Oi Velox

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde novembro de 2012). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

Oi Velox (antigo Velox, da Telemar) é um serviço de acesso à Internet banda larga de alta velocidade baseada na tecnologia ADSL e VDSLnas capitais, regiões metropolitanas e algumas outras regiões.

Atualmente as velocidades do Oi Velox são comercializadas nas versões de 300Kbps, 600Kbps, 1Mbps, 2 Mbps, 5Mbps, 10 Mbps, 15 Mbps, 20 Mbps, 25Mbps e 35 Mbps em todas as capitais, e regiões próximas à essas, do Brasil; Entretanto, nem todas as velocidades estão disponíveis em todos os locais.

As velocidades de 100 e 200 Mbps estão disponíveis em fase de testes para alguns bairros das cidades do Rio de Janeiro e Belo Horizonte. A tecnologia utilizada é fibra óptica.[1]

A Oi oferece as modalidades residencial ou empresarial da Banda Larga Velox em ADSL e VDSL, além de serviços para o mercado corporativo que fazem uso desta mesma tecnologia.

Oi Velox e Oi Fixo[editar | editar código-fonte]

A Oi também exigia que para adquirir o Oi Velox, o consumidor obrigatoriamente deveria contratar o serviço Oi Fixo, para que possua uma linha telefônica residencial. Tecnicamente a ausência do serviço Oi Fixo não impede a instalação do Oi Velox, visto que bastaria habilitar a linha telefônica, sem a mesma conter um número fixo atrelado. Esta prática era (e ainda é) comum entre todas as empresas de telecomunicações, porém vários consumidores a questionam também sobre a questão judiciária da venda casada, tendo sido recentemente reiterado pela própria Anatel a proibição desta prática.[2]

Porém, o cliente tem a opção de contratar o Velox Avulso, cujo valor tem um custo um pouco maior do que seria cobrado com o Velox associado a uma linha fixa.

Concorrência e preços[editar | editar código-fonte]

Comparada com as demais operadoras de internet banda larga no mercado brasileiro, a Oi Velox é um monopólio em diversos lugares e possuía as maiores distorções nas velocidades e nos preços, com características variando enormemente, inclusive entre cidades vizinhas.[3]

A alegação da Oi Velox para a divergência dos valores seria a de que: [carece de fontes?]

"O portfólio e os preços se baseiam no fato que a cobertura de Velox, mesmo em localidades contíguas, incorre num custo de infraestrutura (DSLAM, transmissão, fibra óptica, centrais com topologia, concentração e capacidade distintas, entre outros) médio maior do que o observado nas capitais, Belo Horizonte e Rio de Janeiro.

Sendo à mesma cabível readequar os valores cobrados do cliente a essa realidade de custos e em casos específicos restringir o portfólio de produtos, quando ela entendesse que o preço readequado tornaria o produto inviável comercialmente. E que por ser o Oi Velox um serviço prestado em regime privado estaria em tese facultado à mesma determinar os preços praticados.

Ainda informa que o custo da prestação do serviço também poderia variar em função de algumas características objetivas da rede externa que é heterogênea, a saber: distância entre a casa dos clientes e as centrais da Oi; inexistência de ponto de presença na localidade; esgotamento da capacidade da rede e maior redundância da rede nas capitais (a rede de telecomunicações nas capitais estaria mais sedimentada, possibilitando melhores condições para implantação de novos serviços e tecnologias).

E que a inexistência de capacidade instalada e a existência de custos diferenciados para a prestação do mesmo serviço constituiriam em um ambiente de liberdade de precificação e realização de investimentos."

Porém, a falta de concorrência é apontada como principal fator para a enorme divergência entre os valores praticados pela Oi no serviço de banda larga.[4]

A posição da Anatel é a de que a Oi teria obrigação legal de praticar um valor único em todas as localidades em que presta o serviço de banda larga, por constar no art. 45 do Regulamento do Serviço de Comunicação Multimídia (SCM) que "o serviço deve ser prestado em condições não discriminatórias a todos os assinantes localizados na área de prestação especificada no termo de autorização", e ainda que na própria Lei Geral de Telecomunicações (LGT), que garante a "liberdade de preços, livre iniciativa e ampla competição", é previsto que os usuários também tem o direito de não serem discriminados quanto às condições de acesso e fruição de serviços.

Cobertura[editar | editar código-fonte]

Atualmente, o serviço de banda larga fixa da operadora é oferecido em todos os estados brasileiros, exceto São Paulo, devido a Oi não ter autorização para prestar serviço de telefonia/banda larga na região 3, onde estão disponíveis apenas as tecnologias 3G e 4G.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Oi Página da empresa Oi, que oferece o serviço Velox

Referências