Maria Helena (porta-bandeira)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Maria Helena
Ensaio Técnico Imperatriz 2014.jpg
Maria Helena no ensaio técnico de 2014.
Informações pessoais
Nome completo Maria Helena Rodrigues
Data de nasc. 02 de maio de 1945 (74 anos)
Local de nasc. São João Nepomuceno,  Minas Gerais,  Brasil
Informações profissionais
Escolas de samba

Maria Helena Rodrigues (São João Nepomuceno, 2 de maio de 1945) é uma ex-porta-bandeira brasileira, seis vezes campeã do carnaval carioca.[1] É vencedora de três Estandartes de Ouro, prêmio considerado o "Óscar do carnaval".[2][3]

Nascida em Minas Gerais, mudou-se para o Rio de Janeiro aos 15 anos, na década de 1960, para trabalhar como empregada doméstica e costureira. Começou a desfilar pelos blocos Cometa do Bispo, do Rio Comprido, e Quem Quiser Pode Vir, da Pavuna. Conheceu o mestre-sala Bagdá, da Portela, que lhe ensinou a dança de porta-bandeira e foi seu primeiro parceiro.[4][5]

Foi porta-bandeira das escolas Unidos da Ponte, Unidos da Tijuca, Império da Tijuca e União da Ilha do Governador, mas ganhou destaque desfilando pela Imperatriz Leopoldinense, onde por mais de vinte anos fez par com seu próprio filho, o mestre-sala Chiquinho.[6]

Depois de encerrar a carreira, passou a dar aulas de porta-bandeira na Vila Cruzeiro e na Vila Olímpica de Ramos.[7]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Zona da Mata Mineira, onde Maria Helena nasceu e foi criada.

1945–1960: Infância em Minas e mudança para o Rio[editar | editar código-fonte]

Maria Helena Rodrigues nasceu no dia 2 de maio de 1945, na cidade de São João Nepomuceno, na Zona da Mata Mineira. Segunda filha mais velha, numa família de cinco irmãos. Ainda criança, perdeu o irmão mais novo, e o irmão mais velho fugiu de casa. Maria Helena cuidava dos outros dois irmãos menores, enquanto a mãe e o padastro trabalhavam na roça. Tinha pouco contato com o pai, que nunca morou com os filhos.[8]

"Foi só desgraça, fome, muita pobreza. Cansei de comer manga verde e pegar cana para esquentar no forno e chupar como café."
— Maria Helena sobre a vida na roça.[9]

Aos quatorze anos de idade, Maria Helena perdeu sua mãe. Foi morar com os irmãos na casa de um tio, na mesma cidade. Na época, perdeu o outro irmão, Antônio, comido por um porco. Aos quinze anos, mudou-se com a irmã Elza, para o Rio de Janeiro. As duas foram morar na casa de uma prima, no Morro 117, em Rio Comprido.[10]

1961–1969: Interesse pela dança e nascimento de Chiquinho[editar | editar código-fonte]

Após muitos conflitos com a prima, Maria Helena e Elza foram expulsas de casa. Elza retornou à Minas Gerais, enquanto Maria Helena continuou no Rio de Janeiro, tendo que morar na rua até encontrar um trabalho de empregada doméstica.[8]

"Fui praticamente mendiga. Catei muito lixo para comer e carreguei lata de pedra na cabeça para comprar um pão. Já dormi até em galho de árvore. Ficava lá embaixo de chuva ou sol.”
— Maria Helena sobre o período em que morou na rua.[10]

Na mesma época, Maria Helena passou a frequentar rodas de samba e ensaios de blocos carnavalescos. Durante uma visita à quadra da escola de samba Estação Primeira de Mangueira, assistiu a uma apresentação de Neide da Mangueira e Delegado e se interessou pela dança do casal de mestre-sala e porta-bandeira, tendo voltado outras vezes à quadra apenas para vê-los dançar.[10] Em 1962, desfilou como passista no carnaval de estreia do bloco Cometas do Bispo. No mesmo ano, conheceu o biscateiro Sebastião Francisco, com quem começou a namorar. Pouco tempo depois, aos 18 anos de idade, Maria Helena engravidou. Sebastião não quis assumir a paternidade e desapareceu. Em 2 de novembro de 1963 nasceu seu primeiro filho, José Francisco de Oliveira, o Chiquinho. Com filho pequeno e sem poder trabalhar, Maria Helena voltou a morar na rua.[8]

Apenas dois anos depois, a mãe de Sebastião, acolheu Maria Helena e Chiquinho em sua casa, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Chiquinho ficava sob os cuidados da avó enquanto Maria Helena trabalhava. Restabelecida como doméstica, Maria Helena voltou a frequentar rodas de samba pela cidade. Em 1965, desfilou como porta-estandarte do bloco carnavalesco "Quem quiser pode vir", da Pavuna. No bloco, conheceu Julvêncio Oscar de Oliveira, o mestre-sala Bagdá. Com ele, teve aulas de samba e aprendeu a dança de mestre-sala e porta-bandeira.[8]

1970–1981: Estreia como porta-bandeira e passagens por diversas escolas[editar | editar código-fonte]

Em 1974, Sebastião Francisco, o pai de Chiquinho, foi assassinado durante uma briga de bar. Tanto Chiquinho, quanto Maria Helena, não mantinham contato com ele. No início da década de 1970, fez sua estreia como porta-bandeira na escola Unidos da Ponte, onde permaneceu por cinco anos, disputando os grupos 3 e 2. Também teve uma breve passagem pela Unidos da Tijuca, onde dançou com o mestre-sala Agostinho.

No carnaval de 1977, se transferiu para a Império da Tijuca, tendo como parceiro o mestre-sala Jorge Bossa Nova.[11] No mesmo ano, se mudou com Chiquinho para a Favela da Grota, no Complexo do Alemão, na zona norte do Rio. Começou a frequentar a quadra da Imperatriz Leopoldinense, que ficava perto de seu novo endereço, e logo foi chamada para desfilar pela agremiação, no carnaval de 1978. Foi a segunda porta-bandeira da escola, tendo como parceiro o mestre-sala Tiãozinho. A escola foi vice-campeã do Grupo 2, sendo promovida à primeira divisão do carnaval carioca. O desempenho de Maria Helena chamou a atenção de Paulo Amargoso - então presidente da União da Ilha do Governador - que convidou a porta-bandeira para desfilar em sua escola, na primeira divisão do carnaval carioca. Maria Helena permaneceu na agremiação por três anos, tendo como parceiro o mestre-sala Robertinho. Em seu primeiro ano (1979), conquistou uma nota 10 e outra nota 9. A escola ficou classificada no quinto lugar. Nos carnavais de 1980 e 1981, o quesito "Mestre-sala e Porta-bandeira" foi retirado de julgamento, porém, manteve-se a obrigatoriedade do casal desfilar.

Em 1980, Maria Helena participou de um momento inovador na história dos desfiles. A porta-bandeira e o mestre-sala Robertinho desfilaram em cima de uma alegoria na forma de um grande tablado, com espaço para o casal evoluir.[12][13] Com o enredo "Bom, bonito e barato", a escola sagrou-se vice-campeã do carnaval carioca. Maria Helena começava a preparar Chiquinho para ser seu mestre-sala. Em 1981, ele dançara como segundo mestre-sala da União da Ilha. A escola ficou classificada na sétima colocação. No mesmo ano, Maria Helena engravidou e deu a luz à Elizângela.[8]

1982–1993: Parceria com o filho e primeiro título[editar | editar código-fonte]

Para o carnaval de 1982, a porta-bandeira Irene pediu dispensa da Imperatriz Leopoldinense. Seu parceiro, o mestre-sala Bagdá, indicou à diretoria da escola o nome de Maria Helena para ocupar a vaga. O então presidente da escola, Luiz Pacheco Drummond, aceitou a indicação e Maria Helena foi contratada. Em sua estreia como primeira porta-bandeira da agremiação, e dançando com o amigo Bagdá, conquistou a nota máxima do júri oficial. Seu filho, Chiquinho, desfilou como segundo mestre-sala. A escola, bicampeã no ano anterior, ficou classificada em terceiro lugar.

No ano seguinte, o mestre-sala Bagdá se desligou da Imperatriz. Maria Helena foi chamada pela direção para ajudar na escolha de seu novo parceiro e sugeriu o próprio filho, Chiquinho. Na época, sem condições financeiras de contratar um mestre-sala mais conhecido, Luizinho Drummond aceitou efetivar Chiquinho. No primeiro ano do casal, dançando juntos, conquistaram a pontuação máxima dos jurados. A escola terminou o carnaval classificada na quarta colocação.

No carnaval de 1984, mais uma vez, conquistaram a nota máxima. A escola, em crise financeira, ficou classificada na quarta colocação do desfile de domingo. No desfile de 1985, Chiquinho desfilou com febre alta, ocasionada por um furúnculo na região da axila direita. Ao consultar um médico, dias antes, foi proibido de desfilar, mas sua mãe, o obrigou a se apresentar. Como saída, Chiquinho diminuiu o ritmo da dança, fazendo movimentos lentos. A solução deu certo, e o passo, conhecido como "câmera lenta", virou marca registrada do mestre-sala, incorporado por ele nos anos seguintes. Também neste carnaval, Maria Helena deu ao filho a ideia dele incorporar em sua dança o movimento conhecido como "moonwalk", popularizado pelo cantor Michael Jackson.[14] O casal ganhou nota máxima dos dois jurados oficiais e Chiquinho foi premiado com o Estandarte de Ouro de melhor mestre-sala. Nos anos de 1986 e 1987, o casal também recebeu nota máxima dos jurados. Em 1987, Maria Helena completou seis carnavais com pontuação máxima na Imperatriz Leopoldinense. No mesmo ano, Chiquinho recebeu o seu segundo Estandarte de Ouro.

Em 1988, Maria Helena obteve o seu pior desempenho na Imperatriz. A escola atravessava outra crise financeira, o que refletiu na simplicidade das fantasias e alegorias apresentadas. A fantasia de Chiquinho estava apertada, enquanto a de Maria Helena - com muitas plumas - se desmanchou durante o desfile. O casal ainda enfrentou uma fraca chuva durante sua exibição. Maria Helena chegou a chorar durante a apresentação. No julgamento oficial, o casal recebeu duas notas 10, uma nota 9 e outra nota 8, sendo que a maior nota (10) e a menor (8) foram descartadas seguindo o regulamento da época. Foi o primeiro ano, desde que começaram a dançar juntos, que não conquistaram a pontuação máxima para a escola. A Imperatriz ultrapassou o tempo limite de desfile, terminando classificada na última colocação do Grupo, mas o descenso foi cancelado após a LIESA responsabilizar-se pelo atraso da escola, causado pela queda de um fio de alta tensão durante a passagem da agremiação anterior, a União da Ilha.[15] Apesar do desfile dramático, Maria Helena conquistou o seu primeiro Estandarte de Ouro de melhor porta-bandeira do carnaval. No ano seguinte, em 1989, a Imperatriz sagrou-se campeã com o antológico desfile "Liberdade, Liberdade, Abra as Asas Sobre Nós". Pela primeira vez, Maria Helena foi campeã do carnaval. Em 1993, o casal foi cortado do desfile pelo então presidente da Imperatriz, Luizinho Drummond, por não comparecerem a um dos ensaios.[16]

1994–2005: "Era de ouro" e saída dramática da Imperatriz[editar | editar código-fonte]

Em 1994, retornou à Imperatriz, conquistando mais um título de campeã. Também foi agraciada com seu segundo Estandarte de Ouro. No ano seguinte, em 1995, mais uma vez sagrou-se campeã com a Imperatriz. Em 1996, mais um vez, obteve a nota máxima dos jurados. A Imperatriz foi vice-campeã do carnaval. Mais três títulos foram conquistados em 1999, 2000 e 2001. Em 1999, Maria Helena e Chiquinho chegaram a brigar pouco antes do carnaval, mas fizeram as pazes a tempo de desfilar. Jorge Benjor, que assistiu ao desfile da Imperatriz, compôs a canção Maria Helena e Chiquinho, na qual diz que “a paz veio dançando na passarela”.[17]

O carnaval de 2001 foi a última vez que Maria Helena ganhou nota máxima na Imperatriz. Em 2002 e 2003, mãe e filho perderam cinco décimos. Em 2004, sete décimos foram descontados do casal. Em 2005, a Imperatriz deixou a Sapucaí como uma das favoritas ao título.[18] Maria Helena e Chiquinho perderam meio ponto no julgamento oficial e foram considerados como um dos responsáveis pela perda do título.[19] Após o carnaval, o casal foi dispensado da escola.

"Eu finjo que passou, mas sinceramente não passou. Eu já estava me preparando para deixar o posto e também estava preparando a minha filha para ficar no meu lugar. Queria passar o bastão para ela. Era uma questão de dignidade, mas não me deram a chance."
— Maria Helena, em 2015, sobre sua dispensa da Imperatriz.[20]

2006–2013: Grupos de acesso e carnaval de Corumbá[editar | editar código-fonte]

Em 2006, Maria Helena e Chiquinho desfilaram no Grupo A pela Alegria da Zona Sul. Apesar de receberam nota máxima dos jurados, a escola foi rebaixada. Em 2007, desfilaram novamente pela Alegria. A escola conquistou o sétimo lugar.[21] Em 2008, Maria Helena desfilou como destaque em uma alegoria da Imperatriz.[22] No carnaval de 2010, Chiquinho e Maria Helena participaram do desfile dos Acadêmicos do Grande Rio, onde foram homenageado juntos à outros casais mestres-sala e porta-bandeiras, dentro do enredo sobre o Sambódromo.[23] A escola foi vice-campeã do carnaval. No mesmo ano, Maria Helena desfilou no chão, pela Imperatriz, carregando a bandeira do divino.[24]

Em 2012, Maria Helena e Chiquinho desfilaram como primeira casal da escola de samba Unidos da Vila Mamona, do Mato Grosso do Sul. A escola foi campeã do Grupo de Acesso do carnaval de Corumbá.[25]

"A porta-bandeira, quando ela gosta, ama o que faz, não tem dinheiro que pague, porque é uma coisa que vem de dentro de você. Quanto mais você faz, mas você tem vontade."
— Maria Helena sobre o convite para desfilar em Corumbá.[25]

No carnaval de 2013, Maria Helena e Chiquinho voltaram a desfilar pela Unidos da Vila Mamona. Maria Helena passou mal no inicio de sua apresentação. A porta-bandeira foi atendida por uma equipe médica no local e tentou prosseguir desfilando, mas não resistiu e teve que ser levada de ambulância para o hospital.[26][27] Sem o casal, a escola perdeu pontos e foi rebaixada. Após encerrarem a carreira no carnaval carioca, mãe e filho passaram a ministrar aulas de mestre-sala e porta-bandeira na Vila Cruzeiro e na Vila Olímpica de Ramos.[7]

2014–presente: Homenagens e destaque na Imperatriz[editar | editar código-fonte]

No carnaval de 2014, Maria Helena desfilou como destaque num tripé à frente do abre-alas da Imperatriz. A ex porta-bandeira recebeu seu terceiro Estandarte de Ouro, dessa vez, de Personalidade do Carnaval.[3] Em 2015, novamente desfilou como destaque, ao lado do filho, em uma das alegorias da Imperatriz. Os dois vestiram a mesma fantasia com que desfilaram no carnaval de 2000.[20][28] No mesmo ano, recebeu um prêmio especial do Tamborim de Ouro de Personalidade do Carnaval.[29] Em 2017, mãe e filho participaram do desfile da Acadêmicos da Rocinha, em homenagem ao carnavalesco Viriato Ferreira.[30] [31][32] Em 2017, mãe e filho participaram do desfile da Acadêmicos da Rocinha, em homenagem ao carnavalesco Viriato Ferreira.[33] No carnaval de 2018, os dois foram homenageados pela escola de samba mirim Miúda da Cabuçu com o enredo "Maria Helena e Chiquinho, casal nota 1000".[34] No mesmo ano, participaram da comissão de frente da Imperatriz.[35][36] Em 2019, a Imperatriz Leopoldinense foi rebaixada. Mãe e filho desfilaram como destaque na última alegoria da escola. Também participaram do desfile da Arame de Ricardo, que homenageou Jeronymo da Portela.[37]

Carnavais[editar | editar código-fonte]

Rio de Janeiro[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Carnaval do Rio de Janeiro

Abaixo, a lista de carnavais de Maria Helena no Rio de Janeiro e seu desempenho em cada ano.

Legenda:  0  Nota descartada  N  Escola foi campeã  *  Sem informação disponível
Ano Grupo Escola Classificação Mestre-sala Notas Ref.
1971 Grupo 3 Unidos da Ponte 8.º lugar * * [38][39]
1972 Grupo 3 Unidos da Ponte Vice-campeã * * [38][40]
1973 Grupo 2 Unidos da Ponte 11.º lugar * * [38][41]
1974 Grupo 2 Unidos da Ponte 13.º lugar * * [38][42]
1976 Grupo 2 Unidos da Tijuca 4.º lugar Agostinho * [38][43]
1977 Grupo 1A Império da Tijuca 11.º lugar Jorge Bossa Nova 4 - - - - [11][44][45][38]
1978 Grupo 2 Imperatriz Leopoldinense Vice-campeã Tiãozinho Segunda porta-bandeira [38]
1979 Grupo 1A União da Ilha do Governador 5.º lugar Robertinho 10 9 - - - [46][47]
1980 Grupo 1A União da Ilha do Governador Vice-campeã Robertinho Quesito não julgado [12][48]
1981 Grupo 1A União da Ilha do Governador 7.º lugar Robertinho Quesito não julgado [49][50]
1982 Grupo 1A Imperatriz Leopoldinense 3.º lugar Bagdá 5 5 - - - [51][52][53]
1983 Grupo 1A Imperatriz Leopoldinense 4.º lugar Chiquinho 10 10 - - - [54][55]
1984 Grupo 1A Imperatriz Leopoldinense 4.º lugar Chiquinho 10 10 - - - [56][57]
1985 Grupo 1A Imperatriz Leopoldinense 8.º lugar Chiquinho 10 10 - - - [58][59]
1986 Grupo 1A Imperatriz Leopoldinense 8.º lugar Chiquinho 10 10 - - - [60][61]
1987 Grupo 1 Imperatriz Leopoldinense 6.º lugar Chiquinho 10 10 10 9 - [62][63]
1988 Grupo 1 Imperatriz Leopoldinense 14.º lugar Chiquinho 10 9 10 8 - [64][65]
1989 Grupo 1 Imperatriz Leopoldinense Campeã Chiquinho 10 10 10 - - [66][67]
1990 Especial Imperatriz Leopoldinense 4.º lugar Chiquinho 10 10 9 - - [68][69]
1991 Especial Imperatriz Leopoldinense 3.º lugar Chiquinho 10 10 10 - - [70][71]
1992 Especial Imperatriz Leopoldinense 3.º lugar Chiquinho 10 10 10 - - [72][73]
Não desfilou em 1993
1994 Especial Imperatriz Leopoldinense Campeã Chiquinho 10 10 9,5 - - [74][75]
1995 Especial Imperatriz Leopoldinense Campeã Chiquinho 10 10 10 10 10 [76][77]
1996 Especial Imperatriz Leopoldinense Vice-campeã Chiquinho 10 10 10 10 10 [78][79]
1997 Especial Imperatriz Leopoldinense 6.º lugar Chiquinho 10 10 10 10 - [80][81]
1998 Especial Imperatriz Leopoldinense 3.º lugar Chiquinho 10 10 10 10 10 [82][83]
1999 Especial Imperatriz Leopoldinense Campeã Chiquinho 10 10 10 - - [84][85]
2000 Especial Imperatriz Leopoldinense Campeã Chiquinho 10 10 9,5 - - [86][87]
2001 Especial Imperatriz Leopoldinense Campeã Chiquinho 10 10 10 - - [88][89]
2002 Especial Imperatriz Leopoldinense 3.º lugar Chiquinho 10 10 9,8 9,7 - [90][91]
2003 Especial Imperatriz Leopoldinense 4.º lugar Chiquinho 10 9,9 9,8 9,8 - [92][93]
2004 Especial Imperatriz Leopoldinense 5.º lugar Chiquinho 10 9,9 9,8 9,6 - [94][95]
2005 Especial Imperatriz Leopoldinense 4.º lugar Chiquinho 10 10 9,8 9,7 - [96][97]
2006 Grupo A Alegria da Zona Sul 10.º lugar (rebaixada) Chiquinho 10 10 10 9,9 - [98][99]
2007 Grupo B Alegria da Zona Sul 7.º lugar Chiquinho * [100]

Corumbá[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Carnaval de Corumbá
Ano Grupo Escola Mestre-sala Classificação Ref.
2012 Acesso Unidos da Vila Mamona Chiquinho Campeã [25]
2013 Especial Unidos da Vila Mamona Chiquinho 5.º lugar [27]

Títulos e estatísticas[editar | editar código-fonte]

Maria Helena participou de seis campeonatos e um vice-campeonato da Imperatriz Leopoldinense.

Divisão Farm-Fresh cup gold.png
Campeonato
Ano Farm-Fresh cup silver.png
Vice
Ano Farm-Fresh cup bronze.png
Terceiro lugar
Ano
Emblem-star.svg
Grupo Especial
6 1989, 1994, 1995, 1999, 2000 e 2001 1 1996 5 1982, 1991, 1992, 1998 e 2002

Premiações[editar | editar código-fonte]

1988 - Melhor Porta-Bandeira (Imperatriz Leopoldinense) [2]

1994 - Melhor Porta-Bandeira (Imperatriz Leopoldinense) [2]

2014 - Personalidade [3]

2015 - Homenagem Especial - Personalidade [29]

  • Gato de Prata

2014 - Personalidade [101]

  • Plumas e Paetês

2011 - Personalidade [102]

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Rute Alves elege Maria Helena como sua inspiração, destacando sua "garra contagiante."[103][104] Em 2005, Marcella Alves escolheu Maria Helena como a melhor porta-bandeira do carnaval.[105]

Referências

  1. «Entrevista - Chiquinho e Maria Helena». O Batuque. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2016 
  2. a b c Estandarte de Ouro: melhor porta-bandeira. Academia do Samba
  3. a b c «Estandarte de Ouro 2014». O Globo. 4 de março de 2014. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  4. MACEDO, Gisele. A Força Feminina do Samba Arquivado em 16 de dezembro de 2016, no Wayback Machine.. Centro Cultural Cartola, 2007. P. 36
  5. «Porta-bandeiras de épocas distintas da Imperatriz falam sobre mudanças na profissão». O Globo. 25 de fevereiro de 2019. Consultado em 23 de abril de 2019 
  6. Lendário casal de mestre-sala e porta-bandeira é homenageado na Imperatriz. UOL Carnaval 2015, 12 de fevereiro de 2015
  7. a b «Após infarto, Maria Helena se recupera bem». SRzd. 10 de abril de 2010. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 1 de maio de 2019 
  8. a b c d e Motta 2013, pp. 97-106.
  9. Motta 2013, pp. 99-100.
  10. a b c «Hoje é dia de Maria». Globo.com. 12 de janeiro de 2005. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 
  11. a b Gomyde Brasil 2015, p. 65.
  12. a b Gomyde Brasil 2015, p. 86.
  13. «União da Ilha mostra que o bom, bonito e barato também dá samba». Extra. 24 de janeiro de 2012. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 
  14. Gomyde Brasil 2015, p. 129.
  15. «Tapetão no samba: 10 casos de virada de mesa no carnaval do Rio desde os anos 60». O Globo. Consultado em 16 de junho de 2018. Cópia arquivada em 5 de março de 2018 
  16. «Sotaque francês leva Imperatriz à vitória». O Globo. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  17. Sambistas comemoram tempos de paz do Complexo do Alemão. Governo do Estado do Rio de Janeiro, 21 de abril de 2013
  18. http://docvirt.com/docreader.net/Tematico/50133. «A roda viva do samba». Jornal do Brasil 
  19. «Jornal 2005». Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  20. a b «Lendário casal de mestre-sala e porta-bandeira é homenageado na Imperatriz». UOL. Consultado em 23 de abril de 2019 
  21. «Chiquinho e Maria Helena». Nobres Casais. Consultado em 23 de abril de 2019 
  22. «Ramos vai ganhar uma rainha no desfile da Imperatriz». G1. Consultado em 23 de abril de 2019 
  23. «Vilma, Benício, Maria Helena e Chiquinho homenageados na Grande Rio». Extra Online. 8 de janeiro de 2010. Consultado em 1 de maio de 2019. Cópia arquivada em 1 de maio de 2019 
  24. «Maria Helena volta a desfilar com bandeira pela Imperatriz». Galeria do Samba. Consultado em 23 de abril de 2019 
  25. a b c «Ícones do samba vão desfilar no carnaval de Corumbá». Diário Online. 15 de fevereiro de 2012. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  26. «Porta-bandeira da Vila Mamona passa mal e deixa desfile». Diário Online. 12 de fevereiro de 2013. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  27. a b «Vila Mamona vive drama no desfile de retorno ao Grupo Especial». Mídia Max. 12 de fevereiro de 2013. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  28. «Maria Helena e Chiquinho serão destaques em carro alegórico da Imperatriz». Extra Online 
  29. a b «Tamborim de Ouro 2015». O Dia. 18 de fevereiro de 2015. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  30. Fern, Alice; es. «Lendas vivas! Maria Helena e Chiquinho vão desfilar na Rocinha». Sambarazzo. Consultado em 23 de abril de 2019 
  31. Ortiz, Fabiola (12 de fevereiro de 2015). «Lendário casal de mestre-sala e porta-bandeira é homenageado na Imperatriz». UOL. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 10 de março de 2016 
  32. Ricardo, Igor (Ricardo). «Maria Helena e Chiquinho serão destaques em carro alegórico da Imperatriz» (publicado em 2 de fevereiro de 2015). Extra Online. Consultado em 30 de abril de 2019. Cópia arquivada em 4 de março de 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  33. Fern, Alice; es. «Lendas vivas! Maria Helena e Chiquinho vão desfilar na Rocinha». Sambarazzo. Consultado em 23 de abril de 2019 
  34. «Crianças da Miúdinha da Cabuçu reverenciam Chiquinho e Maria Helena – Sambrasil.Net». sambrasil.net. 13 de fevereiro de 2018. Consultado em 1 de maio de 2019. Cópia arquivada em 1 de maio de 2019 
  35. Tesi, Romulo (13 de fevereiro de 2018). «Chiquinho e Maria Helena cogitaram desistir de participação na comissão de frente da Imperatriz». Setor 1 - UOL. Consultado em 23 de abril de 2019 
  36. «Chiquinho e Maria Helena estão de volta à Imperatriz Leopoldinense». Extra Online. Consultado em 23 de abril de 2019 
  37. «Série B 2019: Com Maria Helena e Chiquinho, Arame de Ricardo homenageia Jeronymo». SRzd. 6 de março de 2019. Consultado em 23 de abril de 2019 
  38. a b c d e f g Motta 2013, pp. 105-106.
  39. «1971». Galeria do Samba. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 
  40. «1972». Galeria do Samba. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 
  41. «1973». Galeria do Samba. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 
  42. «1974». Galeria do Samba. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 
  43. «1976». Galeria do Samba. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 
  44. «Casais». Site Nobres Casais. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 1 de junho de 2017 
  45. «Notas 1977». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  46. Gomyde Brasil 2015, p. 78.
  47. «Notas 1979». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  48. «1980». Galeria do Samba. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 
  49. Gomyde Brasil 2015, p. 92.
  50. «1981». Galeria do Samba. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 
  51. Gomyde Brasil 2015, p. 100.
  52. «1982». Galeria do Samba. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 
  53. Silva 2014, p. 75.
  54. Gomyde Brasil 2015, p. 107.
  55. Motta 2013, pp. 108-109.
  56. «Notas 1984». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  57. «Carnaval 1984». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  58. «Notas 1985». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  59. «Carnaval 1985». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  60. «Notas 1986». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  61. «Carnaval 1986». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  62. «Notas 1987». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  63. «Carnaval 1987». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  64. «Notas 1988». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  65. «Carnaval 1988». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2015 
  66. «Notas 1989». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  67. «Carnaval 1989». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  68. «Notas 1990». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  69. «Carnaval 1990». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  70. «Notas 1991». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  71. «Carnaval 1991». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  72. «Notas 1992». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  73. «Carnaval 1992». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  74. «Notas 1994». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  75. «Carnaval 1994». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  76. «Notas 1995». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  77. «Carnaval 1995». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  78. «Notas 1996». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  79. «Carnaval 1996». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  80. «Notas 1997». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  81. «Carnaval 1997». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  82. «Notas 1998». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  83. «Carnaval 1998». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  84. «Notas 1999». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2016 
  85. «Carnaval 1999». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  86. «Notas 2000». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2016 
  87. «Carnaval 2000». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  88. «Notas 2001». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  89. «Carnaval 2001». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  90. «Notas 2002». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  91. «Carnaval 2002». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  92. «Notas 2003». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  93. «Carnaval 2003». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  94. «Notas 2004». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  95. «Carnaval 2004». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 25 de novembro de 2015 
  96. «Notas 2005». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  97. «Carnaval 2005». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2015 
  98. «Carnaval 2006». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 1 de junho de 2017 
  99. «Notas 2006 – Grupo A». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  100. «Carnaval 2007». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 1 de junho de 2017 
  101. «Gato de Prata 2011». Galeria do Samba. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  102. «Plumas e Paetês 2011». Academia do Samba. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  103. «Rute Alves». Revista Samba Conexão. 6 de janeiro de 2017. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 [ligação inativa]
  104. «Rute Alves fala sobre carreira, desavenças, parcerias e julgamento». SRZD - Sidney Rezende. 1 de fevereiro de 2017. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 
  105. «Entrevista Marcella». obatuque.com. Consultado em 10 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 24 de abril de 2019 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bastos, João (2010). Acadêmicos, unidos e tantas mais - Entendendo os desfiles e como tudo começou 1.ª ed. Rio de Janeiro: Folha Seca. 248 páginas. ISBN 978-85-87199-17-1 
  • Cabral, Sérgio (2011). Escolas de Samba do Rio de Janeiro 3.ª ed. São Paulo: Lazuli; Companhia Editora Nacional. 495 páginas. ISBN 978-85-7865-039-1 
  • Diniz, Alan; Medeiros, Alan; Fabato, Fábio (2014). As Três Irmãs - Como Um Trio de Penetras "Arrombou a Festa" 1.ª ed. Rio de Janeiro: Novaterra. 207 páginas. ISBN 978-85-61893-12-5 
  • Gomyde Brasil, Pérsio (2015). Da Candelária à Apoteose - Quatro décadas de paixão 3.ª ed. Rio de Janeiro: Multifoco. 501 páginas. ISBN 978-85-7961-102-5 
  • Motta, Aydano André (2013). Onze mulheres incríveis do carnaval carioca - Histórias de Porta-bandeiras 1.ª ed. Rio de Janeiro, Brasil: Verso Brasil Editora. 229 páginas. ISBN 978-85-62767-10-4 
  • Silva, Misael (2014). Na batida do Bum, Bum, Paticumbumprugurundum 1.ª ed. Rio de Janeiro: Multifoco. 99 páginas. ISBN 978-85-8273-534-3 

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maria Helena Rodrigues
Precedida por:
Irene
Porta-bandeira da Imperatriz Leopoldinense
1982–1992 (11 anos)
Sucedida por:
Neide
Precedida por:
Neide
Porta-bandeira da Imperatriz Leopoldinense
1994–2005 (12 anos)
Sucedida por:
Verônica Lima