Ronaldinho (mestre-sala)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ronaldinho
Ronaldinho, mestre-sala do Salgueiro em 2008.jpg
Ronaldinho no desfile de 2008 do Salgueiro.
Informações pessoais
Nome completo Reinaldo Alves Teixeira
Data de nasc. 1971
Local de nasc. São João de Meriti,  Rio de Janeiro,  Brasil
Falecido em 12 de abril de 2013 (42 anos)
Local da morte Duque de Caxias,  Rio de Janeiro
Informações profissionais
Escolas de samba

Reinaldo Alves Teixeira, mais conhecido pelo apelido Ronaldinho (São João de Meriti, 1971Duque de Caxias, 12 de abril de 2013) foi um mestre-sala brasileiro, campeão do carnaval carioca de 2009 pelo Acadêmicos do Salgueiro. Foi vice-campeão do carnaval em 1991 e 2008, também pelo Salgueiro. Venceu o Grupo de Acesso A em 1992, pelo Acadêmicos do Grande Rio. É um dos maiores vencedores do Estandarte de Ouro, considerado o "óscar do carnaval", tendo ganho cinco prêmios.[1]

Iniciou no carnaval aos 10 anos de idade. Passou por diferentes escolas de samba, como União da Ilha do Governador, São Clemente, Acadêmicos do Cubango, Caprichosos de Pilares, Unidos da Ponte e Império da Tijuca. Em 2001 se acidentou no incêndio que destruiu o cenário do programa Xuxa Park. Morreu em 12 de abril de 2013, aos 42 anos, decorrência de um câncer de garganta do qual tratava há um ano.[2][3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

1971–1987: Infância e início no carnaval[editar | editar código-fonte]

Reinaldo Alves Teixeira nasceu em São João de Meriti, recebendo o apelido Ronaldinho ainda criança.[4] Filho do também mestre-sala Ebio Serafim Teixeira e de Vera Lúcia, Ronaldinho começou a desfilar aos oito anos de idade, no Bloco Carnavalesco Inocente de Jardim Metrópolis.[5] Aos treze anos foi pentacampeão desfilando pela Acadêmicos do Cubango, no carnaval de Niterói.[6] Após uma pausa para os estudos, Ronaldinho retornou ao carnaval em 1982, desfilando na escola de samba Bom das Bocas, no carnaval de Três Rios. Após mais dois anos de pausa para os estudos, em 1985, fez sua estreia na elite do carnaval carioca como primeiro mestre-sala do Império da Tijuca. Ficou por quatro anos na escola, se desligando da agremiação após o carnaval de 1987, quando a escola foi rebaixada para o segundo grupo. Na mesma época, se casou Gilzéria, se mudando para o Morro da Formiga, na Tijuca.

1988–1994: Estandarte de Ouro pelo Salgueiro e campeão do Acesso na Grande Rio[editar | editar código-fonte]

Em 1988, desfilou pelo Salgueiro, com a porta-bandeira Norminha. O desempenho lhe valeu seu primeiro Estandarte de Ouro de melhor mestre-sala. No ano seguinte, em 1989, desfilou pela Unidos da Ponte. Junto com a porta-bandeira Nicinha, Ronaldinho não conseguiu nenhuma nota máxima e a escola foi rebaixada para a segunda divisão. Em 1990 desfilou pela Caprichosos de Pilares, onde retomou a parceria com a porta-bandeira Norminha. No ano seguinte, em 1991, retornou ao Salgueiro, formando par com a porta-bandeira Rita Freitas. Os dois conquistaram apenas uma nota máxima, mas a escola foi vice-campeã do Grupo Especial. Em 1992, o mestre-sala desfilou pelo Acadêmicos do Grande Rio no grupo de acesso A. Ronaldinho e a porta-bandeira Adriene conquistaram a nota méxima de todos os jurados e a escola sagrou-se campeã da segunda divisão.[4] No ano seguinte, permaneceu na Grande Rio, no retorno da escola ao Grupo Especial, onde retomou a parceria com a porta-bandeira Rita Freitas. Os dois conquistaram apenas uma nota máxima e, para o ano seguinte, ainda na Grande Rio, Ronaldinho novamente trocou de porta-bandeira, dançando com Ivone.

1995–2005: Mais quatro Estandartes e drama no incêndio do Xuxa Park[editar | editar código-fonte]

Ronaldinho e Marcella Alves no desfile de 2003 do Salgueiro, que valeu ao mestre-sala seu quarto Estandarte de Ouro.

No carnaval de 1995, desfilou pela São Clemente, onde conquistou seu segundo Estandarte de Ouro. Porém, o mestre-sala e a porta-bandeira Taninha não conquistaram nenhuma nota máxima e a escola foi rebaixada de grupo. Em 1996, retornou à Império da Tijuca, novamente com Taninha. A escola também foi rebaixada. Em 1998, novamente com Taninha, desfilou pela Cubango, dessa vez, no Grupo de Acesso A do Rio de Janeiro. Conquistou três notas máximas e a escola se classificou em quarto lugar. Em 1999 retornou à Grande Rio, no Grupo Especial, dançando com a porta-bandeira Verônica Lima, que foi sua aluna em anos passados.[7] O casal conquistou nota máxima de todos os jurados e a escola obteve seu melhor resultado no carnaval até então. No ano seguinte, Ronaldinho e Verônica desfilaram novamente pela Grande Rio, mas não conquistaram nenhuma nota máxima do júri oficial.

Para o carnaval de 2001, acertou seu retorno ao Salgueiro, formando par com a porta-bandeira Marcella Alves. Na noite de 11 de janeiro de 2001, Ronaldinho e Marcella participavam da gravação do programa de televisão Xuxa Park, quando um incêndio destruiu o cenário do programa deixando várias pessoas feridas, incluindo Ronaldinho e seu afilhado, Marcus Vinícius, de cinco anos.[8] Após gravar sua participação, Ronaldinho aguardava o término das gravações enquanto seu afilhado brincava numa roda gigante que fazia parte do cenário do programa. Ao perceber o incêndio, Ronaldinho driblou a segurança e invadiu o estúdio para resgatar Marcus. O mestre-sala se atirou no meio da fumaça e das chamas e conseguiu desprender Marcus Vinícius. Ambos foram internados numa clínica médica para recuperação. Ronaldinho teve 20% da área corporal atingida enquanto seu afilhado teve 40% do corpo queimado. A porta-bandeira Marcella Alves conseguiu escapar das chamas.[9] Após passar dezoito dias internado numa clínica para recuperação, Ronaldinho recebeu alta e retomou os ensaios para o desfile do Salgueiro.[10] O casal recebeu nota máxima dos jurados e, pela terceira vez, Ronaldinho foi premiado com o Estandarte de Ouro de melhor mestre-sala do carnaval.[11]

Ronaldinho e Marcella Alves no desfile de 2005 do Salgueiro.

No desfile de 2002, Marcella deixou a bandeira da escola cair durante sua apresentação no primeiro módulo, o que rendeu uma nota 9,2 ao casal. A escola terminou na sexta colocação.[12] Em 2003, apesar do casal não obter um bom desempenho, perdendo quatro décimos no total das notas, Ronaldinho foi novamente agraciado com Estandarte de Ouro, o terceiro de sua carreira. Com um desfile comemorativo pelos seus cinquenta anos, o Salgueiro se classificou em sétimo lugar, ficando de fora do desfile das campeãs. No carnaval de 2004, o casal recebeu nota máxima de todos os jurados, sendo, ao lado de Lucinha Nobre e Rogerinho Dornelles da Unidos da Tijuca, os únicos casais a conquistar quatro notas 10. A escola foi a sexta colocada do carnaval e Ronaldinho recebeu o seu quinto e último Estandarte de Ouro da carreira. Em 2005, Ronaldinho e Marcella perderam meio ponto no julgamento oficial. Após o resultado, a porta-bandeira se desligou do Salgueiro, atribuindo sua saída à desentendimentos com o então presidente da agremiação, Luiz Augusto Laje Duran ("Fú").[13] Segundo Marcella, seu relacionamento com o mestre-sala Ronaldinho também estaria desgastado.[13] Após a saída de Marcella, Ronaldinho declarou em entrevista que a porta-bandeira foi imatura ao deixar a escola após um resultado ruim.[13]

2006–2013: Campeão no Salgueiro e despedida do carnaval[editar | editar código-fonte]

Ronaldinho no desfile de 2009 do Salgueiro.

Para o desfile de 2006 do Salgueiro, Ronaldinho retomou a parceria com a porta-bandeira Rita Freitas, com quem dançou em 1991 e 1993. Os dois não receberam nenhuma nota máxima, sendo descontados em meio ponto. O Salgueiro obteve o 11.º lugar, a pior colocação de sua história até então. O casal logo foi desfeito e em 2007, Ronaldinho dançou com a porta-bandeira Gleice Simpatia. Os dois receberam três notas máximas e o Salgueiro ficou classificado em sétimo lugar. No carnaval de 2008, Ronaldinho e Gleice receberam duas notas máximas e o Salgueiro foi vice-campeão do carnaval. Em 2009, novamente o casal teve um bom desempenho, conquistando três notas máximas e perdendo apenas um décimo. O Salgueiro foi campeão do carnaval e Ronaldinho conquistou seu primeiro título na elite do carnaval carioca. No ano seguinte, em 2010, Ronaldinho e Gleice não receberam nenhuma nota máxima. O Salgueiro ficou em quinto lugar.

Ronaldinho e Verônica Lima no desfile de 2011 da União da Ilha.

Após o carnaval o mestre-sala se desligou do Salgueiro, se transferindo para a União da Ilha do Governador.[14] Na manhã do dia 7 de fevereiro de 2011, faltando 27 dias para o desfile, um incêndio na Cidade do Samba atingiu os barracões de Portela, Grande Rio e União da Ilha.[15][16][17] No mesmo dia da acidente, a LIESA decidiu que nenhuma escola seria rebaixada e as três agremiações atingidas desfilariam como hors concours, não sendo julgadas.[18] Ronaldinho se apresentou com Verônica Lima, sua ex aluna e com quem dançara nos carnavais de 1999 e 2000. Em 2012, o casal novamente dançou pela União da Ilha, mas não obteve um bom resultado, perdendo meio ponto e não recebendo a nota máxima. A escola ficou classificada no oitavo lugar. Após o carnaval, o casal se desligou da agremiação.[19] Para o carnaval de 2013, Ronaldinho acertou sua transferência para a Unidos do Viradouro, que desfilaria na Série A, a segunda divisão do carnaval. Faltando pouco mais de um mês para o desfile, Ronaldinho pediu dispensa da escola alegando problemas de saúde. Ronaldinho, que dançaria com Alessandra Chagas, foi substituído por Marlon Flores, até então segundo mestre-sala da Viradouro.[20]

Morte[editar | editar código-fonte]

Ronaldinho passou mal na tarde de sexta-feira, dia 12 de abril de 2013, sendo internado ás pressas na UPA de Duque de Caxias, onde morreu às 17 horas e 50 minutos em decorrência de um câncer de garganta do qual tratava há um ano.[2][3] O corpo do mestre-sala foi enterrado na manhã do dia seguinte ao falecimento, no Cemitério de Vila Rosali, em São João de Meriti.[21]

Carnavais[editar | editar código-fonte]

Abaixo, a lista de carnavais de Ronaldinho no Rio de Janeiro e seu desempenho em cada ano.

Legenda:  0  Nota descartada  N  Escola foi campeã
Ano Grupo Escola Classificação Porta-bandeira Notas Ref.
1985 Grupo 1A Império da Tijuca 11.º lugar Irene 9 9 - - - [22][23][4]
1986 Grupo 1A Império da Tijuca 12.º lugar Irene 8 9 - - - [24][25]
1987 Grupo 1 Império da Tijuca 16.º lugar
(Rebaixada)
Irene 7 8 9 9 - [26][27]
1988 Grupo 1 Acadêmicos do Salgueiro 4.º lugar Norminha 9 9 10 10 - [28][29]
1989 Grupo 1 Unidos da Ponte 15.º lugar
(Rebaixada)
Nicinha 8 9 9 - - [30][31][32]
1990 Especial Caprichosos de Pilares 13.º lugar Norminha 8 8 9 - - [33][34]
1991 Especial Acadêmicos do Salgueiro Vice-campeão Rita Freitas 9 9,5 10 - - [35][36]
1992 Grupo A Acadêmicos do Grande Rio Campeão Adriene 10 10 10 - - [37][4]
1993 Especial Acadêmicos do Grande Rio 9.º lugar Rita Freitas 9 9 10 - - [38][39]
1994 Especial Acadêmicos do Grande Rio 12.º lugar Ivone 8 9,5 10 - - [40][41]
1995 Especial São Clemente 17.º lugar
(Rebaixada)
Taninha 9 9 9 9,5 9,5 [42][43]
1996 Especial Império da Tijuca 17.º lugar
(Rebaixada)
Taninha 8,5 9 9 10 10 [44][45]
1998 Grupo A Acadêmicos do Cubango 4.º lugar Taninha 10 10 10 9 - [46][47]
1999 Especial Acadêmicos do Grande Rio 6.º lugar Verônica Lima 10 10 10 - - [48][49]
2000 Especial Acadêmicos do Grande Rio 9.º lugar Verônica Lima 9 9 9 - - [50][51]
2001 Especial Acadêmicos do Salgueiro 4.º lugar Marcella Alves 10 10 10 - - [52][53]
2002 Especial Acadêmicos do Salgueiro 6.º lugar Marcella Alves 10 10 10 9,2 - [54][55]
2003 Especial Acadêmicos do Salgueiro 7.º lugar Marcella Alves 10 10 9,8 9,8 - [56][57]
2004 Especial Acadêmicos do Salgueiro 6.º lugar Marcella Alves 10 10 10 10 - [58][59]
2005 Especial Acadêmicos do Salgueiro 5.º lugar Marcella Alves 9,9 9,9 9,9 9,8 - [60][61]
2006 Especial Acadêmicos do Salgueiro 11.º lugar Rita Freitas 9,8 9,9 9,9 9,9 - [62][63]
2007 Especial Acadêmicos do Salgueiro 7.º lugar Gleice Simpatia 9,8 10 10 10 - [64][65]
2008 Especial Acadêmicos do Salgueiro Vice-campeão Gleice Simpatia 9,9 9,9 10 10 - [66][67]
2009 Especial Acadêmicos do Salgueiro Campeão Gleice Simpatia 9,9 10 10 10 - [68][69]
2010 Especial Acadêmicos do Salgueiro 5.º lugar Gleice Simpatia 9,8 9,9 9,9 9,9 9,9 [70][71]
2011 Especial União da Ilha do Governador A escola não foi julgada [72][73]
2012 Especial União da Ilha do Governador 8.º lugar Verônica Lima 9,8 9,8 9,8 9,9 - [74][75]

Títulos e estatísticas[editar | editar código-fonte]

Ronaldinho conquistou dois títulos de campeão do carnaval. O primeiro, em 1992, no Grupo de Acesso A, pela Grande Rio. O segundo, em 2009, no Grupo Especial, pelo Salgueiro.

Divisão Farm-Fresh cup gold.png
Campeonato
Ano Farm-Fresh cup silver.png
Vice
Ano Farm-Fresh cup bronze.png
Terceiro lugar
Ano
Emblem-star.svg
Grupo Especial
1 2009 2 1991 e 2008 0 -
Emblem-star-gray.svg
Grupo A
1 1992 0 - 0 -

Premiações[editar | editar código-fonte]

Abaixo, a lista de prêmios recebidos por Ronaldinho em sua carreira no carnaval.

1988 - Melhor Mestre-Sala (Acadêmicos do Salgueiro)

1995 - Melhor Mestre-Sala (São Clemente)

2001 - Melhor Mestre-Sala (Acadêmicos do Salgueiro)

2003 - Melhor Mestre-Sala (Acadêmicos do Salgueiro)

2004 - Melhor Mestre-Sala (Acadêmicos do Salgueiro)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bastos, João (2010). Acadêmicos, unidos e tantas mais - Entendendo os desfiles e como tudo começou 1.ª ed. Rio de Janeiro: Folha Seca. 248 páginas. ISBN 978-85-87199-17-1 
  • Cabral, Sérgio (2011). Escolas de Samba do Rio de Janeiro 3.ª ed. São Paulo: Lazuli; Companhia Editora Nacional. 495 páginas. ISBN 978-85-7865-039-1 
  • Gomyde Brasil, Pérsio (2015). Da Candelária à Apoteose - Quatro décadas de paixão 3.ª ed. Rio de Janeiro: Multifoco. 501 páginas. ISBN 978-85-7961-102-5 
  • Motta, Aydano André (2013). Onze mulheres incríveis do carnaval carioca - Histórias de Porta-bandeiras 1.ª ed. Rio de Janeiro, Brasil: Verso Brasil Editora. 229 páginas. ISBN 978-85-62767-10-4 

Referências

  1. «Rogerinho, Ronaldinho e Claudinho, os premiados mestres-salas». O Globo. Consultado em 22 de abril de 2019. Arquivado do original em 11 de março de 2011 
  2. a b «Luto no Carnaval: morre mestre-sala Ronaldinho». SRZD - Sidney Rezende. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  3. a b «Galeria do Samba - Luto do carnaval. Morre aos 41 anos o mestre-sala Ronaldinho». Galeria do Samba. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  4. a b c d «Tem 'casal 30' na Passarela: Rita e Ronaldinho ensaiam para garantir a nota máxima para a Grande Rio». O Globo. 14 de fevereiro de 1993. p. 16. Consultado em 16 de agosto de 2019. Arquivado do original em 16 de agosto de 2019 
  5. «Mestre-sala de 21 anos dá título ao Salgueiro». O Globo. 17 de fevereiro de 1988. p. 2. Consultado em 13 de agosto de 2019. Arquivado do original em 13 de agosto de 2019 
  6. «A arte do samba nos pés de Ronaldinho». O Globo. 31 de julho de 1990. p. 57. Consultado em 15 de agosto de 2019. Arquivado do original em 15 de agosto de 2019 
  7. «Verônica Lima estréia como primeira porta-bandeira ao lado do professor Ronaldinho». O Globo. 31 de janeiro de 1999. p. 10. Consultado em 16 de agosto de 2019. Arquivado do original em 16 de agosto de 2019 
  8. «Xuxa Park pega fogo e fere 26». A Notícia. 13 de janeiro de 2001. Consultado em 25 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 19 de abril de 2016 
  9. «Mestre-sala enfrenta as chamas para salvar o filho». O Globo. 13 de janeiro de 2001. p. 14. Consultado em 16 de agosto de 2019. Arquivado do original em 16 de agosto de 2019 
  10. «Mestre-sala ferido em incêndio volta a ensaiar». O Globo. 2 de janeiro de 2001. p. 19. Consultado em 16 de agosto de 2019. Arquivado do original em 16 de agosto de 2019 
  11. «Beija-Flor ganha Estandarte de Ouro como melhor escola». dgabc.com.br. 27 de fevereiro de 2001. Consultado em 13 de janeiro de 2017 
  12. «Entrevista Marcella». obatuque.com. Consultado em 10 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 24 de abril de 2019 
  13. a b c «Entrevista Marcella». obatuque.com. Consultado em 10 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 24 de abril de 2019 
  14. «Ronaldinho não é mais o mestre-sala do Salgueiro». SRZD - Sidney Rezende. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  15. «Incêndio atinge a Cidade do Samba, no Rio de Janeiro». Veja. Consultado em 27 de maio de 2018. Cópia arquivada em 27 de maio de 2018 
  16. «'Vamos recomeçar do zero', diz presidente da União da Ilha». Portal G1. Consultado em 5 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 3 de março de 2011 
  17. «União da Ilha teve 98% de fantasias destruídas, diz diretor da escola». Portal G1. Consultado em 5 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2012 
  18. «Após incêndio, Liesa decide não rebaixar no grupo especial do RJ». Portal G1. Consultado em 5 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  19. «União da Ilha sem casal de mestre-sala e porta-bandeira». Tudo de Samba. 2 de março de 2012. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  20. Mendonça, Alba Valéria (4 de janeiro de 2013). «Viradouro tem novo 1º mestre-sala para carnaval 2013, na Série A, no Rio». G1. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  21. «LUTO! CARNAVAL DÁ ADEUS AO MESTRE- SALA RONALDINHO - Portal do Samba». www.portaldosambarj.com. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  22. «Carnaval de 1985 - Império da Tijuca». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  23. «Notas 1985». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 27 de março de 2016 
  24. «Carnaval de 1986 - Império da Tijuca». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  25. «Notas 1986». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 27 de março de 2016 
  26. «Carnaval de 1987 - Império da Tijuca». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  27. «Notas 1987». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 27 de março de 2016 
  28. «Carnaval de 1988 - Acadêmicos do Salgueiro». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  29. «Notas 1988». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 27 de março de 2016 
  30. «Carnaval de 1989 - Unidos da Ponte». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  31. «Unidos da Ponte: A natureza na Avenida, sem luxo; Mocidade: Elis está viva e desfila na Avenida num trem azul». O Globo. 5 de fevereiro de 1989. p. 5. Consultado em 14 de agosto de 2019. Arquivado do original em 14 de agosto de 2019 
  32. «Notas 1989». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 27 de março de 2016 
  33. «Carnaval de 1990 - Caprichosos de Pilares». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  34. «Notas 1990». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 27 de março de 2016 
  35. «Carnaval de 1991 - Acadêmicos do Salgueiro». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  36. «Notas 1991». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 27 de março de 2016 
  37. «Carnaval de 1992 - Acadêmicos do Grande Rio». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  38. «Carnaval de 1993 - Acadêmicos do Grande Rio». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  39. «Notas 1993». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 27 de março de 2016 
  40. «Carnaval de 1994 - Acadêmicos do Grande Rio». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  41. «Notas 1994». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 27 de março de 2016 
  42. «Carnaval de 1995 - São Clemente». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  43. «Notas 1995». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  44. «Carnaval de 1996 - Império da Tijuca». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  45. «Notas 1996». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  46. «Carnaval de 1998 - Acadêmicos do Cubango». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  47. «Notas 1998 – Grupo A». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  48. «Carnaval de 1999 - Acadêmicos do Grande Rio». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  49. «Notas 1999». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2016 
  50. «Carnaval de 2000 - Acadêmicos do Grande Rio». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  51. «Notas 2000». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2016 
  52. «Notas 2001». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  53. «2001». Galeria do Samba. Consultado em 31 de maio de 2017. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2015 
  54. «Notas 2002». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  55. «2002». Galeria do Samba. Consultado em 31 de maio de 2017. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2015 
  56. «Notas 2003». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  57. «2003». Galeria do Samba. Consultado em 31 de maio de 2017. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2015 
  58. «Notas 2004». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  59. «2004». Galeria do Samba. Consultado em 31 de maio de 2017. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2015 
  60. «Notas 2005». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  61. «2005». Galeria do Samba. Consultado em 31 de maio de 2017. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2015 
  62. «Carnaval de 2006 - Acadêmicos do Salgueiro». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  63. «Notas 2006». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  64. «Carnaval de 2007 - Acadêmicos do Salgueiro». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  65. «Notas 2007». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  66. «Carnaval de 2008 - Acadêmicos do Salgueiro». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  67. «Notas 2008». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  68. «Carnaval de 2009 - Acadêmicos do Salgueiro». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  69. «Notas 2009». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  70. «Carnaval de 2010 - Acadêmicos do Salgueiro». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  71. «Notas 2010». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  72. «Carnaval de 2011 - União da Ilha do Governador». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  73. «Notas 2011». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  74. «Carnaval de 2012 - União da Ilha do Governador». Galeria do Samba. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  75. «Notas 2012». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  76. «Lista de premiados: 1972–2013». Site Apoteose.com. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 26 de março de 2017 
  77. «Estandarte de Ouro - Melhor Mestre-sala (1972-2012)». Site Academia do Samba. Consultado em 11 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 8 de março de 2016 

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ronaldinho