Jorge Silveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Jorge Silveira
Informações pessoais
Nome completo Jorge Luiz Silveira
Data de nasc. 4 de fevereiro de 1981 (38 anos)
Local de nasc. Niterói,  Rio de Janeiro,  Brasil
Informações profissionais
Escola atual São Clemente
Escolas de samba
Anos Escolas
2015-2017
2017
2018-
Dragões da Real
Viradouro
São Clemente
Última atualização: sábado, 15 de junho de 2019

Jorge Luiz Silveira, mais conhecido como Jorge Silveira (Niterói, 4 de Fevereiro de 1981), é um carnavalesco brasileiro. Trabalha atualmente para a escola de samba São Clemente.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Formado pela Escola de Belas Artes da UFRJ[1] é filho do carnavalesco Jorge Caldeirão, que trabalhou no Carnaval de Niterói nas décadas de 1970 e 80.[2][3]

Trabalhou como professor de arte cerca de 10 anos antes de ingressar no Carnaval carioca em 2011, quando teve a oportunidade de desenhar projetos de figurinos e alegorias para carnavalescos famosos, como Max Lopes e Rosa Magalhães. No mesmo ano também ingressou no Carnaval Virtual, como carnavalesco do G.R.E.S.V. Mocidade.[2][4]

Nos anos que se seguiram, realizou trabalhos para escolas de samba como Vila Isabel, Unidos da Tijuca, Imperatriz, Mangueira, Porto da Pedra, Viradouro e Cubango, e também em agremiações de outros centros como X-9 Paulistana e Gaviões da Fiel (São Paulo), União da Ilha da Magia (Florianópolis), Os Rouxinóis e Cova da Onça (Uruguaiana) e Independente de Boa Vista (Grande Vitória). Chegou a trabalhar desenhando para oito escolas em um mesmo carnaval.[5][6][7] Contudo, revelou ter visto um projeto seu ser concretizado pela primeira vez no carnaval de 2012, quando fez desenhos para o carnavalesco Jaime Cezário em um enredo sobre o Barão de Mauá.[7]

Considerado no meio como detentor de um estilo particular, com traços cartunescos e de fácil concretização, conseguiu rápida acensão na carreira como carnavalesco.[7] Em 2015 foi convidado a integrar a equipe de carnavalescos da escola de samba paulistana Dragões da Real, da qual fez parte até 2017, quando foi vice-campeão do carnaval paulistano com o enredo "Dragões canta Asa Branca".[2]

Também para o Carnaval 2017 desenvolveu seu primeiro trabalho solo na Série A (segunda divisão) do Rio de Janeiro pela Viradouro, desenvolvendo o enredo "...E todo menino é um Rei" e conquistando o vice-campeonato e o Prêmio S@mba-Net de Revelação do Ano.[8][9]

Após o sucesso de 2017, foi contratado pela São Clemente como carnavalesco para o carnaval de 2018. O enredo "Academicamente popular" tratava do bicentenário de sua alma mater, a Escola de Belas Artes da UFRJ. Foi um um ano conturbado para a escola, que sofreu com a morte do vice-presidente, a perda da quadra e a interdição dos barracões da Cidade do Samba.[6] [10][11] Ainda assim, o desfile foi célebre por ter apresentado pela primeira vez um enredo que havia sido anteriormente realizado no Carnaval Virtual.[12]

Para o carnaval de 2019 renovou o contrato com a São Clemente e planeja um enredo com o samba reeditado "E o samba sambou", de 1990, de cunho autocrítico do próprio carnaval.[13]

É da autoria de Jorge Silveira a logomarca da Comunidade do Carnaval Virtual.[14]

Desfiles assinados por Jorge Silveira[editar | editar código-fonte]

Ano Escola Colocação Divisão Enredo Ref.
2015 Dragões da Real 5º lugar Especial Acredite se puder!
2016 Dragões da Real 6º lugar Especial Surpresa! Adivinha o que eu trouxe pra você?
2017 Dragões da Real Vice-Campeã Especial Dragões canta Asa Branca
Viradouro 2º lugar Série A ...E todo menino é um Rei
2018 São Clemente 11º lugar Especial Academicamente popular
2019 São Clemente 12º lugar Especial E o samba sambou
2020 São Clemente Especial O Conto do Vigário

Referências

  1. «Jorge Luiz Silveira» 
  2. a b c «Prosa do Folia: Jorge Silveira, carnavalesco da Dragões da Real e Viradouro». Folia do Samba. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  3. DAMICO, Rafael. «Jorge Silveira É O Novo Carnavalesco Da Viradouro». Tudo de Samba. Consultado em 7 de janeiro de 2018 
  4. «Do Carnaval Virtual ao Real - Jorge Silveira». SRZD. 10 de novembro de 2015. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  5. «A nova cara da Viradouro». O Globo. 10 de abril de 2016. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  6. a b DE PAULA, Patricia (1 de fevereiro de 2018). «Novo carnavalesco da São Clemente promete ousar em desfile na Sapucaí». O Globo. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  7. a b c FREIRE, Beatriz; ANTAN, Leonardo (2017). «Processos da Criação: Jorge Silveira - Do traço marcante à materialização de um carnaval». Carnavalize. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  8. «Prêmio S@mbanet» 
  9. «A nova cara da Viradouro». O Globo. 10 de abril de 2016. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  10. RIGEL, Ricardo (24 de outubro de 2017). «Cidade do Samba interditada pode colocar carnaval 2018 em risco». Extra. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  11. «Jorge Silveira: "Não vai faltar trabalho para a São Clemente fazer um grande Carnaval"». Rádio Arquibancada. 10 de março de 2017. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  12. CARDOSO, Gabriel (21 de junho de 2017). «Jorge Silveira fala sobre o enredo de 2018: "É o Carnaval da minha vida"». Carnavalizados
  13. BALTAR, Anderson (13 de novembro de 2018). «Jorge Silveira: "O enredo da São Clemente é fundamental pro mundo do samba"». UOL. Consultado em 7 de janeiro de 2019 
  14. «Carnaval Virtual: A Marca» 

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]