Disprósio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif Disprósio Stylised Lithium Atom.svg
TérbioDisprósioHólmio
-
  Hexagonal.png
 
66
Dy
 
               
               
                                   
                                   
                                                               
                                                               
Dy
Cf
Tabela completaTabela estendida
Aparência
branco prateado


Lascas de disprósio.
Informações gerais
Nome, símbolo, número Disprósio, Dy, 66
Série química Lantanídios
Grupo, período, bloco n/a, 6, f
Densidade, dureza 8551 kg/m3, n/a
Número CAS 7429-91-6
Número EINECS
Propriedade atómicas
Massa atômica 162,500(1) u
Raio atómico (calculado) 178 pm
Raio covalente 192±7 pm
Raio de Van der Waals pm
Configuração electrónica [Xe] 4f10 6s2
Elétrons (por nível de energia) 2, 8, 18, 28, 8, 2 (ver imagem)
Estado(s) de oxidação 2, 3 (óxido ligeiramente alcalino)
Óxido
Estrutura cristalina hexagonal
Propriedades físicas
Estado da matéria sólido
Ponto de fusão 1685 K
Ponto de ebulição 2840 K
Entalpia de fusão 11,06 kJ/mol
Entalpia de vaporização 230 kJ/mol
Temperatura crítica  K
Pressão crítica  Pa
Volume molar m3/mol
Pressão de vapor 10 Pa a 1523 K
Velocidade do som 2710 m/s a 20 °C
Classe magnética paramagnético
Susceptibilidade magnética
Permeabilidade magnética
Temperatura de Curie 88 K
Diversos
Eletronegatividade (Pauling) 1,22
Calor específico 170 J/(kg·K)
Condutividade elétrica 1,08x106 S/m
Condutividade térmica 110,7 W/(m·K)
Potencial de ionização 573 kJ/mol
2º Potencial de ionização 1130 kJ/mol
3º Potencial de ionização 2200 kJ/mol
4º Potencial de ionização 3990 kJ/mol
5º Potencial de ionização kJ/mol
6º Potencial de ionização kJ/mol
7º Potencial de ionização kJ/mol
8º Potencial de ionização kJ/mol
9º Potencial de ionização kJ/mol
10º Potencial de ionização kJ/mol
Isótopos mais estáveis
iso AN Meia-vida MD Ed PD
MeV
154Dy Sintético 3x106 a α 2,947 150Gd
156Dy 0,06% estável com 90 neutrões
158Dy 0,10% estável com 92 neutrões
160Dy 2,34% estável com 94 neutrões
161Dy 18,91% estável com 95 neutrões
162Dy 25,51% estável com 96 neutrões
163Dy 24,90% estável com 97 neutrões
164Dy 28,18% estável com 98 neutrões
Unidades do SI & CNTP, salvo indicação contrária.

O disprósio é um elemento químico de símbolo Dy e de número atómico igual a 66 (66 protões e 66 electrões), com massa atómica 162,5 u. À temperatura ambiente, o disprósio encontra-se no estado sólido. Faz parte do grupo das terras raras.

O disprósio é usado, em conjunto com o vanádio e outros elementos, como componente de materiais para lasers.

Este elemento foi identificado pela primeira vez em 1886, em Paris, pelo químico francês Paul Émile Lecoq de Boisbaudran.

Características principais[editar | editar código-fonte]

O disprósio é um elemento terra rara que apresenta brilho metálico prateado e é relativamente estável no ar em temperatura ambiente, porém se dissolve em ácidos minerais diluídos ou concentrados com liberação de hidrogênio, isto é, oxidando-se. É macio o bastante para ser cortado com uma faca, e pode ser processado com máquinas sem emitir faíscas, evitando o superaquecimento. As características do disprósio podem ser muito afetadas por pequenas quantidades de impurezas.

Aplicações[editar | editar código-fonte]

O disprósio é usado, em conjunto com o vanádio e outros elementos, como componente de materiais para lasers. Sua alta secção eficaz de absorção de nêutrons térmicos e seu alto ponto de fusão sugerem sua utilidade para uso em barras de controle nuclear. Um óxido misto de disprósio e níquel forma materiais que absorvem os nêutrons, não se contraem e não se dilatam sob bombardeio prolongado de nêutrons, por isso usado para barras de esfriamento em reatores nucleares. Alguns calcogênios de disprósio e cádmio são fontes de radiação infravermelha para o estudo de reações químicas. O disprósio também é usado para a fabricação de discos compactos.

História[editar | editar código-fonte]

O disprósio foi identificado pela primeira vez em 1886, em Paris, pelo químico francês Paul Émile Lecoq de Boisbaudran; entretanto, o elemento foi isolado na forma relativamente pura somente após o desenvolvimento, por Spedding, das técnicas de troca iônica e redução metalográfica, na década de 1950. O nome disprósio é derivado do grego dysprositos, que significa difícil de atingir.

Ocorrência e obtenção[editar | editar código-fonte]

O disprósio nunca é encontrado como elemento livre, porém encontrado em muitos minerais , incluindo xenótimo, fergusonita, gadolinita, euxenita, policrase, blomstrandina, monazita e bastnasita, frequentemente com o érbio, hólmio ou outros elementos terras raras.

A principal fonte de disprósio é a euxenita, porém também é obtido como subproduto do processamento da monazita.

Compostos[editar | editar código-fonte]

Quase todos os compostos do disprósio apresentam estado de oxidação +3, e são altamente paramagnéticos. Os principais compostos são:

Fluoretos (DyF3), Cloretos (DyCl2 e DyCl3), Brometos (DyBr2 e DyBr3), Iodetos (DyI2 e DyI3), òxidos (Dy2O3), Sulfetos (Dy2S3) e Nitretos (DyN).

Isótopos[editar | editar código-fonte]

O disprósio natural é composto por 7 isótopos estáveis, 156-Dy, 158-Dy, 160-Dy, 161-Dy, 162-Dy, 163-Dy e 164-Dy, sendo o 164-Dy o mais abundante (abundância natural de 28,18%).

28 radioisótopos foram caracterizados, sendo os mais estáveis o 154-Dy com uma meia-vida de 3.106 anos, 159-Dy com meia-vida de 144,4 dias, e o 166-Dy com uma meia-vida de 81,6 horas. Todos os isótopos radioativos restantes tem meias-vida abaixo de 10 horas, e a maioria destes com meias-vida menos de 30 segundos. Este elemento tem também 5 metaestáveis, sendo os mais estáveis o 165m-Dy (meia-vida de 1,257 minutos), 147m-Dy (t½ 55,7 segundos) e 145m-Dy (t½ 13,6 segundos).

O primeiro modo de decaimento antes do isótopo estável mais abundante, 164-Dy, é a captura eletrônica, e o primeiro modo de decaimento após este estável é a emissão beta menos. Os primeiros produtos de decaimento antes do 164-Dy são os isótopos de térbio, e os primeiros produtos após são os isótopos de hólmio.

Precauções[editar | editar código-fonte]

Da mesma maneira que ocorre com os outros lantanídios, os compostos de disprósio apresentam de baixa a moderada toxicidade, embora a sua toxicidade não tenha sido investigada. Não se conhece nenhuma ação biológica deste elemento.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Disprósio