Luizinho Drummond

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Luizinho Drumond
Nome completo Luiz Pacheco Drumond
Pseudônimo(s) Luizinho Drumond
Nascimento 14 de fevereiro de 1940
Rio de Janeiro, RJ
Morte 1 de julho de 2020 (80 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade brasileiro(a)
Ocupação Banqueiro do Jogo do Bicho

Luiz Pacheco Drumond, mais conhecido como Luizinho Drumond (Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 1940Rio de Janeiro, 1 de julho de 2020) foi um sambista e bicheiro brasileiro. Presidiu a Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro e a escola de samba Imperatriz Leopoldinense.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Luizinho Drumond controlava o Jogo do Bicho, na Zona da Leopoldina do Rio de Janeiro. em 1993 foi considerado culpado pela juíza Denise Frossard pelo seu envolvimento no Jogo do Bicho e por pelo menos 53 mortes, junto com 13 outros banqueiros, tais como: Castor de Andrade, Capitão Guimarães e Anísio Abraão David. sendo condenados a seis anos cada um, a pena máxima para a extorsão[1]. mas em 1996, com um habeas-corpus foi concedido liberdade condicional a Luizinho e outros envolvidos.

Durante o período de 1998 a 2001 exerceu o mandato de presidente da Liesa, sendo nesse período, sua escola de samba, a Imperatriz Leopoldinense, conquistado o inédito tricampeonato (1999, 2000 e 2001) em sua história. em Em 1999, foi acusado do assassinato do banqueiro Abílio Português em 1998, mas no momento de sua prisão, a parecia destinou a enviar uma mensagem aos líderes da máfia envolvida no Carnaval Carioca. A polícia disse Luizinho e sua suposta vítima se enfrentaram em uma disputa territorial sobre o controle do Jogo do Bicho.

Em 19 de novembro de 2011, Luizinho agrediu o então diretor de bateria da Imperatriz (Mestre Marcone) por não concordar dele não ter sido entrevistado a uma emissora, o que fez com que registra-se queixa contra o próprio presidente[2], que após o B.O. feito na polícia, fez a seguinte queixa.

Em 2012, foi acusado pela Operação Dedo de Deus, mas, no entanto, conseguiu mais um habeas-corpus e foi concedido liberdade condicional no mesmo ano, quando era esperado de que não ia se candidatar à presidência da Imperatriz, reelegendo por mais um mandato. Hoje, dia 14/05/2012 surge a informação de que o mestre Marcone foi morto com 20 tiros e o mandante supostamente teria sido o presidente.[4].

No dia 30 de junho de 2020, Luizinho sofreu um AVC e foi internado em estado grave no Hospital Copa Star.[5] A imprensa chegou a noticiar sua morte. Luizinho veio a falecer na manhã do dia 1º de julho.[6]

Referências

  1. O Globo (13 de abril de 2011). «Contraventores já foram condenados há 14 anos». Consultado em 23 de novembro de 2011 
  2. SRZD-Carnaval (21 de novembro de 2011). «Mestre de bateria da Imperatriz registra queixa contra presidente». 13h23. Consultado em 23 de novembro de 2011 
  3. Rodrigo Coutinho, para o Terminal-Carnavalesco (22 de novembro de 2011). «Luizinho Drummond também prestou queixa e fez exame de corpo delito». 18:03. Consultado em 23 de novembro de 2011 
  4. Rodrigo Coutinho, para o Carnavalesco (19 de abril de 2012). «Luizinho Drummond é reeleito e Belém deve ser enredo da Imperatriz». 22:56. Consultado em 20 de abril de 2012 
  5. G1 (30 de junho de 2020). «Luizinho Drummond, presidente da Imperatriz, sofre AVC no RJ». Consultado em 1 de julho de 2020 
  6. SRZD (1 de julho de 2020). «Família confirma morte de Luizinho Drummond, presidente da Imperatriz». Consultado em 1 de julho de 2020 
Ícone de esboço Este artigo sobre carnaval, integrado ao Projeto Carnaval é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Precedido por
Djalma Arruda
Presidentes da LIESA
1998 - 2001
Sucedido por
Capitão Guimarães
Precedido por
Aloysio Soares Braga
Rubens Gonçalves
Wagner Araújo
Presidentes da Imperatriz
1976−1983
1986−1992
2007-2020
Sucedido por
Rubens Gonçalves
Marcos José Lourenço Drumond
Marcos José Lourenço Drumond