Lucinha Nobre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Lucinha Nobre
Desfile Mocidade Independente 2014 (906199).jpg
Lucinha Nobre em seu retorno a Mocidade, no ano de 2014.
Informações pessoais
Nome completo Lúcia Mariana de Salles Nobre
Data de nasc. 1 de dezembro de 1975 (44 anos)
Local de nasc. Rio de Janeiro,  Brasil
Informações profissionais
Escola atual Portela
Escolas de samba
Anos Escolas
1992-2001
2002-2009
2010-2012
2013
2014-2015
2017
2018-presente
Mocidade
Unidos da Tijuca
Portela
Inocentes
Mocidade
Porto da Pedra
Portela

Lúcia Mariana de Salles Nobre, mais conhecida como Lucinha Nobre (Rio de Janeiro, 1 de Dezembro de 1975) é uma porta-bandeira brasileira /Cabo-verdiana considerada uma das melhores do Carnaval carioca é irmã do cantor e compositor Dudu Nobre.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Com 16 anos de idade, Lucinha atuou em escolas de sambas mirins, tais como Aprendizes do Salgueiro. mas enquanto nova foi pra Mocidade, começando na ala das crianças, porta-bandeira mirim e já em 1992, ainda nova como primeira porta-bandeira da escola, atuando com Rogerinho Dornelles, por defenderam durante nove anos. no ano seguinte defendeu a Unidos da Tijuca, tendo tirado notas máximas 4 anos consecutivos, de 2005 a 2007, junto com Rogerinho e depois ao lado do mestre-sala Ubirajara. sainda da escola do Borel, após o presidente da escola ter negado um pedido dela pela volta do antigo mestre-sala. mas posteriormente reconsideraram a decisão e dançou novamente com Rogerinho na Unidos da Tijuca no Carnaval de 2009[1], mas foi demitida pela escola.

Lucinha Nobre com seu ex-parceiro Rogerinho, durante o desfile da Inocentes, em 2013.

Mas em 2011, Lucinha mudou-se pra Portela, ainda com seu parceiro[2], já em 2012 a Porta Bandeira inova posando para Designer Fotográfico Yuri Graneiro caracterizada de Iemanjá e Oxum na festa do Rio Vermelho em Salvador em homenagem a Orixá [3]devido o enredo da Portela nesse ano ser "E o Povo na Rua Cantando É Feito uma Reza, um Ritual". Já no carnaval 2013, surgiu o convite pra defender a recem chegada ao Especial Inocentes de Belford Roxo[4][5], onde devido abrir o desfile principal, recebeu sua piores notas[6]. retornou a Mocidade, onde dançou ainda com Rogerinho. mas a parceria com o mestre-sala acabou depois de 15 anos[7]. continuou na verde e branca de Padre Miguel, agora com Diogo Jesus sendo seu parceiro e depois sem maiores razões, foi demitida pela direção da escola[8]

Depois de ficar um ano fora do carnaval, apenas desfilando em outros setores. Lucinha voltou como porta-bandeira, dessa vez na Porto da Pedra, onde dançará com um novo parceiro Marlon Lamar[9][10][11].

Com seu novo parceiro, Lucinha retorna como porta-bandeira da Portela[12].

Carnavais[editar | editar código-fonte]

Abaixo, a lista de carnavais de Lucinha Nobre e seu desempenho em cada ano.

Legenda:  0  Nota descartada  N  Escola foi campeã  *  Sem informação disponível
Ano Divisão Escola Classificação Mestre-Sala Notas Ref.
1989 Especial Mocidade Independente de Padre Miguel 7.º lugar * Segunda porta-bandeira [nota 1] [13]
1990 Especial Mocidade Independente de Padre Miguel Campeã * Segunda porta-bandeira [nota 1] [14]
1991 Especial Mocidade Independente de Padre Miguel Campeã Jorge Luiz Segunda porta-bandeira [nota 1] [15]
1992 Especial Mocidade Independente de Padre Miguel Vice-campeã Alexandre 10 10 10 - - [16][17]
1993 Especial Mocidade Independente de Padre Miguel 4.º lugar Alexandre 10 10 10 - - [18][19]
1994 Especial Mocidade Independente de Padre Miguel 8.º lugar Alexandre 10 10 9 - - [20][21]
1995 Especial Mocidade Independente de Padre Miguel 4.º lugar Rogério Dornelles 10 10 10 10 9,5 [22][23]
1996 Especial Mocidade Independente de Padre Miguel Campeã Rogério Dornelles 10 10 10 10 10 [24][25]
1997 Especial Mocidade Independente de Padre Miguel Vice-campeã Rogério Dornelles 10 10 10 10 9 [26][27]
1998 Especial Mocidade Independente de Padre Miguel 6.º lugar Rogério Dornelles 10 9,5 9,5 9,5 10 [28][29]
Não desfilou em 1999 e 2000
2001 Especial Mocidade Independente de Padre Miguel 7.º lugar Rogério Dornelles 10 10 9,5 - - [30][31]
2002 Especial Unidos da Tijuca 10.º lugar Rogério Dornelles 10 10 9,8 9,7 - [32][33]
2003 Especial Unidos da Tijuca 9.º lugar Rogério Dornelles 10 10 10 10 - [34][35]
2004 Especial Unidos da Tijuca Vice-campeã Rogério Dornelles 10 10 10 10 - [36][37]
2005 Especial Unidos da Tijuca Vice-campeã Bira 10 10 10 10 - [38][39]
2006 Especial Unidos da Tijuca 6.º lugar Bira 10 10 10 10 - [40][41]
2007 Especial Unidos da Tijuca 4.º lugar Bira 10 10 10 9,9 - [42][43]
2008 Especial Unidos da Tijuca 5.º lugar Bira 10 10 9,8 9,8 - [44][45]
2009 Especial Unidos da Tijuca 9.º lugar Rogério Dornelles 10 10 9,8 9,8 - [46][47]
2010 Especial Portela 9.º lugar Rogério Dornelles 10 10 10 10 9,9 [48][49]
2011 Especial Portela hors concours Rogério Dornelles A escola não foi julgada [50]
2012 Especial Portela 6.º lugar Rogério Dornelles 10 10 10 10 - [51][52]
2013 Especial Inocentes de Belford Roxo 12.º lugar (rebaixada) Rogério Dornelles 10 9,8 9,8 9,8 - [53][54]
2014 Especial Mocidade Independente de Padre Miguel 9.º lugar Rogério Dornelles 10 10 9,9 9,9 - [55][56]
2015 Especial Mocidade Independente de Padre Miguel 7.º lugar Diego Jesus 9,9 9,8 9,8 9,7 - [57][58]
Não desfilou em 2016
2017 Série A Unidos do Porto da Pedra 5.º lugar Marlon Lamar 10 10 9,9 9,8 - [59][60]
2018 Especial Portela 4.º lugar Marlon Lamar 10 10 10 9,9 - [61][62]
2019 Especial Portela 4.º lugar Marlon Lamar 10 10 10 10 - [63][64]

Títulos e estatísticas[editar | editar código-fonte]

Lucinha foi campeã do carnaval por três vezes, sendo que, duas, como segunda porta-bandeira.

Divisão Farm-Fresh cup gold.png
Campeonato
Ano Farm-Fresh cup silver.png
Vice
Ano Farm-Fresh cup bronze.png
Terceiro lugar
Ano
Emblem-star.svg
Grupo Especial
3 1990, 1991 e 1996 4 1992, 1997, 2004 e 2005 0 -

Notas

  1. a b c O segundo casal de mestre-sala e porta-bandeira não é julgado.

Referências

  1. Alberto João (19 de fevereiro de 2008). «Lucinha Nobre e Rogerinho formam o casal de mestre-sala e porta-bandeira da Tijuca». Consultado em 26 de março de 2016 
  2. Galeria do Samba. «Lucinha Nobre e Rogerinho são apresentados na Portela». 19/02/2008. Consultado em 26 de março de 2016 
  3. «Ancelmo Gois A Foto de Hoje=O Globo». 18/02/2012 
  4. SRZD-Carnaval (5 de setembro de 2012). «Lucinha Nobre e Rogerinho já têm nova casa: Inocentes de Belford Roxo». 13:00. Consultado em 26 de março de 2016 
  5. Cirilo Junior - Terra (19 de janeiro de 2013). «Mudar de escola é um recomeço", diz irmã de Dudu Nobre». Consultado em 26 de março de 2016 
  6. Leonardo Bruno, para o Extra (14 de fevereiro de 2013). «Lucinha Nobre e Rogerinho sofrem o peso da bandeira». Consultado em 26 de março de 2016 
  7. O Dia na Folia (19 de março de 2014). «Rogerinho e Lucinha Nobre 'se separam' no Carnaval». 15:39:52. Consultado em 26 de março de 2016 
  8. Carnavalesco (7 de setembro de 2015). «Lucinha Nobre desabafa sobre saída e questiona falta de consideração e de pagamento da Mocidade». 21:18. Consultado em 26 de março de 2016 
  9. Sambarazzo. «Até que enfim! Lucinha Nobre está de volta e fecha com Porto da Pedra». Consultado em 25 de abril de 2016 
  10. «Porto da Pedra: 'Quero tocar o coração das pessoas com a nossa dança', diz Lucinha Nobre». Consultado em 25 de abril de 2016 
  11. Guilherme Ayupp - Carnavalesco (26 de abril de 2016). «Lucinha Nobre enaltece retorno e celebra Série A: 'público que ama os desfiles'». 16:56. Consultado em 10 de maio de 2016 
  12. Carnavalesco (13 de março de 2017). «Lucinha Nobre e Marlon formam o novo casal de mestre-sala e porta-bandeira da Portela». Consultado em 19 de março de 2017 
  13. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1989». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  14. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1990». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  15. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1991». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  16. «Mocidade Independente de Padre Miguel 1992». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  17. «Notas 1992». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 27 de março de 2016 
  18. «Mocidade 1993». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  19. «Notas 1993». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 27 de março de 2016 
  20. «Mocidade 1994». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  21. «Notas 1994». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 27 de março de 2016 
  22. «Mocidade 1995». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  23. «Notas 1995». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  24. «Mocidade 1996». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  25. «Notas 1996». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  26. «Mocidade 1997». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  27. «Notas 1997». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  28. «Mocidade 1998». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  29. «Notas 1998». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  30. «Mocidade 2001». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  31. «Notas 2001». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  32. «Tijuca 2002». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  33. «Notas 2002». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  34. «Tijuca 2003». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  35. «Notas 2003». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  36. «Tijuca 2004». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  37. «Notas 2004». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  38. «Tijuca 2005». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  39. «Notas 2005». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  40. «Tijuca 2006». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  41. «Notas 2006». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  42. «Tijuca 2007». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  43. «Notas 2007». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  44. «Tijuca 2008». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  45. «Notas 2008». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  46. «Tijuca 2009». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  47. «Notas 2009». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  48. «Portela 2010». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  49. «Notas 2010». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  50. «Portela 2011». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  51. «Portela 2012». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  52. «Notas 2012». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  53. «Inocentes 2013». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  54. «Notas 2013». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  55. «Mocidade 2014». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  56. «Notas 2014». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  57. «Mocidade 2015». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  58. «Notas 2015». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  59. «Unidos do Porto da Pedra 2017». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  60. «Notas 2017 – Série A». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  61. «Portela 2018». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  62. «Notas 2018 – Grupo Especial». Site Apoteose. Consultado em 8 de junho de 2018. Cópia arquivada em 8 de junho de 2018 
  63. «Portela 2019». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  64. «Notas 2019 – Grupo Especial». Site Apoteose. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 23 de abril de 2018 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bastos, João (2010). Acadêmicos, unidos e tantas mais - Entendendo os desfiles e como tudo começou 1.ª ed. Rio de Janeiro: Folha Seca. 248 páginas. ISBN 978-85-87199-17-1 
  • Cabral, Sérgio (2011). Escolas de Samba do Rio de Janeiro 3.ª ed. São Paulo: Lazuli; Companhia Editora Nacional. 495 páginas. ISBN 978-85-7865-039-1 
  • Diniz, Alan; Medeiros, Alan; Fabato, Fábio (2014). As Três Irmãs - Como Um Trio de Penetras "Arrombou a Festa" 1.ª ed. Rio de Janeiro: Novaterra. 207 páginas. ISBN 978-85-61893-12-5 
  • Gomyde Brasil, Pérsio (2015). Da Candelária à Apoteose - Quatro décadas de paixão 3.ª ed. Rio de Janeiro: Multifoco. 501 páginas. ISBN 978-85-7961-102-5 
  • Motta, Aydano André (2013). Onze mulheres incríveis do carnaval carioca - Histórias de Porta-bandeiras 1.ª ed. Rio de Janeiro, Brasil: Verso Brasil Editora. 229 páginas. ISBN 978-85-62767-10-4 

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Lucinha Nobre