Marco Aurélio Mello

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Marco Aurélio de Mello)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Marco Aurélio (desambiguação).
Marco Aurélio Mello
Marco Aurélio Mello
Ministro do Supremo Tribunal Federal do Brasil
Mandato: 13 de junho de 1990
até a atualidade
Nomeação por: Fernando Collor de Mello
Antecessor(a): Carlos Alberto Madeira
49º Presidente do Supremo Tribunal Federal do Brasil
Mandato: 15 de maio de 2001
a 15 de maio de 2003
Antecessor(a): Carlos Velloso
Sucessor(a): Maurício Corrêa
Presidente do Tribunal Superior Eleitoral do Brasil
Mandato: 1996-1997, 2006-2008 e 2013-2014
Ministro do Tribunal Superior do Trabalho do Brasil
Mandato: 10 de setembro de 1981
a 11 de junho de 1990[1]
Nomeação por: João Figueiredo
Antecessor(a): Hildebrando Bisaglia[2]
Sucessor(a): Manoel Mendes de Freitas[3]
Dados pessoais
Nascimento: 12 de julho de 1946 (71 anos)
Rio de Janeiro, Brasil
Esposa: Sandra de Santis Mello
Alma mater: Universidade Federal do Rio de Janeiro

Marco Aurélio Mendes de Farias Mello (Rio de Janeiro, 12 de julho de 1946) é um magistrado brasileiro, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) desde 13 de junho de 1990,[4] tendo sido nomeado pelo então presidente da República Fernando Collor de Mello, seu primo.[5][6][7] Foi, também, ministro e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)[8] e ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Desde 1982 é professor do Centro Universitário de Brasília (UNICEUB) e da Universidade de Brasília,[9] e tem extensa listagem de obras produzidas.

Formação e carreira[editar | editar código-fonte]

Marco Aurélio Mello nasceu no Rio de Janeiro. É filho do alagoano Plínio Afonso de Farias Mello e de Eunice Mendes. É sobrinho do falecido senador Arnon Afonso de Farias Melo[10], pai do ex-presidente da República Fernando Collor de Mello.

Marco Aurélio Mello estudou no Colégio Souza Marques e no Colégio Pedro II, ambos na cidade do Rio de Janeiro. Graduou-se, em 1973, no curso de Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade Nacional de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro, na qual também concluiu os créditos do curso de mestrado em Direito Privado, em 1982.[11]

Depois de formado, foi advogado da Federação dos Agentes Autônomos do Comércio do Antigo Estado da Guanabara e Chefe do Departamento de Assistência Jurídica e Judiciária do Conselho Federal dos Representantes Comerciais.[11]

Em 1975, iniciou sua trajetória profissional no serviço público, onde atuou na Justiça do Trabalho (1ª Região) como procurador do Trabalho substituto até 1978, quando se tornou juiz togado do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região por intermédio da quota reservada ao quinto constitucional[12] (vaga destinada a membros do Ministério Público). Em 1981, assumiu o cargo de ministro do Tribunal Superior do Trabalho, e atuou como corregedor-geral da Justiça do Trabalho de 1988 a 1990.[11]

Tribunal Superior Eleitoral[editar | editar código-fonte]

Teve várias passagens como ministro do Tribunal Superior Eleitoral, presidindo-o nos períodos de 13 de junho de 1996 a 1º de junho de 1997, 4 de maio de 2006 a 6 de maio 2008 e 19 de novembro de 2013 a 13 de maio de 2014.[11][13] Como presidente do tribunal, participou do processo de informatização das eleições brasileiras.[14]

Supremo Tribunal Federal[editar | editar código-fonte]

Em maio de 1990, Marco Aurélio Mello foi nomeado pelo presidente Fernando Collor de Mello, seu primo, para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal, em vaga decorrente da aposentadoria do ministro Carlos Alberto Madeira. A indicação foi aprovada no dia 22 de maio pelo Senado Federal com 50 votos favoráveis e 3 contrários,[15] e Marco Aurélio tomou posse em 13 de junho de 1990.[16]

Decisões polêmicas[editar | editar código-fonte]

Habeas corpus[editar | editar código-fonte]

Salvatore Alberto Cacciola[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2000 concedeu habeas corpus a Salvatore Alberto Cacciola, proprietário do falido Banco Marka e supostamente responsável por um prejuízo estimado em 1,5 bilhão de reais aos cofres públicos. Cacciola viajou para a Itália logo em seguida e lá viveu foragido até setembro de 2007 quando foi preso em Mônaco (em abril de 2005, a Justiça Federal do Rio de Janeiro condenou Cacciola a treze anos de prisão por peculato e gestão fraudulenta). Comentando este episódio sobre a nova prisão de Cacciola, Marco Aurélio de Mello disse que repetiria a concessão de habeas corpus.[17]

Suzane von Richthofen[editar | editar código-fonte]

Em outra atitude considerada polêmica, Marco Aurélio de Mello foi o único ministro a votar a favor de conceder ordem de habeas corpus a Suzane Louise von Richthofen[18], jovem de classe média-alta paulista que foi julgada e considerada culpada pelas mortes dos próprios pais.

Outros habeas corpus[editar | editar código-fonte]

Em 2007 quando foi responsável por conceder dois habeas corpus[19] a Antônio Petrus Kalil – o "Turcão" – acusado de explorar caça-níqueis. O mesmo havia sido preso pela Polícia Federal por duas vezes. Turcão foi preso pela terceira vez em 29 de novembro de 2007 pelo mesmo delito. E em dezembro de 2008 foi o único ministro a não receber as denúncias para a investigação criminal do seus conterrâneos envolvidos nos esquema de corrupção da chamada máfia dos caça-níqueis. Segundo ele não há evidência alguma que justifique a investigação. O STF aceitou a denúncia do MP e investigou os membros do judiciário que estão envolvidos no escândalo. O então ministro do STJ Paulo Medina foi afastado de suas funções públicas,[20] sendo posteriormente denunciado pela Procuradoria-Geral da República[21] no Supremo Tribunal Federal.[22]

Em outubro de 2012, concedeu habeas corpus para Luiz André Ferreira da Silva, o Deco, vereador do município do Rio de Janeiro, considerando um dos mais perigosos milicianos da Zona Oeste do Rio. Deco responde por formação de quadrilha, extorsões e homicídios e esteve ativamente envolvido em planos para o assassinato do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) e da chefe da Polícia Civil, Martha Rocha.[23]

Em fevereiro de 2017, concedeu por habeas corpus ao goleiro Bruno Fernandes de Souza, preso e condenado 22 anos e 3 meses de prisão pelo crime de homicídio.[24][25] A decisão de Marco Aurélio Mello se baseou pelo fato de Bruno não ter sido condenado em segunda instância, por ser primário e por bons antecedentes.[26] A decisão do ministro chocou o próprio Bruno que não contava com a decisão de coloca-lo em liberdade.[27]

Prisão de Natan Donadon[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2013, foi o único ministro do STF a votar contra a prisão do deputado federal Natan Donadon (PMDB-RO), no caso em que pela primeira vez o STF mandou prender um deputado condenado desde a Constituição de 1988.[28]

Afastamento de Renan Calheiros da presidência do Senado[editar | editar código-fonte]

Em 5 de dezembro de 2016, deferiu liminar pleitada pelo partido Rede Sustentabilidade, para afastar do cargo de Presidente do Senado Federal, o senador Renan Calheiros.[29][30] No entanto, o senador, em descumprimento à decisão, se negou a sair do cargo e não recebeu à notificação do Oficial de justiça do Supremo Tribunal Federal alegando que a notificação seja feita de forma pública.[31]

Caso Francenildo Costa[editar | editar código-fonte]

Em 27 de agosto de 2009, Marco Aurélio entendeu pelo recebimento da denúncia contra Antônio Palocci, ex-ministro da Fazenda do Governo Lula e então acusado de ser responsável pela quebra do sigilo bancário do então caseiro Francenildo dos Santos Costa.[32]

O ministro Marco Aurélio votou de forma incisiva e prolongada. Foi o mais longo dos votos. Afirmou que os requisitos para o recebimento da denúncia contra o ex-ministro da Fazenda, Antônio Palocci, eram mais do que suficientes no processo. Assim disse Marco Aurélio em sua fala: "Os indícios são mais do que suficientes a ter-se a sequência da ação penal...Não tenho como não proceder à imputação quanto ao deputado Antonio Palocci, mas proceder quanto a Jorge Mattoso", disse o ministro. "Vislumbro aqui uma estratégia. Posso imaginar que se sustentará que aquele que levantou os dados simplesmente cumpriu o dever. Espero que esse cumprimento do dever não frutifique".[33]

Votaram na mesma posição de Marco Aurélio os ministros Carmen Lúcia, Celso de Mello e Ayres Britto, que também entenderam que havia indícios suficientes para abertura de ação penal contra o ex-ministro da Fazenda Antônio Palloci e o ex-presidente da Caixa Econômica Federal, mas foram votos vencidos. Votaram contra o recebimento da denúncia, entendendo que os indícios contra Palloci não eram suficientes a ministra Ellen Gracie e os ministros Cesar Pelluso, Eros Grau, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes, então Presidente do STF. Assim, a denúncia foi recebida apenas para processar e julgar o ex-presidente da Caixa Econômica Federal (CEF) à época dos fatos, Jorge Mattoso.[34] Com relação a Palloci, o inquérito policial foi arquivado, e portanto foi absolvido.[35]

Posicionamentos no STF e TSE[editar | editar código-fonte]

Favoráveis[editar | editar código-fonte]

Diploma para jornalismo[editar | editar código-fonte]

Em 17 de junho de 2009, foi o único ministro a votar pela obrigatoriedade de diploma para o exercício do Jornalismo no país, extinta após 40 anos. Marco Aurélio teve o voto vencido. “E agora chegamos à conclusão de que passaremos a ter jornalistas de gradações diversas. Jornalistas com diploma de curso superior e jornalistas que terão, de regra, o nível médio e quem sabe até o nível apenas fundamental”, ponderou.[36]

Operação da PF no Senado[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2015, o ministro do STF Marco Aurélio Mello, defendeu que a Polícia Federal (PF) pode cumprir mandados de busca e apreensão em apartamentos funcionais do Senado. Na terça-feira, o então presidente do Senado, Renan Calheiros, e outros parlamentares questionaram a ação da PF no apartamento funcional do senador Fernando Collor, sob mandado do STF. Argumentaram que a Polícia Legislativa tinha que ter atuado. Mesmo sendo primo do senador, que é investigado na Operação Lava Jato, o ministro Marco Aurélio apoiou a PF.[37]

Poder do Senado para impeachment[editar | editar código-fonte]

Em 17 de dezembro de 2015, Marco Aurélio Mello seguiu o voto da maioria dos ministros que votou favoravelmente a que o Senado tenha o poder de arquivar uma eventual abertura do processo de impeachment pela Câmara dos Deputados.[38]

Afastamento de Renan Calheiros[editar | editar código-fonte]

Em 5 de dezembro de 2016, Marco Aurélio acatou a liminar do partido Rede Sustentabilidade (REDE) que pedia o afastamento de Renan Calheiros na presidência do Senado Federal do Brasil, após o senador ter se tornado em 1º de dezembro de 2016 réu no STF por peculato,[39][40] e baseado na decisão do Supremo anteriormente,[41] de que réu não pode estar na sucessão da Presidência da República.[42][43]

Contrários[editar | editar código-fonte]

Lei da Anistia[editar | editar código-fonte]

Em julgamento realizado em 28 e 29 de abril de 2010 votou contra a ação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que visava a impedir que a lei da Anistia mantivesse os agentes públicos do regime militar abraçados por aquela lei. Anteriormente já havia dito que "31/03/1964 foi um mal necessário, tendo em conta o que se avizinhava".[44]

Ficha Limpa para eleições de 2010[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2010 Marco Aurélio Mello foi um dos quatro ministros que votaram contra a constitucionalidade da aplicação da Lei Ficha Limpa para as eleições daquele ano.[45][46] O ministro Marco Aurélio considerou constitucional a lei e a aplicação dela a partir de 2012.[45]

Em 16 de dezembro de 2010, Marco Aurélio Mello, como ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), decidiu que o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) deveria ser empossado no cargo de deputado federal, pelo fato do Tribunal de Justiça de São Paulo ter anulado uma condenação que existia contra Maluf.[47]

Limitar poder do MP[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2014, o ministro Marco Aurélio Mello defendeu que o plenário do TSE reavalie a resolução, decidida em dezembro de 2013 que impede o Ministério Público de abrir inquéritos durante as eleições.[48] Em nota, Marco Aurélio disse acreditar na “evolução da decisão” tomada pelo plenário do TSE e afirmou que a tentativa de tolher a ação do Ministério Público “conflita com o Código de Processo Penal e, portanto, não pode prevalecer”. Diz a nota: “O Código de Processo Penal prevê que o inquérito pode ser instaurado de ofício, pela Polícia Federal, por requerimento de órgão judiciário, ou pelo Ministério Público”.[48]

Embargos infringentes no mensalão[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2013, o ministro Marco Aurélio Mello votou contra a possibilidade de o STF analisar os chamados embargos infringentes, recursos que dão direito a um novo julgamento para 11 dos 25 condenados no processo do mensalão. Ele seguiu, dessa forma, o entendimento dos ministros Gilmar Mendes, Cármen Lúcia, Joaquim Barbosa e Luiz Fux.[49][50] Foi voto vencido, tendo o ministro Celso de Mello desempatado a votação.[51]

Prisão em segunda instância[editar | editar código-fonte]

Em 5 de outubro de 2016, o STF decidiu sobre a possibilidade de prisão em segunda instância. O ministro Marco Aurélio Mello foi o relator do processo e votou contrário, seguido dos votos dos ministros Rosa Weber, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello que votaram contra a possibilidade de prisão antes que se esgotarem todas as possibilidades de recursos. Os votos dos ministros foram vencidos, sendo finalizado a votação por 6 votos a 5, mantendo o entendimento definido pela própria Corte em fevereiro que permitiu a possibilidade de prisão após uma condenação por colegiado de segunda instância.[52]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Marco Aurélio é casado com Sandra De Santis, desembargadora do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios.[53]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Quando foi indicado pelo seu primo, Fernando Collor de Mello, a oposição e muitos advogados acusou o presidente de nepotismo.Em março de 2014, Marco Aurélio Mello teve uma de suas filhas, a advogada Letícia de Santis Mendes de Farias Mello, então com 37 anos, nomeada pela presidente Dilma Rousseff pelo quinto constitucional da OAB para o cargo de desembargadora do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2ªR), sediado no Rio de Janeiro, apesar de ela ter sido considerada nova e inexperiente para assumir o cargo. Pessoas do meio jurídico insinuam que ela só foi escolhida por ser filha do ministro do STF.[54]

Referências

  1. «Galeria dos ex-ministros». Tribunal Superior do Trabalho. Consultado em 12 de novembro de 2016 >
  2. «Mensagem (SF) n° 183, de 1981». Senado Federal. Consultado em 22 de outubro de 2017 
  3. «Ministros do TST» (PDF). Senado Federal. Consultado em 12 de novembro de 2016 
  4. «Linha Sucessória dos Ministros do STF» (PDF). STF. 2013. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  5. «Presidente por sete dias: O presidente do STF assume interinamente a Presidência da República durante viagem de FHC à Itália e à Espanha mas diz que despachará no sofá do gabinete do Planalto». www.terra.com.br. ISTOÉ Gente. 20 de maio de 2002. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  6. RedeTV! (20 de fevereiro de 2010). «Kennedy Alencar entrevista o ministro Marco Aurélio Mello». RedeTV! - Jornalismo 
  7. «Eleição presidencial vai para segundo turno». Estadao.com.br. 28 de outubro de 2013. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  8. Mariana Oliveira. «Marco Aurélio Mello toma posse como presidente do TSE». G1. Globo.com. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  9. «Marco Aurélio Mendes de Farias Mello». Supremo Tribunal Federal. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  10. Bruno Martins, Tribuna Hoje (22 de maio de 2015). «Filho de alagoano, Marco Aurélio Mello recebe título de cidadão honorário». Consultado em 4 de abril de 2016 
  11. a b c d «Ministro Marco Aurélio» (PDF). Supremo Tribunal Federal. Consultado em 8 de junho de 2015 
  12. «Art. 136, inc. IV da Constituição Federal de 67». Jusbrasil. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  13. «Conheça o TSE — Tribunal Superior Eleitoral». 3 de março de 2016. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  14. «Ministros - Composição do Tribunal». www.tse.jus.br. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  15. «Diário do Congresso Nacional, p. 2303». Congresso Nacional. 23 de maio de 1990. Consultado em 22 de outubro de 2017 
  16. «Ministro Marco Aurélio 25 ANOS NO STF» (PDF). Supremo Tribunal Federal. 20 de junho de 2015. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  17. «Supremo nega HC a Salvatore Cacciola». Migalhas. 1 de novembro de 2007 
  18. «Pedido de habeas corpus de Suzane von Richthofen chega ao STF». g1.globo.com. G1. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  19. «Furacão: Anísio e Turcão seguem na cadeia». G1. Globo.com. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  20. «Paulo Medina oficializa pedido de afastamento do STJ». Consultor Jurídico. 2 de maio de 2007. Consultado em 24 de fevereiro de 2017 
  21. «PGR reitera denúncia contra Paulo Medina e magistrados acusados da Operação Furacão». Ministério Público Federal. Ministério Público. Consultado em 24 de fevereiro de 2017 
  22. «STF recebe denúncia contra Paulo Medina por corrupção passiva e prevaricação». STF. 26 de novembro de 2008. Consultado em 24 de fevereiro de 2017 
  23. «Solto pelo STF, acusado de chefiar milícia volta à Câmara do Rio». Jornal do Brasil 
  24. Felipe Pontes (24 de fevereiro de 2017). «STF manda soltar Bruno, ex-goleiro do Flamengo condenado por homicídio». Agência Brasil. EBC. Consultado em 24 de fevereiro de 2017 
  25. «Goleiro Bruno consegue habeas corpus e deve sair do presídio». Globo Esporte. Globo.com. 24 de fevereiro de 2017. Consultado em 24 de fevereiro de 2017 
  26. «Marco Aurélio: "Bruno é primário, de bons antecedentes"». O Antagonsita. 24 de fevereiro de 2017. Consultado em 24 de fevereiro de 2017 
  27. Alex Capella (24 de fevereiro de 2017). «Goleiro Bruno ficou 'chocado' com notícia da liberdade». Extra. Globo.com. Consultado em 24 de fevereiro de 2017 
  28. «Pela primeira vez, STF manda prender deputado condenado». Política 
  29. «Ministro do STF afasta Renan Calheiros da presidência do Senado». G1. Globo.com. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  30. Breno Pires. «Ministro do STF decide afastar Renan da presidência do Senado». Estadão. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  31. «Renan se recusa a receber notificação judicial sobre afastamento». Zero Hora. 5 de dezembro de 2016. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  32. «Por cinco votos a quatro, STF arquiva denúncia contra deputado Antonio Palocci». STF. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  33. «Em julgamento apertado, STF rejeita processo contra Palocci». Estadão. 17 de julho de 2012. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  34. «STF: ex-presidente da CEF responderá por quebra de sigilo». Terra. 27 de agosto de 2009. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  35. «STF absolve Antonio Palocci da acusação de quebra do sigilo de caseiro». G1. Globo.com. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  36. «Supremo decide que é inconstitucional a exigência de diploma para o exercício do jornalismo». Sumpremo Tribunal Federal. 17 de junho de 2009. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  37. «Ministro do STF Marco Aurélio Mello diz que ação da PF foi legal». Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal. Consultado em 6 de dezembro de 2016 
  38. Felipe Amorim (17 de dezembro de 2015). «STF derruba chapa da oposição e voto secreto e dá poder ao Senado no impeachment». UOL. Consultado em 6 de dezembro de 2016 
  39. «Renan se torna réu no Supremo por crime de peculato». G1. globo.com. 1 de dezembro de 2016. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  40. «STF torna Renan Calheiros réu por peculato». Extra. Globo.com. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  41. Giovana Teles. «Maioria no STF diz que réu não pode ficar na linha sucessória do presidente». G1. Globo.com. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  42. «Ministro do STF afasta Renan da presidência do Senado». G1. Globo.com. 5 de dezembro de 2016. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  43. «Liminar afasta Renan Calheiros da Presidência do Senado». www.stf.jus.br. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  44. «Panorama: Veja Essa - Edição 2154 - Revista VEJA». 30 de dezembro de 2011. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  45. a b «STF julga Ficha Limpa». G1. Globo.com. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  46. «Marco Aurélio explica voto contra da Ficha limpa». Consultor Jurídico. 19 de junho de 2010. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  47. «TSE garante liminar para diplomação de Maluf». 16 de dezembro de 2010. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  48. a b Marcela Mattos. «Presidente do TSE apoia PGR e critica limitar poderes do MP nas eleições». VEJA. Abril. Consultado em 6 de dezembro de 2016 
  49. «STF: Marco Aurélio Mello vota contra embargos infringentes e empata votação». Instituto Millenium. 12 de setembro de 2013. Consultado em 6 de dezembro de 2016 
  50. «Embargos Infringentes não são cabíveis no Supremo». Consultor Jurídico. 18 de setembro de 2013. Consultado em 6 de dezembro de 2016 
  51. «AP 470: Ministro Celso de Mello vota pelo cabimento de embargos infringentes». Supremo Tribunal Federal. Consultado em 6 de dezembro de 2016 
  52. Renan Ramalho. «Supremo mantém possibilidade de prisão a condenados em 2ª instância». G1. Globo.com. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  53. «Min. Marco Aurélio Mello» (PDF). Supremo Tribunal Federal. Consultado em 6 de abril de 2016 
  54. Mariana Haubert (19 de março de 2014). «Filha de ministro do STF é nomeada ao TRF após derrotar nomes experientes». Folha de S.Paulo. Consultado em 6 de abril de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Marco Aurélio de Mello


Precedido por
Carlos Velloso
Presidente do Supremo Tribunal Federal
2001 — 2003
Sucedido por
Maurício Corrêa