Estandarte de Ouro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estandarte de Ouro
Logotipo da premiação
Descrição Prêmio destinado aos segmentos que se destacaram nos desfiles das escolas de samba da Série A e do Grupo Especial do carnaval da cidade do Rio de Janeiro
Data Durante o carnaval (Fevereiro/Março)
Organização Jornal O Globo
Local Rio de Janeiro Município do Rio de Janeiro
País  Brasil
Primeira cerimônia 1972

Estandarte de Ouro é o mais antigo e importante prêmio extraoficial do carnaval do Rio de Janeiro, sendo conhecido como "Óscar do samba" ou "Óscar do carnaval", numa referência ao Prêmio Óscar.[1][2][3] Foi criado em janeiro de 1972, numa conversa de bar entre funcionários do Jornal O Globo, dentre eles, os jornalistas Heitor Quartin, Henrique Caban, Roberto Paulino, e o gerente de promoções Péricles de Barros.[4][5][6] O prêmio é organizado e oferecido pelo Jornal O Globo à personalidades e segmentos que se destacaram nos desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro.[7]

A primeira edição ocorreu no carnaval de 1972, sendo entregues prêmios em dez categorias.[8] Ao longo dos anos, novas categorias foram criadas, enquanto outras foram extintas. Desde 2014 são entregues quinze prêmios ao Grupo Especial (a primeira divisão do carnaval carioca) e dois prêmios à Série A (a segunda divisão).[9][10] A premiação é dividida em categorias individuais (como melhor mestre-sala, melhor porta-bandeira, entre outras) e categorias coletivas (melhor samba-enredo, melhor bateria, entre outras). O Estandarte de melhor escola é considerado o prêmio principal. Um júri formado por jornalistas e artistas ligados à música e às artes assistem aos desfiles em um camarote reservado no Sambódromo da Marquês de Sapucaí, e, após a última apresentação, se reúnem, em um debate, para eleger os premiados em cada categoria. O resultado é divulgado ao final da reunião, na terça-feira de carnaval, pouco depois do último desfile. Cerca de uma semana após o desfile das campeãs, é organizada uma festa para a entrega dos troféus aos vencedores.

Estação Primeira de Mangueira é a maior vencedora da categoria principal, de melhor escola, com oito Estandartes.[3] No ranking geral, somando todas as categorias, a Mangueira também é a maior vencedora da premiação, seguida pelo Salgueiro.[11][12] Entre as personalidades mais premiadas estão os carnavalescos Renato Lage, Rosa Magalhães e Joãosinho Trinta; os compositores Aluízio Machado, Arlindo Cruz e Martinho da Vila; os intérpretes Jamelão, Neguinho da Beija-Flor e Nêgo; os diretores de bateria Mestre Louro e Mestre Átila; os coreógrafos Fabio de Mello e Carlinhos de Jesus; as porta-bandeiras Selminha Sorriso, Neide da Mangueira, Rita Freitas e Vilma Nascimento; e os mestres-sala Claudinho, Élcio PV e Ronaldinho.[13][14] Dentre os sambas-enredo premiados pelo Estandarte, estão "Bumbum Paticumbum Prugurundum" (1982) do Império Serrano, "Kizomba, a festa da raça" (1988) da Unidos de Vila Isabel, "Liberdade, liberdade, abra as asas sobre nós!" (1989) da Imperatriz Leopoldinense e "Aquarela Brasileira" (1964/2004) do Império Serrano.

Ao longo dos anos, o Estandarte de Ouro se tornou uma "via alternativa" ao resultado do concurso oficial.[7] Por vezes, o resultado do Estandarte difere do resultado do carnaval, visto que a escolha dos premiados se dá através de um consenso, diferente do resultado do concurso oficial, obtido através de um somatório de notas. Desprezando o sentido técnico das apresentações, o Estandarte já premiou desfiles problemáticos como "Deu a louca no barroco" da Mangueira (8.º lugar no carnaval de 1990) e desfiles considerados "injustiçados" pelo concurso oficial como "Ratos e urubus, larguem minhas fantasias" da Beija-Flor (Vice-campeã em 1989).[15][16]

Criação e organização[editar | editar código-fonte]

A ideia de criar a premiação foi concebida em janeiro de 1972, numa conversa de bar entre funcionários do Jornal O Globo, dentre eles, os jornalistas Henrique Caban, Heitor Quartin, Roberto Paulino, e o gerente de promoções, Péricles de Barros.[4][5][6] A premiação foi oficialmente anunciada na edição do Jornal O Globo do dia 27 de janeiro de 1972, duas semanas antes do início dos desfiles daquele ano.[8] O prêmio foi criado com a finalidade de exaltar individualmente os artistas dos desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro. Tem como premissa "o desprezo ao luxo comprado pelo dinheiro e a consagração da essência do espetáculo".[4] Desde sua criação, é organizado pelo Jornal O Globo. Ao longo dos anos, contou com diversos patrocinadores, como Banco do Brasil, Sky, Prezunic, Barra Shopping, Itaipava, Nova Rio e Leroy Merlin; além do apoio da Riotur.[17]

Categorias[editar | editar código-fonte]

Claudinho e seu Estandarte de Ouro de melhor mestre-sala, categoria presente desde a primeira edição da premiação.

Em sua primeira edição, no ano de 1972, o Estandarte de Ouro contou com dez categorias (samba-enredo, enredo, bateria, porta-bandeira, mestre-sala, ala, fantasia, destaques feminino e masculino e melhor comunicação com o público - a categoria principal da edição).[8][2]

No ano seguinte, foi criado o prêmio de melhor escola, que passou a ser a categoria principal. Na mesma edição, o prêmio passou a contemplar também a segunda divisão do carnaval carioca, com a criação da categoria melhor samba-enredo do Grupo 2.[18]

Em 1976, foi extinta a categoria que premiava a melhor fantasia. Na sexta edição (em 1977), o número de categorias subiu para 16 com a criação dos prêmios de melhor passistas feminino e masculino, personalidade feminina e masculina e revelação. Em 1980 foi criada a categoria melhor comissão de frente.[18]

De 1981 a 1983, o prêmio de melhor escola não foi entregue. Nesse período, o prêmio de melhor comunicação com o público foi o principal da premiação. Em 1982, foi criada a categoria melhor intérprete. Em 1984, o prêmio de melhor comunicação foi extinto, e o de melhor escola voltou a ser entregue, ocupando o lugar de categoria principal. Em 1985, foram criadas as categorias melhor ala de baianas e melhor ala de crianças.[18]

Na edição de 1986, foi criada uma nova categoria para premiar a segunda divisão do carnaval, a categoria melhor escola do Grupo 2. Em 1987, foram extintas as categorias que premiavam o melhor destaque feminino e masculino.[18] Em 1988 foi criada a categoria Personalidade, extinguindo-se as categorias individuais (personalidade feminina e masculina). Na mesma edição, foi extinto o prêmio de melhor escola do Grupo 2.[18] Em 1995 foi extinta a categoria melhor ala de crianças.[18] Em 2006, a segunda divisão voltou a ser contemplada com o prêmio de melhor escola.[18] Na edição de 2014, foi criada a categoria melhor ala de passistas.[19] Em 2015, o autor Aguinaldo Silva recebeu uma homenagem especial por retratar o carnaval carioca em suas telenovelas.[20]

Em cinco edições foram entregues prêmios especiais: em 1973 para Silas de Oliveira (in memoriam - o compositor do Império Serrano, morreu no ano anterior); em 1985 para Fernando Pinto (na época, carnavalesco da Mocidade); em 1986 para Joãosinho Trinta (na época, carnavalesco da Beija-Flor); em 2012 para Oscar Niemeyer (arquiteto responsável pelo projeto do Sambódromo da Marquês de Sapucaí); e em 2013 para Fernando Pamplona (ex-carnavalesco do Salgueiro).[21][22]

Desde 2014, são entregues 17 prêmios (dois para a Série A e quinze para o Grupo Especial).

Ativas
  • Melhor samba-enredo (1972–presente)[23]
  • Melhor enredo (1972–presente)[24]
  • Melhor bateria (1972–presente)[25]
  • Melhor mestre-sala (1972–presente)[26]
  • Melhor porta-bandeira (1972–presente)[27]
  • Melhor ala (1972–presente)[28]
  • Melhor escola (1973–1980; 1984–presente)[29]
  • Melhor samba-enredo do Grupo de Acesso (1973–presente)[30]
  • Melhor passista feminino (1977–presente)[31]
  • Melhor passista masculino (1977–presente)[32]
  • Revelação (1977–presente)[33]
  • Melhor comissão de frente (1980–presente)[34]
  • Melhor intérprete (1982–presente)[35]
  • Melhor ala de baianas (1985–presente)[36]
  • Melhor escola do Grupo de Acesso (1986–1987; 2006–presente)[18][37]
  • Personalidade (1988–presente)[38]
  • Melhor ala de passistas (2014–presente)[19]

Regular

  • Prêmio especial[21]
Extintas
  • Melhor comunicação com o público (1972–1983)[18]
  • Melhor destaque feminino (1972–1986)[39]
  • Melhor destaque masculino (1972–1986)[40]
  • Melhor fantasia (1972–1975)[41]
  • Personalidade feminina (1977–1987)[38]
  • Personalidade masculina (1977–1987)[38]
  • Melhor ala de crianças (1985–1994)[42]

Jurados[editar | editar código-fonte]

Os jurados da edição de 2012 em debate após os desfiles.

O júri da premiação é formado por jornalistas, repórteres e colunistas do Jornal O Globo, da Rede Globo e da Rádio Globo; além de artistas ligados à música e às artes.[1] Também fazem parte do júri, personalidades ligadas ao carnaval, como carnavalescos, coreógrafos e diretores de bateria - desde que não estejam trabalhando nas escolas de samba a serem julgadas.[43]

Entre os jurados, também é comum encontrar artistas que já foram premiados pelo Estandarte de Ouro, antes ou depois da passagem pelo júri, como os carnavalescos Fernando Pamplona e Maria Augusta, o compositor Moacyr Luz, o diretor de bateria Mestre Odilon Costa, e o coreógrafo Carlinhos de Jesus.[44]

O júri assiste à todos os desfiles, porém, cada jurado fica responsável por fazer um balanço de uma escola diferente e apresentar no debate após o desfile. Um dos jurados é o coordenador do grupo, responsável por mediar o debate. O júri não é fixo, sendo comum alterações a cada nova edição.[43]

Personalidades que fizeram ou ainda fazem parte do júri do Estandarte de Ouro:

  • João Saldanha (jornalista, escritor e treinador de futebol)[4]
  • José Carlos Rêgo (jornalista e pesquisador de samba)[7]
  • Leonardo Bruno (jornalista e escritor)[44]
  • Luiz Antônio Simas (escritor, professor e historiador)[7]
  • Luís Filipe de Lima (violonista, arranjador, compositor, jornalista, ator, e diretor teatral)[44]
  • Lygia Santos (Pesquisadora, historiadora, e filha do compositor Donga e da cantora Zaíra de Oliveira)[48]
  • Macedo Miranda Filho (jornalista, repórter, produtor audiovisual, e diretor de televisão)[7]
  • Marcelo de Mello (jornalista e escritor)[44]
  • Marceu Vieira (jornalista e compositor)[46]
  • Maria Augusta (carnavalesca, figurinista, com passagens por escolas de samba, e premiada pelo Estandarte de Ouro)[44]
  • Maria Júlia Goldwasser (escritora, antropóloga, historiadora e pesquisadora)[7]
  • Mestre Odilon Costa (percursionista, diretor de bateria, com passagens por escolas de samba, e premiado pelo Estandarte de Ouro)[44]
  • Moacyr Luz (músico, cantor, compositor, com passagens por escolas de samba, e premiado pelo Estandarte de Ouro)[7]
  • Rachel Valença (professora, pesquisadora e escritora)[44]
  • Ricardo Cravo Albin (musicólogo, escritor e historiador)[7]
  • Ricardo Moraes (instrumentista)[7]
  • Roberto Moura (jornalista, escritor professor, e crítico musical)[7]
  • Roberto Paulino (jornalista, escritor, ex-presidente da Estação Primeira de Mangueira, e um dos criadores do Estandarte de Ouro)[4]
  • Sérgio Cabral (jornalista, escritor, compositor, e pesquisador)[7]
  • Valcir Araújo (jornalista)[4]
  • Vicente de Pércia (poeta e escritor)[7]

Escolha dos premiados[editar | editar código-fonte]

A escolha dos premiados pelo Estandarte de Ouro funciona de forma diferente da maioria das premiações de carnaval (através de votação) ou do concurso oficial (através de notas). O júri assiste aos desfiles reunido em um camarote exclusivo.[5] Durante os desfiles, os segmentos das escolas de samba fazem uma apresentação especial ao júri da premiação, em frente ao camarote da equipe. Todos os jurados assistem todos os desfiles, porém, cada jurado é relator de uma escola diferente. Ao final dos desfiles, o júri se reúne no auditório do Jornal O Globo, a poucos metros do Sambódromo e iniciam o debate, que costuma demorar até quatro horas de duração.[43][44]

"Tudo é discutido de forma conjunta. Cada jurado é relator de uma escola em particular e tem atenção acurada em cima dela. Se alguém discordar da opinião dessa pessoa e tiver algo a dizer, funciona mais ou menos como num casamento: ou contesta na hora ou se cala para sempre."

—Argeu Affonso, coordenador do júri em 2011, explicando como funcionam os debates.[43]

Um dos jurados é o coordenador do grupo, que faz a mediação da discussão. Cada jurado faz um balanço sobre o desfile da escola que ficou responsável e os demais jurados opinam concordando ou não. Ao final do balanço sobre os desfiles, o júri começa à escolher os vencedores. Os vitoriosos são escolhidos através de um consenso. O prêmio de melhor escola é o primeiro a ser escolhido. A lista completa com os vencedores é divulgada no site do Jornal O Globo após o término dos desfiles, na manhã de domingo (no caso da Série A) e na manhã da terça-feira de carnaval (no caso do Grupo Especial).[43]

Cerimônia de premiação[editar | editar código-fonte]

Estandarte de Ouro de melhor samba-enredo de 2011.

A cerimônia de entrega dos prêmios acontece durante uma festa com a presença dos titulares premiados e a apresentação de diversos segmentos das escolas de samba. A data de realização varia de ano para ano. A cerimônia recebe ampla cobertura da imprensa carnavalesca e dos jornais das Organizações Globo. Na primeira edição, em 1972, os prêmios foram entregues na quarta-feira de cinzas, ao vivo, no programa Discoteca do Chacrinha, da Rede Globo. Sendo esta, a única vez em que a premiação foi transmitida por uma rede de televisão.[8] Nos anos seguintes, a festa de premiação passou pela Rua Irineu Marinho (em frente à sede do Jornal O Globo), Canecão e Vivo Rio.[4] Em 2015 e 2016, aconteceu na Cidade do Samba Joãozinho Trinta. E em 2017, foi realizada na Cidade das Artes.[3]

A condecoração entregue aos vencedores consiste num quadro de vidro com uma placa metálica gravada com a logomarca da premiação e as inscrições da categoria e dos titulares do prêmio. As condecorações são entregues aos titulares dos prêmios individuais (mestre-sala, porta-bandeira, passistas); e nas categorias coletivas, o prêmio é entregue ao responsável pelo segmento (diretor de bateria, no casa da bateria; coreógrafo, no caso da comissão de frente). O Estandarte de Ouro de melhor escola é entregue ao presidente da escola e fica exposto na sala de troféus da agremiação vencedora. A premiação também oferece réplicas menores da condecoração aos componentes das categorias coletivas, como os ritmistas da bateria premiada e o carnavalesco da eleita melhor escola.[43]

Comparações com o concurso oficial[editar | editar código-fonte]

É comum surgirem comparações entre o resultado do Estandarte de Ouro e o resultado do concurso oficial das escolas de samba.[49] No entanto, os dois processos são distintos.

Diferenças[editar | editar código-fonte]

Corpo de jurados

Estandarte de Ouro: O júri da premiação é formado por pessoas ligadas ao carnaval, sejam jornalistas, músicos ou estudiosos. Alguns participantes já desempenharam funções em escolas de samba, como diretores de bateria, compositores ou coreógrafos.[43][44]

Concurso oficial: O júri do concurso oficial é técnico (julgadores de bateria entendem de percussão, de mestre-sala e porta-bandeira são formados em dança, e assim por diante). Os jurados não podem ter ligação direta com as escolas de samba e seus dirigentes.[50]

Local de julgamento

"Nunca foi propósito do Estandarte se igualar ao resultado da Liga. [...] A melhor escola para a Liga é um somatório de quesitos. Para nós, é a mais bonita, a mais vibrante, a que empolga mais."

—Argeu Affonso, em 2011, sobre as comparações com o concurso oficial.[2]

"O Estandarte valoriza o que a escola tem de bom, os grandes acertos, enquanto que a Liesa, tira ponto dos erros"

Bruno Chateaubriand, ex-jurado da Liesa e jurado do Estandarte em 2016.[44]

Estandarte de Ouro: Os jurados assistem aos desfiles juntos, no mesmo local, onde os segmentos das escolas de samba fazem uma breve apresentação. Porém, são livres para transitar por outros pontos do Sambódromo.[43][44][5]

Concurso oficial: Os jurados assistem aos desfiles separados em quatro cabines. Em cada cabine fica um jurado de cada quesito. Os jurados assistem às apresentações oficiais dos segmentos e não podem deixar a cabine.[43][50]

Avaliação

"O que vale para o júri do Estandarte é o conceito. Não importa se o chapéu da porta-bandeira caiu durante o desfile, não tiramos ponto de ninguém. Observamos como ela passou pela Avenida. Nosso resultado não tem que ser igual ao da Liesa."

—Explica Argeu Affonso, em 2017.[3]

Estandarte de Ouro: Os jurados analisam a beleza plástica da escola, o conceito do enredo, o efeito do samba-enredo, a empolgação do desfile e a recepção por parte do público.[43][44][17]

Concurso oficial: Em meados de janeiro, os jurados participam de um curso ministrado pela liga responsável pelas escolas de samba. Eles recebem o manual do julgador e o livro abre-alas (que explica o desfile de cada agremiação). Todas as escolas iniciam seu desfile com nota dez e vão perdendo décimos a cada erro notado pelo jurado. Cada julgador tem um mapa para lançar suas notas e não tem acesso às notas dos outros julgadores. O júri presencia as reações do público que está em seu campo de visão e dos jurados que estão na mesma cabine.[50]

Apuração

Estandarte de Ouro: A escolha dos premiados se dá através de um debate entre o júri, que precisa entrar em consenso. O resultado é divulgado algumas horas após o término do último desfile de cada grupo (no domingo de manhã, no caso da Série A; e na terça-feira de carnaval de manhã, do Grupo Especial).[43][44]

Concurso oficial: Na quarta-feira de cinzas, dia das apurações, são lidas as notas de cada jurado. [50]

Resultado

Estandarte de Ouro: Vence a escola mais elogiada e com mais qualidades apontadas pelo júri.[43][44]

Concurso oficial: Vence a escola com o maior somatório de pontos, ou seja, a que errou menos no desfile e foi menos despontuada pelo júri.[44]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Os critérios do Estandarte de Ouro fogem do sentido técnico, o que explica a premiação a desfiles problemáticos, que não venceram o carnaval ou que ficaram distantes do primeiro lugar.[7]

Em 1990, a Estação Primeira de Mangueira foi premiada com o Estandarte de melhor escola. Naquele ano, a agremiação sofreu com a quebra de uma de suas alegorias na metade do desfile, causando um grande congestionamento no meio do percurso. As alas e alegorias seguintes precisaram ultrapassar o carro quebrado, embolando a evolução da escola, que ultrapassou o tempo limite cronometrar em quatro minutos, perdendo qualquer chance de se tornar campeã do carnaval daquele ano. Mesmo com tantos problemas, os jurados do Estandarte elegeram a Mangueira a melhor escola do ano.[51] Em 2003, Acadêmicos do Salgueiro foi eleita a melhor escola após sofrer problemas de evolução e ultrapassar o tempo limite cronometrar em quatro minutos.[52] Em 2011, a União da Ilha do Governador foi eleita a melhor escola, mesmo desfilando incompleta após um incêndio destruir seu barracão na Cidade do Samba. Em 2013, a Mangueira foi eleita a melhor escola após enfrentar problemas em seu desfile e estourar o tempo limite em dois minutos. Os jurados justificaram o prêmio apontando a empolgação do desfile, a beleza na utilização das cores da escola, o bom desempenho da comissão de frente e a qualidade do samba-enredo.[53][54] O prêmio mais discrepante em relação ao resultado do concurso oficial foi o Estandarte de Ouro de melhor escola para o Império Serrano em 2004, quando a agremiação terminou o carnaval classificada apenas na 9.ª colocação.

Sobre a não coincidência dos resultados, o carnavalesco Joãosinho Trinta declarou que o Estandarte de Ouro "muitas vezes pode até corrigir algumas injustiças".[1] Foi o caso de desfiles considerados históricos, que não venceram o carnaval, mas foram premiados pelo Estandarte. Dentre eles, "Domingo" da União da Ilha do Governador (3.º lugar no carnaval de 1977), "Incrível, fantástico, extraordinário" da Portela (3.º lugar em 1979); "Como era verde meu Xingu" da Mocidade (6.º lugar em 1983); "O mundo é uma bola" da Beija-Flor (vice-campeã em 1986); "Ratos e urubus, larguem minha fantasia" da Beija-Flor (vice-campeã em 1989); "Gosto que me enrosco" da Portela (vice-campeã em 1995); "Villa Lobos e a Apoteose Brasileira" da Mocidade (4.º lugar em 1999); e "A saga de Agotime, Maria mineira naê" da Beija-Flor (vice-campeã em 2001).[15][16]

Ao longo dos anos, a premiação se tornou uma "via alternativa" ao resultado do concurso oficial.[7] Em 1972, Nelson de Andrade, então membro do Conselho Superior das Escolas de Samba, afirmou que o Estandarte de Ouro poderia "salvar o carnaval do Rio, se modificasse os conceitos de julgamento das escolas de samba".[1]

Grupo Especial[editar | editar código-fonte]

Desde 1973, quando foi criado o Estandarte de Ouro de melhor escola, apenas quinze vezes o resultado do Estandarte coincidiu com o resultado oficial do carnaval.[7] Abaixo, a comparação da vencedora do Estarde de Ouro (na categoria principal, de melhor escola) e a vencedora do carnaval do mesmo ano.

Ano Vencedora do Estandarte Vencedora do Carnaval Ref.
1973 Império Serrano (vice-campeã do carnaval) Estação Primeira de Mangueira [18]
1974 Acadêmicos do Salgueiro Acadêmicos do Salgueiro [18]
1975 Estação Primeira de Mangueira (vice-campeã do carnaval) Acadêmicos do Salgueiro [18]
1976 Portela (4.º lugar no carnaval) Beija-flor [18]
1977 União da Ilha do Governador (3.º lugar no carnaval) Beija-flor [18]
1978 Beija-flor Beija-flor [18]
1979 Portela (3.º lugar no carnaval) Mocidade Independente de Padre Miguel [18]
1980 Portela Portela, Beija-flor e Imperatriz Leopoldinense [18]
Entre 1981 e 1983 não foi entregue o Estandarte de melhor escola
1984 Estação Primeira de Mangueira Estação Primeira de Mangueira e Portela [18]
1985 Caprichosos de Pilares (5.º lugar no carnaval) Mocidade Independente de Padre Miguel [18]
1986 Beija-flor (vice-campeã no carnaval) Estação Primeira de Mangueira [18]
1987 Unidos de Vila Isabel (5.º lugar no carnaval) Estação Primeira de Mangueira [18]
1988 Unidos de Vila Isabel Unidos de Vila Isabel [18]
1989 Beija-flor (vice-campeã no carnaval) Imperatriz Leopoldinense [18]
1990 Estação Primeira de Mangueira (8.º lugar no carnaval) Mocidade Independente de Padre Miguel [18]
1991 Mocidade Independente de Padre Miguel Mocidade Independente de Padre Miguel [18]
1992 Estácio de Sá Estácio de Sá [18]
1993 Acadêmicos do Salgueiro Acadêmicos do Salgueiro [18]
1994 Acadêmicos do Salgueiro (vice-campeã no carnaval) Imperatriz Leopoldinense [18]
1995 Portela (vice-campeã no carnaval) Imperatriz Leopoldinense [18]
1996 Imperatriz Leopoldinense (vice-campeã no carnaval) Mocidade Independente de Padre Miguel [18]
1997 Unidos do Viradouro Unidos do Viradouro [18]
1998 Estação Primeira de Mangueira Estação Primeira de Mangueira e Beija-flor [18]
1999 Mocidade Independente de Padre Miguel (4.º lugar no carnaval) Imperatriz Leopoldinense [18]
2000 Acadêmicos do Salgueiro (6.º lugar no carnaval) Imperatriz Leopoldinense [18]
2001 Beija-flor (vice-campeã no carnaval) Imperatriz Leopoldinense [18]
2002 Estação Primeira de Mangueira Estação Primeira de Mangueira [18]
2003 Acadêmicos do Salgueiro (7.º lugar no carnaval) Beija-flor [18]
2004 Império Serrano (9.º lugar no carnaval) Beija-flor [18]
2005 Unidos da Tijuca (vice-campeã no carnaval) Beija-flor [18]
2006 Unidos da Tijuca (6.º lugar no carnaval) Unidos de Vila Isabel [18]
2007 Beija-flor Beija-flor [55]
2008 Unidos da Tijuca (5.º lugar no carnaval) Beija-flor [56]
2009 Acadêmicos do Salgueiro Acadêmicos do Salgueiro [57]
2010 Unidos da Tijuca Unidos da Tijuca [58]
2011 União da Ilha do Governador (não foi julgada no carnaval) Beija-flor [59]
2012 Unidos de Vila Isabel (3.º lugar no carnaval) Unidos da Tijuca [22]
2013 Estação Primeira de Mangueira (8.º lugar no carnaval) Unidos de Vila Isabel [53]
2014 Acadêmicos do Salgueiro (vice-campeã no carnaval) Unidos da Tijuca [19]
2015 Imperatriz Leopoldinense (6.º lugar no carnaval) Beija-flor [60]
2016 Estação Primeira de Mangueira Estação Primeira de Mangueira [17]
2017 Estação Primeira de Mangueira (4.º lugar no carnaval) Portela e Mocidade Independente de Padre Miguel [61]

Grupo de Acesso[editar | editar código-fonte]

No Grupo de Acesso, em apenas três carnavais a melhor escola, eleita pelo Estandarte, foi também a melhor escola no concurso oficial: 1987, 2008 e 2014.

Ano Vencedora do Estandarte Vencedora do Carnaval Ref.
1986 São Clemente (Vice-campeã do Grupo 1B) Unidos do Jacarezinho [18]
1987 Unidos da Tijuca Unidos da Tijuca [18]
2006 São Clemente (Vice-campeã do Grupo A) Estácio de Sá [18]
2007 Império da Tijuca (5.º lugar no Grupo A) São Clemente [55]
2008 Império Serrano Império Serrano [56]
2009 Estácio de Sá (5.º lugar no Grupo A) União da Ilha do Governador [57]
2010 Estácio de Sá (3.º lugar no Grupo A) São Clemente [58]
2011 Império da Tijuca (7.º lugar no Grupo A) Renascer de Jacarepaguá [59]
2012 Império Serrano (Vice-campeã do Grupo A) Inocentes de Belford Roxo [22]
2013 Império Serrano (3.º lugar na Série A) Império da Tijuca [62]
2014 Unidos do Viradouro Unidos do Viradouro [63]
2015 Unidos de Padre Miguel (Vice-campeã da Série A) Estácio de Sá [47]
2016 Império Serrano (4.º lugar na Série A) Paraíso do Tuiuti [64]
2017 Unidos de Padre Miguel (4.º lugar na Série A) Império Serrano [65]

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

"O primeiro Estandarte foi definitivo. Depois dele, comecei a receber salário. E o segundo me ajudou a virar primeira porta-bandeira. Para quem desfila, é o reconhecimento total."

—Declaração da porta-bandeira Lucinha Nobre, em 2011. [4]

Além de ser a mais antiga premiação extra-oficial do carnaval carioca, o Estandarte de Ouro também é reconhecido como o mais importante prêmio do carnaval, recebendo os apelidos de "Oscar do Carnaval" e "Oscar do Samba".[1][2][3] Segundo o dançarino e coreógrafo Carlinhos de Jesus, "todo sambista deseja ter um Estandarte em sua história."[5] Para a porta-bandeira Selminha Sorriso, uma das maiores vencedoras da premiação, "o Estandarte dá força e confiança".[13][4] O mestre-sala Ronaldinho divide sua carreira em antes e depois do Estandarte de Ouro. "Você fica mais reconhecido, além de ganhar visibilidade e respeito", declarou o mestre-sala no ano de 2011.[14]

Edições e vencedores[editar | editar código-fonte]

Ranking geral[editar | editar código-fonte]

Somando os prêmios de todas as categorias, a Estação Primeira de Mangueira é a escola mais premiada da história do Estandarte de Ouro. Abaixo, o ranking geral da premiação atualizado após a edição de 2017.

Posição Escola Prêmios
1 Estação Primeira de Mangueira 88
2 Acadêmicos do Salgueiro 79
3 Império Serrano 66
4 Beija-flor 61
5 Portela 58
6 Imperatriz Leopoldinense 55
7 Unidos de Vila Isabel 51
8 Mocidade Independente de Padre Miguel 48
9 Unidos da Tijuca 36
10 União da Ilha do Governador 32
11 Estácio de Sá 24
12 Acadêmicos do Grande Rio 15
São Clemente
13 Caprichosos de Pilares 11
Unidos do Viradouro
14 Unidos do Porto da Pedra 9
15 Império da Tijuca 8
16 Em Cima da Hora 5
Tradição
Unidos do Cabuçu
17 Arranco 4
Unidos da Ponte
18 Acadêmicos de Santa Cruz 3
Acadêmicos do Cubango
Acadêmicos do Engenho da Rainha
Lins Imperial
União de Jacarepaguá
Unidos de Padre Miguel
19 Unidos de Lucas 2
20 Acadêmicos da Rocinha 1
Arrastão de Cascadura
Boi da Ilha do Governador
Canários das Laranjeiras
Inocentes de Belford Roxo
Paraíso do Tuiuti
Renascer de Jacarepaguá
Tupy de Brás de Pina
Unidos do Jacarezinho

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ARAÚJO, Hiram. Carnaval: seis milênios de história. Rio de Janeiro: Ed. Gryphus, 2003;

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons

Referências

  1. a b c d e «Memória Globo». Memória O Globo. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2015 
  2. a b c d «40 anos de 'Estandarte'». O Globo. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2011 
  3. a b c d e f g «Estandarte de Ouro 2017». O Globo. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 14 de março de 2017 
  4. a b c d e f g h i j k l m «E o Estandarte de Ouro vai para...». O Globo. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 24 de junho de 2015 
  5. a b c d e «45 anos de 'Estandarte'». O Globo. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 2 de março de 2016 
  6. a b «Roberto Paulino». Extra Online. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 25 de março de 2017 
  7. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v «Curiosidades e recordes do 'Oscar do Samba'». Carnavalize.com. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 26 de março de 2017 
  8. a b c d «Na estreia do Prêmio Estandarte de Ouro, em 1972, Império Serrano leva 4 troféus». O Globo. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2017 
  9. «Academia do Samba». Academia do Samba. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 24 de março de 2016 
  10. «Estandarte: O grande Prêmio do Samba». Jornal O Globo. Consultado em 25 de março de 2017 
  11. «Mangueira reina com o maior número de troféus no Estandarte». O Globo. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 12 de março de 2011 
  12. «Salgueiro em 2011». O Globo. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 26 de abril de 2011 
  13. a b «Personalidades premiadas». O Globo. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 25 de fevereiro de 2011 
  14. a b «Outras personalidades premiadas». O Globo. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 15 de março de 2011 
  15. a b «'Estandarte' corrigiu injustiças». O Globo. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 12 de março de 2011 
  16. a b «Perdeu o título, ganhou a história». O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 26 de março de 2017 
  17. a b c «Estandarte de Ouro 2016». O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 13 de março de 2017 
  18. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq «Lista de premiados: 1972–2013». Apoteose.com. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 26 de março de 2017 
  19. a b c «Estandarte de Ouro 2014». O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  20. «Aguinaldo Silva ganha Estandarte de Ouro». Época. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 25 de março de 2017 
  21. a b «Prêmios Especiais». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 26 de março de 2016 
  22. a b c d «Estandarte de Ouro 2012». O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2016 
  23. «Melhor Samba». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 11 de março de 2016 
  24. «Melhor Enredo». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 11 de março de 2016 
  25. «Melhor Bateria». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 12 de março de 2016 
  26. «Melhor Mestre-sala». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 8 de março de 2016 
  27. «Melhor Porta-bandeira». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 12 de março de 2016 
  28. «Melhor Ala». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 6 de março de 2016 
  29. «Melhor escola». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 11 de março de 2016 
  30. «Melhor Samba-enredo do Grupo 2». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 11 de março de 2016 
  31. «Melhor Passista Feminino». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 11 de março de 2016 
  32. «Melhor Passista Masculino». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 10 de março de 2016 
  33. «Revelação». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 13 de março de 2016 
  34. «Melhor Comissão de frente». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 13 de março de 2016 
  35. «Melhor Intérprete: 1982–2012». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 13 de março de 2016 
  36. «Melhor Ala de Baianas: 1985–2012». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 8 de março de 2016 
  37. «Melhor Escola do Grupo 2». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 1 de julho de 2016 
  38. a b c «Personalidade». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 10 de março de 2016 
  39. «Melhor Destaque Feminino». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 7 de março de 2016 
  40. «Melhor Destaque Masculino». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 8 de março de 2016 
  41. «Melhor Fantasia». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 10 de março de 2016 
  42. «Melhor Ala de Crianças». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 7 de março de 2016 
  43. a b c d e f g h i j k l «Eleição dos melhores é feita com liberdade e democracia». O Globo. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2011 
  44. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u «Prêmio celebra os acertos do Carnaval». Quem Acontece. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 25 de março de 2017 
  45. a b c «Jurados de 2014». O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 2 de junho de 2014 
  46. a b c d «Estandarte de Ouro 2006». Imirante.com. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 26 de março de 2017 
  47. a b «Estandarte 2015 - Série A». O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2015 
  48. «Lygia Santos». Estação Primeira de Mangueira. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 25 de março de 2017 
  49. «Estandarte de Ouro x Apuração Oficial: Nada a ver». 24 Horas PB. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 25 de março de 2017 
  50. a b c d «Julgamento Concurso oficial». UOL. Consultado em 1 de abril de 2017. Cópia arquivada em 19 de fevereiro de 2017 
  51. «Mangueira em 1990». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  52. «Salgueiro em 2003». Academia do Samba. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2016 
  53. a b «Estandarte de Ouro 2013». O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  54. «Mangueira em 2013». Gazeta do Povo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 26 de março de 2017 
  55. a b «Estandarte de Ouro 2007». O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2008 
  56. a b «Estandarte de Ouro 2008». O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2009 
  57. a b «Estandarte de Ouro 2009». O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2009 
  58. a b «Estandarte de Ouro 2010». O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 26 de março de 2017 
  59. a b «Estandarte de Ouro 2011». Extra Online. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 11 de março de 2011 
  60. «Estandarte de Ouro 2015». O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  61. «Estandarte de Ouro 2017». O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 24 de março de 2017 
  62. «Estandarte 2013 - Série A». O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2013 
  63. «Estandarte 2014 - Série A». O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 6 de março de 2014 
  64. «Estandarte 2016 - Série A». O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 2 de março de 2017 
  65. «Prêmios Série A 2017». O Globo. Consultado em 25 de março de 2017. Cópia arquivada em 24 de março de 2017