Ildefonso Colares Filho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ildefonso Colares
Nome completo Ildefonso Colares Filho
Nascimento 1 de agosto de 1948 (69 anos)
Fortaleza, CE
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Ex-presidente da Construtora Queiroz Galvão
Profissão Engenheiro civil

Ildefonso Colares Filho (Fortaleza, 1 de agosto de 1948)[1] é um engenheiro civil brasileiro e ex-diretor presidente da Construtora Queiroz Galvão, onde trabalhou por mais de 40 anos.[2] Em novembro de 2014 foi preso na sétima fase da Operação Lava Jato, batizada de Juízo Final.[3] Em agosto de 2016, foi preso novamente, na trigésima terceira fase, batizada de Resta Um.[4][5][6]

Em 18 de novembro de 2014, em depoimento à Polícia Federal,[1] no Paraná, quando preso pela primeira vez, Colares citou como recebedores de doações da Queiroz Galvão o PT, o PMDB, o PP, entre outros partidos.[2]

De acordo com as investigações, as doações da Queiroz Galvão foram intermediadas pelo doleiro Alberto Youssef, considerado operador do esquema na Petrobras.[7]

Em junho de 2016 foi divulgado um vídeo em que Ildefonso participou de uma reunião em 2009 onde foi discutido pagamento de propina de R$ 10 milhões ao Sérgio Guerra (PSDB) para frear a CPI da Petrobras.[8][9]

Referências

  1. a b «Depoimento Ildefonso Colares Filho». docslide.com. Consultado em 6 de agosto de 2016 
  2. a b Fausto Macedo (18 de novembro de 2014). «Executivo diz à PF que empreiteira fazia doações ao PT, PP, PMDB 'e mais alguns'». Estadão. Consultado em 6 de agosto de 2016 
  3. «Justiça decreta prisão de presidentes de 5 empresas na Operação Lava-Jato». Folha de S. Paulo. Uol. 14 de novembro de 2014. Consultado em 2 de agosto de 2016 
  4. «PF deflagra Resta Um e alvo é construtora que deu R$ 10 mi a ex-presidente do PSDB». Consultado em 6 de agosto de 2016 
  5. «PF cumpre mandados da 33ª fase da Lava Jato e mira a Queiroz Galvão». G1. Globo.com. 2 de agosto de 2016. Consultado em 6 de agosto de 2016 
  6. «Operação Lava Jato chega a 33ª fase e mira Queiroz Galvão». Veja online ed. Editora Abril. 2 de agosto de 2016. Consultado em 6 de agosto de 2016 
  7. «Investigado na 33ª fase da Lava Jato que estava na China se entrega à PF». G1. Globo.com. 5 de agosto de 2016. Consultado em 6 de agosto de 2016 
  8. Márcio Falcão (5 de junho de 2016). «Para PF, gravação mostra líder tucano Sérgio Guerra sabotando CPI». Folha de S.Paulo. Uol. Consultado em 6 de agosto de 2016 
  9. «Em vídeo, Sérgio Guerra negocia propina para frear CPI da Petrobras de 2009». Bahia noticias. 23 de junho de 2016. Consultado em 6 de agosto de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Depoimento de Ildefonso Colares Filho em novembro de 2014 à Polícia Federal