Tratado de Sèvres

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Tratado de Sèvrez
O Tratado de Paz entre as Potências Aliadas
e o Império Otomano
As mudanças territoriais no Império Otomano de acordo com o Tratado de Sèvres
Tipo Tratado de paz
Local de assinatura Sèvres, França
Signatário(a)(s) 1. Principais nações Aliadas

2. Impérios Centrais
 Império Otomano

Depositário(a) Governo francês
Assinado 10 de Agosto de 1920
Condição Ratificação pelo Império Otomano e as Quatro Grandes nações Aliadas
Publicação
Língua(s) francês, inglês e italiano

O Tratado de Sèvres foi um acordo de paz assinado entre os Aliados e o Império Otomano em 10 de agosto de 1920, após a Primeira Guerra Mundial. O Tratado partilhava o Império Otomano entre o Reino da Grécia, o Reino de Itália, o Império Britânico e a República francesa, além de estender o território da Armênia, e a criação de um estado curdo.[1] Desde 1915 existiam planos de criação de regiões de influência pelos britânicos e franceses, no Acordo Sykes-Picot, do território otomano.[2]

Liderados por Mustafa Kemal Atatürk, soldados do movimento nacionalista turco vencem os exércitos que ocupavam a Anatólia na Guerra de independência turca, resultando no Tratado de Lausanne, garantindo a independência da Turquia.[2]

Mudanças territoriais[editar | editar código-fonte]

As suas cláusulas consagravam a perda, pela Turquia, não apenas da Palestina, Síria, Líbano e Mesopotâmia, mas também praticamente de todos os territórios otomanos na Europa (com exceção de Constantinopla) e da região de Esmirna, ambas entregues à Grécia. Além disso, o tratado estipulava que os estreitos de Bósforo e dos Dardanelos, assim como o mar de Mármara, seriam transformados em zonas neutras desmilitarizadas (internacionalizadas) e sua travessia permitida, em quaisquer circunstâncias, a todos os navios estrangeiros, mercantes ou de guerra. O tratado ainda contemplava os curdos com uma região autônoma e os armênios com terras da Armênia Ocidental, o que foi totalmente rejeitado pelos turcos.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Helmreich, Paul C. (1974). From Paris to Sèvres: The Partition of the Ottoman Empire at the Peace Conference of 1919–1920 (em inglês). Ohio: Ohio State University Press. 376 páginas. ISBN 9780814201701 
  2. a b c Danforth, Nick (10 de Agosto de 2015). «Forget Sykes-Picot. It's the Treaty of Sèvres That Explains the Modern Middle East.» (em inglês). Foreign Policy. Consultado em 29 de Julho de 2018 
Ícone de esboço Este artigo sobre Tratado é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Tratado de Sèvres