Rute Alves

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Rute Alves
Desfile Unidos da Tijuca 2014 421.jpg
Rute Alves no desfile campeão de 2014 da Tijuca.
Informações pessoais
Nome completo Rute Alves Noronha
Data de nasc. 11 de maio de 1973 (46 anos)
Local de nasc. Rio de Janeiro,  Brasil
Informações profissionais
Escola atual Unidos do Viradouro
Escolas de samba
Anos Escolas
1997
1998-2000
2001-2002
2004-2013
2014-2017
2018-presente
São Clemente
Portela
Unidos do Porto da Pedra
Unidos de Vila Isabel
Unidos da Tijuca
Unidos do Viradouro

Rute Alves Noronha (Rio de Janeiro, 11 de maio de 1973) é uma porta-bandeira de escola de samba brasileira, três vezes campeã da primeira divisão do carnaval carioca, e outras três vezes campeã da segunda divisão.[1][2] Também é vencedora de dois prêmios Estandarte de Ouro, considerado o "Óscar do carnaval". Fora da folia, Rute trabalha como estilista e figurinista.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Rute Alves Noronha nasceu no dia 11 de maio de 1973, no Rio de Janeiro.[4] Filha de um militar e uma dona de casa, ambos evangélicos, sequer assistia aos desfiles de escolas de samba pela televisão quando era criança. Depois da morte dos pais, Rute procurou o radialista Zeno Bandeira, que tinha um programa no qual ajudava as pessoas a realizarem seus desejos. Zeno indicou Rute ao projeto do mestre Manoel Dionísio. Em agosto de 1996, entrou para a escola de mestres-sala e porta-bandeiras de Manoel Dionísio, onde aprendeu a bailar.[5][6] Em setembro do mesmo ano, participou de um concurso para ser a segunda porta-bandeira da São Clemente. No dia seguinte à sua apresentação para o concurso, recebeu uma ligação do então presidente Ricardo Almeida, lhe convidando para ser a primeira porta-bandeira da escola. Estreou em 1997, pela São Clemente, no Grupo A.[7] No ano seguinte, defendeu a Portela, onde ficou por três anos. Consagrou-se nos dez anos em que defendeu a Unidos de Vila Isabel, formando par com o mestre-sala Julinho Nascimento, a partir de 2008. Em 2014, a dupla transferiu-se para a Unidos da Tijuca. No final de 2016, reatou a amizade com Raphael Rodrigues, com quem estava brigada desde 2007, quando o mestre-sala se desligou da Unidos de Vila Isabel.[8]

Carnavais[editar | editar código-fonte]

Abaixo, a lista de carnavais de Rute e seu desempenho em cada ano.

Legenda:  0  Nota descartada  N  Escola foi campeã  *  Sem informação disponível
Ano Divisão Escola de Samba Classificação Mestre-Sala Notas Ref.
1997 Grupo A São Clemente 3.º lugar Amendoim * [9]
1998 Especial Portela 4.º lugar Marcelinho 10 10 9,5 9,5 9 [10][11]
1999 Especial Portela 8.º lugar Marcelinho 9,5 9 9 - - [12][13]
2000 Especial Portela 10.º lugar Marcelinho 9,5 9,5 9 - - [14][15]
2001 Grupo A Unidos do Porto da Pedra Campeã Toninho 9,5 9,5 - - - [16][17]
2002 Especial Unidos do Porto da Pedra 11.º lugar Toninho 9,7 9,7 9,6 9,5 - [18][19]
2003 Especial Acadêmicos do Salgueiro 7.º lugar Dionísio Segunda porta-bandeira [nota 1] [20]
2004 Grupo A Unidos de Vila Isabel Campeã Birinha 10 10 10 9,7 - [21][22]
2005 Especial Unidos de Vila Isabel 10.º lugar Raphael Rodrigues 10 10 10 9,9 - [23][24]
2006 Especial Unidos de Vila Isabel Campeã Raphael Rodrigues 10 10 10 9,7 - [25][26]
2007 Especial Unidos de Vila Isabel 6.º lugar Raphael Rodrigues 9,9 9,9 9,9 9,8 - [27][28]
2008 Especial Unidos de Vila Isabel 9.º lugar Julinho Nascimento 10 10 9,9 9,9 - [29][30]
2009 Especial Unidos de Vila Isabel 4.º lugar Julinho Nascimento 10 10 10 9,8 - [31][32]
2010 Especial Unidos de Vila Isabel 4.º lugar Julinho Nascimento 10 10 10 9,9 9,8 [33][34]
2011 Especial Unidos de Vila Isabel 4.º lugar Julinho Nascimento 10 10 9,9 9,9 9,8 [35][36]
2012 Especial Unidos de Vila Isabel 3.º lugar Julinho Nascimento 10 10 10 10 - [37][38]
2013 Especial Unidos de Vila Isabel Campeã Julinho Nascimento 10 10 10 10 - [39][40]
2014 Especial Unidos da Tijuca Campeã Julinho Nascimento 10 10 10 10 - [41][42]
2015 Especial Unidos da Tijuca 4.º lugar Julinho Nascimento 10 9,9 9,8 9,7 - [43][44]
2016 Especial Unidos da Tijuca Vice-campeã Julinho Nascimento 10 10 9,9 9,9 - [45][46]
2017 Especial Unidos da Tijuca 11.º lugar Julinho Nascimento 10 9,9 9,8 9,7 - [47][48]
2018 Série A Unidos do Viradouro Campeã Julinho Nascimento 10 10 10 9,9 - [49][50]
2019 Especial Unidos do Viradouro Vice-campeã Julinho Nascimento 10 10 10 10 - [51][52]

Títulos e estatísticas[editar | editar código-fonte]

Rute foi campeã do carnaval carioca por três vezes na primeira divisão e outras três vezes no segundo grupo.

Divisão Farm-Fresh cup gold.png
Campeonato
Ano Farm-Fresh cup silver.png
Vice
Ano Farm-Fresh cup bronze.png
Terceiro lugar
Ano
Emblem-star.svg
Grupo Especial
3 2006, 2013 e 2014 2 2016 e 2019 1 2012
Emblem-star-gray.svg
Grupo A
3 2001, 2004 e 2018 0 - 1 1997

Premiações[editar | editar código-fonte]

Abaixo, a lista de prêmios recebidos por Rute Alves em sua carreira no carnaval.

2010 - Melhor Porta-Bandeira (Vila Isabel) [53]

2012 - Melhor Porta-Bandeira (Vila Isabel) [54]

Notas

  1. O segundo casal de mestre-sala e porta-bandeira não é julgado.

Referências

  1. “Um ser humano com defeitos e qualidades, mais com muita fé!” Confira a entrevista de Rute Alves, 1ª Porta-Bandeira da Unidos da Tijuca[ligação inativa]. Samba Conexão, 6 de janeiro de 2017
  2. «MARQUÊS DA FOLIA CONVERSA COM RUTE ALVES, PORTA-BANDEIRA DA UNIDOS DA TIJUCA». Marquês da Folia. 21 de fevereiro de 2014. Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 12 de abril de 2019 
  3. Perfil do casal de mestre-sala e porta-bandeira da Unidos da Tijuca: Julinho e Rute. Carnavalesco, 14 de janeiro de 2014
  4. «Livro Abre-Alas - Domingo 2019» (PDF). LIESA. p. 107. Consultado em 5 de maio de 2019 
  5. «Julinho e Rute atingem maturidade juntos na Tijuca e disparam: 'Não existe dança sem coreografia' – Carnavalesco». Site Carnavalesco. Consultado em 5 de maio de 2019. Arquivado do original em 24 de outubro de 2016 
  6. «De mundos opostos, porta-bandeira e mestre-sala da Vila Isabel esbanjam harmonia». UOL. 8 de fevereiro de 2010. Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2017 
  7. «Coluna da Rute». Marquês da Folia. 10 de julho de 2014. Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2015 
  8. «Lição! Tragédia com time da Chapecoense fez casal se reconciliar». Sambarazzo. Consultado em 5 de maio de 2019. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2017 
  9. «São Clemente 1997». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 16 de março de 2016 
  10. «Portela 1998». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2016 
  11. «Notas 1998». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  12. «Portela 1999». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2016 
  13. «Notas 1999». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2016 
  14. «Portela 2000». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2016 
  15. «Notas 2000». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2016 
  16. «Porto da Pedra 2001». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 18 de março de 2016 
  17. «Notas 2001». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  18. «Porto da Pedra 2002». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 18 de março de 2016 
  19. «Notas 2002». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  20. «Salgueiro 2003». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2015 
  21. «Vila Isabel 2004». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 16 de março de 2016 
  22. «Notas 2004». Site Apoteose. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 2 de junho de 2017 
  23. «Vila Isabel 2005». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 16 de março de 2016 
  24. «Notas 2005». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  25. «Vila Isabel 2006». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 16 de março de 2016 
  26. «Notas 2006». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  27. «Vila Isabel 2007». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 16 de março de 2016 
  28. «Notas 2007». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  29. «Vila Isabel 2008». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 16 de março de 2016 
  30. «Notas 2008». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  31. «Vila Isabel 2009». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 16 de março de 2016 
  32. «Notas 2009». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  33. «Vila Isabel 2010». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 16 de março de 2016 
  34. «Notas 2010». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  35. «Vila Isabel 2011». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 16 de março de 2016 
  36. «Notas 2011». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  37. «Vila Isabel 2012». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 16 de março de 2016 
  38. «Notas 2012». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  39. «Vila Isabel 2013». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 16 de março de 2016 
  40. «Notas 2013». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  41. «Tijuca 2014». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014 
  42. «Notas 2014». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  43. «Tijuca 2015». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2015 
  44. «Notas 2015». Site Galeria do Samba. Consultado em 1 de junho de 2017. Arquivado do original em 1 de junho de 2017 
  45. «Tijuca 2016». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 2 de junho de 2017 
  46. «Notas 2016». Site Apoteose. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 2 de junho de 2017 
  47. «Tijuca 2017». Site Galeria do Samba. Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 2 de junho de 2017 
  48. «Notas 2017». Site Apoteose. Consultado em 1 de junho de 2017. Cópia arquivada em 1 de junho de 2017 
  49. «Carnaval de 2018 - Unidos do Viradouro». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  50. «Notas 2018 – Série A». Site Apoteose. Consultado em 8 de junho de 2018. Cópia arquivada em 8 de junho de 2018 
  51. «Carnaval de 2019 - Unidos do Viradouro». Galeria do Samba. Consultado em 5 de maio de 2019 
  52. «Notas 2019 – Grupo Especial». Site Apoteose. Consultado em 23 de abril de 2019. Cópia arquivada em 23 de abril de 2018 
  53. «Estandarte de Ouro 2008». Site do  Jornal O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2009 
  54. «Estandarte de Ouro 2012». Site do Jornal O Globo. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2016 

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Rute Alves