Maria Nikolaevna Romanova

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Maria
Grã-duquesa da Rússia
Casa Romanov
Pai Nicolau II da Rússia
Mãe Alexandra Feodorovna
Nascimento 26 de junho de 1899
Peterhof, São Petesburgo,
Império Russo
Morte 17 de julho de 1918 (19 anos)
Ecaterimburgo, União Soviética
Enterro 17 de julho de 1998
Catedral de Pedro e Paulo,
São Petesburgo, Rússia

Grã-duquesa Maria Nikolaevna da Rússia (em russo: Великая Княжна Мария Николаевна Романовa; transl.: Velikaya Knyajna Maria Nikolaevna Romanova) foi a terceira filha de Nicolau II da Rússia e Alexandra Feodorovna, nascida a 14 de Junho de 1899 , no palácio de Peterhof, São Petersburgo. O seu assassinato juntamente com o restante família na noite de 17 de Julho de 1918 resultou na sua canonização como Portadora da Paixão pela Igreja Ortodoxa Russa.

Durante a sua vida, Maria, sendo demasiado nova para se tornar enfermeira pela Cruz Vermelha como a sua mãe e as duas irmãs mais velhas durante a Primeira Guerra Mundial, abriu um hospital juntamente com a sua irmã mais nova, Anastásia, e ambas costumavam visitar soldados feridos.[1] Maria tinha um interesse especial na vida dos soldados e, durante a sua adolescência e juventude, teve várias "paixonetas" pelos jovens que conhecia. O seu sonho era casar-se com um soldado e ter uma grande família.

Durante o século XX, após a sua morte, Maria não escapou aos vários rumores que davam como certa a sobrevivência de um ou mais membros da família imperial. A possibilidade de que ela poderia ter sobrevivido ao massacre tornou-se mais credível após a descoberta dos corpos de 9 das 11 vitimas. Os cientistas americanos defenderam que os dois corpos que faltavam pertenciam a Alexei e a uma das Grã-duquesas que identificaram como sendo Anastásia, mas a equipa russa afirmou que a Grã-duquesa desaparecida era Maria.

A dúvida foi desfeita quando em Agosto de 2007 foram descobertos os restos mortais dos dois últimos membros da família. Após testes de ADN (DNA) chegou-se à conclusão que os corpos descobertos eram os de Alexei e Maria.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Infância[editar | editar código-fonte]

Maria em 1904.

Quando Maria nasceu, o seu pai, o czar Nicolau II, escreveu no seu diário:

Cquote1.svg Um dia feliz: o Senhor enviou-nos uma terceira filha – Maria, que nasceu em segurança às 12:10! A Alix mal dormiu durante a noite, e de manhã as dores aumentaram. Graças a Deus que tudo acabou depressa! A minha querida sentiu-se bem durante todo o dia e alimentou ela própria a bebé… a tarde foi maravilhosa." Cquote2.svg

[2]

Maria tinha duas irmãs mais velhas (Olga e Tatiana) e uma irmã (Anastásia) e irmão (Alexei) mais novos.

O nascimento de Maria foi bem-recebido, no entanto acabou por constituir uma nova desilusão para a família imperial, uma vez que era a terceira rapariga que nascia e não o desejado herdeiro, tal como a sua tia Xenia Alexandrovna escreveu no seu diário:

Cquote1.svg Que alegria que tudo tenha acabado bem, e a ansiedade da espera tenha, finalmente, acabado! Mas foi um desapontamento que não seja um filho. Nós, claro, estamos encantados de qualquer maneira – quer seja um filho ou uma filha! Cquote2.svg

[3]

Para os empregados e familiares, ela era chamada simplesmente "Maria Nikolaevna" ou pelas alcunhas russos "Mashka", "Masha" ou "Mashenka". E também "Marie" e "Mandrifolie", variações francesas do seu nome, e não pelo seu Título Imperial.[4] O dia de seu santo protector - o dia de seu nome - era 4 de Agosto (segundo o Antigo Calendário, dia 22 de Julho).

Os seus contemporâneos descreveram Maria como uma bonita e sedutora menina, bem constituída, com cabelo negros e grandes olhos azuis-esverdeados que eram conhecidos na família como "os pires de Maria". O seu tutor francês, Pierre Gilliard, descrevia-a como uma menina bonita e alta para a sua idade, salientando a sua bondade para com todos que a rodeavam. Mencionou também que era costume as suas irmãs tirarem vantagem da sua personalidade carinhosa, apelidando-a de "cãozinho gordo". Nas suas palavras, a terceira Grã-duquesa, "Tinha a benevolência e a devoção desajeitada de um cãozinho".[5] Tatiana Botkina, filha do médico da família, achava que a expressão dos olhos de Maria era "calma e gentil". Anna Vyrubova, amiga da czarina disse que Maria tinha olhos esplêndidos e bochechas rosadas. Era robusta, e tinha lábios bonitos que realçavam sua beleza. Maria tinha uma disposição doce e uma mente boa.[6]

A Baronesa Sophie Buxhoeveden descreveu Maria como muito parecida com a irmã mais nova de sua mãe, Maria De Hesse e Rhine, em cores e feições, mas com tudo mais acentuado e vivo. Disse que ela tinha o mesmo sorriso e formato do rosto, mas seus olhos, os "pires de Maria" eram magníficos, de um azul-esverdeados profundo. Seu cabelo tinha madeixas negras e se encaracolou após ter sido cortado em 1917.[7]

Quando aprendeu a andar, a pequena Maria, numa ocasião, escapou da sua banheira e começou a correr pelo corredor do palácio nua, enquanto a sua ama, Margaretta Eagar, que adorava política, estava a discutir sobre o caso de Dreyfus com um amigo. "Felizmente eu tinha acabado de chegar, peguei nela e levei-a de volta para a Miss Eagar que ainda estava a falar sobre Dreyfus," recordou a sua tia, a Grã-duquesa Olga Alexandrovna da Rússia.[8]

Uma foto formal: Grã-duquesas Olga, Tatiana, Maria, e Anastásia Nikolaevna, 1906.

Margaretta Eagar, a sua governanta, recordou que a bondade da pequena Grã-duquesa era visível desde os seus primeiros meses de idade e que o seu tio-avô, o Grão-duque Vladimir Alexandrovich, a apelidou de "o bebé amável" por ela estar sempre alegre e raramente chorar. Disse que ela era uma criança encantadora e bonita, com grandes olhos azuis-esverdeados. Um homem chegou mesmo a referir que a pequena criança tinha o rosto que lhe recordava dos anjos de Botticelli.

Apesar de tudo, o temperamento doce de Maria também tinha os seus desafios. Eagar escreveu também no seu livro de memórias que, numa ocasião, quando ela era ainda muito pequena, a pequena Grã-duquesa estava no quarto da sua mãe, a Imperatriz enquanto os seus pais estavam a tomar chá acompanhando-o com waffers recheados de baunilha de que as crianças gostavam particularmente. Apesar de tudo as crianças não tinham permissão para pedir nada que estivesse na mesa. A Imperatriz dispensou a governanta e, quando ela se encaminhava para a porta, reparou que Maria se encontrava sentada por perto, a chorar, enquanto tentava devorar algo disfarçadamente. Quando a governanta se aproximou, ela olhou para ela e disse: "Eu comi tudo. Agora tu já não vais poder comer". Alexandra Feodorovna ficou chocada com o comportamento da filha e Eagar sugeriu que, como castigo, se enviasse a criança para a cama mais cedo sem jantar. A Imperatriz concordou, mas o imperador interveio e ordenou que a sua filha permanecesse no quarto com a família. "Sempre tive medo das asinhas que lhe estavam a crescer", disse ele, "Estou satisfeito por ver que ela é apenas humana."

Maria era frequentemente usada como exemplo para as suas duas irmãs mais velhas que, por isso, pareciam não gostar particularmente dela e a chamavam de "meia-irmã". Eagar tentava consolar Maria dizendo-lhe que, nos contos de fadas, as irmãs mais velhas eram sempre as más e que a terceira é que era a bondosa. Olga e Tatiana ignoravam a sua governanta e continuavam a excluir a irmã mais nova das suas brincadeiras, não se preocupando com os avisos de que, qualquer dia, seriam castigadas pelo seu comportamento. Numa ocasião as filhas mais velhas do czar construiram uma casa de brincar feita de cadeiras numa extremidade do quarto-de-brincar e excluíram Maria do seu jogo, dizendo que ela era a criada e, por isso, não podia entrar.

Cquote1.svg Eu fiz outra casa na outra parte para o bebé [Anastásia], com apenas alguns meses, e para ela, mas seus olhos desviavam-se sempre para o outro lado do quarto e para a interessante brincadeira que lá se passava. Ela então, correu pelo quarto, enfiou-se dentro da casa, deu um estalo no rosto de cada irmã e correu para o próximo quarto, despindo uma boneca vestida com uma capa e com um chapéu, e com as mãos cheias de pequenos brinquedos. "Eu não quero ser a serva, quero ser a tia generosa e bondosa, que traz presentes"disse ela. E depois distribuiu os presentes, beijando as "sobrinhas" e saiu. As outras crianças, olharam envergonhadas uma para a outra e então, Tatiana disse "Nós fomos muito cruéis com a pobre Maria e ela não podia fazer outra coisa senão bater-nos." Elas aprenderam a lição a partir desse dia, aprenderam a respeitar cada posição na família." Cquote2.svg

[9]

Maria com o pai Nicolau II em 1901.

Maria tinha uma admiração especial pelo seu pai e era frequente fugir do quarto de brincar para "ir ter com o papá". Quando ele ficou doente com Febre tifóide na Crimeia, em 1901, a pequena Grã-duquesa ficou desgostosa e tentava todas as oportunidades para fugir do quarto-de-brincar para ir ter com Nicolau II. Eventualmente a sua governanta teve de passar a fechar a porta à chave para que ela não fugisse, mas mesmo assim, sempre que ouvia algum som saído do quarto do doente, esticava os braços e começava a chamar pelo pai. Na primeira noite após ter sido feito o diagnóstico ao czar, a czarina foi ter com as suas filhas e, por acaso, estava a usar uma miniatura de São Nicolau ao pescoço. As pequenas crianças desde cedo tinham começado a sua educação religiosa e aquele era o santo da família. Além do mais, Maria sabia que ele partilhava o nome com o seu pai. Entre soluços e lágrimas, Maria trepou o joelho da sua mãe e cobriu a miniatura de beijos. A partir de então não houve nenhuma noite durante a sua doença em que ela fosse para a cama sem a beijar.[10]

Maria e a sua irmã mais nova, Anastásia, eram conhecidas na família pelo "Par Pequeno" por serem as irmãs mais novas. Tal como as irmãs mais velhas, Olga e Tatiana, as duas partilhavam o quarto e passavam grande parte do tempo juntas. Maria e Anastásia eram vestidas de forma semelhante em ocasiões especiais quando usavam variações do mesmo vestido. Maria tendia a ser dominada pela sua entusiástica e energética irmã mais nova.[11] Quando Anastásia fazia rasteiras a pessoas que passavam por elas, troçava de outros ou tinha um ataque de raiva, Maria seguia sempre atrás dela e tentava sempre pedir desculpa, apesar de nunca ter conseguido parar a irmã mais nova.[12]

Personalidade[editar | editar código-fonte]

A Grã Duquesa Maria em 1906.

Maria tinha gostos simples e era tão bondosa que, por vezes, as irmãs tiravam vantagem disso e chamavam-na de "cãozinho gordo". Ela era conhecida também por "o anjo da família" por ser tão boa e amável. Em 1910, a sua irmã Olga de 14 anos persuadiu Maria de 10 a escrever uma carta à sua mãe onde lhe pedia que desse a Olga o seu próprio quarto e que ela devia ter autorização para usar os seus vestidos. Mais tarde Maria tentou convencer a mãe de que a carta tinha sido ideia sua.[13] A amiga da mãe, Lili Dehn, disse que ela não era tão espevitada como as irmãs, mas que tinha a sua própria personalidade.[14]

A sua governanta Margaretta Eagar relembrou uma história que mostra a bondade quase inocente da pequena Maria:

Cquote1.svg "Quando regressamos a Czarskoe Selo, a imperatriz mostrou sintomas de tosse compulsiva. A tosse espalhou-se rapidamente às suas quatro filhas. A ama russa e eu também a apanhamos. Eu tinha dito às crianças para que tivessem muito cuidado para não tossir para ninguém, ou então essa pessoa poderia contrair a doença. Elas foram muito obedientes. Um dia a pequena grã-Duquesa Anastásia estava a tossir e espirrar muito, quando a Grã-duquesa Maria foi ter com ela e, pondo a sua cara perto da dela, disse-lhe, "Bebê, querida, tosse para cima de mim." Espantada com esta atitude, perguntei-lhe o que queria ela dizer e a criança disse, "Tenho tanta pena de ver a minha irmã mais nova tão doente. Pensei que se pudesse ficar com tosse ela pudesse melhorar." Cquote2.svg

[15]

A Grã-duquesa Maria Nikolaevna em 1910.

Quando Maria tinha 4 anos, teve o seu primeiro contato com a morte após a sua prima Isabel de Hesse não resistir a um ataque de febre tifóide quando se encontrava de férias com os Romanov na Polónia. Maria fez poucas referências a isso, mas, numa ocasião mostrou lidar bem com o assunto:

Cquote1.svg "Um dia a Maria estava a ver uma imagem de Nydia, a rapariga cega de Pompeia. Ela perguntou-me por que razão era ela cega. Eu respondi que Deus, às vezes, põe as pessoas cegas e ninguém sabe porquê. Então ela disse, "Eu conheço alguém que sabe." Eu disse, "Não, querida, acho que não. Ninguém sabe. "A prima Ella (Isabel de Hesse) sabe," respondeu ela, "ela está no céu a falar com Deus e Ele está-lhe a dizer como é que Ele o fez e porquê." Cquote2.svg

[15]

Maria tinha talento para desenhar e fazer caricaturas e usava sempre a mão esquerda, mas era geralmente desinteressada no seu trabalho escolar.[16] Era surpreendentemente forte e, por vezes, divertia-se ao demonstrar como conseguia levantar os seus tutores do chão.[17] A sua mãe, a czarina Alexandra Feodorovna incomodava-se com o seu peso, mas à medida que foi crescendo, ela perdeu muita de sua gordura de criança. Apesar de ser quase sempre simpática e gentil, havia alturas em que ela se tornava teimosa e, ocasionalmente, preguiçosa. A sua mãe queixou-se numa carta de que Maria estava "de mau humor" e estava "sempre a gritar" com as pessoas que a irritavam. Normalmente este mau humor coincidia com o seu período menstrual que era conhecido pela czarina e pelas filhas como "uma visita da Madame Becker ".[18]

Adolescência[editar | editar código-fonte]

Maria (no chão) com as suas irmãs Olga e Tatiana e um dos seus guardas.

A jovem Maria era uma sedutora nata e tinha inúmeras paixões por jovens soldados com quem se encontrava no palácio e durante as férias de família. Ela adorava crianças e, se não fosse uma Grã-duquesa, o seu maior sonho era casar-se com um soldado russo e ter 20 filhos.[19] Segundo Margaretta Eagar, a sua paixão por soldados começou desde muito cedo:

Cquote1.svg Um dia a pequena Grã-duquesa Maria estava a olhar pela janela para um regimento de soldados que marchavam por perto e exclamou: "Adoro estes soldados queridos; Quem me dera poder beijá-los a todos!" Eu disse: "Maria, meninas bem comportadas não beijam soldados." Alguns dias mais tarde, houve uma festa para crianças e os filhos do Grão-duque Constantino estavam entre os convidados. Um deles tinha já 12 anos, tinha entrado para os cadetes e veio envergando o seu uniforme. Ele queria cumprimentar a pequena prima com um beijo, mas ela cobriu a boca com a mão, afastou-se e disse com grande dignidade: "Vai-te embora soldado! Eu não beijo soldados." O rapaz ficou satisfeito por ser confundido com um soldado de verdade. Cquote2.svg

[20]

As cartas de Alexandra revelavam que a filha do meio da família, sentia-se, por vezes, insegura e excluída pelas suas irmãs mais velhas e temia que não fosse tão amada pelos pais como as outras. Alexandra assegurou-lhe de que todos a adoravam tanto como adoravam as irmãs e o irmão Alexei. Com 11 anos há relatos de que Maria desenvolveu uma dolorosa paixão por um jovem que tinha conhecido.[21]

Maria, Tatiana, Anastásia e Olga, em 1913.
Cquote1.svg Tenta não deixar os teus pensamentos prenderem-se nele, foi isso o que o Nosso Amigo (Rasputin) disse," escreveu-lhe Alexandra no dia 6 de Dezembro de 1910. A sua mãe aconselhou-a a manter os seus sentimentos escondidos porque outras pessoas podiam dizer coisas pouco simpáticas sobre a sua paixoneta.[21]

"Não devemos deixar os outros ver o que sentimos por dentro, quando eles sabem que não é considerado próprio. Eu sei que ele gosta de ti como uma irmã e ajudar-te-ia a não te importares demais, porque ele sabe que tu, uma pequena Grã-duquesa, não lhe deves dar grande importância."

Cquote2.svg

[22]

A Czarina Alexandra dava um diamante e uma pérola às filhas, todos os anos nos seus aniversários, então quando elas completaram 16 anos tinham um broche e um colar de pérolas.[23] Quando fez 16 anos, os seus pais presentearam-na com um anel de diamantes. Maria gostava muito de roupas e perfumes, mas não tanto quanto sua irmã Tatiana. Ela experimentava muitos perfumes, mas sempre acabava escolhendo o Lilas de Coty.[24]

As Grã-duquesas eram mal preparadas para a vida real, como observou a irmã do czar, a Grã-duquesa Olga Alexandrovna. Ela temia o futuro das princesas e o efeito sufocante do quarto das crianças no Palácio de Alexandre. Por isso, para expandir o círculo de amizade das Grã-duquesas, e introduzi-las no mundo real, Olga levava-as aos sábados para São Petersburgo. Lá se dirigiam ao palácio da avó onde havia festas especialmente feitas para elas, com danças e pessoas jovens para conhecerem. Com a chegada da Guerra, porém, essas festas foram interrompidas[25]

Em 1915, O príncipe Caros da Roménia - que dois anos antes recebeu a família imperial na Roménia com o objectivo de discutirem o seu casamento com a Grã-duquesa Olga - sugeriu ao czar Nicolau II casar-se com Maria, então com 16 anos. Nicolau riu e disse que Maria ainda era demasiado nova para pensar em casamento.[26]

Maria e as suas três irmãs eram, tal como a sua mãe, potenciais portadoras do gene da hemofilia. Um dos irmãos e dois sobrinhos de Alexandra, bem como dois dos seus tios maternos e muitos outros membros da sua família, eram já hemofílicos antes de a doença ser diagnosticada a Alexis, irmão mais novo de Maria.[27]

Ela própria teve uma grave hemorragia em Dezembro de 1914 durante uma operação para remover as amígdalas, de acordo com a sua tia, a grã-duquesa Olga Alexandrovna da Rússia, que foi entrevistada mais tarde na sua vida. O médico que fez a cirurgia ficou tão nervoso que teve de receber ordens para continuar por parte da mãe de Maria, Alexandra.[28] Olga Alexandrovna acreditava que todas as quatro sobrinhas sangravam mais do que o normal e que eram portadoras do mesmo gene de hemofilia que a mãe.[29]

Primeira Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Maria e Anastásia durante uma visita a um hospital em 1915.

Por serem demasiado novas para serem enfermeiras quando rebentou a Primeira Guerra Mundial, Maria e Anastásia dedicaram-se a abrir um hospital e a visitar soldados feridos no hospital onde trabalhavam as irmãs e a mãe. As duas adolescentes jogavam xadrez e bilhar com os soldados e tentavam animá-los. Um soldado ferido chamado Dmitri assinou o bloco de notas de Maria tratando-a pela sua alcunha.[30]

Durante a guerra, Maria e Anastásia também visitavam a escola de enfermagem e ajudavam a cuidar das crianças..[31] Quando queriam fazer uma pausa durante a guerra, Maria, as irmãs e a mãe visitavam às vezes o pai e o irmão Alexei quando eles estavam no quartel general em Mogilev. Durante estas visitas, Maria começou a sentir-se atraída por Nikolai Dmitrievich Demenkov, um oficial do quartel general. Quando voltavam a Czarskoye Selo era frequente que ela pedisse ao pai para mandar cumprimentos seus a Demenkov e até chegava a assinar as cartas que enviava ao czar como "Senhora Demenkov".[32]

Exílio e execução[editar | editar código-fonte]

Maria (ao centro) com as suas irmãs Anastásia e Tatiana no Palácio de Alexandre durante a recuperação da doença e já em exilio.

A Revolução rebentou em São Petersburgo perto da Primavera de 1917. No pico do caos, as irmãs de Maria e o irmão Alexei adoeceram com sarampo. A czarina manteve-se relutante em enviar os filhos para a sua residência segura em Gatchina que era ocupada por dinamarqueses, mesmo tendo sido aconselhada para o fazer. Maria foi a última dos cinco irmãos a adoecer e, enquanto esteve saudável, era a maior fonte de apoio da sua mãe.[17]

Maria foi rezar com os soldados que ainda se mantinham leais ao czar, com a mãe na noite de 13 de Março de 1917. Pouco depois, a adolescente de 17 anos adoeceu com sarampo ao qual se seguiu uma violenta pneumonia. Ao longo dos dias o seu estado de saúde complicou-se mais do que o esperado e chegou a ser necessária ajuda artificial para respirar por ter os pulmões bloqueados. Durante a sua doença, Maria costumava ter pesadelos onde soldados desconhecidos matavam a sua família. Foi devido ao seu grave estado de saúde que o Governo Provisório não insistiu para que, pelo menos os filhos, abandonassem rapidamente o país.[33]

O seu médico chegou mesmo a afirmar que não havia esperança de que a terceira Grã-duquesa conseguisse sobreviver mais de uma noite e pediu à dama-de-companhia da czarina que a preparasse para a morte da filha, mas esta recusou-se afirmando que Alexandra tinha já muito com que se preocupar depois da abdicação do czar e sabia perfeitamente da gravidade do estado de saúde da filha. Eventualmente, contra todas as probabilidades, Maria conseguiu passar a noite e começou a recuperar nos dias que se seguiram. Foi apenas quando estava quase completamente recuperada que recebeu a notícia da abdicação do pai. Nesta altura, o Governo Provisório começava já a perder a sua influência para os bolcheviques e era tarde demais para a família deixar o país.[33]

A família foi capturada e presa, primeiro na sua casa em Czarskoe Selo e mais tarde em residências de Tobolsk e Ekaterinburgo, na Sibéria. Maria tentou ser amável com os guardas em ambos os locais e aprendeu depressa os seus nomes e detalhes sobre as suas mulheres e filhos. Inconsciente do perigo a que estava sujeita, comentou em Tobolsk que seria feliz se vivesse lá para sempre se, pelo menos, a deixassem passear pelo jardim sem ser acompanhada pelos guardas continuamente.[34] Maria e a irmã Anastásia queimaram as suas cartas e diários em abril de 1918 por temerem que as suas coisas fossem revistadas.[35]

A czarina Alexandra escolheu Maria para a acompanhar a si e a Nicolau II quando receberam ordens para serem transferidos para Ekaterinburgo e a família ficou separada durante um mês em Maio de 1918.[34] De acordo com Sophie Buxhoevden, uma empregada que acompanhou a família, Maria tinha crescido muito durante os meses em que esteve presa com a família e a czarina sentia que podia confiar na sua terceira filha para a ajudar, uma vez que já não podia contar com a deprimida Olga nem com Anastásia que continuava a ser uma criança.[36] Tatiana ficou para tomar conta do irmão Alexei.

Maria procurava sempre ajudar a família, tentando sempre pensar positivo, como mostra esta carta que ela escreveu para os irmãos em Tobolsk: "É difícil escrever sobre alguma coisa feliz, porque existem muito poucas coisas felizes aqui. Por outro lado, Deus não nos abandonará. O Sol brilha, os pássaros cantam, e esta manhã ouvimos os sinos a tocar as suas matinas…"[37]

Durante os meses de cativeiro, Maria perdeu muito peso.[38] Mas muitos disseram que a Revolução fez com que ela mudasse "de uma criança para uma mulher". Lili Dehn, uma amiga da czarina Alexandra lembra:

Cquote1.svg Quando vi a Grã-duquesa Maria pela primeira vez, ela era uma criança quieta, mas durante a Revolução tornou-se muito devota a mim e eu a ela. Passávamos a maior parte do tempo juntas… ela era uma menina maravilhosa, tinha uma tremenda força interior e nunca entendeu a sua natureza generosa até esses dias terríveis. Era extremamente bonita, com a beleza clássica dos Romanov; os seus olhos eram azuis escuros, emoldurados por cílios longos, e tinha longos cabelos castanho claros. Maria era gorducha e a Imperatriz implicava ocasionalmente com isso; ela não era tão vivaz quanto suas irmãs, mas era mais decidida nos seus pontos de vista. A Grã-duquesa Maria sabia desde o inicio o que queria e porquê. Cquote2.svg

[39]

Maria (2º da dir.) com as suas irmãs Olga, Tatiana e Anastasia em 1916.

Nas cartas que enviou às irmãs nesta nova fase, Maria falou sobre a sua preocupação em relação às novas restrições a que a família foi sujeita. Ela e os pais foram revistados pelos guardas da Casa Ipatiev e avisados de que novas inspecções iriam surgir enquanto lá estivessem. Foi também construída uma vedação que limitava a vista para a rua.[40]

Cquote1.svg Que complicado é tudo agora, escreveu no dia 2 de Maio de 1918. Vivemos tão pacificamente durante 8 meses e agora começou tudo de novo. Cquote2.svg

[37]

Maria ocupou o tempo tentando fazer novas amizades com os guardas da "Casa Para Fins Especiais". Mostrou-lhes fotografias do seu álbum e conversou com eles sobre as suas famílias e as suas próprias esperanças para a nova vida em Inglaterra se fosse libertada. Alexander Strkotin, um dos guardas, recordou com apreço a sua beleza vigorosa e disse que ela nunca mostrou nenhum ar de grandeza.[41]

Um antigo sentinela recordou que Maria era frequentemente levada pela sua mãe com "murmúrios severos e zangados", aparentemente por ser demasiado simpática com os guardas.[41] Strekotin escreveu que as suas conversas começavam sempre com uma das raparigas a dizer: Estamos tão aborrecidas! Em Tobolsk tínhamos sempre alguma coisa para fazer. Já sei! Tentem adivinhar o nome deste cão! As adolescentes passavam pelos sentinelas a sussurrar e a dar risadas de uma forma que eles consideravam "sedutora".[42]

Quando um dia, um dos guardas contou uma anedota obscena às filhas do czar, deixando Tatiana bastante perturbada, Maria olhou-o nos olhos e disse, Porque não se sentem enojados com vocês mesmos quando usam essas palavras vergonhosas? Não imaginam que podem ofender uma mulher bem nascida com elas e pô-la contra vocês? Tenham mais respeito e então podemos dar-nos todos bem.[43]

Ivan Kleschev, um guarda de 21 anos, declarou que tinha intenções de casar com a Grã-duquesa e, se os pais dela recusassem, iria salvava-a da Casa Ipatiev.[44]

Ivan Skorokhodov, um outro guarda da casa, conseguiu trazer um bolo de aniversário para comemorar os 19 anos de Maria no dia 26 de Junho de 1918. Maria afastou-se com ele do grupo para um momento privado e foram descobertos por dois dos seus superiores que resolveram fazer uma inspecção surpresa à família. Skorokhodov foi removido da sua posição pouco depois e por manter amizade com uma prisioneira. Nas suas memórias, vários guardas afirmaram que tanto a czarina como a sua irmã Olga pareceram zangadas com Maria nos dias que se seguiram ao incidente e Olga evitava mesmo a sua companhia.[45]

Na noite de 16 de Julho de 1918, toda a família foi executada na cave da Casa Ipatiev, no entanto o que verdadeiramente terá acontecido a Maria e à sua irmã Anastásia permaneceu um dos maiores mistérios do século XX que só muito recentemente foi desvendado.

Rumores de sobrevivência e descoberta dos corpos[editar | editar código-fonte]

Santa Maria Nikolaevna Romanova
Santa Maria em 1915
Neomártir
Nascimento 14 de Junho de 1899 em São Petersburgo, Império Russo
Morte 17 de julho de 1918 (19 anos) em Ecaterinemburgo, URSS
Veneração por Igreja Ortodoxa
Beatificação 2000
Principal templo Igreja do Sangue, em Ecaterinemburgo
Festa litúrgica 17 de julho, juntamente com os demais membros assassinados dos Romanov[46]
Gloriole.svg Portal dos Santos

Segundo o relato de um dos assassinos, Maria terá conseguido fugir e chegou até um armazém onde bateu à porta, desesperada, pedindo ajuda. Mais tarde terá sido atingida por um tiro do Comissário Peter Emakov, que também a terá tentado esfaquear com a baioneta da arma e depois lhe deu um tiro na cabeça. Também se diz que ela poderá ter desmaiado e que conseguiu permanecer viva até que os corpos foram inspeccionados para que se tivesse a certeza de que toda a família estava morta. Maria terá gritado, o que fez com que fosse esfaqueada novamente. Quando a nova tentativa também falhou, diz-se que Emakov a terá agredido até ela se calar.[47] Até hoje, mesmo tendo-se encontrado todos os corpos, a sua causa de morte continua a ser desconhecida.

Depois do assassinato de Maria, o seu primo directo, Louis de Montbatten, filho da irmã mais velha de Alexandra, que se tinha apaixonado pela prima quando era mais novo, guardou sempre uma fotografia dela debaixo da almofada para preservar a sua memória. Ele próprio também acabaria por ser assassinado em 1979 por membros do Exercito Republicano Irlandês.[48]

A suspeita de que Maria teria sobrevivido ao massacre voltou a ser considerada quando os corpos da família e empregados que os acompanhavam foram descobertos e analisados em 1991. Logo no dia em que se procedeu à abertura da sepultura, se chegou à conclusão de que faltavam dois corpos.

Após a análise dos corpos com a mais alta tecnologia da altura, houve um dilema entre a equipa de cientistas americana e a russa, uma vez que os primeiros afirmavam que os corpos que faltavam eram os de Alexei e Anastásia e os outros diziam ter a certeza de que se tratava de Alexei e Maria.[49]

O assunto da possível sobrevivência de Maria é mesmo retratado de uma forma fantasiada no livro The Kitchen Boy - Os últimos dias dos Romanov de Robert Alexander que conta a história de um suposto ajudante de cozinha que viveu com a família real os dias de exílio na Casa Ipatiev e acaba por salvar a Grã-duquesa.

No dia 23 de Agosto de 2007, um arqueólogo russo anunciou que tinha descoberto partes de dois esqueletos queimados perto do local onde foram encontrados os restantes Romanov.[50] Após 8 meses de exames intensivos complicados por diversas vezes devido ao avançado estado de deterioração dos restos mortais, no dia 30 de Abril de 2008, foi anunciado durante uma conferência de imprensa que os corpos pertenciam a Alexei e Maria, terminando assim um dos maiores mistérios do século XX.[51]

Agora preparam-se os últimos pormenores para que os dois membros perdidos dos Romanov se juntem à sua família na Fortaleza de Pedro e Paulo onde se encontram enterrados todos os czares e famílias desde Pedro, o Grande.

Maria foi, assim, assassinada juntamente com a sua família quando tinha 19 anos. Encontra-se sepultada na Fortaleza de Pedro e Paulo, em São Petersburgo na Rússia.[52]

Canonização[editar | editar código-fonte]

Em 2000, Maria e sua família foram canonizados como Portadores da Paixão pela Igreja Ortodoxa Russa. A família foi anteriormente canonizada em 1981 pela Igreja Ortodoxa Russa no estrangeiro como Neomártires. Os corpos do czar Nicolau II, da czarina Alexandra e de três filhas foram finalmente enterrados na Catedral de São Pedro e Paulo em São Petersburgo a 17 de Julho de 1998, oitenta anos após seu assassinato.[53] [54]

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Kurth (1983), p. 417.
  2. Diários de Nicolau II de 1899
  3. Diários de Xenia Alexandrovna de 1899
  4. Massie (1967), p. 135
  5. Gilliard, Pierre. "Thirteen Years at the Russian Court"
  6. Vyrubova, Anna. "Memories of the Russian Court".
  7. Buxhoeveden, Sofhie. "The Life and Tragedy of Alexandra".
  8. Massie (1967), p. 132
  9. Margaretta Eager - "Six Years at the Russian Court
  10. Título ainda não informado (favor adicionar).
  11. Buxhoeveden, Sophie "The Life and Tragedy of Alexandra".
  12. Kurth (1983), p. 138
  13. Maylunas and Mironenko (1997), p. 337
  14. Dehn, Lili (1922). "The Real Tsaritsa". alexanderpalace.org
  15. a b Eagar, Margaret (1906). ""Six Years at the Russian Court"". alexanderpalace.org.
  16. Buxhoeveden, Baroness Sophie. "The Life and Tragedy of Alexandra Feodorovna". alexanderpalace.org
  17. a b Gilliard, Pierre. "Thirteen Years at the Russian Court
  18. Mironenko and Maylunas (1997), p. 463
  19. Massie (1967), p. 133
  20. Eagar, Margaret (1906). ""Six Years at the Russian Court"". [1].
  21. a b Maylunas and Mironenko (1997), p. 336
  22. Cartas de Alexandra de 1910
  23. Carolly Erickson: Alexandra, A Última Czarina
  24. Massie, Robert K. (1969) p.127
  25. Biographies - Grand Duchess Olga Alexandrovna (em inglês). Página visitada em 24 de maio de 2013.
  26. Massie, Robert K. (1969) p. 235
  27. Radzinsky (2000), pp. 129-130.
  28. Vorres (1965), p. 115.
  29. Zeepvat, p. 175
  30. Kurth (1983), p. 417
  31. Bokhanov et al. (1993), p. 125
  32. Bokhanov et al., p. 125
  33. a b http://forum.alexanderpalace.org/index.php?topic=5235.0
  34. a b Christopher et al. (1995), p. 180
  35. Maylunas and Mironenko (1997), p. 613
  36. Buxhoeveden, Baroness Sophie. "The Life and Tragedy of Alexandra Feodorovna". alexanderpalace.org
  37. a b cartas de Maria Nikolaevna de 1918
  38. Cartas de Alexandra Feodorovna de 1918
  39. Título ainda não informado (favor adicionar).
  40. Maylunas and Mironenko (1997), p. 618
  41. a b King and Wilson (2003), p. 238
  42. King and Wilson (2003), p. 240.
  43. King and Wilson (2003), p. 242
  44. King and Wilson (2003), p. 243
  45. King and Wilson (2003), pp. 242-247
  46. Maxim Shevchenko (31 de maio de 2000). The Matter Has Been Resolved (em inglês). Nezavisemaya Gazeta. Página visitada em 30/06/2012.
  47. King and Wilson (2003), p. 470
  48. King and Wilson (2003), p. 49
  49. Massie (1995), p. 67
  50. notícia, acesso em dezembro de 2008. (em português).
  51. Eckel, Mike (2008). ""DNA confirma identidade de filha do czar". yahoo.com (em inglês) (acesso em abril de 2008).
  52. Maria Nikolaevna Romanova (em inglês) no Find a Grave.
  53. Shevchenko, Maxim (2000) "The Glorification of the Royal Family" Nezavisimaya Gazeta
  54. GROUNDS FOR CANONIZATION OF THE TSAR FAMILY (em inglês). Pravoslavie. Página visitada em 26/10/2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maria Nikolaevna Romanova
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Maria Nikolaevna Romanova