Claudinho (mestre-sala)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Claudinho
Ensaio técnico da Beija-Flor no Sambódromo 2013 03.jpg
Claudinho no ensaio técnico da Beija-Flor em 2013.
Informações pessoais
Nome completo Cláudio de Souza
Data de nasc. 4 de maio de 1972 (49 anos)
Local de nasc. Rio de Janeiro,  Brasil
Informações profissionais
Escola atual Beija-Flor
Escolas de samba

Cláudio de Souza, mais conhecido pelo apelido Claudinho, (Rio de Janeiro, 4 de maio de 1972) é um mestre-sala de escola de samba, músico, compositor e ex-cabo do Corpo de Bombeiro Militar brasileiro. Possui dez títulos de campeão do carnaval carioca. O primeiro foi conquistado em 1992 pela Estácio de Sá, enquanto os demais foram ganhos na Beija-Flor. É um dos maiores vencedores do Estandarte de Ouro, considerado o "óscar do carnaval", tendo ganho cinco prêmios.[1] Há mais de vinte anos dança com Selminha Sorriso na Beija-Flor.[2]

Claudinho também é músico e compositor, tendo feito parte de grupos de pagode e ganho duas disputas de samba na Estácio de Sá. É casado e tem seis filhos.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Claudinho nasceu no dia 4 de maio de 1972, no bairro do Estácio, no Rio de Janeiro. Nascido e criado numa família de sambistas, seu envolvimento com o carnaval começou cedo. Aos seis anos de idade era passista na escola de samba Unidos de São Carlos.[3][4] Em 1986, tornou-se o terceiro mestre-sala da agremiação que, na época, havia trocado o nome para Estácio de Sá. Em 1988 passou para segundo mestre-sala. Até que, em 1990, fez sua estreia no posto de primeiro mestre-sala da Estácio de Sá. Em 1990 e 1991 dançou com a porta-bandeira Adriane. No desfile de 1991, o chapéu de Claudinho caiu em frente uma das cabines de julgamento. A partir do carnaval de 1992, passou a dançar com a porta-bandeira Selminha Sorriso. No primeiro ano do casal, conquistaram o campeonato pela Estácio de Sá.[5] Em 1994, Claudinho conquistou seu primeiro Estandarte de Ouro.[6] Para o carnaval de 1996, Claudinho e Selminha se transferiram para a Beija-Flor. Em 1998, os dois conquistaram o segundo título da carreira. Mais oito títulos seriam conquistados até 2018 na Beija-Flor. Em 2016, Claudinho e Selminha completaram 25 anos dançando juntos.[2][7]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2015, Claudinho oficializou a união com a operadora de telemarketing Ana Lúcia Araújo. Entre os padrinhos de casamento estavam Selminha Sorriso e Marcos Falcon.[8] Claudinho é pai de seis filhos: Wallace, Wendel, Thaís, Claudio Júnior e Caio.[3]

No carnaval[editar | editar código-fonte]

Abaixo, a lista de carnavais de Claudinho e seu desempenho em cada ano.

Legenda:  0  Nota descartada  N  Escola foi campeã
Ano Grupo Escola Classificação Porta-bandeira Notas Ref.
1990 Especial Estácio de Sá 5.º lugar Adriane 10 9 9 - - [9][10]
1991 9 9 9 - - [11][12]
1992 Campeã Selminha Sorriso 10 10 10 - - [13][14]
1993 6.º lugar 9,5 9 9 - - [15][16]
1994 13.º lugar 10 9 9,5 - - [17][18]
1995 7.º lugar 10 10 10 10 10 [19][20]
1996 Beija-Flor 3.º lugar 10 10 10 10 10 [21][22]
1997 4.º lugar 10 10 10 10 10 [23][24]
1998 Campeã 10 10 10 10 9 [25][26]
1999 Vice-campeã 10 10 10 - - [27][28]
2000 10 10 9,5 - - [29][30]
2001 10 10 10 - - [31][32]
2002 10 10 10 10 - [33][34]
2003 Campeã 10 10 10 9,9 - [35][36]
2004 10 10 10 9,9 - [37][38]
2005 10 10 9,9 10 - [39][40]
2006 5.º lugar 10 10 9,9 9,8 - [41][42]
2007 Campeã 10 10 10 10 - [43][44]
2008 10 10 10 10 - [45][46]
2009 Vice-campeã 10 9,9 9,9 9,9 - [47][48]
2010 3.º lugar 10 10 10 10 10 [49][50]
2011 Campeã 10 10 9,9 9,9 10 [51][52]
2012 4.º lugar 10 10 10 10 - [53][54]
2013 Vice-campeã 10 10 10 10 - [55][56]
2014 7.º lugar 10 10 9,9 9,7 - [57][58]
2015 Campeã 10 10 10 10 - [59][60]
2016 5.º lugar 10 10 10 10 - [61][62]
2017 6.º lugar 10 10 9,9 9,9 - [63][64]
2018 Campeã 10 10 10 9,9 - [65][66]
2019 11.º lugar 10 10 10 10 - [67][68]
2020 4º lugar 10 10 10 10 9,9 [69]
2021

Na música[editar | editar código-fonte]

Claudinho também é ligado à música. Como percussionista e cantor, participou dos grupos de pagode Renascente, Lance Certo, Mestre-sala do Pagode e Pureza da Flor. Como compositor, foi um dos autores do samba da Estácio de Sá em 2010 e 2013.[6] Em 2017, se inscreveu na disputa de samba da Beija-Flor, sendo derrotado na final.[70]

Sambas de enredo

  • Estácio de Sá 2010: "Deixa Falar, a Estácio É Isso Aí. Eu Visto Esse Manto e Vou Por Aí" - (junto com Gusttavo Clarão, Thiago Daniel, Da Latinha, Igor Ferreira e Claudinho Vagareza)
  • Estácio de Sá 2013: "Rildo Hora: A Ópera de Um Menino... No Toque do Realejo Rege o Seu Destino!" - (junto com Igor Ferreira, Jr Escafura, Tinga, Adriano Ganso, Tião, Fadico e Bira da Globo)

Títulos e estatísticas[editar | editar código-fonte]

Claudinho é dez vezes campeão do carnaval carioca. Em outras seis vezes foi vice-campeão.

Divisão Farm-Fresh cup gold.png
Campeonato
Ano Farm-Fresh cup silver.png
Vice
Ano Farm-Fresh cup bronze.png
Terceiro lugar
Ano
Emblem-star.svg
Grupo Especial
10 1992, 1998, 2003, 2004, 2005, 2007, 2008, 2011, 2015 e 2018 6 1999, 2000, 2001, 2002, 2009 e 2013 2 1996 e 2010

Premiações[editar | editar código-fonte]

Claudinho é um dos maiores vencedores do Estandarte de Ouro, prêmio considerado o "óscar do carnaval".[1]

Prêmio Ano Ref.
Prêmio Papa-Tudo - TV Manchete 1992, 1993, 1994 e 1995 [71]
Prêmio Rádio Tupi 2005
Prêmio Apoteose 2005
Troféu Andarilhos do Samba 2008

Estandarte de Ouro

  1. 1994 - Melhor Mestre-Sala (Estácio de Sá)
  2. 1996 - Melhor Mestre-Sala (Beija-Flor)
  3. 2002 - Melhor Mestre-Sala (Beija-Flor) [72]
  4. 2005 - Melhor Mestre-Sala (Beija-Flor) [73]
  5. 2006 - Melhor Mestre-Sala (Beija-Flor) [74]
  6. 2015 - Melhor Mestre-Sala (Beija-Flor) [75]

Estrela do Carnaval

  1. 2015 - Melhor Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira (com Selminha Sorriso - Beija-Flor) [76]
  2. 2016 - Melhor Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira (com Selminha Sorriso - Beija-Flor) [77]

Tamborim de Ouro

  1. 1999 - Melhor Mestre-Sala (Beija-Flor) [78]
  2. 2000 - Casal Nota 10 (com Selminha Sorriso - Beija-Flor) [79]
  3. 2001 - Casal Nota 10 (com Selminha Sorriso - Beija-Flor) [80]
  4. 2002 - Casal Nota 10 (com Selminha Sorriso - Beija-Flor) [81]
  5. 2003 - Casal Nota 10 (com Selminha Sorriso - Beija-Flor) [82]
  6. 2007 - Tamborim Nota 10 (Casal de Mestre-S. e Porta-B. da Década - com Selminha Sorriso) [83]
  7. 2013 - Casal Nota 10 (com Selminha Sorriso - Beija-Flor) [84]
  8. 2014 - Casal Nota 10 (com Selminha Sorriso - Beija-Flor) [85]
  9. 2015 - Casal Nota 10 (com Selminha Sorriso - Beija-Flor) [86]
  10. 2016 - Prêmio Especial (25 anos de Avenida) [87]
  11. 2018 - Prêmio especial de contribuição ao Carnaval (Claudinho e Selminha Sorriso) [88]

Polêmicas e controvérsias[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2011, Claudinho foi expulso do Corpo de Bombeiros, do qual era cabo desde 1999, por irregularidades em sua admissão.[89] Em junho do mesmo ano, a Justiça condenou quatro pessoas, além do governo do estado, entre elas o ex-secretário estadual de Defesa Civil coronel bombeiro Paulo Gomes dos Santos Filho, pela fraude de um concurso público do Corpo de Bombeiros realizado em 1998. Claudinho foi uma das 49 pessoas incorporadas aos Bombeiros sem terem feito concurso.[90]

Em junho de 2017, Claudinho se envolveu numa briga que resultou na morte do policial civil aposentado Milton Luiz Batalha Estrela. Segundo depoimento de Claudinho, ele jantava em um bar na Rua Alberto Teixeira da Cunha, em Nilópolis, quando Milton foi em sua direção com a arma em punho. Uma terceira pessoa tentou tirar a arma de Milton, quando o policial sacou uma segunda arma. Quando Claudinho tentou pegar a segunda arma, houve um disparo. Após ser baleado no pescoço, Milton foi levado para o Hospital Geral de Nova Iguaçu, enquanto Claudinho saiu do local às pressas.[3] Após o crime, Claudinho chegou a se internar numa clínica com quadro de depressão.[91] Dias depois, prestou depoimento alegando ter agido em legítima defesa. A desavença entre Milton e Claudinho teria tido início no ano anterior, quando o policial denunciou o furto de uma arma, e apontou como autora do roubo a mulher que jantava com o Claudinho na noite do crime. Segundo Milton, a mulher teria entregue a arma para o mestre-sala. A Policia confirmou que Claudinho foi intimado no caso do furto da arma, prestou depoimento e negou ter relação com o fato. Segundo Claudinho, Milton Batalha estava tentando lhe incriminar.[92] O policial civil morreu após quatorze dias de internação. Em nota, a Beija-Flor declarou que seu mestre-sala "sempre foi um homem pacato e correto com todos".[93]

Referências

  1. a b «Rogerinho, Ronaldinho e Claudinho, os premiados mestres-salas». O Globo. Consultado em 22 de abril de 2019. Arquivado do original em 11 de março de 2011 
  2. a b «Ícones do Carnaval, Selminha e Claudinho completam 25 anos juntos». O Dia. 3 de fevereiro de 2016. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 23 de abril de 2019 
  3. a b c d «Claudinho, mestre-sala da Beija-Flor, se envolve em grave caso policial». SRzd. 26 de junho de 2017. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 22 de abril de 2019 
  4. «Bombeiros, porta-bandeira e mestre-sala da Beija-Flor trocam fardas pelo samba». UOL. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2010 
  5. «Quem é quem no Carnaval: Selminha Sorriso e Claudinho, a dupla imbatível da Beija-Flor». revistaquem.globo.com. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 22 de abril de 2019 
  6. a b «Mestre-sala Claudinho começou na Estácio desfilando na ala das crianças». Extra Online. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 11 de agosto de 2015 
  7. Mendonça, Alba Valéria (2 de fevereiro de 2016). «Selminha e Claudinho celebram bodas de prata no carnaval do Rio». G1. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 11 de março de 2016 
  8. Fern, Alice; es. «A hora do sim! Mestre-sala da Beija-Flor, Claudinho se casa no Rio». Sambarazzo. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2017 
  9. «Estácio de Sá 1990». Galeria do Samba. Consultado em 23 de abril de 2019 
  10. «Notas 1990». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 27 de março de 2016 
  11. «Estácio de Sá 1991». Galeria do Samba. Consultado em 23 de abril de 2019 
  12. «Notas 1991». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 27 de março de 2016 
  13. «1992». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  14. «Notas 1992». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 27 de março de 2016 
  15. «1993». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  16. «Notas 1993». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 27 de março de 2016 
  17. «1994». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  18. «Notas 1994». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 27 de março de 2016 
  19. «1995». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  20. «Notas 1995». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  21. «1996». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  22. «Notas 1996». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  23. «1997». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  24. «Notas 1997». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  25. «1998». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  26. «Notas 1998». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  27. «1999». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  28. «Notas 1999». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2016 
  29. «2000». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  30. «Notas 2000». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2016 
  31. «2001». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  32. «Notas 2001». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  33. «2002». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  34. «Notas 2002». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  35. «2003». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  36. «Notas 2003». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  37. «2004». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  38. «Notas 2004». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  39. «2005». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  40. «Notas 2005». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  41. «2006». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  42. «Notas 2006». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  43. «2007». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  44. «Notas 2007». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  45. «2008». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  46. «Notas 2008». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  47. «2009». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  48. «Notas 2009». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  49. «2010». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  50. «Notas 2010». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  51. «2011». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  52. «Notas 2011». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  53. «2012». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  54. «Notas 2012». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  55. «2013». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  56. «Notas 2013». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  57. «2014». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  58. «Notas 2014». Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  59. «Notas 2015». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  60. «Notas 2015». Site Galeria do Samba. Consultado em 19 de abril de 2018. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  61. «2016». Galeria do Samba. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  62. «Notas 2016 – Grupo Especial». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  63. «Beija-Flor 2017». Galeria do Samba. Consultado em 23 de abril de 2019 
  64. «Notas 2017 – Grupo Especial». Site Apoteose. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 19 de abril de 2018 
  65. «Beija-Flor 2018». Galeria do Samba. Consultado em 23 de abril de 2019 
  66. «Notas 2018 – Grupo Especial». Site Apoteose. Consultado em 8 de junho de 2018. Cópia arquivada em 8 de junho de 2018 
  67. «Beija-Flor 2019». Galeria do Samba. Consultado em 23 de abril de 2019 
  68. «Notas 2019 – Grupo Especial». Site Apoteose. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 23 de abril de 2018 
  69. «Notas 2020 – Grupo Especial». G1. 26 de agosto de 2020. Consultado em 9 de março de 2020. Cópia arquivada em 9 de março de 2020 
  70. Fern, Alice. «Novo poeta! Mestre-sala da Beija-Flor disputa samba na escola de Nilópolis». Sambarazzo. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 22 de abril de 2019 
  71. «Projeto de Resolução». ALERJ. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 23 de abril de 2019 
  72. «Estandarte de Ouro: Mangueira é escolhida pelo júri a melhor de 2002». O Globo. 13 de fevereiro de 2002. p. 15. Consultado em 23 de setembro de 2019. Arquivado do original em 23 de setembro de 2019 
  73. «Estandarte de Ouro 2005: Título inédito para a Unidos da Tijuca. Para jurados, escola foi a melhor do carnaval deste ano». O Globo. 9 de fevereiro de 2005. p. 19. Consultado em 7 de outubro de 2019. Arquivado do original em 7 de outubro de 2019 
  74. «Estandarte vai para a Unidos da Tijuca: Originalidade, criatividade e alegria, os detalhes decisivos». O Globo. 1 de março de 2006. p. 21. Consultado em 14 de outubro de 2019. Arquivado do original em 14 de outubro de 2019 
  75. «Estandarte de Ouro 2015». Site do Jornal O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  76. «Estrela do Carnaval 2015». Site Carnavalesco. Consultado em 11 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2015 
  77. «Estrela do Carnaval 2016». Site Carnavalesco. Consultado em 11 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2016 
  78. «Tamborim de Ouro 1999». Site Academia do Samba. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2013 
  79. «Tamborim de Ouro 2000». Site Academia do Samba. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2013 
  80. «Tamborim de Ouro 2001». Site Academia do Samba. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2013 
  81. «Tamborim de Ouro 2002». Site Academia do Samba. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2013 
  82. «Tamborim de Ouro 2003». Site Academia do Samba. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2013 
  83. «Tamborim de Ouro 2007». Site Academia do Samba. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2013 
  84. «Tamborim de Ouro 2013». O Dia. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  85. «Tamborim de Ouro 2014». O Dia. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2015 
  86. «Tamborim de Ouro 2015». O Dia. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  87. «Tamborim de Ouro 2016». O Dia. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2016 
  88. «Tamborim de Ouro 2018». O Dia. Consultado em 17 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2018 
  89. «Mestre-sala da Beija-Flor, Claudinho foi expulso do Corpo de Bombeiros». Extra Online. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 23 de abril de 2019 
  90. «Justiça condena ex-comandante dos bombeiros por fraude em concurso de 1998». O Globo. 21 de junho de 2011. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2013 
  91. «Após suspeita de homicídio, Claudinho da Beija-Flor é internado com crise de depressão». G1. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2017 
  92. «Mestre-sala da Beija Flor confirma briga com policial aposentado e diz ter sido ameaçado». G1. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2017 
  93. «Morre policial que se envolveu em briga com mestre-sala da Beija-Flor». O Globo. 9 de julho de 2017. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2019 

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Claudinho (mestre-sala)