Regina Celi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Regina Celi
Regina durante o desfile do Salgueiro em 2013
Nome completo Regina Celi Fernandes Duran
Nascimento 17 de janeiro de 1967 (51 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade brasileira
Ocupação Presidente do Salgueiro
(2009—atualmente)

Regina Celi Fernandes Duran , mais conhecida como Regina Celi (antes:Regina Duran)(Rio de Janeiro, 17 de janeiro de 1967) é uma dirigente de carnaval brasileira.[1] É a terceira mulher a comandar o GRES Acadêmicos do Salgueiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Antes de ser presidente, foi primeira-dama da escola, quando era casada com Luís Augusto Duran, mais conhecido como Fú. Após seu marido deixar a presidência, candidatou-se a presidente, vencendo por 535 votos, contra 136 do opositor Mauro Torrão.[2]

Logo no início do seu mandato à frente do Salgueiro, sagrou-se campeã, com o enredo "Tambor". Envolveu-se em algumas polêmicas, como a saída de Celino Dias da presidência da ala de compositores e de Tavinho Novello como diretor de carnaval.[3] [4] Ainda em 2010, chegou a ser comentada uma possível saída do intérprete Quinho, o que foi apaziguado no desfile das campeãs.[5]

Para o carnaval 2011, durante a final das eliminatórias de samba-enredo, trouxe uma inovação, ao divulgar o voto de cada segmento da escola. No mesmo ano, surgiram alguns questionamentos, devido aos conselhos deliberativo e fiscal não aprovarem as contas referentes a carnavais anteriores, o que culminou com as saídas dos presidentes de ambos os conselhos.[6]

Nas eleições de 2011, Regina, já separada e com novo nome artístico concorreu à reeleição contra o seu ex-marido Fú, vencendo por uma pequena diferença de 209 votos[7]. Em 2014 foi homenageada pelo bloco de enredo Raízes da Tijuca, sendo objeto de seu enredo. O bloco desfilou no sábado, na Estrada Intendente Magalhães, pelo Grupo 2 da Federação dos Blocos. Após o Carnaval, no mês de maio, Regina foi novamente reeleita, como candidata única, após as impugnações das chapas adversárias, de Fu, e do então intérprete Quinho.[8][9].

Em 2016, candidatou-se a vereadora da cidade do Rio de Janeiro pelo PMDB, para a legislatura 2017-2020, mas obteve apenas 4280 votos, ficando apenas na 25ª colocação de seu partido, que fez 10 cadeiras.[10] No segundo turno das eleições municipais daquele ano, apoiou o candidato Marcelo Crivella, que acabaria eleito, contra Marcelo Freixo.[11]


Precedido por
Luís Augusto Duran
Presidentes do Salgueiro
2009
Sucedido por
-

Referências

  1. Veja histórias de mulheres de sucesso que ocupam cargos 'masculinos' (em português) G1
  2. Carnavalesco (25 de maio de 2008). «Regina Duran vence no Salgueiro». Consultado em 25 de outubro de 2010 
  3. O Dia na folia (1 de março de 2009). «Troca-troca faz vítima até na campeã do Carnaval». Consultado em 25 de outubro de 2010 
  4. Carnavalesco (15 de março de 2009). «Tavinho diz que deixou o Salgueiro com o sentimento do dever cumprido». Consultado em 25 de outubro de 2010 
  5. Quintal do Samba (19 de fevereiro de 2010). «Quinho deixa o Salgueiro, mas…». Consultado em 25 de outubro de 2010 
  6. «Presidentes do conselho deliberativo e fiscal renunciam no Salgueiro». Consultado em 5 de novembro de 2010 
  7. Rodrigo Coutinho, para o Carnavalesco. «Regina Celi é reeleita presidente do Salgueiro». Consultado em 22 de maio de 2011 
  8. Guilherme Ayupp. «Por aclamação, Regina Celi é reeleita presidente do Salgueiro para mais quatro anos». Consultado em 4 de maio de 2014 
  9. SRZD-Carnaval. «Salgueiro: Regina Celi é reeleita e vai dirigir escola por mais quatro anos». Consultado em 4 de maio de 2014 
  10. Alice Fernandes (31 de outubro de 2016). «Não deu! Candidatos, sambistas não se elegem entre vereadores do Rio». Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  11. «Em guerra com o mundo do samba, Crivella recebeu apoio de escolas antes da eleição». 13 de junho de 2017. Consultado em 19 de fevereiro de 2018