Carlos Senna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Carlos Senna
Informação geral
País  Brasil
Ocupação(ões) cantor e compositor

Carlos Senna ([onde?], [quando?]) é um cantor e compositor brasileiro. É integrante da ala de compositores da escola de samba Império Serrano.[1][2]

No ano de 1999, o Império Serrano desfilou no Carnaval com um samba de sua autoria, defendido por Jorginho do Império - Uma rua chamada Brasil -, feito em parceria com Arlindo Cruz, Maurição e Elmo Caetano. No ano seguinte, com o samba-enredo O rio corre para o mar, em parceria com Arlindo Cruz, Maurição e Elmo Caetano, a Império Serrano desfilou no Grupo Especial.[3]

Em 2002, o Império Serrano classificou-se em 9º lugar com um samba-enredo de sua autoria, Aclamação e coroação do Imperador da Pedra do Reino: Ariano Suassuna, em parceria com Maurição, Aluízio Machado, Lula e Elmo Caetano.[3]

Em 2003, em parceria com Maurição, Elmo Caetano, Aluizio Machado e Arlindo Cruz, compôs o samba-enredo E onde houver trevas... Que se faça a luz!, com o qual a Império Serrano desfilou no carnaval.[3]

Fora do carnaval, teve composições gravadas por artistas como Beth Carvalho, Zeca Pagodinho, Almir Guineto e Arlindo Cruz.[4]

Composições[editar | editar código-fonte]

Sambas de enredo[editar | editar código-fonte]

Abaixo, os sambas de enredo compostos por Carlos Senna.

Legenda:  N  Campeã do carnaval
Ano Divisão Escola de samba Samba-enredo
1994 Especial Mangueira "Atrás da Verde e Rosa Só não Vai Quem Já Morreu"
1997 Especial Império Serrano "O Mundo dos Sonhos de Beto Carrero"
1999 Especial Império Serrano "Uma Rua Chamada Brasil"
2001 Especial Império Serrano "O Rio Corre pro Mar"
2002 Especial Império Serrano "Aclamação e Coroação do Imperador da Pedra do Reino Ariano Suassuna"
2003 Especial Império Serrano "E Onde Houver Trevas... Que se Faça a Luz!"
2006 Especial Império Serrano "O Império do Divino"
2007 Especial Império Serrano "Ser Diferente é Normal - O Império Serrano Faz a Diferença no Carnaval"
2008 Especial Grande Rio "Do Verde de Coari Vem Meu Gás, Sapucaí!"
2010 Especial Grande Rio "Das Arquibancadas ao Camarote Número 1, Um 'Grande Rio' de Emoção, na Apoteose do Seu Coração"
2015 Série A Império Serrano "Poema aos Peregrinos da Fé"
2020 Série A Império Serrano "Lugar de Mulher É Onde Ela Quiser!"[5]
2022 Série E Acadêmicos da Diversidade "Os Guardiões Indígenas da Floresta Natural! Salve Oxóssi e a Preservação Ambiental"
2023 Especial Império Serrano "Lugares de Arlindo"
2024 Série Ouro Império Serrano "Ilú-Ọba Ọ̀yọ́: A Gira dos Ancestrais"[6]

Outras[editar | editar código-fonte]

Abaixo, em ordem alfabética, as composições de Carlos Senna gravadas por outros artistas, o álbum e o ano dos lançamentos.[4]

"A Distância": Zeca Pagodinho em Samba pras Moças (1995)

"A Vida É Assim": Zeca Pagodinho em Mania da Gente (1990) e Luiz Carlos da Vila em Raças Brasil (1995)

"Acima de Deus": Almir Guineto em Acima de Deus, Só Deus (1995)

"Até Quem Não É": Beth Carvalho em Saudades da Guanabara (1989)

"Boêmio Feliz": Zeca Pagodinho em Boêmio Feliz (1989)

"Brinquedo Sério": Almir Guineto em Pele de Chocolate (1993)

"Carente de Afeto": Neguinho da Beija-Flor em Carente de Afeto (1989)

"Cativeiro do Amor": Zeca Pagodinho em Pixote (1991)

"Clareia Meu Caminhar": Mazinho do Salgueiro em Renascer de Um Novo Sol (1998)

"Cristo Traído": Almir Guineto em Olhos da Vida (1988)

"Desencanto de Cantar": Almir Guineto em De Bem com a Vida (1991)

"Em Nome da Alegria": Zeca Pagodinho em Pixote (1991)

"Eu Quero Mais É Sorrir": Carlos Dafé em O Seu Jeito de Olhar (1997)

"Fim Da Tristeza": Grupo Sensação em Filhos da Noite (1999) e Arlindo Cruz e Sombrinha em Arlindo Cruz e Sombrinha - Ao Vivo (2000)

"Força de Golias": Almir Guineto em Pele de Chocolate (1993)

"Garfo no Bolso": Bezerra da Silva em Cocada Boa (1993)

"Gosto de Festa": Dominguinhos do Estácio em Gosto de Festa (1989)

"Já Era": Almir Guineto em Acima de Deus, Só Deus (1995)

"Lá Vem Mangueira": Alcione em Promessa (1991)

"Lindo Requebrado": Almir Guineto em Jeito de Amar (1989)

"Macaco Velho": Paulinho Mocidade em Momentos (1993)

"Mãe": Arlindo Cruz em Batuques e Romances (2011)

"Magali": Neguinho da Beija-Flor em Carente de Afeto (1989) e Nos Braços da Comunidade (2005)

"Maior Barato": Samba Som Sete em Minha Paixão (1993) e Molejo em Polivalência (2000)

"Mãos": Zeca Pagodinho em Alô, Mundo! (1993)

"Medida Exata": Wander Pires em Wander Pires (1994)

"Meus Pensamentos": Mauro Luciano em Mauro Luciano (1996)

"Mulher Sempre Mulher": Almir Guineto em De Bem com a Vida (1991)

"Não Fique Assim": Almir Guineto e Arlindo Cruz em Acima de Deus, Só Deus (1995)

"O Elo (Homenagem a Beto Sem Braço)": Zeca Pagodinho em Alô, Mundo! (1993)

"O Tempo Todo": Grupo Força Fé & Raiz em Só É Bom com Você (1994) e Serginho Meriti em Serginho Meriti (1996)

"Olhos": Zeca Pagodinho em Deixa Clarear (1996)

"Operário Brasileiro": Jair Rodrigues em Viva Meu Samba (1994)

"Palavras": Almir Guineto em Acima de Deus, Só Deus (1995)

"Papinha": Arlindo Cruz e Sombrinha em Arlindo Cruz e Sombrinha (2000)

"Patota de Cosme": Zeca Pagodinho em Patota de Cosme (1987)

"Peripécias da Vida": Jovelina Pérola Negra em Amigos Chegados (1990)

"Podes Crer": Álvaro em Balanço de Verdade (1993)

"Poeta (Homenagem à São Paulo)": Reinaldo em Soneto de Prazer (1992)

"Quem Diria": Alcione em Emoções Reais (1990)

"Raças Brasil": Luiz Carlos da Vila em Raças Brasil (1995)

"Sabor de Jiló": Almir Guineto em De Bem com a Vida (1991)

"Salgueiro Divina Magia": Almir Guineto em De Bem com a Vida (1991)

"Samba Do Aprendiz": Luiz Carlos da Vila em Raças Brasil (1995)

"Tá Na Hora": Otacílio da Mangueira em Quintal do Pagodinho (2001)

"Toca Sanfoneiro": Almir Guineto em Pele de Chocolate (1993)

"Trabalho Gigante": Almir Guineto em Jeito de Amar (1989)

"Vai à Luta": Carlos Mangueira em Favo de Mel (1992)

"Vê Se Me Erra": Otacílio da Mangueira e Zeca Pagodinho em Um Dos Poetas do Samba (1992)

"Vovó Rezadeira": Almir Guineto em De Bem com a Vida (1991)

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • 1989 - É Pra Balançar [7]
É Pra Balançar
Álbum de estúdio de Carlos Senna
Lançamento 1989
Gênero(s) MPB
Idioma(s) Português
Formato(s) Disco de vinil
Gravadora(s) Distak Records
N.º TítuloCompositor(es) Duração
1. "É Pra Balançar"     
2. "Invasão do Amor"     
3. "O Verão"     
4. "A Decisão"     
5. "Salve a Bahia"     
6. "Quero Beijar a Tua Boca"     
7. "Ti-Ri-Ri"     
8. "Acorda Menino"     

Premiações[editar | editar código-fonte]

  1. 2001 - Melhor samba-enredo (Império Serrano - "O Rio Corre pro Mar") [8]
  2. 2006 - Melhor samba-enredo (Império Serrano - "O Império do Divino") [9]
  1. 2015 - Melhor samba-enredo (Império Serrano - "Poema aos Peregrinos da Fé") [10]
  1. 2006 - O Samba do Ano (Império Serrano - "O Império do Divino") [11]
  • Troféu Apoteose
  1. 2006 - Melhor samba-enredo (Império Serrano - "O Império do Divino") [12]

Referências

  1. «Biografia no Cravo Albin». dicionariompb.com.br. Consultado em 3 de julho de 2014. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2023 
  2. «Império Serrano exalta Arlindo Cruz com samba escrito em parceria com Carlos Senna». Plantão dos Lagos. 13 de fevereiro de 2023. Consultado em 8 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2023 
  3. a b c Dicionário Cravo Albin de MPB - Dados artísticos de Carlos Senna
  4. a b «Carlos Senna | IMMuB». immub.org. Consultado em 8 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2023 
  5. Ayupp, Guilherme; Santos, Lucas (8 de setembro de 2019). «'Imperiana presente': Lucas Donato é penta e Aluisio Machado vence pela 14ª vez no Império Serrano». Carnavalesco. Consultado em 29 de maio de 2020. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2023 
  6. Duffes, Allan; Sampaio, Diogo (5 de novembro de 2023). «Respeite o Império Serrano! Parceria de Aluisio Machado vence disputa de samba para o Carnaval 2024». Carnavalesco. Consultado em 7 de novembro de 2023. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2023 
  7. «Carlos Senna – É Pra Balançar». Consultado em 8 de novembro de 2023. Arquivado do original em 8 de novembro de 2023 
  8. «Estandarte de Ouro elege Beija-Flor campeã de 2001». O Globo. 28 de fevereiro de 2001. p. 15. Consultado em 20 de setembro de 2019. Arquivado do original em 20 de setembro de 2019 
  9. «Estandarte vai para a Unidos da Tijuca: Originalidade, criatividade e alegria, os detalhes decisivos». O Globo. 1 de março de 2006. p. 21. Consultado em 14 de outubro de 2019. Arquivado do original em 14 de outubro de 2019 
  10. «Prêmio S@mba-Net 2015». Site Sambanet. Consultado em 21 de setembro de 2017. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  11. «Tamborim de Ouro 2006». Site Academia do Samba. Consultado em 22 de abril de 2017. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2013 
  12. «Troféu Apoteose 2006». Site Galeria do Samba. Consultado em 27 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 30 de novembro de 2015 
Ícone de esboço Este artigo sobre um músico é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.