Carlos Velloso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Carlos Velloso
Carlos Velloso
Foto:Cristina Gallo/Agência Senado
Ministro do Supremo Tribunal Federal do Brasil
Mandato: 13 de junho de 1990
até 19 de janeiro de 2006
Nomeação por: Fernando Collor de Mello
Antecessor(a): Francisco Rezek
Sucessor(a): Ricardo Lewandowski
37º Presidente do Supremo Tribunal Federal do Brasil
Mandato: 27 de maio de 1999
até 27 de maio de 2001
Antecessor(a): Celso de Mello
Sucessor(a): Marco Aurélio Mello
35º Presidente do Tribunal Superior Eleitoral do Brasil
Mandato: 6 de dezembro de 1994
até 19 de maio de 1996
Antecessor(a): Sepúlveda Pertence
Sucessor(a): Marco Aurélio Mello
42º Presidente do Tribunal Superior Eleitoral do Brasil
Mandato: 15 de março de 2005
até 19 de janeiro de 2006
Antecessor(a): Sepúlveda Pertence
Sucessor(a): Gilmar Mendes
Ministro do Superior Tribunal de Justiça do Brasil
Mandato: 19 de dezembro de 1977
até 13 de junho de 1990
(Proveniente do extinto Tribunal Federal de Recursos, considerando-se como data inicial a posse naquele tribunal)
Nomeação por: Ernesto Geisel
Sucessor(a): Francisco Peçanha Martins
Dados pessoais
Nascimento: 19 de janeiro de 1936 (82 anos)
Entre Rios de Minas, MG
Esposa: Maria Angela Penna Velloso
Alma mater: Universidade Federal de Minas Gerais
Religião: Católico romano[1]

Carlos Mário da Silva Velloso (Entre Rios de Minas, 19 de janeiro de 1936)[2] é um filósofo, advogado, professor, escritor, magistrado e jurista brasileiro. Magistrado de carreira, foi ministro e presidente do Supremo Tribunal Federal.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Graduou-se primeiro em Filosofia e, em seguida, aos 25 anos de idade, no ano de 1963, em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais. É membro da Academia Mineira de Letras, sucessor de Orlando Magalhães Carvalho na cadeira número 35. Foi juiz federal em Minas Gerais de 1967 a 1977[2], ministro do Tribunal Federal de Recursos entre dezembro de 1977 e abril 1989; Corregedor-Geral da Justiça Eleitoral de 1985 a 1987, ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) entre 1983 e 1985 e depois de 1985 a 1987, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), de 13 de junho de 1990 até 19 de janeiro de 2006, tendo sido presidente no período de 1999 a 2001, ministro do TSE entre 1992 e 1996 onde foi presidente (1994-96) e ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) entre abril de 89 e junho de 1990;

Além de seus cargos na justiça, foi também professor titular de Direito Constitucional da FMD na PUC Minas, 1969 a 1977, onde foi Diretor de 1976 a 1977; professor de Direito Constitucional da Faculdade de Direito da UFMG de 1975 a 1977; professor de Direito Tributário e Ciência das Finanças da UNA-MG de 1968 a 1974; professor titular de Direito Constitucional da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília de 1978 a 1998; professor emérito da FMD na PUC Minas; professor emérito da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília, (FD/UnB); doutor "honoris causa" da Universidade de Craiova, Romênia em abril de 2001 e Doutor Honoris Causa, concedido pelo Reitor Paulo Alonso, da UniverCidade, 2002.

Obras e premiações[editar | editar código-fonte]

Além de mais de 20 obras publicadas, é autor do livro:

Além de dezenas de condecorações nacionais e internacionais, civis e militares, destacam-se:

  • Colar da Ordem Bicentenaria del Colegio de Advogados de Caracas, Distrito Federal, Venezuela, em 6 de março de 1998;
  • Diploma de Excelência, que lhe foi conferido pela Câmara Municipal da cidade de CLUJ-NAPOCA, Romênia, em 26 de abril de 2001, por sua contribuição ao desenvolvimento das relações judiciais, em plano internacional, e da sustentação da cooperação entre o Brasil e a Romênia;
  • Grã-Cruz da Ordem Nacional "Estrela da Romênia", a mais alta condecoração do Governo da Romênia, que lhe foi outorgada pelo Presidente da República da Romênia, em Bucareste, em 24 de abril de 2001.
  • Grã-Cruz da Ordem do Ipiranga, em 7 de dezembro de 2009, pelo Governo do Estado de São Paulo, na pessoa do então governador José Serra.[3]

É membro da Academia Mineira de Letras desde 2000], ocupando a cadeira 35, cujo patrono é João Pinheiro, ocupada anteriormente por Orlando Magalhães Carvalho. No dia 6 de dezembro de 2000 recebeu a Medalha de Honra da UFMG.[4]

Referências

  1. Jornal da Ciência
  2. a b «Ministro Carlos Velloso». Supremo Tribunal Federal. Consultado em 26 de julho de 2014 
  3. «Ex-presidentes do Supremo são homenageados com a Ordem do Ipiranga, mais alta honraria do Estado de SP». Migalhas. 8 de dezembro de 2009. Consultado em 9 de março de 2018 
  4. «COPI :: Programa Ex-alunos». www.ufmg.br. Consultado em 15 de fevereiro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Celso de Mello
Presidente do Supremo Tribunal Federal
1999 — 2001
Sucedido por
Marco Aurélio de Mello


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.