Teatro Paiol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde dezembro de 2017).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2017)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Fachada do Teatro Paiol, em Curitiba, antigo arsenal de pólvora e munições do Exército brasileiro.

O Teatro Paiol é um espaço cultural e auditório para teatro e espetáculos musicais localizado na cidade de Curitiba, capital do estado do Paraná, Brasil.

O nome se deve a uma rica e trágica história. Em meados de 1874 havia um armazém, dirigido por uma viúva que comercializava fogos de artifícios. E segundo relatos históricos houve uma grande explosão dando início a várias mudanças no local designado para esta função. O primeiro paiol de pólvora da cidade foi construído na esquina das ruas Montevideo e Getúlio Vargas. Não tardou e a cidade sofreu com mais uma explosão, desta vez na velha estação ferroviária, a tragédia deixou vítimas fatais. Dado o tamanho do impacto que esta tragédia provocou na população curitibana, o então comandante do 5ª Região Militar, determinou a mudança do paiol para o Bacacheri. Devido a expansão da cidade e o eminente risco de explosões, prefeitura e exercito chegaram num acordo, em 1906, onde os inflamáveis da prefeitura teriam seu próprio depósito. Foi ai que se originou o Paiol de Pólvoras, construído na praça Guido Viara, onde funcionou até 1917.  O seu formato circular foi planejado por causa do risco de uma nova explosão, sendo assim, os materiais sairiam na parte superior e não aos lados. Depois de ter sido um armazém de pólvora,  virou um acervo para documentos da prefeitura e materiais municipais, anos mais tarde virou uma usina de asfalto. As características originais da construção foram mantidas. O antigo paiol foi convertido em um auditório de arena para 225 espectadores, em projeto arquitetônico de Abrão Assad.

História[editar | editar código-fonte]

Na década de 1960, Curitiba estava crescendo em população, portanto, foi criado um plano de urbanização, que tinha como objetivo transformar a capital paranaense em questão urbana e cultural. Foi nessa proposta de aumento cultural que a ideia de transformar o Paiol em teatro começou a ser cogitado pelas autoridades municipais. Foi a ideia do teatro que começou o movimento de reciclar um local e dar uma designação cultural, com ele que foi percebida a necessidade de cuidar dos espaços históricos de Curitiba. Tanto que o Paiol que impulsionou a criação da Fundação Cultural de Curitiba - FCC, no qual foi entregue a Biblioteca Augusto Stresser para o teatro na posse da primeira diretoria da fundação. Com a ajuda da biblioteca, se tornou um local de pesquisa, de jogos, de palestras , dramatizações e entre outros.             

O teatro e shows[editar | editar código-fonte]

O velho prédio foi inaugurado como teatro numa segunda-feira no dia 27 de dezembro de 1971, com um show que marcou a presença de Vinicius de Moraes, Toquinho, Marilia Mendonça e do Trio Mocotó. A cidade se preparava para o maior evento artístico até então realizado na capital paranaense, e eis que os grandes nomes da estreia resolveram fazer uma surpresa para a cidade, compuseram uma canção especialmente para o teatro. O título da música era “Paiol de Pólvora” que mais tarde iria fazer parte da telenovela do globo “O bem Amado”, mas que infelizmente acabou sendo censurada.

Outros grandes nomes da musica e do teatro fizeram shows no teatro paiol entre eles, Elis Regina, Marilia Pêra, Trio  Mocotó, Hugo Cardoso, Olivia Byington, Trio Quintina, Gonzaguinha, Zezé Motta, Djavan, Nana Caymmi, Hermeto Paschoal, Alaíde Costa, Leni Andrade, Elza Soares, Zizi Possi, Cida Moreira, Fátima Guedes e muitos outros.

Jaime Lerner, prefeito de Curitiba na época e quem deu vida ao projeto de transformar o antigo paiol de pólvoras em teatro escreveu:” o teatro é, nas suas variadas formas, a mais personalizada dentre as manifestações artísticas do homem”.

Mas os anos dourados do Teatro Paiol não duraram muito tempo. Mesmo se tornado símbolo da Fundação Cultural de Curitiba, presente na logomarca da instituição, o teatro passou por várias reformas ao longo da sua história e por inúmeras vezes esteve por um triz de ser esquecido, ter sua glória apagada pelo descaso das instituições que deveriam preservar essa que é uma história tão rica, única, e singular dentro do cenário artístico e cultural, não apenas de Curitiba, mas do país.

Graças a sua gigantesca existência, há sempre uma comunidade disposta a lutar pela preservação da memória e desta linda história que este teatro possui.

O Teatro Paiol está localizado no Largo Professor Guido Viaro s/nº, no bairro Prado Velho.


Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Reportagens do acervo da www.fundacaoculturaldecuritiba.com.br/espacos-culturais/casa-da-memoria/

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]