Federação Italiana de Futebol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Federação Italiana de Futebol
Federazione Italiana Giuoco Calcio (em italiano)

Federazione Italiana Giuoco Calcio.png

Fundação 16 de março de 1898
Sede Roma
Filiação à FIFA em 1905
Filiação à UEFA em 1954
Presidente Gabriele Gravina
Website www.figc.it

Seleção Masculina principal
Treinador Itália Roberto Mancini
Seleção Feminina principal
Treinador Itália Antonio Cabrini

A Federação Italiana de Futebol (em italiano: Federazione Italiana Giuoco Calcio, que usa a sigla FIGC), é o órgão dirigente do futebol sediana em Roma, na Itália. A entidade foi fundada em Turim em 15 de março de 1898 sob o nome Federazione Italiana del Football (FIF), manteve esse nome até 1909.

A FIGC é responsável pela organização dos principais campeonatos do futebol italiano. Entre eles o: Campeonato Italiano, a Copa da Itália e a Supercopa da Itália. A FIGC também é responsável pela Seleção Italiana de Futebol (tetracampeã mundial).

História[editar | editar código-fonte]

As origens[editar | editar código-fonte]

Foi fundada na cidade de Turim em 15 de março de 1898 sob o nome de Federação Italiana de Futebol – FIF (em italiano: Federazione Italiana del Football), nome esse mantido até 1909, para a presidência da nova associação foi eleito em 25 de março o engenheiro Mario Vicary, numa espécie de constituinte presidida pelo Conde Enrico D'Ovidio.[1][2]

Seguindo esse impulso que deu à Federação uma estrutura formal, o futebol conseguiu chegar rapidamente em toda a Itália, reunindo a empolgação e iniciativas que já haviam infectado as grandes cidades, de Gênova a Roma, de Turim a Palermo, de Milão para Nápoles. Pouco mais de dois meses depois de sua fundação, em 8 de maio de 1898, a Federazione organizou um torneio realizado no Velódromo Humberto I em Turim entre FC Torinese, Genoa, Ginnastica Torino e Internazionale Torino; o Genoa foi o campeão do Torneio, conquistando de fato o que, então, entraria para a história como a primeira edição do Campeonato Italiano de Futebol.[2]

Em 1909, foi sugerido mudar o nome da Federação durante as eleições anuais do conselho realizadas em Milão, as poucas equipes presentes, que representavam menos de 50% dos clubes filiados, decidiram então enviar um cartão-postal pedindo que todas as equipes votassem em um dos cincos novos nomes sugeridos durante a reunião. O novo nome que foi aprovado foi "Federazione Italiana Giuoco del Calcio" e desde então este é o nome da Federação Italiana de Futebol. A Federação foi reconhecida pela FIFA em 1905 e faz parte da UEFA desde o nascimento da confederação europeia, que ocorreu em 1954.[carece de fontes?]

A estreia da Seleção Masculina ocorreu em 15 de maio de 1910, na Arena Civica em Milão, e a Itália venceu a França por 6–2, vestindo camisas brancas. No ano seguinte, a icônica camisa Azzurra foi usada pela primeira vez numa partida contra a Hungria, a cor escolhida foi uma homenagem à Casa de Savoia.[2]

Infelizmente, a Primeira Guerra Mundial paralisou as atividades de 1916 a 1919 e a recuperação foi naturalmente difícil, tornando-se ainda mais problemática pelas lacunas criadas pelo conflito entre os oficiais e os jogadores. Uma vez que esta triste e dolorosa fase foi superada, enquanto o País recuou lentamente, o futebol explodiu, encorajado pelo desejo de redenção e um novo começo em que o esporte desempenhou um papel essencial.[2]

O futebol foi importado da Inglaterra, mas já era popular na Itália e sua popularidade se espalhou rapidamente, mesmo após uma pausa durante a Primeira Guerra Mundial, o futebol italiano continuou a evoluir: em 1913, foi realizado o primeiro campeonato em escala nacional, mesmo divididos em grupos do norte e sul, a competição foi vencida pelo Pro Vercelli que derrotou a Lazio por 6–0; em 1922, a primeira Coppa Italia foi realizada e o Vado ganhou o troféu; nesse mesmo ano, a Confederazione Calcistica Italiana (C.C.I.) separou-se da FIGC e acabou voltando no ano seguinte; e em 1930, o Campeonato Italiano disputado no sistema da rodadas foi lançado. Em dez anos (1923–33), ocorreram as primeiras grandes transformações em nível nacional e internacional, e essas mudanças foram possíveis graças a gestão de Leandro Arpinati na FIGC entre 1926 e 1933. Em 1933, Arpinati deixou o cargo para Giorgio Vaccar, que passará para a história como o mais bem sucedido presidente da história do futebol italiano. Nesse período, sob sua gestão, trouxeram glória para a seleção italiana liderada pelo técnico Vittorio Pozzo, que venceu as Copas do Mundo de 1934 e 1938, além da medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 1936.[2]

O período do pós-guerra[editar | editar código-fonte]

Durante o barulho sinistro das bombas da Segunda Guerra Mundial, o futebol teve que parar, e mais uma vez a guerra varreu tudo, e dramaticamente interrompeu o ar de entusiasmo e alegria que estava crescendo. A partir do período do pós-guerra, a Federação foi abalada por resultados decepcionantes alcançados em campo, motivados pelos escândalos nacionais ou extra-futebolistas.[3].

O futebol está entre os fatores que ajudaram a Itália a sair dos escombros da guerra: os bons anos do Grande Torino (vencedor de cinco campeonatos seguidos) e Tragédia de Superga (1949), tiveram repercussões imediatas na seleção nacional, que acabou eliminada na primeira rodada das Copas do Mundo de 1950 e 1954 e não qualificada para o Mundial de 1958. Foi também um período de grave crise para a FIGC: o presidente Ottorino Barassi renunciou, abrindo caminho para uma nova gestão do Comitê Executivo, nas mãos do comissário extraordinário Bruno Zauli. Foi, no entanto, este período da gestão do Comitê Executivo temporário que encorajou a transformação total de todo o corpo da federação e sua organização e Bruno Zauli inicia a renovação da FIGC em 1959: três ligas foram instituídas (profissional, semi-profissional e amador), a Associação de Árbitros foi transformada em um Setor da FIGC e outros dois setores de serviços foram criados, o setor Técnico, com sede em Coverciano, e o setor de categorias de base, que deu novo impulso às escolinhas de futebol. O mandato de Zauli chegou ao fim, e Umberto Agnelli chegou à frente da Federação em 1959. No entanto, ele logo decidiu desistir da tarefa porque estava muito envolvido com seus compromissos com a FIAT. No seu lugar, em 1961, começou o período de Giuseppe Pasquale à frente da entidade, ele foi "esmagado" pelo fracasso da seleção na 1966 contra a Coréia. Em 1967, com a chegada de Artemio Franchi à presidência da FIF (FIGC), o futebol italiano redescobriu sua forma em escala internacional. Em 1968, a Itália comandada por Valcareggi sediou e tornou-se campeã da Eurocopa e em 1970 foi vice-campeã da Copa do Mundo no México, perdendo a final para o Brasil por 4–1, depois de vencer na semifinal a Alemanha na prorrogação por 4–3. Os sucessos também ocorreram fora de campo: o Presidente da FIGC, Artemio Franchi, foi eleito presidente da UEFA em 1973 e vice-presidente da FIFA em 1974, deixou o cargo na FIGC para Franco Carraro em 1976, mas acabou voltando ao posto em 1978 e ficou até 1980.[4][5][2]

Anos 70/90[editar | editar código-fonte]

Um escândalo de apostas levou à renúncia de Artemio Franchi da presidência da FIGC, à véspera da Copa do Mundo na Espanha, onde a Itália treinada por Enzo Bearzot conquistou seu terceiro título mundial, sob a gestão do presidente Federico Sordillo, que substituiu Franchi em 1980. Em 1986, as consequências do Totonero bis, um escândalo de jogos de futebol na Itália entre 1984 e 1986 nas Serie A, Serie B, Serie C1 e Serie C2, levaram Franco Carraro ao comando da FIGC, como comissário extraordinário. Antonio Matarrese foi eleito presidente da FIGC em outubro de 1987. Nesse meio tempo, a reforma do Estatuto promovida por Carraro garantiu um arranjo mais funcional para toda a organização. Os anos que seguiram foram importantes para o futebol italiano, pois a seleção masculina conquistou o terceiro lugar no Campeonato Europeu de 1988, na Alemanha, e dois anos depois sediou a Copa do Mundo de 1990.[carece de fontes?]

Em 1996, as vicissitudes pessoais do presidente Antonio Matarrese, a falha na conquista da Copa de 90, a não qualificação para a Euro de 92 e a falha na Euro na Inglaterra em 96, levaram a queda de presidente da FIGC. Um congresso elegeu Luciano Nizzola como presidente da entidade, encerrando um período de 4 meses de gestão do secretário-geral do Comitê Olímpico Italiano, Raffaele Pagnozzi, como comissário extraordinário. Em 2000 foi a vez de Gianni Petrucci, que tornou-se comissário extraordinário após uma fracassada tentativa de reeleição de Luciano Nizzola.[3]

A era contemporânea[editar | editar código-fonte]

No final da presidência da FIF (FIGC) de Luciano Nizzola, nenhum candidato conseguiu obter o quórum necessário para ser eleito. Assim, a liderança da FIGC foi assumida pelo presidente do Comitê Olímpico Nacional Italiano – CONI, Gianni Petrucci, como comissário extraordinário. Após um ano de administração externa do presidente do CONI, Franco Carraro tornou-se presidente da Federação Italiana de Futebol, depois de ter sido eleito com mais de 90% dos votos durante a Assembléia Geral realizada em 28 de dezembro de 2001, em Roma. Franco Carraro voltou a presidência da FIGC depois de 25 anos, ele tinha sido sido eleito pela primeira vez em 1 de agosto de 1976.[carece de fontes?]

Em maio de 2006, após as conseqüências do Calciopoli, um escândalo que envolveu alguns dos principais clubes do país em um esquema de manipulação de resultados na temporada 2004–05 da Serie A, a FIGC foi colocada sob intervenção pelo Comitê Olímpico Nacional Italiano (CONI, na sigla em italiano) e o presidente da Federação Italiana de Futebol, Franco Carraro foi substituído pelo comissário extraordinário, Guido Rossi.[6] Em 19 de setembro, Rossi renunciou ao cargo de Comissário da FIGC.[7][8] Em 21 de setembro, Luca Pancalli, chefe do Comitê Paraolímpico Italiano, foi escolhido pra substituir Rossi, como comissário extraordinário da FIGC.[9][10]

Em 2 de abril de 2007, Giancarlo Abete é eleito presidente da FIGC por uma grande maioria durante a assembléia geral, com um coeficiente de 449,94 votos dos 461,94 correspondentes aos 264 delegados que votaram (5 votaram em branco, 2 abstiveram de votar dos 271).[11]

Em 2009, Giancarlo Abete foi confirmado como presidente da FIGC para mais quatro anos durante a primeira rodada de votação, tendo recebido 98,42% de todos os votos e 2011 ele também será nomeado vice-presidente da UEFA.[12]

Em 14 de janeiro de 2013, o presidente Giancarlo Abete foi reeleito para a chefia da FIGC.[13]

Após a Copa do Mundo FIFA de 2014, Abete demitiu-se e Carlo Tavecchio, 74 anos, foi eleito presidente da Federação em 11 de agosto de 2014.[14]

Em 20 de novembro de 2017, o presidente da FIGC, Carlo Tavecchio, renunciou ao cargo, uma semana depois de a seleção nacional não conseguir a vaga para a Copa do Mundo de 2018 na Rússia, a primeira vez desde 1958; ele havia sido reeleito para quatro anos no cargo em março de 2017, mas passou a sofrer grande pressão depois da desclassificação na repescagem europeia pela Suécia, considerada um desastre no país, e decidiu se afastar.[15][16]

Em 1 de fevereiro de 2018, após a eleição fracassada assembleia de janeiro de 2018, que não consegue chegar ao quórum para a eleição de um novo presidente, o CONI, que supervisiona todos os esportes na Itália, nomeia o seu secretário geral, Roberto Fabbricini, para o cargo de comissário extraordinário da Federação Italiana de Futebol, que passa a presidir interinamente a entidade.[17][18][19][20]

Em 22 de outubro de 2018, o ex-mandatário da Lega Pro (terceira divisão do futebol da Itália) Gabriele Gravina foi eleito como o novo presidente da Federação Italiana de Futebol (FIGC). Gabriele Gravina, de 65 anos, ganhou a eleição com 97,20% dos votos, em uma assembleia eleitoral em Roma. O cartola era o único candidato para substituir o ex-presidente Carlo Tavecchio. A FIGC estava sob intervenção do Comitê Olímpico Nacional Italiano (CONI) desde janeiro, devido ao impasse para escolher o sucessor de Tavecchio.[21]

Componentes da FIGC[editar | editar código-fonte]

A Federazione Italiana Giuoco Calcio conta com os seguintes componentes:

Conquistas Seleção Italiana de Futebol[editar | editar código-fonte]

Historial no Campeonato da Europa[editar | editar código-fonte]

  • Organizações: 2 (1968 e 1980)
  • Participações: 9 (1968, 1980, 1988, 1996, 2000, 2004, 2008, 2012 e 2016)
  • Títulos: 1 (1968)
  • Finais: 3 (1968, 2000 e 2012)
  • Ronda de qualificação:
    • Presenças: 11
    • Jogos: 96
    • Vitórias: 50
    • Empates: 31
    • Derrotas: 16
    • Golos marcados: 150
    • Golos sofridos: 64

Presidentes[editar | editar código-fonte]

Fontes oficias: FIGC[22] e do CONI[23]:

FEDERAZIONE ITALIANA FOOTBALL (1898–1909)
Nome Mandato Observação
Conde Enrico D'Ovidio 1898–1905 Presidente "pro tempore" de 15 de março a 25 de março de 1898.
Mario Vicarj 1898–1905 Eleito em 26 de março de 1898.[24]
Giovanni Silvestri 1905–1907
Emilio Balbiano di Belgioioso 1907–1909
Luigi Bosisio 1909–1910
FEDERAZIONE ITALIANA GIUOCO DEL CALCIO (1909–...)
Nome Mandato Observação
Felice Radice 1910–1911
Emilio Valvassori 1911
Alfonso Ferrero de Gubernatis Ventimiglia 1911–1912
Vittorio Rignon 1912–1913
Luigi De Rossi 1913–1914 Eleito, mas não aceitou o cargo.
Carlo Montù 1914–1915
Francesco Mauro 1915–1919 Regente durante a Primeira Guerra Mundial.
Carlo Montù 1919–1920
Francesco Mauro 1920–1921 Interino.
Luigi Bozino 1921–1923
Giovanni Mauro 1923–1924 Comissário.
Luigi Bozino 1924–1926
Leandro Arpinati 1926–1933
Giorgio Vaccaro 1933–1942
Luigi Ridolfi Vay da Verrazzano 1942–1943
Giovanni Mauro 1943 Regente da FIGC de julho a setembro de 1943.
Ettore Rossi 1943–1944 Regente da FIGC de setembro de 1943 a março de 1944.
Ferdinando Pozzani 1944 Regente da FIGC de março a julho de 1944.
Ottorino Barassi 1944–1958 Regente da FIGC de dezembro de 1944 a maio de 1946.
E presidente eleito de maio de 1946 a agosto de 1958.
Bruno Zauli 1958–1959 Comissário extraordinário.
Umberto Agnelli 1959–1961
Giuseppe Pasquale 1961–1967
Artemio Franchi 1967–1976
Franco Carraro 1976–1978 Eleito em 8 de janeiro de 1976.[25]
Artemio Franchi 1978–1980
Federico Sordillo 1980–1986
Franco Carraro 1986–1987 Comissário extraordinário de 7 de setembro de 1986 a 29 de julho de 1987.[25]
Antonio Matarrese 1987–1996
Raffaele Pagnozzi 1996–1997 Comissário extraordinário.
Luciano Nizzola 1997–2000
Gianni Petrucci 2000–2001 Comissário extraordinário e presidente do CONI.[26]
Franco Carraro 2001–2006 Eleito em 28 de dezembro de 2001.[25]
Guido Rossi 2006 Comissário extraordinário de 16 de maio a 19 de setembro de 2006.[27][28]
Luca Pancalli 2006–2007 Comissário extraordinário de 21 de setembro de 2006 a 2 de abril de 2007.[29]
Giancarlo Abete 2007–2014 Eleito em 2 de abril de 2007 e demitiu-se em 30 de junho de 2014.[30][31]
Carlo Tavecchio 2014–2018 Presidente de 11 de agosto de 2014 a 29 de janeiro de 2018.
Roberto Fabbricini 2018 Comissário extraordinário de 1 de fevereiro a 21 de outubro de 2018.[32]
Gabriele Gravina 2018– Eleito em 22 de outubro de 2018.[33]

Notas e referências

Notas

Referências

  1. Radogna, Fiorenzo (15 de março de 2018). «I 120 anni della FIGC in 20 tappe e numeri: da Torino a Berlino e al commissario senza Russia». Corriere della Sera (em italiano). Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  2. a b c d e f «La storia della Federazione». FIGC (em italiano). Consultado em 21 de dezembro de 2018 
  3. a b «Commissariamento Figc, scenari e reazioni dopo l'elezione mancata del presidente» (em italiano). 29 de janeiro de 2018 
  4. Almanacco Illustrato del Calcio 2011 (em italiano). Modena: Panini Editore. 2010. p. 9-10. ISBN 978-88-6589-034-9 
  5. Corriere dello Sport, 14 de agosto de 1958. Arquivado em 2014-07-16 no Wayback Machine.
  6. «Commissario Figc, il Coni sceglie Guido Rossi» (em italiano). Consultado em 22 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2018 
  7. «Rossi set to leave FIGC». channel4.com (em inglês). Consultado em 18 de setembro de 2006. Arquivado do original em 12 de outubro de 2004 
  8. «Rossi resignation accepted». channel4.com (em inglês). Consultado em 19 de setembro de 2006. Arquivado do original em 23 de novembro de 2001 
  9. «Pancalli lands FIGC post». channel4.com (em inglês). Consultado em 21 de setembro de 2006. Arquivado do original em 23 de setembro de 2008 
  10. «Figc, Pancalli nuovo commissario "Voglio riportare serenità nel calcio"» (em italiano). 21 de setembro de 2006 
  11. «PANCALLI AND ABETE» (em inglês). FICG. Consultado em 22 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 11 de fevereiro de 2018 
  12. «ABETE CONFIRMED PRESIDENT, ITALY BAD IN CONFEDERATION CUP» (em inglês). FICG. Consultado em 22 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 2 de novembro de 2008 
  13. «THE AZZURRI MEET WITH POPE FRANCIS, UNDER 21 SECOND IN EURO» (em inglês). FICG. Consultado em 22 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 11 de fevereiro de 2018 
  14. «Transparency FIGC». figc.it/en (em inglês). Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2017 
  15. «Figc, Tavecchio si è dimesso: "Sciacallaggio politico". Malagò: Unica soluzione è commissariamento» (em italiano). 20 de novembro de 2017 
  16. Paulo, iG São (20 de novembro de 2017). «Vexame da Itália faz presidente da Federação local renunciar - Internacional - iG». Esporte. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  17. «Presidenza Figc, è caos: niente intesa, si va verso commissariamento» (em italiano). 29 de janeiro de 2018 
  18. «Calcio, Fabbricini commissario straordinario della Figc, Malagò della Lega di A» (em italiano). 1 de fevereiro de 2018 
  19. «Após eleição fracassada, Federação Italiana de Futebol nomeia presidente interino - Esportes». Estadão. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  20. Paulo, iG São (1 de fevereiro de 2018). «Futebol italiano tem novo chefe nomeado pelo Comitê Olímpico - Internacional - iG». Esporte. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  21. Paulo, iG São (23 de outubro de 2018). «Novo presidente da Federação Italiana de Futebol é eleito - Internacional - iG». Esporte. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  22. «FIGC». www.figc.it. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  23. «Federazione Italiana Giuoco Calcio (FIGC)». www.coni.it. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  24. «1898: Mario Vicary - History - FIGC». FIGC. 11 de fevereiro de 2018. Consultado em 23 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2018 
  25. a b c «FRANCO CARRARO». FIGC. Consultado em 23 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 24 de julho de 2017 
  26. «Figc: Petrucci, serve commissario Coni - Calcio». ANSA.it (em italiano). 30 de janeiro de 2018. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  27. «Deciso il commissario del calcio Federazione nelle mani di Guido Rossi - Serie A - Calcio - Sport - Repubblica.it». www.repubblica.it. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  28. «GUIDO ROSSI». FIGC. Consultado em 23 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 26 de julho de 2017 
  29. «Itália decide parar para refletir e reagir contra violência nos estádios - 03/02/2007 - UOL Esporte - Futebol». esporte.uol.com.br. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  30. Line, A. TARDE On. «Itália elege novo presidente da federação nacional». Portal A TARDE. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  31. «Técnico e presidente da federação italiana pedem demissão». VEJA.com. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  32. «Comitê Olímpico nomeia comissário para o futebol italiano». Terra. Consultado em 23 de dezembro de 2018 
  33. «Federação Italiana elege novo presidente após um ano sem ninguém no cargo». Globoesporte. Consultado em 23 de dezembro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Soccer stub.svg Este artigo sobre futebol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.