Chapecó

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Chapecó
"Capital do Oeste"
Vista da cidade

Vista da cidade
Bandeira de Chapecó
Brasão de Chapecó
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 25 de agosto de 1917 (97 anos)
Gentílico chapecoense
CEP 89800-000 até 89816-999
Prefeito(a) José Cláudio Caramori (PSD)
(2013–2016)
Localização
Localização de Chapecó
Localização de Chapecó em Santa Catarina
Chapecó está localizado em: Brasil
Chapecó
Localização de Chapecó no Brasil
27° 05' 45" S 52° 37' 04" O27° 05' 45" S 52° 37' 04" O
Unidade federativa  Santa Catarina
Mesorregião Oeste Catarinense IBGE/2008 [1]
Microrregião Chapecó IBGE/2008 [1]
Região metropolitana Região Metropolitana de Chapecó
Municípios limítrofes Norte:Cordilheira Alta, Xaxim, Coronel Freitas. Oeste: Guatambu, Planalto Alegre, Nova Itaberaba. Leste: Arvoredo, Seara, Paial. Sul: Nonoai e Erval Grande (RS)
Distância até a capital 555 km
Características geográficas
Área 626,060 km² (BR: 2090º)[2]
Área urbana 36,1 km² (BR: 86º) – est. Embrapa[3]
População 202 009 hab. (SC: 6º; BR: 134º) –  estimativa Populacional IBGE/2014[4]
Densidade 322,66 hab/km²
Altitude 670 m
Clima Subtropical cfa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,790 alto PNUD/2010[5]
PIB R$ 4 505 579 mil IBGE/2011[6]
PIB per capita R$ 24 179 73 IBGE/2011[6]
Página oficial

Chapecó é um município brasileiro do estado de Santa Catarina. Considerada a capital brasileira da agroindústria e capital catarinense de turismo de negócios, foi totalmente planejada, e seu traçado é em forma de xadrez. Com uma população estimada em 202.009 habitantes (Fonte: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=420420&search=santa-catarina%7Cchapeco), está localizada no Oeste Catarinense, na inserção da bacia hidrográfica do rio Uruguai, cujo curso define a divisa com o estado do Rio Grande do Sul. Os municípios vizinhos são, basicamente, antigos distritos desmembrados, como Cordilheira Alta, Seara, Xaxim, Coronel Freitas, Guatambu e Nova Itaberaba.

Chapecó tem 626.060 km²[7] . Os indicadores sócio-econômicos da cidade estão entre os mais elevados do país, possuindo um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 0.790, sendo o 67º maior IDH municipal do Brasil e o 12º de Santa Catarina.

Chapecó tem muitos reconhecimentos por sua economia, importância e história, sendo alguns como:

* Capital do Oeste Catarinense;

* Capital das Agroindústrias;

* Capital do Turismo e Eventos de Negócios;

* Capital do Interior Catarinense;

* Capital do Oeste; (Chapecó e Cascavel);

História[editar | editar código-fonte]

São diversas as hipóteses relacionadas à origem e ao significado do nome do município. Todavia, a suposição mais difundida aponta "Chapecó" como vocábulo de origem kaingang, que significaria "Donde se avista o Caminho da Roça".

À parte a ocupação da região por povos indígenas - sobretudo kaingangs e, em menor proporção, guaranis - desde tempos imemoriais, acredita-se que os primeiros exploradores a percorrer o oeste catarinense tenham sido bandeirantes paulistas, ainda no século XVII. Há, entretanto, historiadores que sugerem que a região já teria sido pisada por homens brancos em meados do século XVI. De qualquer forma, pode-se afirmar que o território que atualmente compõe o oeste de Santa Catarina foi pouquíssimo explorado até pelo menos o início do século XIX.

A partir de então, em função de uma frente agro-pastoril vinda do norte, a região passa gradativamente a ser ocupada por criadores de gado. Tal fato está relacionado com a descoberta, por volta de 1839, dos chamados "Campos de Palmas", os quais vinham sendo procurados havia tempo por fazendeiros que já tinham ocupado os campos de Guarapuava. Dessa forma, graças à demanda dos pecuaristas guarapuavanos por novas áreas de pastagem, grandes porções do atual oeste catarinense começaram a ser ocupadas por fazendas de criação.

Com a expansão das atividades pecuárias, surge a ideia de abrir-se uma estrada - ou caminho de tropas - que ligasse os Campos de Palmas à região missioneira do Rio Grande do Sul, a fim de viabilizar uma nota rota de tropeiros no sul do País. A abertura desta estrada - que ficou conhecida como "Caminho das Missões" - deu-se por volta de 1845, e para tanto foi decisiva a atuação do Índio Condá. Cacique kaingang de grande ascendência sobre os índios da região, Condá, que relacionava-se bem com os novos povoadores brancos, concordou em apaziguar os indígenas que habitavam os lugares por onde passaria a futura estrada de tropas.

O "Caminho das Missões", logo após ter sido aberto, passou a receber um grande fluxo de tropeiros. Esta nova rota lhes era vantajosa porque encurtava consideravelmente o trajeto entre o sul do Brasil e as feiras de gado de São Paulo. Além disso, passando por ali as tropas escapavam dos tributos devidos à Província de Santa Catarina, caso utilizassem o antigo "Caminho de Viamão", que passava por Lages. (Até essa época, a região que atualmente faz parte do oeste catarinense pertencia à Província de São Paulo)

O intenso fluxo de tropeiros que passou a existir na região foi responsável pelo aparecimento dos primeiros núcleos de povoamento, que surgiram nos locais de pouso e descanso das tropas. A cidade de Chapecó, de fato, desenvolveu-se a partir de um desses peculiares agrupamentos populacionais. Percebe-se, dessa forma, a importância do tropeirismo para a economia regional na segunda metade do século XIX. Concomitantemente, passou a ser relevante a atividade extrativista de erva-mate na região. [8]

As questões de limites e a colônia militar[editar | editar código-fonte]

O território do oeste catarinense foi motivo de diversas disputas por sua posse. Primeiramente, entre Espanha e Portugal. Depois, tornou-se questão de litígio entre Argentina e Brasil. Foi por isso que, em 1859, através de decreto imperial, foi criada a Colônia Militar de Chapecó, a fim de assegurar a soberania brasileira sobre a região. A colônia, entretanto, só foi instalada de fato mais de 20 anos depois, em 1882. Apesar do nome, localizava-se em área atualmente pertencente ao município de Xanxerê, e era comandada por José Bernardino Bormann, futuro marechal do Exército Brasileiro. A ele cabia a função de organizar a Colônia Militar, além de conceder títulos de propriedade a colonos que se instalassem nos arredores da mesma.

Tais iniciativas foram importantes para assegurar a posse brasileira da região, que ocorreria de forma definitiva apenas em 1895. Neste ano, através de um processo de arbitragem internacional, que teve como árbitro o então presidente norte-americano Grover Cleveland, a questão foi decidida favoravelmente ao Brasil.

Surgia, porém, uma nova disputa, agora de caráter interno, entre os Estados do Paraná e de Santa Catarina: A questão do Contestado. Esta só viria a ser revolvida com o fim do conflito - Guerra do Contestado - que deflagrou-se na região, entre 1912 e 1916. Assim, em 1917, o Estado de Santa Catarina cria 4 novos municípios no território que lhe coube da área anteriormente disputada, a fim de consolidar a posse barriga-verde da região. São criados, então, os municípios de Mafra, Porto União, Cruzeiro (atual Joaçaba) e Chapecó. Nessa época, o recém criado município de Chapecó abrangia todo o grande oeste catarinense. [9]

Colonização[editar | editar código-fonte]

Com o território definitivamente delimitado, inicia-se o processo de efetiva colonização do “Velho Chapecó”, i.e. da região oeste de Santa Catarina. Dessa forma, entram em cena as Companhias (ou Empresas) Colonizadoras, que recebiam do Governo Estadual - por meio de concessões - enormes áreas de terra, a fim de loteá-las e vendê-las a colonos interessados. Em troca, tais Companhias deviam construir estradas na região, a fim de possibilitar a infraestrutura de ligação com as demais partes do Estado.

A maioria dos colonos que se instalaram em Chapecó a partir de então, provinha das antigas colônias do Rio Grande do Sul. Eram, no geral, descendentes de imigrantes europeus (italianos sobretudo, e em menor grau alemães e poloneses).

Com o incremento da colonização, a economia regional pôde desenvolver-se de forma mais significativa. A princípio, a extração da madeira teve grande importância econômica. De fato, nas primeiras décadas da colonização, a exportação de madeira para os países platinos foi o carro-chave da economia chapecoense. Isso ocorreu, sobretudo, devido à precariedade da infraestrutura de ligação com as demais regiões do Estado, e mesmo do País. Na falta de estradas, a única alternativa para o escoamento da produção madeireira era o rio Uruguai. Dessa forma, as toras e tábuas eram levadas até a beira do rio, onde eram amarradas, dando origem a enormes balsas. Nas épocas de enchente, quando o nível da água subia, essas balsas eram largadas rio abaixo rumo aos portos fluviais argentinos e uruguaios, onde a madeira era comercializada. Os grandes responsáveis por estas empreitadas eram os indivíduos encarregados de guiar as balsas até o destino final, enfrentando perigos diversos e toda sorte de provações. Eram os famosos "Balseiros do Rio Uruguai", justamente homenageados por Barbosa Lessa em um dos clássicos da música nativista gauchesca.[10]

Com o passar do tempo, a exploração da madeira perdeu importância, dando lugar então à agroindústria, que se desenvolveu muito. Isso acabou determinando a vocação do município, que passou a ser reconhecido internacionalmente como grande produtor de aves e suínos. Atualmente, muito embora a agroindústria continue sendo a mais importante atividade econômica municipal, outros segmentos econômicos, tanto de ordem industrial como de serviços, têm obtido notório desenvolvimento. As características gerais do município conferem a Chapecó fundamental importância político-econômica no âmbito catarinense (é o centro polarizador de serviços do oeste), significativo destaque no panorama nacional (é a capital nacional da agroindústria) e expressão internacional de certa relevância.

No contexto histórico posterior ao início da colonização, há que se destacar ainda a criação, em 1943, do Território Federal do Iguaçu, ao qual Chapecó passou a pertencer. Em 1946, com a extinção do referido território, Chapecó volta a fazer parte de Santa Catarina.

Por ser atualmente uma das maiores cidades da região do antigo Território do Iguaçu, Chapecó foi fortemente cotada (juntamente com Cascavel) para se constituir na capital de um eventual Estado do Iguaçu, pretendido por alguns movimentos emancipacionistas das regiões oeste e sudoeste do Paraná e oeste catarinense nos últimos sessenta anos.[11] Ambas as cidades recebem o apelido de "Capital do Oeste".

Geografia[editar | editar código-fonte]

Limites[editar | editar código-fonte]

  • Norte: Municípios de Coronel Freitas e de Cordilheira Alta;
  • Sul: Estado do Rio Grande do Sul;
  • Leste: Municípios de Seara, de Xaxim, de Arvoredo, de Itá e de Paial;
  • Oeste: Municípios de Guatambú, de Planalto Alegre e de Nova Itaberaba.

Divisão distrital[editar | editar código-fonte]

  • 1º - Distrito Sede
  • Alto da Serra
  • Marechal Bormann
  • Goio-En
  • Sede Figueira

Relevo e solo[editar | editar código-fonte]

A região faz parte do Planalto Meridional do Brasil sendo suas características: 40% Plano e Suave Ondulado; 20% Ondulado; 30% Forte Ondulado; 10% .

Clima[editar | editar código-fonte]

Maiores acumulados de precipitação em 24 horas
registrados em Chapecó por meses
Mês Acumulado Data Mês Acumulado Data
Janeiro 74 mm 10/01/1975 Julho 141 mm 02/07/1994
Fevereiro 122,6 mm 06/02/1977 Agosto 106 mm 14/08/1996
Março 90,9 mm 14/03/1988 Setembro 87,9 mm 12/09/2000
Abril 99,1 mm 14/04/2008 Outubro 117,2 mm 13/10/2011
Maio 146,7 mm 20/05/1983 Novembro 85,8 mm 14/11/2007
Junho 135,8 mm 27/06/2014 Dezembro 89,1 mm 24/12/2006
Fonte: Rede de dados do INMET. Período: julho de 1973 a dezembro de 1985,
1988 a 1989 e a partir de 1992.[12]
  • Clima: úmido mesotérmico
  • Precipitação pluviométrica: 1 653,9 mm[13]
  • Umidade relativa do ar: 73,5 %[14]
  • Temperatura média anual: 18,7 ºC[15]
  • Geadas: julho a agosto (tardias em setembro)

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de julho de 1973 a dezembro de 1985, 1988 a 1989 e a partir de 1992, a menor temperatura registrada em Chapecó foi de -4,4 ºC em 14 de julho de 2000, e a maior atingiu 37,2 ºC em 12 de março de 2005.[16] O maior acumulado de chuva em 24 horas foi de 146,7 mm em 20 de maio de 1983. Outros grandes foram 141 mm em 2 de julho de 1994, 138,5 mm em 1º de maio de 2014, 135,8 mm em 27 de junho de 2014, 135,4 mm em 1º de julho de 1992, 130,3 mm em 3 de julho de 1999, 122,6 mm em 6 de fevereiro de 1977, 117,2 mm em 13 de outubro de 2011, 115,1 mm em 22 de junho de 2011, 113 mm em 10 de julho de 2000, 113 mm em 19 de outubro de 1996, 107,3 mm em 24 de maio de 1994, 107,1 mm em 13 de outubro de 2000, 106 mm em 14 de agosto de 1996, 105,3 mm em 16 de outubro de 1999, 104,4 mm em 26 de junho de 2014, 104,1 mm em 17 de maio de 2007, 101 mm em 9 de maio de 1979 e 100 mm em 2 de fevereiro de 1985.[12] O maior acumulado total de precipitação em um mês foi de 684,8 mm em julho de 1983.[17] O menor índice de umidade do ar foi de 15 % nos dias 24 de abril de 1978, 29 de junho de 1994 e 21 de julho de 2000.[18]

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Chapecó Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registrada (°C) 35,4 35,6 37,7 32,3 30 29,2 28,8 33 34 34,6 37,2 37 37,7
Temperatura máxima média (°C) 28,8 28,5 27,6 24,4 21,7 19,2 19,9 21,3 22,5 25,3 26,5 28 24,5
Temperatura média (°C) 22,8 22,9 21,5 18,5 16 14,1 15 15,6 16,4 19,1 20,6 22,2 18,7
Temperatura mínima média (°C) 18,5 18,6 17,3 14 12 10,2 10,7 11,2 12,1 14,1 15,7 17,6 14,3
Temperatura mínima registrada (°C) 11 11,4 6,3 1 -0,6 -1,6 -4,5 -4 -1 3,2 6 8 -4,5
Precipitação (mm) 142,4 173,4 103,4 106,4 136,8 117,5 142,4 128,2 130,3 163,8 158,2 151,1 1 653,9
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 11 11 10 7 8 8 10 10 9 9 9 9 111
Umidade relativa (%) 73 75 75 76 78 77 74 71 72 71 69 71 73,5
Horas de sol 228,6 198,3 222,3 188,9 184,3 159,8 176,3 168,4 165 211,7 229,3 237,6 2 370,5
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (normal climatológica de 1961-1990;[15] [19] [20] [13] [21] [22] [14] recordes de temperatura de julho de 1973 a dezembro de 1985, 1988 a 1989 e a partir de 1992).[16]

População[editar | editar código-fonte]

A região sempre foi alvo de disputas, devido à sua importância estratégica como região de fronteira. Durante a Guerra do Contestado, foram usados, pela primeira vez na história da América Latina, aviões para fins de reconhecimento e apoio a operações de guerra. Colonizado por imigrantes italianos e alemães, principalmente, provenientes do Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo e litoral de Santa Catarina, Chapecó, hoje atrai vários habitantes do Brasil graças ao seu desenvolvimento. Hoje a cidade tem 198.188 habitantes.

É uma das cidades com maior número (em porcentagem) de prédios de Santa Catarina. Segundo o CENSO do IBGE mostra que Chapecó tem quase 16% da sua população morando em apartamentos, ganhando em porcentagem de cidades como Joinville, Itajaí e Blumenau. Além disso, Chapecó ganha de sua capital em edifícios maiores, pois o maior prédio de Florianópolis tem 21 andares, Chapecó atualmente tem um de 22 e também de 21 mas estão sendo construídos mais um de 21 (Edifício Monet) 22 andares (Le Blanc) e outro com 25 pavimentos (Gran Palazzo) e cerca de 100 metros de altura.

Prédios na região central da cidade

Etnias[editar | editar código-fonte]

Cor/Raça Percentagem[23]
Branca 81,55%
Parda 14,83%
Preta 2,22%
Indígena 0,62%
Amarelo 0,08%
Sem definição 0,87%

Economia[editar | editar código-fonte]

O município de Chapecó possui 210.188 habitantes e aproximadamente 400 000 habitantes na Região Metropolitana de Chapecó, [24] sendo a cidade polo desta região do estado, onde existem cerca de duzentos municípios, que juntos somam mais de 2 milhões de habitantes. Nessa região do estado foi o nascimento e ainda estão instaladas algumas unidades industriais processadoras e exportadoras de carnes de suínos, aves e derivados , é conhecida como a capital brasileira agroindustrial, a cidade é sede da Cooperativa Aurora Alimentos e possui uma unidade da Brasil Foods S.A., que em sua unidade produz um dos seus maiores produtos desde 1973 (40 anos) o Peru, campeão em exportação e venda, por isso Capital do Peru, ganhando vários certificados ISO, sendo o primeiro da marca SADIA, na década de 90.

Seu parque industrial é diversificado, sendo que os setores que mais se destacam o metalmecânico (que vem se especializando na produção de equipamentos para frigoríficos), o de plásticos e embalagens, transportes, móveis , bebidas, softwares e biotecnologia. A construção civil e o comércio são também importantes fonte de renda.

A região tem grandes perspectivas derivadas da posição central no Mercado Comum do Sul, do alto potencial e da disponibilidade de energia elétrica, das condições favoráveis para a produção agropecuária, dentre outros fatores.

Em 10 anos o Produto Interno Bruto (PIB) de Chapecó passou de em 2001 1 727 412 para 4 505 579 em 2011 (em mil reais), Seu PIB per capita mais que dobrou. São 8500 empresas atuantes e contando com filiais em outras cidades com sede em Chapecó vai para 9000 empresas, ou seja mais de 500 filiais.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Aeroporto Serafim Bertaso

Chega-se a Chapecó pelas rodovias BR-282, BR-480 e BR-283 e SC-468. Para a entrada no centro e nos bairros próximos, é utilizada a rua Plínio Arlindo de Nês, que, atualmente, está em fase de duplicação. A cidade contará com um dos maiores e mais importantes aeroportos da Região Sul do Brasil, que está em fase de construção. Conta, também, com confortável rodoviária com linhas para todas as cidades catarinenses e principais cidades brasileiras. O contorno viário de Chapecó concluído e inaugurado em Junho de 2013.

O Aeroporto Municipal Serafin Enoss Bertaso está em vias de internacionalização, recebendo cerca de 45 000 passageiros por mês, transportando cerca de noventa toneladas de mercadorias e movimenta cerca de 750 aeronaves mensalmente. Destaca-se o Distrito Industrial Flávio Baldissera, com área de 484 mil m² e o Recinto Especial de Despacho Aduaneiro para Exportação, que é um porto seco voltado para agilizar o processo de exportação de bens do município e região.

Terminal de ônibus

A infraestrutura de Chapecó inclui ainda um setor hoteleiro bem desenvolvido com 33 empreendimentos com mais de 2 500 leitos, segundo a prefeitura municipal, dois hospitais regionais, duas emissoras de televisão, quatro de rádio FM e duas de AM, três jornais diários locais e muitos outros itens que caracterizam a responsabilidade regional de Chapecó, também presente nos serviços especializados que a cidade oferece a toda a região, nas mais diversas áreas. Um shopping center(Pátio Chapecó) foi inaugurado dia 05 de Outubro de 2011, contando com 120 lojas, 4 salas de cinema, e várias empresas famosas como McDonalds, Centauro e Burger King[25] . Um Hipermercado da Rede Wallmart foi inaugurado na cidade. O Big Chapecó, na Zona Oeste é o maior Hipermercado da Rede em Santa Catarina, com uma área de 22.000m².[26]

Planejamento[editar | editar código-fonte]

Chapecó 2020[editar | editar código-fonte]

Chapecó está se preparando para os próximos anos. Dentre essa preparação é o Projeto Chapecó 2020[carece de fontes?], que nele tem:

Duplicação do acesso à BR-282 (Plinio Arlindo de Nês)

Uma importante obra não só para Chapecó mas também para região oeste. Serão 8 pistas, sendo 4 de cada lado, passarelas, viadutos, lombadas eletrônicas e passarelas. As obras já estão em andamento e tem o prazo de entrega em Abril de 2014. É considerado a segunda maior obra do estado perdendo apenas pela duplicação da BR-101. Após a finalização, será chamada BR-480.

Viaduto de Chapecó (Construção)
Rodoanel (contorno viário)

É uma obra que irá desviar as cargas pesadas, dentre outros transportes da cidade, indo direto para outras rodovias que irão ligar as cidades vizinhas e outras cidades do estado de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. É uma rodovia com pista simples, e terá pedágio, controlado por uma empresa terceirizada. A obra foi concluída no dia 24 de maio de 2013 (excluindo o viaduto), apenas o Contorno Leste, o Oeste está em fase de abrir os editais. Esta nova fase terá 22 km de pista simples que interligará a SC-480 (Rio Grande do Sul) á BR-480 que atualmente está sendo duplicada, e uma outra parte que ligará á BR-282 e Cordilheira Alta terá cerca de 2 viadutos.

Ferrovias da Integração e Norte-Sul

As duas mais importantes ferrovias do Brasil estão em construção e passarão por Chapecó e trará muito mais desenvolvimento. As duas com investimentos do Governo Federal pelo PAC 2, assim como a duplicação da BR-480. A Norte-Sul interligará o estado de Mato Grosso ao porto de Rio Grande (Rio Grande do Sul)passando por Cascavel, interior de São Paulo, Passo Fundo... A Ferrovia da Integração também conhecida como Ferrovia do Frango, interligará Dionísio Cerqueira ao porto de Itajaí sendo a principal passagem é a cidade de Chapecó, e algumas outras como Joaçaba, Rio do Sul e Blumenau.

Chapecó 2030[editar | editar código-fonte]

O projeto Chapecó 2030 é uma ação da SAC - Sociedade Amigos de Chapecó, que visa debater o desenvolvimento do município [27] . Seu objetivo é debater, integrar e produzir ações e estratégias que promovam, pelos próximos 20 anos, o desenvolvimento sustentável do município e da região [28] .

O projeto realiza um planejamento de longo prazo do município dividido em diversas áreas:

  1. Setor Agropecuário
  2. Economia
  3. Esporte e Lazer
  4. Meio Ambiente
  5. Saúde
  6. Educação
  7. Cultura
  8. Assistência Social
  9. Infraestrutura
  10. Gestão Pública

Educação[editar | editar código-fonte]

Na área do ensino fundamental e médio, Chapecó conta com mais de 180 estabelecimentos e cerca de 2 200 profissionais. No ensino técnico profissionalizante, figuram cursos técnicos em química com Habilitação em Alimentos, Carnes e Derivados, Eletromecânica, Mecânica, Segurança do Trabalho, Eletrotécnica, Eletrônica e Agropecuária. No município, destacam-se, ainda, os centros profissionalizantes especializados nos segmentos industriais da confecção e moveleiro. Também há um campus do IFSC - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina (anteriormente denominado CEFET) com os cursos de eletroeletrônica e mecânica pós-médio, o curso técnico em Informática integrado ao ensino médio e o curso de Eletromecânica na modalidade PROEJA. O IFSC também oferece o curso superior de Engenharia de Automação e Controle. A cada cinco jovens e adultos que estudam em Santa Catarina, um está em Chapecó, além de que 87% das crianças de quatro a seis anos estão matriculadas nos Centros de Educação Infantil. É o maior índice de Santa Catarina. E ao todo tem 58 mil estudantes desde o ensino infantil ao ensino superior.

O município abriga oito instituições de ensino superior. São cinco universidades:

  • Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Universidade Comunitária Regional de Chapecó - Unochapecó: maior universidade do oeste catarinense, nela se concentra quase 50% dos universitários de Chapecó. Atualmente oferece 53 cursos de graduação, 45 cursos de pós graduação, 3 mestrado (direito, políticas sociais e dinâmicas regionais e ciências ambientais) e um curso de doutorado (engenharia de produção).
  • Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC
  • Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (Campus Chapecó)
  • Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS: é a mais nova instituição de ensino superior em Chapecó, as primeiras turmas foram abertas no primeiro semestre de 2010.

Faculdades:

  • Faculdades Itecne: nela são oferecidos, em parceria com o Instituto de Filosofia Clínica de Chapecó, dois cursos de pós-graduação lato sensu, sendo eles a Especialização em filosofia clínica (habilitação à pesquisa e terapia) e de Especialização em Filosofia Clínica aplicada à Educação.
  • Faculdade Empresarial de Chapecó - Celer Chapecó
  • UCEFF Faculdades
  • Faculdade Anglo-Americano de Chapecó
  • Universidade Luterana do Brasil - ULBRA
  • Faculdade de Tecnologia Internacional

São mais de 10 000 estudantes, distribuídos em mais de 50 cursos de graduação e de pós-graduação latu e strictu sensu. As áreas mais procuradas são agronomia, administração de empresas, ciências da computação, contabilidade, economia, biologia, jornalismo, direito, enfermagem, engenharias civil, de alimentos e química, farmácia, fisioterapia, medicina e zootecnia.

Taxa de alfabetizados em Chapecó

Idade Alfabetizados %
5-9 79.22
10-14 98.83
15-19 99.13
20-24 99.23
25-29 99.05
30-34 98.27
35-39 97.23
40-44 96.79
45-49 95.78
50-54 93.98
55-59 90.78
60-64 86.01
65-69 81.25
70-74 76.97
75-79 71.58
80-89 67.26
90-99 46.32
mais de 100 41.666

Esporte[editar | editar código-fonte]

Chapecó conta com boas áreas para práticas desportivas. A cidade já se destacou no cenário nacional com grandes atletas e equipes de ciclismo,vôlei, atletismo, handebol, xadrez, natação, judô, etc. A equipe de futsal da cidade disputa a liga nacional. A cidade conta ainda com um dos melhores autódromos de terra do estado de Santa Catarina e sedia duas etapas do estadual de automobilismo e eventos automobilísticos regionais.

Futebol[editar | editar código-fonte]

Arena Condá
Arena Condá: Novo gramado

O futebol é a grande paixão dos chapecoenses. A Associação Chapecoense de Futebol, conhecida entre seus torcedores como furacão do oeste e verdão, equipe tetracampeã catarinense, tem, como último título, o Campeonato Catarinense de Futebol de 2011. Tem, como sede, a Arena Condá, localizada na Zona Leste da cidade. A equipe, em uma ascensão significativa[29] , depois de três anos consecutivos na Série C do Campeonato Brasileiro (2010, 2011 e 2012), alcançou a segunda divisão em 2013, tendo sido classificada para disputar o Brasileirão da Série A em 2014.

No futebol de salão feminino, a equipe de Chapecó é bicampeã mundial, conquistando seus títulos em 2009 e 2010.

Bairros[editar | editar código-fonte]

Bairros de Chapecó (Plano Diretor 2014)
  • Chapecó possui atualmente 50 bairros de acordo com o novo Plano Diretor de 2014. Muito a mais do que antes, não a muito tempo atrás, em 2010 que haviam 28 bairros. uma média de 3630 habitantes, antes eram de 6000 habitantes, porém os novos bairros criados pelo novo Plano Diretor ainda não tem habitantes apenas algumas construções de loteamentos. [30]
  1. Água Santa*
  2. Alvorada
  3. Araras*
  4. Autódromo*¹
  5. Bela Vista
  6. Belvedere
  7. Boa Vista
  8. Bom Pastor
  9. Bom Retiro*
  10. Campestre*
  11. Centro
  12. Cristo Rei
  13. Desbravador*
  14. Dom Gerônimo*
  15. Dom Pascoal*
  16. Efapi
  17. Eldorado
  18. Engenho Braun
  19. Esplanada
  20. Fronteira Sul* (Universidade Federal da Fronteira Sul, Aurora, Randon Brantech)
  21. Industrial*²
  22. Jardim América
  23. Jardim Europa*
  24. Jardim Itália
  25. Jardins**
  26. Lajeado*
  27. Líder
  28. Maria Goretti
  29. Monte Belo*
  30. Palmital
  31. Paraíso**
  32. Parque das Palmeiras
  33. Passo dos Fortes
  34. Pinheirinho
  35. Presidente Médici
  36. Progresso*
  37. Quedas do Palmital
  38. Saic
  39. Santa Maria
  40. Santa Paulina**
  41. Santo Antônio
  42. Santos Dumont*
  43. São Cristóvão
  44. São Lucas*
  45. São Pedro
  46. Seminário
  47. Trevo
  48. Universitário
  49. Vila Real
  50. Vila Rica

Obs.:

* Bairros criados após o CENSO de 2010 e pelo Plano Diretor de 2014

** Bairros criados entre 2010 e 2014

*¹ Criado em 2013, antes denominado Bairro Verdetti

*² Criado em 2011, antes denominado Distrito Industrial

Chapecó possui atualmente 22 prefixos de Telefones Fixos que são:

  • 2020 - ... (100%)
  • 2049 - ... (100%)
  • 3217 - ... (14,5%) Cidade com maior porcentagem de linhas: Chapecó
  • 3304 - ... (100%)
  • 3306 - ... (100%)
  • 3311 - ... (90,6%) 9,4% Águas de Chapecó
  • 3312 - ... (100%)
  • 3319 - ... (100%)
  • 3321 - ... (96,9%) 3,1% Xaxim
  • 3322 - ... (100%)
  • 3323 - ... (100%)
  • 3324 - ... (100%)
  • 3328 - ... (100%)
  • 3329 - ... (100%)
  • 3330 - ... (100%)
  • 3331 - ... (100%)
  • 3361 - ... (100%)
  • 3391 - ... (13,7%) Cidade com maior porcentagem de linhas: Chapecó
  • 3433 - ... (0,1%) 99,9 % Xanxerê
  • 3901 - ... (100%)
  • 3987 - ... (100%)

Turismo[editar | editar código-fonte]

O turismo no município é basicamente concentrado nos eventos promovidos na cidade, como a Exposição Feira Agropecuária, Industrial e Comercial de Chapecó (EFAPI) e a Novemberfest.

Eventos[editar | editar código-fonte]

A cidade realiza, periodicamente, importantes eventos, destacando-se as feiras especializadas ou multissetoriais. O Parque de Exposições Tancredo de Almeida Neves é reconhecido como um dos melhores parques de exposições do Sul do País e o maior de Santa Catarina. Possui uma área de 210 mil m², que, aliado à boa estrutura de hotéis e restaurantes da cidade, viabiliza eventos durante todo o ano.

Pouco a pouco, também, é crescente o número de apresentações, não governamentais, no Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo de Nês, como exibições de dança, música, artes, etc. Destacam-se óperas realizadas pela Camerata Florianópolis, Encontro Brasileiro de Orquestras, Dança Chapecó e Arte Conexão, promovido pela Escola de Artes de Chapecó, dentre outros.

Dentre os principais eventos de Chapecó, podemos citar a Exposição Feira Agropecuária, Industrial e Comercial (Efapi), a Mercomóveis (Feira Mercosul de Indústria de Móveis), o Salão Brasileiro da Suinocultura, e a Feira Internacional de Processamento e Industrialização da Carne (Mercoagro). Na área de decoração, acontece a Mostra de Arquitetura, Decoração, Design e Paisagismo (Decorare). Entre os eventos da área cultural e artística acontecem a Festa das nações, o Rodeio Artístico Internacional Cidade de Chapecó, a Festa do Leitão Light, a Kerbfest, a Wurstfest - festa da linguiça, a Festa do frango e peru, a Festa da Colonização Italiana, o Dança Chapecó - Festival Sulbrasileiro de Dança, a Novemberfest, o Rodeio artístico e crioulo nacional, e a Feira Internacional de Cultura e Artesanato Mãos da Terra. Como exemplos de feiras e eventos profissionais e de negócios, pode-se mencionar a EXPEN - Feira de Multissoluções em Gestão, a AMBIENTALIS - Conferência e mostra de sustentabilidade, o Congresso Sulbrasileiro Multiprofissional em Saúde, serviços e tecnologia, a Interleite, a Logistique - Feira internacional de logística, serviços, transporte e comércio exterior, a Mercoláctea, a Metalplast, a Projetec - Feira de projetos e tecnologias da construção civil e habitação, o Simpósio Brasil Sul de Suinocultura, e o Supermarket[31] [32] .

Informações de alguns dos principais eventos:

Exposição Feira Agropecuária, Industrial e Comercial de Chapecó

A Exposição Feira Agropecuária, Industrial e Comercial de Chapecó é o principal evento do município. É considerada uma das maiores feiras multissetoriais do país. Em 2007, recebeu 480 000 visitantes. No ano de 2009, teve esse recorde batido, com 502 000 visitantes no período de 9 de outubro a 18 de outubro. Mas, ninguém superou o recorde de 648 mil visitantes ocorridos em 2011, e ultrapassou a Oktoberfest que teve pouco mais de 500 000 visitantes, a feira ocorreu de 07 a 16 de outubro e a próxima será em outubro de 2013.

Mercoagro

Feira Internacional de Processamento e Industrialização da Carne. Considerada a segunda maior feira do gênero no mundo, é promovida por organizações empresariais com apoio da Prefeitura Municipal. Reúne expositores da Oceania, da Europa, da Ásia e das Américas. Em sua quinta edição, a MERCOAGRO 2004, teve seiscentos expositores e movimentou mais de 150 milhões de dólares em quatro dias de feira.

MERCOMÓVEIS

Feira MERCOSUL da Indústria de Móveis, é considerada a terceira maior feira moveleira do país, congregando fornecedores e fabricantes de móveis de todo o país. Em 2010, foi realizada a sétima edição, com a presença de mais de 120 expositores e volume de negócios superior a 150 milhões de reais.

EXPEN - Feira de Multissoluções em Gestão, Serviços e Tecnologia

Realizada pela ACIC, através dos seus núcleos de Base Tecnológica, Consultorias e Jovem Empreendedor, a EXPEN é o primeiro evento do Sul do Brasil a reunir soluções em gestão, serviços e tecnologia[33] . Na edição de 2012, superou em mais de 600% a expectativa de geração de negócios, atingindo o volume de 15 milhões de reais fechados durante feira, sem considerar os posteriores prospectados, através de um público de 10 mil visitantes altamente qualificados[34] .

Principais pontos turísticos[editar | editar código-fonte]

Shopping Pátio Chapecó

O Shopping Pátio Chapecó é um empreendimento construído pela AD Shoppings visando o entretenimento e o alto poder de consumo da população do oeste catarinense. O Shopping já considerado um dos principais pontos de Chapecó atraindo mais de um milhão de consumidores potenciais por mês. Com aproximadamente 120 lojas abertas, conta com arquitetura moderna e praça de alimentação de alto nível com franquias conhecidas mundialmente como Mc Donald's, SubWay,Burguer King, Patroni Pizza, Montana Grill e Spoletto. O shopping conta também com modernas salas de cinema, duas delas com tecnologia 3D, operadas pela Arcoíris Cinemas. As quatro salas permitem a exibição de até sete filmes simultaneamente. O shopping é uma ótima opção de lazer a todos os chapecoenses e também, claro, a todos os turistas do sul do Brasil.

Monumento O Desbravador
Estátua do "Desbravador"

Situado no perímetro urbano, foi inaugurado em 25 de Agosto de 1981 com o objetivo de homenagear os primeiros desbravadores que colonizaram e construíram o município. Criado pelo artista plástico Paulo de Siqueira, mostra a figura de um gaúcho empunhando um machado, simbolizando o trabalho. Na mão esquerda, está um louro simbolizando os papagaios da região. O monumento possui catorze metros de altura, 5,70 metros de largura e pesa nove toneladas. A obra é um cartão de visitas e ponto de identificação da cidade. Na base do monumento, está o Memorial Paulo de Siqueira.

Praça Coronel Bertaso

Localizada no Centro da cidade, a Praça Coronel Bertaso é um espaço agradável que reúne história, cultura, lazer e descanso. Ao mesmo tempo em que conta a história do Ciclo da Madeira, primeiro ciclo econômico e cultural de Chapecó entre as décadas de 1920 e 1950, através de um mural feito em argamassa de concreto, utilizando técnica mista esgrafiado-mosaico com cerca de 200 m², oferece área de lazer com parque infantil, jogos de mesa e uma bela fonte luminosa com jato d'água. Na fonte luminosa, há uma escultura abstrata em metal criada pelo artista plástico Xyko Bracht. Dispõe, ainda, de galeria de arte onde, regularmente, artistas locais expõem suas obras.

Catedral Santo Antônio
Catedral Santo Antônio

Localizada no Centro da cidade, a construção foi inaugurada em 8 de Dezembro de 1956, possuindo duas torres com quarenta metros de altura.

Capela São Carlos - Colônia Bacia

A comunidade de Colônia Bacia teve seu início em 1947 com a chegada dos primeiros colonos, procedentes do estado brasileiro do Rio Grande do Sul, sendo a maioria de origem italiana e praticante da religião católica. O nome Colônia Bacia foi dado devido ao relevo da região. A capela segue o modelo arquitetônico em estilo franciscano, edificada em madeira e telhas de zinco.

Mirante da Ferradura

A estrada de acesso às comunidades de Alto Capinzal e São José do Capinzal caracteriza-se pela paisagem rústica, exuberante, que nos leva por caminhos que serpenteiam as curvas do rio Uruguai, onde tem-se a impressão de estar em um local mágico que vivenciou parte da história dos primeiros moradores de Chapecó, dos balseiros, do ciclo da madeira. Descendo a serra encontra-se um refúgio onde o turista pode aventurar-se a observar e apreciar a beleza do Vale do Uruguai. Dependendo do clima e horário, poderá ver os primeiros raios de sol nascendo em meio a névoa que paira sobre as águas e que mais parece um algodão envolvendo todo o Vale.

Gruta de Sede Figueira

Localizada no Distrito de Sede Figueira, a mil metros da BR-282, o local é composto por três grutas que se formaram na rocha e uma cachoeira com aproximadamente oito metros de queda d’água. A Capela de Nossa Senhora de Lurdes fica em frente a uma das grutas, onde, anualmente, no mês de Dezembro, é realizada Romaria Penitencial para a Santa com a participação de cerca de 5 000 pessoas. Em meio à mata nativa, há a Trilha dos Mistérios do Rosário, com quinze esculturas em pedra de arenito de um metro de altura por oitenta centímetros de largura, simbolizando cada um dos mistérios. As obras foram criadas pelo artista chapecoense Ciro Sosnoski(20 km-W).

Rota do vale do rio Uruguai

Localizada no interior do município, a rota permite a turistas de todas as idades vistas deslumbrantes e incríveis experiências. A rota se dá às margens da SC 480, a partir do Km 12, nas proximidades da Linha Serrinha. Até o rio Uruguai são aproximadamente oito quilômetros de descida de serra, cuja rodovia é cercada de quiosques, tirolesas e locais para entretenimento. Nas proximidades da ponte do rio Uruguai estão disponíveis áreas para banho e esportes náuticos.

Outros pontos de interesse turístico:

Fonte da informação Dr. Evandro Luiz Falabretti - www.evandrofalabretti.adv.br E-mail: evandro@evandrofalabretti.adv.br

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Urbanização das cidades brasileiras. Embrapa Monitoramento por Satélite. Página visitada em 30 de Julho de 2008.
  4. ="IBGE_Pop_2014">{{citar web |url = ftp://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_Populacao/Estimativas_2014/estimativa_dou_2014.pdf
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 31 de agosto de 2013.
  6. a b {{citar web |url=ftp://ftp.ibge.gov.br/Pib_Municipios/2011/pibmunic2011.pdf}
  7. Área territorial de Chapecó 2010 Acessado em 17/03/2013
  8. Glauco Paludo Gazoni, "História de Chapecó: Dos primeiros povoadores à delimitação do território" Disponível em http://www.recantodasletras.com.br/artigos/3752988
  9. Glauco Paludo Gazoni, "História de Chapecó: Dos primeiros povoadores à delimitação do território" Disponível em http://www.recantodasletras.com.br/artigos/3752988
  10. Glauco Paludo Gazoni
  11. LOPES, Sérgio. '"O Estado do Iguaçu": A trajetória de um movimento'. (PDF). Revista Informe Gepec vol.8 jul/dez 2004.
  12. a b BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Precipitação (mm) - Chapecó. Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 25 de agosto de 2014.
  13. a b Precipitação Acumulada Mensal e Anual (mm). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 25 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  14. a b Umidade Relativa do Ar Média Compensada (%). Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 25 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  15. a b Temperatura Média Compensada (°C). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 25 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  16. a b BDMEP - Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Máxima (ºC) e Temperatura Mínima (ºC) - Chapecó. Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 25 de agosto de 2014.
  17. BDMEP - Série Histórica - Dados Mensais - Precipitação Total (mm) - Chapecó. Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 25 de agosto de 2014.
  18. BDMEP - Série Histórica - Dados Horários - Umidade Relativa (%) - Chapecó. Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 25 de agosto de 2014.
  19. Temperatura Máxima (°C). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 25 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  20. Temperatura Mínima (°C). Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 25 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  21. Número de Dias com Precipitação Maior ou Igual a 1 mm (dias). Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 25 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  22. Insolação Total (horas). Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 25 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  23. Título não preenchido, favor adicionar. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 25 jan. 2012.
  24. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, estatística populacional 2013
  25. Inauguração do Shopping Pátio Chapecó
  26. Inauguração BIG
  27. CLICRBS, "Sociedade Amigos de Chapecó lança Projeto Chapecó 2030 nesta quinta-feira" Disponível em http://wp.clicrbs.com.br/chapeco/2012/05/30/sac-faz-o-lancamento-do-projeto-chapeco-2030/?topo=77,2,18
  28. SAC, "Projeto Chapecó 2030" Disponível em http://www.projetochapeco2030.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=186&Itemid=29
  29. http://odia.ig.com.br/esporte/2013-11-20/os-segredos-do-sucesso-a-ascensao-meteorica-da-chapecoense-rumo-a-elite.html
  30. Prefeitura Municipal de Chapecó (05/05/2014). Mapa de Bairros. Loteamentos. Prefeitura Municipal de Chapecó. Página visitada em 02/07/2014 de 2014.
  31. CHAPECÓ CVB, "Principais Eventos de Chapecó" Disponível em http://www.chapecoeregiaocvb.com.br/index.php?link=eventos_principais
  32. CÂMARA MUNICIPAL DE CHAPECÓ, "Eventos de Chapecó" Disponível em http://www.cmc.sc.gov.br/2012/index.php/o-municipio/eventos
  33. EXPEN, "Feira de Multissoluções em Gestão, Serviços e Tecnologia" Disponível em http://www.feiraexpen.com.br/feira.php
  34. CLICRBS, "EXPEN 2012 gera mais de R$ 15 milhões em negócios" Disponível em http://wp.clicrbs.com.br/chapeco/2012/04/03/expen-2012-gera-mais-de-r-15-milhoes-em-negocios/

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Chapecó