Galibis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2008). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Galibi

Os Galibis são um grupo indígena que se divide nos subgrupos galibi-maruorno e galibi-do-oiapoque. Na Guiana Francesa, eles se auto denominam como Kaliña, sendo Galibi uma designação genérica utilizada pelos europeus para se referir aos povos de fala caribe do litoral das Guianas.

Os Galibi mantêm parcialmente a sua língua original, da qual se orgulham. Muitas crianças, entretanto, filhos de pais galibi e não-galibi, e que na escola apenas estudam o português, não falam mais a língua, mesmo quando a entendem.

Muitos falam também o "patuá", também conhecido como lanc-patuá, língua crioula utilizada no contato com as outras etnias da região. Falam o português e usam essa língua na aldeia e para os contatos externos. Conhecem o francês, ao menos os mais velhos que foram alfabetizados e educados nesta língua. Entendem um pouco de patuá holandês.

Nos dias de hoje, a língua indígena vem sendo revalorizada. Comparados aos Karipuna e Galibi Marworno, eles se consideram índios verdadeiros, assim como os Palikur, por falarem uma língua indígena. Questionam o fato de o patuá ser considerada uma língua "nativa" pelos índios do Uaçá, lembrando que, na escola de freiras de Saint Joseph de Cluny, na Guiana Francesa, quem falava patuá recebia um castigo. Lá, apenas as línguas indígenas e o francês era permitido.