Apple Pay

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Apple Pay
Apple Pay logo.svg
Desenvolvedor Apple Inc.
Plataforma Lojas Físicas, Apps e Online
iPhone X, 8 / 8 Plus, iPhone 7 / 7 Plus, iPhone 6 / 6 Plus, iPhone SE, Apple Watch (todos).
Apps e Online
iPad Air 2, iPad Pro, IPad mini 3, IPad mini 4, MacBook Pro.
Lançamento 20 de outubro de 2014; há 7 anos
Sistema operativo iOS, MacOS, WatchOS, iPadOS
Gênero(s) Sistema de pagamento móvel
Licença Privada
Página oficial Apple Pay (em português brasileiro).
Apple Pay (em português europeu).

O Apple Pay é um sistema de pagamento por aproximação e carteira digital desenvolvido pela Apple Inc. que possibilita aos usuários realizarem pagamentos usando dispositivos da Apple. Seu lançamento oficial nos Estados Unidos aconteceu no dia 20 de outubro de 2014.[1] No Brasil, seu lançamento foi em 04 de abril de 2018[2] e em Portugal foi a 26 de junho de 2019.[3] O pagamento em lojas físicas, virtuais e em aplicativos está disponível em todos os modelos de iPhone a partir do iPhone 6 e na linha de relógios inteligentes Apple Watch. No iPad e Macbook está disponível somente em pagamentos online.[4]

Serviço[editar | editar código-fonte]

A ideia do Apple Pay é que você substitua sua carteira ou cartão de crédito físico por compras sem fio (via NFC), usando a internet do aparelho e autenticando a transação a partir do sensor biométrico da empresa, o Touch ID. O sistema funciona em integração com o aplicativo Wallet (Aplicativo de armazenamento de cartões de embarque, tíquetes e cupons, lançado com o iOS 7). Agora, ele suporta também cartões de crédito e débito. Para realizar o cadastro dos cartões, é necessário usar a câmera traseira do iPhone para capturar a frente do cartão ou adicionar informações como seu nome e o número do documento manualmente. Os estabelecimentos credenciados possuem uma máquina que funciona como um leitor do seu smartphone, que ao aproximar o aparelho de um terminal, a antena receptora NFC irá fazer todo o trabalho. O seu dedo precisa estar posicionado no botão "Home", que possui o sensor biométrico para identificação. Uma pequena vibração no aparelho indica que a transação foi aprovada. Para transações online, como em apps, um simples toque e o dedo posicionado no Touch ID confirmam a compra.[5]

Segurança[editar | editar código-fonte]

Os códigos associados aos cartões ficam armazenados de forma criptografada em um chip separado chamado de Secure Element. Os números dos cartões e suas respectivas senhas não ficam no aparelho ou nos servidores da empresa, pois os códigos dos cartões são validados junto às instituições financeiras. Ao invés de usar o código de segurança do verso do cartão, o Apple Pay gera, também a partir do Secure Element, uma sequência dinâmica exclusiva para cada transação. Em caso de perda ou roubo do iPhone, a pessoa poderá anular transações indevidas pelo "Buscar meu iPhone" (disponível no site do iCloud) sem ter que cancelar o cartão.[6]

Disponibilidade[editar | editar código-fonte]

Instituições financeiras no Brasil[editar | editar código-fonte]

Instituições financeiras em Portugal[editar | editar código-fonte]

Países disponíveis[editar | editar código-fonte]

Disponibilidade global do Apple Pay
Azul escuro: Disponível
Cinzento: Suspenso
Data País
20 de outubro de 2014  Estados Unidos
14 de julho de 2015  Reino Unido
17 de novembro de 2015  Canadá
19 de novembro de 2015  Austrália
18 de fevereiro de 2016  China
19 de abril de 2016  Singapura
7 de julho de 2016  Suíça
19 de julho de 2016  França
20 de julho de 2016  Hong Kong
4 de outubro de 2016  Rússia (suspenso desde 25 de março de 2022)[12]
13 de outubro de 2016  Nova Zelândia
25 de outubro de 2016  Japão
1 de dezembro de 2016  Espanha
7 de março de 2017  Irlanda
 Guernsey
 Ilha de Man
 Jersey
29 de março de 2017  Taiwan
17 de maio de 2017  Itália
 San Marino
 Vaticano
24 de outubro de 2017  Suécia
 Dinamarca
 Finlândia
 Emirados Árabes Unidos
4 de abril de 2018  Brasil
17 de maio de 2018  Ucrânia
19 de junho de 2018  Polónia
20 de junho de 2018  Noruega
28 de novembro de 2018  Cazaquistão
 Bélgica
11 de dezembro de 2018  Alemanha
19 de fevereiro de 2019  Arábia Saudita
 Chéquia
24 de abril de 2019  Áustria
8 de maio de 2019  Islândia
21 de maio de 2019  Hungria
 Luxemburgo
11 de junho de 2019  Países Baixos
26 de junho de 2019  Bulgária
 Croácia
 Chipre
 Estónia
 Grécia
 Letónia
 Liechtenstein
 Lituânia
 Malta
 Portugal
 Roménia
 Eslováquia
 Eslovénia
2 de julho de 2019  Ilhas Faroe
6 de agosto de 2019  Macau
3 de setembro de 2019  Geórgia
19 de novembro de 2019  Bielorrússia
28 de janeiro de 2020  Montenegro
30 de junho de 2020  Sérvia
23 de fevereiro de 2021  México
30 de março de 2021  África do Sul
5 de maio de 2021  Israel
17 de agosto de 2021  Catar
5 de outubro de 2021  Bahrein
 Palestina
2 de novembro de 2021  Azerbaijão
 Colômbia
 Costa Rica
18 de janeiro de 2022  Arménia
15 de março de 2022  Argentina
 Peru
5 de abril de 2022  Moldova
TBD  Chile
 Egito
 Malásia

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Apple Pay e iOS 8.1 estreiam nesta segunda-feira». Terra. 20 de outubro de 2014. Consultado em 28 de Março de 2015 
  2. «Apple Pay começa a funcionar no Brasil». Olhar Digital. 4 de abril de 2018. Consultado em 28 de março de 2021 
  3. «Apple Pay chega a Portugal através da Mastercard e Visa (mas só a alguns bancos)». Observador. 26 de junho de 2019. Consultado em 24 de outubro de 2021 
  4. «Apple Pay» (em inglês). Apple. Consultado em 28 de Março de 2015 
  5. «Como funciona o Apple Pay, o novo sistema de pagamentos do iPhone». TecMundo. 13 de setembro de 2014 
  6. «Apple Pay é o serviço de pagamentos via NFC dos novos iPhones». Tecnoblog. 9 de setembro de 2014 
  7. a b c Diogo Marques (27 de julho de 2019). «Apple Pay está disponível em Portugal». Espalha-Factos. Consultado em 16 de julho de 2019 
  8. «Notícias do dia». Aberto até de Madrugada. 16 de julho de 2019. Consultado em 17 de julho de 2019 
  9. a b Maria Teixeira Alves (2 de junho de 2020). «Millennium bcp e ActivoBank disponibilizam Apple Pay aos clientes». O Jornal Económico. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  10. Maria Teixeira Alves (4 de agosto de 2020). «Santander permite pagamentos com Apple Pay». O Jornal Económico. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  11. André Fonseca (25 de fevereiro de 2022). «Apple Pay chega aos clientes do BPI». ifeed.pt. Consultado em 16 de julho de 2022 
  12. Emma Roth (26 de março de 2022). «Apple Pay closes loophole that allowed Russian users to pay with Mir cards». theverge.com (em inglês)