Edil Highlander

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Edil Highlander
Informações pessoais
Nome completo Edilberto Melo de Oliveira
Data de nasc. 3 de junho de 1964
Local de nasc. Belém, Brasil
Informações profissionais
Posição Ponta
Clubes de juventude
Paysandu
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1985-1987
1987-1990
1990
1991
1991
1991
1992
1992-1993
1993-1994
1994-1995
1996-1998
1999
1999
1999
1999
1999-2000
2000-2001
2001
2002
2002-2003
2004
Paysandu
Marítimo
Paysandu
Remo
Vasco da Gama
Ceará
Vitória
Paysandu
Espinho
Paysandu
Remo
São Francisco
Tuna Luso
Castanhal
Tuna Luso
Castanhal
Paysandu
Náutico
Confiança
Águia de Marabá
Ypiranga
Seleção nacional
1987-1990 Pará 3 (0)

Edilberto Melo de Oliveira (Belém, 3 de junho de 1964), mais conhecido como Edil e, desde o final da carreira, como Edil Highlander, é um ex-futebolista brasileiro que atuava como atacante. Foi um artilheiro reconhecido no futebol paraense, sendo benquisto pelas duas principais torcidas locais, de Paysandu e Remo. Sua carreira não se resumiu ao Estado, incluindo desde o Vasco da Gama ao Náutico e do Marítimo (Venezuela) ao Espinho (Portugal), chegando a ser artilheiro do Campeonato Paraense de Futebol de 2000 pelo Castanhal,[1] além de ídolo e campeão sergipano de 2002 pelo Confiança.[2]

Edil, que chegou a ser o maior artilheiro dos campeonatos estaduais realizados em 1992 (com 24 gols pelo "Papão"), possuía um estilo de jogo sempre raçudo e impetuoso em busca do gol, cujas comemorações ficaram marcadas pelo folclore - desde a interpretações de Braddock, sobretudo pelos azulinos, até as "espadadas" de Highlander que simulavam decapitações contra seus colegas.[1][2] A respeito, declarou que "a incorporação de personagens de filmes famosos fizeram parte da minha carreira, jogando pelo Remo e pelo Paysandu. Era uma honra, uma motivação saber que sempre eu marcava em clássicos, em especial no Mangueirão. Não tinha Re-Pa sem gol do Edil. Eu fui o carrasco dos clubes. O meu segredo era ter dedicação total, concentração no que tinha que fazer em campo. A torcida, dos dois lados, gostava de mim. Poderia fazer três, quatro gols nos times pequenos, mas se não deixava a marca no Re-Pa, não adiantava".[1]

Edil marcou ao todo 15 gols no clássico, sendo o 13º maior artilheiro geral do confronto e o maior desde a década de 1980.[3] Com dez gols (cinco como remista e cinco como alviazul), divide com Dadinho a artilharia em duelos realizados no Mangueirão.[4] A respeito do clássico, declarou também que "Eu já joguei vários clássicos quando vesti a camisa do Vasco, todos com o Maracanã lotado, e nenhum se compara ao clássico da Amazônia. Eu torço para os dois clubes. Sempre fico satisfeito quando os dois ganham. Tenho vários títulos pelas duas equipes e por isso conquistei o carinho e o respeito das duas torcidas. Não tenho como puxar mais para um lado.".[5]

O atacante é ainda o décimo maior artilheiro do Paysandu (com 95 gols)[6] e o segundo maior artilheiro do futebol paraense considerando todas as divisões do Campeonato Brasileiro de Futebol, com 37 gols contabilizados, sobretudo pela dupla Re-Pa.[7] Ele tem outros familiares no esporte: seu sobrinho Bebeto, também atacante ex-Remo e Paysandu, jogou ainda por Flamengo e Corinthians, sendo filho de outro Bebeto (este, irmão de Edil), igualmente ex-jogador da dupla Re-Pa e ainda do Bahia. Também tem parentesco com o goleiro Clemer.[8]

Carreira[editar | editar código-fonte]

1985 a 1990: Paysandu e Venezuela[editar | editar código-fonte]

Edil começou no Paysandu, clube pelo qual sua família torce e ao qual foi levado pelo irmão Bebeto.[9] Tinha doze anos quando chegou, passando pela escolinha, infanto e júnior antes de ser profissionalizado.[10] Ainda referido como Edilberto, esteve no elenco campeão paraense de juniores em 1982, ao lado de outros atletas que logo integrariam o time profissional, dentre eles Charles Guerreiro.[11] Bebeto já figurava no time principal, chegando a participar no ano anterior de vitória por 3-0 sobre o Flamengo pelo Brasileirão de 1981.[12]

Edil integrou como reserva o Paysandu campeão paraense de 1985, não chegando a marcar gols na campanha.[13] Em 1986, disputou seu primeiro Re-Pa pelo time adulto, em vitória por 2-1 na qual o "Papão" terminou campeão de torneio triangular amistoso envolvendo também o Corinthians. Foi titular, mas nos outros dois clássicos seguintes naquele ano, ambos válidos pelo estadual, participou saindo do banco. O Remo terminou campeão, após seis anos.[14] Seu primeiro gol no time adulto teria ocorrido em outro clássico, o contra a Tuna Luso, em derrota de 2-1 em 10 de agosto naquele estadual.[15] Em setembro, fez suas três partidas pelo Brasileirão daquele ano (1-0 para o Corinthians no Pacaembu e 1-1 com o Joinville e 1-0 para o semifinalista America-RJ, ambos no Mangueirão), sempre saindo do banco, sem marcar.[16]

Já no estadual de 1987 o Paysandu foi campeão invicto, no primeiro trabalho de Givanildo Oliveira como treinador no futebol paraense. Edil foi titular, como ponta-direita em trio ofensivo formando com Cabinho e Miguelzinho. Na campanha, além de um dos gols na partida em 2-2 com o Yamada Clube que garantiu o primeiro turno em favor dos alvicelestes, marcou em quatro clássicos: o único do Re-Pa no primeiro turno; dois em 3-2 em duelo contra a Tuna Luso e outro em 2-1 sobre o Remo, ambos no segundo turno; e mais um, empatando o Re-Pa vencido de virada por 2-1 na final do certame. Marcou ao todo treze gols na campanha, de março a agosto.[17]

Ainda em agosto, Edil estreou pela seleção paraense, que não era reunida havia nove anos. Esteve nas duas partidas contra o Amazonas pelo Campeonato Brasileiro de Seleções Estaduais. Cada equipe venceu a outra por 1-0 em casa, e no sorteio os amazonenses terminaram favorecidos.[18] Edil ainda faria quatro gols pelo Módulo Branco do Campeonato Brasileiro de Futebol de 1987,[1] dois deles em empate em 2-2 no clássico com a Tuna no mata-mata pela terceira fase.[19] O Paysandu terminou no vice-campeonato para o Operário.[20]

Edil foi em seguida ao futebol da Venezuela, onde também jogou o irmão Bebeto.[8] Defendeu o Marítimo,[9] que vivia um momento local de hegemonia, faturando entre 1987 e 1993 seus quatro títulos no campeonato venezuelano. O time já havia sido campeão da temporada 1986-87 e foi bicampeão seguido na de 1987-88. Novo título veio na temporada 1989-90.[21] Não era o bastante para avançar de fase na Taça Libertadores da América, com a equipe terminando na terceira colocação na edição de 1988, em que as duas vagas ficaram com a dupla chilena Colo-Colo e Universidad de Chile,[22] enquanto na de 1989 as três vagas ficaram com os brasileiros Internacional e Bahia, além do Deportivo Táchira.[23] Mas Edil continuava a ser um sonho do Remo, que tentou contrata-lo ainda em abril de 1989, conforme presenciado pelo jornal Diário do Pará, a relatar o seguinte diálogo telefônico do atacante com o dirigente remista Israel Vasconcelos:[24]

Edil voltou ao Brasil em março de 1990, mas em regresso ao Paysandu.[25] Reeditou o trio de 1987 com Cabinho e Miguelzinho e foi pela primeira vez artilheiro do Campeonato Paraense de Futebol.[1] Marcou treze vezes, incluindo quatro em vitória de 6-3 sobre o Tiradentes e os três de triunfo de 3-0 sobre o Pinheirense,[15] além de outro em vitória por 3-0 no Re-Pa que decidiu o primeiro turno, em 22 de abril. O resultado rendeu a demissão do então técnico azulino Armando Bracalli, substituído por Paulinho de Almeida.[26]

Em 6 de maio, Edil jogou pela terceira vez pela seleção paraense, novamente reunida após aquelas duas partidas de 1987. Foi o último jogo da seleção no século XX, obtendo-se empate em 1-1 no Mangueirão contra a Bulgária, que jogou com Hristo Stoichkov, Emil Kostadinov (autor do gol búlgaro), Krasimir Balakov e Yordan Lechkov, dentre outros. Bebeto também jogou pelo Pará.[18] Posteriormente, o Remo venceria o segundo turno do estadual, mas o "Papão" venceu o terceiro, após um 0-0 no Re-Pa. O regulamento previa então finais entre as duas equipes, com o Paysandu tendo o benefício de dois empates. Contudo, o Remo reverteu a vantagem após vencer a primeira decisão por 1-0 e segurar o 0-0 na segunda, sagrando-se campeão, já em agosto.[26]

1991-1995: Remo, Vasco, Paysandu e Portugal[editar | editar código-fonte]

Edil em seguida iniciou sua primeira passagem pelo próprio Remo, na disputa da segunda divisão brasileira de 1991. Marcou dois gols,[1] um deles em Re-Pa empatado em 1-1. Por ironia, o Paysandu terminou campeão da competição, realizada no primeiro semestre.[27] O Remo, por sua vez, também se sobressaía nacionalmente, terminando na quarta colocação geral da Copa do Brasil daquele ano, em campanha na qual chegou a eliminar o Vasco da Gama. Edil foi titular no empate de 1-1 arrancado em pleno estádio de São Januário em 21 de março, resultado que classificou os visitantes.[28] O "Leão" terminaria eliminado na semifinal pelo futuro campeão Criciúma. O confronto em Belém contra a equipe treinada por Luiz Felipe Scolari rendeu um público recorde na competição em jogos travados na Região Norte. A campanha semifinalista segue sendo a melhor de uma equipe dessa região no torneio.[29]

Edil acabou transferido ao próprio Vasco em seguida, mas não fez sucesso. Jogou treze vezes e só marcou um gol, e anos depois, em 2015, desaprovou a transferência do conterrâneo Yago Pikachu ao mesmo clube. Segundo Edil, a discriminação e falta de apoio de Eurico Miranda o teriam atrapalhado na equipe carioca: "cheguei em um time que só tinha feras do futebol e, no final, avalio que a minha passagem foi boa, mas, por ser do Norte, fui bastante discriminado. O Eurico já estava lá e tinha esse mesmo jeito de hoje. Sentia que o Eurico não gostava muito de mim, fui sendo colocado de lado, não tinha apoio lá dentro". Ali, conviveu com o Bebeto mais famoso.[30] Disputou somente a Taça Guanabara de 1991, marcando apenas o gol da vitória de virada por 2-1 a oito minutos do fim sobre o Volta Redonda, dentro do estádio Raulino de Oliveira.

Edil seguiu carreira no fim de 1991 no Ceará, marcando quatro gols no campeonato cearense daquele ano. A despeito dos alvinegros terem ganho por 2-1 uma e empatado as outras duas de uma melhor de três em finalíssima como o rival Fortaleza, terminaram na segunda colocação por terem ganho somente o segundo turno enquanto os tricolores venceram os outros três turnos. Edil permaneceu no Nordeste no início de 1992, como jogador do Vitória na disputa da segunda divisão brasileira. A equipe baiana havia sido uma das vítimas dele na Copa do Brasil de 1991.[15]

Marcou dois gols como rubro-negro, no mês de fevereiro.[15] O clube de Vampeta e Alex Alves obteria o acesso sendo adiante, em junho, vice-campeão da competição;[31] Edil, porém, já havia saído, disputando ainda no primeiro semestre a primeira divisão em novo retorno ao Paysandu.[15]

Ele marcou quatro gols pelo "Papão" naquela Série A,[1] três deles já na reestreia pelo clube, sendo os três da vitória de 3-0 sobre o Guarani. Um deles foi considerado um dos mais curiosos da história da competição. Foi já aos 47 minutos do segundo tempo, em dia bastante chuvoso que obrigou o atacante a lutar metro a metro contra adversário e gramado lamacento rumo ao gol após pegar a bola na intermediária.[32] Edil considera ser esse seu jogo mais marcante pelo "Papão":[33]

Edil segue tendo o recorde de gols em um só jogo pelo Paysandu na primeira divisão.[34] Seu outro gol naquele campeonato foi sobre o Flamengo, em derrota de 4-1 no Maracanã.[15] Ainda pelo campeonato, esteve também nos 90 minutos de uma vitória por 3-0 sobre o São Paulo, mas não pôde evitar que suas outras quatro partidas naquele campeonato terminassem sem triunfos: 1-0 para o Internacional (Mangueirão), 4-0 para o Bahia (Fonte Nova), 3-2 para o Atlético Paranaense (Pinheirão) e 0-0 com o Atlético Mineiro (Mineirão).[16]

Em 27 de julho, esteve em vitória de 4-0 sobre o Peñarol, em amistoso realizado no Mangueirão arbitrado pelo mesmo juiz da famosa partida entre as duas equipes vencida por 3-0 em 1965 pelos alviazuis.[35] Completando trio ofensivo com Jorginho Cantinflas e Mendonça, sagrou-se em seguida o maior artilheiro estadual do Brasil em 1992, marcando 24 gols pelo campeonato paraense daquele ano, iniciado em agosto.[36]

O rival Remo, treinado por Pedro Rocha, tinha a pretensão de ser tetracampeão seguido e venceu por 1-0 os dois primeiros Re-Pas da competição, sendo ainda campeão do primeiro turno. Mas terminou abatido quatro vezes seguidas por vitórias alviazuis, também por 1-0. Edil chegou a marcar três gols em vitória de 7-0 sobre o Sport Belém e quatro no 5-0 sobre o Tiradentes. Ele marcou ainda um cada em vitórias por 2-0 e 3-0 no clássico com a Tuna, além de marcar o único gol no 1-0 que decidiu o segundo turno contra o Remo. A partida foi televisionada ao vivo para a capital e o interior.[36] Comemorou o gol abraçando no banco de reservas o filho, que teria "previsto" na noite anterior que o pai marcaria o gol da vitória.[33]

Adiante, Remo e Paysandu, vencedores cada um de um turno, realizaram duas finalíssimas, vencidas ambas pelos alvicelestes por 1-0.[36] O total de quatro vitórias de 1-0 deu-se em espaço de trinta dias, algo inédito na rivalidade.[37] Edil ainda disputou pelo Paysandu o primeiro turno do Campeonato Paraense de Futebol de 1993, vencido pelo rival.[38] Edil seguiu carreira no futebol português, defendendo o Espinho na temporada 1993-94 da segunda divisão, marcando cinco vezes em 26 partidas.[39] A equipe escapou do rebaixamento por dois pontos.[40]

Ao fim da temporada na Europa, teve novo retorno ao Paysandu. Dessa vez, não teve sucesso individual. Jogou três vezes no Campeonato Brasileiro de Futebol de 1994, só sendo titular na reestreia, em derrota no Mangueirão por 2-0 para o Atlético Mineiro em 7 de setembro. Voltou a ser usado a partir de 23 de outubro, saindo do banco no 0-0 com o Fluminense (Mangueirão), no 2-2 com o Guarani (Brinco de Ouro) e na derrota de 1-0 para o Santos no Mangueirão. Seus únicos quatro gols na primeira divisão foram os quatro marcados em 1992.[16]

No campeonato estadual de 1995, Edil marcou duas vezes, sobre clubes menores.[15] Tampouco teve sucesso coletivo, com o rival Remo sagrando-se campeão invicto, vencendo doze das quatorze partidas, incluindo os dois Re-Pas.[41] No Brasileirão, já não participou.[16]

1996-1998: idolatria no Remo[editar | editar código-fonte]

Edil voltou ao Remo em 1996, atuando como ponta-direita no trio ofensivo com Rogério Belém e Ageu Sabiá, que foram os artilheiros do elenco, com treze gols para ambos. Edil marcou sete na campanha do tetracampeonato azulino no estadual daquele ano , em trajetória marcada pela tragédia com o colega Andrey, morto acidentalmente em disparo de arma de fogo que pertencia ao colega Cléberton. Dois dos gols de Edil foram no clássico Remo x Tuna, em empate em 1-1 e em vitória por 2-1 sobre os cruzmaltinos, que tiveram em Gauchinho o artilheiro do torneio.[42]

Na segunda divisão brasileira, Edil marcou quatro vezes,[1] incluindo em clássicos: um foi em 1-1 em novo duelo contra a Tuna,[43] e outro foi em outro 1-1, no Re-Pa.[44]

Edil voltou a marcar sobre o Paysandu nos três encontros seguintes, já em 1997; o primeiro válido por triangular envolvendo ainda a Tuna por vaga na Copa Norte daquele ano (as vagas ficaram com os azulinos e a Tuna),[45] em vitória por 4-2 - nessa ocasião, curiosamente enfrentou o sobrinho Bebeto. Os jogos seguintes foram pelo estadual de 1997,[46] no qual o Remo começou arrasador: estreou com em vitória de 10-0 sobre o Pinheirense, com Edil marcando três vezes.[47]

Ele também marcou no clássico com a Tuna (um em derrota de 3-2), os dois em vitória por 2-1 no Re-Pa pelo primeiro turno, duelo que se repetiu na última rodada do pentagonal final do primeiro turno. O Remo terminou campeão ao vencer o rival de virada por 3-1, com Edil marcando o terceiro gol de uma derrota evitada nos dez minutos finais.[47] Esse foi o 33º jogo seguido de invencibilidade azulina no clássico Re-Pa, um recorde na rivalidade, em vitória saborosa especialmente por outras circunstâncias: três dias antes, o "Leão" havia perdido dentro de Belém para os acrianos do Rio Branco a final da Copa Norte.[48] O vexame, que também fez a equipe paraense perder para a adversária a vaga na Copa Conmebol de 1997,[45] rendera a demissão do treinador remista, sucedido de forma interina e improvisada pelos jogadores Agnaldo e Belterra.[48]

A dupla terminou premiada ao, buscando evitar a derrota, promover a entrada de três atacantes - Marcelo Papi, Zé Raimundo e Luís Carlos Apeú, que juntaram-se a Edil e Ageu em um quinteto ofensivo. O próprio jogador-treinador Agnaldo empatou, em cabeceio após cobrança de falta, e Zé Raimundo virou, com Edil marcando o terceiro aos 46 minutos do segundo tempo. Em 2013, declarou ser aquele seu gol mais inesquecível como remista no Re-Pa,[4] relembrando assim a sua jogada: "consegui dar uma arrancada excelente naquele campo cheio de lama, driblei o zagueiro do Paysandu, driblei também o grande Claudecir, goleiro bicolor na época, e fuzilei fechando o placar. Foi sem dúvida um gol inesquecível".[48]

Ainda por aquele campeonato, o Paysandu adiante venceu por 2-0 no segundo turno, encerrando o tabu desfavorável. Porém, terminou novamente derrotado na última partida do pentagonal decisivo daquele turno, com os azulinos conseguindo o pentacampeonato. Edil somou doze gols, terminando na artilharia da competição.[47] Na segunda divisão brasileira, marcou duas vezes.[1]

O Campeonato Paraense de Futebol de 1998 terminou ganho pelo Paysandu do sobrinho Bebeto (que marcou em um dos Re-Pas, empatado em 1-1) sobre o Remo de Edil, que não marcou em três Re-Pas do certame.[49] Na segunda divisão brasileira, marcou só uma vez.[1] Sobre sua passagem pelo "Leão", assim declarou em 2015:[9]

Final de carreira: brilho por Castanhal, Paysandu e Confiança[editar | editar código-fonte]

Edil manteve-se azulino no Campeonato Paraense de Futebol de 1999, mas com a camisa do São Francisco, onde manteve a dupla com Ageu Sabiá. O time de Santarém, com ambos, conseguiu segurar um 0-0 dentro do Baenão contra o Remo, que terminaria campeão, Edil e colegas não passaram da sétima colocação geral entre doze clubes.[50] Marcou quatro vezes pelo São Francisco, uma delas sobre o Paysandu (em derrota de 2-1) e outra em empate em 2-2 no clássico santareno com o São Raimundo.[15]

No segundo semestre, Edil inicialmente disputou a segunda divisão brasileira pela Tuna Luso. Estreou como cruzmaltino saindo do banco para marcar o gol paraense na derrota de 2-1 para o CRB em Maceió, em 17 de agosto, pela terceira rodada.[51] Contudo, em seguida passou a jogar a terceira divisão pelo Castanhal, marcando quatro vezes entre 29 de agosto e 19 de setembro pelo "Japiim". A fase de grupos durou até outubro e a equipe ficou a três pontos da classificação à fase seguinte.[52]

Edil então voltou a defender a Tuna, reestreando em 7 de outubro pela equipe. Faltavam sete jogos para o fim da segunda divisão. Edil marcou um outro gol, novamente sobre o CRB, que repetiu o placar de 2-1. Ele esteve em seis das partidas restantes, exceto na última, a derrota de 5-1 para o Goiás que decretou o rebaixamento da Lusa à terceira divisão - a despeito do elenco tunante contar também com Belterra e Zé Augusto, dentre outros.[51]

Edil reergueu-se defendendo novamente o Castanhal, dessas vez na disputa do Campeonato Paraense de Futebol de 2000. Os aurinegros, que também tinham Vanderson e Luís Carlos Apeú, foram a equipe de maior pontuação total no certame, mas terminaram no vice-campeonato para o Paysandu. Edil, aos 36 anos, terminou o torneio na artilharia, com 16 gols, incluindo em confrontos contra o campeão - isso ocorreu em empate em 1-1 e em vitória por 3-1 (que, por ironia, não evitou que os alvicelestes terminassem na ocasião campeões do primeiro turno), ambas no estádio Maximino Porpino; e em vitória por 1-0 dentro do Mangueirão, já pelo segundo turno. O Castanhal venceu o turno e forçou três finalíssimas, encerradas em 0-0, derrota de 1-0 e vitória de 1-0.[53]

O confuso regulamento, porém, deu o título ao oponente, mas a própria torcida alviazul encarou o desfecho com desconfiança ao trabalho do treinador Givanildo Oliveira e preferiu aplaudir o Castanhal, declarado "campeão do interior", recebendo troféu nesse sentido do próprio prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues. Foram doze vitórias, sete empates e cinco derrotas, contra onze vitórias, sete empates e seis derrotas do campeão Paysandu. O "Japiim" também venceu Remo (2-1, com gol de Edil) e Tuna (2-0) na campanha.[15][53]

O desempenho de Edil no Castanhal o fez voltar ao Paysandu no segundo semestre de 2000 para disputar a Copa João Havelange, que resgatou os bicolores (também rebaixados à terceira divisão em 1999), mantendo-os no Módulo Amarelo, equivalente à segunda. Na competição, marcou nove vezes.[15] O time, porém, terminou eliminado justamente em Re-Pa válido pelo terceiro lugar, que oferecia a última vaga do módulo aos mata-matas contra equipes dos demais módulos. O rival confirmaria a vaga ao segurar empate em 1-1 no jogo da volta após vencer o primeiro por 3-2.[54]

Um mês depois, os dois clubes se enfrentaram em amistoso no estádio da Escola Superior de Educação Física. O Paysandu venceu por 4-1 com Edil marcando os quatro gols alviazuis, a despeito de possuir 36 anos em meio a duas escalações juvenis.[55] Só um jogador marcou mais vezes em um só clássico - o remista Jango em outro amistoso, realizado em 1939 em vitória de 7-2.[3] Em fevereiro de 2001, Edil ainda esteve em título de torneio relâmpago patrocinado pela empresa Mais TV. Dessa vez adversário do Castanhal, marcou três vezes na Curuzu em vitória de 5-2 do Paysandu, adiante campeão em vitória de 4-0 no Re-Pa em pleno Baenão.[56] Na nova passagem pelo "Papão", Edil consagrou um novo personagem, o do Highlander:[9]

Mas a decepção na João Havelange foi seguida por outra em poucos meses, com a perda da Copa Norte de Futebol de 2001 nos minutos finais contra o São Raimundo de Manaus. Edil, de pênalti havia marcado o único gol no jogo de ida, na Curuzu, sobre o São Raimundo. No jogo da volta, em Manaus, os paraenses seguravam o 0-0 até os instantes finais, quando sofreram o gol da derrota que terminou por favorecer os oponentes, que levaram o título beneficiados pela melhor campanha até ali. Edil terminou, ainda antes do vitorioso estadual de 2001, repassado ao Náutico.[57] A respeito da situação, brincaria em 2015 que "construí muita coisa e depois veio o Vandick e comeu o filé".[10]

Treinada por Muricy Ramalho, a equipe pernambucana não era campeã estadual havia mais de dez anos (desde 1989) e vivia o seu centenário. Conseguiu ser campeã naquele 2001, mas sem que Edil estivesse presente no jogo decisivo.[58] Ele prosseguiu no "Timbu" para a disputa da segunda divisão brasileira de 2001, alternando-se na dupla com Kuki com Robgol. A competição seria vencida justamente pelo Paysandu, cujo empate em 1-1 em Recife rendeu nova partida em que Edil atuou contra o sobrinho Bebeto.[59] O Náutico qualificou-se como terceiro no grupo liderado pelo Paysandu, mas foi eliminado no mata-mata contra o Figueirense, a outra equipe a subir à elite. Cada um venceu o outro por 2-1, favorecendo a melhor campanha dos catarinenses.[60]

Edil, porém, não fez sucesso em Pernambuco, marcando um único gol pelo Náutico.[15] Permaneceu no Nordeste em 2002, indicado por Maurício Simões, que o vira no Náutico, para defender o Confiança. Nos azulinos, voltou a ser um atacante marcante, mantendo o personagem "Highlander". Marcou 17 gols pelo time, incluindo o do título do estadual de 2002, em vitória de virada por 2-1 sobre o Itabaiana. Seis desses gols foram válidos por aquele torneio, no qual terminou na artilharia. O veterano também brilhou pelo "Dragão" na Copa do Brasil de 2002, da qual era o artilheiro até a equipe ser eliminada nas oitavas-de-final pelo futuro finalista Brasiliense - destacando-se sobretudo pelos dois gols marcados em vitória de 4-0 sobre o ASA de Arapiraca, que sentia-se embalado e favorito após ter eliminado o Palmeiras.[2] Edil terminou aquele campeonato na vice-artilharia, ao lado do são-paulino Kaká.[61] Sobre a passagem pela equipe de Aracaju, Edil comentaria o seguinte, na ocasião dos 80 anos do Confiança:[2]

Ainda em 2002, Edil voltou ao Pará, dessa vez como jogador do Águia para jogar a terceira divisão, com dois gols marcados.[15] Seguiu no time de Marabá, reencontrando o ex-colega remista Luís Carlos Apeú, para estadual de 2003. Nele, marcou o gol de honra em derrotas tanto para Paysandu (4-1) como para o próprio Remo (3-1),[15] posteriormente campeão.[62] A equipe marabaense também acabou sendo pivô da surpreendente eliminação do Paysandu ao derrotar no segundo turno uma equipe embalada por disputar a Taça Libertadores da América daquele ano, resultado que adiante pesaria para elimina-lo precocemente da competição doméstica.[57] Ele ainda defendeu no ano seguinte o Ypiranga,[63] campeão amapaense daquele ano.[64]

Após parar[editar | editar código-fonte]

Edil continuou mantendo a forma em jogos de veteranos, contabilizando gols nessas partidas para declarar-se outro autor de mil gols no futebol; em jogos oficiais, teriam sido 525. Em 2014, aos 50 anos e afirmando estar nos 994 gols considerando amistosos e as partidas de veteranos, afirmou que "a torcida do Paysandu pede até hoje para eu voltar a jogar pelo profissional, dizem que eu estou em melhor forma que o Leandrão (que disputou o Parazão daquele ano pelo Remo). Como falei, eu me cuido, e por isso digo que jogo em alto nível. Jogo em times de pelada como um atleta, não que nem aqueles barrigudos. Olha, se Remo ou Paysandu me dessem a oportunidade de fazer o milésimo gol em um deles, eu jogava e garanto que marcava esse gol".[65]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Paysandu[editar | editar código-fonte]

Marítimo[editar | editar código-fonte]

Remo[editar | editar código-fonte]

Náutico[editar | editar código-fonte]

Confiança[editar | editar código-fonte]

Ypiranga[editar | editar código-fonte]

Individual[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j DA COSTA, Ferreira (2013). Edil - o gol era o seu objetivo incansável. Gigantes do futebol paraense. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, p. 122-123
  2. a b c d e BARBOSA, Thiago (3 de maio de 2016). «Highlander transforma passagem pelo Confiança em conto de super-herói». Globo Esporte. Consultado em 15 de abril de 2018 
  3. a b DA COSTA, Ferreira (2015). Fatos e Personagens do Re-Pa. Remo x Paysandu - Uma "Guerra" Centenária. Belém: Valmik Câmara, pp. 216-220
  4. a b PÊNA, Gustavo (27 de fevereiro de 2013). «Edil e Dadinho são os maiores goleadores de Re-Pa no Mangueirão». Globo Esporte. Consultado em 15 de abril de 2018 
  5. MELO, Felipe (22 de março de 2012). «Edil Highlander, o "Rei do Clássico Re-Pa"». Diário Online. Consultado em 15 de abril de 2018 
  6. «Conheça os 15 maiores artilheiros do Papão». Campeão dos Campeões - Revista Oficial do Paysandu n. 15. Consultado em 15 de abril de 2018 
  7. FERREIRA, Carlos (24 de maio de 2013). «Paysandu começa hoje o seu 40º campeonato brasileiro». ORM News. Consultado em 15 de abril de 2018 
  8. a b FERRARI, Carlos Augusto (1 de agosto de 2009). «Bebeto: sobrinho de 'Highlander', filho de ponta-esquerda e pupilo de Romário». Globo Esporte. Consultado em 15 de abril de 2018 
  9. a b c d e f «Braddock e Highlander: Edil espera marcar gol mil no próximo domingo». Globo Esporte. 14 de agosto de 2015. Consultado em 15 de abril de 2018 
  10. a b «Conheça o começo da carreira da lenda Edil». Diário Online. 16 de agosto de 2015. Consultado em 15 de abril de 2018 
  11. DA COSTA, Ferreira (2002). 1982 - Campeão Paraense de Futebol Juniores. Papão - O Rei do Norte. Belém: Valmik Câmara, p. 101
  12. DA COSTA, Ferreira (2002). 1981 - Paysandu 3 X Flamengo 0. Papão - O Rei do Norte. Belém: Valmik Câmara, p. 100
  13. DA COSTA, Ferreira (2013). 1985 - Paysandu chega ao bicampeonato com 1 derrota em 19 partidas. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 229-232
  14. DA COSTA, Ferreira (2015). 2000. Remo x Paysandu - Uma "Guerra" Centenária. Belém: Valmik Câmara, pp. 154-155
  15. a b c d e f g h i j k l m s. «Edil». Futebol 80. Consultado em 15 de abril de 2018 
  16. a b c d Placar - CD-ROM "História Do Brasileirão de 1971 A 2001"
  17. DA COSTA, Ferreira (2013). 1987 - Paysandu traz Givanildo Oliveira e levanta o título invicto. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 237-240
  18. a b DA COSTA, Ferreira (2013). A seleção do Pará através dos tempos. Gigantes do futebol paraense. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 306-331
  19. DA COSTA, Ferreira (2013). 1987 - Segunda Divisão - Módulo Branco. Memorial Cruzmaltino. Belém: ArtGráfica, pp. 165-167
  20. RSSSF & RSSSF Brasil (20 de agosto de 2013). «Brazilian Championship 1987». RSSSF Brasil. Consultado em 15 de abril de 2018 
  21. ANDRÉS, Juan Pablo (1 de fevereiro de 2018). «Venezuela - List of Champions and Runners Up». RSSSF Brasil. Consultado em 15 de abril de 2018 
  22. BALLESTEROS, Frank; CIULLINI, Pablo; STOKKERMANS, Karel (7 de março de 2013). «Copa Libertadores de América 1988». RSSSF Brasil. Consultado em 15 de abril de 2018 
  23. BALLESTEROS, Frank; CIULLINI, Pablo; STOKKERMANS, Karel (7 de março de 2013). «Copa Libertadores de América 1989». RSSSF Brasil. Consultado em 15 de abril de 2018 
  24. a b A conversa ao telefone de Israel com Edil e Spina (1º de abril de 1989). Diário do Pará: Esportes, p. 1
  25. Edil assina com o Paissandu e já estréia amanhã (3 de março de 1990). Diário do Pará: Esportes, p. 1
  26. a b DA COSTA, Ferreira (2013). 1990 - Remo coloca a faixa de bicampeão, sob a batuta de Paulinho de Almeida. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 251-255
  27. DA COSTA, Ferreira (2002). 1991 - Segunda Divisão - Campeão Brasileiro de Futebol. Papão - O Rei do Norte. Belém: Valmik Câmara, pp. 113-119
  28. CABRAL, Carlos (21 de março de 2018). «Jogos Marcantes! Em 21 de Março de 1991, Remo elimina o Vasco (RJ), pela Copa do Brasil!». Revista Jogos Marcantes. Consultado em 15 de abril de 2018 
  29. FELLIP, Carlos (12 de maio de 2015). «Há 24 anos, Remo quebrava recorde nortista na Copa do Brasil». ORM News. Consultado em 15 de abril de 2018 
  30. PÊNA, Gustavo (17 de dezembro de 2015). «Edil diz que foi discriminado no Vasco e reprova escolha de Pikachu». GloboEsporte. Consultado em 15 de abril de 2018 
  31. ARRUDA, Marcelo Leme; DIOGO, Julio Bovi; CRUZ, Santiago Reis da (7 de outubro de 2010). «Brazil 1992 Championship - Second Level (Divisão Classificatória)». RSSSF Brasil. Consultado em 15 de abril de 2018 
  32. Qual foi o gol mais curioso? (outubro de 2002). Placar n. 1248. São Paulo: Editora Abril, p. 61
  33. a b c «Qual foi seu jogo inesquecível pelo Papão? Edil». Campeão dos Campeões - Revista Oficial do Paysandu n. 26. Consultado em 15 de abril de 2018 
  34. Os recordes no Brasileiro (março de 2003). Placar n. 1256. São Paulo: Editora Abril, p. 79
  35. DA COSTA, Ferreira (2002). 1992 - Paysandu 4 x Peñarol 0. Papão - O Rei do Norte. Belém: Valmik Câmara, p. 121
  36. a b c DA COSTA, Ferreira (2013). 1992 - Com 4 vitórias de 1 a 0 sobre o Remo, Papão assegurou a faixa de campeão. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 261-266
  37. DA COSTA, Ferreira (2002). 1992 - Campeão com 4 vitórias de 1 X 0 sobre o Remo. Papão - O Rei do Norte. Belém: Valmik Câmara, pp. 122-124
  38. DA COSTA, Ferreira (2013). 1993 - Remo contrata Cacaio, artilheiro, e se torna campeão invicto. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 261-266
  39. «Edil Highlander». O Gol. Consultado em 15 de abril de 2018 
  40. CLARO, Paulo (29 de janeiro de 2006). «Portugal - List of Second Division Final Tables». O Gol. Consultado em 15 de abril de 2018 
  41. DA COSTA, Ferreira (2013). 1995 - Remo traz Luis Muller que desequilibra e conquista o tricampeonato paraense. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 276-278
  42. DA COSTA, Ferreira (2013). 1996 - Remo consegue trazer Waldemar Carabina e levanta o Tetracampeonato. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 279 - 283
  43. DA COSTA, Ferreira (2013). 1996 - Segunda Divisão. Memorial Cruzmaltino. Belém: ArtGráfica, pp. 197-199
  44. DA COSTA, Ferreira (2015). 1996. Remo x Paysandu - Uma "Guerra" Centenária. Belém: Valmik Câmara, pp. 176-178
  45. a b PONTES, Ricardo (10 de fevereiro de 2000). «Brazil - Copa Norte 1997». RSSSF. Consultado em 15 de abril de 2018 
  46. DA COSTA, Ferreira (2015). 1997. Remo x Paysandu - Uma "Guerra" Centenária. Belém: Valmik Câmara, pp. 178-180
  47. a b c DA COSTA, Ferreira (2013). 1997 - Remo levanta o segundo Pentacampeonato de sua história. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 284-288
  48. a b c SALES, Ronald (30 de janeiro de 2013). «O último e marcante Re x Pa dos 33 jogos do tabu». Diário Online. Consultado em 15 de abril de 2018 
  49. DA COSTA, Ferreira (2013). 1998 - Ricardo Rezende comanda a recuperação do Paysandu, campeão invicto. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 289-292
  50. DA COSTA, Ferreira (2013). 1999 - Uma luta titânica, mas, no final, Ailton anotou o gol do título do Remo. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 293-297
  51. a b DA COSTA, Ferreira (2013). 1999 - Segunda Divisão. Memorial Cruzmaltino. Belém: ArtGráfica, pp. 209-214
  52. PONTES, Ricardo; GONZALEZ, Miguel Alvim; ARRUDA, Marcelo Leme de (julho de 2003). «Brazil 1999 Third Level (Série C)». RSSSF Brasil. Consultado em 15 de abril de 2018 
  53. a b DA COSTA, Ferreira (2013). 2000 - Paysandu torna-se o último clube campeão do século XX. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 298-304
  54. RIVERA, Guillermo (6 de junho de 2008). «Brazil 2000 Championship - Copa João Havelange». RSSSF Brasil. Consultado em 15 de abril de 2018 
  55. DA COSTA, Ferreira (2015). 2000. Remo x Paysandu - Uma "Guerra" Centenária. Belém: Valmik Câmara, pp. 185-187
  56. DA COSTA, Ferreira (2002). 2001 - Campeão da I Copa Mais TV. Papão - O Rei do Norte. Belém: Valmik Câmara, p. 138
  57. a b BRANDÃO, Caio (4 de agosto de 2017). «Há 15 anos, o Paysandu conquistava a Copa dos Campeões e marcava o ápice de anos gloriosos na Curuzu». Trivela. Consultado em 15 de abril de 2018 
  58. Náutico - Campeão Pernambucano 2001 (janeiro de 2002). Placar n. 1127. São Paulo: Editora Abril, p. 8
  59. DA COSTA, Ferreira (2002). 2001 - Segunda Divisão - Campeonato Brasileiro de Futebol. Papão - O Rei do Norte. Belém: Valmik Câmara, pp. 148-157
  60. ARRUDA, Marcelo Leme de (14 de agosto de 2002). «Brazil 2001 Championship - Second Level». RSSSF Brasil. Consultado em 15 de abril de 2018 
  61. «Célio França quer voltar ao Confiança e promete Hélio dos Anjos e Túlio». Dragão de Aracaju. 3 de setembro de 2013. Consultado em 15 de abril de 2018 
  62. DA COSTA, Ferreira (2013). 2003 - Remo retoma o caminho dos títulos com o técnico Júlio César Leal. Parazão Centenário. Teresina: Halley S.A. Gráfica e Editora, pp. 312-314
  63. «Ypiranga faz seu último treino amanhã». Futebol do Norte. 15 de fevereiro de 2004. Consultado em 15 de abril de 2018 
  64. DIOGO, Julio Bovi (26 de outubro de 2006). «Amapá State League - List of Champions». RSSSF Brasil. Consultado em 15 de abril de 2018 
  65. PÊNA, Gustavo (3 de dezembro de 2014). «Ídolo da dupla Re-Pa quer se igualar a Pelé e Romário, e marcar mil gols». Globo Esporte. Consultado em 15 de abril de 2018