Walter Montillo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Montillo
Informações pessoais
Nome completo Walter Damián Montillo
Data de nasc. 14 de abril de 1984 (33 anos)
Local de nasc. Lanús, Argentina
Nacionalidade argentina
Italiana
Altura 1,71 m
Destro
Apelido Pirata azul
Informações profissionais
Período em atividade 2002–2017 (15 anos)
Clube atual Aposentado
Posição Meia
Clubes de juventude
2002 San Lorenzo
Clubes profissionais2
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
2002–2007
2006–2007
2008–2010
2010–2012
2013–2014
2014–2016
2017
San Lorenzo
Monarcas Morelia (emp.)
Universidad de Chile
Cruzeiro
Santos
Shandong Luneng
Botafogo
Total
00095 0000(6)
00025 0000(3)
00062 000(10)
00122 000(36)
00052 0000(8)
00081 000(17)
00018 0000(1)
0 0455 000(81)
Seleção nacional3
2003
2011–2013
Argentina Sub-20
Argentina
00005 0000(0)
00006 0000(0)


2 Partidas e gols totais pelo
clube, atualizados até 26 de junho de 2017.
3 Partidas e gols da seleção nacional estão atualizados
até 14 de junho de 2013.

Walter Damián Montillo, mais conhecido como Montillo (Lanús, 14 de abril de 1984) é um ex-futebolista argentino que atuava como meia. Seu último clube foi o Botafogo, do qual saiu após uma série de lesões que o impediram de continuar a carreira.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Sua primeira equipe foi o Defensores de Arena, de sua cidade natal, Lanús. Ainda na infância, chegou a passar pelas categorias inferiores do Talleres de Remedios de Escalada, levado por seu pai. Já ali, foi testado no meio-de-campo, seja como armador ou como volante. Já com 17 anos, em 2001, foi testado no clube pelo qual torce, o River Plate.[2]

Os avaliadores do River reconheceram seu talento, mas lhe aconselharam a procurar outra equipe, pois já teriam preenchido as vagas para meias armadores. Em dois meses, Montillo é aprovado no San Lorenzo, outro dos cinco grandes do futebol argentino. Ali, estrearia profissionalmente.[2]

San Lorenzo[editar | editar código-fonte]

Debutou exatamente na primeira rodada do torneio Apertura (o campeonato argentino do segundo semestre do ano) de 2002. Gerou um entusiasmo inicial, portando-se como o parceiro ideal do ídolo da equipe, Leandro Romagnoli. Porém, uma lesão em um treinamento o deixou parado por meses.[3] Após machucar o perônio da perna direita, levou quatro meses para se recuperar e acabou relegado pelo treinador Rubén Darío Insúa.[2] Sem ele, o San Lorenzo venceu a Copa Sul-Americana de 2002, primeiro título continental do clube.[4]

Voltou a gerar expectativas já no segundo semestre de 2003. Montillo, ganhando continuidade do treinador Néstor Gorosito e recebendo a camisa 10,[2] soube substituir o lesionado ídolo Leandro Romagnoli à altura, sendo o grande destaque na condução do elenco cuervo que terminou o Apertura 2003 no vice-campeonato; o bom desempenho, curiosamente, o tirou da reta final do torneio, quando foi para os Emirados Árabes defender a Seleção Argentina que disputaria ali o Mundial Sub-20 daquele ano.[3] Foi uma das figuras dos quartos colocados no torneio.[2]

No ano de 2004, continua titular mesmo com a volta de Romagnoli, com quem joga lado a lado, embora por vezes fosse escalado em outras posições, como ponta. Chega a ocupar também a vaga deixada por Ezequiel Lavezzi no primeiro semestre de 2005. No segundo, porém, o treinador Gustavo Alfaro não o leva tanto em conta.[2] Um ano depois, emprestado ao Monarcas Morelia, do México,[5] onde é treinado pelo argentino Darío Franco.[2]

Após um ano no Morelia, é devolvido ao San Lorenzo, que não aceitara prorrogar o empréstimo pedido pelos mexicanos, que por sua vez não pretendiam comprá-lo. No regresso, teve poucas oportunidades com o treinador Ramón Díaz, cujo esquema tático não vinha usando meias armadores.[2] O clube de Boedo resolveu então negociá-lo com o interessado Universidad de Chile.[5]

Universidad de Chile[editar | editar código-fonte]

2008[editar | editar código-fonte]

Assinatura pelo Universidade do Chile para a temporada de 2008, em um contrato por cinco anos, em troca de US$ 1 milhão e se tornou uma das transações mais caras de 2008 no futebol chileno. Estreia na Universidade de Chile em 14 de fevereiro de 2008, em Viña del Mar, em partida contra o Everton, no estádio Sausalito.

2009[editar | editar código-fonte]

Após um mau começo, em que não rendeu o que era cobrado, tornou-se ídolo de La U, sendo o principal nome da conquista do Apertura chileno em 2009, reconhecido pelo próprio treinador Sergio Markarián como o comandante das jogadas do time.[5]

2010[editar | editar código-fonte]

Na Taça Libertadores da América de 2010, obteve visibilidade no Brasil após grandes exibições contra o Flamengo, especialmente por seu gol de cobertura no segundo jogo da disputa entre os times.[5][1]

Apesar da derrota por 2x1 para o Flamengo nesse jogo, o Universidad de Chile ficou com a vaga pelo critério gol fora de casa, pois havia vencido a partida de ida por 3x2. Dedicou, emocionado, os gols que fez na época ao recém-nascido filho Santino, que possui síndrome de Down; comoveu-se ainda mais quando a torcida do Universidad passou a entoar cânticos sobre a criança.[5]

O próprio Flamengo, e também seu arquirrival Vasco da Gama, quis contratá-lo, mas quem conseguiu realmente foi o Cruzeiro.[5][6] Montillo foi orientado pelo compatriota Juan Pablo Sorín quando este soube do interesse da equipe mineira, onde é um dos maiores ídolos da história da mesma. A Raposa resolvera investir nele após sua negociação com outro argentino, a estrela Juan Román Riquelme, não ter se concretizado.[5]

Cruzeiro[editar | editar código-fonte]

2010[editar | editar código-fonte]

Em 2 de julho de 2010 foi anunciada sua contratação pelo Cruzeiro por 3,5 milhões de dólares (cerca de 6,2 milhões de reais).[7] Se apresentou ao clube brasileiro após o fim da participação da Universidad de Chile na Libertadores de 2010.

Sua estreia pelo Cruzeiro aconteceu no dia 15 de agosto, no jogo contra o São Paulo, pelo Campeonato Brasileiro.[8][9] Adaptou-se rapidamente[5] e no dia 25 de agosto, marcou o primeiro gol vestindo a camisa celeste, na vitória por 1 a 0 sobre o Corinthians, em partida válida pelo Campeonato Brasileiro e que foi realizada em Uberlândia.[10][11] Além de conduzir o meio-de-campo, mostrou-se um goleador como nunca antes — em quinze partidas, já havia marcado 7 vezes, superando os gols que havia feito em todo o seu ciclo no San Lorenzo, no que ele admitiu como o melhor momento da carreira. Com ele, o aproveitamento da equipe, em torno de 50%, subiu para 62%.[5]

No dia 5 de dezembro de 2010, após conquistar com o Cruzeiro o segundo lugar no Campeonato Brasileiro, Montillo foi laureado com o Troféu Armando Nogueira como melhor jogador da competição.[12] No dia seguinte, o jogador recebeu a Bola de Prata da Revista Placar como um dos melhores meias do Campeonato Brasileiro,[13] recebendo o prêmio das mãos de Sorín, que o aconselhara a ir para o clube e fizera questão de viajar especialmente para a premiação, uma vez que o mesmo se encontrava na Argentina.[14]

2011[editar | editar código-fonte]

Em 2011, na primeira partida da Copa Libertadores realizada pelo Cruzeiro no ano, Montillo marcou dois gols, dando assistência na goleada do Cruzeiro sobre o Estudiantes, por 5 a 0.[15] Surpreendentemente, o Cruzeiro acabou eliminado ainda nas oitavas-de-final, contra o Once Caldas.

No Campeonato Brasileiro, após ser criticado, junto com todo o time do Cruzeiro, que começou muito mal o Brasileirão, Montillo reencontrou seu bom futebol com a chegada do treinador Joel Santana. Marcou os dois gols da vitória sobre o Grêmio pela oitava rodada, em 6 de julho, chegando a assumir o posto de artilheiro do campeonato por algumas rodadas.[16]

Destoando em meio à péssima campanha cruzeirense, que só se livrou de um inédito rebaixamento na última rodada, Montillo receberia sua segunda Bola de Prata seguida como um dos melhores meias do campeonato.[17] Ele foi o meia argentino que mais marcou gols no ano.[2]

2012[editar | editar código-fonte]

No dia 25 de fevereiro de 2012, Montillo tornou-se o maior artilheiro estrangeiro da história do Cruzeiro desde 1942 - quando o clube desassumiu a forma de Palestra Itália - após marcar 2 gols contra o Democrata na vitória por 2 a 0 pelo Campeonato Mineiro, alcançando a marca de 30 gols pela equipe, superando o colombiano Aristizábal, que havia marcado 28 vezes com a camisa celeste.[18]

Em março, o jogador renovou seu contrato para atuar pelo Cruzeiro até o final de 2015.[19] O Presidente Gilvan de Pinho Tavares aumentou a multa rescisoria para 80 milhões de Euros, tornando Montillo o jogador mais caro da América do Sul.

No dia 18 de julho, Montillo completou seu centésimo jogo com a camisa celeste, atuando contra a Portuguesa, em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro. A equipe mineira venceu por 2 a 0.[20]

Santos[editar | editar código-fonte]

2013[editar | editar código-fonte]

Em 3 de janeiro de 2013, o clube Santos anunciou a contratação do meia por cerca de R$ 16,2 milhões adquirindo 60% dos direitos econômicos, tornando-se o reforço mais caro da história da equipe.[21] Ele chegou ao time para assumir a camisa de número 10, anteriormente pertencente a Paulo Henrique Ganso que foi para o São Paulo.[22] A estréia pela equipe santista aconteceu no dia 16 de janeiro, em jogo amistoso contra o Grêmio Barueri.[23] O rendimento do jogador argentino nas primeiras partidas, no entanto, não correspondeu às expectativas do treinador Muricy Ramalho.[21]

Shandong Luneng[editar | editar código-fonte]

Em 29 de janeiro de 2014 o Santos anunciou sua transferência ao Shandong Luneng, da China. [24]

Botafogo[editar | editar código-fonte]

Após uma longa negociação, em 22 de dezembro de 2016, Montillo foi anunciado como reforço do Botafogo para temporada de 2017. Chega para ser o principal jogador da equipe na Libertadores, dividindo com Camilo a criação das jogadas.

Seu primeiro gol foi logo em sua estreia no amistoso diante do Rio Branco no qual o Botafogo venceu por 4 a 0. No ano de 2017, Montillo vem sofrendo com as lesões e haviam sido 5 desde quando havia chegado ao clube de general Severiano. [25][26][1]

Em 26 de junho, após um longo período de inatividade devido a mais uma lesão, foi escalado pelo técnico Jair Ventura na partida contra o Avaí válida pela 9ª rodada do campeonato brasileiro como titular, o que não acontecia desde abril. Animado, foi à campo cheio de expectativas. Mas logo aos 7 minutos do primeiro tempo sentiu mais uma lesão e precisou deixar a partida. Já muito abatido pelo histórico clínico, e por não ter como ter sequência de jogos e nem ajudar o Botafogo, pediu a rescisão de contrato, que foi aceita pelo clube. Logo após, anunciou sua aposentadoria dos gramados. [27][1]

Seleção Argentina[editar | editar código-fonte]

No dia 25 de setembro de 2011, devido à boas atuações pelo Cruzeiro, foi convocado pelo treinador Alejandro Sabella para integrar a Seleção principal da Argentina na disputa do segundo jogo do Superclássico das Américas de 2011, contra o Brasil.[28] Essa foi a primeira convocação do jogador para a equipe principal da seleção. Montillo já tinha representado a seleção sub-20 em 5 outras oportunidades. Mesmo com a derrota por 2 a 0, muitos jornais argentinos elogiaram Montillo.[29]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Seu pai também se chama Walter e sua mãe, Marta, que também tiveram duas meninas, Sabrina e Pamela. Foi um tio seu, Daniel, que o fez torcedor do River Plate. Casado com Melina Ianazzo,[2] Montillo tem com ela dois filhos, Valentín e Santino. O mais novo, Santino, tem Síndrome de Down. Em uma entrevista ele afirmou que a síndrome de seu filho não muda em nada a sua vida: "É meu filho e vou amá-lo como é."[30]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Até 25 de janeiro de 2017.

Clubes[editar | editar código-fonte]

Clube Temporada Campeonato
nacional
Copa
nacional[a]
Competições
continentais[b]
Outros
torneios[c]
Total
Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols
San Lorenzo 2002  ?  ?  ?  ?
2003  ?  ?  ?  ?
2004  ?  ?  ?  ?
2005 18 2 18 2
2006 12 0 12 0
Total 89 6 89 6
Morelia 2006 14 3 14 3
2007 11 0 11 0
Total 25 3 25 3
San Lorenzo 2007 6 0 6 0
Total 6 0 6 0
Universidad de Chile 2008 35 6 35 6
2009 17 2 10 3 27 5
2010 10 2 12 2 22 4
Total 62 10 22 5 84 15
Cruzeiro 2010 23 8 0 0 0 23 8
2011 34 12 0 7 3 11 6 52 21
2012 32 4 4 0 0 11 4 45 8
Total 89 23 2 0 7 3 22 10 120 36
Santos 2013 26 5 5 1 0 0 18 2 49 8
2014 0 0 0 0 0 0 1 0 1 0
Total 26 5 5 1 0 0 19 3 50 8
Shandong Luneng 2014 26 2 0 0 6 0 0 0 32 2
Total 26 2 0 0 6 0 0 0 32 2
Botafogo 2017 5 2 0 0 1 0 1 0 2 0
Total 5 2 0 0 1 0 1 0 2 0
Total na carreira 323 51 7 1 35 8 42 13 407 70

Seleção Argentina[editar | editar código-fonte]

Ano
Jogos Gols
2011 1 0
2012 1 0
2013 2 0
Total 4 0

Títulos[editar | editar código-fonte]

San Lorenzo
Universidad de Chile
Cruzeiro
Shandong Luneng

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

  • Bola de Prata da Revista Placar
    • Melhor meia: 2010 e 2011[13]
  • Prêmio Craque do Brasileirão
    • Melhor meia-direita: 2010
  • Troféu Mesa Redonda
    • Melhor Meia de Ligação do Campeonato Brasileiro: 2010
  • Troféu Armando Nogueira
    • Melhor jogador do Campeonato Brasileiro de Futebol: 2010[12]
  • Troféu Guará
    • Melhor meia do ano em Minas Gerais: 2010, 2011
    • Melhor jogador do ano em Minas Gerais: 2010, 2011
    • Artilheiro da temporada em Minas Gerais: 2011
  • Troféu Telê Santana
    • Melhor meia do ano em Minas Gerais: 2010, 2011
    • Melhor jogador em Minas Gerais: 2011
  • Troféu Globo Minas
    • Melhor jogador do Campeonato Mineiro: 2011
    • Seleção do Campeonato Mineiro: 2011 e 2012
    • Gol mais bonito do Campeonato Mineiro: 2011
  • El Pais
    • Seleção das Américas: 2012

Referências

  1. a b c d Leandro Iamin (4 de julho de 2017). «Desta China eu gosto, Montillo». Central 3. Consultado em 7 de julho de 2017. Cópia arquivada em 7 de julho de 2017 
  2. a b c d e f g h i j ALTAMIRANO HALLE, Alejandra (dezembro de 2012). Walter Montillo - Divino Tesoro. El Gráfico n. 4429. Revistas Deportivas, pp. 72-73
  3. a b FUENTES, Fernando (2007). Montillo, Walter Damián. San Lorenzo: el diccionario azulgrana. 1 ed. Buenos Aires, pp. 132-133
  4. BRANDÃO, Caio (11 de dezembro de 2012). «Dez anos da primeira Sul-Americana, vencida pelo San Lorenzo». Futebol Portenho. Consultado em 7 de julho de 2017 
  5. a b c d e f g h i PIRES, Breiller (novembro de 2010). O argentino vem a galope. Placar n. 1348. Editora Abril, pp. 78-83
  6. «Flamengo tenta contratação de Montillo, autor do gol que eliminou a equipe da Libertadores». R7 Esportes - Flamengo. 26 de maio de 2010. Consultado em 7 de julho de 2017 
  7. «Cruzeiro anuncia a contratação do meia argentino Montillo». UOL Esporte. 2 de julho de 2010. Consultado em 7 de julho de 2017 
  8. Bernardo Lacerda (13 de agosto de 2010). «Inscrito na CBF, Montillo estreia pelo Cruzeiro contra o São Paulo». UOL Esporte. Consultado em 7 de julho de 2017 
  9. Marcelo Portela (15 de agosto de 2010). «Cruzeiro aposta na estreia do argentino Montillo». Agência Estado. Consultado em 7 de julho de 2017 
  10. «Montillo marca pela primeira vez no Cruzeiro e cai nas graças do torcedor». GloboEsporte.com - Cruzeiro. 26 de agosto de 2010. Consultado em 7 de julho de 2017 
  11. «Montillo marca e Cruzeiro derrota o Corinthians por 1 a 0». UOL Esporte + UOL Mais. 25 de agosto de 2010. Consultado em 7 de julho de 2017 
  12. a b «Cruzeirense Montillo brilha e fatura o Troféu Armando Nogueira 2010». GloboEsporte.com - Brasileirão Série A. 5 de dezembro de 2010. Consultado em 7 de julho de 2017 
  13. a b «Minuto-a-Minuto : Premiação da Bola de Prata do Brasileiro». UOL Esporte. 6 de dezembro de 2010. Consultado em 7 de julho de 2017 
  14. Lágrimas que valem ouro (janeiro de 2011). Placar n. 1350. Editora Abril, pp. 54-57
  15. «Cruzeiro goleia Estudiantes em sua estreia na Libertadores». Veja. 17 de fevereiro de 2011. Consultado em 7 de julho de 2017 
  16. «Cruzeiro x Grêmio - Campeonato Brasileiro 2011». GloboEsporte.com - Brasileirão Série A. 6 de julho de 2011. Consultado em 7 de julho de 2017 
  17. Jean Pereira Santos e Igor Resende (5 de dezembro de 2011). «Montillo destoa em campanha péssima do Cruzeiro e leva Bola de Prata». Consultado em 7 de julho de 2017. Cópia arquivada em 7 de julho de 2017 
  18. Gilmar Laignier (25 de fevereiro de 2012). «Montillo ultrapassa marca de maior artilheiro estrangeiro da história celeste». Super Esportes + Portal Uai. Consultado em 7 de julho de 2017. Cópia arquivada em 7 de julho de 2017 
  19. «Montillo renova com Cruzeiro até o fim de 2015». Agência Estado + Gazeta do Povo. 17 de março de 2012. Consultado em 7 de julho de 2017 
  20. «Cruzeiro espanta má fase, vence Portuguesa e encosta no G-4». Portal Terra - Brasileiro Série A. 18 de julho de 2012. Consultado em 7 de julho de 2017 
  21. a b «Má fase de Montillo já preocupa Muricy: "Longe de ser o jogador que esperamos"». Agência Gazeta Press + Super Esportes + Portal Uai. 18 de fevereiro de 2013. Consultado em 7 de julho de 2017 
  22. «Santos anuncia a contratação de Montillo; Henrique volta ao Cruzeiro». GloboEsporte.com - Futebol. 3 de janeiro de 2013. Consultado em 7 de julho de 2017 
  23. Allan Brito (e Bruno Santos) (16 de janeiro de 2013). «Santos estreia reforços e goleia Barueri em amistoso no Pacaembu». Portal Terra. Consultado em 7 de julho de 2017. Arquivado do original em 20 de janeiro de 2013 
  24. Diego Diegues (29 de janeiro de 2014). «Santos confirma saída de Montillo para o Shandong Luneng». GazetaEsportiva.Net - Santos. Arquivado do original em 30 de janeiro de 2014 
  25. Marcelo Baltar (22 de dezembro de 2016). «Feliz Natal: Botafogo acerta com Walter Montillo para Libertadores». GloboEsporte.com - Botafogo. Consultado em 7 de julho de 2017 
  26. Vinícius Britto (22 de dezembro de 2016). «Presente de Natal ! Botafogo anuncia contratação de Walter Montillo». Lance!. Consultado em 7 de julho de 2017 
  27. André Gallindo, Marcelo Baltar e Thiago Lima (e Thiago Franklin) (28 de junho de 2017). «Botafogo oficializa rescisão de Montillo, que dará coletiva nesta quinta-feira». GloboEsporte.com - Botafogo. Consultado em 7 de julho de 2017. Cópia arquivada em 7 de julho de 2017 
  28. Rodrigo Fuscaldi (25 de setembro de 2011). «Montillo é convocado e defende a Argentina contra Seleção Brasileira». GloboEsporte.com - Cruzeiro. Consultado em 7 de julho de 2017 
  29. «Jornal argentino elogia estreia de Montillo pela seleção do país». Portal Virgula - Esporte. 25 de setembro de 2011. Consultado em 26 de setembro de 2011. Arquivado do original em 7 de julho de 2017 
  30. «El drama de Montillo y su hijo con Síndrome de Down : "Él me dará fuerzas"» (em espanhol). Portal Terra - Deportes. 22 de março de 2010. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]