriller'?». MTV UK (em inglês). Viacom International Media Networks. 16 de setembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  7. «Amazon.com: Loud (Couture Edition) (CD/DVD Combo)». Amazon (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  8. «Rihanna ‎– Loud (Ultra Couture Experience Deluxe Edition with Signed Litho)». Discogs (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  9. «Rihanna CD – Loud». HMV Online Japan (em inglês). Rovi Corporation. Consultado em 15 de maio de 2020 
  10. «'Loud' US iTunes». iTunes Store (US). Apple Inc (em inglês). 16 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  11. «Loud (Explicit Version) [Explicit]». Amazon (em alemão). 18 de agosto de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020 
  12. Sarah Oliver (2011). Rihanna: The Only Girl in the World. [S.l.]: Kings Road Publishing. p. 163. ISBN 9781843588511. Consultado em 1 de novembro de 2016 
  13. (2010) Créditos do encarte do CD Loud: Edição De Luxo por Rihanna. Def Jam.
  14. Vena, Jocelyn (3 de março de 2010). «Rihanna Working On New Album, Producer Confirms». MTV News (em inglês). MTV Networks. Consultado em 15 de maio de 2020 
  15. a b c Kaufman, Gil (16 de setembro de 2010). «Rihanna Reveals Title of New Album». MTV News (em inglês). MTV Networks. Consultado em 15 de maio de 2020 
  16. Eells, Josh (6 de junho de 2011). «Rihanna, Queen of Pain: Rolling Stone's 2011 Cover Story». Rolling Stone (em inglês). Wenner Media. Consultado em 15 de maio de 2020 
  17. «Sak Pase Reveals Queen's Influence On "Watch The Throne" Tracks, Rihanna's "Man Down" Controversy». HipHopDX (em inglês). 3 de janeiro de 2012. Consultado em 15 de maio de 2020 
  18. a b Chace, Zoe (30 de junho de 2011). «How Much Does It Cost To Make A Hit Song?». NPR (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  19. «Rihanna - Loud CD Album». Muze (em inglês). CD Universe. Consultado em 15 de maio de 2020 
  20. «Rihanna Working With Taio Cruz On New Album». MTV UK (em inglês). Viacom International Media Networks. 30 de abril de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  21. Cline, Georgette (18 de junho de 2010). «Rihanna Working with Producer Alex Da Kid on New Album». Rap-Up. Devin Lazerine 
  22. MTV Base Reporter (2 de março de 2010). «Sean Garrett Battle, Rihanna's New Next Album». MTV Base (MTV Networks) (em inglês). MTV Networks International. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 15 de maio de 2020 
  23. «Rap-Up TV: Ne-Yo Reveals Album Details, Alter-Ego, & Writing for Rihanna». Rap-Up (em inglês). Devin Lazerine. 10 de junho de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  24. «Timberland and Rico Love Working On New Rihanna Album». Rap-Up (em inglês). Devin Lazerine. 26 de abril de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  25. Dawson, Kim (18 de setembro de 2010). «JLS to conquer USA with help of Shontelle». Daily Star (em inglês). Northern and Shell Media. Consultado em 15 de maio de 2020 
  26. Montgomery, James (27 de setembro de 2010). «Rihanna Shoots Video For Loud Track "What's My Name?"». MTV Networks) (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  27. Jayson Rodriguez (27 de Setembro de 2010). «Drake Reveals He's Working With Rihanna On Loud» (em inglês). MTV. Consultado em 24 de Setembro de 2011 
  28. «Rihanna Unveils Loud Album Cover». About.com (em inglês). The New York Times Company. 29 de setembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 15 de maio de 2020 
  29. a b c d Cinquemani, Sal (12 de novembro de 2010). «Review: Loud». Slant Magazine 
  30. a b c d Kellman, Andy (14 de novembro de 2010). «Review: Loud. Allmusic (em inglês). All Media Guide (Rovi). Consultado em 15 de maio de 2020 
  31. Birchmeier, Jason. «Review – Music of the Sun. Allmusic (em inglês). All Media Guide (Rovi Corporation). Consultado em 15 de maio de 2020 
  32. Dinh, James (1 de agosto de 2010). «Rihanna Dishes On New Album Loud, Acting In 'Battleship'». MTV (em inglês). MTV Networks (Viacom). Consultado em 15 de maio de 2020 
  33. Dawson, Kim (7 de outubro de 2020). «Rhythm 'n booze: Rihanna Is SO saucy». Daily Star (em inglês). Northern and Shell Media. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 15 de maio de 2020 
  34. a b c d Anderson, Sarah, D, (7 de setembro de 2010). «Loud – Rihanna». AOL Radio (em inglês). AOL Inc. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 3 de Janeiro de 2019 
  35. a b c Wete, Brad (7 de setembro de 2010). «Rihanna released new single 'Only Girl (In The World)', gets us excited about upcoming album». Entertainment Weekly (em inglês). Time Inc. Consultado em 15 de maio de 2020 
  36. «Song You Need To Know: Rihanna, 'S&M'». MTV Buzzworthy. Viacom (em inglês). 11 de agosto de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 15 de maio de 2020 
  37. a b Mackay, Emily (3 de novembro de 2010). «Rihanna, 'Loud' – Album First Listen». NME (em inglês). IPC Media. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 3 de Janeiro de 2008 
  38. a b Wolk, Douglas (9 de fevereiro de 2011). «Rihanna, 'S&M'». The Daily (em inglês). News Corporation. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 5 de Janeiro de 2019 
  39. Jake Conway (21 de Abril de 2011). «Review: S&M». Q (em inglês). Consultado em 23 de Outubro de 2012. Arquivado do original em 13 de julho de 2011 
  40. Skinner, James (15 de novembro de 2010). «Music – Review of Rihanna – Loud». BBC (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  41. a b c d Jocelyn Vena (15 de Outubro de 2010). «Rihanna And Drake Debut 'What's My Name?'» (em inglês). MTV. Consultado em 24 de Setembro de 2011 
  42. Levine, Nick (20 de dezembro de 2010). «Music – Singles Review – Rihanna ft. Drake: 'What's My Name?'». Digital Spy (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  43. Vick, Megan (19 de novembro de 2010). «Rihanna feat. Drake, "What's My Name"». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 15 de maio de 2020 
  44. «Music – Singles Review – Rihanna ft. Drake: 'What's My Name?'» (em inglês). Digital Spy. 20 de Dezembro de 2010. Consultado em 13 de Outubro de 2012 
  45. a b c d Savage, Mark (6 de outubro de 2010). «Rihanna premieres fifth album, Loud, in London». BBC News. BBC (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  46. Vena, Jocelyn (16 de novembro de 2010). «Rihanna Glad Avril Lavigne Appears On Loud's 'Cheers'». MTV (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  47. «Digital Sheet Music, Rihanna "Only Girl (In the World)"». Musicnotes.com. Peer International Music Publishing (em inglês). 2010 
  48. «Rihanna brings her 'California King Bed' to 'Idol'». USA Today (em inglês). 14 de abril de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020 
  49. «Rihanna Hops Into 'California King Bed' on Tonight's 'American Idol'». Pop Crush (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  50. «Rihanna, 'Man Down' – New Song». AOL Music (em inglês). 25 de abril de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 3 de Janeiro de 2019 
  51. a b c d Dombal, Ryan (24 de novembro de 2010). «Review: Loud». Pitchfork Media 
  52. a b c Anderson, Stacey (15 de novembro de 2010). «Review: Loud1». Spin (em inglês). Spin Media LLC. Consultado em 15 de maio de 2020 
  53. a b c d e Pareles, Jon (15 de novembro de 2010). «Review: Loud». The New York Times (em inglês). The New York Times Company. Consultado em 15 de maio de 2020 
  54. Ketchum III, William (3 de janeiro de 2012). «Sak Pase Reveals Queen's Influence On 'Watch The Throne' Tracks, Rihanna's 'Man Down' Controversy». HipHopDX (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  55. Jocelyn Vena (8 de Novembro de 2010). «Rihanna Dishes On Nicki Minaj Collabos» (em inglês). MTV. Consultado em 27 de Setembro de 2011 
  56. a b «Rihanna Reveals Inspiration For Loud's 'Complicated'» (em inglês). MTV. 16 de Novembro de 2010. Consultado em 3 de Outubro de 2012 
  57. «25 R&B songs that will turn a lady into a freak». AMB Mag (em inglês). 25 de fevereiro de 2014. Consultado em 15 de maio de 2020 
  58. a b c Mackay, Emily (12 de novembro de 2010). «Review: Loud1». NME (em inglês). IPC Media. Consultado em 15 de maio de 2020 
  59. Robbie Daw (9 de Novembro de 2010). «Rihanna's New 'Loud' Track "Skin" Will Make You Blush» (em inglês). Idolator. Consultado em 4 de Outubro de 2012 
  60. a b Conner, Thomas (12 de novembro de 2010). «Review: Loud1». Chicago Sun-Times (em inglês). Sun-Times Media Group. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 5 de Dezembro de 2012 
  61. Muhammad, Latifah (19 de outubro de 2010). «Rihanna and Eminem to make a Love the Way You Lie sequel». The Boombox (em inglês). AOL Inc. Consultado em 15 de maio de 2020 
  62. «Loud Reviews, Ratings, Credits, and More at Metacritic1». Metacritic.com (em inglês). 16 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  63. a b Koski, Genevieve. «Review: Loud». The Onion, Inc (em inglês). The A.V. Club1. Consultado em 15 de maio de 2020 
  64. a b Greenblatt, Leah (10 de novembro de 2010). «Review: Loud1». Entertainment Weekly (em inglês). Time Warner. Consultado em 15 de maio de 2020 
  65. a b Gill, Andy (10 de novembro de 2010). «Album: Rihanna, Loud (Mercury)1». The Independent (em inglês). Independent Print Limited. Consultado em 15 de maio de 2020 
  66. Brown, August (16 de novembro de 2010). «Review: Loud1». Los Angeles Times (em inglês). Tribune Company. Consultado em 15 de maio de 2020 
  67. Maerz, Melissa (30 de novembro de 2010). «Review: Loud1». Rolling Stone (em inglês). Wenner Media. Consultado em 15 de maio de 2020 
  68. «Loud (2010): Reviews1». Metacritic (em inglês). CBS Interactive. 16 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  69. Reed, James (15 de novembro de 2010). «Review: Loud1». The Boston Globe (em inglês). The New York Times Company. Consultado em 15 de maio de 2020 
  70. Power, Ed (19 de novembro de 2010). «Loud». Hot Press. Dublin 
  71. Montgomery, Hugh (14 de novembro de 2010). «Review: Loud». The Observer (em inglês). Guardian Media Group. Consultado em 15 de maio de 2020 
  72. Carter, Kelley L. (1 de dezembro de 2011). «2012 Grammy Nominations: Kanye West Tops The List». MTV News (em inglês). Viacom. Consultado em 15 de maio de 2020 
  73. «Only Girl (In the World) – Single by Rihanna». iTunes Store (Australia) (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  74. «Rihanna – Only Girl (Ö3 Austria Top 40)». Ö3 Austria Top 40 (em inglês). Hung Medien. Consultado em 15 de maio de 2020 
  75. a b c «Rihanna's 'Only Girl' Rebounds to No. 1 on Hot 100». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 15 de maio de 2020 
  76. Roberts, Soraya (14 de outubro de 2010). «Rihanna's 'Only Girl (In the World)' video, off 'Loud' album, shows underwear-clad singer swinginga». NY Daily News (em inglês). Mortimer Zuckerman. Consultado em 15 de maio de 2020 
  77. «Rihanna Frolics Alone In 'Only Girl (In The World)' Video». Billboard (em inglês). 13 de outubro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  78. Stransky, Tanner (14 de outubro de 2010). «Rihanna Debuts 'Only Girl (In The World)' Video: Finally, run RiRi returns». The Music Mix (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 15 de maio de 2020 
  79. Tanner Stransky (14 de Outubro de 2010). «Rihanna Debuts 'Only Girl (In The World)' Video: Finally, run RiRi returns» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 6 de Setembro de 2012 
  80. Joyce Lee (14 de Outubro de 2010). «Rhianna "Only Girl (In The World)" Video Flaunts Singer's Girly Side» (em inglês). CBS. Consultado em 6 de Setembro de 2012 
  81. Trust, Gary (11 de novembro de 2010). «Weekly Chart Notes: Rihanna, Mariah Carey, Michael Jackson – Chart Beat». Billboard (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  82. «Take That Marks A Year At Number One». Theofficialcharts.com (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 5 de Janeiro de 2019 
  83. a b Sperling, Daniel (9 de janeiro de 2011). «Rihanna claims fifth UK No. 1 single». Digital Spy (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  84. «Rihanna And Drake Snuggle Up In Their "What's My Name" Video». Idolator (em inglês). Buzz Media. Consultado em 15 de maio de 2020 
  85. Montgomery, James (27 de setembro de 2010). «Rihanna Shoots Video For Loud Track 'What's My Name?'». MTV News (em inglês). Estados Unidos. Consultado em 15 de maio de 2020 
  86. James Montgomery (15 de Novembro de 2010). «Rihanna, Drake Keep It Unreal In New 'What's My Name?' Video» (em inglês). MTV News. Consultado em 13 de Outubro de 2012 
  87. «Radio & Records - Going For Adds - CHR/Top 40 - Week Of: January 23, 2011» (em inglês). Radio and Records. Consultado em 14 de Outubro de 2012. Arquivado do original em 26 de julho de 2012 
  88. Amanda Faia (11 de abril de 2011). «"S&M (remix)": Dueto entre Rihanna e Britney Spears invade a internet». Popline. Consultado em 15 de maio de 2020 
  89. a b «Rihanna (Canadian Singles Chart)». Canadian Singles Chart (em inglês). Billboard. Consultado em 30 de abril de 2020 
  90. «Rihanna - Only Girl (In The World) (Recorded Music NZ)». Recorded Music NZ (em inglês). Hung Medien. Consultado em 15 de maio de 2020 
  91. Trust, Gary (11 de abril de 2011). «Rihanna's "S&M" Reigns On Hot 100». Billboard (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  92. Vena, Jocelyn (1 de fevereiro de 2011). «Rihanna's 'S&M' Video Recalls Madonna, Perez Hilton Says». MTV (em inglês). MTV Networks. Consultado em 15 de maio de 2020 
  93. Vena, Jocelyn (4 de fevereiro de 2011). «Rihanna's 'S&M' Director Explains Video, Frame By Frame – Music, Celebrity, Artist News». MTV (em inglês). MTV Networks. Consultado em 15 de maio de 2020 
  94. Rainbird, Ashleigh (2 de fevereiro de 2011). «Rihanna causes controversy with S&M video». Daily Mirror (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  95. Copsey, Robert (1 de fevereiro de 2011). «Rihanna video labelled "inappropriate"». Digital Spy (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  96. «Rihanna Accused Of Ripping Off Famed Photographer In S&M Video». RadarOnline (em inglês). 4 de fevereiro de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020 
  97. Corner, Lewis (27 de abril de 2011). «Rihanna switches new single release dates?». Digital Spy (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  98. a b «Rihanna (Hot R&B/Hip-Hop Songs)». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 8 de maio de 2020 
  99. «Rihanna – Man Down (Syndicat National de l'Édition Phonographique)» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 2 de agosto de 2014 
  100. «Rihanna Sends Strong Message in 'Man Down' Video». Rap-Up (em inglês). 30 de maio de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020 
  101. James Dinh (31 de maio de 2011). «Rihanna Pulls The Trigger In 'Man Down' Video» (em inglês). MTV. Consultado em 11 de Setembro de 2011 
  102. a b «Rihanna's 'Man Down' Video Draws Fire from Parents Advocacy Group» (em inglês). Rap-Up. Consultado em 11 de Setembro de 2011 
  103. a b MTV Reporter (1 de março de 2011). «Rihanna Asks Fans To Help Choose Her Next Single». MTV (Irlanda e Reino Unido) (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  104. a b c Copsey, Robert (12 de março de 2011). «Rihanna announces next single». Digital Spy (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  105. Corner, Lewis (27 de abril de 2011). «Rihanna switches new single release dates?». Digital Spy (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  106. «Rihanna – California King Bed (Official Charts Company)» (em inglês). UK Singles Chart. The Official Charts Company. Consultado em 6 de fevereiro de 2020 
  107. «Rihanna – Only Girl (Recorded Music NZ)». Recorded Music NZ (em inglês). Hung Medien. Consultado em 15 de maio de 2020 
  108. «Rihanna – California King Bed (Związek Producentów Audio Video)». Związek Producentów Audio Video. OLiS (em polaco). Consultado em 15 de maio de 2020 
  109. a b «Rihanna Gets in the Sheets for 'California King Bed' Video». Rap-Up.com (em inglês). 31 de março de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020 
  110. «Design of Rihanna's 'California King Bed' Video Explained» (em inglês). 12 de maio de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020 
  111. Sinclair, Jessica (9 de maio de 2011). «Rihanna California King Bed : California King Bed Video». Long Island Press (em polaco). Morey Publishing. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 15 de Outubro de 2019 
  112. «Rihanna's 'California King Bed' Music Video (VIDEO)». The Huffington Post. 9 de maio de 2011. Consultado em 17 de novembro de 2011 
  113. «Rihanna – Cheers (Drink to That) (Official Charts Company)» (em inglês). UK Singles Chart. The Official Charts Company. Consultado em 6 de fevereiro de 2020 
  114. Iva Marešová (4 de Setembro de 2011). «Podívejte se na nový videoklip Rihanny, mihne se v něm její matka i babička» (em cz). T-music. Consultado em 15 de Setembro de 2011 
  115. a b c «New Video: Rihanna Toasts To Her LOUD Life, Louder Fans In 'Cheers (Drink To That)'» (em inglês). Neon Limelight. 26 de Agosto de 2011. Consultado em 26 de Agosto de 2011 
  116. «'Cheers (Drink to That)' - Rihanna» (em inglês). iTunes Store. 26 de Agosto de 2011. Consultado em 26 de Agosto de 2011 
  117. Iona Kirby (26 de Agosto de 2011). «Cheers! Rihanna's new documentary style video gives fans a glimpse into her natural habitat» (em inglês). Daily Mail. Consultado em 26 de Agosto de 2011 
  118. «Video: Rihanna — 'Cheers (Drink to That)'» (em inglês). Rap-Up. 26 de Agosto de 2011. Consultado em 26 de Agosto de 2011. Arquivado do original em 12 de Janeiro de 2013 
  119. Skinner, James (15 de novembro de 2010). «Music – Review of Rihanna – Loud». BBC Music (em inglês). BBC. Consultado em 15 de maio de 2020 
  120. Vick, Megan (1 de novembro de 2010). «Rihanna Rocks 'SNL' with 'Shy Ronnie' Video, Performances». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 15 de maio de 2020 
  121. «Video: Rihanna Performs on 'SNL'». Rap-Up (em inglês). 30 de outubro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  122. «Video: Rihanna Performs on 'X Factor'». Rap-Up (em inglês). 31 de outubro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  123. Magrath, Andrea (1 de novembro de 2010). «Rihanna scrubs up well for a night out after messy X Factor food fight». Mail Online (em inglês). Associated Newspapers Ltd. Consultado em 15 de maio de 2020 
  124. «Rihanna Heats Up Italy's 'X Factor'». Rap-Up (em inglês). 9 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  125. Johnson, Chris (8 de novembro de 2010). «Rihanna reigns with showstopping MTV performance (despite nearly busting out of low-cut top)». Mail Online (em inglês). Associated Newspapers Ltd. Consultado em 15 de maio de 2020 
  126. «Rihanna Heats Performs 'Only Girl' on 'Le Grand Journal'». Rap-Up (em inglês). 10 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  127. «Rihanna matches her dress to her bright red hair as she appears on The Graham Norton Show». Mail Online (em inglês). Daily Mail Reporter. 12 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  128. Tamar, Anitai (15 de novembro de 2010). «Rihanna Performs 'What's My Name?' On MTV's 'The Seven,' Live In Times Square». MTV (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  129. Wete, Brad (17 de novembro de 2010). «Rihanna performs 'What's My Name' on the Late Show with David Letterman». Music-mix.ew.com (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  130. «Rihanna Has 'Good Morning America' Seeing Red (In A Good Way) | Music News, Reviews, and Gossip on». Idolator.com (em inglês). 17 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  131. a b c Ziegbe, Mawuse (21 de novembro de 2010). «Rihanna Opens American Music Awards With Island Flavor». MTV News (em inglês). MTV Networks. Consultado em 15 de maio de 2020 
  132. «Rihanna debuts yet another wild new style at the American Music Awards». Mail Online (em inglês). Associated Newspapers Ltd. 22 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  133. Up for Discussion Jump to Forums. «Rihanna Performs On 'X-Factor,' Flashes The Papparazzi – The Juice». Billboard 
  134. Chris Johnson (16 de dezembro de 2010). «Put your clothes on - it's a family show! Viewers outraged at Christina Aguilera and Rihanna's racy X Factor performances». Daily Mail (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  135. Right On Music editorial=Music.rightcelebrity.com. «Rihanna Grammys 2011 performance video » Right On Music». Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 14 de Agosto de 2019 
  136. Littlejohn, Georgina (16 de fevereiro de 2011). «Brit Awards 2011: Rihanna cleans up S&M song but not her outfit». Daily Mail (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  137. «Rihanna and Cee Lo Green triumph at the Brit Awards». IPC Media (em inglês). 16 de fevereiro de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020 
  138. a b Thompson, Jody (13 de fevereiro de 2011). «Brit Awards 2011: Rihanna 'fuming' after being told tone down S&M performance». Daily Mail (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  139. «Click Track – Music exec slams Grammys; Rihanna, Drake and Kanye do NBA All-Star halftime; "Glee" coming to Verizon Center». Billboard (em inglês). 21 de fevereiro de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020 
  140. «Rihanna To Perform 'California King Bed' At ACM Awards». MTV (em inglês). 24 de março de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020 
  141. «Rihanna Brings Her 'California King Bed' To 'American Idol' – Music, Celebrity, Artist News». MTV (em inglês). 14 de abril de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020 
  142. «Long-Haired Rihanna Boards Cruise for Nivea Campain». PopCrush (em inglês). 10 de maio de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020 
  143. Herrera, Monica (22 de maio de 2011). «Britney Spears Joins Rihanna, Nicki Minaj Performances at 2011 Billboard Music Awards». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 15 de maio de 2020 
  144. «Billboard Music Awards 2011: Britney Spears receives an onstage kiss from Rihanna». Daily Mail (em inglês). 24 de maio de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020 
  145. Cina, Mark (24 de maio de 2011). «Parents council slams sexy Rihanna-Britney Billboard antics». Reuters (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  146. Thompson, Paul (26 de maio de 2011). «Was Rihanna and Britney Spear's Billboard performance too kinky for TV?». Daily Mail (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  147. Chaney, Jen (27 de maio de 2011). «Rihanna gets a surprise fan hug on 'Today' show». The Washington Post (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  148. Concepcion, Mariel (10 de fevereiro de 2011). «Rihanna To Kick Off North American 'Loud' Tour in June». Billboard (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  149. «Live». Universal Music Group (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 26 de Fevereiro de 2019 
  150. «The Barbados Tourism Authority and Rihanna Ink Three-Year Marketing Deal». PR Newswire (em inglês). 15 de junho de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 26 de Fevereiro de 2020 
  151. «Além do Rock in Rio, Rihanna fará shows em São Paulo e Brasília». Terra Networks (em inglês). 10 de junho de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020 
  152. Jason Gregory (25 de janeiro de 2011). «Rihanna Adds New Gigs To UK Arena Tour». Music News (em inglês). Gigwise. Consultado em 15 de maio de 2020 
  153. «Rihanna – Rihanna Plans To Make Fans Part Of Her Loud Show». Contactmusic (em inglês). 17 de abril de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020 
  154. Shah, Kavi (5 de junho de 2011). «Rihanna kicks off her Loud tour by giving female fan a lap dance – video». Metro (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  155. Wete, Brad (24 de junho de 2011). «Cee Lo leaves Rihanna's LOUD tour». Time Inc. (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  156. Karasinski, Christina Fuoco (9 de junho de 2011). «Rapper B.o.B. is working on new album». Flint Journal (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  157. Blistein, Jon (25 de março de 2011). «Drake Joins Rihanna Onstage: Watch». Billboard (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  158. Cline, Georgette (20 de julho de 2011). «RIHANNA TAKES SHOTS, BRINGS OUT KANYE WEST AT N.Y. SHOW» 
  159. McCall, Tris (22 de julho de 2011). «Jay-Z joins Rihanna onstage at Izod Center». The Star-Ledger (em inglês). Advance Publications. Consultado em 15 de maio de 2020 
  160. a b The Hollywood Reporter (11 de julho de 2011). «Rihanna Cuts Dallas Show Short Due to Stage Fire: Video». Billboard (em inglês). Hollywood Dame. Consultado em 15 de maio de 2020 }
  161. «REVIEW: Rihanna live at the SECC, Glasgow». Jules Boyle (em inglês). 11 de outubro de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 14 de Agosto de 2019 
  162. «Rihanna redefines Loud». Star Tribune (em inglês). 17 de junho de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020 
  163. «Top 50 USA Tours (01/01/2011 – 06/30/2011)» (PDF). Pollstar. Pollstar, Inc. 8 de julho de 2011. Arquivado do original (PDF) em 14 de Agosto de 2019 
  164. a b «Pollstar: Top 25 Worldwide Tours (1/1/2011 – 12/31/2011)» (PDF). Pollstar (em inglês). 28 de dezembro de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original (PDF) em 14 de Agosto de 2019 
  165. «Rihanna ‎– Loud». Discogs. Consultado em 13 de maio de 2020 
  166. «Rihanna ‎– Loud» (em inglês). Spotify. Consultado em 13 de maio de 2020 
  167. «Rihanna ‎– Loud». HMV Group (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2020 
  168. «Rihanna ‎– Loud». iTunes Store (US). Apple Inc (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2020 
  169. «Loud (Explicit Version) [+video] [+digital booklet]». Amazon (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2020 
  170. «Loud – Deluxe Edition». Allmusic. Rovi Corporation (em inglês). 16 de novembro de 2010. Consultado em 13 de maio de 2020 
  171. «Loud [Clean] – Credits». Allmusic. Rovi Corporation. 16 de outubro de 2010. Consultado em 13 de maio de 2020 
  172. «Rihanna makes noise on charts with first No.1 single, first week album sales». Rap-Up (em inglês). Devine Lazerine. Consultado em 15 de maio de 2020 
  173. a b «Rihanna – Loud (R&B/Hip-Hop Albums)» (em inglês). Top R&B/Hip-Hop Albums. Billboard. Consultado em 15 de maio de 2020 
  174. Jacobs, Allen (1 de dezembro de 2010). «Hip Hop Album Sales: The Week Ending 11/28/2010». HipHop DX. Cheri Media Group (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 13 de maio de 2020 
  175. Jacobs, Alen (13 de fevereiro de 2011). «Hip Hop Album Sales: The Week Ending 2/13/2011». HipHop DX. Cheri Media Group (em inglês). Consultado em 13 de maio de 2020. Arquivado do original em 13 de maio de 2020 
  176. Caulfield, Keith (6 de julho de 2011). «Adele, Katy Perry Rule Mid-Year SoundScan Charts». Billboard (em inglês). Prometheus Global. Consultado em 13 de maio de 2020 
  177. a b «Billboard 200 Year-End 2011». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 15 de maio de 2020 
  178. a b «Certificações (Estados Unidos) (álbum) – Rihanna – Loud» (em inglês). Se necessário, clique em Advanced, depois clique em Format, depois selecione Album, depois clique em SEARCH. Recording Industry Association of America. Consultado em 2 de março de 2020 
  179. a b Trust, Gary (23 de junho de 2015). «Ask Billboard: Rihanna's Best-Selling Songs & Albums». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 15 de maio de 2020 
  180. «Rihanna – Loud». Hung Medien / hitparade.ch (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  181. a b c «Rihanna – Loud (Canadian Albums Chart)» (em inglês). Canadian Albums Chart. Billboard. Consultado em 15 de maio de 2020 
  182. Williams, John (24 de novembro de 2010). «Rihanna gets 'Loud' at No. 1». Jam! Music (em inglês). Canoe. Consultado em 15 de maio de 2020 
  183. a b «Certificações (Canadá) (álbum) – Rihanna – Loud» (em inglês). Music Canada. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  184. a b «Rihanna – Loud (Asociación Mexicana de Productores de Fonogramas y Videogramas)» (em espanhol). Asociación Mexicana de Productores de Fonogramas y Videogramas. Consultado em 15 de maio de 2020 
  185. a b «Certificações (Brasil) (álbum) – Rihanna – Loud». Pro-Música Brasil. Consultado em 2 de março de 2020 
  186. a b «IFPI Platinum Europe Awards - 2011» (em inglês). Federação Internacional da Indústria Fonográfica. Consultado em 2 de março de 2020 
  187. a b c «Rihanna – Loud (Syndicat National de l'Édition Phonographique)» (em inglês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 15 de maio de 2020 
  188. a b «Rihanna – Loud (Federazione Industria Musicale Italiana)» (em inglês). Federazione Industria Musicale Italiana. Consultado em 15 de maio de 2020 
  189. a b «Certificações (Itália) (álbum) – Rihanna – Loud» (PDF) (em italiano). Federazione Industria Musicale Italiana. Consultado em 11 de março de 2019 
  190. a b «Rihanna – Loud (Schweizer Hitparade)» (em inglês). Schweizer Hitparade. Consultado em 15 de maio de 2020 
  191. Sexton, Paul (26 de setembro de 2010). «Rihanna Scores Euro Albums, Singles Chart Double». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 15 de maio de 2020 
  192. a b «Rihanna – Loud (Ultratop 40)» (em francês). Ultratop 40. Hung Median. Consultado em 15 de maio de 2020 
  193. a b «Rihanna – Loud (Hitlisten)» (em inglês). Hitlisten. Consultado em 15 de maio de 2020 
  194. «Album Top 40 from the Official UK Charts Company». The Official Charts Company (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 16 de Setembro de 2006 
  195. «RIHANNA SOLD OVER 306K COPIES OF 'LOUD' THIS WEEK IN THE UK». Rihanna-Fenty (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  196. a b «Rihanna – Loud (UK Albums Chart)» (em inglês). UK Albums Chart. The Official Charts Company. Consultado em 15 de maio de 2020 
  197. «Cardle at No 1 again – Eminem/Rihanna & Take That scoop 2010 crowns». UK Music Charts. The Official Charts Company (em inglês). 2 de janeiro de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 15 de maio de 2020 
  198. «Charts UK : Maroon 5 et Aguilera privés de n°1, Adele aussi» (em inglês). Ozap. Consultado em 15 de maio de 2020 
  199. a b «Certificações (Reino Unido) (álbum) – Rihanna – Loud» (em inglês). British Phonographic Industry. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  200. Lane, Dan (20 de janeiro de 2012). «The biggest selling R&B and hip hop albums and singles of 2011 revealed» (em inglês). Official Charts Company. Consultado em 15 de maio de 2020 
  201. «Adele and Ed Sheeran push digital albums sales over the 100 million milestone». The Official Charts Company. 3 de agosto de 2012. Consultado em 15 de maio de 2020 
  202. Moss, Liv (19 de Março de 2015). «Official Biggest Selling Albums of the Millennium so far revealed!» (em inglês). Official Charts Company. Consultado em 15 de maio de 2020 
  203. a b «Rihanna Drops 'Talk That Talk' Tracklist, Jay-Z Collab». CraveOnline (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 15 de maio de 2020 
  204. «Rihanna – Loud (GfK Entertainment Charts)» (em alemão). GfK Entertainment Charts. Musicline.de. 12 de maio de 2008. Consultado em 15 de maio de 2020 
  205. «Rihanna – Loud (ARIA Charts)» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 15 de maio de 2020 
  206. «Rihanna – Loud (Ö3 Austria Top 40)» (em alemão). Ö3 Austria Top 40. Consultado em 15 de maio de 2020 
  207. «Rihanna – Loud (Ultratop 40)» (em neerlandês). Ultratop 50. Hung Median. Consultado em 15 de maio de 2020 
  208. «Rihanna – Loud (Productores de Música de España)» (em inglês). Productores de Música de España. Consultado em 15 de maio de 2020 
  209. «Rihanna – Loud (Billboard 200)» (em inglês). Billboard 200. Billboard. Consultado em 15 de maio de 2020 
  210. «Rihanna Scores Euro Albums, Singles Chart Double». Billboard. Prometheus Global Media. 27 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  211. «Rihanna – Loud (IFPI Finlândia)» (em finlandês). IFPI Finlândia. Consultado em 18 de março de 2010 
  212. «Rihanna – Loud (IFPI Grécia)» (em grego). IFPI Greece. Consultado em 15 de maio de 2020 
  213. «Rihanna – Loud (Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége)» (em húngaro). Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége. Consultado em 15 de maio de 2020 
  214. «Rihanna – Loud (Irish Recorded Music Association)» (em irlandês). Irish Recorded Music Association. Consultado em 15 de maio de 2020 
  215. «Rihanna – Loud (Oricon)». Oricon (em japonês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  216. «Rihanna – Loud (VG-lista)» (em inglês). VG-lista. Consultado em 15 de maio de 2020 
  217. «Rihanna – Loud (Recorded Music NZ)» (em inglês). Recording Industry Association of New Zealand. Consultado em 15 de maio de 2020 
  218. «Rihanna – Loud (MegaCharts)» (em neerlandês). Hung Medien. Consultado em 15 de maio de 2020 
  219. «Rihanna – Loud (Związek Producentów Audio Video)» (em polonês). OLiS. Związek Producentów Audio Video. Consultado em 15 de maio de 2020 
  220. «Rihanna – Loud (Associação Fonográfica Portuguesa)» (em inglês). Associação Fonográfica Portuguesa. Consultado em 15 de maio de 2020 
  221. «Rihanna – Loud (UK R&B Chart)» (em inglês). UK Albums Chart. The Official Charts Company. Consultado em 15 de maio de 2020 
  222. «Rihanna – Loud (UK Digital Albums)» (em inglês). UK Digital Albums. The Official Charts Company. Consultado em 15 de maio de 2020 
  223. «Rihanna – Loud (Sverigetopplistan)» (em inglês). Sverigetopplistan. Consultado em 15 de maio de 2020 
  224. «2019 ARIA End of Decade Albums Chart» (em inglês). Janeiro de 2020. Consultado em 15 de maio de 2020 
  225. «Decade-End Charts: Billboard 200». Billboard 200. Billboard (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  226. Copsey, Rob (11 de dezembro de 2019). «The UK's Official Top 100 biggest albums of the decade» (em inglês). UK Albums Chart. The Official Charts Company. Consultado em 15 de maio de 2020 
  227. «Top 100 Album-Jahrescharts». offiziellecharts.de (em alemão). GfK Entertainment. Consultado em 15 de maio de 2020 
  228. «Classement Albums – année 2010». SNEP (em francês). Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 16 de Setembro de 2019 
  229. «Best selling albums in 2010 of Hungary». Mahasz (em húngaro). Consultado em 15 de maio de 2020 
  230. «Best of 2010». Irish Recorded Music Association (IRMA) (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  231. «Dutch charts portal: Jaaroverzichten – Album 2010». MegaCharts (em neerlandês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  232. «Top 100 – annual chart – 2010 Poland Albums». ZPAV (em polaco). Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 16 de Setembro de 2019 
  233. «Cardle at No 1 again – Eminem/Rihanna & Take That scoop 2010 crowns» (em inglês). UK Album Charts. The Official Charts Company. 2 de janeiro de 2011. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 16 de Setembro de 2019 
  234. «Swiss Year-End Charts 2010» (em inglês). Hung Medien. Consultado em 15 de maio de 2020 
  235. «Top 100 Album-Jahrescharts». GfK Entertainment (em alemão). offiziellecharts.de. Consultado em 15 de maio de 2020 
  236. «ARIA End Of Year Chart 2011» (PDF). Australian Recording Industry Association (em inglês). 1 de janeiro de 2012. Consultado em 15 de maio de 2020 
  237. «Ö3 Austria Top 40 – Longplay Charts 2011». Austrian Albums Chart. Hitradio Ö3 (em alemão). Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 16 de Setembro de 2019 
  238. «Year End Charts: Top Canadian Albums». Prometheus Global Media (em inglês). Billboard. Consultado em 15 de maio de 2020 
  239. «Album-Top 100» (em inglês). Hitlisten. IFPI Dinamarca & Nielsen Music Control. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 16 de Setembro de 2019 
  240. «TOP 50 ALBUMES 2011» (PDF). promusicae.com (em espanhol). Promusicae. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original (PDF) em 16 de Setembro de 2019 
  241. «Billboard Top R&B/Hip-Hop Albums Year-End 2011». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 15 de maio de 2020 
  242. «Classement Albums – année 2011». SNEP (em francês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  243. «Best selling albums in 2011 of Hungary». Mahasz (em húngaro). Consultado em 15 de maio de 2020 
  244. «IFPI Global Music Report 2012» (PDF). IFPI (em inglês). p. 34. Consultado em 15 de maio de 2020 
  245. «Dutch charts portal: Jaaroverzichten – Album 2011». Hung Medien (em neerlandês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  246. «Top 100 – annual chart – 2011 Poland Albums». ZPAV (em polaco). Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 16 de Setembro de 2006 
  247. «The Top 20 biggest selling albums of 2011 revealed!». UK Album Charts. The Official Charts Company (em inglês). 2 de janeiro de 2012. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 16 de Setembro de 2019 
  248. «Swiss Year-End Charts 2011». swisscharts.com (em inglês). Hung Medien. Consultado em 15 de maio de 2020 
  249. «Certificações (Alemanha) (álbum) – Rihanna – Loud» (em alemão). Bundesverband Musikindustrie. Consultado em 2 de março de 2020 
  250. «ARIA Charts – Accreditations – 2015 Albums» (em inglês). Australian Recording Industry Association. Consultado em 2 de março de 2020 
  251. «Certificações (Áustria) (álbum) – Rihanna – Loud» (em alemão). IFPI Áustria. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  252. «Ultratop − Goud en Platina – albums 2011» (em inglês). Ultratop. Consultado em 2 de março de 2020 
  253. «Certificações (Dinamarca) (álbum) – Rihanna – Loud» (em dinamarquês). IFPI Dinamarca. Consultado em 2 de março de 2020 
  254. «Certificações (Espanha) (álbum) – Rihanna – Loud» (PDF) (em espanhol). Productores de Música de España. Consultado em 2 de março de 2020 
  255. «Certificações (Irlanda) (álbum) – Rihanna – Loud». Irish Recorded Music Association (em inglês). Consultado em 2 de março de 2020 
  256. «Certificações (Japão) (álbum) – Rihanna – Loud» (em japonês). Recording Industry Association of Japan. Consultado em 2 de março de 2020 
  257. «Certificações (Nova Zelândia) (álbum) – Rihanna – Loud» (em inglês). Recording Industry Association of New Zealand. Consultado em 2 de março de 2020 
  258. «Certificações (Polônia) (álbum) – Rihanna – Loud» (em polaco). Związek Producentów Audio Video. Consultado em 2 de março de 2020 
  259. «Certificações (Portugal) (álbum) – Rihanna – Loud» (em inglês). Associação Fonográfica Portuguesa. Consultado em 2 de março de 2020 
  260. Jones, Alan (5 de fevereiro de 2016). «Official Charts Analysis: Bowie scores consecutive No.1 albums». Music Week (em inglês). Intent Media. Consultado em 15 de maio de 2020 
  261. «Certificações (Rússia) (álbum) – Rihanna – Loud». 2M Online.ru (em russo). 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  262. «Guld- och Platinacertifikat − År 2011» (PDF) (em sueco). IFPI Suécia. Consultado em 2 de março de 2020 
  263. «Certificações (Suíça) (álbum) – Rihanna – Loud» (em inglês). IFPI Suíça. Hung Medien. Consultado em 2 de março de 2020 
  264. «IFPI Middle East Awards - 2011» (em inglês). Federação Internacional da Indústria Fonográfica. Consultado em 2 de março de 2020 
  265. «Rihanna – Loud (Austrália)». Discogs (em inglês). 12 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  266. «Loud: Rihanna». Amazon Germany (em alemão). 12 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  267. «Rihanna – Loud (Tailândia)». Discogs (em inglês). 12 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  268. «Rihanna – Loud (Europa)». Discogs (em inglês). 12 de novembro de 2010 
  269. «Loud: Rihanna». Amazon France (em francês). 15 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  270. «Rihanna – Loud (CD+DVD)». CD Wow (em inglês). 15 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 19 de Julho de 2019 
  271. «Rihanna – Loud (CD + DVD)». CDGO. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 19 de Julho de 2019 
  272. «Rihanna, Loud CD + DVD». Discogs (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020 
  273. «Loud: Rihanna». Amazon United Kingdom (em inglês). 15 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  274. «Mixup Music Store». Mixup (em espanhol). 15 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 19 de Julho de 2019 
  275. «Loud: Rihanna». Amazon (em inglês). 16 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  276. «Rihanna – Loud (Couture Edition CD+DVD)». Amazon USA (em inglês). 15 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  277. «Rihanna come back with a new album». Universal Music Poland (em polaco). 19 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  278. «Loud – Rihanna (Brazil release date)». Livrariacultura. 30 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 19 de Julho de 2019 
  279. «Loud». Disctarra.com (em inglês). Consultado em 15 de maio de 2020. Arquivado do original em 19 de Julho de 2019 
  280. «Loud – Rihanna (Japan CD release date)». CD Japan (em inglês). 18 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  281. «Loud – Rihanna (Japan CD+DVD release date)». CD Japan (em japonês). 18 de novembro de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal.svg A Wikipédia possui o
Portal Rihanna