Princípio antrópico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Em Física e Cosmologia, o Princípio antrópico estabelece que qualquer teoria válida sobre o universo tem que ser consistente com a existência do ser humano. Em outras palavras, o único universo que podemos ver é o universo que possui seres humanos.

Definição[editar | editar código-fonte]

Há algumas variações de definição do princípio:

  • Princípio Antrópico Forte: O Universo deve ser de tal forma que possa conter observadores, em algum estágio de sua evolução.
  • Princípio Antrópico Fraco: O Universo se comportou de tal forma que pôde nos conter. Em outras palavras, as grandezas físicas e cosmológicas que observamos precisam assumir valores compatíveis com o surgimento de vida baseada em carbono.
  • Princípio Antrópico Final: O Universo tem como finalidade produzir seres vivos, ou seres humanos.
  • Princípio Antrópico Participativo: A existência de observadores dá existência ao Universo.

Citações[editar | editar código-fonte]

"A natureza é primorosamente ajustada para a possibilidade de vida no planeta Terra: se a força gravitacional fosse reduzida ou aumentada em 1%, o Universo não se formaria; por uma minúscula alteração na força eletromagnética, as moléculas orgânicas não se uniriam. Nas palavras do físico Freeman Dyson, parece que o 'Universo sabia que estávamos chegando'. O Universo não se assemelha a um lance de dados aleatório. Parece pura e simplesmente proposital 1

"Vemos o universo da maneira como ele é porque, se fosse diferente, não estaríamos aqui para vê-lo". 2

Referências

  1. Yancey, Philip, "Rumores de Outro Mundo," Ed. Vida, ISBN: 978-85-7367-803-1.
  2. Hawking, Stephen W. "Uma Breve História do Tempo, do Big Bang aos Buracos Negros" pg: 180, Gradiva, 3º edção, Abril de 1994, ISBN 972-662-010-4.