Hergé

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Hergé
Georges Prosper Remi
Comic image missing-pt.png

Hergé posando de bengala e chapéu.
Nascimento 22 de Maio de 1907
Local Etterbeek, Bélgica
Morte 3 de março de 1983 (75 anos)
Local Woluwe-Saint-Lambert, Bélgica
Nacionalidade Belga
Área(s) de atuação cartunista, escritor e desenhista
Trabalhos de destaque As Aventuras de Tintim
Jo, Zette e Jocko
Quim e Filipe
Prémios Lista completa
Assinatura Hergé signature.png

Georges Prosper Remi (Etterbeek, 22 de maio de 1907Woluwe-Saint-Lambert, 3 de março de 1983), conhecido pelo nome Hergé, foi um escritor, artista, e desenhista de banda desenhada (português europeu) ou história em quadrinhos (português brasileiro) belga francófono. Tornou-se famoso como criador do consagrado e mundialmente conhecido personagem e herói Tintim, em As Aventuras de Tintim, que ele escreveu e ilustrou a partir de 1929 até à sua morte em 1983.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Hergé nasceu em Etterbeek na Bélgica. A inspiração para Tintim veio, segundo declarou Hergé, do seu irmão Paul, apesar de que este assunto ainda gera polêmicas até hoje. Muitos dos principais personagens retratados nas suas histórias eram baseados em pessoas de carne e osso. Tintim nasceu em 1929.

Conhecido como o Walt Disney Europeu, Hergé criou diversos personagens além de Tintim, tais como Jo, Zette e Jocko. Hergé também criou Quim e Filipe (Quick et Flupke), dois meninos miúdos que vivem aventuras urbanas. O estilo impecável de Hergé e o soberbo uso de cores levou-o a ser aclamado internacionalmente bastante tempo após a Segunda Grande Guerra, pois com o fim desta guerra, ele passou a ser censurado devido às suas ligações com o Nazismo, especialmente com o líder nazista belga Léon Degrelle.

O racismo, neocolonialismo, anti-semitismo e outros aspectos negativos das estórias de Tintim também fizeram com que o personagem fosse mal visto ainda até hoje.

O livro "Tintim no Congo", por exemplo, retrata os congoleses com grande preconceito e racismo, apresentando a visão estereotipada e deturpada que os belgas e fascistas tinham dos africanos. Muitos vilões das estórias de Tintim eram também negros, asiáticos, marxistas ou semitas, o que condiz com a visão fascista que Hergé tinha na época.

Muitos livros de Tintim, portanto, passaram por "revisões", procurando fazer a crítica e o público esquecerem-se do passado de Hergé e do conteúdo lamentável de algumas de suas estórias.

Os álbuns de Tintim, como os de outros personagens criados por Hergé, são lidos em mais de 40 línguas pelo mundo fora. Seu estilo influenciou a criação de outros personagens mais famosos dos quadrinhos, como (Astérix, Lucky Luke, Blake & Mortimer e muitos outros). Os álbuns com histórias completas são um marco no desenvolvimento de histórias em quadrinhos. Os álbuns de Tintim são de uma precisão incrível, com todos os detalhes minuciosamente cuidados.

Infância: 1907–25[editar | editar código-fonte]

Georges Prosper Remi nasceu em 22 de maio de 1907 na casa dos pais em Etterbeek, um subúrbio central de Bruxelas.[1] O seu pai, o valão Alexis Remi, trabalhava numa fábrica de doces, enquanto que a sua mãe, a flamenga Elisabeth Dufour era dona de casa.[2] Casados em 18 de janeiro de 1905, mudaram-se para casa própria na rua Cranz, 25 (atualmente rua Philippe Baucq, 33), na qual nasceria Hergé, embora um ano mais tarde se mudassem para outra case na rua de Theux, 34.[3] A língua materna de Hergé foi o francês do seu pai, embora por ter crescido numa cidade bilingue também tenha aprendido flamengo e tenha adquirido o sotaque por parte da avó materna.[4] [5] Tal como maior parte dos belgas, a sua família partencia à Igreja Católica Romana, embora não fossem particularmente devotos.[6] [7] [8] Mais tarde Hergé viria a caracterizar a infância em Etterbeek como tendo sido dominada por um cinzento monocromático, considerando-a extremamente aborrecida.[9] [10] O biógrafo Benoît Peeters sugeriu que esta melancolia da infância possa ter sido exacerbada por ter sido vítima de abusos sexuais por parte de um tio materno.[11]

Remi cultivou o gosto por cinema, em particular por Gertie the Dinosaur de Winsor McCay e pelos filmes de Charlie Chaplin, Harry Langdon e Buster Keaton. A sua obra posterior evidencia influências notáveis destes filmes em conteúdo e estilo.[12] [13] Embora não fosse um leitor ávido, gostava de romances de autores britânicos e norte-americanos, como Huckleberry Finn, Treasure Island, Robinson Crusoe e The Pickwick Papers, assim como os romances do francês Alexandre Dumas.[14] [15] Desenhando enquanto passatempo, retratava cenas do quotidiano nas margens dos livros escolares. Algumas destas ilustrações eram de soldados alemães, devido aos quatro anos de escola primária coincidntes com a Primeira Guerra Mundial, durante a qual Bruxelas se encontrava ocupada pelo Império Alemão.[16] [17] Em 1919, inicia o ensino secundário numa escola secular em Ixelles,[18] embora em 1920 tenha sido transferido para a Escola de Saint-Boniface, instituição controlada pelo arcebispo na qual os professores eram padres católicos.[19] Remi demonstrou ser um estudante exemplar, tendo recebido prémios de excelência e concluído o ensino secundário em julho de 1925 em primeiro lugar da turma.[20] [21]

Aos doze anos, Remi juntou-se ao agrupamento de escuteiros ligado à escola de Saint-Boniface, tendo-se tornado líder de agrupamento e recebendo a alcunha de "raposa curiosa" (renard curieux).[22] [23] [24] É com os escuteiros que viaga para acampamentos de verão em Itália, Suiça, Áustria e Espanha. No verão de 1923, o seu grupo percorre 320 quilómetros ao longo dos Pirenéus.[25] A sua experiência com os escuteiros exerceria uma influência significativa durante o resto da vida, criando o gosto pelo campismo e pela natureza e dotando-o de uma moral que privilegiava a lealdade e cumprimento de promessas.[26] O seu dirigente nos escuteiros, Rene Weverbergh, encorajou o seu talento artístico e publicou um dos seus desenhos na revista local dos escuteiros, intitulado Jamais Assez (Nunca é suficiente).[27] [28] Quando Weverbergh se envolve na publicação de Boy-Scout, a revista da Federação de Escutas, publica mais algumas das ilustrações de Remi, a primeira das quais aparece no número 5, de 1922.[29] [30] Nos números seguintes da revista, a qual viria a ser renomeada para Le Boy-Scout Belge, Remi continuou a publicar tiras e desenhos. Durante este tempo, experimentou vários pseudónimos, entre os quais "Jérémie" e "Jérémiades", antes de se decidir por "Hergé", que corresponde à pronúncia das suas iniciais por ordem inversa (R.G.), e que apareceria pela primeira vez publicado em dezembro de 1924.[31] [32]

Totor e o início de carreira: 1925–28[editar | editar código-fonte]

A par das restantes ilustrações, em julho de 1926 Hergé iniciou a produção de uma tira de humor para o Le Boy-Scout Belge, As Aventuras de Totor, a qual continuou a ser publicada de forma intermitente até 1929. Tendo como tema as aventuras de um escuteiro líder de patrulha, a tira exibia ao início legendas numa posição inferior à imagem, mas Hergé começa a experimentar diferentes forma de transmitir a informação, entre as quais os balões.[33] [34] As ilustrações eram também publicadas no 'Le Blé qui lève ("O Trigo Que Cresce") e outras publicações da Associação Católica da Juventude Belga., e Hergé desenhou uma sobrecapa para um romance de Weverbergh, "A Alma do Mar".[35] [36] Sendo ainda novo e pouco experiente, Hergé procurou a orientação de um desenhador mais velho, Pierre Ickx, e juntos fundariam o Atelier de la Fleur de Lys (AFL), uma organização efémera de desenhadores cristãos.[37]

Após ter concluído os estudos secundários em 1925, Hergé inscreveu-se na escola artística Saint-Luc, embora tenha desistido na primeira aula por ter achado o ensino aborrecido.[38] [39] Almejando uma posição de ilustrador a par de Ickx no Le XXe Siècle (O Século XX) – um jornal católico ultra-conservador de doutrina e informação – não havia, porém, vagas disponíveis, tendo em vez disso arranjado um emprego no departamento de subscrições do jornal, começando aí a trabalhar em setembro de 1925.[40] [41] Aborrecido com este cargo, alista-se no serviço militar antes de ser convocado e, em agosto de 1926, foi mobilizado para Schaerbeek. Tendo-se juntado ao primeiro regimento de infantaria, aborrecer-se-ia também com o treino militar, tendo continuado o desenho e produção de mais episódios de Totor.[42] [43] Já no fim do serviço militar, em agosto de 1927, Hergé conhece o editor do Le XXe Siecle, o abade Norbert Wallez, um fascista assumido conhecido pela fotografia autografada de Benito Mussolini que conservava na sua secretária.[44] [45] Impressionado pelo repertório de Hergé, Wallez acedeu em lhe oferecer uma posição de repórter fotógrafo e cartunista no jornal, atitude pela qual Hergé sempre se manteve agradecido, vendo o abade como figura paternal.[46] [47] Complementando o trabalho com comissões para outras publicações, Hergé ilustrou uma série de textos para o suplemento infantil e para as páginas de literatura. As ilustrações deste período demonstram o seu interesse pela xilogravura e pelos primeiros protótipos do seu estilo de linha clara.[48]

A criação de Tintim e Quim e Filipe: 1929–32[editar | editar código-fonte]

Dando início a uma série de suplementos do jornal, em 1928 Wallez promove a criação de um suplemento dedicado ao público infantil, Le Petit Vingtième, o qual é publicado todas as quintas-feiras em conjunto com o Le XXe Siècle.[49] Com forte conotação católica e fascista, muito do conteúdo era explicitamente anti-semítico.[50] Hergé ilustra para a nova publicação L'Extraordinaire Aventures de Flup, Nénesse, Puosette et Cochonet (As Extraordinárias Aventuras de Flup, Nénesse, Puosette e Cochonet), uma tira de humor da autoria de um dos colunistas de desporto do jornal, a qual narrava a história de dois rapazes, uma das suas irmãs e o seu porco de borracha.[51] [52] [53] Hergé mostrava-se insatisfeito e com vontade de escrever e desenhar a sua própria tira. Estava fascinado pelas novas técnicas no meio, como o uso sistemático de balões de discurso vistos na banda desenhada norte-americana, como em Bringing up Father de George McManus, Krazy Kat de George Herriman e Katzenjammer Kids de Rudolph Dirks, exemplares dos quais lhe foram enviados a partir do México pelo repórter do jornal Léon Degrelle, aí instalado para fazer a cobertura da Guerra Cristera.[54] [55] [56]

Hergé cria um personagem de nome Tintim, um jovem repórter belga que viajava pelo mundo com a sua cadela Milu, o qual foi inspirado grande parte no seu personagem anterior Totor e no seu próprio irmão, Paul.[57] [58] [59] Degrelle mais tarde afirmou, falsamente, que Tintim tinha sido nele baseado, depois da relação entre ambos se ter degradado e terem resolvido s disputa em tribunal após Degrelle ter usado um dos seus desenhos sem permissão.[60] [61] Embora Hargé quisesse enviar o seu personagem aos Estados Unidos, Wallez ordeneou-lhe que situasse a sua aventura na União Soviética com o intuito de fornecer propaganda anticomunista ao público juvenil. O produto final, Tintim no País dos Sovietes, foi publicado em tiras no Petit Vingtième entre 10 de janeiro de 1929 e 8 de maio de 1930.[62] [63] Popular na Bélgica francófona, Wallez organizou um evento publicitário na estação da Gare de Nord, após o qual organizou a publicação da história no formato de livro.[64] A popularidade da história levou ao aumento das vendas, fazendo com que Wallez assegurasse a Hergé dois assistentes, Eugène Van Nyverseel e Paul Jamin.[65] [66]

Em janeiro de 1930, Hergé introduziu nas páginas do Petit Vingtième Quim e Filipe (Quick et Flupke), uma nova tira de humor sobre dois rapazes de rua de Bruxelas.[67] [68] [69] Sob a direção de Wallez, teve início em junho a publicação das tiras da segunda aventura de Tintim, Tintim no Congo, concebida para encorajar o sentimento colonialista em relação ao Congo Belga. Escrito num tom paternalista que retratava os congoleses como infantilizados, em décadas posteriores a obra seria acusada de racismo, embora na época tenha sido popular e isenta de controvérsia.[70] Para a terceira aventura, Tintim na América, publicada entre setembro de 1931 e outubro de 1932, Hergé finalmente pôde escolher um cenário, embora tenha usado a obra para impor uma agenda anti-capitalista e anti-consumista de acordo com a ideologia ultra-conservadora do jornal.[71] [72] Embora as Aventuras de Tintim fossem também publicadas no Coeurs Vaillants, jornal católico francês, Hergé recebeu também pedidos de sindicação de jornais suiços e portugueses.[73]

Hergé procurou expandir o seu trabalho, criando Cet aimable M. Mops para as lojas Le Bon Marché,[74] [75] e Les aventures de "Tim" l'écureuil au Far-West para a cadeia de lojas rival L'Innovation.[76] [77] Em 20 de julho de 1932, Hergé casou com Germaine Kieckens, a qual foi secretária de Wallez. Embora nenhum dos dois estivesse plenamente feliz com a união, o casamento foi incitado por Wallez, que exigia que todos os seus funcionários fossem casados e que presidiu pessoalmente à cerimónia na igreja de Saint-Roch em Laeken.[78] [79] O casal mudou-se para um apartamento na rua Knapen emSchaerbeek.[80] Quando Wallez foi afastado da direção do jornal após um escândalo, Hergé tentou demitir-se, mas foi encorajado a permanecer depois de um aumento salarial de 2000 para 3000 francos e a quantidade de trabalho reduzida, tendo Jamin assumido a responsabilidade pela gestão quotidiana do Petit Vingtième.[81] [82]

Consagração[editar | editar código-fonte]

Tintim no Oriente e Joana, João e o Macaco Simão: 1932–39[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 1932, Hergé anunciou que no mês seguinte iria enviar Tintim para uma aventura na Ásia.[83] Embora fosse inicialmente intitulada As Aventuras de Tintim, Repórter, no Orient, seria mais tarde renomeada para Os Charutos do Faraó. Uma história de mistério, a trama tem início no Egito antes de percorrer a Arábia e a Índia, e ao longo da qual são introduzidas as personagens recorrentes Dupond e Dupont e Roberto Rastapopoulos.[84] [85] [86] Através do seu amigo Charles Lesne, Hergé foi contratado para produzir ilustrações para a Casterman, a qul propôs em finais de 1933 assumir a publicação das Aventuras de Tintim em livro, com o qual Hergé concordou. O primeiro livro publicado pela Casterman foi o volume das tiras de Os Charutos do Faraó.[87] [88] Continuando a promover o trabalho artístico com publicidade, em janeiro de 1934 funda a agência publicitária "Atelier Hergé" com dois sócios, embora tivesse aberto falência seis meses mais tarde.[89] [90] [91] Entre fevereiro e agosto de 1934, Hargé publica no Petit Vingtième Popol et Virginie chez les lapinos, uma história com personagens animais.[92]

Entre agosto de 1934 e outubro de 1935, o Petit Vingtième publica as tiras da próxima aventura de Tintim, O Lótus Azul, ambientada na China durante a recente Invasão Japonesa da Manchúria. Hergé foi bastante influenciado na produção pelo trabalho do seu amigo Zhang Chongren, um estudante católico chinês da Académie Royale des Beaux-Arts de Bruxelas, ao qual tinha sido apresentado em maio de 1934. Zhang ensinou-lhe filosofia Taoísta, arte e caligrafia chinesa, influenciando não só o estilo artístico como também toda a sua perspetiva sobre a vida.[93] [94] [95] [96] [97] Enquanto gesto de gratidão, Hergé acrescentou ao Lótus Azul a personagem Chang Chong-Chen, um jovem chinês que se torna amigo de Tintim.[98] [99] [100] [101] [102] Nesta publicação, Hergé dá muito mais atenção à precisão dos eventos, o que permite criar um retrato bastante realista da China na época.[103] [104] [105] [106] [107] O Lótus Azul é amplamente considerado a primeira obra-prima de Hergé e um momento de transição no desenvolvimento da série.[108] [109] [110] A Casterman publicou as tiras em livro, insistindo também que Hergé colorisse as pranchas nas reedições de Tintim na América e de Os Charutos do Faraó[111] [112] [113] Em 1936, a editora inicia também a produção de merchandise do Tintim.[114]

Cronologia[editar | editar código-fonte]

Mestre do desenho e da ciência narrativa, ele deu à banda desenhada européia toda a nobreza com que é hoje distinguida.
1907 Nascimento de Georges Remi em Bruxelas, dia 22 de Maio.
1920 O jovem Georges inicia os seus estudos secundários no colégio Saint-Boniface, em Bruxelas; aborrece-se muito com as matérias.
1921 Entra no grupo de escuteiros do colégio onde viria a receber a alcunha de raposa curiosa. Os seus desenhos são publicados na revista “Jamais Assez”, a revista do estabelecimento escolar e, mais tarde, em 1923, em “Le Boy-Scout Belge”, a revista mensal dos escoteiros belgas.
1924 É com o nome Hergé - RG, as iniciais de Remi Georges - que ele assina as suas ilustrações.
1925 Tendo acabado os seus estudos, Georges Remi fica empregado no jornal “Le Vingtième Siècle”, com um cargo no serviço de assinaturas.
1926 Criação de Totor, CP des Hannetons, prefigurando Tintim no “Le Boy-Scout Belge”.
1927 Georges Remi serve o exército.
1928 De regresso a Bruxelas, Hergé é nomeado redator-chefe do “Petit Vingtième”, suplemento semanal para jovens do “Le XXe Siècle”. O primeiro número é publicado no dia 1 de Novembro. O diretor do jornal é o abade cristão Norbert Wallez
1929 No dia 10 de Janeiro, "nascimento" de Tintim e Milu, no “Petit XXe”.
1930 Criação de Quim e Filipe, rapazes de Bruxelas e actores de curtas e completas histórias no “Petit Vingtième”. Publicação do primeiro álbum de Tintim: Tintim no país dos sovietes.
1932 Georges Remi casa-se com Germaine Kieckens, secretária do director do “Vingtième Siècle”.
1934 A Casa Casterman, estabelecida em Tournai (Bélgica) torna-se editora das aventuras de Tintim. O encontro de Hergé com um jovem estudante chinês, Tchang Tchong-Jen, marca um desvio decisivo. Hergé apercebe-se da importância de uma história construída solidamente e da necessidade de se documentar. Começa então a levar a sério aquilo que antes para ele não era mais do que um jogo.
1935 Para o semanário francês “Coeurs Vaillants”, Hergé cria uma nova série com novos heróis: Joana, João e o macaco Simão. Cinco álbuns serão publicados.
1939 Devido à sua tomada de posição em favor do povo chinês em O lótus azul, o criador de Tintim é convidado pela esposa de Chiang Kai-Shek a visitar a China. A guerra iminente na Europa viria a impedir essa viagem.
1940 No dia 10 de Maio, a Bélgica é invadida por tropas alemãs. O “Vingtième Siècle” e o “Petit Vingtième” desaparecem. Tintim no país do ouro negro, então em curso de publicação, é interrompido por oito anos. Hergé começa outra história - O caranguejo das tenazes de ouro - que publica no jornal “Le Soir”, um dos poucos jornais autorizados pelos nazis a circular.
1942 A editora Casterman, tendo em vista a criação de álbuns padronizados (de 64 páginas e a cores), obtem de Hergé os episódios já publicados, adaptados progressivamente a estes novos modelos.
1944 A libertação da Bélgica, no dia 3 de Setembro põe termo à publicação das aventuras de Tintim no jornal “Le Soir”. Alguns consideram que tendo publicado num jornal controlado pelos nazis, Hergé tinha "colaborado" com estes. O conteúdo racista e fascista de algumas de suas estórias reforçam e difundem essa idéia.
1946 Publicação, no dia 26 de Setembro, do primeiro número da revista “Tintin”, um novo semanário criado para a juventude por um antigo resistente - Raymond Leblanc.
1950 Tendo decidido realizar Explorando a lua, um episódio das aventuras de Tintim que requeria um trabalho técnico importante, um rigor documental e uma atenção particular, Hergé junta-se com colaboradores e funda os Estúdios Hergé.
1955 O desenhista conclui a publicação dos primeiros álbuns já adaptados às novas normas, eliminando comentários e personagens que denotassem o caráter fascista e colonialista. Tintim, cujos álbuns se tornam um verdadeiro sucesso, é de tal modo popular que a publicidade se interessa por ele. Hergé realiza, então, uma colecção de cromos, na qual Tintim desempenha o papel de apresentador em diferentes domínios do saber.
1958 O episódio Tintim no Tibete é terminado, apesar de uma violenta crise pessoal de Hergé.
1960 Tintim faz a sua estréia no cinema e é o jovem belga Jean-Pierre Talbot que encarna o seu papel em "Tintim e o mistério do Tosão de Ouro". Mais tarde, em 1964, o actor voltaria a desempenhar o papel de Tintim em "Tintim e as laranjas azuis". Georges Remi descobre a arte contemporânea, que se torna uma verdadeira paixão para ele. Separa-se da esposa.
1969 Os estúdios Belvision de Bruxelas produzem um desenho animado de longa metragem a partir do álbum O templo do sol.
1971 Numa primeira viagem aos Estados Unidos, Hergé encontra os peles-vermelhas.
1973 As edições Casterman publicam o primeiro tomo dos “Arquivos Hergé”. O mítico Tintim no país dos sovietes reaparece assim, quarenta anos depois de ter desaparecido completamente das livrarias. Hergé visita a província de Taiwan, trinta e cinco anos depois do convite oficial que lhe foi feito.
1976 Difusão nas telas de televisão de “Moi, Tintin”, um documentário sobre o personagem e o seu criador. No dia 29 de Setembro, é inaugurada uma estátua em bronze de Tintim e Milu, em Bruxelas.
1977 Tendo-se pronunciado o divórcio com a sua primeira esposa, Hergé casa-se, com Fanny Vlamynck.
1979 O Americano Andy Warhol, artista máximo e criador da Pop Art, realiza uma série de quatro retratos de Hergé. O "nascimento" de Tintim comemora-se um pouco por todo o lado. Os cinquenta anos de existência do heroi fictício são também celebrados através de uma emissão de selos dedicados a Tintim, à exposição O Museu imaginário de Tintim e a publicação do álbum “Cinquante ans de travaux fort gais”.
1981 Reencontro emocionante entre Hergé e Tchang-Tchong-Jen, o amigo chinês que o tinha inspirado para O lótus azul, quarenta e cinco anos atrás.
1982 Para festejar o 75º aniversário de Hergé, a Sociedade Belga de Astronomia dá o seu nome a um planeta descoberto recentemente. O planeta Hergé está situado entre Marte e Júpiter.
1983 Georges Remi, Hergé, falece no dia 3 de Março.
1986 Publicação do álbum “Tintin et l'Alph'Art,” última aventura de Tintim, ainda por terminar.
1987 Tendo Hergé manifestado a sua vontade de não confiar Tintim a um outro desenhista, a sua esposa Fanny decide substituir os Estúdios Hergé por uma Fundação Hergé.
1988 Inauguração, numa estação de metropolitano de Bruxelas, de um afresco de cem metros, animado pelo grupo dos personagens principais das aventuras de Tintim, a partir de um esboço de Hergé. Desaparecimento da revista Tintim.
1989 Inauguração, no Centro Nacional da Banda desenhada e da Imagem, em Angoulême (França), de um busto de Hergé realizado pelo escultor Tchang-Tchong-Jen. A Fundação Hergé monta uma vasta exposição intitulada “Tintin, 60 ans d'aventures”, inaugurada em Bruxelas e destinada a dar a volta ao mundo.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Obra Ano Observações
Totor, CP des Hannetons 1926-1930 O primeiro trabalho, publicado no Le Boy Scout Belge, sobre um corajoso escuteiro.
Les Aventures de Flup, Nénesse, Poussette et Cochonnet 1928 Escrito por um repórter desportivo, publicado no Le Petit Vingtième
'Le Sifflet' 1928-1929 7 histórias na revista satírica "Le Sifflet".
As Aventuras de Tintim 1929-1983 24 volumes (o último inacabado).
Quim e Filipe 1930-1940 12 volumes
Les mésaventures de Jef Debakker cerca de 1934 4 histórias publicitárias de uma página.[115]
Fred et Mile 1931 História única de 2 páginas publicada no jornal católico Mon Avenir.
Les aventures de "Tim" l'écureuil au Far-West 1931 História de 32 páginas publicada no jornal de distribuição gratuita dos grandes armazéns L'Innovation, de Bruxelas.
Cet aimable M. Mops 1932 8 histórias de uma página.
Les Aventures de Tom et Millie 1933 Duas histórias (de 2 e de 18 páginas) pubicadas no suplemento infantil Pim et Pom do jornal La Meuse.
Popol et Virginie 1934 História publicada no Le Petit Vingtième com o título de "Les Aventures de Popol et Virginie au Far West" e depois em álbum com o título de "Popol et Virginie chez les Lapinos".
Dropsy 1934 6 histórias publicitárias de uma página.
Jo, Zette et Jocko 1936-1957 5 volumes (série traduzida em português com o nome de "Aventuras de Joana, João e do macaco Simão")
M. Bellum 1939 4 histórias anti-Hitler publicadas no jornal L'Ouest em Dezembro de 1939
Dupond et Dupont détectives 1943 Escrito por Paul Kinnet, no jornal Le Soir
Ils ont marché sur la Lune 1969 História de 4 páginas publicada na revista Paris Match sobre a Apollo 11

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • 1971: Adamson Awards, Suécia
  • 1972: Yellow Kid "una vita per il cartooning" no festival de Lucca[116]
  • 1973: Grand Prix Saint Michel, cidade de Bruxelas
  • 1999: Incluído no Harvey Award Jack Kirby Hall of Fame
  • 2003: Incluído no Harvey Award Hall of Fame as the Judge's choice
  • 2005: Incluído no De Grootste Belg (The Greatest Belgian).

De acordo com o UNESCO Index Translationum, Hergé é o nono autor mais traduzido em língua francesa. [117]

Referências

  1. Peeters 2012, p. 6
  2. Assouline 2009, p. 3
  3. Peeters 2012, p. 6
  4. Assouline 2009, p. 3
  5. Peeters 2012, pp. 6–7
  6. Assouline 2009, p. 3
  7. Thompson 1991, pp. 18
  8. Peeters 2012, p. 8
  9. Assouline 2009, pp. 3–4
  10. Peeters 2012, p. 5
  11. Peeters 2012, p. 14
  12. Assouline 2009, p. 7
  13. Peeters 2012, p. 7
  14. Assouline 2009, p. 5
  15. Peeters 2012, pp. 12–13
  16. Assouline 2009, p. 6
  17. Peeters 2012, p. 8
  18. Peeters 2012, pp. 10–11
  19. Assouline 2009, p. 7
  20. Assouline 2009, p. 8
  21. Peeters 2012, p. 16
  22. Assouline 2009, p. 8
  23. Thompson 1991, pp. 19
  24. Peeters 2012, p. 16
  25. Assouline et al. 11–12, p. 8
  26. Assouline 2009, pp. 8–9
  27. Assouline 2009, p. 9
  28. Peeters 2012, p. 16
  29. Assouline 2009, p. 9
  30. Peeters 2012, p. 16
  31. Assouline 2009, p. 9
  32. Peeters 2012, p. 19
  33. Assouline 2009, p. 9
  34. Peeters 2012, p. 22
  35. Assouline 2009, p. 15
  36. Peeters 2012, p. 17
  37. Peeters 2012, p. 18
  38. Assouline 2009, p. 10
  39. Peeters 2012, p. 20
  40. Assouline 2009, p. 11
  41. Peeters 2012, p. 20
  42. Assouline 2009, p. 11
  43. Peeters 2012, pp. 21–23
  44. Assouline 2009, pp. 11–13
  45. Peeters 2012, p. 27
  46. Assouline 2009, pp. 12, 14–15
  47. Peeters 2012, pp. 27–28
  48. Assouline, 2009 & Peeters 2012, pp. 28–29
  49. Peeters 2012, pp. 31–32
  50. Assouline 2009, p. 38
  51. Assouline 2009, p. 16
  52. Farr 2001, p. 12
  53. Peeters 2012, p. 32
  54. Assouline 2009, p. 17
  55. Farr 2001, p. 18
  56. Lofficier 2002, p. 18
  57. Assouline 2009, p. 19
  58. Thompson 1991, p. 25
  59. Peeters 2012, p. 34
  60. Assouline 2009, pp. 45–46
  61. Peeters 2012, pp. 59–60
  62. Assouline 2009, pp. 22–23
  63. Peeters 2012, pp. 34–37
  64. Peeters 2012, pp. 39–41
  65. Assouline 2009, pp. 32–34
  66. Peeters 2012, pp. 42–43
  67. Goddin 2008, p. 95
  68. Assouline 2009, pp. 23–24
  69. Peeters 2012, pp. 44–45
  70. Assouline, 2009 & Peeters 2012, pp. 45–47
  71. Thompson 1991, pp. 46–50
  72. Assouline 2009, pp. 30–32
  73. Assouline 2009, p. 35
  74. Thompson 1991, p. 49
  75. Assouline 2009, p. 25
  76. Thompson 1991, p. 46
  77. Goddin 2008, p. 89
  78. Assouline 2009, pp. 33–34
  79. Peeters 2012, pp. 47–48
  80. Peeters 2012, p. 58
  81. Assouline 2009, pp. 40–41
  82. Peeters 2012, pp. 67–68
  83. Peeters 2012, p. 62
  84. Thompson 1991, pp. 52–57
  85. Assouline 2009, pp. 42–44
  86. Peeters 2012, pp. 62–65
  87. Assouline 2009, pp. 40–41,44
  88. Peeters 2012, pp. 57, 60
  89. Thompson 1991, p. 49
  90. Assouline 2009, pp. 36–37
  91. Peeters 2012, pp. 60–61
  92. Peeters 2012, p. 73
  93. Thompson 1991, pp. 60
  94. Farr 2001, pp. 51-59
  95. Lofficier 2002, pp. 33,36
  96. Assouline 2009, pp. 48-55
  97. Peeters & 2012 73-82
  98. Thompson 1991, pp. 60-64
  99. Farr & 2001 51-59
  100. Lofficier 2002, pp. 33-36
  101. Assouline 2009, pp. 48-55
  102. Peeters 2012, pp. 73-82
  103. Thompson 1991, pp. 60-64
  104. Farr 2001, pp. 51-59
  105. Lofficier 2002, pp. 33-36
  106. Assouline 2009, pp. 48–55
  107. Peeters 2012, pp. 73–82
  108. Farr & 2001 51
  109. Lofficier 2002, p. 35
  110. Peeters 2012, pp. 82
  111. Goddin 2008, pp. 182, 196
  112. Assouline 2009, p. 53
  113. Peeters 2012, pp. 79-80
  114. Assouline 2009, p. 55
  115. Benoit Peeters Le Monde d’Hergé, págs. 163-164
  116. cite web | last = | first = | authorlink = | coauthors = | year = 1972 | url = http://www.immaginecentrostudi.org/saloni/salone08.asp | title = History of the Lucca festival | format = | work = | publisher = | accessdate = 15 July | accessyear = 2006
  117. Index Translationum French top 10

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre autor ou ilustrador de banda desenhada é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.