Puerto Madero

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Puerto Madero
Buenos Aires 2.0.jpg
Dados
População 8.000 (INDEC)
Área 2,1 km²
Densidade populacional 3.810 hab/km²
Dia do bairro 8 de março
Mapa
PMadero-Buenos Aires map.png
Flag of Argentina.svg
Bairro da cidade de
Buenos Aires

Puerto Madero é um bairro nobre da cidade de Buenos Aires. Hoje, é um dos bairros mais modernos da cidade, sendo um centro financeiro e gastronômico desta capital.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Buenos Aires possuía problemas históricos em relação ao descarregamento de navios em sua costa devido à baixa profundidade do rio da Prata. Os navios tinham que desembarcar seus passageiros e mercadorias em outras embarcações até chegar em terra. Em 1882 o governo federal contratou o engenheiro Eduardo Madero, razão do nome do bairro, para ser encarregado da construção de um novo porto que poderia resolver esses contratempos.

O porto foi criado na última década do século XIX, embora alguns equipamentos tenham sido instalados anteriormente. Apresentava fisionomia similar ao porto de Londres, sendo um marco da engenharia da época. No entanto uma década depois ficara obsoleto, devido o aparecimento de grandes navios de carga. Com isso o engenheiro Luis Huergo propôs a criação de outro porto, seus planos resultaram no "Puerto Nuevo" (Porto Novo), que opera até os dias atuais. Esse, concluído em 1926, deixou Puerto Madero supérfluo fazendo suas adjacências serem uma das áreas mais degradadas da cidade.

Ao longo sucessivas propostas para reurbanização do porto antigo ou para sua completa demolição, no entanto nenhum desses planos se contretizou. Até que em 15 de novembro de 1989 o Ministério de Obras e Serviços Públicos, o Departamento do Interior e da Cidade de Buenos Aires assinaram os atos constitutivos para criação de uma sociedade anônima denominada "Corporação Antigo Puerto Madero", os governos da Nação e da cidade participaram como parceiros igualitários. A instituição visava a urbanização da área, o que interessou à iniciativa privada. O acordo assinado dava a transferência da totalidade da área para a Puerto Madero Old Corporation SA, enquanto o governo da cidade ficou encarregado da regulamentação do desenvolvimento urbano.

Década de 1990 em diante
Vista noturna do bairro nobre.

O governo municipal iniciou, com o apoio da cidade de Barcelona, estudos do plano de revitalização, houve a convocação um concurso nacional de idéias em 1991, a partir desse surgiu o "plano mestre" para o novo bairro. A realização desse plano significou a maior obra do gênero realizada em Buenos Aires com um investimento total, por parte do Estado, de cerca de um bilhão de dólares. Foram abertas várias ruas e avenidas, que posteriormente receberam nomes de influentes mulheres latino-americanas. Foram criados também parques e monumentos.

Na década de 1990, houve um investimento estrangeiro maciço que regenerou a paisagem urbana, havendo a reciclagem e recuperação dos armazéns do lado oeste que tornaram-se elegantes residências, escritórios, lofts, universidades privadas, hotéis de luxo e restaurantes.

A edificação do Hilton Buenos Aires em 1999 trouxe salas cinemas multiplex, teatros, centros culturais, edifícios corporativos e a Universidad Católica Argentina, localizados principalmente no lado leste. O bairro foi reconstruído a partir de projetos de arquitetos de renome, como: Santiago Calatrava, Norman Foster, César Pelli e Phillippe Starck, dentre outros.

Devido às recessões enfrentadas pelo país entre 1998 e 2002 muitas obras previstas para o bairro foram suspensas. Através da recuperação experimentada pela economia argentina a partir de 2003 houve um novo impulso imobiliário. Puerto Madero foi dividido em 4 regiões, chamadas de "Diques".

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Bairro visto da Reserva Natural Costanera Sur.

É um dos projetos de renovação urbana mais bem sucedidos do mundo, feito em menos de duas décadas. Abriga alguns dos maiores arranha céus argentinos, além de diversos monumentos, como a Puente de la Mujer (Ponte das Mulheres) do arquiteto espanhol Santiago Calatrava e a Fragata Presidente Sarmiento, o primeiro navio da Argentina que atualmente é utilizado como museu.

Desde 2000 inúmeros arranha-céus residenciais de até 50 andares foram construídos de frente para o Rio de la Plata. Estes incluem: El Mirador de Puerto Madero Towers, Towers Renoir, El Faro Towers, Torre de Chateau Puerto Madero e Torres Mulieris entre outros. Escritórios e hotéis também estão sendo construídos, como a sede da Repsol YPF e da Conrad Buenos Aires Hotel & Resort, cuja construção está prevista para começar no final de 2008 e conclusão prevista para finais de 2010.[2]

O aumento dos preços dos imóveis têm gerado interesses aos investidores estrangeiros, o que torna Madero o bairro mais caro e exclusivo da cidade. É uma área muito visitada por turistas, possui três hotéis de cinco estrelas, são: o Hilton Buenos Aires, o Faena Hotel e o Hotel Madero (antigo Sofitel), há também extensas áreas verdes dedicadas ao lazer, o Parque Natural Costanera Sur e a Reserva Ecológica.

Inaugurado em 2007 o Tranvía del Este ou “Puerto Madero Tramway” é uma línha férrea de 2 km que corta o bairro. No entanto, ainda não está ligada ao trânsito da cidade, restrita à região. Poucas linhas de ônibus percorrem o mesmo e não possui estações de metrô. [3]

Vista do Puerto Madero em 2010.
Vista do Puerto Madero em 2010.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Puerto Madero

Notas e referências