Lutécio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif Lutécio Stylised Lithium Atom.svg
ItérbioLutécioHáfnio
Y
  Hexagonal.png
 
71
Lu
 
               
               
                                   
                                   
                                                               
                                                               
Lu
Lr
Tabela completaTabela estendida
Aparência
branco prateado


Lutécio dendrítico sublimado de alta pureza (99,995%) e um cubo de lutécio puro (99,9%) de 1 cm3 para comparação.
Informações gerais
Nome, símbolo, número Lutécio, Lu, 71
Série química Lantanídios, por vezes considerado metal de transição
Grupo, período, bloco n/a, 6, f
Densidade, dureza 9841 kg/m3, n/d
Número CAS 7439-94-3
Número EINECS
Propriedade atómicas
Massa atômica 174,9668(1) u
Raio atómico (calculado) 175 pm
Raio covalente 160 pm
Raio de Van der Waals pm
Configuração electrónica [Xe] 4f14 6s2 5d1
Elétrons (por nível de energia) 2, 8, 18, 32, 9, 2 (ver imagem)
Estado(s) de oxidação 3 (óxido ligeiramente básico)
Óxido
Estrutura cristalina hexagonal
Propriedades físicas
Estado da matéria sólido
Ponto de fusão 1936 K
Ponto de ebulição 3675 K
Entalpia de fusão 18,6 kJ/mol
Entalpia de vaporização 355,9 kJ/mol
Temperatura crítica  K
Pressão crítica  Pa
Volume molar m3/mol
Pressão de vapor 100 Pa a 2346 K
Velocidade do som m/s a 20 °C
Classe magnética
Susceptibilidade magnética
Permeabilidade magnética
Temperatura de Curie  K
Diversos
Eletronegatividade (Pauling) 1,27
Calor específico 150 J/(kg·K)
Condutividade elétrica 1,85×106 S/m
Condutividade térmica 16,4 W/(m·K)
Potencial de ionização 523,5 kJ/mol
2º Potencial de ionização 1340 kJ/mol
3º Potencial de ionização 2022,3 kJ/mol
4º Potencial de ionização 4370 kJ/mol
5º Potencial de ionização 6455 kJ/mol
6º Potencial de ionização kJ/mol
7º Potencial de ionização kJ/mol
8º Potencial de ionização kJ/mol
9º Potencial de ionização kJ/mol
10º Potencial de ionização kJ/mol
Isótopos mais estáveis
iso AN Meia-vida MD Ed PD
MeV
173Lu sintético 1,37 a ε 0,671 173Y
174Lu sintético 3,31 a ε 1,374 174Y
175Lu 97,41% estável com 104 neutrões
176Lu 2,59% 3,78 x 1010 a β- 1,193 176Hf
Unidades do SI & CNTP, salvo indicação contrária.

O lutécio ( do latim "Lutetia", nome antigo da cidade de Paris, França ) é um elemento químico de símbolo Lu , de número atômico 71 ( 71 prótons e 71 elétrons ) apresenta massa atómica 175 u. À temperatura ambiente, o lutécio encontra-se no estado sólido. Faz parte do grupo das terras raras.

Por ser um elemento muito caro, sua aplicação é limitada, entretanto, encontra alguns usos na indústria do petróleo.

Foi descoberto em 1878 por Jean-Charles Marignac, mais tarde em 1907 um químico francês Georges Urbain conseguiu separar as impurezas da itérbia em dois outros compostos na tentativa de purificá-los para obter as características físicas e químicas do mesmo, mas sem muito sucesso, aos quais deu o nome de neoiterbia e lutércia, respectivamente chamados de itérbio e lutécio atualmente.

Características e aplicações[editar | editar código-fonte]

É um dos elementos do bloco d, aparece com frequência incluído entre os lantanídios , já que compartilha com estas terras raras muitas propriedades, sendo o elemento mais difícil de isolar entre todos eles, o que justifica o seu preço e as poucas utilidades que apresenta.

O lutécio é um metal trivalente de coloração branco prateado, resistente a corrosão e relativamente estável em presença do ar. É o elemento mais pesado e duro de todas as terras raras.

O metal é empregado como catalisador no craqueamento do petróleo nas refinarias, e em diversos processos químicos como alquilação, hidrogenação e polimerização. Também usado enquanto Oxiortosilicato de Lutécio para activar cintilador de Cério em câmera gama de última geração, na medicina nuclear. O radioisótopo de massa 177 desse elemento está sendo utilizado como fonte de radiação beta menos, associado a partículas de hidroxiapatita, para pesquisas em tratamento de tumores. Essas partículas carreadoras do radioisótopo podem atuar de forma seletiva nas células tumorais e podem evitar a irradiação de células sadias.

História[editar | editar código-fonte]

A separação do lutécio do itérbio de Marignac foi descrito pela primeira vez por Urbain, prevalecendo o nome que este deu ao novo elemento descoberto. Urbain escolheu os nomes "neoitérbio" e "lutécio", apesar de Welsbach ter optado por chama-los de "aldebaranio" e "casiopeo". Em 1949 se decidiu conservar o nome itérbio e denominar o novo elemento de lutécio, mesmo que a comunidade científica alemã ainda empregue o nome "casiopeo" para o elemento 71.

Abundância[editar | editar código-fonte]

É encontrado na natureza como a maioria das demais terras raras, porém nunca solitário de forma nativa, e é o menos abundante de todos os elementos presentes na natureza. O principal mineral de lutécio comercialmente explorável é a monazita (Ce, La, etc.)PO4 que contém 0,003% de lutécio.

Não se conseguiu obter o metal puro até finais do século XX já que é extremamente difícil de ser preparado. O procedimento empregado é a troca iônica (redução de LuCl3 ou (LuF3) anidro com metal alcalino ou metal alcalino-terroso

Isótopos[editar | editar código-fonte]

O lutécio tem um isótopo estável, Lu-175, com uma abundância natural de 97,41%. Foram identificados 33 radioisótopos , sendo os mais estáveis o Lu-176, com uma meia-vida de 3,78 .1010 anos e abundância natural de 2,59%, o Lu-174 com 3,31 anos de meia-vida, e o Lu-173 com um período de semidesintegração de 1,37 anos. Os demais isótopos radioativos tem meias-vidas inferiores a 9 dias, e a maioria destes com menos de meia hora. O lutécio, ainda, apresenta 18 meta estados, dos quais os mais estáveis são o Lum-177, Lum-174 e o Lum-178 com meias-vidas de 160,4 dias, 142 dias e 23,1 minutos, respectivamente.

As massas atômicas dos isótopos de lutécio variam desde 149,973 u do Lu-150 até 183,962 u do Lu-184. O principal modo de decaimento dos isótopos mais leves que o estável é a captura eletrônica ( com alguns casos de emissão alfa ) originando isótopos de itérbio. Os isótopos mais pesados que o estável se desintegram mediante a emissão beta resultando isótopos de háfnio.

Precauções[editar | editar código-fonte]

Como as demais terras raras, se supõem que o metal tem uma baixa toxicidade, porém o lutécio como seus compostos devem ser manuseados com a máxima precaução. Mesmo que não desempenhe nenhum papel biológico no corpo humano, acredita-se que o lutécio estimula o metabolismo.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Lutécio