Memorial de Curitiba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Memorial de Curitiba
Tipo Memorial & Museu
Estilo dominante Arquitetura moderna
Arquiteto Fernando Luiz Popp
Construção 1992-1996
Inauguração 1996 (26 anos)
Proprietário atual Prefeitura de Curitiba
Dimensões
Outras dimensões 5.000 m²
Número de andares 4 + cobertura
Geografia
País Brasil
Local Curitiba, Paraná

O Centro Cultural Memorial de Curitiba é um espaço público dedicado a múltiplas atividades culturais. O prédio esta localizado no centro histórico de Curitiba, capital do Estado do Paraná.[1][2]

O memorial faz parte dos espaços culturais existentes no setor histórico da cidade (Largo da Ordem)[3], assim como o Museu de Arte Sacra da Arquidiocese de Curitiba, a Casa Romário Martins, o Palácio Wolff ou o Palácio Garibaldi.

História[editar | editar código-fonte]

O projeto foi idealizado (na gestão de Jaime Lerner) a partir de 1992 para as comemorações dos 300 anos de Curitiba (comemorado em 1993) e inaugurado em 1996, na gestão de Rafael Greca.[4][5]

Estrutura e arquitetura[editar | editar código-fonte]

O prédio, que possui cinco mil metros quadrados de área, distribuídos em quatro andares e cobertura[4], conta com diversos espaços destinados a exposições, permanentes e rotativas, como os salões: Paranaguá, Paraná e Brasil[1] e a "Capela dos Fundadores"; um auditório para apresentações artísticas e palestras, que é o "Teatro Londrina"[1] com 144 lugares; o "Mirante do Marumbi"[1] (na cobertura) e uma praça interna para grandes eventos, a "Praça do Iguaçu"[1], com um córrego artificial e uma fonte d'água. Entre salas destinadas a seminários, palestras, oficinas e congressos, o espaço também abriga a "Sala Himeji".[6]

Projetado pelo arquiteto Fernando Luiz Popp[1], possui linhas modernas em estrutura de aço e concreto, com paredes em vidros transparentes[4]. O prédio é inspirado no pinheiro paranaense, um dos símbolos oficiais do Paraná.[5]

Acervo[editar | editar código-fonte]

Entre as exposições permanentes de seus salões, o memorial possui importantes peças históricos em seu acervo, como: os altares rétabulos do século XVIII da antiga Matriz de Curitiba (derrubada para dar lugar a Catedral Basílica Menor de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais), talhados em madeira policromada (este altar foi usado pelo Papa João Paulo II para celebrar uma missa quando o pontífice visitou a cidade)[7]; volutas e sacrários antigos (as peças religiosas estão na "Capela dos Fundadores"); pinturas de Sérgio Ferro; esculturas como a de Victor Brecheret[2] (“Tocadora de Guitarra”), Poty Lazzarotto[2] (“Leonardo Da Vinci”), escultura em bronze de Zaco Paraná[2] (“Cavalo Marinho” e “O Sonho”), "O Bóia-fria em Curitiba" de Expedito Rocha e peças de Ricardo Todd, João Turin ou Elvo Benito Damo (algumas peças do acervo foram encomendadas pelo então governador Moisés Lupion para ornar um chafariz em sua residência, e mais tarde foram doadas ao município), entre outras.[6]

A Sala Himeji expõe a maquete do "Castelo de Himeji", principal atração turística da cidade japonesa de Himeji (cidade irmã de Curitiba). A maquete foi doada pela população da cidade japonesa em 1997 e instalada na Praça do Japão. Em 2017, foi transferida para o memorial.[7]

Referências

  1. a b c d e f Centro Cultural Memorial de Curitiba Prefeitura Municipal de Curitiba - acessado em 10 de julho de 2020
  2. a b c d Memorial de Curitiba Museu Brasil - acessado em 10 de julho de 2020
  3. O Largo da Ordem Instituto Curitiba Turismo - acessado em 10 de julho de 2020
  4. a b c Inaugurado em 1996, o Memorial da Cidade Secretaria Estadual de Edução do Estado do Paraná - acessado em 10 de julho de 2020
  5. a b Memorial de Curitiba (102) Arquivo Arquitetura - acessado em 10 de julho de 2020
  6. a b Apresentação I - Espaços Culturais Fundação Cultural de Curitiba - acessado em 10 de julho de 2020
  7. a b Apresentação II Prefeitura Municipal de Curitiba - acessado em 10 de julho de 2020