Tratado de Sèvres

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tratado de Sèvrez
O Tratado de Paz entre as Potências Aliadas
e o Império Otomano
As mudanças territoriais no Império Otomano de acordo com o Tratado de Sèvres
Tipo de tratado tratado de paz
Assinado 10 de Agosto de 1920
Local Sèvres, França
Condição Ratificação pelo Império Otomano e as Quatro Grandes nações Aliadas
Signatários 1. Principais nações Aliadas

2. Impérios Centrais
 Império Otomano

Depositário Governo francês
Línguas francês, inglês e italiano

O Tratado de Sèvres foi um acordo de paz assinado entre os Aliados e o Império Otomano em 10 de agosto de 1920, após a Primeira Guerra Mundial. O Tratado partilhava o Império Otomano entre o Reino da Grécia, o Reino de Itália, o Império Britânico e a República francesa, além de estender o território da Armênia, e a criação de um estado curdo.[1] Desde 1915 existiam planos de criação de regiões de influência pelos britânicos e franceses, no Acordo Sykes-Picot, do território otomano.[2]

Liderados por Mustafa Kemal Atatürk, soldados do movimento nacionalista turco vencem os exércitos que ocupavam a Anatólia na Guerra de independência turca, resultando no Tratado de Lausanne, garantindo a independência da Turquia.[2]

Mudanças territoriais[editar | editar código-fonte]

As suas cláusulas consagravam a perda, pela Turquia, não apenas da Palestina, Síria, Líbano e Mesopotâmia, mas também praticamente de todos os territórios otomanos na Europa (com exceção de Constantinopla) e da região de Esmirna, ambas entregues à Grécia. Além disso, o tratado estipulava que os estreitos de Bósforo e dos Dardanelos, assim como o mar de Mármara, seriam transformados em zonas neutras desmilitarizadas (internacionalizadas) e sua travessia permitida, em quaisquer circunstâncias, a todos os navios estrangeiros, mercantes ou de guerra. O tratado ainda contemplava os curdos com uma região autônoma e os armênios com terras da Armênia Ocidental, o que foi totalmente rejeitado pelos turcos.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Helmreich, Paul C. (1974). From Paris to Sèvres: The Partition of the Ottoman Empire at the Peace Conference of 1919–1920 (em inglês). Ohio: Ohio State University Press. 376 páginas. ISBN 9780814201701 
  2. a b c Danforth, Nick (10 de Agosto de 2015). «Forget Sykes-Picot. It's the Treaty of Sèvres That Explains the Modern Middle East.» (em inglês). Foreign Policy. Consultado em 29 de Julho de 2018. 
Ícone de esboço Este artigo sobre História da Turquia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.