Raphael Rodrigues (mestre-sala)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Raphael Rodrigues
Rio de Janeiro- Carnival 2016 2F5A2233.jpg
Raphael no desfile campeão da Mangueira, em 2016.
Informações pessoais
Nome completo Raphael da Silva Rodrigues
Data de nasc. 04 de maio de 1984 (35 anos)
Local de nasc. Rio de Janeiro,  Brasil
Informações profissionais
Escola atual Unidos de Vila Isabel
Escolas de samba

Raphael da Silva Rodrigues (Rio de Janeiro, 4 de maio de 1984) é um mestre-sala de escola de samba brasileiro, duas vezes campeão do carnaval carioca. É vencedor do Estandarte de Ouro, considerado o "Óscar do carnaval", entre outros prêmios como Tamborim de Ouro, S@mba-Net, Estrela do Carnaval e Tupi Carnaval Total.

Formado pela Escola de Mestre Manoel Dionísio, Raphael se interessou dança de mestre-sala aos oito anos de idade.[1] Quando adolescente, foi jogador de futebol, tendo passado pelas categorias de base do Olaria Atlético Clube. Deixou o futebol para seguir no carnaval.[2]

Foi mestre-sala de escolas como Unidos de Vila Isabel, Unidos do Viradouro, Mocidade Independente de Padre Miguel e Estação Primeira de Mangueira. Também participou do carnaval de Uruguaiana, desfilando pelo Império Serrano.[3] Entre 2013 e 2014, presidiu a escola Império Rubro-Negro.[4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Raphael da Silva Rodrigues nasceu no dia 4 de maio de 1984, no Rio de Janeiro. Aos oito anos de idade se interessou pela dança de mestre-sala. Cursou a Escola de Dança de Mestre Manoel Dionísio.[1] Foi jogador de futebol na adolescência. Entre os doze e dezessete anos de idade, teve passagem pelas categorias de base do Olaria Atlético Clube. Jogava na posição de lateral direito. Aos dezessete, abriu mão do futebol, optando por seguir carreira no carnaval.[2]

"Foi difícil, gostava muito do futebol e de dançar. Tive que tomar uma decisão. Optei pelo Carnaval. Fiz bem. A dança é a minha vida."
— Raphael sobre sua escolha pelo carnaval.[2]
Rute Alves e Raphael no desfile de 2005 da Vila Isabel, ano de estreia do mestre-sala na primeira divisão.

Em 2001, foi o segundo mestre-sala da escola de samba Boi da Ilha do Governador. Para o ano seguinte, foi promovido ao primeiro posto. Dançando com a porta-bandeira Bárbara Leir, conquistou a nota máxima dos jurados. Em 2003, novamente pelo Boi da Ilha, conquistou as notas 10 e 9,5, mas a escola foi rebaixada. Em 2004 foi o primeiro mestre-sala do Leão de Nova Iguaçu. Para o carnaval de 2005, recebeu o convite da Unidos de Vila Isabel que, naquele ano, retornava ao Grupo Especial. Fez sua estreia na primeira divisão do carnaval carioca dançando com a porta-bandeira Rute Alves. Em 2007, a Vila Isabel foi campeã, e Raphael conquistou seu primeiro título no carnaval. Novamente com a porta-bandeira Rute, conquistou as notas 10, 10, 10 e 9,7. Em 2007, não conquistou nenhuma nota máxima, mas foi premiado pelo Estandarte de Ouro. Após o carnaval, anunciou seu desligamento da escola. Em 2008, dançou com a porta-bandeira Simone, na Unidos do Viradouro.

Para o carnaval de 2009, se transferiu para a Mocidade Independente de Padre Miguel, onde dançou a porta-bandeira Marcella Alves. Após o carnaval, Raphael e Marcella se transferiram para a Estação Primeira de Mangueira, substituindo o casal Giovanna Justo e Marquinhos, que desfilavam há quatorze anos na verde-e-rosa.[5] Em seu primeiro ano na escola, Raphael e Marcella perderam três décimos no julgamento oficial. Os dois receberam os prêmios Estrela do Carnaval e Tupi Carnaval Total 2010.[6][7]

Marcella Alves e Raphael no desfile de 2012 da Mangueira. Fantasia do casal não foi bem aceita pelos jurados.

No carnaval de 2011, o casal foi o único a conquistar a pontuação máxima dos jurados, com quatro notas 10 e uma nota 9,8 que foi descartada. Com um enredo em homenagem a Nelson Cavaquinho, a Mangueira ficou classificada na terceira colocação. Marcella e Raphael receberam o prêmio Tamborim de Ouro de melhor casal de 2011.[8] Em 2012, Raphael desfilou representando o bloco Cacique de Ramos, enquanto Marcella representou o bloco Bafo da Onça. A caracterização não agradou os jurados e o casal conquistou apenas uma nota 10.[9] Pela exibição, o casal recebeu mais um Tamborim de Ouro.[10]

No desfile de 2013, Raphael e Marcella conquistaram nota 10 de todos os jurados, além de diversas premiações como o Estrela do Carnaval, S@mba-Net e Tupi Carnaval Total.[11][12][13][14] Após o carnaval, Marcella se desligou da Mangueira, que contratou Squel Jorgea para ocupar seu lugar. No mesmo ano, Raphael desfilou com Marcella pela escola Império Serrano (de Uruguaiana), no carnaval de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul. O carnaval da região é conhecido por ser "fora de época", não coincidindo com os desfiles do Rio. Por falta de verba da escola, o casal recebeu cachê para desfilar apenas em uma das duas noites de apresentação.[3] Ainda em 2013, Raphael foi eleito presidente da escola de samba Império Rubro-Negro. A agremiação durou apenas um ano.[4]

No carnaval de 2015, Raphael e Squel conquistaram nota máxima de todos os jurados. Em 2016, a Mangueira foi campeã e Raphael conquistou seu segundo título no carnaval carioca. O mestre-sala passou mal entre a primeira e a segunda apresentação, mas conquistou novamente a pontuação máxima.[15] Após o carnaval, Raphael anunciou seu desligamento da Mangueira e sua retorno à Vila Isabel. No final de 2016, voltou a falar com Rute Alves, com quem estava brigado desde 2007. Na época, a porta-bandeira ficou magoada com o fato do mestre-sala se desligar da Vila Isabel.[16]

"Tô muito feliz por reatarmos a nossa amizade e ela ter me perdoado. Foi um erro meu, por imaturidade. Agora, está tudo acontecendo: estou na escola que me projetou, a Rute é a porta-bandeira que me projetou."
— Raphael sobre Rute Alves e seu retorno à Vila Isabel.[16]

Carnavais[editar | editar código-fonte]

Abaixo, a lista de carnavais de Raphael e seu desempenho em cada ano.

Rio de Janeiro[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Carnaval do Rio de Janeiro
Legenda:  0  Nota descartada  N  Escola foi campeã
Ano Divisão Escola Classificação Porta-Bandeira Notas Ref.
2001 Grupo A Boi da Ilha do Governador 6.º lugar Bárbara Leir Segundo mestre-sala [17][18]
2002 Grupo A Boi da Ilha do Governador 6.º lugar Bárbara Leir 10 10 - - - [19][20][21]
2003 Grupo A Boi da Ilha do Governador 12.º lugar (rebaixada) Bárbara Leir 10 9,5 - - - [22][23][24]
2004 Grupo A Leão de Nova Iguaçu 11.º lugar (rebaixada) Bárbara Leir 10 9,9 9,8 9,3 - [25][26][27]
2005 Especial Unidos de Vila Isabel 10.º lugar Rute Alves 10 10 10 9,9 - [28][29][30]
2006 Especial Unidos de Vila Isabel Campeã Rute Alves 10 10 10 9,7 - [31][32][33]
2007 Especial Unidos de Vila Isabel 6.º lugar Rute Alves 9,9 9,9 9,9 9,8 - [34][35][36]
2008 Especial Unidos do Viradouro 7.º lugar Simone Pereira 9,9 9,9 9,8 9,8 - [37][38][39]
2009 Especial Mocidade Independente de Padre Miguel 11.º lugar Marcella Alves 10 9,9 9,9 9,8 - [40][41][42]
2010 Especial Estação Primeira de Mangueira 6.º lugar Marcella Alves 10 9,9 9,8 10 9,8 [43][44]
2011 Especial Estação Primeira de Mangueira 3.º lugar Marcella Alves 10 10 10 10 9,8 [45][46]
2012 Especial Estação Primeira de Mangueira 7.º lugar Marcella Alves 10 9,9 9,7 9,6 - [47][48]
2013 Especial Estação Primeira de Mangueira 8.º lugar Marcella Alves 10 10 10 10 - [49][50]
2014 Especial Estação Primeira de Mangueira 8.º lugar Squel Jorgea 9,9 9,9 9,9 9,8 - [51][52]
2015 Especial Estação Primeira de Mangueira 10.º lugar Squel Jorgea 10 10 10 10 - [53][54]
2016 Especial Estação Primeira de Mangueira Campeã Squel Jorgea 10 10 10 10 - [55][56]
2017 Especial Unidos de Vila Isabel 10.º lugar Amanda Poblete 10 9,9 9,9 9,9 - [57][58]
2018 Especial Unidos de Vila Isabel 9.º lugar Denadir Garcia 9,9 9,9 9,8 9,8 - [59][60]
2019 Especial Unidos de Vila Isabel 3.º lugar Denadir Garcia 10 10 10 10 [61][62]

Uruguaiana[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Carnaval de Uruguaiana
Ano Grupo Escola Porta-Bandeira Classificação Ref.
2013 Especial Império Serrano (Uruguaiana) Marcella Alves 7.º lugar [63][64][65]

Títulos e estatísticas[editar | editar código-fonte]

Raphael foi duas vezes campeão do carnaval carioca.

Divisão Farm-Fresh cup gold.png
Campeonato
Ano Farm-Fresh cup silver.png
Vice
Ano Farm-Fresh cup bronze.png
Terceiro lugar
Ano
Emblem-star.svg
Grupo Especial
2 2006 e 2016 0 - 2 2011 e 2019

Premiações[editar | editar código-fonte]

Raphael recebendo o prêmio Estrela do Carnaval de Melhor Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira de 2010.

Abaixo, a lista de prêmios recebidos por Raphael Rodrigues em sua carreira no carnaval.

2007 - Melhor Mestre-Sala (Vila Isabel) [66]

2011 - Melhor Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira (com Marcella Alves - Mangueira) [67][68]

2012 - Melhor Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira (com Marcella Alves - Mangueira) [69][70]

  • Estrela do Carnaval

2010 - Melhor Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira (com Marcella Alves - Mangueira) [71]

2013 - Melhor Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira (com Marcella Alves - Mangueira) [72]

  • Tupi Carnaval Total

2010 - Melhor Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira (com Marcella Alves - Mangueira) [73]

2013 - Melhor Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira (com Marcella Alves - Mangueira) [74]

2013 - Melhor Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira (com Marcella Alves - Mangueira) [75]

Referências

  1. a b «Livro Abre-Alas 2019» (PDF). LIESA. p. 107. Consultado em 5 de maio de 2019 
  2. a b c «Craque! Mestre-sala largou carreira no futebol para se dedicar ao samba». Sambarazzo. Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 5 de maio de 2019 
  3. a b «Império Serrano encerra carnaval e repete desfile problemático». Clic RBS. 3 de março de 2013. Consultado em 25 de janeiro de 2017 
  4. a b «Mestre-sala da Mangueira é o novo presidente do Império Rubro-Negro». O Dia. 14 de dezembro de 2013. Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 5 de maio de 2019 
  5. «Marcella Alves e Rafael deixam a Mocidade e negociam sua ida para Mangueira». Galeria do Samba. 7 de abril de 2009. Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  6. «Estrela do Carnaval». carnavalesco.com. Consultado em 12 de janeiro de 2017 
  7. «Capemisa apoia entrega do troféu Carnaval Total». revistaapolice. 11 de março de 2010. Consultado em 12 de janeiro de 2017 
  8. «Superação após incêndio também vale Tamborim». odia.ig.com. 12 de março de 2011. Consultado em 12 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 23 de fevereiro de 2016 
  9. «Justificativas 2012». Liesa. Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  10. «Vila conquista o Rio e fatura o Tamborim de Ouro». odia.ig.com. 22 de fevereiro de 2012. Consultado em 12 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  11. «Casal de mestre-sala e porta-bandeira da Mangueira comemora 10». r7.com. 13 de fevereiro de 2013. Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  12. «Estrela do Carnaval 2013». carnavalesco.com. 12 de fevereiro de 2013. Consultado em 12 de janeiro de 2017 
  13. «Sambanet 2013». sambanet.com.br. Consultado em 12 de janeiro de 2017 
  14. «Trofeu Tupi Carnaval Total 2013». carnaval.tupi.am. Consultado em 12 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 17 de novembro de 2015 
  15. «Chamou o Raul! Mestre-sala lembra sufoco no desfile: 'Botei pra fora'». Sambarazzo. Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 5 de maio de 2019 
  16. a b «Lição! Tragédia com time da Chapecoense fez casal se reconciliar». Sambarazzo. Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2017 
  17. «Boi da Ilha 2001». Academia do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 5 de maio de 2019 
  18. «Boi da Ilha do Governador 2001». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  19. «Boi da Ilha do Governador 2002». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  20. «Boi da Ilha 2002». Academia do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 5 de maio de 2019 
  21. «Notas 2002 – Grupo A». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  22. «Boi da Ilha 2003». Academia do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 5 de maio de 2019 
  23. «Boi da Ilha do Governador 2003». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  24. «Notas 2003 – Grupo A». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  25. «Leão de Nova Iguaçu 2004». Academia do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 16 de novembro de 2013 
  26. «Notas 2004 – Grupo A». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  27. «Leão de Nova Iguaçu 2004». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  28. «Unidos de Vila Isabel 2005». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  29. «Notas 2005». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  30. «Vila Isabel 2005». Academia do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2013 
  31. «Unidos de Vila Isabel 2006». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  32. «Notas 2006». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  33. «Vila Isabel 2006». Academia do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2013 
  34. «Unidos de Vila Isabel 2007». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  35. «Notas 2007». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  36. «Vila Isabel 2007». Academia do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2013 
  37. «Unidos do Viradouro 2008». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  38. «Notas 2008». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  39. «Viradouro 2008». Academia do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 5 de maio de 2019 
  40. «Notas 2009». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  41. «Mocidade 2009». Galeria do Samba. Consultado em 31 de maio de 2017. Cópia arquivada em 31 de maio de 2017 
  42. «Mocidade 2009». Academia do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 24 de outubro de 2013 
  43. «Notas 2010». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  44. «Mangueira 2010». Galeria do Samba. Consultado em 31 de maio de 2017. Cópia arquivada em 31 de maio de 2017 
  45. «Notas 2011». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  46. «Mangueira 2011». Galeria do Samba. Consultado em 31 de maio de 2017. Cópia arquivada em 31 de maio de 2017 
  47. «Notas 2012». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  48. «Mangueira 2012». Galeria do Samba. Consultado em 31 de maio de 2017. Cópia arquivada em 31 de maio de 2017 
  49. «Notas 2013». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  50. «Mangueira 2013». Galeria do Samba. Consultado em 31 de maio de 2017. Cópia arquivada em 31 de maio de 2017 
  51. «Notas 2014». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  52. «Mangueira 2014». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 2 de junho de 2017 
  53. «Notas 2015». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  54. «Mangueira 2015». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 2 de junho de 2017 
  55. «Notas 2016». Site Apoteose. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 2 de junho de 2017 
  56. «Mangueira 2016». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 2 de junho de 2017 
  57. «Notas 2017». Site Apoteose. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 1 de junho de 2017 
  58. «Unidos de Vila Isabel 2017». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  59. «Notas 2018 – Grupo Especial». Site Apoteose. Consultado em 8 de junho de 2018. Cópia arquivada em 8 de junho de 2018 
  60. «Unidos de Vila Isabel 2018». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  61. «Notas 2019 – Grupo Especial». Site Apoteose. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 23 de abril de 2018 
  62. «Unidos de Vila Isabel 2019». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  63. «Uruguaiana 2013». Carnavalesco.com. 28 de fevereiro de 2013. Consultado em 25 de janeiro de 2017 
  64. «Império Serrano abre carnaval com desfile problemático». Clic RBS. 1 de março de 2013. Consultado em 25 de janeiro de 2017 
  65. «Cova é tetra em Uruguaiana». Clic RBS. 3 de março de 2013. Consultado em 25 de janeiro de 2017 
  66. «Lista de premiados: 1972–2013». Site Apoteose.com. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 26 de março de 2017 
  67. «Tamborim de Ouro 2011». Academia do Samba. Consultado em 12 de janeiro de 2017 
  68. «Superação após incêndio também vale Tamborim». odia.ig.com. 12 de março de 2011. Consultado em 12 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 23 de fevereiro de 2016 
  69. «Tamborim de Ouro 2012». Academia do Samba. Consultado em 12 de janeiro de 2017 
  70. «Vila conquista o Rio e fatura o Tamborim de Ouro». odia.ig.com. 22 de fevereiro de 2012. Consultado em 12 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  71. «Estrela do Carnaval». carnavalesco.com. Consultado em 12 de janeiro de 2017 
  72. «Estrela do Carnaval 2013». carnavalesco.com. 12 de fevereiro de 2013. Consultado em 12 de janeiro de 2017 
  73. «Capemisa apoia entrega do troféu Carnaval Total». revistaapolice. 11 de março de 2010. Consultado em 12 de janeiro de 2017 
  74. «Trofeu Tupi Carnaval Total 2013». carnaval.tupi.am. Consultado em 12 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 17 de novembro de 2015 
  75. «Sambanet 2013». sambanet.com.br. Consultado em 12 de janeiro de 2017 

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Raphael Rodrigues