Selminha Sorriso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Selminha Sorriso
Rio de Janeiro- Carnival 2018 2F5A7895.jpg
Selminha Sorriso no desfile das campeãs de 2018 da Beija-Flor
Informações pessoais
Nome completo Selma de Mattos Rocha
Data de nasc. 30 de maio de 1971 (51 anos)
Local de nasc. Rio de Janeiro,  Brasil
Informações profissionais
Escola atual Beija-Flor
Escolas de samba
Anos Escolas
1991
1992 - 1995
1996 - atualmente
Império Serrano
Estácio de Sá
Beija-Flor

Selma de Mattos Rocha, mais conhecida como Selminha Sorriso (Rio de Janeiro, 30 de maio de 1971), é uma porta-bandeira brasileira.

Filha de Jacira de Matos, passista da Unidos de Lucas, começou a desfilar em 1986, pelo Império Serrano. Começou como passista, mas em 1991 estreou como porta-bandeira, depois de passar seis meses se apresentando em casas de show no Japão. A estréia, porém, foi fracassada: recebeu notas baixas e a escola foi rebaixada.[1]

No ano seguinte, ao lado do mestre-sala Claudinho, desfilou pela Estácio de Sá. Os dois ajudaram a escola a conquistar o seu primeiro título, em 1992. Em 1996 a dupla passou a desfilar pela Beija-Flor, onde conquistaram mais nove títulos.[2]

Fora da passarela[editar | editar código-fonte]

Em 1992, quando sofreu um acidente de ônibus com um grupo de sambistas na Suécia, Selminha se interessou pela atuação dos bombeiros. Em 2002, prestou concurso para o Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro e foi aprovada, tornando-se recruta da corporação[3].

É viúva de Marcos Falcon, ex-dirigente da Portela[4]

Carnavais[editar | editar código-fonte]

Abaixo, a lista de carnavais de Selminha Sorriso e seu desempenho em cada ano.

Legenda:  0  Nota descartada  N  Escola foi campeã
Ano Grupo Escola Classificação Mestre-sala Notas Ref.
1991 Especial Império Serrano 15.º lugar (rebaixada) Sérgio Jamelão 8,5 8 6,5 - - [5][6]
1992 Especial Estácio de Sá Campeã Claudinho 10 10 10 - - [7][8]
1993 Especial Estácio de Sá 6.º lugar 9,5 9 9 - - [9][10]
1994 Especial Estácio de Sá 13.º lugar 10 9 9,5 - - [11][12]
1995 Especial Estácio de Sá 7.º lugar 10 10 10 10 10 [13][14]
1996 Especial Beija-Flor 3.º lugar 10 10 10 10 10 [15][16]
1997 Especial Beija-Flor 4.º lugar 10 10 10 10 10 [17][18]
1998 Especial Beija-Flor Campeã 10 10 10 10 9 [19][20]
1999 Especial Beija-Flor Vice-campeã 10 10 10 - - [21][22]
2000 Especial Beija-Flor Vice-campeã 10 10 9,5 - - [23][24]
2001 Especial Beija-Flor Vice-campeã 10 10 10 - - [25][26]
2002 Especial Beija-Flor Vice-campeã 10 10 10 10 - [27][28]
2003 Especial Beija-Flor Campeã 10 10 10 9,9 - [29][30]
2004 Especial Beija-Flor Campeã 10 10 10 9,9 - [31][32]
2005 Especial Beija-Flor Campeã 10 10 9,9 10 - [33][34]
2006 Especial Beija-Flor 5.º lugar 10 10 9,9 9,8 - [35][36]
2007 Especial Beija-Flor Campeã 10 10 10 10 - [37][38]
2008 Especial Beija-Flor Campeã 10 10 10 10 - [39][40]
2009 Especial Beija-Flor Vice-campeã 10 9,9 9,9 9,9 - [41][42]
2010 Especial Beija-Flor 3.º lugar 10 10 10 10 10 [43][44]
2011 Especial Beija-Flor Campeã 10 10 9,9 9,9 10 [45][46]
2012 Especial Beija-Flor 4.º lugar 10 10 10 10 - [47][48]
2013 Especial Beija-Flor Vice-campeã 10 10 10 10 - [49][50]
2014 Especial Beija-Flor 7.º lugar 10 10 9,9 9,7 - [51][52]
2015 Especial Beija-Flor Campeã 10 10 10 10 - [53][54]
2016 Especial Beija-Flor 5.º lugar 10 10 10 10 - [55][56]
2017 Especial Beija-Flor 6.º lugar 10 10 9,9 9,9 - [57][58]
2018 Especial Beija-Flor Campeã 10 10 10 9,9 - [59][60]
2019 Especial Beija-Flor 11.º lugar 10 10 10 10 - [61][62]
2020 Especial Beija-Flor 4.º lugar 10 10 10 10 9,9 [63]
2022 Especial Beija-Flor Vice-Campeã 9,9 10 10 10 10

Títulos e estatísticas[editar | editar código-fonte]

Selminha é dez vezes campeã do carnaval carioca. Em outras seis vezes foi vice-campeã.

Divisão Farm-Fresh cup gold.png
Campeonato
Ano Farm-Fresh cup silver.png
Vice
Ano Farm-Fresh cup bronze.png
Terceiro lugar
Ano
Emblem-star.svg
Grupo Especial
10 1992, 1998, 2003, 2004, 2005, 2007, 2008, 2011, 2015 e 2018 6 1999, 2000, 2001, 2002, 2009 e 2013 2 1996 e 2010

Premiações[editar | editar código-fonte]

Estandarte de Ouro

  1. 1992 - Melhor Porta-Bandeira (Estácio de Sá) [64]
  2. 1998 - Melhor Porta-Bandeira (Beija-Flor)
  3. 2000 - Melhor Porta-Bandeira (Beija-Flor)
  4. 2002 - Melhor Porta-Bandeira (Beija-Flor) [65]
  5. 2005 - Melhor Porta-Bandeira (Beija-Flor) [66]
  6. 2009 - Melhor Porta-Bandeira (Beija-Flor) [67]

Estrela do Carnaval

  1. 2015 - Melhor Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira (com Claudinho - Beija-Flor) [68]
  2. 2016 - Melhor Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira (com Claudinho - Beija-Flor) [69]

Tamborim de Ouro

  1. 1999 - Melhor Porta-Bandeira (Beija-Flor) [70]
  2. 2000 - Casal Nota 10 (com Claudinho - Beija-Flor) [71]
  3. 2001 - Casal Nota 10 (com Claudinho - Beija-Flor) [72]
  4. 2002 - Casal Nota 10 (com Claudinho - Beija-Flor) [73]
  5. 2003 - Casal Nota 10 (com Claudinho - Beija-Flor) [74]
  6. 2007 - Tamborim Nota 10 (Casal de Mestre-S. e Porta-B. da Década - com Claudinho) [75]
  7. 2013 - Casal Nota 10 (com Claudinho - Beija-Flor) [76]
  8. 2014 - Casal Nota 10 (com Claudinho - Beija-Flor) [77]
  9. 2015 - Casal Nota 10 (com Claudinho - Beija-Flor) [78]
  10. 2016 - Prêmio Especial (25 anos de Avenida) [79]
  11. 2018 - Prêmio especial de contribuição ao Carnaval (Claudinho e Selminha Sorriso) [80]

    Referências

  1. MACEDO, Gisele. A Força Feminina do Samba Arquivado em 16 de dezembro de 2016, no Wayback Machine.. Centro Cultural Cartola, 2007. P. 40
  2. 'Bodas de prata' do casal da Beija-Flor, Selminha Sorriso e Claudinho. Carnavalesco, 14 de janeiro de 2016
  3. A porta mangueira. IstoÉ Gente, 3 de junho de 2002
  4. Selminha Sorriso e Falcon anunciam noivado e cogitam primeiro filho. Sambarazzo, 27 de outubro de 2015
  5. «Império Serrano 1991». Galeria do Samba. Consultado em 23 de abril de 2019 
  6. «Notas 1991». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2016 
  7. «1992». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  8. «Notas 1992». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2016 
  9. «1993». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  10. «Notas 1993». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2016 
  11. «1994». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  12. «Notas 1994». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2016 
  13. «1995». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  14. «Notas 1995». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  15. «1996». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  16. «Notas 1996». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  17. «1997». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  18. «Notas 1997». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  19. «1998». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  20. «Notas 1998». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  21. «1999». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  22. «Notas 1999». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2016 
  23. «2000». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  24. «Notas 2000». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2016 
  25. «2001». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  26. «Notas 2001». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  27. «2002». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  28. «Notas 2002». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  29. «2003». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  30. «Notas 2003». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  31. «2004». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  32. «Notas 2004». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  33. «2005». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  34. «Notas 2005». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  35. «2006». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  36. «Notas 2006». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  37. «2007». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  38. «Notas 2007». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  39. «2008». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  40. «Notas 2008». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  41. «2009». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  42. «Notas 2009». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  43. «2010». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  44. «Notas 2010». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  45. «2011». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  46. «Notas 2011». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  47. «2012». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  48. «Notas 2012». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  49. «2013». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  50. «Notas 2013». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  51. «2014». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  52. «Notas 2014». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  53. «Notas 2015». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  54. «Notas 2015». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  55. «2016». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  56. «Notas 2016 – Grupo Especial». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  57. «Beija-Flor 2017». Galeria do Samba. Consultado em 23 de abril de 2019 
  58. «Notas 2017 – Grupo Especial». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  59. «Beija-Flor 2018». Galeria do Samba. Consultado em 23 de abril de 2019 
  60. «Notas 2018 – Grupo Especial». Site Apoteose. Consultado em 8 de junho de 2018. Cópia arquivada em 8 de junho de 2018 
  61. «Beija-Flor 2019». Galeria do Samba. Consultado em 23 de abril de 2019 
  62. «Notas 2019 – Grupo Especial». Site Apoteose. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 23 de abril de 2018 
  63. «Notas 2020 – Grupo Especial». G1. 26 de agosto de 2020. Consultado em 9 de março de 2020. Cópia arquivada em 9 de março de 2020 
  64. Estandarte de Ouro - Melhor Porta-bandeira. Academia do Samba
  65. «Estandarte de Ouro: Mangueira é escolhida pelo júri a melhor de 2002». O Globo. 13 de fevereiro de 2002. p. 15. Consultado em 23 de setembro de 2019. Arquivado do original em 23 de setembro de 2019 
  66. «Estandarte de Ouro 2005: Título inédito para a Unidos da Tijuca. Para jurados, escola foi a melhor do carnaval deste ano». O Globo. 9 de fevereiro de 2005. p. 19. Consultado em 7 de outubro de 2019. Arquivado do original em 7 de outubro de 2019 
  67. «Estandarte de Ouro 2009: Salgueiro leva título de melhor escola; Vila Isabel e Império Serrano conquistam três outros prêmios cada». O Globo. 25 de fevereiro de 2009. p. 18. Consultado em 30 de outubro de 2019. Arquivado do original em 30 de outubro de 2019 
  68. «Estrela do Carnaval 2015». Site Carnavalesco. Consultado em 11 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2015 
  69. «Estrela do Carnaval 2016». Site Carnavalesco. Consultado em 11 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2016 
  70. «Tamborim de Ouro 1999». Site Academia do Samba. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2013 
  71. «Tamborim de Ouro 2000». Site Academia do Samba. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2013 
  72. «Tamborim de Ouro 2001». Site Academia do Samba. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2013 
  73. «Tamborim de Ouro 2002». Site Academia do Samba. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2013 
  74. «Tamborim de Ouro 2003». Site Academia do Samba. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2013 
  75. «Tamborim de Ouro 2007». Site Academia do Samba. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2013 
  76. «Tamborim de Ouro 2013». O Dia. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  77. «Tamborim de Ouro 2014». O Dia. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2015 
  78. «Tamborim de Ouro 2015». O Dia. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  79. «Tamborim de Ouro 2016». O Dia. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2016 
  80. «Tamborim de Ouro 2018». O Dia. Consultado em 17 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2018 

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Selminha Sorriso